Version classiqueVersion mobile

Igreja, caridade e assistência na Península Ibérica (sécs. XVI-XVIII)

 | 
Laurinda Abreu

Os recolhimentos modernos

Fragmentos de pretendidas considerações finais

Caio C. Boschi

Texte intégral

1Proferir algumas poucas palavras no final deste profícuo congresso é mais uma deferência que fico a dever a Laurinda Abreu. Sabendo, há tempos, do meu interesse pelos projetos de investigação que ela desenvolve, Laurinda teve a gentileza de convidar-me para desfrutar do evento que ora se encerra, mesmo compreendendo que me era impossível preparar uma comunicação que, eventualmente, pudesse retribuir a fidalguia de seu gesto. Agora, de público, reitero-lhe meus agradecimentos.

2Encontro-me, pois, em posição desconfortável. Não sendo especialista na temática e não tendo me preparado para falar-lhes, recorro tão-somente a apontamentos colhidos durante a apresentação verbal das comunicações. Espero não trair o pensamento de seus autores. A essas notas acrescento outras tantas, dando azo à memória, a fim de dela tentar extrair tópicos que, frutos de leituras assistemáticas, possibilitem-me alinhavar minimamente esta pretensa exposição.

3Confesso-lhes que o meu interesse pelo Congresso se fez sentir, em primeiro lugar, pelo tema para ele proposto. Tema pouco visitado pelos historiadores. De certa forma, e felizmente, os ricos contributos que acabamos de ouvir amenizam mas nem por isso suprimem a rarefação bibliográfica respeitante aos bispos, cabidos e assistência na Península Ibérica, entre os séculos XVI e XVIII.

4Ao mesmo tempo, esses contributos dão saliência a uma temática que tem a sombreá-la considerável volume de investigações e de textos sobre objetos correlatos. De longe, são os estudos sobre as Santas Casas de Misericórdia e sobre os hospitales (no caso espanhol), aqueles que têm merecido maior cuidado e resultado em mais alentada produção historiográfica. Por conseguinte, se outros méritos este nosso Encontro não tivesse, importava saudá-lo como singular oportunidade para ampliarmos os debates acerca dos conceitos-chave sobre o tema, para conhecermos e discutirmos outras instituições, outras formas e outras práticas de assistência do momento e do espaço estampados no seu título. Equivale dizer que, com o presente esforço, vamo-nos distanciando de certo reducionismo historiográfico e, ao relativizarmos o papel do Estado e da Igreja na prestação de serviços sociais na Época Moderna, conferimos justificável destaque a outros agentes da assistência e a pesquisas verticais sobre fenómenos assistenciais específicos que discrepam de interpretações já consagradas.

5Esse empreendimento se realizou com outro não menor proveito para todos: o de que o colóquio foi palco de questionamentos de natureza teórico-metodológica, além de ter introduzido novas abordagens para facetas já contempladas na historiografia existente sobre Igreja e Assistência. Assim, repito: não obstante o desgaste que hoje a palavra adquiriu, diria que o tema em pauta foi revisto, no que concerne, dentre outros aspectos, ao papel exercido pela Igreja no campo da assistência, em particular no socorro aos pobres.

6Por outra: se não estou em erro, creio que, em todas as intervenções, de maneira explícita ou não, buscou-se identificar, qualificar, categorizar e dimensionar conceitos, especialmente o de assistência, aplicado ao alargado momento histórico e ao não inferior espaço geográfico enunciados. A polissemia e a plasticidade da palavra nuclear facultaram apropriação distinta da que Teresa Huguet Termes, contrapondo-se ao usual conceito de iniciativa institucional, entende como sendo a cultura assistencial cometida na Península Ibérica na Época Moderna.

7Da pobreza à caridade, desta à beneficência e à filantropia, todo um universo vocabular foi debatido, quando não posto em xeque, com vistas seja a apontar a nem sempre adequada sinonímia, seja a analisar os diferentes instrumentos, expressões e operações através dos quais a assistência teve lugar em Portugal e na Espanha do Antigo Regime. Verdadeira revisita ao traço assistencial e à cultura caritativa que caracterizariam a dita (e também ela conceitualmente discutível) civilização ibérica.

8Problematizaram-se, dentre outros aspectos: se era a Igreja, como instituição, que, em última instância, desenvolvia ações assistenciais, quais os móveis ou os determinantes das mesmas. Dever moral? Obrigação por inerência institucional de origem? Compromisso ético e/ou doutrinário? Estratégia para maior e/ou melhor sensibilização de seu ethos junto a segmentos sociais carentes? Quem são estes? Qual o seu perfil? Como qualificá-los, visto que privações e provações têm também temporalidades distintas? Carente eventual ou circunstancial reclama tratamento diferenciado de seu congénere estrutural ou permanente? Essas e outras interrogações foram fluindo nas nossas sessões de trabalho.

9Convencemo-nos de que as ações assistenciais não eram exclusividade dos possuidores de bens e condições materiais de qualquer natureza. A redenção da alma, razão primeira e última para obrar a assistência, era anseio que a todos afligia. Assistência, em sentido lato - e é assim que deve ser aqui considerada -, abrangia ricos e pobres, instituições e individualidades. Era compromisso social, sem deixar de ser igualmente pessoalizado. Logo, também por isso, ou, principalmente por isso, essa é matéria que, não obstante nossas discussões, reclama novos e desenvoltos estudos.

10Enfim, são multiplicados os aspectos e variantes que foram e que poderiam ser tratados, sobretudo pela incontornável necessidade de se apreender e compreender tais fenómenos à luz seja do dimensionamento das ações (da provisão de necessidades básica ou da provisão dos chamados mínimos sociais?), seja das especificidades locais e das diferentes conjunturas em que tais atividades foram implementadas.

11Tendo em vista as mudanças estruturais contemporâneas que tomaram de assalto o continente europeu e, em particular, os dois reinos peninsulares; ou para bem perceber as formas e os instrumentos através dos quais o fenómeno assistencial se estendeu e se exprimiu no interior dos impérios ultramarinos ibéricos, há que promover estudos e novas interpretações.

12Nesse enquadramento, torna-se essencial perceber o papel e as ações do Estado vis-à-vis às da Igreja, posto que, quando nada, estamos a falar de duas instituições cujos postulados e procedimentos na área de que nos ocupamos não necessariamente guardavam identidades. Detetar o nível de envolvimento, de comprometimento, de responsabilidades assumidas pelo Estado é ponto primordial para qualquer abordagem, mormente quando a premissa é a de que as estruturas estatais coevas vocacionavam-se para a centralização do sistema hospitalar e do atendimento social aos pobres - o que se efetivou não apenas pela pressuposta função reguladora e fiscalizadora das práticas assistenciais, mas também pelas relações e vínculos que aliavam bispos e cabidos ao Estado, naquela fase de patente fortalecimento do Absolutismo.

13Tudo isso remeteu-nos, recorrentemente, à problematização do protagonismo desempenhado pela Igreja Católica nas operações caritativas e assistenciais. Nesse sentido, os decretos tridentinos e a proeminência que nelas os bispos adquiriram se constituem em outros elementos ratificadores da contemporaneidade do tema-título e, portanto, da propícia realização deste congresso.

14Ao reforçar a responsabilidade dos prelados (também) no que respeita às ações sociais, o Concílio de Trento (1545-1563), inevitavelmente, para além de gerar conflitos de interesse entre a Igreja e a razão do Estado, incitou as autoridades eclesiásticas a se posicionarem doutrinária e operacionalmente sobre a matéria. A esse respeito, registe-se, no que tange à definição do papel e da atuação dos bispos frente à questão dos pobres, a comunicação de José Pedro Paiva, que, ademais de outros méritos, primou-se pela verticalidade na análise que nos expôs.

15A concepção da assistência advinda das deliberações tridentinas impregnava-se e estava toda ela emprenhada pela preocupação com a salvação da alma, e tal atitude arrefecer-se-ia na razão direta do exercício de ações misericordiosas e caritativas dos bispos para com os pobres existentes no âmbito de suas jurisdições.

16Daí, a elástica variabilidade das condições e graus de pobreza na realidade histórico-espacial em pauta, como analisou Maria da Graça Morais para o caso específico dos pobres assistidos pelo cabido de Évora no Dezoito. Daí, as decorrentes e prolíferas reflexões teóricas e práxis social que sobre ela se produziram naquele momento, por toda a Europa, e das quais tomamos conhecimento através, dentre outras, das interpretações elaboradas por Bronislaw Geremek em seu A piedade e a força.

17Mas não é só de pobres que se formava o universo dos desvalidos de então. O socorro às enfermidades e, por extensão, o atendimento aos doentes são outras faces de que se revestiu a assistência à época (e não só nela). Com efeito, o que está em causa é a análise das complexas práticas caritativas e assistenciais do contexto contra-reformista e de que se encarregaram de concebê-la, já à época, pensadores, como Juan Luis Vives, no De Subventione Pauperum (1526) ou como Joaquín Xavier Uriz y Lasaga (1747-1829), homem obstinado e de ocupações plurais, cónego e administrador eclesiástico da diocese de Navarra, cuja atuação assistencial Pilar León Sanz nos deu a conhecer.

18Amélia Polónia da Silva e Marta Lobo de Araújo se ocuparam de algumas outras diretivas programáticas e prescrições institucionais da Igreja pós-tridentina quanto à assistência.

19Amélia Polónia, ao tratar da obra assistencial do Cardeal D. Henrique, demonstrou como essa se delineava nos moldes de um programa pastoral, ou seja, como esta era resultante de uma política de assistência coletiva, em que os componentes civil e eclesiástico, sendo distintos, confluíram nas práticas assistenciais, mormente por meio da concessão de bolsas e de subsídios para estudantes e no amparo aos órfãos.

20Noutra vertente, isto é, apartando-se das corriqueiras análises sobre as relações entre o Estado e as Misericórdias, Marta Lobo situou a proteção e o apoio que a Igreja, personificada, por exemplo, nos arcebispos bracarenses dispensava aos gestores da Misericórdia de Viana da Foz do Lima, através de três pilares operacionais: o incentivo ao culto religioso, o fortalecimento das receitas da referida instituição e por meio do fomento de práticas de caridade.

21No fundo, estivemos lidando com aliciante gama de questões, para deleite e trabalho investigatório dos História dores, como proclamara José Pedro Paiva, em vários de seus textos sobre a fragmentação interna da Igreja e sobre as relações entre Estado e Igreja, publicados no volume segundo da História Religiosa de Portugal, dirigida por Carlos Moreira Azevedo, e em artigo do volume 22 (2001) da Revista de História das Ideias. Tais ensaios foram reiterados na comunicação que Paiva nos apresentou e que, como a organizadora do Congresso declarou, na sessão de abertura, serviram de provocação para que este nosso encontro fosse organizado.

22Por outro lado, cabe não descurar do cunho ideológico implícito nas ações assistenciais. À justificativa da salvação da alma acrescente-se o fato de as referidas práticas, em qualquer circunstancia e, obviamente, com intensidade variada, poderem (ou deverem) ser admitidas como instrumento mitigador das tensões sociais e de controle social, o que, no limite, significa afirmar que também funcionavam como factor de legitimação do poder e de manutenção do status quo.

23Sendo senso comum que o municipalismo, ou melhor, que a vida política e social na altura decorria sob a égide do poder local, outra seara de interrogações se descortina para através dela se conhecer como a assistência estatal ou a das autoridades superiores da Igreja se coadunava, colidia ou se completava nas e com as políticas locais de assistência. Dito em outras palavras, é mister examinar como e com qual intensidade Estado, Igreja e poder local interagem (ou não) no que respeita às medidas e ações assistenciais, em contexto assinalado por crescente pauperização da sociedade da Europa peninsular ibérica e em que os sistemas de atendimento assistencial e/ou caritativo se davam no nível local.

24Essa perspectiva é que nos pareceu nortear a comunicação de Alberto Marcos Martín, isto é, a de que, no estudo do binómio Igreja/Assistência, no território abrangido pela Coroa de Castela, a primeira presumia que suas ações assistenciais exibiam-se como mais expressivas do que as desenvolvidas pelas Misericórdias e por instituições de caráter ou de patrocínio estatal. Ademais, como instigantemente enfatizou Alberto Marcos, estar ao abrigo da Igreja não significava que as instituições operadoras de práticas assistenciais tivessem caráter religioso ou que fossem administradas por eclesiásticos. Ou que o dispêndio de recursos financeiros para a assistência conferisse à Igreja exclusividade ou hegemonia na promoção de atos assistenciais. Ao contrário. Segundo Marcos, no cômputo geral, mesmo (ou até porque) auto-proclamando a sua preeminência, a Igreja mais se beneficiou do que gastou com atividades assistenciais.

25Sem esquecer que, como reparara José Pedro Paiva, também aqui não são pertinentes afirmativas generalizantes, porquanto nem todos os bispos ibéricos se comprometeram com a assistência, muito embora, após e por decorrência das decisões do Concilio de Trento, algumas daquelas autoridades, recalcitrantes, tivessem alterado seus comportamentos. Referindo-se ao bispo conimbricense, D. João Mendes de Távora (1638-1648), esclareceu que, enquanto houve prelados portugueses que, na altura, chegaram a disponibilizar 35% das receitas financeiras de suas dioceses, D. Távora não ultrapassou os 11%, aplicando-os especialmente com esmolas. No entanto, à guisa de repto, ressalvou: no geral, os gastos dos bispos portugueses de então nada ficaram a dever àqueles efetivados pelas Misericórdias. Ao esquadrinhar seus estudos, Paiva termina por construir uma tríplice caracterização da atividade assistencial desses religiosos: suas variabilidade, flexibilidade e informalidades, todas elas marcadas ideologicamente quer pela afirmação do estatuto e do poder episcopais, quer pelo inevitável apelo à salvação das almas.

26Federico Palomo del Barrio, ao discorrer em sua intervenção sobre as missões do interior levadas a efeito pela Companhia de Jesus, sublinhou que o atendimento às carências sociais não se limitava a subsídios materiais ou financeiros; contemplava também necessidades de cunho moral, ético, espiritual e de formação comportamental. A propósito, a comunicação de Palomo é não apenas bom exemplo de abordagem sobre a natureza da assistência, além de nos brindar com um melhor conhecimento sobre a assistência praticada por congregações religiosas, o que nos proporciona enveredar para outro largo leque de questões. Quando nada para se tentar compreender qual o sentido, a dimensão e (inter)dependência dessas iniciativas nos projetos assistenciais de bispos e cabidos.

27Do segundo género de atendimento assistencial mencionado falaram Maria de Fátima Reis e a equipe formada por Silvia Mestre, Marco Liberato e Marco Loja, analisando, respectivamente, os recolhimentos institucionalizados pelas autoridades episcopais em Lisboa e em Évora. Na comunicação de Fátima Reis, singular referência foi atribuída à perspectiva de se conceber os recolhimentos como instituições que procuravam incorporar órfãos desamparados às normas sociais vigentes e que, tornaram-se, por via de consequência, instrumentos de (re)integração social, predominantemente para individualidades do sexo feminino. Em simultâneo, e para certos casos, apresentaram-se como uma espécie de antesala para o ingresso na vida conventual. O trabalho de Mestre, Liberato e Loja chamou-nos a atenção para o inusitado ingresso e a permanência de homens, como residentes naquelas casas, nos moldes do que ocorreu no Recolhimento da Piedade, em Évora, aos auspícios do arcebispo D. Teotónio de Bragança (1578-1602).

28Dos estudos supra-referidos derivariam outras provocadoras questões, como a de se saber em que medida as ações assistenciais de bispados e de cabidos compuseram projetos individualizados ou institucionais e, sobretudo, qual o grau de complementaridade entre eles. Afinal, as bases económicas, isto é, os fundos financeiros que viabilizaram aquelas iniciativas, por vezes, provinham de recursos e de bens personalizados.

29Demais, interpretar se a assistência promovida pela Igreja orientava-se por qualquer sorte de projeto ou se, ao contrário, resultava ou se constituía de casuísmos; se era fruto de definições institucionais ou obedecia a vontades de individualidades foi e permanece sendo questão que, apontada e debatida, não permite resposta categórica.

30A esse feixe de indagações junte-se aquela concernente ao da geografia das ações assistenciais. Tendo sido as realidades microssociais o espaço em que foi desenvolvida a assistência em pauta, há sempre que ressalvar as diferenças entre as formas e os instrumentos por intermédio dos quais ela se fez presente nos bispados de Portugal e da Espanha nos Tempos Modernos. Formas e instrumentos próprios, mesmo quando se tem em conta o período da unificação política dos dois reinos (1580-1640). Nesse sentido, por exemplo, e em termos gerais, enquanto no primeiro a Coroa emulava a proliferação de Santas Casas de Misericórdia, a elas transferindo e delegando a responsabilidade pelo desenvolvimento das ações assistenciais, em Espanha - ainda falando de maneira genérica -, dessas atribuições se incumbiram as ordens religiosas hospitalares ou membros da hierarquia eclesiástica, conforme apontou Miguel Luis López Muñoz à luz dos hospitales criados pelo Padroado régio na diocese de Granada.

31A observar, contudo, que a prestação de serviços sociais das Misericórdias, no conjunto do Império português, não se circunscrevia ao atendimento hospitalar. Tal diferenciação não significa dizer inexistência de Misericórdias em Espanha ou ausência de ordens religiosas hospitalares em Portugal. Para o primeiro caso, conhecendo-se as reflexões do cónego catalão Miguel Giginta e a repercussão que as mesmas tiveram no Seiscentos espanhol, em particular na difundida obra de Cristóbal Perez de Herrera, constata-se o quanto a proposta assistencial corporificada naquelas instituições se conformava ao panorama do reino castelhano.

32Infere-se, pois, que, embora exista apreciável produção historiográfica a respeito, há muito o que se pesquisar sobre as relações nem sempre integradas entre Estado, autoridades eclesiásticas e instituições assistenciais semi-oficiais, de que as Misericórdias são exemplos materializados.

33Concomitantemente a isso e porque as Misericórdias eram uma de suas expressões, compete investigar, com maior empenho e determinação, a assistência incrementada pelas confiarias. Ε não se julgue que elas foram fenómenos peculiares a um ou a outro dos reinos em causa. Apesar da disseminada presença de confrarias com outros matizes no território lusitano, houve não apenas proeminência social como também avassaladora superioridade numérica dessas entidades na Espanha, denotando claramente que foram elas ativas agentes da assistência neste país e em seus domínios ultramarinos. A considerar, ainda, que as confrarias do universo espanhol mantiveram laços mais estreitos e interdependentes com as instituições locais, condição que, sendo pressuposta, não indispensavelmente se confirmara em Portugal. Pelo menos, não com tamanha densidade da que se verifica em seu vizinho.

34A propósito, relembre-se que não há como fazer tábula rasa do fato de que Portugal e Espanha da Época Moderna não se explicam e nem podem ser historicamente compreendidos abstraindo-lhes os seus extensos e heterogéneos domínios ultramarinos. Seja para verificar-se como ocorreu a transplantação para estes das políticas e ações assistenciais, seja para perceber como estas, nas duas Metrópoles, reflectiam as profundas mudanças sociais decorrentes do expansionismo colonial. Vale dizer: ainda que neste simpósio elas não tenham sido ventiladas, as conquistas ultramarinas acarretaram duplo e contraditório efeito para Portugal e Espanha. De um lado, fizeram afluir para eles incomensuráveis riquezas minerais, ainda que por curto espaço de tempo; de outro, engendraram considerável elevação no número de desvalidos, abandonados, pobres e doentes no interior das cidades e vilas da Península.

35Nesse contexto de agudização das contradições e de aumento das demandas sociais, no qual as coroas ibéricas tenderam, cada vez mais, a se afastar de compromissos e responsabilidades quanto à assistência, a Igreja desempenhou papel decisivo, sobretudo pelos vínculos institucionais que a uniam ao Estado, sob o signo do Padroado. Todavia, e aí fica em aberto mais um ponto para futuras investigações e debates, o atrelamento institucional e a colaboração da Igreja aos soberanos ibéricos não significou identidade e afinidades nas iniciativas e nos atendimentos e nem estorvou o advento de divergências e de conflitos entre aquelas duas instancias. Especialmente, como se nota em vários dos trabalhos aqui apresentados - elucide-se com a comunicação de Rute Pardal sobre o relacionamento do Arcebispado com a Misericórdia de Évora -, aquela situação conviveu com a prática da assistência proveniente de outros promotores e agentes, nem sempre comungados nos mesmos propósitos.

36Outro importante aspecto relevado e debatido foi atinente ao financiamento das obras e práticas assistenciais. Qual a origem dos recursos (não só financeiros) que a essas davam suporte? Quem e como eram administrados? Em que se fundamentava e o que lastreava a base económico financeira de bispos e cabidos em suas atividades assistenciais? Por lançarem mão de bens e dinheiro próprios ou de raiz familiar, poder-se-ia deduzir que as obras assistenciais levadas a efeito por algumas dessas autoridades religiosas tinham cunho privado, isto é, representavam iniciativas pessoais, cujos créditos devem ser imputados às individualidades e não às instituições que essas integravam ou capitaneavam? Uma possível diferenciação entre assistência privada e assistência pública (mantida pelo Estado) explica-se pelo perfil dos destinatários, pelas formas de atendimento e/ou pela forma de gestão dos recursos aplicados?

37Noutra vertente, poder-se-ia indagar: como, no contexto em pauta, vai-se esboçando a secularização da assistência, que desponta de forma configurada no século XVIII? Nunca é demasiado recordar que a assistência era também realizada por municipalidades, pelas corporações de ofícios, pelas confrarias, quer às instâncias próprias e com auto-suficiência, quer em caráter complementar, entre si ou em relação a autoridades eclesiásticas e às Coroas. Situações essas que, como quer que se tenham havido, não estiveram isentas de conflitos e de divergências, de diversas natureza e dimensão.

38O lado litigante da gestão dos empreendimentos assistenciais foi objeto da comunicação de Teresa Huguet Termes, ao considerar o modus operandi do financiamento da assistência hospitalar na Madrid dos Áustrias. Huguet desvendou a proveniência dos recursos recebidos por aquelas entidades (subsídios régios, doação, aportes de particulares, dentre outros), realçando os conflitos daí derivados, dos quais não esteve alheia a recorrente e simbiótica associação entre Estado e Igreja. Examinou igualmente as razões determinantes da adoção, por parte da Igreja madrilena, de novas formas de religiosidade; e, por parte do Estado, de justificativas ideológicas e ritos religiosos.

39Tomando como ponto de inflexão as reformas realizadas nas estruturas da rede assistencial institucionalizada da Évora Moderna, Laurinda Abreu dissertou primeiramente sobre o sentido e o significado da centralização hospitalar perpetrada por D. Manuel I, problematizando a tutela régia e a isenção de ingerência do Ordinário naquelas operações, em tempos de plena vigência do Padreado. Em seguida, atendo-se a exemplos com o de D. Teotónio de Bragança, de D. José de Melo e do cónego Severim de Faria, analisou o lastro doutrinário dos projetos assistenciais de bispos e do cabido eborenses, indagando as causas de sua não abrangência e extensibilidade a outros prelados. Ainda uma vez, deparamos com o problema da voluntariedade, da personificação ou da individualização no implemento de projetos e de iniciativas assistenciais de bispos e cabidos. De novo, verificamos a importância de, o quanto antes, darmo-nos conta de traçar mapa mais nítido e dilatado dos agentes financiadores da assistência na Península Ibérica do Antigo Regime.

40Vivendo constrangimentos, de variada ordem, devidos ao instituto do Padreado, vigorante nos dois reinos, como bispos e cabidos reagiram às ingerências e às pressões das Coroas ibéricas na condução dos serviços assistenciais que criaram ou dirigiam? Dízimos e esmolas recolhidos, no espaço de suas jurisdições, doações, donativos e legados que lhe eram destinados propiciavam aos bispos e cabidos completa autonomia na sua aplicação em obras assistenciais?

41Dadas a impossibilidade e a inexequibilidade de atender a todas as carências e mazelas sociais, quais os fatores determinantes ou os critérios para a escolha dos destinatários dos atos assistenciais ou caritativos? Quem definia e como eram estabelecidos os públicos-alvos dos atos assistenciais? E, também importante: como reagiam e a eles respondiam os beneficiários da assistência?

42Em resumo, aos ganhos que todos auferimos com as comunicações apresentadas há que adicionar uma mais-valia simbolizada nas numerosas outras questões que seus próprios autores reconheceram necessitar de estudos mais densos e abrangentes. De resto, só essa observação, a meu ver, seria suficiente para atestar a validade e a oportunidade do Congresso, pois que ter dúvidas, expor dúvidas e socializá-las talvez seja das mais ricas maneiras de se avaliar o trabalho intelectual que, em princípio, julgamos encerrado. Concluir um texto científico através da exposição de questões que dele ou nele afloram é uma maneira de evidenciar a relevância e a fecundidade do tema ou do objeto abordado, se já não fora razão substantiva para instigar o aprofundamento e almejar avanços a seu respeito. Se assim for, aos conhecimentos por todos nós adquiridos nesses três dias devemos, com igual prazer, aduzir o júbilo de agora nos despedirmos enriquecidos com novas inquietações e com renovado estímulo para outras prospecções.

Auteur

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Brasil

© Publicações do Cidehus, 2004

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search