Vous l’avez sans doute déjà repéré : sur la plateforme OpenEdition Books, une nouvelle interface vient d’être mise en ligne.
En cas d’anomalies au cours de votre navigation, vous pouvez nous les signaler par mail à l’adresse feedback[at]openedition[point]org.

Précédent Suivant

Capítulo IV - Análise de filmes (1951-1975)


Texte intégral

1Este capítulo, composto por análises de seis diferentes filmes, procura exemplificar de uma forma breve os diversos “resultados finais” das produções audiovisuais que foram sendo referidas nesta investigação.

2Analisar um filme é um exercício que permite compreender melhor o que aparece representado. Cada filme é, de facto, um repositório de imagens e de sons que procuram transmitir uma mensagem. Analisando o que se vê, é possível aceder ao que é dito, ao que é visível, mas também ao que não é verbalizado, ao que (pode ser) subentendido e, desta forma, vai-se captando o que cada “produto” pretende de facto explicar, esclarecer ou informar. Por isso, é fundamental conhecer o contexto da realização de cada filme e a descrição biográfica dos seus realizadores de forma a se conseguir obter uma análise holística e fundamentada. Quando se conhece de que modo e de que maneira um filme foi produzido, é possível compreender melhor qual é a mensagem que se pretende transmitir.

3Cada produção cinematográfica resulta de um ambiente socioeconómico, político, cultural e de uma situação histórica concreta, ou seja, revela sempre algo do seu presente, do momento em que foi efetuado. Na sua obra já clássica, “Cinéma et Histoire”1, lançada em 1976, Marc Ferro indica claramente que num filme está sempre presente algo da sociedade que o realizou e concebeu, sendo um testemunho da ideologia, da política, dos costumes e das mentalidades da sua época. Surge, assim, outro aspeto que é necessário salientar: um filme torna-se logo a “memória” de um tempo. As imagens “fixam” determinada época, registam um passado que permite ser revisitado todas as vezes que forem visionadas. Vai-se conhecendo melhor não apenas o que se vê, mas simultaneamente a envolvente cultural, económica e social que rodeia o que está a ser exibido.

4A investigadora Manuela Penafria2 destaca duas fases essenciais na análise de um produto audiovisual: a decomposição - a descrição da obra - e a interpretação - relacionar o que é exibido com a mensagem que pretende transmitir. Este processo apenas se torna possível através do conhecimento sobre o contexto da época; do objetivo com que foi realizado; de quem encomendou e financiou as obras e do tipo de equipamentos foram utilizados; entre outros fatores.

5Tendo em consideração a extensão do material disponível, foram definidos alguns critérios para a seleção dos filmes analisados de acordo com o âmbito do presente estudo.

6Em 1º lugar, foram selecionados três autores, representando cada um deles uma diferente forma de produção. O primeiro, José Eliseu realizou diversos trabalhos sendo analisados dois dos seus programas para a RTP, ou seja, dois trabalhos para serem exibidos em televisão. Mais do que documentários ou filmes, são duas reportagens sobre factos e realidades de uma determinada altura, feitas para serem exibidas numa ocasião próxima do momento em que foram captadas.

7O segundo, António de Melo Pereira foi outro dos realizadores escolhidos por ter realizado e produzido as Actualidades de Moçambique, à semelhança dos cinejornais que se faziam na metrópole e em Angola (Actualidades de Angola). Para o conseguir, teve o apoio decisivo do Governador Geral de Moçambique, Gabriel Teixeira, que em 1955 chegou a acordo com Melo Pereira para a realização desse cinejornal. Esse acordo tinha como condição o facto de que esses trabalhos levassem “ao estrangeiro, à Metrópole e ao restante Ultramar Português a realidade do dia-a-dia moçambicano”. Fica desde logo muito claro que as imagens a transmitir teriam de ir ao encontro do beneplácito e da concordância das autoridades. Ao mesmo tempo, iriam procurar mostrar e revelar o que de melhor e mais significativo acontecia no território, tendo em perspetiva o ponto de vista de quem autorizava as filmagens e a sua posterior exibição. Esta é uma das razões que explica que estas imagens se dediquem mais às obras e aos feitos dos colonizadores, do que em descrever, mostrar e informar quais as condições de vida das populações autóctones, a sua história e os seus costumes.

8O último realizador alvo de análise é Augusto Santos, desde novo radicado em Moçambique, que ao longo do seu percurso profissional desempenhou as mais diversas funções em cinema, desde assistente de imagem até às funções de produtor. Por isso, os seus trabalhos selecionados para esta análise, correspondem a duas peças efetuadas em dois momentos diferentes, um de 1968 e outro de 1973, ao serviço de duas empresas distintas (a SIM e a Telecine – África) das quais era sócio.

9 Em 2º lugar, foram selecionados “produtos audiovisuais” que abrangessem diferentes zonas geográficas, desde a capital, Lourenço Marques até às zonas mais remotas e afastadas.

10 Em 3º lugar, foram escolhidos filmes que explorassem realidades distintas, desde as atividades económicas, às paisagens naturais da vida selvagem e alguns dos horizontes turísticos.

11 Em 4º, e último lugar, um critério essencial foi aplicado a todas as peças analisadas: estarem disponíveis para visionamento em alguma plataforma online. Assim, cada pessoa que leia este trabalho, poderá encontrar disponível os filmes aqui referidos e visioná-los por si mesmo.

Análise de dois programas de José Eliseu

12Em 1963, o realizador José Eliseu foi a Moçambique ao serviço da RTP, empresa onde ingressara há pouco tempo, mas para a qual já realizara vários trabalhos no Ultramar. Durante cerca de três meses percorreu todo esse território com o seu colega operador de câmara da RTP Artur Moura3, juntos filmaram cerca de 12 km de película.

13O objetivo inicial era produzir 15 produtos audiovisuais para serem exibidos na RTP sobre vários assuntos, desde a paisagem, ao desenvolvimento económico, à sociedade e à cultura moçambicana. Graças a todo o material recolhido, foram sendo projetados na RTP entre 1963 e 1965 os vários programas resultantes dessa viagem. Em geral, a duração de cada um deles podia ir dos 16 aos 25 minutos. Para uma análise do trabalho de José Eliseu em Moçambique selecionámos dois programas, Porto de Lourenço Marques e Um dia na Gorongosa. Não são fáceis classificar estes dois programas como “documentário” ou como “reportagem”, isto porque, entre ambos, apresentam caraterísticas comuns e distintas na sua forma e no seu conteúdo.

14De uma forma sucinta e não exaustiva, pois não é este o objetivo desta análise, pode-se afirmar que um documentário em geral, pode ser considerado como um “tratamento criativo da realidade” segundo as palavras de John Grierson4. Neste formato um tema, ou um assunto, é abordado por um autor específico, de forma subjetiva, seguindo a sua própria estética e orientação. Não é o registo da realidade tal qual ela se apresenta, mas uma visão própria, “uma representação da realidade de acordo com a visão do seu autor”5.

15No caso da reportagem televisiva há uma procura da imparcialidade, muito focada em algo que ocorre num determinado momento e procura ser exibido dentro desse mesmo espaço temporal em que um dado facto ocorreu e que foi captado. “Tem um carácter de novidade”6. Perante um facto, pretende-se responder às questões essenciais: o quê, quando, quem, onde, como e o porquê. Em relação à utilização da voz em off, na reportagem televisiva, esta assume um papel preponderante, pois as imagens apenas vão confirmando o que está a ser dito pela “voz”. As imagens reafirmam visualmente o que é afirmado oralmente. No documentário, as imagens possuem força e expressividade próprias, falam por si mesmas. Em geral não é necessário que exista uma “voz” a guiar o espectador. O “visual” pode e consegue sobrepor-se ao “oral”, a imagem não precisa de ser explicada, para que se perceba o que está a ser visto…7.

16Analisando em concreto dois dos programas realizados por José Eliseu neste amplo projeto dedicado a Moçambique, constata-se que se enquadram mais naquilo que se considera uma “Reportagem televisiva”. Começaremos esta análise pelo primeiro destes programas exibidos exibido na RTP: Porto de Lourenço Marques8 com duração de cerca de 17 minutos e cuja exibição ocorreu no dia 16 de julho de 1963, ou seja, poucos meses depois da captação das imagens.

Porto de Lourenço Marques

  • Título: Porto de Lourenço Marques

  • Ano: 1963

  • Duração: 17 minutos

  • Cor: P/B

  • Realizador: José Eliseu

  • Texto: Quirino Teixeira

  • Locução: Carlos Cruz

  • Sonorização: A. Da Mata Diniz

  • Fotografia: José Eliseu

  • Assistente de realização: Mira Godinho.

  • Produção: RTP

17O texto que se ouve em voz off foi redigido por Quirino Teixeira e foca-se em duas áreas principais: o porto e o transporte ferroviário que liga esta infraestrutura ao restante território moçambicano.

18As primeiras imagens são captadas a partir de um meio aéreo, em plano geral, do porto, mostram o mar, a extensão do cais com diversos navios atracados e uma série de instalações edificadas de apoio a toda a estrutura portuária. Esta sequência termina para dar lugar a imagens captadas ao nível do solo diretamente. São, assim, filmados os caminhos-de-ferro, vendo-se por um extenso período um comboio de vários vagões a passar. São enumeradas uma por uma, as onze linhas de caminho-de-ferro que partiam do Porto de Lourenço Marques ou que o tinham por destino e que faziam a ligação aos distritos moçambicanos mais remotos e às “Rodésias” estrangeiras.

19Quando se visiona o comboio a chegar ao porto, vão sendo indicadas as diversas estruturas portuárias com que está equipado, como os 57 guindaste de 3 a 8 toneladas; as 200 unidades móveis, como elevadores e guindastes a diesel e tratores; as 2 carvoeiras elétricas com capacidade para manusear mil toneladas por hora; o frigorífico com capacidade para 69.120 caixas de citrinos, mais um outro frigorífico para armazenar o pescado e outros equipamentos que são indicados em pormenor.

20A capacidade de acostagem também é referida, a voz em off explica que há 2400 metros de cais que podem servir entre 15 e 18 navios de grande tonelagem. Informa, também, que se está a construir um cais para o embarque, ou escoamento, de minério na Matola com 200 m de extensão e extensível para outros 300 m. O carvão é o principal produto sobre o qual mais se focam as imagens, mas são também assinalados outros produtos que são carregados no Porto e são transportados via ferroviária: como o açúcar, o algodão, a castanha de caju, o chá, a copra, o sisal. São exibidos guindastes levantando alguns destes produtos e observam-se trabalhadores negros realizando atividades mecânicas.

21Este programa sobre o porto de Lourenço Marques é bastante descritivo, pelo que a voz off vai transmitindo dados informativos que demonstram a razão de ser do desenvolvimento do porto. Por exemplo, o desenvolvimento de certos sectores económicos per se justificam a ampliação do porto, como a indústria dos óleos que subiu de 36.754 contos para 152.000 contos; o das fábricas de cimento que aumentaram a produção de 28.000 toneladas anuais para mais de 300.00 e a produção de açúcar duplicou em 10 anos.

22O funcionamento dos vários equipamentos é exemplificado com as imagens de um vagão carregado de carvão a ser descarregado por mecanismos eficientes para um navio. Daí segue-se um travelling que percorre os navios de diferentes nacionalidades acostados ao cais, reforçando assim que este porto estabelece inúmeras ligações e que promove boas relações comerciais e políticas.

23A azáfama no porto é exibida através dos guindastes em movimento, vê-se o pormenor de umas mãos de um trabalhador branco a controlar os movimentos de uma grua e de trabalhadores negros a carregarem e a descarregarem diversos tipos de carga. A voz em off refere-se a este trabalho de uma forma poética, afirmando que este esforço se transforma numa “beleza viril, máscula, feita de suor, de cansaço, de trabalho árduo”, acrescentando que “A beleza é feita de ferro, de ferro sujo, mas forte e comandado pelo Homem”. A última cena capta em plano geral o porto de Lourenço Marques, visto do mar e com os guindastes ao fundo.

24Nos 17 minutos do programa, o realizador, com recurso a imagens e à narração, tentou descrever com pormenor as principais características do Porto de Lourenço Marques. Mediante este programa, é possível ficar a conhecer como, supostamente, funcionavam as várias estruturas portuárias da capital moçambicana no ano de 1963 e de que forma a atividade naval e portuária se interligava com as estruturas ferroviárias da província. Ficava, portanto, evidente, bem evidenciada a mensagem principal deste documentário: a relevância do Porto de Lourenço Marques para o desenvolvimento de Moçambique.

Um dia na Gorongosa

  • Título: Um dia na Gorongosa.

  • Ano: 1963 / 1964

  • Duração: 22 minutos

  • Cor: P/B

  • Realizador: José Eliseu

  • Texto: Pombo de Castro

  • Locução: Gomes Ferreira

  • Sonorização: A. Da Mata Diniz

  • Fotografia: Artur Moura

  • Assistente de realização: Mira Godinho.

  • Produção: RTP

25O outro programa realizado por José Eliseu que selecionámos para análise é Um dia na Gorongosa9. Foi exibido na RTP em julho de 1965, ou seja, cerca de dois anos depois da captura de imagens. O texto é da autoria de Pombo de Castro.

26Na entrevista que nos concedeu em junho de 2019, José Eliseu indicou-nos ser este um dos seus trabalhos realizado em África que mais apreciava, pois, ao recolher o material para o filme dera-se conta – ao observar os animais correndo livremente – que a liberdade era mais do que um conceito, era algo para ser sentida e vivida na prática.

27As primeiras imagens são apresentadas em plano geral, captam um vasto horizonte e uma ampla extensão de terreno. Apesar de ser a preto-e-branco, a voz em off começa por assinalar que “o sol vai subindo” e chama a atenção para a luz tropical do nascer de um novo dia. O programa, cuja narrativa se desenvolve ao longo do itinerário do Parque, começa na alvorada e termina ao anoitecer, como se tudo se tivesse passado num só dia. Para reforçar que se trata de um percurso, aparecem imagens da carrinha que irá percorrer esse espaço, sendo visíveis o realizador e um guia (ou um responsável) do Parque. É através do ponto de vista destes que o espectador irá conhecer a reserva.

28No início do percurso vê-se, sobretudo, aspetos da flora com grandes árvores pontuando a savana no meio do capim. Depois, vêem-se os bois-cavalos e as zebras. A voz em off informa que o parque é “um local de eleição para turistas e caçadores” e acrescenta que o parque tem uma extensão de 4000 km2.

29Surgem impalas a correr e a saltar, acompanhadas num travelling a partir da carrinha, enquanto a voz em off refere que elas fazem “uma corrida sem temor com a tranquilidade de quem conhece a lei que protege a sua vida da crueldade dos homens” – ouvem-se como música de fundo batuques africanos. Esta é uma referência clara à vantagem de existir uma lei que protegesse os animais. Com efeito, a lei que estabelecia a existência e funcionamento dos parques naturais, é aqui indicada como sendo útil para a proteção da vida animal. Seguem-se imagens em plano geral que demonstram como o impacto do Homem na reserva foi mínimo (por exemplo, existem poucas estradas no interior do parque). É explicado que a reserva existe desde 1935, mas que só em 1960 foram definidos os seus limites, situados a 160 km da cidade da Beira. Para reforçar que o Parque está já em pleno funcionamento, a voz em off indica que entre junho e outubro são muitos os turistas que afluem a este local, em especial oriundos da África do Sul, da Rodésia e dos E.U.A.

30A carrinha avança pelo terreno e em planos gerais vamos encontrando várias espécies de animais: os leões, os hipopótamos no rio caudaloso, abutres, hienas, zebras, búfalos e os elefantes. Para cada animal são referidos adjetivos apropriados, no caso dos elefantes o narrador é particularmente extenso em explicações, indicando que a caça a este animal está justificada para controlar e manter o equilíbrio entre esta espécie e as áreas de cultivo das populações locais. Além disso, acrescenta-se que dentro da reserva os elefantes estão mais seguros, pois se ultrapassam os seus limites, poderão ser abatidos por caçadores furtivos. Mais uma vez, o Parque da Gorongosa aparece referido como santuário de paz e segurança para a fauna ali existente.

31O programa termina com imagens em plano geral da imensidão da área do Parque, destacando-se a imponência das árvores que vão surgindo em contraste com o pôr-do-sol num céu nublado que filtra a luz em raios até ao solo, simbolizando o anoitecer de um dia que se acaba…

Comentário geral aos dois programas de José Eliseu

32Nestes dois programas é visível a preocupação de José Eliseu em descrever os assuntos abordados no contexto de uma data bem determinada, a data do próprio programa. A informação que transmite através da indicação de dados concretos, permitem conhecer os aspetos que considera mais relevantes dessas realidades, existentes na altura da realização do programa. O narrador tem a primazia da informação, mas as imagens não são apenas um suporte para o texto. Através da estética visual, o narrador procurava dar à imagem um valor próprio, uma mensagem direta ao espectador para que faça parte da ação filmada. Isso nota-se especialmente quando recorre aos travellings, nos quais a câmara vai revelando e descobrindo espaços e factos ao mesmo tempo que o público os visiona.

33No seu conjunto, estes dois programas, mas também os outros deste projeto mais global, constituem um registo e uma “memória” que são mais uma fonte documental para o conhecimento de alguns aspetos da realidade moçambicana num determinado período da sua História.

Dois programas de António Melo Pereira

34António de Melo Pereira foi o primeiro produtor e realizador das Actualidades de Moçambique. Desde que fora para Moçambique acompanhar a rodagem do filme Chaimite, estreado em abril de 1953, estabelecera-se em Lourenço Marques e desde logo procurou lançar um cinejornal mensal, tal como se fazia na Metrópole com o Imagens de Portugal.

35Para lançar este projeto, apresentou uma proposta junto das autoridades governamentais do território com o intuito de conseguir um contrato que lhe garantisse um financiamento regular e para que lhe concedessem as devidas autorizações. Em 1955, o Governador Geral de Moçambique, Gabriel Teixeira, outorga o apoio oficial e chega a acordo com Melo Pereira para que produzisse um cinejornal “que levasse ao estrangeiro, à Metrópole e ao restante Ultramar Português a realidade do dia-a-dia moçambicano”. No ano seguinte, a 30 de outubro de 1956, foi enviada para aprovação na comissão de Censura em Lisboa a sua primeira reportagem: O Último Dia da Visita Presidencial – Atualidades de Moçambique (edição especial).

36Nos parágrafos seguintes, iremos analisar de uma forma sucinta duas edições das Actualidades de Moçambique, o n.º 6 de 1956 e o n.º 41 de 1959, ambas realizadas por António Melo Pereira e disponíveis para visionamento online no portal da Cinemateca Digital. É necessário desde já ter em conta, que se trata de um “jornal de atualidades” pelo que se aproxima mais do género “reportagem televisiva” do que de um “documentário”. Tal como explicam vários autores, o objetivo primordial do cinejornal, e das reportagens, era registar em película factos e acontecimentos ocorridos num determinado momento para serem exibidos o mais rapidamente possível – o fator novidade e a proximidade à ocorrência dos factos era essencial para captar o interesse e garantir o sucesso da sua exibição.

37Cada peça deste “cinejornal” procura seguir uma estrutura linear, respondendo às perguntas básicas de um texto jornalístico: o quê, quem, quando, onde, como e porquê. Além disso, é necessário ter bem presente que todas as imagens exibidas, teriam de ir ao encontro da narrativa oficial, pois todas as autorizações e facilidades de filmagem, só seriam obtidas através das autoridades locais e governamentais.

Actualidades de Moçambique nº 6

  • Produção: António Melo Pereira e Serviços de Estatística.

  • Ano: 1959.

  • Duração: 12 minutos.

  • Cor: P/B

38Para iniciar a análise ao trabalho de António Melo Pereira, em primeiro lugar, selecionámos o Actualidades de Moçambique nº 6 realizado em 1956. Tem a duração de 9.30 minutos e é constituído por 5 peças, cada uma com um tempo diferente. Ao longo desta edição do cinejornal as várias peças vão sendo apresentadas com um título – escrito a branco sobre um fundo negro – indicando o tema.

39A primeira peça intitula-se “Breves aspetos da Beira”. Começa com imagens captadas a partir de um avião que destacam o porto desta capital de distrito, enquanto o narrador afirma “o porto é a razão de ser desta cidade, com duas linhas férreas internacionais”. A voz em off refere que a localização geográfica e a vitalidade económica da Beira são um contributo para o desenvolvimento da região.

40A Beira é também apresentada como uma na cidade turística e, por isso, são mostradas imagens de elegantes senhoras a descerem de navios de passageiros em traje de passeio. Seguem-se cenas em travelling (captadas a partir de um automóvel em movimento) que captam as “amplas avenidas e modernas construções” ilustrando desta maneira a beleza da arquitetura da cidade. A duração do resto desta peça é dedicada inteiramente ao sector do turismo. São apresentadas imagens e explicações sobre o pleno funcionamento do “Grande Hotel”, e sobre as urbanizações que vão surgindo à beira-mar junto às praias conhecidas por serem um destino de férias “dos vizinhos das Rodésias”. As cenas da orla marítima captadas do alto do farol, de onde se veem as novas casas junto à praia, encerram esta sequência.

41A peça que se segue é muito breve, tem a duração aproximada de 1 minuto. Intitulada os “Cumprimentos oficiais do Ano Novo” tem início com um plano geral do jardim da residência do Governador-geral filmado no dia 1 de janeiro. O exterior do edifício está repleto de autoridades civis e militares e de muitos funcionários da região, aguardando o momento em que vão apresentar cumprimentos ao Governador-geral, o Comandante Gabriel Teixeira. As imagens seguintes mostram o interior do edifício, onde se podem observar as diversas individualidades a cumprimentar o mais alto representante da autoridade na província. Sucedem-se os cumprimentos de inúmeras pessoas, mas o narrador não as identifica pelo nome ou pela sua função. Quase todos os que aparecem representados são homens de raça branca, embora uma mulher seja visível em primeiro plano num dos cumprimentos. A notícia termina com imagens no exterior do jardim, onde todos conversam descontraidamente. No seu conjunto, apesar de ser curta, esta peça é uma espécie de homenagem ao responsável máximo pela existência destas Actualidades, fora o governador geral quem dera a autorização final para a sua produção e para o seu financiamento regular.

42Com o título “Escola de natação” a sequência seguinte tem a duração de cerca de minuto e meio. Os temas centrais são as instalações e as atividades do Clube Desportivo de Lourenço Marques. Nas primeiras cenas rapazes e raparigas a efetuam diferentes exercícios de aquecimento. Depois veem-se os jovens a nadarem vários estilos nas águas da piscina. É interessante ressaltar que são referidas pelo nome três nadadoras, sendo apresentadas cada uma delas individualmente em grande plano e é indicado que são as detentoras das melhores marcas regionais. Apela-se desta forma a que outros sigam o seu exemplo. A terminar esta peço são filmados rapazes do alto das três pranchas da piscina do “salto em altura” mergulhando para a água.

43Ainda dentro da temática desportiva, segue-se o segmento “Campeonato de atletismo” com aproximadamente cerca de 2,30 minutos onde são exibidos excertos de várias provas do campeonato regional de atletismo. A sequência abre com imagens do público nas bancadas (homens e mulheres), depois sucedem-se cenas de várias provas, referindo-se sempre o nome dos vários atletas e dos clubes que representam. Em algumas das eliminatórias aparecem vários atletas negros.

44Este programa de “Actualidades” encerra com uma peça de 1 minuto dedicada aos elefantes. A voz em off narra como o operador de câmara teve oportunidade de subir a bordo de uma pequena aeronave e voar até sul de Lourenço Marques, onde conseguiu filmar em planos gerais e em voo rasante uma grande manada de elefantes que se deslocava livremente pela vasta savana. Não há indicações científicas ou técnicas sobre essa espécie animal, trata-se apenas de uma nota pitoresca que o realizador quis mostrar ao grande público. Desta forma, chamava a atenção para as potencialidades turísticas do contacto próximo com a natureza selvagem que se podia encontrar em Moçambique.

Actualidades de Moçambique nº 41

  • Produção: António Melo Pereira e Serviços de Estatística.

  • Ano: 1959.

  • Duração: 12 minutos.

  • Cor: P/B

45O segundo trabalho de António Melo Pereira que selecionámos para análise é a edição n.º 41 das Actualidades de Moçambique realizada em 1959 e que também se encontra disponível no portal da Cinemateca Digital.

46A peça de abertura revela em primeira mão “A nova central elétrica de Lourenço Marques” e dura cerca de 3.30. A voz em off começa por explicar que o que se vai ver nas imagens é algo que ainda está em fase de experimentação, mas que merece ser desde já desvendado. As imagens do exterior, em plano geral, chamam a atenção para a envergadura do empreendimento, sublinhando a altura e dimensão do edifício e também os mais de 1.500 metros de extensão das condutas que extraem a água do mar. Após várias questões mais técnicas, é explicado com recurso a imagens onde é depositado o carvão – um espaço com capacidade para 25.000 toneladas. De seguida, já no interior do edifício, são filmadas as 3 caldeiras que consomem 3 toneladas de carvão por hora. Vão sendo apresentadas mais salas com diversos equipamentos e turbinas, são mostrados os funcionários a controlar as máquinas. Na sala de comando, aparecem funcionários negros e brancos a trabalhar lado a lado. Numa outra sala, ampla e alta, a câmara efetua um travelling para trás que vai revelando a verdadeira dimensão do espaço, enquanto a voz off explica que quando tudo estiver em pleno funcionamento “daqui sairão 30 mil kilowatts de energia, força vital para o futuro progresso de Lourenço Marques”. É mediante frases como esta que realizador António Melo Pereira elucida que as suas “Actualidades” são um espelho do desenvolvimento e do progresso de Moçambique, pois revelam o que de melhor estaria a construir.

47A seguinte peça vai retomar um assunto que já fora abordado 3 anos antes nas “Actualidades nº 6”: o sector do turismo e foca-se mais uma vez na “Organização turística da Beira”. Em pouco mais de 1 minuto, são exibidas as zonas junto ao farol, onde surgiu um aldeamento de pequenas casas pré-fabricadas perto da praia que atrai cada vez “mais turistas da Rodésia”. São também mostrados os espaços reservados às inúmeras tendas de campismo, já instaladas e utilizadas por diversas famílias nos seus tempos livres. O narrador informa que toda essa área já acolhera cerca de 3000 pessoas em simultâneo e revela que se encontrava já projetado a construção de um Motel. A diversão noturna é exemplificada com cenas de um bar-café com música jazz ao vivo, onde jovens dançam a pares ao ritmo de um swing moderno num ambiente de alegria e boa disposição. Insistindo depois mais uma vez nas imagens da orla marítima e das praias, a voz em off esclarece que se trata de “uma iniciativa privada que procura desenvolver o turismo como uma das maiores fontes de riqueza de Moçambique”.

48A mesma temática turística é desenvolvida na peça seguinte sobre “Piscinas recreativas de Lourenço Marques”. Durante cerca de 2 minutos são apresentadas três estruturas: a piscina da Associação dos Velhos Colonos, com a voz em off a esclarecer que é “a única na zona residencial”; a piscina do Hotel Cardoso, um ambiente requintado com relvados espaçosos; e a piscina do Hotel Polana – é chamada a atenção para a qualidade da construção e das zonas envolventes, com o narrador a sublinhar que o Hotel procura “servir um público cada vez mais cosmopolita”, considerando que este empreendimento é um “expoente da civilização de Lourenço Marques”. É preciso ter em conta que para António Melo Pereira ter conseguido autorização para filmar as piscinas dos hotéis em pleno funcionamento estaria a prestar-lhes um serviço publicitário, mas também, porventura, a obter algum rendimento em contrapartida.

49O último segmento deste programa, intitulado “Passagem de ano”, dura sensivelmente 5 minutos e é também filmado nos hotéis. Começa com um plano geral de salões de festas dos centros recreativos da cidade de Lourenço Marques e prossegue com imagens das pistas de dança do Hotel Girassol – cheio de animação e repleto de pessoas que bebem, fumam, dançam e falam alegremente entre si. Deste espaço passa-se para a festa no interior do Hotel Polana com imagens que ilustram o requinte das decorações e do ambiente, desde os salões de baile à pista de dança instalada ao ar livre junto da piscina com música ao vivo. A voz em off informa que “muitos turistas sul-africanos deslocam-se sempre nesta quadra a Lourenço Marques”. As últimas imagens são captadas ao amanhecer, nestas surgem pessoas alegremente a conviver tendo o horizonte como fundo visto a partir da piscina do Hotel Polana.

50Vale a pena notar que durante toda esta peça final foram filmadas inúmeras pessoas, a grande maioria em casal, mas também de forma individual. Mais tarde, muitas dessas pessoas serão as mesmas que iam aos cinemas e assim terão assim hipótese de se verem representadas nas “Actualidades” (exibidas como suplemento antes das longas-metragens). Era uma das formas que António Melo Pereira utilizava para fidelizar o seu público, dando à audiência algo daquilo que ele sabia que seria apreciado e valorizado.

Análise de dois documentários de Augusto Santos

51Augusto Santos marcou indelevelmente o panorama cinematográfico moçambicano nas décadas de 1960 e de 1970 quer pelo seu percurso profissional, quer pelas relações que estabeleceu com os seus pares em Lourenço Marques, em Portugal Continental e até no estrangeiro.

52Decidimos analisar o seu trabalho porque o seu percurso profissional condensa as características da maioria profissionais de cinema a residirem em Moçambique na época, ou seja, Augusto Santos foi funcionário, foi freelancer e foi empresário.

53Também o seu percurso de vida contou igualmente para esta escolha, pois tal como o seu percurso profissional apresenta vários pontos em comum com os restantes cineastas, entre os quais: o facto de ser autodidata, de ter procurado fazer cinema de autor, de ter perspetivado continuar a viver e trabalhar em Moçambique após a independência e de nunca mais ter voltado a trabalhar em cinema após 1975.

54A escolha da amostra de filmes de Augusto Santos para análise teve como critério principal o facto de terem sido produzidos por duas das suas empresas – a SIM e a Telecine Moçambique – cuja atividade correspondem a momentos distintos da sua vida e da História de Moçambique.

Assim construímos o futuro – Matola

  • Ano: 1968

  • Duração: 15 minutos

  • Laboratório: António Melo Pereira

  • Cor: P/B

  • Realizadores: Augusto Santos e João Terramoto.

  • Guião: Pimentel Costa (texto)

  • Locução: A. Luiz Rafael

  • Produção: Som e Imagem de Moçambique

55Assim construímos o futuro começa com uma rápida sequência de planos do centro de Lourenço Marques acompanhados por uma banda sonora com ritmos rápidos que confere uma atmosfera de labor industrial. Modernos edifícios e outros em construção são filmados a partir do solo, estes planos são intercalados com imagens de pessoas a circularem na baixa da cidade. Os planos curtos transmitem a sensação de uma cidade vibrante.

56Como era habitual nos documentários da SIM, a presença do narrador é omnisciente: “o meio excitante e febril da vida citadino e a falta de espaço para expansão do progresso leva à busca de novos horizontes para instalação de indústrias e residências. Assim acontece com Lourenço Marques, assim nasceu a Matola” – as imagens que acompanham esta narração captam transeuntes e o trânsito a circularem no centro da cidade, destacando-se a heterogeneidade étnica da população filmada.

57Segue-se uma sequência gravada a partir do interior de um automóvel que é conduzido até à vila da Matola. Chegado ao destino, o realizador começa por filmar as habitações de dois andares, algumas com piscina. É referido que foi a partir deste local “que tudo começou, com as casas, as hortas, os jardins e os pomares”. Os proprietários das casas passeiam-se pelos jardins e uma jovem colhe uvas e laranjas. “Foi assim que junto a Lourenço Marques nasceu a Matola, uma agradável área residencial implantada com os novos requisitos das novas possibilidades de vida e de bem-estar” – aparecendo novamente imagens de casais e famílias europeias junto às suas casas, estando uma família à conversa junto da sua piscina. Ao contrário das cenas na baixa da cidade, os indivíduos filmados neste segmento são todos europeus.

58O narrador prossegue a “visita” e refere que os novos serviços trouxeram mais população à Matola – surgem imagens de uma igreja e das instalações do Rádio Clube Moçambique e é feita a seguinte descrição:

Depois, a época industrial lançou em maior crescimento o novo aglomerado populacional com a instalação de complexos fabris, que dão trabalho e fomentam riqueza. Rapidamente a Matola guindou-se à posição de primeiro parque industrial da província. Mercê de investimento de centenas e centenas de milhares de contos, como seja a refinaria, onde num complexo mundo de técnica são produzidos asfaltos e combustíveis diversos, impulso da força motriz de toda a máquina do progresso de Moçambique.

59Várias imagens captam o interior e a paisagem exterior do complexo fabril: tubagens, silos, chaminés, gabinetes e salas de monotorização etc. Os trabalhadores filmados são todos europeus.

60“Houve a implantação de modernas unidades fabris que passaram a laborar com matéria-prima da província confirmando assim que a terra moçambicana dá os seus frutos e a técnica local os transforma em produtos de consumo. É o caso deste conjunto industrial de óleos, técnica completa, a riqueza que a terra dá”. O controlo das máquinas é feito por funcionários europeus e africanos e os técnicos laboratoriais são europeus. “Neste complexo fabril ainda em desenvolvimento produzem-se já óleos comestíveis, industriais e bagaços para consumo interno e para exportação” – sendo filmado nesta cena um empilhador a carregar bidões com a inscrição FASOL.

61Posteriormente, a narrativa centra-se nas indústrias metalomecânicas e siderúrgicas e surge um grande grupo de trabalhadores africanos a entrarem na fábrica. “Aqui são produzidos há muito equipamentos para outras unidades fabris e material circulante para caminhos-de-ferro”. Um grande hangar é filmado mostrando a força de trabalho composta por europeus e africanos num trabalho de precisão e mecanizado. Esta fábrica é especializada na construção de vagões que “abastecem o mercado interno e são igualmente exportados”.

62Seguem-se sequências de outras indústrias e explica-se a origem do parque industrial da Matola:

Na estupenda realidade económica que é o parque industrial da Matola, o complexo fabril de moagem de massas alimentícias e de bolachas dispõe de capacidade para o consumo da província e ainda para a exportação apreciável. Não para o crescimento da zona industrial, mais de centena e meia de unidades fabris encontram-se em laboração na Matola e junto às pioneiras como a dos cimentos, vêem-se novos e importantes complexos em laboração. É exemplo a recente instalação da produção de adubos. Daqui sai uma vasta gama de produtos que fertilizam a terra evitando-se a importação e permitindo ainda que se exportem os excedentes.

63Nas imagens subsequentes, os trabalhadores, na esmagadora maioria africanos, saem de uma fábrica e ouve-se o narrador dizendo: “no homem reside a principal alavanca principal do trabalho e a justificação de tudo”. O tema deixa de ser a produção e passa a focar-se nos aspetos socioeconómicos, nomeadamente, a ação social prestada aos trabalhadores, conforme elucida a voz em off: “Os problemas sociais e o afluxo constante de mais população foram encarados pelas empresas. Assistência médica e em alguns casos a instalação para os filhos dos trabalhadores (e.g. berçário) para que a mulher possa trabalhar e cumprir ao mesmo tempo a sua missão de mãe”. Nas imagens observam-se os bebés no berço e uma cantina onde as mulheres, todas africanas, tomam uma refeição. Nos refeitórios masculinos, predominam os homens europeus, alguns africanos também estão presentes na sala. Nas imagens seguintes é mostrada outra cantina onde se denotam as condições e estatuto superior dos trabalhadores. Nesta comem sobretudo homens europeus e algumas mulheres. O narrador informa que a alimentação está incluída no salário. Noutra imagem também num refeitório, surgem dois africanos a receberem a comida, contudo, o espaço de refeição não é mostrado.

64A área residencial e a habitação são os temas seguintes, como refere a voz em off a Matola “está em franco crescimento em consequência do aumento da atividade industrial” e “é o terceiro centro populacional em toda a província” – nas imagens veem-se várias habitações recentes e ruas perpendiculares alcatroadas. É indicado que no bairro filmado, “existem 475 habitações”, acrescentando-se que outras mais estão sendo construídas para solucionar o problema habitacional, numa ação desenvolvida pelo Fomento Predial de Moçambique. O narrador explica alguns pormenores desta iniciativa: “As residências podem tornar-se propriedade dos moradores se forem cumpridos os requisitos: cada uma das casas paga-se em 10 anos porque a renda normal é a amortização do seu custo. Para o bairro e para a Matola vieram não apenas trabalhadores industriais, mas também gente da capital”. Nas imagens podem observar-se núcleos familiares europeus e africanos. Crianças brincam nos jardins das casas e os adultos apanham fruta nas hortas das casas.

65Noutra cena, de acordo com o narrador, face ao crescimento populacional e ao esforço pela das autoridades pela promoção social da população, são filmados o que presumimos serem arquitetos e engenheiros do gabinete técnico municipal a trabalhar no planeamento de mais 100 habitações. De acordo com a narração, esta equipa trabalha de forma cumprir a política municipal que determinava que todos os trabalhadores tinham direito a uma casa. Para o efeito, noutra sequência de imagens, as máquinas escavam novas parcelas para que os interessados possam concorrer à construção de uma habitação pelo preço “simbólico de 3 centavos por m2”. O apoio técnico é oferecido pela Câmara Municipal. É uma, conforme informa a voz em off, “iniciativa inédita em todo o Ultramar até porque a Câmara Municipal oferece alguns dos materiais e vende a preços acessíveis outros tantos, empresta as máquinas necessárias e dá o transporte necessário dos materiais para junto das obras”.

66Como se pretende demonstrar, os proprietários constroem as suas próprias casas com a ajuda de familiares e vizinhos, muitas vezes junto às suas antigas palhotas. Segundo o narrador, os que agora ajudam, serão depois ajudados a fazerem as suas casas. “Um admirável sistema de autoconstrução apoiada pelo município” – nas imagens europeus e africanos constroem as suas casas. Depois da sequência sobre a construção das habitações, vê-se uma família africana no varandim da sua nova casa a sorrir. Surge outro casal africano a entrar numa nova casa. Depois outra casa é filmada outra casa é habitada por europeus. O narrador afirma que 2 mil casas estavam a ser construídas e outras 1000 estavam em construção. Assim, segundo as informações verbalizadas, o objetivo final deste projeto era a promoção social dos trabalhadores e das suas famílias. Novamente, várias famílias africanas e europeias são filmadas nas suas casas e jardins.

67Na escola primária Izabel Paloma, as crianças, na sua maioria africanas, caminham para o interior das instalações enquanto o Professor, europeu, as observa. Nos vários bairros foram construídas escolas “que acompanham o tempo progressivo da Matola”. À porta de um dos pavilhões está pintado na parede o Infante D. Henrique. No interior da sala uma Professora europeia leciona a uma turma maioritariamente africana, estão presentes alguns meninos europeus e asiáticos. As turmas são separadas por sexos. Seguem-se as imagens do refeitório feminino. No recreio é diferente, não existe separação entre rapazes e raparigas. Alguns rapazes jogam basquete e outros, mais novos, tomam banho na piscina.

68A terminar o documentário são filmados vários planos próximos de meninos e meninas a sorrir para a câmara e enquanto o narrador profere as frases finais: “…cada criança é um poema do Homem e de Deus porque em cada criança está o Homem de amanhã. Assim se continua o futuro da Matola depois da coragem do princípio e da força da arrancada. Assim se constrói o futuro”.

Verde Zambézia

  • Ano: 1973

  • Duração: 10 minutos

  • Laboratório: Tobis Portuguesa – Nacional Filmes

  • Cor: cores

  • Realizador: Augusto Santos

  • Fotografia: Bonito Ramos

  • Guião: Fernando Carneiro (texto)

  • Som: Alexandre Gonçalves (banda sonora)

  • Locução: Gustavo Rosa.

  • Produção: Telecine

69Neste breve documentário o narrador começa por descrever os aspetos da paisagem: “gigantesco pulmão verde de Moçambique. Chama-se Zambézia, terra onde a vegetação exuberante é o melhor cântico aos numerosos cursos de água. A agricultura tem aqui uns enormes braços abertos” – sucedem-se imagens de cursos de água, assim como planos da vigorosa floresta verde. A banda sonora é lenta, mas enigmática e cria uma atmosfera de suspense. A introdução ao tema central do documentário termina com um plano de curta duração que capta uma jovem mulher a polir uma esmeralda numa máquina.

70Na cena seguinte é filmada uma escombreira. Mediante um zoom é captado um mineiro a dar instruções ao maquinista de uma grua enquanto um balde de minério é içado. Na imagem seguinte, um plano de detalhe mostra um homem a manusear o minério, “belas esmeraldas e tantalites” segundo o narrador. Observa-se depois a lavagem do minério, num plano de conjunto e de curta-duração sem qualquer plano de detalhe ou explicação. De seguida, voltamos à oficina de polimento. Um plano de conjunto permite verificar que “os últimos retoques são dados pelas mãos hábeis das operárias”. São jovens adultas elegantes de ascendência africana que se destacam pelos brincos vistosos e pelas unhas arranjadas e pintadas. A cena de transição é feita mediante um grande plano de um diamante girando sobre o seu eixo.

71Tem início uma nova parte do documentário. Na beira da estrada um sinal toponímico informa os condutores e transeuntes que estão a entrar na localidade de Mocuba. Trata-se de uma vila de avenidas largas e edifícios de traços modernos, como enfatiza a voz em off: “o verdadeiro entroncamento ferroviário e rodoviário da Zambézia. Vizinha de amplas plantações de sisal”. Esta descrição é ilustrada com imagens do centro da localidade (e.g., as ruas, a avenida, a circulação de carros e os edifícios modernos, entre os quais uma igreja) e de uma piscina onde crianças e jovens europeus se divertem.

72Após estas cenas, a narração é retomada e surgem as primeiras imagens dos campos de sisal – “uma das maiores riquezas da região com uma colheita média anual de 8 mil toneladas” – surgindo imagens de uma locomotiva a puxar várias carruagens carregadas com esta matéria-prima. A existência de um caminho-de-ferro nesta exploração é representativa do valor de mercado deste produto, sendo também uma marca da paisagem que permite observar a organização e o planeamento das plantações.

73Uma série de planos (picados, gerais e de grandes planos) mostram uma floresta de bambus de grandes dimensões, embora “sem valor comercial são demonstrações da vitalidade de terra”, esta cena faz a transição para o segmento seguinte dedicado às plantações da cana-de-açúcar. Em primeiro lugar, é filmado o sistema de rega da exploração composto por aspersores. Em segundo lugar, são filmadas as queimadas que “abrem caminho aos trabalhadores que cortam a cana-de-açúcar nas margens do rio Zambeze, pois o doce açúcar é outro dos pilares económicos do distrito” – nas imagens veem-se trabalhadores africanos a cortarem à catanada as canas que são depois recolhidas por máquinas agrícolas, sendo depois transportadas por tratores igualmente operados por trabalhadores africanos. As cenas seguintes têm como tema central o Chinde, o narrador abre a sequência de imagens sobre esta localidade da seguinte forma:

Disse um poeta que o Chinde é a terra irmã do Mississipi, basta ver os seus velhos barcos de rodas que sulcam pachorrentamente o rio”. As imagens dos barcos de rodas, nomeadamente o Marracuma, dão lugar a um plano próximo da placa da toponímia da Vila do Chinde. Nesta localidade, as primeiras casas filmadas são chalés até aparecer o “moderno centro habitacional” cujos primeiros edifícios não são habitações, mas sim a Câmara Municipal e uma Igreja, ambos impecavelmente conservados. De seguida, um plano muito rápido capta as vivendas geminadas de piso térreo e assim passamos ao objetivo da “visita” ao Chinde: o cultivo do arroz nas imediações da cidade “o suporte deste imenso celeiro moçambicano, nas águas irrigadas naturalmente vivem e trabalham 70 mil cultivadores.

74Do Chinde viajamos até outra localidade. “No meio do verde chá surge Vila Junqueiro”. Um plano geral mostra a vasta área de colinas preenchidas com as plantações de chá. A banda sonora é constante e neutra à medida que planos de conjunto filmam os trabalhadores africanos a apanharem as folhas de chá para os cestos que carregam às costas. De repente, a música altera-se, a melodia é alegre com um riff de guitarra, ao estilo rock psicadélico da década de 1960. Novas imagens dos trabalhadores são apresentadas, mas agora estes colhem as folhas do chá de forma mais rápida.

75Somos depois levados para a costa da Zambézia, nomeadamente, para a praia da Zavala. Um travelling é captado a partir do interior de um automóvel que velozmente percorre a praia. A câmara, posicionada com a lente no lado oposto ao mar, filma os banhistas na areia. Segue-se um novo plano, agora captado como se tratasse da visão de um banhista sentado no areal debaixo de um guarda-sol observando o mar. A praia é frequentada na sua maioria por europeus. As mulheres mais jovens vestem biquínis.

76Depois, são mostrados “os maiores palmares do mundo que chegam ao litoral para o debruar com toques exóticos”. Esta sequência tem como tema a copra, produzida através dos cocos colhidos manualmente, como é ilustrado pelas imagens de homens a treparem às árvores. Os cocos são desfeitos no local para depois se proceder à recolha da matéria-prima. O narrador liga este ao próximo segmento da seguinte forma: “as palmeiras fazem parte do cenário que penetra na cidade, tal como aqui na feira da Zambézia em Quelimane – a mostra da capacidade económica da região”. Neste certame, além de um plano geral do evento, é apenas filmado o gado. Esta cena introduz a sequência sobre Quelimane, filmada inicialmente a partir do interior de um avião.

77“Quelimane que nasceu nas margens do Rio dos Bons Sinais, hoje toda feita de cimento armado, não perdeu o orgulho de ter acolhido Vasco da Gama”, veem-se vários aspetos das principais artérias das cidades, dos modernos espaços de lazer (e.g., piscinas, parques, jardins) e edifícios, como o do Banco Nacional Ultramarino. A cidade destaca-se pelos espaços verdes e pelos edifícios modernos: “é uma cidade virada para o trabalho” e aberta “ao descanso daqueles que a habitam”. Para além dos aspetos mencionado é também filmada uma piscina, onde crianças europeias se divertem. Por fim, filmam-se os cruzamentos da cidade com europeus e africanos, homens e mulheres, a circulam no mesmo espaço.

Comentário geral aos documentários de Augusto Santos

78Ambos os documentários partilham a forma e o conteúdo da maioria dos documentários realizados em Moçambique nesta época. As principais temáticas são as atividades económicas, o progresso socioeconómico das populações e as atividades desportivas e de lazer.

79No entanto, estes dois documentários de Augusto Santos, e doutros “moçambicanos” distinguem-se dos documentários realizados e produzidos por entidades metropolitanas porque se não se denota, pelo menos de forma tão evidente, a preocupação em contextualizar os aspetos filmados no espaço ultramarino, cingem-se, sobretudo, à realidade moçambicana. São perspetivas de um habitante local que associa o progresso às autoridades e às empresas locais e não tanto ao Governo e às instituições metropolitanas.

80Estes aspetos podem ser, por um lado, explicados pelo facto do realizador ser “moçambicano” e, por outro lado, pela natureza dos financiamentos que eram maioritariamente locais.

Notes de bas de page

1 Marc Ferro, Cinéma et histoire: le cinéma agent et source de l’histoire (Denoel/Gonthier, 1977).

2 Penafria, Manuela (2009) - Análise de filmes: conceitos e metodologias. VI Congresso Sopcom, abril de 2009. Disponível em: < https://www.researchgate.net/publication/242758192_Analise_de_Filmes_-_conceitos_e_metodologias>, acedido a 08/02/2023.

3 Carlos Henriques, «O Audiovisual é a nossa paixão», Artur Moura - Paixão pelo Cinema, 8 de agosto de 2020, http://www.colorizemedia.com/detalhe_biografia.php?pag=36.

4 John Grierson, «First Principles of documentary (1932)», em Grierson on documentary, ed. Hardy Forsyth, Revised Editon (Berkeley and Los Angeles: University of California Press, 1966), 145–56.

5 Jean Jacques Jespers, Jornalismo televisivo, vol. 4, Colecção Comunicação (Coimbra: Minerva, 1998).

6 Patrick Charaudeau, Discurso das mídias (Ed. Contexto, 2006).

7 Manuela Penafria, O filme documentário: história, identidade, tecnologia (Lisboa: Cosmos, 1999).

8 Versão integral do filme disponível no portal RTP Arquivos: https://arquivos.rtp.pt/conteudos/porto-de-lourenco-marques/.

9 Versão integral do filme disponível no portal RTP Arquivos: https://arquivos.rtp.pt/conteudos/um-dia-na-gorongosa/.

Précédent Suivant

Le texte seul est utilisable sous licence Creative Commons - Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International - CC BY-NC-ND 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.