Vous l’avez sans doute déjà repéré : sur la plateforme OpenEdition Books, une nouvelle interface vient d’être mise en ligne.
En cas d’anomalies au cours de votre navigation, vous pouvez nous les signaler par mail à l’adresse feedback[at]openedition[point]org.

Précédent Suivant

Capítulo III - Outros cineastas profissionais em Moçambique (1951-75)


Texte intégral

1Embora nos capítulos precedentes já tenham sido mencionados os nomes deste conjunto de cineastas que trabalharam em Moçambique entre 1951 e 1975, importa descrever com maior detalhe o seu percurso profissional antes, durante e após a sua permanência no território. Desta forma, acreditamos que é possível obter uma melhor compreensão sobre a realidade da atividade cinematográfica moçambicana.

Albano Melo Pereira, o irmão de Melo Pereira

2Albano Melo Pereira, irmão do realizador-produtor António Melo Pereira nasceu na freguesia de Monte Redondo, concelho de Leiria, em 26 de agosto de 19311. Ingressou a 1 de outubro de 1951 no exército e cumpriu a recruta na Base Aérea nº 1 de Sintra. Transitou para a Força Aérea a 1 de julho de 1952, data em que a Força a Aérea se tornou um ramo independente. Esteve colocado na base nº2 e passou à reforma extraordinária como Segundo-Sargento Piloto a 1 de setembro de 1958.

3Não foi possível apurar quando é que Albano chegou a Moçambique, mas a primeira referência que encontramos sobre ele, e já a trabalhar em cinema, remonta a 19632. Depois desta data encontram-se várias referências ao seu trabalho como operador nas Actualidades de Moçambique, a empresa do seu irmão António. Colaborou ainda com João Terramoto, como operador de câmara, na produção de conteúdos para a RTP e com Augusto Santos na direção do documentário FACIM 70. Além disso, o nome de Albano Melo Pereira é referido nos livros Fim do Império, Memórias de um Soldado3 de Ribeiro Cardoso e Aqui Moçambique Livre4 de Ricardo Saavedra no contexto dos acontecimentos do 7 de setembro de 1974, em Lourenço Marques. Segundo estes autores, Albano estaria no interior do Rádio Clube de Moçambique juntamente com os amotinados. Posteriormente a esta data, não foi possível encontrar qualquer outro registo sobre a sua atividade profissional e pessoal. Faleceu em 20 de agosto de 1991 na África do Sul, o mesmo dia da morte do seu irmão em 1988.

Álvaro Alves da Silva e a Cináfrica

4Em 1936, Álvaro Alves da Silva, empresário de Lourenço Marques lançou e editou juntamente com Manuel Santana a publicação África: revista quinzenal de cultura e propagada colonial.

5Na década seguinte adquiriu o edifício de arquitetura modernista Hotel Aviz, situado na interseção entre a Avenida Brito Camacho (atual Patrice Lumumba) com a Rua Princesa Patrícia (atual Avenida Salvador Allende)5. No início da década de 1960, com o objetivo de lançar em Moçambique uma indústria cinematográfica, Alves da Silva fundou a produtora “Cináfrica – Estúdios e Laboratórios Cinematográficos” e procurou especializar-se na produção de filmes industriais. Em 1963, empregou Luís Beja que tentou realizar na Cináfrica o seu primeiro filme de ficção moçambicano: Eles vieram do mar.

uma boîte, no passado bastante popularizada na capital (semelhante às caves que em Paris se tornaram famosas no após-guerra), transformou-se em laboratório com as condições essenciais para o impulso número um. Foram feitos testes à possível figuração. Terminou-se o roteiro. Serão utilizadas (pensa-se em princípio, embora a nosso ver erradamente) quatro câmaras de 16mm. A ampliação será feita, depois, para os 35mm. “Eles vieram do mar” será filmado em hectachrome6.

6Após a saída de Luís Beja da Cináfrica, Alves da Silva negociou com Eurico Ferreira a produção de uma longa-metragem e convidou-o a tornar-se seu colaborador ne empresa. Eurico recusou o convite e continuou na Somar. Apesar de ter adquirido equipamento profissional, como por exemplo uma Arriflex de 35mm, o seu conhecimento sobre cinema era rudimentar e não conseguiu atrair recursos humanos especializados. Tudo isso ditou o fim da sua empresa neste ramo cinematográfico e Alves da Silva armazenou então esses equipamentos na cave do seu hotel.

7Em 1969, além de ser proprietário de uma discográfica, também designada por Cináfica7, Alves da Silva lançou através da sua editora Cináfrica Edições a “Nova: a primeira revista semanal de Moçambique”.

8Entre 1972 e 1973, vendeu aos irmãos Eurico e Eugénio Ferreira os equipamentos cinematográficos com os quais montaram a Cinef. No ano seguinte, antes da proclamação oficial da Independência de Moçambique, Alves da Silva abandonou Moçambique.

António José Lemos Ferreira

9Nasceu em Macau no dia 25 de abril de 1953. Em dezembro de 1959 juntamente com a sua família fixou residência em Lourenço Marques. Aos oito anos aprendeu a fotografar com o seu pai, o realizador-produtor Eurico Ferreira. A partir dos dez anos começou a frequentar os estúdios da Somar Produções onde o seu pai era colaborador. No decorrer dos anos seguintes aprendeu e desenvolveu competências nas mais diversas funções de sonorização, de montagem e de projeção. Durante as férias escolares acompanhava o pai na Cinearte (empresa de cinema ambulante) ajudando na preparação dos locais de projeção. Alguns anos depois trabalhou como técnico na cabine de som do Pavilhão da Malhangalene. Posteriormente, participou nas obras da construção da Filmlab onde, entre outras tarefas, restaurou e montou a máquina de revelar Prevosti.

10Quando tinha dezassete anos a revista Plateia dedicou-lhe um artigo onde lhe teceu vários elogios por ser o mais jovem cineasta de Moçambique. Por esta altura, para além do trabalho de laboratório que exercia na Filmlab, António era igualmente operador de câmara no Visor Desportivo da Somar e contava no currículo com a participação em dois documentários encomendados pela empresa de Caminhos de Ferro de Moçambique. Em 1971, participou como operador de câmara na primeira longa-metragem moçambicana: Zé do Burro.

11Nos anos seguintes, continuou a trabalhar como técnico de laboratório na Filmlab e como operador de câmara, nomeadamente, para o cinejornal Imagens de Moçambique e para vários documentários produzidos pela Cinef, a produtora do seu pai.

12Em 26 de fevereiro de 1975 entrou como Técnico Auxiliar de primeira classe para os Caminhos de Ferro de Moçambique, tendo antes trabalhado como projecionista no Cinema Infante. Nos dias que antecederam a proclamação da Independência de Moçambique, em 25 de junho de 1975, António Ferreira colaborou com a equipa jugoslava de Popovic na montagem dos sistemas de iluminação da bancada Presidencial no Estádio da Matola (antigo Estádio Salazar) e na Câmara Municipal para o ato da tomada de posse do novo Governo moçambicano.

13No período do pós-independência, António Ferreira fez parte da equipa de filmagens do documentário O Povo Organizado (1976) de Robert Van Lierop. Voltou a trabalhar como projecionista, mas agora no cinema Nacional, formando novos técnicos para esta função. A par destas atividades, prestava apoio ao pai e participava ativamente no projeto de criação do futuro INC, nomeadamente, na coordenação dos estudantes da Faculdade de Ciências nas AJU (atividades de julho) no trabalho de construção do estúdio de som, da cabine de projeção e do laboratório de revelação. Na instalação deste último equipamento teve a imprescindível contribuição de um estudante de Química, José António Oleiro Curralo (estudante de química).

14Entre 1976 e 1977, António filmou e montou várias produções do INC. Integrou também o projeto Cinema Ambulante e por esta ser uma iniciativa inédita, filmou vários aspetos deste projeto numa das sessões realizadas na Ponta do Ouro. Algumas dessas imagens foram utilizadas no documentário de Margarida Cardoso Kuxa Kanema: o nascimento do cinema (2004).

15Em 1979, António abandonou Moçambique e viajou para Portugal onde começou a trabalhar em cinema e publicidade na empresa do seu pai, a Quinecor – Empresa de Produção, Distribuição e Exibição Cinematográfica, LDA. Nesta empresa foi, por exemplo, operador de câmara no documentário sobre o Jornal Tempo.

16O serviço de aluguer das câmaras de filmar da Quinecor permitiu a António acompanhar e conhecer várias empresas produtoras, nomeadamente, a Costa do Castelo onde aprendeu diferentes técnicas de produção de filmes publicitários. Assim, nos anos seguintes, realizou diversos trabalhos como “freelancer” para várias empresas (e.g., Telecine-Moro), quer na produção de documentários institucionais (e.g. Aporvela), quer na cobertura cinematográfica de eventos (e.g. a visita do Papa João Paulo II ao Santuário de Fátima).

17Entre 1984 e 1991, foi colaborador da Movicine, de Servais Tiago. Trabalhou sobretudo na produção de filmes de animação, nos quais foi responsável pelos efeitos especiais e pelas legendagens. Entre os muitos trabalhos que realizou para a Movicine, destacam-se: as animações para o programa Um, Dois, Três da RTP; o anúncio televisivo da marca de conservas General, gravado parcialmente com uma minicâmara construída por si; e ainda o design de um cartaz publicitário dos Jogos Desportivos de Lisboa. No período em que foi prestador de serviços na Movicine, executou, também, vários serviços para diferentes empresas (e.g., técnico de efeitos especiais e como operador de imagem) graças ao aluguer da sua câmara 35mm que havia restaurad0.

18Para a Quinecor trabalhou na produção da longa-metragem Violación Inconfessable (1980). Nesta época participou também em algumas das coproduções internacionais da produtora Pandora, como Vidas (1984); O lugar do morto (1984); To Catch a King (1984); Exit exil (1986); Le Dernier été à Tanger (1987) e La valise en carton (1987).

19Em 1985, fez parte da equipa de filmagens contratada pela Comissão das Comunidades Europeias (CCE) para a produção de um filme tendo em vista promoção de Portugal nos estados-membros da Comunidade Europeia. A equipa de filmagens da CCE percorreu todo o país captando imagens de vídeo para arquivo histórico. O objetivo era captar como o país era antes de entrar para a comunidade europeia. Em 1986, integrou como técnico de audiovisual a primeira campanha presidencial de Mário Soares. Mais tarde, em colaboração com o seu pai, desenvolveu os bonecos Marioches, posteriormente utilizados na série da RTP A Pandilha do Tomé (1990).

20Em 1990, foi eleito representante de Portugal no projeto “Cartoon” da Association Européenne du Film d’Animation. Por esta razão, foi convidado em 1991 para participar no MIP TV - evento que decorre anualmente em Cannes - onde apresentou a animação Phantonettes.

21Ao longo da década de 1990, desenvolveu vários trabalhos para diferentes produtoras. Por exemplo, para a produtora Optical Print, de Mário Jorge, desenvolveu sketches pedagógicos para a série da RTP Rua Sésamo e assinou alguns dos seus trabalhos publicitários mais mediáticos, entre os quais, Os monstros da Matutano (1997) e o anúncio televisivo Família Singer.

22Entre 1993 e 2005, trabalhou como técnico de audiovisual no CENFIC (Centro de Formação Profissional da Indústria da Construção Civil e Obras Públicas do Sul) para a qual produziu vídeos sobre formação profissional, restauro e reabilitação de edifícios antigos e máquinas de carpintaria. Entre 1997 e 2003, também na área da formação profissional, lecionou Animação com Volumes na Escola Técnica de Imagem e Comunicação (ETIC). Ainda na área da formação, em 2000 participou no maior projeto europeu DELFIM, de formação de formadores, até à data organizado. Neste curso lecionou online e escreveu um manual sobre produção de conteúdos audiovisuais, o que lhe conferiu o certificado de “Concepção e produção de recursos técnico pedagógicos em formato vídeo e áudio”.

23Em 2001, produziu para Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa o documentário Comemoração: 30 anos a formar Professores. Quatro anos mais tarde, em 2005, terminou o curso de engenharia civil do ISEL e assumiu o cargo de engenheiro-chefe na empresa Movex.

24Depois de se reformar em 2008, António voltou a dedicar-se ao cinema. Em 2017, realizou e produziu o documentário Caminhos Longos8, uma retrospetiva da sua infância em Macau. Para o efeito, utilizou as filmagens de 8mm de quando tinha cinco anos de idade e filmou nos mesmos locais e nos mesmos ângulos 59 anos depois. Até maio de 2020, este documentário foi exibido em Festivais internacionais, tendo já sido selecionado para trinta e uma finais, das quais venceu nove.

Figura 22 – António Ferreira (esquerda) e Mário Ferreira (direita) com o burro Cacilhas, em frente ao cinema Dicca, numa acção de promoção ao filme Zé do Burro

Image 10000000000005130000059C5519D3B511AC382C.jpg

Fonte: Arquivo pessoal de António Ferreira

Figura 23 - António Ferreira, filho de Eurico Ferreira, filmagens do Zé do Burro

Image 1000000000000515000006D75EEE9D9BE96C28C7.jpg

Fonte: Arquivo pessoal António Ferreira

Figura 24 - António Ferreira em Portugal na década de 1990 quando desenvolveu o produto "Monstros da Matutano"

Image 10000000000004FC0000034838F34456F2BC8448.jpg

Fonte: Arquivo pessoal de Anónio Ferreira

Figura 25 - António Ferreira nas gravações do filme Violación Inconfessable, em 1980

Image 10000000000004ED0000035F75FE4DC895D0DF90.jpg

Fonte: Arquivo pessoal de António Ferreira

Eurico Charraz, a promessa do cinema moçambicano

25Eurico Eugénio Sousa e Brito Charraz nasceu em Lourenço Marques a 13 de novembro de 1937. Completou o curso Comercial em Lourenço Marques e o de Advance Text na África do Sul. Frequentou aulas de desenho e escultura na Sociedade Nacional de Belas Artes em Lisboa9.

26Iniciou a sua vida profissional como desenhador publicitário. Depois colaborou como desenhador para a RTP10. De regresso à sua cidade natal, trabalhou em cinema como operador de câmara e como diretor (e assistente) de fotografia para o realizador-produtor Courinha Ramos11. Na Somar ocupou-se sobretudo dos cinejornais Visor Desportivo e Visor Moçambicano12. Em 1971, Augusto Santos convidou-o para trabalhar na TELECINE – Moçambique. Em 1973, realizou – ao que apurámos – o seu primeiro documentário Campeonato Mundial de Vaurians, sobre a prova desportiva de vela disputada em Lourenço Marques.

27No ano seguinte, Eurico partiu para a África do Sul. Após o Acordo de Lusaca (assinados a 7 de setembro de 1974) emigrou para a Nova Zelândia onde fixou residência e trabalhou como skipper num veleiro turístico. Desconhecemos se voltou a trabalhar em audiovisual. Continuou a pintar até 2018.

Figura 26 – Eurico Charraz (esquerda) e Viriato Barreto (direita) filmando um jogo de futebol na década de 1960, em Lourenço Marques

Image 10000000000005120000049100F3E0F69038E209.jpg

Fonte: Arquivo pessoal de Viriato Barreto

Fernando Morgado, o militar-cineasta

28Fernando Manuel de Brum Morgado é natural do Feijó (Cova da Piedade). Nasceu a 1 de dezembro de 1947 no seio de uma família germano-açoriana da mesma árvore genealógica do realizador Jorge Brum do Canto. Aos 5 anos mudou-se com os seus pais para Lourenço Marques. Depois de terminar o curso de Montador-Eletricista ingressou nos Serviços Cartográficos do Exército (SCE) onde se especializou como operador de câmara. Em 1971 ingressou na Somar/Filmlab. Nesta empresa realizou essencialmente reportagens para os cinejornais Visor Desportivo e Visor Moçambicano e trabalhou como assistente de realização para Eurico Ferreira e Courinha Ramos.

A eletricidade nunca foi o meu ideal, nem por vocação nem por gosto. Como eu morava ao lado das Produções Somar, passava lá o tempo de ócio, até que comecei a trabalhar em sonorização. O cinema começou a entranhar-se em mim. Tomado de gosto e de curiosidade, dediquei-me ao estudo teórico e prático, não esquecendo também os conselhos e as lições de Augusto Santos, de Courinha Ramos e do malogrado João Terramoto… No limiar do meu serviço militar e a conselho e com o apoio do produtor-realizador Luís Beja, segui para Lisboa e ingressei nos Serviços Cartográficos do Exército, onde me aperfeiçoei no campo do Cinema. De Lisboa, concluído o curso, vim para Nampula. Nas funções de militar-cineasta, sofri ferimentos na tomada da Base Gungunhana, a 8 de junho de 1970. Terminado o serviço militar, ingressei na Somar Filmes, a convite de Courinha Ramos, trabalhando com os documentários Visor Moçambique e Desportivo13.

29Com o processo de nacionalizações levado a cabo pelo governo moçambicano perdeu o seu Cinema Avenida e, consequentemente, uma das suas principais fontes de rendimento. Esta situação precipitou o seu regresso a Portugal. Nas décadas seguintes continuou a trabalhar na área audiovisual. Produziu filmes publicitários e em 1981 juntamente com Eurico Ferreira foi um dos responsáveis pela produção luso-espanhola A Destruição de Marta Heiman. Depois desta experiência Morgado voltou-se para outra área de negócios: a construção civil14. Fixou residência na região de Leiria.

30Na década de 1990 voltou a trabalhar com a Beja Filmes (reconstituída em Portugal pelos irmãos Rui e Luís Beja), mais concretamente na série da RTP Lendas e factos da História de Portugal exibida entre 1990 e 199515.

31No início da década de 2010, escreveu a sua biografia em Moçambique no Blog FotoCine – O cinema em Moçambique e Portugal16.

Figura 27 – da esquerda para a direita: Courinha Ramos, Eurico Ferreira e Fernando Brum Morgado

Image 1000000000000513000003B28B9E7ACAF485232D.jpg

Fonte: Arquivo pessoal de António Ferreira

Manuel Guilherme Faria de Almeida, o realizador de Catembe

32Nasceu em 1934 em Lourenço Marques, atual Maputo, Moçambique. Desde tenra idade começou a frequentar os cinemas. Aos 16 anos fundou um cineclube local onde passavam filmes que escapavam à censura, tendo sido exibidos nesse espaço obras de Eisenstein, de Chris Marker, entre outros realizadores. Vários destes filmes vinham através de contactos que os cineclubistas tinham na África do Sul.

33Com cerca de 20 anos realizou alguns filmes amadores que concorreram a festivais em Portugal Continental, tendo sido premiado e obtido uma boa recetividade por parte dos críticos.

34Em 1962, obteve uma bolsa de estudo de dois anos do Fundo de Cinema Nacional para estudar em Inglaterra na London School of Film Technique. Na capital londrina já se encontrava o realizador Fernando Lopes, que também ganhara no ano anterior uma bolsa idêntica. No final do 1º ano do curso, em 1963, realizou Streets of early sorrow sobre um jovem negro que ao percorrer as ruas de Londres revive o massacre que testemunhou na África do Sul. O filme foi exibido num Festival de Amesterdão onde se exibiam obras de jovens cineastas de âmbito escolar e obteve o 1º prémio. Em 1964, permaneceu em Paris 6 meses, onde estagiou no IDHEC e na Cinemateca Francesa. Nessa estadia em França cruzou-se com Teresa Olga e Alfredo Tropa.

35Em 1965, rodou em Moçambique o filme Catembe, uma produção de António da Cunha Teles, com o apoio do Fundo de Cinema Nacional, que foi alvo de bastantes cortes por parte da censura, pois retratava o que se passava na outra margem de Lourenço Marques, vendo-se as condições de vida e de trabalho de parte da população negra dessa zona, o que não estava de acordo com os cânones ideológicos do regime da altura.

36Já em Portugal Continental iniciou a realização de vários documentários encomendados por empresas. Em 1965, realizou Faça segundo a arte, e um ano depois, A embalagem de vidro, que ganhou o prémio Aurélio Paz dos Reis. Na sequência destas produções começou a trabalhar para a Telecine, tendo efetuado inúmeros documentários e curtas-metragens, tanto para cinema como para Televisão, sendo algumas destas obras premiadas. Era amigo e colaborava com vários dos cineastas que constituíam a chamada “geração do Cinema Novo”. Em 1973, publicou um livro intitulado Cinema e promoção cultural editado pelo Ministério da Educação.

37Em 1974, assumiu o cargo de presidente da Tobis Portuguesa que ocupou até 1976. Nesse ano foi para presidente do Instituto Português de Cinema onde esteve até 1977. A sua colaboração com a RTP foi-se aprofundando e entrou para o Centro de Formação, tendo chefiado este organismo entre 1979 e 1982. Nesse ano de 1982 lançou um novo livro intitulado Cinema documental – História, estética e técnica cinematográfica.

38No ano seguinte, em 1983 viajou até Macau para colaborar no lançamento da Televisão de Macau, tendo assumido o cargo de diretor de Programas e de Formação. Aí permaneceu até 1985, ano em que regressou a Lisboa. Por esta altura esteve envolvido na criação da Europa TV e também da RTP Internacional, onde assumiu funções na Direção de Programas e de Cooperação.

39Em 2009, concedeu à investigadora Maria do Carmo Piçarra uma entrevista que foi publicada com o título Catembe ou a queixa da alma jovem censurada17. Dez anos depois, em 2019, concedeu uma longa entrevista de vida à investigadora do cinema português Raquel Rato, na qual fez uma retrospetiva do seu percurso profissional e que foi inserido no projeto Palavras e Movimento – Testemunho Vivo do Património Cinematográfico18.

Jorge de Sousa, o assistente de António Lopes Ribeiro

40Jorge de Sousa nasceu a 17 de março de 1927 na freguesia da Ajuda. Iniciou a sua carreira profissional no cinema como assistente de realização de António Lopes Ribeiro nas longas-metragens Amor de Perdição (1943), Vizinha do lado (1945) e Camões (1946)19.

41Em 1947, fundou juntamente com Alexandre Perla, Manuel Lima e o arquiteto Rui Couto a produtora Artistas Unidos, mediante a qual lançaram a longa-metragem Os vizinhos do rés-do-chão (1947). No mesmo ano, foi contratado pelos estúdios espanhóis C.E.A, onde trabalhou um ano na montagem de filmes. No ano seguinte, regressou a Portugal para trabalhar na montagem do filme vencedor do grande prémio do S.N.I para melhor filme do ano: Heróis do Mar (1949)20. Em 1951, colaborou como assistente no filme Eram 200 irmãos (1952) de Armando Vieira Pinto. Posteriormente, trabalhou simultaneamente como montador e assistente de realização em Saltimbancos (1952), Nazaré (1952) e Planície Heroica (1953)21. Nos anos seguintes realizou várias curtas-metragens em Portugal e em todas as Províncias Ultramarinas, exceto Timor.

42Em 1958, é contratado como operador de câmara para as Actualidades de Moçambique e no ano seguinte decidiu fixar residência em Lourenço Marques. Quatro anos depois desvinculou-se da organização de Melo Pereira e fundou com o ator Henrique Santos a companhia de Teatro Popular de Moçambique e o Teatro Avenida22. Em 1964, fundou a produtora e distribuidora de filmes Filmáfrica, empresa devidamente autorizada pelo Governador do Distrito, através do despacho de 8 de outubro de 1964. Um ano depois, o grupo de teatro por si fundado estava extinto e o Teatro Avenida passou a ser quase exclusivamente uma sala de cinema, pelo que Jorge de Sousa voltou novamente a trabalhar em cinema a tempo inteiro23. Dois anos depois, a 16 de setembro de 1967 consorcia-se com a atriz de teatro Isabel Lamy, vencedora de uma estatueta “A Moçambicana”.

43Em 1970, rodou a longa-metragem Limpopo (1971), o filme que concorreu com Zé do Burro (1971) pelo título de primeiro filme de fundo moçambicano a estrear em Moçambique e na metrópole. Contudo, o polémico processo de produção e as barreiras burocráticas para o desalfandegamento do filme atrasaram a estreia de Limpopo em Lisboa, sendo por isso o Zé do Burro (1971), considerado, o primeiro filme totalmente filmado e produzido em Moçambique a estrear em Portugal Continental24.

44No final de 1972, Jorge de Sousa anunciou a rodagem de dois filmes. O primeiro seria A Guerra vem de Fora, sobre o qual afirmava que faltava somente a autorização do General Kaúlza de Arriga para iniciar as filmagens. Já o segundo, seria uma longa-metragem a cores intitulada Férias em Moçambique, da qual projetava fazer três versões: em língua portuguesa, inglesa e espanhola. O filme teria como focos principais as riquezas naturais e o valor do Turismo em Moçambique. O objetivo central era promover esta província além-fronteiras25. Contudo, ambos os projetos não chegaram a ver a luz do dia.

45Em 1973, Sousa concluiu a rodagem da longa-metragem ficcional, produzida pela Somar Filmes, O Jogo da Felicidade, cuja estreia estava prevista para abril de 197426. No mesmo mês e ano, estreava em Lisboa a produção luso-espanhola - parcialmente rodada em Moçambique entre 1971 e 1972 - Eusébio a Pantera Negra (1972) do qual Jorge de Sousa fora o chefe de produção27. Ainda em 1973, no mês de julho, a revista Celuloide noticiava que Jorge de Sousa em breve iniciaria a rodagem da longa-metragem As Chuvas que voltaram e que a distribuição do filme romântico O Jogo da Felicidade estava já assegurada nos Estados Unidos da América, no Canadá, na Brasil, na Venezuela, na França, na África do Sul e na Rodésia28. Na mesma publicação foi anunciado que a estreia seria antecipada para janeiro de 197429. Sobre a estreia efetiva do filme em Moçambique, ou nos demais países, não se encontraram depois quaisquer novas referências.

46Após o 25 de Abril de 1974, Jorge de Sousa partiu com a família para a África do Sul, onde fixou residência e voltou a trabalhar em cinema. O facto de possuir passaporte português foi para Jorge de Sousa uma mais-valia para ser contratado pelo Governo sul-africano.

47Em meados da década de 1970 e de 80, o regime do apartheid estava sob crescente contestação internacional. Devido aos embargos e às sanções impostas pela comunidade internacional, a obtenção de autorizações para os jornalistas e cineastas sul-africanos filmarem no estrangeiro, especialmente nos países vizinhos, era cada vez mais dificultada. Para contornar este tipo de situações, Jorge de Sousa era enviado para realizar essas reportagens e outro tipo de filmagens. Além destas funções, trabalhou igualmente em cinema e televisão dentro do território sul-africano.

48Porém, teve uma curta carreira na África do Sul. Por motivos de doença ficou incapacitado de trabalhar e teve de regressar para junto da sua família em Portugal. Faleceu em Lisboa no dia 3 de novembro de 1984.

Figura 28 – Jorge de Sousa, em 1971

Image 1000000000000248000003D85316312893ECA303.jpg

Fonte: Plateia, nº 567 – 14 de dezembro de 1971

João Terramoto, o correspondente da RTP

49Nasceu no Algarve, em Olhão, no ano de 1928. Em Portugal, a par da sua atividade radiofónica (técnico de composição de som na Emissora Nacional, produção em estações particulares) e das colaborações na revista “Imagem” e no semanário “Rádio e Televisão”, foi responsável pela sonorização de várias curtas-metragens. Assumiu durante alguns anos essas funções nos estúdios de Perdigão Queiroga. Foi responsável juntamente com Marques Maria – seu colega na Emissora Naciona (EN) pelas primeiras demonstrações de Televisão em Portugal, que decorreram na Feira Popular30.

50Interessado pelos assuntos do Ultramar, realizou para AGU, com funcionários desta instituição, algumas rubricas para a RTP31. Em 1963, quando já era há alguns anos correspondente da RTP em Moçambique, revelou numa entrevista à Filme que decidira sair de Portugal em busca do sonho de se tornar profissional de televisão e cinema. Terramoto acreditou que poderia realizar estas ambições no Ultramar dado que na metrópole se sentia condicionado profissionalmente por ser funcionário da E.N. Já em Moçambique, e terminado o vínculo com a E.N., ousou “dar o passo há muito sonhado e por várias vezes proposto na AGU: a habitual divulgação do Ultramar na RTP. Aceite essa colaboração e apesar de nunca ter trabalhado como operador, começou, sozinho, a caminhada de levar Moçambique até aos écrans da TV portuguesa”32.

51Em 1969, depois de ter fundado a SIM com Augusto Santos e depois ter concretizado o sonho de ser profissional de televisão, morreu tragicamente no dia 26 de julho enquanto fazia a cobertura de um evento automobilístico para RTP. Em 1970, em sua homenagem, o troféu do Nono Circuito Automóvel, disputado no Autódromo da Costa do Sol (Lourenço Marques) e organizado pelo Automóvel e Touring Clube de Moçambique, foi renomeado como Taça João Terramoto33.

José Bonito Ramos

52José António Bonito Ramos nasceu a 24 de agosto de 1953 na capital de Moçambique, Lourenço Marques (atual Maputo), onde a sua família estava radicada há gerações. Na adolescência desenvolveu o gosto pela representação, o que o levou a ser responsável pelo grupo de teatro da Escola Industrial Mouzinho de Albuquerque.

53Posteriormente, ingressou no Instituto Industrial onde frequentou o curso Agente Técnico de Eletricidade. Todavia, o seu gosto pela representação não havia esmorecido e paralelamente aos estudos, decidiu tornar-se colaborador na Filmlab, empresa da qual o seu tio Fernando Ramos era sócio-gerente. Na Filmlab começou por fazer a montagem de negativos, porém não gostou da experiência e estava decido a desistir do cinema até que um dia, à saída do laboratório, o produtor-realizador, e também sócio da Filmlab, Courinha Ramos, dada a falta de pessoal para cobrir a FACIM 71 (Feira Agrícola, Comercial e Industrial de Moçambique) o convidou para ser o seu assistente de filmagens no evento. Bonito Ramos aceitou o desafio.

54O seu bom desempenho levou Courinha Ramos a convidá-lo para mais alguns trabalhos. Mais uma vez não desiludiu e Courinha Ramos satisfeito com a sua prestação, emprestou-lhe manuais técnicos de cinema (edições norte-americanas) para melhorar as suas competências como operador de câmara. Bonito Ramos estudou os manuais com afinco e passado algum tempo passou a ser colaborador permanente da Somar Filmes - Filmlab. Da melhor forma possível, procurou conciliar o seu trabalho de cineasta com os estudos, mas na maioria das vezes dava prioridade ao cinema. Em 1972, foi considerado pela Revista Plateia o mais jovem cineasta em atividade em Moçambique34.

55Nos anos seguintes, até 1975, trabalhou como operador de câmara e como diretor de fotografia em várias produções (e.g., cinejornais, documentários e longas-metragens) rodadas maioritariamente em Moçambique, mas também no Malawi, no Zimbabué e na África do Sul. Participou nas seguintes produções da Somar Filmes - Filmlab: Visor Desportivo, Visor Moçambicano, Terras de Moçambique (S/D), Indústrias de Moçambique (S/D), Zé do Burro (1971), Miss Moçambique – 1972 Retrato de uma Eleição (1972), Deixem-me ao menos subir às Palmeiras (1972), O Vendedor (1974) e o Explicador de Matemática (1974). Colaborou com Jorge de Sousa na longa-metragem O Jogo da Felicidade (1973); com Augusto Santos (Telecine Moçambique) no filme Verde Zambézia e na produção de conteúdos informativos para a RTP; com Eurico Charraz na produção de conteúdo para a RTP e, finalmente, em Moçambique na Guerra e na Paz (1974) e Moçambique Documento Vivo (1975) de Viriato (Vic) Barreto. Contudo, nesta última produção recusou colocar o seu nome nos créditos do filme por não concordar com a narrativa, apesar de grande parte das imagens terem sido captadas por si.

56Em 1974, cruzou a fronteira para a África do Sul e foi levado pelas autoridades deste país para o campo de refugiados de Cullinan. Quando saiu tentou inicialmente trabalhar em cinema, mas sem sucesso. Decidiu, portanto, terminar os estudos superiores em Eletrotecnia na Witswatersrand Advanced College. Após concluir os estudos foi contratado para trabalhar na sucursal sul-africana da Siemens, onde exerceu funções durante 16 anos e foi responsável por vários projetos, entre os quais o Johannesburg General Hospital (na altura considerado um dos maiores do mundo), o Jan Smuts Airport, em Joanesburgo e a iluminação do troço de 80 km da autoestrada que liga Joanesburgo a Pretória.

57Foi durante a sua permanência na África do Sul que trabalhou pela última vez em cinema em terras africanas, nomeadamente, no documentário produzido por Viriato Barreto e Courinha Ramos Portugueses ainda presentes em África (1978). No plano pessoal, casou e teve três filhos.

58Em 1995, fixou pela primeira vez residência em Portugal. Em Lisboa reencontrou Luís Beja e Courinha Ramos. Com estes voltou a trabalhar em audiovisual na produção de conteúdos para a RTP, nomeadamente, como operador de câmara e diretor de fotografia em médias e curtas-metragens (e.g., A Princesa das Lagrimas de Oiro, O passarinho passarão, Madevo e a Boca da Caveira, Nau Catrineta). Para a Beja Filmes trabalhou igualmente na produção de conteúdos audiovisuais para a RTP África, para a BBC e para a TV Cultura do Brasil.

59Em 2004, realizou e produziu a partir das suas imagens de arquivo o documentário que teve estreia única em Oeiras e que foi editado em DVD Moçambique, Memórias de Descolonização (2004).

60Com a morte de Luís Beja abandonou definitivamente o cinema. Atualmente, continua a residir em Portugal onde exerce atividades profissionais por conta própria na sua área de formação e se dedica à sua outra grande paixão para além do cinema, o desporto automóvel. Bonito Ramos participa em ralis como piloto desde 1972, tendo nesse mesmo ano conseguido na classe de iniciados o 1º lugar no Rally de Maxixe-Moçambique. Competiu na África do Sul, onde conquistou vários títulos sucessivos, e também no Brasil. Em Portugal compete regularmente em ralis desde 1995 tendo conseguido vários lugares de pódio, por exemplo o segundo lugar na classe de 1600 Turbo em 2009.

Figura 29 – José Bonito Ramos com Malangatana Vicente, nas gravações do filme “Deixem-me ao menos subir às palmeiras”

Image 1000000000000513000003A53A4C31FFA6B4B705.jpg

Fonte: Arquivo pessoal de José Bonito Ramos

Figura - José Bonito Ramos na câmara de fimar e Joaquim Lopes Barbosa na direção do filme “Deixem-me ao menos subir às palmeiras”

Image 10000000000005130000038D6E1624C802253175.jpg

Fonte: Arquivo pessoal de José Bonito Ramos

Figura 31 - Viriato Barreto e José Bonito Ramos nas filmagens do cinejornal Moçambique na Guerra e na Paz

Image 10000000000005150000038C012664E0C86FC612.jpg

Fonte: arquivo pessoal de José Bonito Ramos

Figura 32 - José Bonito Ramos nas gravações do cinejornal Visor Moçambicano

Image 10000000000005F100000437C858C3FF1D660BD4.jpg

Fonte: Arquivo pessoal de José Bonito Ramos

Figura 33 - Joaquim Lopes Barbosa, Fernando Brum Morgado, Eurico Ferreira, Courinha Ramos e José Bonito Ramos

Image 100000000000051500000326F0F8BC7E998CE95C.jpg

Fonte: Arquivo pessoal de José Bonito Ramos

Joaquim Lopes Barbosa

61Nasceu no Porto em 1944. Com 15 anos de idade integrou o Cineclube do Porto e o seu interesse pela teoria e prática cinematográfica foi crescendo. Aos 18 anos de idade foi chamado para cumprir o serviço militar em Angola e colocado no Departamento de Foto-Cine dos Serviços Cartográficos do Exército.

62Em 1967, terminou o serviço militar e com 23 anos estabeleceu-se em Luanda. Trabalhou como técnico fotográfico numa casa fotográfica e colaborou na realização de filmes publicitários e curtas-metragens. Nessa altura conheceu os poetas angolanos Viriato da Cruz e António Jacinto, reforçando a ideia da “arte” como veículo de expressão da “condição humana”. Na revista “Noite e dia” publicada na capital de Angola, escreveu várias críticas cinematográficas e deixou várias indicações sobre a sua visão da estética do Cinema ao serviço dos mais nobres ideais35.

63Em 1970, realizou e escreveu o guião de uma curta-metragem intitulada O regresso, cuja história se passa em Angola e se foca na vida de um jovem pintor negro, que defende os seus ideais contra as autoridades instituídas.

64Ainda nesse ano, surgiu a hipótese de ir para Moçambique graças aos contactos que mantinha com Eurico Ferreira. No ano seguinte, mudou-se para Lourenço Marques e começou então a trabalhar para a Somar Filmes de Courinha Ramos, passando a integrar a equipa da FILMLAB, dirigida também por Courinha Ramos e Eurico Ferreira. Desempenhou a função de operador de câmara para os documentários dos magazines cinematográficos produzidos pela empresa: Visor de Moçambique e Visor desportivo.

65Em 1972, realizou um filme intitulado Homo sapiens e assumiu numa entrevista à revista Plateia, o seguinte: “a definição que dou ao cinema é a de que deve ser uma frente de guerrilha, atuando o mais positivamente possível contra os tabus, as morais duvidosas e os lugares-comuns bafientos e anacrónicos”36.

66Em 1972, decidiu avançar para a realização de uma longa-metragem intitulada Deixem-me ao menos subir às palmeiras com a produção de Courinha Ramos e na qual colaborou Bonito Ramos. Para este filme inspirou-se no conto “Dina” que foi publicado no livro Nós matámos o cão tinhoso, do escritor moçambicano Luís Bernardo Honwana. A história centra-se num capataz negro ao serviço de um fazendeiro branco e nas relações que se estabelecessem entre eles e os trabalhadores da fazenda, em especial para com uma das raparigas. São abordados as condições de trabalho e o tipo de exploração humana a que estavam sujeitos homens e mulheres nessas situações. Um colaborador do filme e que aparece também como ator é Malangatana Valente, o já reconhecido pintor. O filme é falado em ronga e em inglês, com legendas em português. As autoridades responsáveis pela censura levantaram muitos obstáculos à sua exibição por considerarem o filme como uma crítica ao sistema colonial português. Por isso, quando o filme ficou terminado e foi visto pelos censores, foi alvo de inúmeros cortes, pelo que nunca chegou a ser exibido ao público antes da Revolução do 25 de Abril.

67Devido às dificuldades e constrangimentos relacionados com todo o processo que envolveu a realização do Deixem-me ao menos subir às palmeiras, Lopes Barbosa saiu de Moçambique e regressou a Angola. Depois do 25 de Abril e ainda em 1974, partiu para Portugal. Com a vinda de Courinha Ramos a Portugal por breves dias, recuperou uma cópia deste filme em 16 mm e exibiu-o no Cineclube e na Escola Superior das Belas Artes do Porto. Regressou a Moçambique em setembro e tentou projetar o seu filme numa sala de cinema ainda antes da independência. No entanto, só conseguiu fazê-lo em exibições paralelas no Cineclube de Lourenço Marques e na cadeia da Machava.

68Em maio de 1975, um mês antes da proclamação da independência de Moçambique, regressou a Portugal devido a graves problemas de saúde. Mais tarde, graças a contactos com o novo regime moçambicano, ofereceu ao Instituto Nacional de Cinema de Moçambique o seu filme, já livre de direitos, que acabou assim por ser exibido em várias localidades do país, para além de Maputo. Em Portugal, o filme foi exibido várias vezes, por exemplo na Cinemateca e em alguns cineclubes.

69A partir de maio de 1975 Lopes Barbosa instalou-se permanentemente em Portugal. Entre 1976/1977 desempenhou funções de operador de câmara no programa Telescola da RTP. Sem conseguir um emprego estável, realizou várias curtas-metragens de âmbito publicitário, como por exemplo Agro 79; O futuro é a cores (1981); Viver jovem (1984); etc.

70Em 1986, iniciou um novo projeto, a longa-metragem Siavuma, onde voltou às temáticas moçambicanas. Nesta obra questiona o discurso da política colonial portuguesa do Estado Novo mediante imagens captadas na década de 1960 em Moçambique, as quais contrapõe com imagens da revolução do 25 de Abril. Incorporou na narrativa textos dos escritores Jorge de Sena, Vinícius de Moraes, entre outros37. A obra ficou inacabada… Em 2010, concedeu uma entrevista de fundo a Maria do Carmo Piçarra38 sobre o balanço da sua vida. Faleceu no dia 28 de fevereiro de 202139.

José Brito Serras Fernandes, o sobrevivente

71José Brito Serras Fernandes, conhecido no meio do cinema e da televisão pelos seus apelidos “Serras Fernandes”, nasceu no dia 2 de novembro de 1934. Sobre a sua formação académica e profissional, de acordo com as fontes consultadas, existem poucas informações. No entanto, foi possível traçar as várias etapas da sua vida profissional a partir do momento em que se torna colaborador da RTP no final da década de 1950.

72Em fevereiro de 1957, Serras Fernandes, assim como muitos dos operadores de câmara disponíveis no país, foi mobilizado para fazer a cobertura da visita da Rainha Isabel II de Inglaterra40. Dentro deste lote de cineastas, estavam ainda outros nomes que mais anos mais tarde viriam a entrar para a História do Cinema português, como por exemplo Baptista Rosa, António Cunha Telles ou Augusto Cabrita. Todos com participações em trabalhos realizados no Ultramar41.

73A 21 de junho de 1960, já como funcionário da RTP, fez a cobertura em Mérida, juntamente com Vasco Hogan Teves, do encontro entre António Oliveira Salazar e o seu homólogo espanhol Francisco Franco. Novamente com Vasco Hogan Teves, e também com Alexandre Gonçalves, filmam o célebre discurso de Salazar – transmitido no mesmo dia pela RTP – que ficou conhecido como “Para Angola rapidamente e em força”. Na verdade, este discurso estava diretamente relacionado com os eventos que levariam Serras Fernandes a ser mobilizado como enviado especial em Angola42.

74Em consequência da revolta da Baixa do Cassange, no norte de Angola, a RTP enviou para este país uma equipa composta por dois dos seus funcionários: Horácio Caio e António Silva, e pelo cineasta independente José Eliseu43. Não sendo o seu objetivo inicial44, a equipa acabou por cobrir a Revolta de Luanda e seguiu nas primeiras colunas militares portuguesas que partiram da capital a fim de tentarem impedir as sublevações da UPA (União dos Povos de Angola) no norte do país, a 15 de março de 196145. Dias antes de regressarem a Lisboa, Horácio Caio e António Silva foram rendidos por uma nova equipa da RTP: Neves da Costa46 (redator) e Serras Fernandes (operador de câmara). Coube-lhes o acompanhamento de algumas operações militares: Lifune, Nambuangongo, Pedra Verde, Mucaba, Negage, Carmona, Úcua e Serra da Ganda47.

75Foi assim que Serras Fernandes e Neves da Costa, acompanharam uma das primeiras operações militares das tropas portuguesas centrada na recuperação de Nambuangongo, uma pequena localidade no norte, considerada a capital dos independentistas. Durante a marcha de Ambriz até Nambuangongo os despachos e as imagens captadas pela dupla da RTP eram enviados por avião. Primeiro por pequenas aeronaves militares que aterravam no mato e levavam os materiais até Luanda. Depois, por aviões da TAP que transportavam os materiais até Lisboa.

76Os rolos eram revelados em Lisboa e o seu conteúdo era editado em pequenas notícias que passavam no Noticiário Nacional da RTP48. A operação militar durou dezasseis dias. Durante este período ocorreram combates que resultaram em baixas de ambos os lados. Em 1964, foi reunido o material original de 1961 e produziu-se a reportagem, composta por duas partes, Nambuangongo: a grande arrancada – Parte I e II. Contudo, a peça jornalística foi exibida apenas uma vez, num espaço privado e para uma audiência selecionada. Na televisão este trabalho foi apenas exibido em 2009. Atualmente pode ser visionado online no portal do RTP Arquivos49.

77Sobre o trabalho das duas equipas em Angola, Vasco Hogan Teves teceu em 2007 as seguintes considerações:

Incorporados nas colunas, verdadeiros correspondentes de guerra (embora, inexplicavelmente, ainda hoje não reconhecidos como tal), é com elas que avançam sobre os objetivos, com risco de vida, mas com generosidade e respeito pela profissão. O material filmado que se apresentou, quer no Telejornal (em edições normais e especiais) quer noutros programas de Informação mais alargada, deixou evidente a meritória atividade desses repórteres em terras de Angola e deu continuidade ao trabalho que vinha sendo produzido desde o início da guerrilha e que o público sempre seguia com emoção50.

78Após quatro meses em Angola, Neves da Costa e Serras Fernandes regressaram a Lisboa. Embora por pouco tempo. A 15 de Dezembro partiram para Goa, o objetivo era fazer a cobertura jornalística e cinematográfica da crescente tensão entre Lisboa e Nova Deli. Mal sabiam que estes eram acontecimentos que antecederam a invasão da Índia Portuguesa pelas forças militares da União Indiana, então presidida por Jawaharlal Nehru.

79A 18 de dezembro as tropas indianas cruzaram a fronteira pondo em marcha a Operação Vijay51. Trinta e seis horas depois, os militares portugueses no terreno renderam-se. Vasco Hogan Teves detalhou desta forma a permanência dos repórteres da RTP no terreno:

Enquanto lhes foi possível, Neves da Costa (que bem conhecia Goa, pois aí passara dois anos, servindo no Exército) e Serras Fernandes enviam para Lisboa os filmes que impressionaram nas primeiras horas, e não mais, porque, entretanto, foram cortadas as comunicações com o exterior, começando pelos serviços telegráfico-postal e radiofónico. Durante vários dias desconheceu-se o paradeiro dos dois repórteres, o que levou a RTP a diligenciar a sua localização junto de organismos internacionais humanitários e de salvaguarda dos direitos dos jornalistas. Com êxito. Algum tempo depois, chega a informação de que os enviados especiais da RTP, mais o do Diário Popular, Urbano Carrasco (um velho amigo da nossa Televisão, desde o vulcão dos Capelinhos), tinham sido internados num dos campos de concentração criados pela União Indiana – o do Altinho. Aí começou um cativeiro de 66 dias, terminado noutra área semelhante – a de Pondá. Mais tarde se soube que Neves da Costa e Serra Fernandes tiveram ao seu alcance a possibilidade de fuga a bordo de um dos vários navios ancorados no porto de Mormugão ou dos dois últimos aviões de transporte que lograram sair do aeroporto de Cortalim, na noite de 18 de dezembro. Não o fizeram, no entanto, correndo assim os maiores riscos, na intenção de prosseguirem o trabalho de reportagem e de poderem voltar a Pangim, a fim de tentar recuperar o mais valioso material da RTP de que haviam sido portadores. Perdidas as bagagens pessoais em todas essas andanças, a verdade é que o material da RTP regressou mesmo a Lisboa, embora quase tão depauperado como os dois repórteres. As autoridades indianas apenas confiscaram – vá lá saber-se porquê – as fitas magnéticas de arrasto”52.

80A 25 de fevereiro de 1962, Serras Fernandes, Neves da Costa e Urbano Carrasco chegaram ao aeroporto de Lisboa onde foram recebidos por várias pessoas e falaram aos jornalistas, entre os quais aos repórteres do Noticiário Nacional de 1962, cujas imagens estão igualmente disponíveis no portal RTP Arquivos53.

81O facto de ter sido prisioneiro em Goa não impediu Serras Fernandes de continuar o seu trabalho como enviado especial. A 29 de maio de 1962, juntamente com Vasco Hogan Teves, partiu na comitiva Coronel Kaúlza de Arriaga, secretário de Estado da Aeronáutica, para as visitas às unidades da Força Aérea Portuguesa instaladas em Lourenço Marques e Luanda54.

82A quinze de maio de 1963, Serras Fernandes e Vasco Hogan Teves foram destacados novamente para Mérida, para acompanharem os desenvolvimentos da reunião entre Salazar e Franco. Desta vez conseguiram um “furo”. Foram os únicos autorizados a filmar no interior da sala de reuniões sem que a conferência entre os estadistas se interrompesse. Por conseguinte, a TVE teve de solicitar as imagens à RTP e a imprensa escrita publicou as fotografias feitas a partir dos fotogramas55.

83Meses depois, Serras Fernandes integrou as equipas da RTP que acompanharam as visitas do Presidente da Républica a Angola e a São Tomé, entre setembro e outubro de 1963, e a Moçambique e à ilha do Príncipe entre julho e agosto de 196456. Nesta equipa estava também presente João Terramoto. Também em 1964, trabalhou como enviado especial em dois palcos diferentes fora do território de Portugal Continental. Primeiro, na ilha açoriana de São Jorge onde colaborou na realização de uma série de reportagens sobre os danos causados pelos sismos de grande intensidade recentemente ocorridos e que levaram à evacuação de parte da população. E, em segundo, novamente com João Terramoto na equipa, realizou várias reportagens sobre o conturbado processo de independência no Congo Belga.

84Como enviado especial, em meados de 1966, partiu novamente para o ultramar português, agora para Timor, para acompanhar a visita do subsecretário de Estado da Administração Ultramarina. O trabalho de reportagem foi depois complementado por um documentário que mostrou a realidade timorense na primeira metade da década de 196057.

85Em 1968, quando estava no Canadá, Serras Fernandes aceitou a proposta de António Melo Pereira para trabalhar como operador de câmara no cinejornal Actualidades de Moçambique e nas demais produções deste empresário. Em julho do mesmo ano, já em solo moçambicano, explicou em entrevista à revista Plateia que não foi apenas pelo desafio lançado por Melo Pereira que foi trabalhar para Moçambique. O verdadeiro motivo foi a sua paixão por África. Ademais, revelou que se não tivesse sido contratado para trabalhar nas Actualidades de Moçambique teria ido na mesma para aquela província ultramarina por sua conta e risco. Sobre a razão que o levou a trocar Lisboa por Lourenço Marques, Serras Fernandes é claro: “Em Lisboa há muita gente a desempenhar esta atividade. Ora como por aqui não se deu ainda o grito do Ipiranga, voltei para rever pessoas amigas e porque creio muito no cinema made in Lourenço Marques”58.

86Entre 1968 e 1974, Serras Fernandes foi funcionário da organização de Melo Pereira59. Porém, os eventos políticos e sociais ocorridos após o 25 de abril de 1974 precipitaram o seu regresso ao Canadá. Em 1997, voltou a Portugal e ingressou novamente como funcionário da RTP. Na década de 1990, a introdução da tecnologia de vídeo levou a RTP a encerrar o departamento (que ainda filmava em 16mm) onde Serras Fernandes era o operador-chefe. Por esta razão, aposentou-se.

87Em 2003, o despacho nº11515/2003, emitido a 30 de abril de 2003, pelo Gabinete do Ministério da Defesa Nacional, concedeu a Serras Fernandes a medalha de reconhecimento aos cidadãos portugueses que estiveram privados de liberdade em situação de campanha ou com ela diretamente relacionada, nos territórios da Índia, Timor, Angola, Moçambique e Guiné60. Este era o terceiro reconhecimento oficial que a dupla Serras Fernandes e Neves da Costa receberam, pois já antes haviam recebido dois louvores:

José Manuel Le Cocq da Costa e Silva Neves da Costa, redator de 1ª e José Brito Serras Fernandes, operador de 3ª, louvados por decisão do Conselho de Administração de 14 de março de 1962, pela muita coragem, dedicação e brio profissional de que deram provas durante a sua permanência na Índia Portuguesa quando da invasão, pelas tropas indianas, daquela parcela do território nacional. Pela sua ação em Angola, a mesma equipa fora louvada em dezembro de 196161.

88Sobre as suas experiências jornalísticas em teatros de guerra, a dupla foi entrevistada em 2009, no episódio 48 do programa da RTP Pontos nos Ìs, intitulado Os primeiros repórteres de guerra da televisão. Durante a entrevista, conduzida por Mário Figueiredo, os antigos enviados especiais falaram sobre as suas experiências em Angola e em Goa62.

89José Brito Serras Fernandes faleceu no concelho de Lisboa em 2013.

Rui Marote, o repórter-operador de câmara

90Rui Marote nasceu no Funchal a 15 de setembro de 1945. Praticou várias modalidades desportivas (e.g., atletismo, natação e hóquei em patins tendo ganho diversos campeonatos). Numa digressão desportiva de hóquei em patins, viajou até África e apaixonou-se por este continente. Deixou o Funchal onde era repórter do Jornal da Madeira a 13 de maio de 1967, fixando residência em Lourenço Marques e ingressou no exército. Quase a terminar o serviço militar, respondeu a um anúncio de trabalho da SIM (mais tarde extinguida para dar origem à TELECINE – Moçambique) do realizador-produtor Augusto Santos, onde já trabalhava Eurico Charraz. Trabalhou em filmes publicitários e foi repórter-operador de câmara em jornais cinematográficas e documentários para a televisão e para o cinema. Em 1972, quando questionado sobre o seu futuro na área do audiovisual, Marote afirmou:

Espero que um dia, a minha firma mãe, a Telecine-Moro (Lisboa) que tem as filhas Telecine África (Luanda) e Telecine Moçambique (Lourenço Marques), me dê a oportunidade de eu ir à Metrópole estagiar na força do seu meio autêntico. Esse contacto seria de grande valor para a minha carreira63.

91Dez anos após mudar-se para Moçambique, regressou à Madeira onde trabalhou nas décadas seguintes como fotojornalista. Atualmente é o Presidente da Associação de Futebol da Madeira64.

Notes de bas de page

1 Ver caderneta individual de serviço aéreo do Segundo-Sargento Piloto de Aviação Albano Melo Pereira em https://arquivohistorico-forcaaerea.defesa.gov.pt/viewer?id=44225&FileID=54043.

2 «Os problemas do cinema no Ultramar. Conversando com João Terramoto.», Filme, abril de 1963.

3 Ribeiro Cardoso, O Fim do Império. Memória de um Soldado Português (Leya, 2014).

4 Ricardo Saavedra, Aqui Moçambique Livre (Johanesburgo: Livraria Moderna, 1975).

5 Ver imagens do Hotel Aviz em 1946 no portal Houses of Maputo: https://housesofmaputo.blogspot.com/2015/02/hotel-escola-andalucia-ex-hotel-avis.html?view=classic&m=1#!.

6 «A ideia de um Cinema Moçambicano e a realização (pela Cineáfrica) do filme “Eles vieram do Mar”», Plateia, 20 de setembro de 1963.

7 «A Cinegráfica avisa Ricardo Fonseca», A Tribuna, 26 de março de 1970, 1580 edição.

8 https://www.youtube.com/watch?v=WZhp0KKwWcQ&t=1s&ab_channel=Ant%C3%B3nioFerreira

9 «O operador Eurico Charraz acredita numa cinematografia moçambicana: “Os Homens são iguais - As inteligências não são inferiores”», Plateia, 4 de abril de 1972.

10 Convents, Os moç̧ambicanos perante o cinema e o audiovisual, 308.

11 «O operador Eurico Charraz acredita numa cinematografia moçambicana: “Os Homens são iguais - As inteligências não são inferiores”».

12 «O cinema em Moçambique é uma ocupação de aventureiros - afirma o operador Charraz», Plateia, 19 de novembro de 1968.

13 Luís Beira, «Cineastas de Moçambique», Plateia, 8 de fevereiro de 1972.

14 Ver blog de Eurico Ferreira em: https://bloomland.wordpress.com/2007/09/13/ainda-as-minhas-memorias-52/.

15 Ver o episódio “A Lenda do Rei do Rodrigo – parte I” no portal RTP Arquivos: https://arquivos.rtp.pt/conteudos/a-lenda-do-rei-rodrigo-parte-i/.

16 http://fotocinemocambiqueportugal.blogspot.com/p/depois-do-servico-militar-regressei-l.html.

17 Maria do Carmo Piçarra, «“Catembe” ou queixa da alma jovem censurada | BUALA», 16 de outubro de 2010, https://www.buala.org/pt/afroscreen/catembe-ou-queixa-da-alma-jovem-censurada.

18 Raquel Rato, «TESTEMUNHO VIVO DO PATRIMÓNIO CINEMATOGRÁFICO», Palavrasemovimento (blog), acedido 17 de setembro de 2020, https://www.palavrasemovimento.com/entrevistas.

19 «De qual destes nomes sairá o primeiro filme de fundo moçambicano?»

20 «De qual destes nomes sairá o primeiro filme de fundo moçambicano?»

21 Mais informações sobre Jorge de Sousa ver portal CINEPT: http://www.cinept.ubi.pt//pt/pessoa/2143690415/Jorge+de+Sousa

22 «Cineastas de Moçambique (2) Jorge de Sousa», Plateia, 14 de dezembro de 1971.

23 Domingos Azevedo, «Jorge de Sousa partiu para Lisboa a fim de concretizar o projecto “Tambor de Guerra”», Plateia, 18 de maio de 1965.

24 «E o escândalo continua», Tempo, 20 de dezembro de 1970; «O escândalo do Limpopo»; «Estreia Mundial de Limpopo - a primeira longa-metragem moçambicana.», Plateia, 11 de maio de 1971; «O realizador Jorge de Sousa deslocou-se a Lisboa para apresentar “Limpopo” na capital portuguesa», Plateia, 25 de janeiro de 1972.

25 «Cineastas de Moçambique (2) Jorge de Sousa».

26 «O cinema em Moçambique já não pára»; «Novo Filme de Jorge de Sousa», Plateia, 2 de fevereiro de 1974.

27 Matos-Cruz, «Cinema Luso-Moçambicano»; Frederico Lopes / Marco Oliveira / Guilherme Nascimento, «Eusébio, a Pantera Negra», CinePT-Cinema Portugues, acedido 15 de janeiro de 2020, http://www.cinept.ubi.pt//pt/filme/4310/Eus%C3%A9bio%2C+a+Pantera+Negra.

28 «Cinema Ultramarino Português».

29 «Filme português realizado em Moçambique», Celuloíde, outubro de 1973.

30 Vasco Hogan Teves, «As primeiras imagens», RTP 50 anos, 2007, https://museu.rtp.pt/livro/50Anos/Livro/DecadaDe50/AsPrimeirasImagens/Pag6/default.htm.

31 «De qual destes nomes sairá o primeiro filme de fundo moçambicano?»

32 «Os problemas do cinema no Ultramar. Conversando com João Terramoto.», Filme, abril de 1963

33 Ver a reportagem no programa da RTP Teledesporto em: https://arquivos.rtp.pt/conteudos/9o-circuito-de-lourenco-marques/.

34 «Cineastas de Moçambique, Bonito Ramos», Plateia, 21 de março de 1972.

35 Maria Carmo Piçarra, «“Deixem-me ao menos subir às palmeiras…”: um filme da “frente de guerrilha” | BUALA», 3 de outubro de 2010, https://www.buala.org/pt/afroscreen/deixem-me-ao-menos-subir-as-palmeiras-um-filme-da-frente-de-guerrilhaMaria Carmo Piçarra, «“Deixem-me ao menos subir às palmeiras…”: um filme da “frente de guerrilha” | BUALA», 3 de outubro de 2010, https://www.buala.org/pt/afroscreen/deixem-me-ao-menos-subir-as-palmeiras-um-filme-da-frente-de-guerrilha.

36 Beira, «Cineastas de Moçambique», 8 de fevereiro de 1972.

37 Convents, Os moç̧ambicanos perante o cinema e o audiovisual.

38 Maria Carmo Piçarra, «“Deixem-me ao menos subir às palmeiras…”: um filme da “frente de guerrilha” | BUALA», 3 de outubro de 2010, https://www.buala.org/pt/afroscreen/deixem-me-ao-menos-subir-as-palmeiras-um-filme-da-frente-de-guerrilha.

39 Vale a pena também assinalar uma extensa nota biográfica publicada em inglês no site IMDB sobre a Joaquim Lopes Barbosa ver: https://www.imdb.com/name/nm0053768/bio?ref_=nm_ov_bio_sm.

40 Teves, «RTP 50 anos».

41 Para obter mais informações sobre o percurso profissional destes cineastas consultar o portal CINEPT: http://www.cinept.ubi.pt/pt/.

42 Teves, «RTP 50 anos».

43 Teves.

44 Ver subcapítulo “José Eduardo Eliseu, os périplos por África de um livre-pensador”.

45 Sobre a cobertura da Revolta de Angola e das movimentações das tropas portugueses por parte da equipa da RTP ver subcapítulo José Eduardo Eliseu, os périplos por África de um livre-pensador.

46 José Manuel Le Coq da Costa e Silva Neves da Costa nasceu na freguesia de Benfica (Lisboa) no dia 8 de dezembro de 1930. Cumpriu o serviço militar no Estado Português da Índia. Durante o seu percurso profissional na RTP, assumiu vários cargos e funções, entre os quais o de director da delagação da televisão pública no Porto, após o 25 de abril de 1974. Além do seu trabalho como redactor e jornalista destacou-se pela sua militância política no movimento na Liga Popular Monárquica e no Partido Popular Monárquico. Faleceu no dia 1 de julho de 2013.

47 Teves, «RTP 50 anos».

48 RTP, «Nambuangongo, a grande arrancada (parte 1)», Nambuangongo, a grande arrancada (parte 1), acedido 16 de janeiro de 2020, http://ensina.rtp.pt/artigo/nambuangongo-grande-arrancada-p1/.

49 As duas partes de Nambuangongo: a Grande Arrancada podem ser visionadas online no portal RTP Arquivos.

50 Teves, «RTP 50 anos».

51 Alexandre Valentim, Contra o vento: Portugal, o império e a maré anticolonial (1945-1969) (Lisboa : Temas e Debates. Círculo de Leitores., 2017).

52 Teves, «RTP 50 anos».

53 «Chegada dos jornalistas prisioneiros em Goa», acedido 16 de janeiro de 2020, https://arquivos.rtp.pt/conteudos/chegada-dos-jornalistas-prisioneiros-em-goa/.

54 «Partida de Kaúlza de Arriaga para o Ultramar», acedido 16 de janeiro de 2020, https://arquivos.rtp.pt/conteudos/partida-de-kaulza-de-arriaga-para-o-ultramar/.

55 Teves, «RTP aos 10 anos».

56 Ver as reportagens que antecederam o envio das equipas da RTP para o Ultramar em 1964 no portal RTP Arquivos em https://arquivos.rtp.pt/conteudos/enviados-da-comunicacao-social-partem-para-angola/; e https://arquivos.rtp.pt/conteudos/enviados-especiais-a-angola/.

57 Teves, «RTP 50 anos».

58 «Porque veio Serras Fernandes», Plateia, 23 de julho de 1968.

59 Ver capítulo “António de Melo Pereira e o embrião da indústria cinematográfica em Moçambique”

60 O Despacho nº11515/2003 está disponível para consulta online no site Diário da República Eletrónico em https://dre.pt/home/-/dre/2760614/details/maximized.

61 Teves, «RTP aos 10 anos».

62 RTP, «OS PRIMEIROS REPÓRTERES DE DE GUERRA DA TELEVISÃO - Pontos nos Ís - Magazines - RTP», acedido 16 de janeiro de 2020, http://www.rtp.pt/programa/tv/p24870/e48.

63 Beira, «Cineastas de Moçambique», 8 de fevereiro de 1972.

64 Ver o portal da Associação de Futebol da Madeira: http://www.afmadeira.com/Associacao/Orgaos-Sociais/Direcao.

Précédent Suivant

Le texte seul est utilisable sous licence Creative Commons - Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International - CC BY-NC-ND 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.