Version classiqueVersion mobile

Do Espírito do Lugar - Música, Estética, Silêncio, Espaço, Luz

 | 
Antónia Fialho Conde
, 
António Camões Gouveia

Proémio

Recuperar e dar sentido - o caso do Mosteiro de S. Cristóvão de Lafões

Domingas Osswald et Walter Osswald

Résumé

Neste relato descrevem-se as várias fases, que no seu conjunto duraram 5 anos e meio, da recuperação e restauro do Real Mosteiro de S. Cristóvão de Lafões, a partir da sua aquisição, por privados, em 1984. Para além de um restauro cuidadoso, respeitador de toda a estrutura e recorrendo a materiais e técnicas tradicionais, foi objectivo o conseguir a recuperação do Mosteiro, tal como se apresentava em 1834 (ano da expulsão dos monges). Foi ainda necessário criar uma base de sustentação, concedendo ao Mosteiro duas vertentes: a de recepção de hóspedes (através de Turismo de Habitação) e a de actividade cultural (pela realização de jornadas culturais, actualmente na sua 11 ª edição anual, e de concertos, bem como nas visitas, guiadas por conhecedores do tema). A igreja conventual, hoje paroquial, que sempre manteve o culto foi igualmente objecto de beneficiações e de intervenções de conservação.

Texte intégral

Enquadramento histórico

  • 1 MARQUES, Maria Alegria, Estudos sobre a Ordem de Cister em Portugal, Edições Colibri, Faculdade de (...)

1O Mosteiro de S. Cristóvão de Lafões, precedido por um eremitério fundado por D. João Peculiar e governado à época pelo abade João Cirita, terá adoptado a regra de S. Bento segundo os costumes de Cister no fim da terceira década do século XII (em 1138, segundo Maria Alegria Marques1). Embora a data de fundação ainda se possa considerar discutível, na ausência de provas directas, do que não há hoje dúvida é que S. Cristóvão foi, juntamente com S. João de Tarouca, sinal muito precoce da presença dos monges brancos no país que então iniciava a sua aventura nacional.

2Sendo escassa a documentação relativa a este cenóbio, caracteristicamente encastrado na verdura da mata que o rodeia, num promontório cercado em três lados pelo Varoso, afluente do Vouga, sabemos todavia que o número reduzido dos seus habitantes (monges e irmãos conversos) persistiu, durante quase sete séculos, a dar vida e sentido ao robusto e simples edificado. Em 1834, S. Cristóvão não resistiu ao vendaval da eclaustração, tendo sido vendido (com dificuldade) a privados, que o transaccionaram repetidas vezes, durante 150 anos. Em 1984 foi adquirido pelos Autores, sendo presentemente posse da sociedade familiar que com seus Filhos criaram.

  • 2 COCHERIL, Maur, Routier des abbayes cisterciennes du Portugal, (2ª ed. , rev. Gerard Leroux), Fonda (...)

3As obras que lhe fazem referência mais detida e onde se pode procurar mais pormenores descritivos são, por ordem cronológica, referidas na respectiva nota de fundo de página2.

Reabilitação

4Após a aquisição, em 1984, os novos donos preocuparam-se, em primeiro lugar, com a limpeza da vegetação daninha (silvas e heras, sobretudo) que escondia largos panos das fachadas e parecia engolir o mosteiro, bem como com a remoção do entulho resultante da queda dos telhados. Limpa a estrutura, pode proceder-se ao levantamento da situação, concluindo pelo bom estado das paredes exteriores e interiores, bem como do piso pétreo do rés do chão. Pelo contrário, desaparecera toda a estrutura de madeira (traves, asnas sobrado, portadas, portas, mesas do refeitório) bem como o revestimento azulejar do refeitório, de que só restavam fragmentos resultantes de tentativas inábeis de seu arranque. Também o reboco, exposto às intempéries, caíra ou apresentava grandes soluções de continuidade.

Fig. 1 - O rocio, com os edifícios de apoio à actividade agrícola, tal como se encontravam em 1984

Fig. 1 - O rocio, com os edifícios de apoio à actividade agrícola, tal como se encontravam em 1984

5Optou-se então por uma reabilitação respeitadora dos espaços, não se levantando paredes nem alterando as divisões existentes e tentando, quanto possível, adaptar a necessidades habitacionais actuais o edificado.

Fig. 2 - Em 1974 o edifício monástico encontrava-se abandonado e totalmente destelhado. Em baixo, aspecto actual

Fig. 2 - Em 1974 o edifício monástico encontrava-se abandonado e totalmente destelhado. Em baixo, aspecto actual

6Assim, as celas foram transformadas em quartos sem adopção de instalações sanitárias, aproveitando-se o espaço de construção inacabada para esse fim. O sobrado de grandes tábuas foi substituído por piso de cerâmica (tijoleira tradicional), consentâneo com o usado na época da exclaustração e o refeitório foi revestido com azulejos de figura avulsa, pintados à mão, cópias contemporâneas dos que em tempos existiam. As obras de reabilitação ocuparam duas fases de dois anos cada, seguindo-se muito mais tarde (há 12 anos) a recuperação dos edifícios anexos ao conjunto abacial (mosteiro e igreja), já com vocação turística, sob projecto de arquitectura (Gui Osswald) e, pela primeira vez, com comparticipação (25% a fundo perdido, Turismo de Portugal, Programa SIVETUR). O objectivo era o de conseguir uma abertura à comunidade, que assim pode fruír este espaço de grande beleza natural e simbolismo histórico – religioso, almejando ainda uma receita que ajudasse a garantir a sustentabilidade do projecto.

7Desta forma, conseguiu-se a reabilitação de um bem patrimonial (classificado Monumento Público e dispondo de zona especial de protecção – ZEP) através da instalação de um Turismo de Habitação (com sete quartos duplos e uma suite) que alia conforto moderno à manutenção da estrutura tradicional e ao respeito pelos espaços monásticos; assim, por exemplo, a piscina está instalada numa antiga horta, muito próxima do edifício monástico mas totalmente invisível a partir deste.

Fig. 3 - Turismo de Habitação: recanto da sala comum dos hóspedes (antiga sala dos fornos)

Fig. 3 - Turismo de Habitação: recanto da sala comum dos hóspedes (antiga sala dos fornos)

Fig. 4 - Turismo de Habitação: adaptação de manjedoura de granito no sanitário de um dos quartos de hóspedes

Fig. 4 - Turismo de Habitação: adaptação de manjedoura de granito no sanitário de um dos quartos de hóspedes

Fig. 5 - A piscina está localizada de modo a ocupar uma posição discreta, não visível a partir do edifício monástico

Fig. 5 - A piscina está localizada de modo a ocupar uma posição discreta, não visível a partir do edifício monástico
  • 3 COCHERIL, Routier des abbayes cisterciennes au Portugal, cit., p 154
  • 4 PEUGNIEZ, Le guide routier de l’Europe cistercienne, cit, p 877: (“Mais on peut également demander (...)

8Se já D. Maur Cocheril reconhecia o especial encanto deste mosteiro “… modesto, construído para um pequeno número de monges, belo na sua simplicidade e na sua robustez”3, muito recentemente é Bernard Peugniez quem se congratula com o facto de ser agora possível aos hóspedes viver à sombra do claustro toscano e na mata verdejante e fresca4.

Notes

1 MARQUES, Maria Alegria, Estudos sobre a Ordem de Cister em Portugal, Edições Colibri, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Lisboa, 1998, pp 29-73

2 COCHERIL, Maur, Routier des abbayes cisterciennes du Portugal, (2ª ed. , rev. Gerard Leroux), Fondation Calouste Gulbenkian, Centre Culturel Portugais, Paris, 1986, pp 146-155

ALVES, Alexandre, o Real Mosteiro de S. Cristóvão de Lafões, Clube “O Cebolinha”, Escola Secundária de S. Pedro do Sul, 1995

MARTINS, Ana Maria, As arquitecturas de Cister em Portugal. A actualidade das suas reabilitações e a sua inserção no território. Tesis doctoral, Universidade de Sevilla, 2011, vol. II, pp 921-952

OSSWALD, Walter, Mosteiros cistercienses em Portugal. Pequeno roteiro, Edições Afrontamento, Porto 2012, pp 134-137

PEUGNIEZ Bernard, Le Guide Routier de l’Europe Cistercienne, Editions du Signe, Strasbourg 2012, pp 876 e seg.

3 COCHERIL, Routier des abbayes cisterciennes au Portugal, cit., p 154

4 PEUGNIEZ, Le guide routier de l’Europe cistercienne, cit, p 877: (“Mais on peut également demander asile à São Cristóvão qui propose une hôtellerie (avec piscine!), ce qui permet de vivre quelques heures à l’ombre de son cloître de style toscan et du parc verdoyant de fraîcheur”.

Table des illustrations

Titre Fig. 1 - O rocio, com os edifícios de apoio à actividade agrícola, tal como se encontravam em 1984
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1944/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Fig. 2 - Em 1974 o edifício monástico encontrava-se abandonado e totalmente destelhado. Em baixo, aspecto actual
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1944/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 3 - Turismo de Habitação: recanto da sala comum dos hóspedes (antiga sala dos fornos)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1944/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 4 - Turismo de Habitação: adaptação de manjedoura de granito no sanitário de um dos quartos de hóspedes
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1944/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Fig. 5 - A piscina está localizada de modo a ocupar uma posição discreta, não visível a partir do edifício monástico
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/1944/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 21k

Auteurs

FM-UP, Instituto Bioética UCP

É uma das responsáveis pela dinamização cultural de São Cristóvão de Lafões, nomeadamente pela organização e realização no Mosteiro dos "Encontros Culturais de S. Cristovão de Lafões", bem como pela recuperação e conservação patrimoniais deste espaço monástico.

FM-UP, Instituto Bioética UCP

É um dos responsáveis pela dinamização cultural de São Cristóvão de Lafões, nomeadamente pela organização e realização no Mosteiro dos "Encontros Culturais de S. Cristovão de Lafões", bem como pela recuperação e conservação patrimoniais deste espaço monástico.

© Publicações do Cidehus, 2016

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search