Version classiqueVersion mobile

Redes, bibliotecas e literacias

 | 
Fernando Gameiro
, 
António Cachopas

Bibliotecas Escolares… porque sim!

Elsa Conde

Résumé

Alguém imagina uma escola sem um serviço de biblioteca? Pode a escola responder aos desafios e exigências de mudança que atualmente se lhe colocam sem a biblioteca escolar? As bibliotecas acrescentam valor aos programas curriculares, contribuem para as aprendizagens e os resultados escolares, enriquecem os modos e as estratégias de ensino e promovem a igualdade de oportunidades e a inclusão. A aprendizagem tem de enriquecer-se com recursos diferentes, novos espaços e outros atores e a biblioteca escolar é nuclear a este trabalho curricular e à formação para as diferentes literacias, cruciais à escola do século XXI. Foi esta convicção sobre o papel indispensável das bibliotecas escolares no sucesso educativo e na formação global dos alunos que motivou a elaboração, pela RBE, de um referencial de aprendizagens associadas à sua missão e intervenção nas escolas e no currículo, intitulado Aprender com a biblioteca escolar.

Texte intégral

Introdução

1Vivemos uma Era marcada por inúmeras transformações sociais e culturais e por grandes avanços tecnológicos, com um enorme impacto nas formas como lemos, acedemos à informação e ao conhecimento, aprendemos, interagimos e nos integramos socialmente, afetando todos os domínios da nossa vida individual e coletiva.

2Estas mudanças fazem-se sentir, naturalmente, também nos campos da educação e do ensino, colocando à escola uma série de novos desafios, a que esta tem de se adequar e procurar responder, tendo em conta a imersão dos jovens na nova sociedade, baseada no conhecimento e profundamente marcada pela revolução digital.

3O documento da OCDE: Innovative Learning Environments, publicado em 2013, sistematiza bem os princípios que hoje devem orientar um ensino inovador e de qualidade, ilustrando-os através de quarenta estudos de caso em diversos países.

  • Trabalhar em equipa e envolver outros educadores e atores nas atividades de ensino e aprendizagem (visible teaching);

  • Repensar a atual gestão estanque dos tempos e de constituição de turmas/grupos;

  • Desenvolver as competências do século XXI e enfatizar os processos, e não apenas os resultados;

  • Fomentar e valorizar a abordagem interdisciplinar de temas e conteúdos, operando a articulação curricular horizontal entre disciplinas/ áreas;

  • Renovar o conceito de espaços de aprendizagem para lá da sala de aula e do próprio espaço escolar, valorizando parcerias no interior e exterior da escola;

  • Explorar os novos recursos digitais e as possibilidades de aprendizagem colaborativa e em rede, baseando-a em estratégias e técnicas de ensino diversificadas;

  • Inovar as práticas pedagógicas e as formas de avaliação: centralidade das aprendizagens no trabalho escolar; diferenciação (microteaching); aprendizagem social; valorização da motivação/ emoções; aprendizagens desafiadoras e significativas; integração das tecnologias; avaliação formativa, autorregulação e consistência da avaliação; etc.

4Todos reconhecemos que as crianças e os jovens nascidos na Era Digital possuem uma habilidade e capacidade de integração naturais para lidar com os novos ambientes mediáticos e informativos e as suas tecnologias. Sabemos também, porém, que apesar deste à vontade aparente acerca do mundo de informação em que estão imersos, são grandes as dificuldades com que os mesmos se deparam no exercício de competências de leitura, informação e pensamento crítico e de atitudes seguras e responsáveis, indispensáveis à construção do conhecimento e da cidadania (Boyd, 2014). Nunca, como hoje, parece ter sido tão importante munir os jovens, não só dos saberes específicos inerentes a cada disciplina, mas também de um conjunto de novas competências de literacia, para as quais as bibliotecas escolares podem contribuir de forma nuclear.

5As competências de multiliteracia têm estado na ordem do dia. Projetos como o que foi conduzido pela Cisco, Intel e Microsoft sobre o ensino e a avaliação de competências do século XXI (University of Melbourne, 2012), organizações como a Partnership for 21st Century Learning (atual. 2016), repositórios e wikis como o que continua a ser alimentado pela Alfiniberoamerica (atual. 2016), plataformas de recursos como o Common Sense Media (atual. 2016), comunidades como o InfoLit Group (CILIP, atual. 2016), blogues como o MindShift (KQED, atual. 2016), redes institucionais de projetos como os da European Schoolnet (atual. 2016) e outras tantas manifestações, são uma pequeníssimo exemplo da vitalidade do movimento existente, em prol de uma educação e formação versando um ensino alargado de literacias, tecnológicas, digitais, dos media, da informação, e outras.

6A presente comunicação insere-se nesta problemática, debruçando-se sobre a importância das bibliotecas escolares e do referencial Aprender com a biblioteca escolar, produzido em 2012 pela Rede de Bibliotecas Escolares, para a promoção deste conjunto de novas literacias, que hoje cabe às escolas garantir.

Bibliotecas escolares e novas literacias

7O redesenho dos atuais ambientes, processos e conteúdos de aprendizagem parece ser, à luz das ideias apresentadas, uma questão crítica, no âmbito da qual as bibliotecas escolares detêm um papel catalisador.

8A influência dos contextos organizacionais de trabalho e dos modos como são disponibilizados os recursos e os serviços educativos é determinante, refletindo a cultura de aprendizagem e as representações da escola sobre o modo de aprender que os fundamentam.

9As bibliotecas escolares são, por natureza, espaços que desafiam o tradicional modo de organização pedagógica centrado no espaço fechado da sala de aula, podendo, enquanto tal, constituir um poderoso elemento de mudança e inovação, capaz de proporcionar novos modos de aprender e interagir, quer estes tenham lugar no tempo letivo, disciplinar e formal ou noutras situações de trabalho individual, em grupo, ou da turma, distendendo o tempo e o espaço das aprendizagens das salas de aula para fora delas e induzindo novas práticas e literacias.

10Dados de investigação em todo o mundo têm demonstrado o contributo das bibliotecas escolares e dos professores bibliotecários para a melhoria das aprendizagens e dos níveis de literacia dos alunos e para a igualdade no acesso aos bens de cultura e conhecimento.

11Um estudo publicado em outubro de 2013, encomendado pela SLIC (Scotish Library & Information Council) à R. Gordon University, Impact of School Libraries on Learning (Williams, Wavell & Morrison, 2013), atualizando um outro, de 2001, conduzido pelas mesmas autoras, faz uma boa revisão crítica das evidências internacionalmente disponíveis, atestando a influência das bibliotecas na aprendizagem e nos resultados escolares, em termos de novos conhecimentos, capacidades e atitudes.

12Como efeito da evolução do paradigma tecnológico e das suas profundas implicações nas formas de acesso, produção e comunicação da informação, as bibliotecas atravessam naturalmente, também, transformações assinaláveis, sendo aí igualmente sentido um movimento geral de mudança e de requalificação.

13Veja-se, a este respeito, o exemplo recente de Leading Learning: Standards of Practice for School Library Learning Commons in Canada, da Canadian Library Association (2014), onde se desenha um vasto conjunto de standards e de estratégias de ação conducentes à afirmação de um novo conceito de biblioteca.

14A mesma visão e reflexão sobre o futuro das bibliotecas invade hoje também, aliás, o pensamento ao nível das bibliotecas públicas e universitárias, como pode ser atestado pelo exemplo do relatório publicado nos EUA: Rising to the Challenge: Re-envisioning Public Libraries (2014).

15Com a Internet sem fios, a tendência para a personalização e mobilidade dos equipamentos, o armazenamento da informação e prestação de serviços cada vez mais baseados na nuvem e a omnipresença das tecnologias nas atividades de pesquisa, leitura, escrita e produção gráfica, a configuração das antigas funcionalidades e serviços das bibliotecas tende a modificar-se.

16As bibliotecas precisam de se tornar espaços mais flexíveis, multifuncionais e adaptados às necessidades e gostos pessoais dos seus utilizadores, oferecendo:

  • espaços e lugares de trabalho e leitura individual, recatados e sossegados, em nichos e recantos;

  • espaços abertos de encontro, convívio e socialização, para estar, conversar, jogar ou ler informalmente;

  • espaços comuns para atividades de aprendizagem e formação, estudo, trabalho escolar, acolhimento e apoio aos alunos e aulas com turmas ou grupos;

  • espaços apetrechados com equipamentos e ferramentas para a criação, edição e apresentação de produtos media (tablets, laptops, smartphones, câmaras, mesas tácteis, quadros interativos, écrans LED, etc.);

  • espaços de fruição onde possam ser organizados eventos culturais e artísticos, capazes de proporcionar novas experiências e vivências aos alunos: concertos; cinema; clubes de leitura, visita de escritores; teatro; etc.

17A forma como os alunos aprendem é hoje consideravelmente diferente, sendo tendencialmente cada vez mais realizada para além dos espaços da sala de aula, em ambientes digitais e em contextos sociais de comunicação, partilha e atividade em grupo, onde o trabalho escolar e o lazer se misturam, várias ações têm lugar em simultâneo e a autonomia e cooperação se inscrevem como condições indispensáveis de formação e aprendizagem ao longo da vida.

18As bibliotecas escolares são um alicerce fundamental destas práticas, constituindo-se como um espaço físico e virtual inovador, capaz de proporcionar novas oportunidades e modos de aprender.

O papel do professor bibliotecário

19O enfoque do papel da biblioteca escolar no centro da aprendizagem e da formação global dos alunos tem vindo a acarretar uma alteração significativa do perfil do professor bibliotecário, de modo a torná-lo capaz de adequar a gestão organizacional e pedagógica da biblioteca aos desafios atuais, promover o trabalho articulado com a escola e os docentes e servir os utilizadores, correspondendo às suas necessidades, gostos e interesses.

20A afirmação do trabalho do professor bibliotecário passa atualmente por uma constante atualização de conhecimentos que o ponha a par dos mais recentes desenvolvimentos nos domínios da gestão de informação e dos novos serviços, produtos e tecnologias, da produção de conteúdos, do design de programas formativos para as literacias, do desenvolvimento curricular e da avaliação, da gestão de projetos, etc., e por uma participação cada vez mais ativa no planeamento e desenvolvimento de políticas que, dentro da escola, orientem o exercício de boas práticas e fomentem a leitura e as literacias.

21O carácter cada vez mais interativo da informação, a tendência para que os consumidores de informação se tornem também produtores de informação e o valor crescente atribuído à participação, partilha e comunicação, sobretudo induzidos pela Web2.0, têm vindo a colocar os utilizadores no centro dos processos e sistemas de informação. A existência de mais informação, acessível em rede independentemente de espaço e tempo, não é sinónimo, por si só, de melhor informação, a não ser que os seus utilizadores saibam lê-la e usá-la adequada e significativamente. O trabalho da biblioteca em torno da informação tem de centrar-se, deste modo, nos utilizadores e servir este fim maior, que é o da transformação da informação em conhecimento.

22Neste sentido, para além de gestor da informação, o professor-bibliotecário tende a assumir também um papel pedagógico cada vez mais ativo como co professor, promovendo, em colaboração com os docentes, não apenas as competências específicas inerentes aos processos de informação, mas também outras competências cognitivas de pensamento crítico e de aprendizagem, bem como um importante leque de valores e atitudes que hoje integram o ato de aprender e a formação cidadã.

O referencial Aprender com a Biblioteca Escolar

23O trabalho escolar sobre as novas competências de literacia necessita de contextos para que estas possam ser ensinadas e de conteúdos onde possam ser exercidas funcionalmente, devendo, desejavelmente, integrar todos os níveis de ensino, disciplinas e ambientes de aprendizagem.

24O currículo australiano (ACARA, atual. 2016) oferece-nos um bom exemplo da aplicação prática destes objetivos, indicando de forma explícita e intencional nos conteúdos das diferentes disciplinas, várias competências transversais que aí podem ser desenvolvidas: literacia, numeracia, TIC, pensamento crítico e criativo, capacidades pessoais e sociais, compreensão ética e compreensão intercultural.

25Para poder concretizar esta integração curricular das literacias de um modo eficaz, instituições e bibliotecas de diferentes países têm investido na aplicação de referenciais que deem resposta a esta necessidade de incluir nos currículos dos vários saberes disciplinares, de uma forma clara e sistemática, o trabalho sobre as novas competências, alinhando-as com os conteúdos programáticos, as metas curriculares e as atividades inerentes a cada disciplina/ área de conhecimento (ex. AASL, 2007).

26Foi, também, esta necessidade que motivou a elaboração e implementação, pela Rede de Bibliotecas Escolares (2012), do referencial de aprendizagens associadas à missão e intervenção das bibliotecas nas escolas e no currículo: Aprender com a Biblioteca Escolar.

27A aplicação deste referencial iniciou-se em 2012-13 com um grupo piloto de escolas que, desde então, se tem progressivamente vindo a alargar.

28O documento organiza-se em função de três grandes áreas: literacia da leitura, literacia dos media e literacia da informação.

29A área da literacia da leitura inclui o uso, reflexão e compreensão de textos multimodais, impressos ou digitais, e o domínio de diferentes formas de expressão: oral, escrita e multimédia.

30A área da literacia dos media visa formar para a análise crítica e compreensão da natureza dos diferentes media e dos produtos, técnicas comunicacionais e mensagens por eles utilizadas, bem como do seu impacto nos indivíduos e na sociedade, dotando os alunos para o seu uso crítico e informado.

31A área da literacia da informação visa munir os alunos dos conhecimentos que os capacitem para a pesquisa, acesso, avaliação, produção e uso ético e eficaz dos recursos e ferramentas de informação e comunicação, qualquer que seja o seu formato ou suporte.

32A literacia digital cruza todas as áreas, refletindo a omnipresença das tecnologias, ferramentas e ambientes digitais na vida social, na escola e nas atividades de ensino e aprendizagem.

33O documento fornece um conjunto de standards de desempenho, sugestões de estratégias de operacionalização e exemplos práticos de aplicação, que ajudam a planear as atividades de aprendizagem em colaboração com a biblioteca escolar no domínio destas literacias.

34Os diferentes intervenientes no processo têm considerado o referencial Aprender com a biblioteca escolar um documento bem estruturado, claro, de fácil leitura e compreensão e um instrumento importante para as atividades de ensino e para as bibliotecas, ajudando-as a alicerçar e operacionalizar os seus objetivos de aprendizagem e de formação para as literacias (Rede de Bibliotecas Escolares, 2014a; 2014b).

Conclusão

35Cabe às escolas, à sua Direção, às estruturas educativas e aos docentes salvaguardar a inclusão da biblioteca na organização, estratégias e objetivos educativos e curriculares de ensino, tendo em vista a criação de ambientes e modos de aprendizagem favoráveis ao desenvolvimento das novas literacias.

36O contributo dos professores bibliotecários para a exploração de novos contextos, metodologias, ferramentas e recursos de aprendizagem, através de experiências colaborativas de planificação, ensino e avaliação com os docentes é, a este título, fundamental.

37O trabalho colaborativo entre a biblioteca escolar e os docentes é entendido como o meio mais eficaz de desenvolver as literacias do século XXI porque é no contexto dos conteúdos que as competências de literacia são melhor aprendidas e vice-versa: os conteúdos tornam as aprendizagens de competências mais importantes e significativas e, simultaneamente, estas alargam e tornam mais profundas as aprendizagens dos conteúdos.

38A operacionalização de atividades em torno do Aprender com a biblioteca escolar tem ajudado a promover este trabalho colaborativo.

39No final de cada ano, os professores bibliotecários e os docentes envolvidos no grupo piloto de testagem do referencial têm realizado uma reflexão conjunta sobre as atividades desenvolvidas. Da análise destas reflexões, tem ressaltado uma avaliação muito positiva dos resultados a nível da colaboração, dos materiais utilizados, do apoio dado aos alunos, dos resultados no trabalho e utilização da biblioteca escolar e dos impactos nas aprendizagens (RBE, ibid).

40Através dos testemunhos dos docentes e professores bibliotecários verificamos que existiu, em geral, uma perceção positiva quer no domínio dos descritores inerentes às áreas de literacia que compõem o referencial _ por exemplo, na melhoria da compreensão leitora, aquisição de métodos de pesquisa, desenvolvimento do espírito crítico, respeito pelos direitos de autor, segurança na Internet, manipulação de ferramentas, aumento dos índices de leitura e de utilização da biblioteca escolar, e outros _ quer no âmbito dos conteúdos estritamente disciplinares (RBE, ibid).

41Em suma, o referencial Aprender com a biblioteca escolar tem sido um importante instrumento pedagógico, formativo e de reforço do papel da biblioteca nas escolas, sendo indispensável que continue a enraizar-se nas práticas docentes e a consolidar-se nas rotinas do trabalho escolar com as bibliotecas.

42Com a sua aplicação, as bibliotecas acrescentam valor aos programas curriculares, enriquecem os modos e estratégias de ensino, contribuem para as aprendizagens e o desenvolvimento das literacias e promovem a inclusão.

Bibliographie

AASL – American Association of School Libraries (2007) - Standards for the 21st Century Learner [Em linha]. Chicago: American Library Association. [Consultado em 29 de Maio de 2016]. Disponível em: http://www.ala.org/ala/mgrps/divs/aasl/guidelinesandstandards/learningstandards/AASL_Learning_Standards_2007.pdf

ACARA - Australian Curriculum, Assessment and Reporting Authority (2016). General Capabilities in the Learning Areas [Em linha]. Australia: ACARA. [Consultado em 29 de Maio de 2016]. Disponível em: http://www.australiancurriculum.edu.au/generalcapabilities/overview/general-capabilities-in-the-learning-areas

ALFINIBEROAMERICA (2016) - Alfabetización Informacional en Iberoamerica [Em linha]. [Consultado em 29 de Maio de 2016]. Disponível em: http://alfiniberoamerica.wikispaces.com/

(THE) ASPEN INSTITUTE (2014) - Rising to the Challenge: Re-envisioning Public Libraries [Em linha]. Washington, DC. : The Aspen Institute. [Consultado em 29 de Maio de 2016]. Disponível em: http://csreports.aspeninstitute.org/documents//AspenLibrariesReport.pdf

BOYD, D. (2014) - It’s Complicated: the Social Lives of Networked Teens [Em linha]. London : Yale University Press. [Consultado em 29 de Maio de 2016]. Disponível em: http://www.danah.org/books/ItsComplicated.pdf

CANADIAN LIBRARY ASSOCIATION (2014) - Leading Learning: Standards of Practice for School Library Learning Commons in Canada [Em linha]. Ontario. [Consultado em 29 de Maio de 2016]. Disponível em: http://clatoolbox.ca/casl/slic/llsop.pdf

CILIP (2016) - Information Literacy Group. [Em linha]. UK. [Consultado em 29 de Maio de 2016]. Disponível em: http://www.informationliteracy.org.uk/information-literacy-group/

COMMON SENSE MEDIA (2016) - [Em linha]. EUA. [Consultado em 29 de Maio de 2016]. Disponível em: https://www.commonsensemedia.org/

KQED (2016) - MindShift: How We Learn. [Em linha]. California. [Consultado em 29 de Maio de 2016]. Disponível em: http://ww2.kqed.org/mindshift/

OCDE (2013) - Innovative Learning Environments. Paris: OECD Publishing. Disponível em http://dx.doi.org/10.1787/9789264203488-en

PARTNERSHIP FOR 21st CENTURY LEARNING (P21) (2016) - [Em linha]. Washington DC. [Consultado em 29 de Maio de 2016]. Disponível em: http://www.p21.org/index.php

PORTUGAL. Ministério da Educação. Rede de Bibliotecas Escolares (2012)-Aprender com a Biblioteca Escolar: Referencial de Aprendizagens Associadas ao Trabalho das Bibliotecas Escolares na Educação Pré-escolar e no Ensino Básico. Coord. Elsa Conde [et. Al]. Lisboa: RBE. [Consultado em 29 de Maio de 2016]. Disponível em: http://www.rbe.mec.pt/np4/conteudos/np4/?newsId=681&fileName=Aprender_com_a_biblioteca_escolar.pdf

PORTUGAL. Ministério da Educação. Rede de Bibliotecas Escolares (2014a)- Aprender com a Biblioteca Escolar: Relatório do Projeto Piloto de Aplicação do Referencial Aprender com a Biblioteca Escolar 2012-2013. Lisboa: RBE. [Consultado em 29 de Maio de 2016]. Disponível em: http://www.rbe.mec.pt/np4/conteudos/np4/?newsId=1273&fileName=aval_referencial_2014.pdf

PORTUGAL. Ministério da Educação. Rede de Bibliotecas Escolares (2014b)- Aprender com a Biblioteca Escolar: Relatório do Projeto Piloto de Aplicação do Referencial Aprender com a Biblioteca Escolar 2013-2014. Lisboa: RBE. [Consultado em 29 de Maio de 2016]. Disponível em: http://www.rbe.mec.pt/np4/conteudos/np4/?newsId=1430&fileName=referencial_aval_13.14_ref.pdf

EUROPEAN SCHOOLNET (2016) - Bruxelas. 2016. [Consultado em 29 de Maio de 2016]. Disponível em: http://www.eun.org/

UNIVERSITY OF MELBOURNE (2012) - Assessment and Teaching of 21st-Century Skills [Em linha]. Melbourne. [Consultado em 29 de Maio de 2016]. Disponível em: http://education.unimelb.edu.au/arc/projects/completed/atc21s

WILLIAMS, D., WAVELL, C. e MORRISON, K. (2013) - Impact of School Libraries on Learning: Critical Review of Evidence to Inform the Scottish Education Community [Em linha]. Aberdeen: Robert Gordon University, Institute for Management, Governance & Society (IMaGeS). [Consultado em 29 de Maio de 2016]. Disponível em: https://openair.rgu.ac.uk/bitstream/10059/1093/1/Williams%20Impact%20of%20school%20libraries%20on%20learning%20SLIC.pdf

Auteur

Coordenadora Interconcelhia de Bibliotecas Escolares (CIBE), elsa.conde@mail-rbe.org

© Publicações do Cidehus, 2017

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search