Vous l’avez sans doute déjà repéré : sur la plateforme OpenEdition Books, une nouvelle interface vient d’être mise en ligne.
En cas d’anomalies au cours de votre navigation, vous pouvez nous les signaler par mail à l’adresse feedback[at]openedition[point]org.

Précédent Suivant

Conclusão


Texte intégral

1Após um breve enquadramento histórico da evolução da produção cinematográfica portuguesa no antigo Ultramar, a breve biografia de alguns produtores, realizadores, operadores de câmara e outros agentes que estiveram ligados à atividade cinematográfica em Moçambique, permite conhecer mais em profundidade o contexto inicial da produção audiovisual neste país.

2Os percursos profissionais de cada um vão revelando variados aspetos, tais como: as diferentes formas de financiamento para os múltiplos filmes, documentários, reportagens e peças audiovisuais que foram concretizando; quem foram as diversas entidades e instituições que encomendaram esses trabalhos; os distintos equipamentos utilizados; o envolvimento de dezenas de profissionais (alguns amadores) nas suas produções; e, acima de tudo, a criação de um amplo registo de imagens sobre os mais diferenciados aspetos da sociedade e da realidade moçambicana, desde a política à cultura, da economia às belezas naturais e a muitos empreendimentos urbanísticos e empresariais.

3Para compreender de forma cabal o significado e o impacto desse passado fixado em película registando um vasto património material e imaterial, é fundamental compreender a época em que foram filmados, as condições e o modo de produção dessas obras e também o que motivava os diversos agentes envolvidos.

4Um aspeto que vale a pena tornar a sublinhar é que todos eles possuíam uma verdadeira paixão pela 7ª Arte. A maior parte deles procurava “conseguir” encomendas, apoios e autorizações para obterem financiamentos que depois lhes permitissem concretizar outros trabalhos, da sua própria autoria, desenvolvidos com recurso à sua estética pessoal. É verdade que trabalharam inseridos num determinado contexto político, neste caso durante a vigência do Estado Novo, realizando trabalhos que resultavam de acordos com as autoridades políticas e indo ao encontro das suas expetativas, mas apesar disso, vários deles tentaram continuar depois os seus trabalhos ao serviço do novo regime de um Moçambique independente. A sua arte e a sua vontade em trabalhar nesta atividade superava as questões ideológicas.

5A atividade cinematográfica era a sua grande motivação. Alguns tinham ido em diferentes ocasiões à África do Sul adquirir material de qualidade superior, estabelecer parcerias e contactos, e até para aprofundar estudos, como no caso de Augusto Santos que assistiu a palestras de formação orientadas por Orson Welles. Outros procuravam lançar estratégias que levassem para o estrangeiro as suas produções e chegassem a novos mercados e a novos públicos. Uma prova do valor destes cineastas é confirmada pelo facto de agências de notícias internacionais terem solicitado os seus serviços, como a Associated Press, a Reuteurs ou a National Geografic, reconhecendo assim as obras por eles efetuadas.

6Esta investigação procura ser uma base de trabalho reveladora do percurso vital e do contexto profissional destes cineastas, para uma melhor compreensão da sua produção audiovisual. Ao longo destes capítulos foi sendo dada voz aos protagonistas. É certo que revelam a sua opinião pessoal, uma visão parcial, mas indicam pistas de análise válidas para se compreenderem melhor o significado das imagens, relacionando os seus depoimentos com outras fontes e, assim, se conseguir uma interpretação mais real deste acervo cinematográfico constituído por inúmeras obras.

7Em conclusão, cabe agora aos leitores e investigadores o desafio de visionarem por si mesmos muitos destes “produtos”. Esta será uma viagem a um “passado” que levará ao “presente” da época em que foram realizados. Com efeito, conhecendo o contexto em que foram produzidos, quem foram os responsáveis pelos projetos, as vicissitudes da sua produção e o público a que se destinavam, será possível alcançar uma visão mais enriquecida sobre a História do Cinema em Moçambique. Desenvolveremos trabalhos semelhantes relativamente às outras ex-colónias portuguesas, possibilitando um alcance mais amplo e abrangente de toda a produção audiovisual nesses territórios.

Précédent Suivant

Le texte seul est utilisable sous licence Creative Commons - Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International - CC BY-NC-ND 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.