Vous l’avez sans doute déjà repéré : sur la plateforme OpenEdition Books, une nouvelle interface vient d’être mise en ligne.
En cas d’anomalies au cours de votre navigation, vous pouvez nous les signaler par mail à l’adresse feedback[at]openedition[point]org.

Précédent Suivant

Prefácio


Texte intégral

1Se é certo que vários trabalhos têm sido já publicados sobre o cinema colonial, a verdade é que o trabalho que nos apresentam Alexandre Ramos e Paulo Miguel Martins aborda de uma forma diferente este tema. Com efeito, ao fazerem um estudo sobre o cinema colonial português recolhendo, em parte, informação diretamente dos cineastas que trabalharam em Moçambique, os autores trazem-nos uma perspetiva inovadora sobre o cinema que foi feito nesta antiga colónia portuguesa.

2A formação de historiador dos autores permite-lhes ter a perceção de que o contexto histórico da produção de cada filme, assim como o contexto de vida de cada cineasta, são fundamentais para uma apreensão mais completa e profunda dos conteúdos que são dados a ver ao espectador. E esses conteúdos podem constituir uma importante fonte histórica para o conhecimento das paisagens rurais e urbanas, da fauna, da flora, das grandes obras públicas ou das atividades agrícola e industriais, sobretudo se sujeitos a uma análise cruzada com outros recursos documentais, sejam eles os documentos escritos, os desenhos ou as fotografias.

3O facto de os autores construírem a sua narrativa sobre o cinema moçambicano a partir da voz dos próprios autores, ou dos testemunhos de quem com eles conviveu, é outro elemento diferenciador do presente trabalho. Esta recolha permite-nos acompanhar a vida dos vários cineastas através de um relato que vai intercalando os testemunhos pessoais com as informações recolhidas na imprensa e, deste modo, foi produzido um texto interessante e de grande vivacidade. Assim se percebe que muitos daqueles cineastas tiveram carreiras profissionais que não se limitaram ao cinema e que a experiência adquirida noutras profissões ou atividades, como a prática jornalística ou radiofónica, o gosto pela fotografia ou pela pintura, foram seguramente experiências que contribuíram para a forma como captaram a realidade através da lente das suas máquinas de filmar.

4Pela história das suas vidas ficamos a conhecer que muitos se iniciaram no cinema como amadores, fruto do gosto e da perseverança em capturar a imagem em movimento. Os filmes, os documentários, os cinejornais, as reportagens que realizaram, e que hoje se encontram em parte guardados no Arquivo Nacional de Imagens em Movimento da Cinemateca Portuguesa (ANIM) e no Arquivo Audiovisual da RTP, ajudam as gerações atuais a compreender um tempo histórico já desparecido e disponibilizam aos historiadores mais uma importante ferramenta para conhecerem e interpretarem um passado que nos é próximo.

5A História do cinema realizado em Moçambique é composta também por histórias de vidas de homens que iniciaram “novos modos” de fazer cinema. Este é um livro que se lê com gosto e com o qual muito se aprende sobre este tema.

Précédent Suivant

Le texte seul est utilisable sous licence Creative Commons - Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International - CC BY-NC-ND 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.