Version classiqueVersion mobile

Paisagens sonoras históricas

O património. Acervos e património organológico

Paisagem sonora histórica, acervos documentais e espaços monástico-conventuais em Évora no período moderno

Antónia Fialho Conde

Résumé

São diversos e de natureza vária os testemunhos documentais, manuscritos e impressos, que nos permitem concluir da importância da praxis musical (instrumental e coral), regida também pelo estipulado em Regras e Constituições, nas comunidades religiosas eborenses. Além dos Livros de Coro existentes no Arquivo Distrital de Évora (cerca de oitenta), existe na Biblioteca Pública de Évora (além de alguns Livros de Coro) um conjunto de manuscritos musicais adaptado ao efetivo musical das comunidades em termos de vozes e instrumentos (por exemplo, versões e arranjos para vozes femininas e pequenos ensembles instrumentais). Neste conjunto destacam-se ainda obras que podemos considerar como sendo de teoria musical, ensinando princípios básicos de música e de canto. Após a extinção das comunidades religiosas, grande parte do seu acervo documental dispersou-se, também no domínio da música, sendo que algum teve como destino a Biblioteca Nacional de Portugal. Desta forma, e em termos metodológicos, foram analisados, de acordo com as premissas documentais apontadas, os Inventários de cinco comunidades religiosas femininas de Évora realizados aquando da morte da última religiosa, procurando localizar testemunhos documentais relacionados com a prática musical dessas comunidades localizados na Biblioteca Pública de Évora e no Arquivo Distrital de Évora. Esta abordagem permite também fazer uma aproximação às potencialidades futuras de exploração integrada destes testemunhos, oriundos de mosteiros femininos ou masculinos, por forma a contribuir para a percepção da paisagem sonora histórica de Évora no período moderno.

Note de l’auteur

O presente texto surge no âmbito do Projeto PASEV (Patrimonialization of Évora’s Soundscape (1540-1910) ALT20-03-0145- FEDER-028584 | LISBOA-01-0145-FEDER-028584).

Texte intégral

Introdução

1O Projecto PASEV pretende, na sua essência, reconhecer para valorizar e salvaguardar o Património musical de Évora no tempo longo (1540-1910), visando a sua promoção em termos de turismo cultural.

  • 1 Serrão, 2015. 

2Assenta, por um lado, no estabelecimento de uma articulação entre o património móvel, o património edificado e o património musical que lhe está associado e de qualidade internacionalmente reconhecida, dado a cidade ter conhecido períodos bastante frutuosos em termos de produção e circulação cultural, associadas a contextos mais vastos, de que é exemplo a permanência da Corte; por outro, na noção de paisagem sonora histórica, visando a compreensão da atividade musical a partir de uma perspectiva contextual abrangente. Esta noção permite reconstruir contextos, circuitos e mapear a presença da música e dos músicos, entendendo a música como uma atividade social e cultural, reflexo nomeadamente das realidades económica e política, contrariamente à leitura centrada num compositor ou num aspecto restrito, como os testemunhos iconográficos no-lo demonstram: os músicos de rua, os concertos em ambientes e contextos diversos de sociabilidade, as ocasiões solenes e festivas, os eventos fúnebres. No caso de Évora1, segunda cidade do reino em inícios do período em que nos focamos (Antigo Regime), a abordagem a estas questões é particularmente rica, tanto em termos urbanos como periurbanos, especialmente no que toca às instituições monástico-conventuais. A escala urbana, comummente adotada em estudos similares de paisagem sonora histórica para outros países, permite-nos sublinhar os objetivos do presente artigo: contextualizar a prática musical dos claustros femininos eborenses na paisagem sonora de Évora no período moderno e apreciar os testemunhos dessa prática a partir da exploração e análise do acervo musical que chegou até nós.

Évora nos começos do Arcebispado: o testemunho do Livro da Fazenda do Ifamte dom Amrrique

3No caso de Évora, estudar estas instituições no período moderno implica uma abordagem que tenha em conta que nestas coordenadas histórico-geográficas floresceu um conjunto de compositores de qualidade superlativa nos séculos XVI e XVII, de há muito sublinhados.

  • 2 Biblioteca Pública de Évora (doravante, B.P.E.), Códice CVII/1-29.
  • 3 Polónia, 2005; Conde, 2013.

4O cosmopolitismo artístico-cultural comprovado pela circulação de músicos estrangeiros em todo o país verificou-se também em Évora, cidade de manifesto peso político e religioso especialmente até à monarquia dual. Para explicitação deste tópico, detenhamo-nos um pouco sobre O Livro da Fazenda do Ifamte dom Amrrique2, documento já explorado3, e em que fica bem sublinhada a figura de D. Henrique enquanto Infante de Portugal e príncipe do Renascimento, num Portugal de dimensão europeia e projeção mundial.

  • 4 B.P.E., Cód. CVII/1-29, Livro da fazenda do Ifamte dom Amrrique, Fl. 212.
  • 5 « (...) Mantieiro. Deriva-se de Mantens, que são toalhas de mesa antigas, ou de Manter, porque com (...)

5A informação contida no manuscrito regista despesas de diversa natureza efectuadas entre 1538 e 1543 pelo seu titular. Tanto o montante como a natureza (encargos, esmolas, obrigações) dessas despesas é bastante variável, constatando-se, porém, precisamente pela sua variedade e extensão, o reconhecido estatuto do Cardeal no seio do Reino. Surge-nos uma personagem com um vasto rol de servidores e fidalgos de sua Casa, que, enquanto tal, sustentava: camareiro-mor e guarda-mor; chanceler, escrivão da fazenda, secretário, tesoureiro e homem do tesouro, cosmógrafo e matemático (Pedro Nunes4), João de Comartin, francês, tangedor do Infante, mantieiro5, procurador dos feitos, porteiros, moços e pajem da câmara, pregadores (Mestre Manuel dos Santos, Mestre Gaspar, Frei Brás, Mestre André de Resende), capelães (15) e capelão-mor, moços da estrebaria e estribeiro-mor, copeiro-mor e copeiro pequeno, físicos, cirurgião, boticário, alfaiates, escrivães da cozinha, da cavalaria e das compras, trinchador, pasteleiro, pomareiro e hortelão na quinta de Valverde, aposentador, cinteiro (que faz cintas), lenteiro, esmoler (João de Sande) enfermeiro e a mulher, barbeiro e a mulher, recebedores da chancelaria, uchão (despenseiro), esmoleres, assegurando, ao mesmo tempo, pagamento de diversos mestres em domínios vários, nomeadamente na arquitetura e na música.

  • 6 Para a percepção da importância do Cardeal D. Henrique enquanto primeiro arcebispo de Évora no domí (...)

6A partir da análise da administração da Fazenda de D. Henrique pelos recebedores das suas rendas são perceptíveis alguns aspectos que nos parecem essenciais para o entendimento do destino das verbas nos primórdios do arcebispado de Évora e dos critérios de distribuição do seu primeiro arcebispo6 (por duas vezes, entre 1540 e 1564 e entre 1575 e 1578), o Cardeal D. Henrique (cardeal desde 1546). Primeiramente, fica claro o papel assistencial do clero regular, com uma clara função redistributiva, contrastando com o clero secular, que privilegia a acumulação dentro do sistema religioso; depois, entende-se o ideário ligado ao suporte material dos que serviam o Infante. As rendas provinham essencialmente de Santa Cruz, de Alcobaça (de que era abade comendatário), de Braga, da Casa do Infante e da Sé (arcebispado) de Évora, expressando-se em diversas fórmulas de apoio: tenças, esmolas em géneros a particulares e a instituições religiosas, pensões em dinheiro, mantimento, ordenados e vestiaria. Sublinhemos, porém, para este período e no contexto em que nos encontramos, a sua atuação enquanto mecenas e patrono, e que provam, na cidade de Évora, a sua erudição e o seu interesse pela doutrinação enquanto homem de Trento, mas também pela cultura e pelas artes.

  • 7 B.P.E., Cód. CVII/1-29, Livro da fazenda do Ifamte dom Amrrique, Fl. 32v. Este valor foi pago até 1 (...)
  • 8 B.P.E., Cód. CVII/1-29, Livro da fazenda do Ifamte dom Amrrique, Fls. 34, 73, 89v., 156v. No códice (...)
  • 9 B.P.E., Cód. CVII/1-29, Livro da fazenda do Ifamte dom Amrrique, Fls. 79v., 112v., 166v. Até 1541, (...)

7Esses pagamentos efetuaram-se aos mestres de gramática (em Leiria, em Arronches), a Nicolau Clenardo (para ler Gramática e outras ciências, com mantimento de 100.000 reais correspondente aos catedráticos de Coimbra7), ao flamengo João Vaseu (também para ler Gramática e outras ciências, primeiro em Braga e depois em Évora, com mantimento entre os 80 e os 100.000 reais8). Pagava ainda ao cura que na Sé de Évora ensinava a doutrina cristã aos meninos9, ao tesoureiro de Santo Antão também de ensinar a doutrina aos meninos, ao mestre de Gramática que lia para os monges e moradores dos coutos de Alcobaça, a frei André de Resende, “tomado por pregador” (30.000 reais de mantimento). Também o capelão de Santa Mónica de Évora recebia, por 200 missas para o Infante, 4.000 reais pagos pelas rendas do arcebispado.

  • 10 De Cosme Delgado, dizia D. Teotónio:  « (...) e tem elle neste officio de musica tantas partes de q (...)

8Dessas rendas saía também o pagamento a Heitor Lobo, o organista que afinava instrumentos de canos e palheta da Casa do Infante; a João Pimentel, tangedor de órgãos na Sé de Évora; a músicos da Sé de Évora, como Afonso de Baena, ligado a uma dinastia de músicos que percorreram as cortes peninsulares (e muito ligados à vihuela e viola d’arco); a Jorge Fernandes, cantor contrabaixo; a António Simões, tenor, que fora colegial e cantor na Sé; a André Nunes e Francisco Velez, cantores; a Pedro Martinez, cantor natural de Saragoça; a Cosme Delgado, cantor10; a frei Paulo de Alcobaça, organista, que era cego; a Mateus de Aranda, galego, mestre de capela da Sé entre 1528 e 1544, escreveu 2 reconhecidos Tratados, e foi depois para Coimbra; a mais 12 cantores, 15 moços do coro, 6 charamelas, e a um oficial que mandava sair os cães da catedral e fazia calar os moços na Sé; a Estêvão del Búfalo, camareiro secreto do Santo Padre (100.000 reais); a Miguel de Arruda, que servia D. Henrique nas obras do mosteiro de Alcobaça, para o qual também foram despendidas avultadas somas em obras; a Garcia Lopes, tangedor dos órgãos da Igreja de Santa Maria do Bispo de Montemor-o-Novo.

9Como vemos, é possível sublinhar a partir deste documento uma ação plural por parte do então ainda apenas prior de Santa Cruz, que iniciara havia pouco funções como arcebispo de Évora e desempenhara já esse desígnio em Braga. Uma ação que acaba também por estar muito ligada a Évora, o que se manteve praticamente até final da sua vida.

Testemunhos arquivístivos da prática musical dos claustros eborenses

  • 11 Conde, 2009.

10Évora foi um dos mais importantes centros musicais portugueses durante o período moderno, com uma atividade que, até ao final do Antigo Regime, se viu dominada pelas instituições religiosas seculares e monástico-conventuais intra e extramuros. A cidade desde cedo testemunhou atividade musical sacra, com a Sé (com a Capela e o Colégio dos Moços do Coro11), e com os demais espaços na malha urbana e periurbana. Intramuros, a igreja-colegiada de Santo Antão e as igrejas de Santiago, S. Pedro, S. Vicente, S. Mamede, Senhor Jesus da Pobreza, Misericórdia, Nossa Senhora da Cabeça, capela de S. Manços e as capelas nas portas da cidade (Senhora do Ó, à Porta de Avis, e Nossa Senhora da Natividade, à Porta de Machede) e, já fora de muros, as igrejas de S. Brás e S. Sebastião; a estes espaços acrescentem-se os templos associados aos conventos, com missa pública, conventos esses que desenvolviam um quotidiano litúrgico ferial ou festivo envolvendo praxis musicais distintas, de acordo com as respectivas normativas, como S. Francisco, S. Domingos, Lóios, Santa Clara, Santa Mónica, Paraíso, Graça, Calvário, Santa Catarina (englobando o Recolhimento de Santa Marta), Carmo, Mercês, Salvador, S. José. Já em espaço periurbano, o mosteiro de S. Bento de Cástris e os conventos do Espinheiro, Santo António da Piedade, Cartuxa e Remédios (e já em espaço rural, os conventos de Santa Margarida e do Bom Jesus de Valverde); os Colégios da cidade (os jesuítas e respectivas igrejas - Espírito Santo, Purificação, com o Seminário Maior de Évora, e a Madre de Deus), e o Colégio de S. Paulo.

  • 12 Muitos desses espaços estão hoje definitivamente desaparecidos, dada precisamente a evolução da mal (...)

11Nestes espaços de culto, e referindo-nos apenas aos espaços monástico-conventuais, Évora acolhia um leque riquíssimo de inspirações em termos de espiritualidade, convergindo em ideários de embelezamento dos espaços, e que se refletiria também nos testemunhos musicais (órgãos, livros - de Coro, manuscritos musicais, didática da música e do canto -, cadeirais...)12.

  • 13 Abreu; Pardal, 2011; Pereira,1995; Mendes, 2016.
  • 14 Impresso em Sevilha, em 1534, por Juã Cromberger. B.P.E., Res. 0001-0001-1.
  • 15 Correriae Cartusiae, Per Antonium Fremon..., 1689. B.P.E., SL E1 C9 nº 240.
  • 16 B.P.E., Séc. XVI, 1046.
  • 17 Dois Antifonários, B.P.E., Cód. CXXIV/2-51d; Cód. CXXIV/2-52d; um Leccionário do Ofício dos defunto (...)
  • 18 B.P.E., Res. 334.

12Numa primeira aproximação para os conventos masculinos da cidade, e a título de exemplo acerca do trabalho que pode e deve ser desenvolvido especialmente em termos de exploração dos recursos locais, temos os convento da Cartuxa e de S. João Evangelista. Da livraria que os monges cartuxos receberam por oferta do arcebispo D. Teotónio de Bragança, já trabalhada13, são localizáveis no acervo da Biblioteca Pública de Évora obras de cariz prático, tanto para a reza como para o canto, caso das Reglas y arte para apreder a rezar el oficio divino: segun la orden de la sancta yglesia Romana, da autoria de Juan de Argomanas14, de um Antiphonarium diurnum, ad usum ordinis cartusiensis; cum psalmis ad horas diurnas cantandis15 e Dimostrationi harmoniche de Gioseffo Zarlino da Chioggia maestro de Capella em Veneza, de 157116. Nesta Biblioteca estão ainda livros referentes ao ofício divino provenientes do convento da Cartuxa 17. Para os cónegos azuis (S. João Evangelista), sublinhamos a referência a uma obra de Duarte Lobo que existia no Coro do convento, In metropolitana eiusdem urbis Acclesia beneficiarii & Musices praefecti opuscula, impresso em 1602, em Antuérpia18.

  • 19 B.P.E., Fundo Manizola: Cód. 8, Breviarium; Cód. 48-12, Psalmos; Cód. 115, Missal de Isabel Luís; C (...)

13De proveniência desconhecida, mas de natureza musical (livros de litanias, antifonários), o Fundo da Manizola dispõe de um conjunto de manuscritos pergamináceos de grande interesse documental, importando conferir-lhes precisamente a proveniência19.

  • 20 A este respeito, destacamos o trabalho desenvolvido no projeto FCT EXPL/EPH-PAT/2253/2013 ORFEUS - (...)

14Trabalhar os acervos destas instituições em termos de testemunhos musicais significa a colecta de informação relevante no que concerne à praxis musical vigente, ainda pouco estudada em Portugal e insuficientemente integrada numa narrativa de conjunto (nacional, peninsular, europeia). Nos últimos anos tem vindo a ser feito um esforço neste sentido20, dado entender-se também cada vez mais que se trata de um tema de grande interesse para a compreensão das cidades dentro de um quadro europeu, já que as instituições monástico-conventuais integravam Ordens religiosas com implementação europeia, significando também reprodução cultural.

15A análise direcionada para o domínio da atividade musical em Arquivos e Bibliotecas provenientes de instituições monástico-conventuais, neste caso situadas na cidade de Évora, permite obter respostas sobre a existência de identidades nos livros utilizados na Missa e no Ofício Divino pelas diversas comunidades no período moderno, expressando-se numa dupla perspectiva: religiosa e cultural. Na primeira, como produtos das orientações do Concílio de Trento e da pretendida uniformidade também em termos musicais; na segunda, como elemento de relação com a vida cultural da cidade numa perspectiva de oferta e procura de serviços ligados à música e ao canto, à prática musical, à encomenda e à compra, reparação e manutenção de instrumentos, à circulação de músicos, cantores, afinadores, entre outros. Desta forma, a análise dos livros de contas destas comunidades pode ser também determinante para a compreensão do uso de instrumentos musicais em Portugal em contexto religioso anterior ao século XVIII (domínios da organologia e musicologia).

16Esta análise é ainda essencial para a comparação com outras realidades monásticas nacionais e internacionais do mesmo universo (a cidade), de modo a apreender as particularidades da praxis musical, especialmente monástico-conventual, de Évora para o período moderno.

A presença documental da música em cinco instituições monástico-conventuais femininas eborenses

17No domínio da atividade musical dispomos já de alguns dados, especialmente no que se refere ao universo conventual feminino da cidade. Eles resultam da análise dos Inventários realizados aquando da extinção dos conventos, resultado da Lei de 1834, em que se inventariam bens móveis e imóveis (sinónimo também da dispersão de muitos desses bens). Esta legislação significaria, para os conventos femininos, a existência das comunidades até à morte da última religiosa, sem admissão de noviças.

  • 21 Lembremos a importância dos trabalho do P. José Augusto Alegria neste domínio: Alegria, 1973a,1973b (...)

18Se esses Inventários, no que se refere ao património musical, referem, por exemplo, instrumentos musicais (e o seu destino), centremo-nos especialmente no domínio dos testemunhos documentais de alguma maneira relacionados com a prática musical das comunidades, identificando especialmente o que está presente na Biblioteca Pública de Évora e no Arquivo Distrital de Évora. Os exemplares não localizados, ou ainda não identificados em termos de proveniência21, são naturalmente um tópico a explorar.

19Para o convento do Calvário, e no domínio da prática musical, sublinhamos:

    • 22 B.P.E., Cód. CXXXI/2-31. Contém o recebimento das noviças e todo o cerimonial da profissão; o ms. t (...)

    Livro do uso da madre Soror Brites de Santo António22 com a fórmula do cerimonial para a profissão de noviças de Santa Clara e os Ofícios da Igreja Eborense, ao tempo de D. José de Melo;

    • 23 Cód. CXXXI/2-36. O manuscrito, decorado, tem apenas 4 fls., incluindo uma Ladainha de Nª Sr.ª da Co (...)

    Ladainha que fes a Veneravel Me. Soror Maria de Jesus abadessa do convento da Immaculada Conceição da villa de Agreda. Para se dizer na capella do Apocalipse no convento do Calvário, Évora, 175223;

    • 24 B.P.E., Cód. CXXXI/2-45 e Cód. CXXXI/2-46.

    2 livros de Litanias24 com conteúdos semelhantes, contendo Litaniae del venerabili sacramento, Litaniae P.S.N. Fra(n)cisci (com emblema da ordem franciscana), Litaniae de la Puríssima Concepcion de Nuestra Senhora, coligida da Sagrada Escritura e dos Santos Doutores da Igreja, compostas em 1608 por Frey João dos Anjos da Província de S. José dos Menores da Regular Observância (com aprovação e licença do ordinário);

    • 25 B.P.E., Cód. CXXXI/2-47.

    Caderno das Comemorações dos Santos, de 1855. Contém Antífonas evocando os santos das Ordens Menores, particularmente S. Francisco25.

20O convento possuiria ainda 25 volumes de Martirológios e Ofícios Divinos, 40 volumes de Breviários completos e truncados e 34 folhetos de estações e novenas.

21Para Santa Catarina, são referidos três livros de Cantochão de tamanhos diversos e 2 Martirológios dominicanos encadernados a veludo verde e encarnado com cantos de prata, apontados como tendo como destino Lisboa.

  • 26 Para o estudo da praxis musical do mosteiro é importante atender ainda à obra (embora sem marca de (...)
  • 27 B.P.E., Fundo do mosteiro de S. Bento de Cástris, livro 33 [1884], livro 34 [1886], livro 35 [1886] (...)

22Para S. Bento de Cástris26, o seu espólio foi trabalhado pelo Projeto ORFEUS, e consultável em página online (www.orfeus.pt). Trata-se da instituição com o maior número de património musical documental identificado, com 13 Livros de Coro de diversa tipologia (12 no Arquivo Distrital de Évora e 1 na Biblioteca Pública de Évora) e numerosos manuscritos musicais (dos compositores P. M. Ignacio Ferreira de Lima; Francisco de Freitas Gazul; P. Joaquim José da Rocha Espanca; L. Miro; J.J. Almeida; Manuel Maria da Costa Freire; P. Francisco António Norberto dos Santos Pinto; José Maria Franeli; P. Francisco José de Assis; João José Baldi; P. Marcus António Portugal). Existem ainda diversos impressos (nomeadamente Saltérios. Leccionários), sendo um deles o Passionarum jinsta capella regis Lusitaniae consuetudineum, per Emanuelum Cardosum editum Leiria execut. Antonius a Maris, 1575, in folio. O mosteiro conta ainda com exemplares, tardios, da Ordem do ofício divino e missas conventuais dispostas conforme a regra do N. P. S. Bento (sem encad.)27.

  • 28 Este livro surge no Inventário da Biblioteca Nacional: BNP, Relações de livros e manuscritos recolh (...)
  • 29 B.P.E., Fundo de Santa Clara, Livro 62.

23Para Santa Clara, encontramos citados no Inventário 19 volumes de Horas diurnas (e outra edição de 1762), 69 Breviários Romanos (um de 1694), 15 Suplementos do Breviário Romano, 1 livro de cantochão em pergaminho (e outro grande), 2 livros de cantochão, um Antifonário Seráfico (de 1802), Missa para uso do Coro (de 1764), Missal Seráfico para uso do Coro (de 1764 e de 1766), 3 Manuais para uso do Coro, 10 volumes do Ofício para a Semana Santa, Livro para a Missa de Cantochão figurado, pertença de D. Mª Victória Menezes, um Livro de Cantochão para o Advento28, Antifonários (para o Ofício da Conceição, para diversas festividades, de 1807, para a véspera de S. Francisco, para a Exaltação da Virgem, dois para a festa de Santa Clara, para o Natal), quatro livros de cantochão para a novena de S. José e “uma porção” de música manuscrita. No Inventário adicional são apontados mais 6 jogos de Breviários romanos (8 vols.), 9 Manuais seráficos, 12 Suplementos do Breviário Romano, 11 Responsos da Semana Santa, 7 Diurnos romanos. Entre a documentação do convento de cariz distinto consta ainda um manuscrito devocional, não datado, intitulado Apontamentos manuscritos sobre as estações da via sacra29.

24Do convento dominicano de Nossa Senhora do Paraíso há referência a:

  • trechos sem atribuição de autor como Hebdomada divinarum laudum; Estações de Jerusalém; Livro de Música (truncado); Procissão dos defuntos; um devocional manuscrito;

    • 30 B.P.E., Livro 99 do Paraíso (20 folhas). Sem data, é um exemplar forrado a veludo, para uso pessoal (...)

    Novena do Senhor Jesus dos Passos que se venera no convento de Nossa Senhora do Paraíso de Évora a qual lhe dedica e consagra sua indigna espoza D.A.M.C. e M. por A.C.G30;

    • 31 B.P.E., Fundo do convento do Paraíso, Livro 95A, nº 2.

    um de manuscrito de cariz didático, Compendio de Perguntas para Ouzo de ..., 1803, ensinando princípios básicos de música e de canto31.

  • 32 Em pergaminho e identificados na Biblioteca Nacional de Portugal estão, na coleção dos Livros de Co (...)

25Entre o acervo deste convento constam ainda livros de cariz pedagógico, como Resumos da Arte do Cantochão (dois), Regras para acompanhar cantochão. No Inventário são também mencionados livros de música em pergaminho, com datação entre 1527 e 153932, além de outros exemplares como Ofício da Semana Santa; Domingas do Advento; Matinas do Natal; Vésperas dos Santos Mártires; Vésperas e Matinas da Senhora do Paraíso; Vésperas e Matinas de diferentes santos; 4 Missais; dois cadernos de Glórias e Antífonas.

  • 33 Possivelmente, Missa a três vozes com acompanhamento d’órgão, por Theodosio Augusto Ferreira, Músic (...)
  • 34 Na Biblioteca Nacional de Portugal há referência a um Te Deum a 3 vozes e órgão, composta entre 185 (...)

26Sem ser em pergaminho, são citados ainda 27 Ofícios de Nª Sr.ª, 44 Ofícios da Semana Santa e um Office de la Semaine Sainte, bem como 20 exemplares de Missas a 3 vozes33, 3 de Missas a 4 vozes e 2 de Missas a 2 vozes; 6 exemplares de Responsórios da Semana Santa, 4 de Miserere a vozes, 3 de Hora de Noa a 4 vozes e 2 de Hora de Noa a 3 vozes; 2 exemplares de Te Deum a 4 vozes34, 10 de Ladainhas a 3 vozes, 50 exemplares de Tantum ergo, Tange, Lingua, Hinos e Motetos, uma Novena de S. José a 4 vozes (4 volumes) e 1 maço de músicas incompletas.

27A descrição presente nestes Inventários é, concretamente para o convento do Paraíso, incompleta, dado localizarem-se nomeadamente na Biblioteca Nacional de Portugal peças musicais do convento (ou de que é indicada posse pela instituição) não mencionadas no Inventário de que são exemplo:

    • 35 B.N.P., M.M., 334//3.

    Psalmo para a hora de 5ª feira da Assunção/ Himno da Noa (1887), de António do Nascimento de Oliveira35;

    • 36 B.N.P., M.M., 1066//1-5. Composto entre 1800 e 1830.

    Salutaris Ostia36;

    • 37 B.N.P., M.M., 9//11.

    Matinas de Quinta-feira Santa a 3 vozes (publi. 1866), de João José Baldi37;

    • 38 B.N.P., M.M., 1673//1-7.

    Noa para o dia da Ascensão, com acompanhamento a duas mãos [publi. Évora, 1871], de Theodósio Augusto Ferreira38;

  • Jaculatórias a Nossa Senhora a 3 vozes [publi. Évora, 1880] de Theodósio Augusto Ferreira39;

    • 40 B.N.P., M.M., 2091//1-4.

    Para adoração da cruz (publ. entre 1780 e 1810)40.

  • 41 B.P.E., Livro 74 do Paraíso, doc. 15.
  • 42 Idem, doc. 39.

28No que se refere à prática musical nos conventos, refira-se que, para as instituições femininas, uma das fontes a privilegiar são os contratos de dote. Para o convento de Nossa Senhora do Paraíso é referida a entrada em 1732 de Maria dos Santos e Violante do Paraíso, filhas de Urbano da Silva e de Maria dos Santos, de Setúbal, e que são mencionadas como músicas41; já em 1770 entrara para o convento Bernarda Isabel de Almeida, organista, afirmando o contrato que era com grande despesa do pai42 (de recolhida secular passara a educanda).

Um testemunho único para a análise da praxis musical em espaço claustral: o Livro dos Ofícios do convento dominicano eborense de Nossa Senhora Paraíso (1537)43

  • 43 Lembramos aqui o reconhecimento do valor deste documento já realizado por Gilberto Coralejo Moiteir (...)
  • 44 Data de 1505 uma primeira edição de acrescentos às Constituições, que viria a ser adoptado nos most (...)

29Um dos documentos mais importantes no domínio da alusão à praxis musical e à presença dos sons na vida quotidiana das comunidades religiosas no início da modernidade no panorama nacional é originário do convento dominicano do Paraíso. Trata-se de um manuscrito iluminado, hoje na Biblioteca Nacional de Portugal, datado de 153744 e encomendado por Margarida da Grã, religiosa no convento.

30Contempla uma tradução da Regra de Santo Agostinho (fls. 1-9v.), as Constituições para as religiosas, com 31 capítulos, a que especialmente aludiremos, a que se seguem as Admoestações (contendo o voto de Profissão) e o Livro dos Ofícios (fls. 9v. - 95v., numa adaptação para religiosas45), e uma Exposição da Regra (fls. 96-212)46. Nas Constituições, tomaremos especial atenção aos momentos sonoros que marcavam o quotidiano e às recomendações sobre o funcionamento do Coro, bem como às religiosas encarregues da gestão dessas temporalidades. A partir do fl. 41 começa o Livro dos Ofícios, de que destacaremos as oficiais que asseguravam os ritmos da vida claustral e as encarregadas das funções relativas ao Coro.

31Nos fólios iniciais do códice, ocupados pela Regra, há logo o cuidado de regulamentar o canto:

  • 47 B.N.P., IL. 152, fl. 2v.

(...) Quando orares a deus [sic] em psalmos e hymnos: aquillo revolvee no coraçon q. dizees polla boca. E non quaes cantar: sen non ho que leerdes que se ade cantar. Mas o que assi no he scripto que se cante: non se cante. (...)47

  • 48 Idem, fl. 126v.
  • 49 « (...) E nom querades cantar se nõ aquello que leerdes que he pera cantar. E aquello que nõ he esc (...)

32Este princípio é retomado na Explicação da Regra (“Quando orardes a deus [sic] em salmos e em hymnos aquela cousa que dizedes polla boca seia posta em vosso coraçom”48), ficando explicitado a seguir que o canto sacro devia ser guardado e estabelecido pelos maiores (costume da Ordem), não dependendo de vontades particulares de cada um, garantindo unidade e uniformidade49.

33Também no capítulo primeiro das Constituições, sobre o ofício da igreja, é recomendado:

  • 50 B.N.P., IL. 152, fl. 11v. 

(...) Ouvindo o primeiro signo [sic]: alevantemse as Irmass com madura triguança (...). Todas as horas canonicas assi sejam compassadamente e distinta dictas que as Irmaas non percam a deuoçam. (...) A qual cousa dizemos assi se deve fazer que na metade do verso se guarde pausa: non estirando a voz em a dicta pausa ou em fim do verso. (...)50

34A presença no coro deveria ser cumprida, havendo sanções para as incumpridoras. Entre as culpas consideradas leves, cuja penalização era a religiosa rezar um salmo ou mais de acordo com o excesso, figurava:

  • 51 Idem, fl. 17.

(...) Se alguma non comprir tentadamente ho officio que lhe he asinado de leer ou cantar: ou se torvar o coro começando responso ou antiphona. Se alguma leendo ou cantando ofender e nom se humilhar logo per ante todas (...)51

35Considerada meya culpa (havia ainda a grave, a mais grave e a mais agravada) era ainda se a religiosa não fosse à glória do primeiro salmo, não satisfizesse a metade do coro, não estivesse atenta nele, ou se lesse ou cantasse de maneira que não estava ordenada, o que implicava, como penalização, rezas, disciplinas e vénias às demais religiosas.

36Entre os ofícios havia alguns especialmente relacionados com as obrigações que tinham a ver com a participação das religiosas no coro. Assim, a mestra das noviças, encontrado local apartado na comunidade que pudesse funcionar como escola de noviças, no qual

  • 52 Idem, fl. 49v. No fl. 41, o códice inicia a descrição dos diversos ofícios, 25 no total (perfil, fu (...)

(...) am de estar a seer emsinadas [as noviças] do cantar e do leer: e am de repetir as licois: e qualquer cousa que am de leer ou camtar no cõvento. E tambem neste lugar am de ser emsinadas da regra e constituiçoões e officio diuino e am de decorar ho officio dos finados. E ho de Samcta maria e hos psalmos das horas do dia e das vesperas (...)52

  • 53 Idem, fl. 53.
  • 54 Idem, fl. 7v.

37As noviças deveriam ainda ser ensinadas pelas mestra acerca das horas em que «(...) am de tirar e tornar hos livros ao coro (...)»53, indicando a circulação de alguns livros em espaço conventual, sendo que na Regra especificara já que «(...) os liuros sejam pedidos cada dia a certa hora. E aquella que hos pedir fora da hora: non os Reçeba. (...)»54. São dadas claras indicações sobre as leituras (para o coro, para o ofício divino, para as lições), recomendando nomeadamente as Meditações de S. Bernardo ou as Orações de Santo Anselmo, as Confissões de Santo Agostinho, pois as mestras das noviças deviam procurar que as noviças

  • 55 B.N.P., IL. 152, fl. 57v.

(...) trabalhem ante por leer pouco e dallo a memoria: que leer muyto e reteer nada. Item seiam mais trigosas pera ouuir que pera ensinar. E nunca se dem tanto a leer ou a qualquer outro officio: que as cousas da religiam e uirtudes seiam esquecidas. (...)55

38Para assegurar as funções do coro – as que liam ou cantavam -, olhar e prover todos os ofícios litúrgicos (organizando a Tábua dos Ofícios), apontar as missas, atualizar festas, indicar as leituras no refeitório, era essencial o ofício da cantor:

  • 56 Idem, fl. 60.

(...) pertence tambem a ella os liuros ecclesiasticos. correger diligentemente no canto. letra. pontos. açemtos e isto per si se ho sabe ou com outras com auctoridade da prioressa guardandoos em limpeza e reparandoos em cuberturas registros e ligaduras e acusando aquellas que hos maltratan (...) 56

  • 57 Esta questão era ainda acometida às cercadoras ou zeladoras, socorrendo-os em caso de temporal, ou (...)

39Deveria ainda, pois, providenciar a segurança e conservação dos livros57 de coro, devendo assegurar um armário no coro (ou outro local idóneo) em que todos os livros fossem postos e resguardados, selecionando-os de acordo com as cerimónias litúrgicas necessárias (procissões, enterramentos, unções).

40No que respeita especificamente ao canto, a cantor deveria estar atenta tanto à organização e distribuição das religiosas nos coros colocados frente a frente (sob sua direta responsabilidade estava o destro) e seu bom funcionamento quanto às dificuldades de execução:

  • 58 B.N.P., IL. 152, fls. 61, 62.

(...) Item quando ocorrem nouas historias ou outras cousas dificeis pera cantar: deue conuocar ho conuento em aquella ora que a prioressa hordenar por que conuimente o tal cãto seja prouisto e repetido. (...) //E posto que ha cantor conuenha estar no choro destro: bem podera mudar o lugar quando comprir e passarse aas vezes ao ezquerdo. E isso meesmo em as festas poderão correr amte as freiras e inçitalas a cantar e mudar assi has professas como as nouiças de hum choro pera outro segundo for necessario. A ella conuem prouer a cada hum dos choros de taes freiras em cantar e leer: que nõ seja desigualeza notauel de hum a outro. (...)58

41À cantor pertencia fazer o ofício quando a semana era do coro destro (do coro sestro ficava encarregue a subcantor ou cantor menor) e encomendar as antífonas no seu coro, devendo incitar as preguiçosas no ler e no cantar e despertar as que aí dormissem, acusando-as em capítulo. Pertencia-lhe ainda:

  • 59 B.N.P., IL. 152, fl. 62v.

(...) em ho seu choro repetir as añas tirando a Magnificat e biis em as festas dobres. E isso mesmo a alla em a missa quando se canta de muytas e tambem começar os psalmos da parte do seu choro em modo temperado. Item aa cantor pertençe ter ho tom do choro e alevantallo e abaixallo segundo comprir e fazer signaes e som cõ as mãoos em as pausas dos psalmos e hymnos e quando disserem confussamente e achegar aquellas que confundem as paussas: e corregellas sem toruaçam e escandallo das que som presentes. (...)59

42Nas suas tarefas era ajudada pela cantor-menor (na feitura da tábua de ofícios, na distribuição de livros no coro), e que lhe acenava se precisasse de religiosas para reforçar o coro sestro (de que era responsável).

43Para as noviças também ficava claro o cumprimento dos tempos na clausura (de oração, de trabalho, de licença para quebrar o silêncio) sob vigilância da sua mestra:

  • 60 Idem, fls. 54, 54v.

(...) E por tamto amtre os dous sinos depois que disserem ho officio de Nossa Senhora // E assi o tempo quando tem licença pera faller non devem estar ociosas: mas leiam ho escreuam ou Rezem: ou pensem em cousas proueitosas. (...) E aas vezes occuparse em algumas cousas mecanicas quando outra melhor cousa nõ tem que fazer. (...)60

  • 61 Cf. Conde; Palma, 2018.
  • 62 Linho, lã, algodão, cardas, sedeiro, rocas, fusos, agulhas, dedais, teares e canelas.

44A referência às “coisas mecânicas” leva-nos a sublinhar a importância que a casa do lavor tinha nas casas dominicanas, cujas responsáveis eram especialmente religiosas anciãs, que soubessem os ofícios que pertenciam às mulheres (fiar, coser, tecer61), devendo ser providenciados os instrumentos e materiais necessários62; só deveriam trabalhar na casa comum, à exceção da escrivã, para quem devia ser criada divisão aparte, com os utensílios necessários ao seu ofício. Em dia que não fosse de guarda, as religiosas iam a esta casa 2 vezes ao dia, uma depois da missa e outra antes ou depois de vésperas.

45Havia também a figura da mestra das freiras leigas ou conversas; estas deveriam saber de cor (não por escrito) o Pai Nosso, Ave- Maria e Credo, devendo ser ensinadas em alguma arte para trabalhar para o convento (lembra o documento que para isso haviam sido tomadas); não iriam ao coro a todas as horas canónicas, apenas à missa e ao completório.

46As Constituições definem as vénias, inclinações e prostrações, os sufrágios dos mortos, os jejuns; no que implicava convocar a comunidade, como a chamada para as refeições ou colações, os sons são descritos de forma clara:

  • 63 A alusão a este instrumento tem várias grafias no documento: cimbãa, cimballo, zimbam. Para o P. Ra (...)
  • 64 B.N.P., IL. 152, fl. 15.

(...) Ante do jantar ou da çea a hora convenhauel a samcristãa toque a campãa poucos golpes: porque as Irmaas nom tardem viir ao refeitorio. E depois tangem ho cimbãa63 se for prestes de comer. E se nom for nom se tamga atee seer prestes. E lavadas as mãaos: a prellada tanga a campaynha do Refeitoreo. E depois que as Irmaas emtrarem: a que he pollos versos diga: benedicte e o convento prosiga a bençam. (...)64

47Em dias de jejum, a sacristã deveria também fazer sinal sonoro para a colação, cabendo depois à refeitoreira tanger o címbalo mas depois de a procuradeira ter visitado a cozinha e confirmado se tudo estava pronto para servir a refeição. A coordenação dos tempos devia estar sempre presente, assegurada pelas diversas oficiais e nos distintos lugares do convento:

  • 65 Idem, fl. 83.

(...) Item deve [a refeitoreira] solicitar as cozinheiras que em seus tempos façã tudo de maneira que como tocarem ho signo na ygreja ella possa tocar o zimbam sem tardança: por que has freiras nõ esperem occiosas. E esta mesma tardança se deve cauidar [sic] em tangemdo ho zimbam ha collaçam depois do sinal feicto en a ygreja. (...)65

  • 66 A refeição era acompanhada de leitura efectuada pela leitor da mesa, observada atentamente quanto a (...)

48A cozinheira nunca deveria indicar que tangessem o “zimbam” até que a refeição (“pitanças e salsas) estivesse pronta a ser servida; a cozinheira (previa-se uma ou dias irmãs leigas) tinha ao seu serviço criadas e escravas (cujo número dependia da dimensão da comunidade), devendo ensiná-las. As servidoras da mesa, depois de ouvirem o sinal das horas, e de se certificarem junto da cozinheira que a refeição estava pronta a ser servida, deviam dirigir-se ao refeitório tocando o “zimbam” e começar a colocar as escudelas, especialmente se a comunidade fosse numerosa66.

  • 67 A sacristã deveria ainda prover na sacristia vestimentas, candeias e livros necessários para a miss (...)

49À sacristã67 pertencia todo o tanger do sino da igreja (excepto se fosse para convocar capítulo ou convocar sermões), havendo regras claras para as sonoridades:

  • 68 B.N.P., IL. 152, fls. 65, 65v.

(...) E porem ho primeiro sugnal assi se ha de fazer que non seja muyto prolixo nem muito breue. empero isto mais ou menos segundo ho tempo. E assi mesmo ho sinal que faz pera a collaçam ao qual abastam quasi cinco golpes dambas as partes do signo. O segundo signal deue ser assi prolixo que do principio delle possam uir as freiras ao choro de qualquer lugar em que forem em toda a casa. E como todas vierem se deue acabar nam esperando que faça a prellada signal. E porem ho espaço que a dauer emtre estes dous sinaes assi deue ser temperado que possam has freiras espedirse das horas de nossa senhora e da necessidade das camaras e do lauar das maãos aa hora da prima. As uesperas porem se deuem tanger a tal hora q. depois da segunda mesa no tempo de duas // refeições ou depois de uesperas em tempo de jejum nom seja muyto espaço ata hora de completa aa qual deuem tanger a tal hora feicto ho ultimo signal no verãao seia ainda quasi dia. E no inverno quasi noyte. (...) 68

50Fica ainda registado que se na missa e nas horas canónicas a sacristã podia observar o costume da pátria,

  • 69 Idem, fls. 65v., 66.

(..) ho que na hordem mais geralmente se guarda he tanger a missa interruçoõees e aa procissam e unçam e finados conuocar as freiras por sinal feicto em ho signo de huma parte. A ella [sacristã] tambem pertence ter cuidado que aja bom signo e de moderada grandeza em a cassa. (...) Item deue ser solicita açerca do tamger em seu tempo e modo deuido. E do conselho da prellada e freiras guardar o tempo que lhe for ordenado pera tanger as matinas e aa prima e aa noa: em tempo de dor//mir depois do jantar. (...)69

51As madres rodeiras deveriam tanger a silêncio duas vezes e fechar a roda até depois da noa.

52Assim, o códice é marcado pela busca de harmonia recomendada pela Regra entre o orar, o ler e o obrar: a lição ensina como fazer a oração, e a obra, juntamente com a oração, eram armas contra o diabo e as forças do mal. Contra o ócio, é recomendada a obra das mãos (para satisfazer as necessidades internas da comunidade e para esmolas).

  • 70 Idem, fl. 177. Estando na parte da explicação da Regra, repare-se no uso do masculino (o que os ped (...)

53O documento sublinha anda que os conventos deveriam dispor de um bom acervo livresco, de molde a assegurar o acesso aos textos para a comunidade (para o Coro e outros ofícios litúrgicos, frisando a sua importância nas comunidades, para as lições) e para as religiosas particulares : «(...) Os livros seiam pedidos cada hum dia em na hora de terça E ho que hos pedir fora da hora nõ os receba. (...) »70.

Considerações finais

  • 71 Sobre as questões da prática musical pós-tridentina, particularizando os cenóbios femininos, cf. es (...)
  • 72 Sanhuesa Fonseca, 2004.

54Os documentos selecionados para este trabalho apontam para uma realidade dúplice, que podemos estabelecer como a existente antes do Concílio de Trento (com o códice dominicano e o Livro da Fazenda do Cardeal D. Henrique) e a que dele grandemente resultou, bem patente nos Inventários tratados. Foi no contexto da Reforma católica que se retomaram as questões da música e do canto enquanto essenciais para a inteligibilidade da palavra divina, sendo determinante a preocupação da Igreja na compreensão dos textos. A polifonia sobrepunha texto e melodia, era questionada por uns, mas tinha também defensores, fazendo surgir uma corrente estética ao nível musical com características tridentinas e pós-tridentinas. Os sínodos provinciais e as autoridades locais foram chamados a decidir sobre a gestão do canto, da sua pronunciação, da salmodia. Desta forma, a música sacra pós-Trento é variada, acompanha identidades nacionais e regionais, respeita a questão da inteligibilidade (simplificando experimentações e sofisticações da polifonia do século XV e inícios do XVI), privilegia esteticamente os jogos de sonoridades, cultiva efeitos policorais ou os efeitos do eco71. A música reforça as cerimónias, como vemos em grande parte da documentação proveniente dos conventos atrás enunciada, e o som é aliado ao espetáculo e à ostentação, apelando aos outros sentidos que não apenas ao ouvido, reconhecendo-se, porém, a força da palavra. Também as livrarias conventuais (ou de religiosas particulares dentro dos mosteiros e conventos, como soror Juana Inez de la Cruz) testemunham a importância da tratadística musical nos mosteiros femininos, sendo que os seus autores elogiavam, no geral, a prática musical conventual72.

55A pesquisa desenvolvida e a análise documental, especialmente do exemplar dominicano, permite-nos concluir da importância da formação das noviças intramuros e das oficiais disso encarregues na clausura, bem como da importância da Regra e das Constituições, sagrando no escrito costumeiros há muito praticados.

56Por outro lado, esta inserção no mundo claustral feminino eborense oferece a possibilidade de futuros trabalhos, até pelos elementos fornecidos de cartuxos e lóios, cruzando realidades que contextualizam a prática musical, de que é exemplo o já citado Livro da Fazenda do cardeal D. Henrique. A citação de músicos, de instrumentistas, de cantores ao serviço do cardeal-arcebispo, e da catedral de Évora, permitem repensar a cidade no que concerne à formação de variadas redes ligadas à música, nomeadamente em termos de circulação de repertórios, de músicos e de profissionais que asseguravam a assistência, ou a feitura, de instrumentos, ou dos que, embora raros, ensinavam, tocavam e cantavam em espaço claustral feminino. Salientemos ainda que o material recolhido oferece múltiplas possibilidades, algumas já experimentadas em projetos anteriores (como a reconstituição da Missa de S. Bernardo).

57A recolha e análise das práticas musicais em mosteiros e conventos de Évora, no quotidiano ou em ocasiões especiais, permitirá também fazer trabalhos futuros neste campo, estendendo-se a outras cidades para estudar e comparar realidades diferentes no país no mesmo período, ou comparar com outros países. O estudo do património musical e a necessidade de patrimonialização deste tipo de herança devem ser vistos como essenciais para a compreensão mais ampla das realidades locais e regionais, estimulando o trabalho de equipas multidisciplinares para leituras complementares de uma realidade que sabemos complexa.

Bibliographie

Fontes

Biblioteca Nacional de Portugal

Relações de livros e manuscritos recolhidos na Inspecção Geral das Bibliotecas e Arquivos Públicos, BN/INC/DLEC/33/Cx09-01.

IL. 152.

LC 136, LC 137, LC 138, LC139, LC 140, LC 141 – Livros de Coro do convento de Nossa Senhora do Paraíso (Évora)

M.M. [Música manuscrita, ] 93//10; M.M. 448//1-8; M.M., 1626//1-4; M.M., 334//3; M.M., 1066//1-5; M.M., 9//11; M.M., 1673//1-7; M.M., 1883//1-6; M.M., 2091//1-4.

Biblioteca Pública de Évora

Res, 0001-0001-1; Res. 334;Res. 365; Res. 422; Res. 819.

Res. Séc. XVI, 0006, 1024, 3582, 1046, 6436 e 6437.

Códices CVII/1-29; CXXIV/2-51d; CXXIV/2-52d; Cód. CXXIV/2-43d; CXXXI/2-31, CXXXI/2-36, CXXXI/2-45, CXXXI/2-46, CXXXI/2-47.

SL E1 C9 nº 240

Fundo Manizola: Códices 8, 48-12, 115, 116, 116a), 116b), 116c), 523, 526.

Livros 33, 34, 35, 36, 37, 38 e 39 do Fundo do mosteiro de São Bento de Cástris,

Livro 62 do Fundo de Santa Clara.

Livros 74, 99 e 95A do Fundo do convento de Nossa Senhora do Paraíso.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anatomico, architectonico ... Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1712 - 1728. 8 v.

Estudos

ABREU, Laurinda; PARDAL, Rute (2011) - A memória histórica do convento da Cartuxa de Santa Maria Scala Coeli através da sua documentação. Évora: Fundação Eugénio de Almeida.

ALEGRIA, José Augusto (1973a) - Arquivo das músicas da Sé de Évora: Catálogo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

ALEGRIA, José Augusto (1973b) - História da Escola de Música da Sé de Évora. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

ALEGRIA, José Augusto (Ed.) (1977) - Catálogo dos fundos musicais da biblioteca pública de Évora. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1977.

ALEGRIA, José Augusto (1997) - O Colégio dos Moços do Coro da Sé de Évora. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

ÁNGEL MARÍN, Miguel (2002) - Music on the margin. Urban musical life in eighteenth-century Jaca (Spain). Kassel: Reichenberger.

BEJARANO PELLICER, Clara (2015) - Los sonidos de la ciudad. El paisage sonoro de Sevilla, siglos XVI al XVIII. Sevilha: Ediciones de Andalucia.

CONDE, Antónia Fialho; PALMA, Inês (2018) - Dos espaços que o tempo silencia: novos dados para a interpretação do conjunto edificado do convento dominicano de Nª Sr.ª do Paraíso (Évora). Almansor- Revista de Cultura. Nº 3, 3ª Série, pp. 71-98. ISBN: 0870-0249. Disponível em: http://hdl.handle.net/10174/23603

CONDE, Antónia Fialho (2013) - Modelos de apoio às mulheres no período moderno: a acção do Cardeal-Infante D. Henrique. Matria Digital. Santarém, Centro de Investigação Professor Joaquim Veríssimo Serrão. Nº 1. Disponível em http://hdl.handle.net/10174/95

CONDE, Antónia Fialho (2009) - O Colégio dos Meninos do Coro da Sé de Évora e a acção de D. Frei Luís da Silva Teles. A Cidade de Évora. Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal de Évora. II Série, nº 8, p. 467-480. ISSN: 0971-1992. Disponível em: http://hdl.handle.net/10174/6742

GARCÍA- FERRER, Maria Julieta Vega, (2004) - La música de los conventos rurales femeninos de Granada. La clausura femenina en España: actas del simposium. Francisco Javier Campos; Fernández de Sevilla (coord.). Ed: Real Centro Universitario Escorial-Maria Cristina. Vol. I, pp. 293-319. ISBN: 84-89942-37-4. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/libro?codigo=6347.

HARNESS, Kelley (2008) - Echoes of Women's Voices: Music, Art, and Female Patronage in Early Modern Florence. Renaissance Studies. 22, pp. 271-272.

MADAHIL, A. G. da Rocha (1950) - Constituições que no século XV regeram o Mosteiro de Jesus, de Aveiro, da Ordem de São Domingos. Arquivo do Distrito de Aveiro, Vol. XVI, p. 282-291; Vol. XVII, p. 292 -316.

MARTÍN MARQUES, Alberto (2021) – Alguaciles del silencio. Paisage sonoro en la Edad Moderna. Zamora como paradigma. Kassel: Reichenberger.

MENDES, Francisca (2016) - Contributos para a reconstrução virtual da livraria do Convento da Cartuxa de Évora, 1587-1834. Évora: Fundação Eugénio de Almeida. ISBN 978-989-8854-80-5.

MONSON, Craig A. (1995) - Disembodied Voices: Music and Culture in an Early Modern Italian Convent. Berkeley: University of California Press.

MONSON, Craig A. (2002) - The Council of Trent Revisited. Journal of the American Musicological Society. Nº 55, p. 1-37.

MONSON, Craig A. (2006) - Renewal, Reaction, and Reform in Catholic Sacred Music. European Music 1520-1640. (Ed. James Haar). London: Boydell and Brewer, p. 401-421.

MOITEIRO, Gilberto Coralejo (2013) - As dominicanas de Aveiro (c. 1450-1525): Memória e identidade de uma comunidade textual. Aveiro: Univ. de Aveiro. Tese de doutoramento em História.

NERY, Rui Vieira (1984) - A música no ciclo da «Bibliotheca Lusitana», Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

PEREIRA, Belmiro Fernandes (1995) - Duas bibliotecas humanísticas: alguns livros doados à Cartuxa de Évora por Diogo Mendes de Vasconcelos e por D. Teotónio de Bragança. Humanitas. Vol. XLVII, p. 845-860.

PEREIRA, Gabriel (1904) – Colleção dos Livros de Côro dos Conventos Extintos. Lisboa: Officina Typographica.

PEREIRA, Maria Albertina Neves da Silva (1952) - Regla de Sancto Agustjnho e ha Exposyçon della per lynguajem: assy do texto como da grosa. Versão portuguesa filologicamente comentada. Coimbra, Tese de Licenciatura policopiada, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Vol. 2.

POLÓNIA, Amélia (2005) - Espaços de intervenção religiosa do Cardeal Infante D. Henrique: actuação pastoral, reforma monástica e inquisição. In AMORIM, Inês; OSSWALD, Helena; POLÓNIA, Amélia (coord.). Em torno dos espaços religiosos - monásticos e eclesiásticos: actas do Colóquio de Homenagem a Frei Geraldo Coelho Dias. Porto: Instituto de História Moderna - Universidade do Porto, p. 17-37.

SANHUESA FONSECA, María (2004) - Música de señoras: las religiosas y la teoría musical espanõla del siglo XVII. La clausura femenina en España: actas del simposium. Francisco Javier Campos; Fernández de Sevilla (coord.). Ed: Real Centro Universitario Escorial-Maria Cristina. 2004. Vol. 1, pp. 167-180. ISBN: 84-89942-37-4. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/libro?codigo=6347.

SANTOS, Domingos Maurício Gomes dos (1967) - O Mosteiro de Jesus de Aveiro. Lisboa: Companhia dos Diamantes de Angola. Vol. I/1

SERRÃO, Vítor (2015) - Arte, religião e imagens em Évora no tempo do Arcebispo D. Teotónio de Bragança, 1578-1602. Fundação da Casa de Bragança.

SOBRAL, Cristina (2007) - S. Agostinho em Aveiro: estudo de fontes. eHumanista. Vol. 8, P. 171-196.

Notes

1 Serrão, 2015. 

2 Biblioteca Pública de Évora (doravante, B.P.E.), Códice CVII/1-29.

3 Polónia, 2005; Conde, 2013.

4 B.P.E., Cód. CVII/1-29, Livro da fazenda do Ifamte dom Amrrique, Fl. 212.

5 « (...) Mantieiro. Deriva-se de Mantens, que são toalhas de mesa antigas, ou de Manter, porque com a mesa se mantem a gente. Mantieiro del Rey. He aquelle que no paço tem a seu cargo a roupa, & prata da mesa delRey. (...)». Bluteau, 5, 301, col. dir.

6 Para a percepção da importância do Cardeal D. Henrique enquanto primeiro arcebispo de Évora no domínio da prática litúrgica e musical, cf. por exemplo Baptisterium Romanum Iussu D. D. Henrici Principis S. R. E. Cardinalis, Legati de latere, & primi Archiepiscopi eborensi editum . Eborae, Andream Burgensem1578. B.P.E., Res. 0365 (Contém cantochão).

7 B.P.E., Cód. CVII/1-29, Livro da fazenda do Ifamte dom Amrrique, Fl. 32v. Este valor foi pago até 1538, dado que Clenardo se ausentou do reino, para Marrocos, a pretexto de melhorar o domínio do árabe.

8 B.P.E., Cód. CVII/1-29, Livro da fazenda do Ifamte dom Amrrique, Fls. 34, 73, 89v., 156v. No códice constam, em Braga, pagamentos a Vaseu « (...) que lee de gramatica e outras ciemcias nos studos da dita cidade (...) » desde Outubro de 1538, durante cerca de dois anos e meio (até Junho de 1541), e depois em Évora, até 1542, ano até ao qual os seus pagamentos estão lançados. Vinha sendo progressivamente mais bem pago, de 80 para 100 mil réis, mercê do reconhecimento do seu trabalho.

9 B.P.E., Cód. CVII/1-29, Livro da fazenda do Ifamte dom Amrrique, Fls. 79v., 112v., 166v. Até 1541, o cargo foi assegurado por Diogo Marques. Há diversas outras referências ao ensino ministrado junto dos mais jovens na cidade de Évora, bem como a instituições que os acolhiam, concretamente o Colégio dos Meninos.

10 De Cosme Delgado, dizia D. Teotónio:  « (...) e tem elle neste officio de musica tantas partes de que Nosso Senhor o dotou que por boa voz e habilidade parece que ainda que delle fora merecido e escusaren de tal por sua Rara habilidade e voz boa se podia bem exceptuar de todos (...)». Foi mestre de capela cerca de 30 anos, e instruiu as primeiras gerações de música polifónica da Escola de Évora, tendo como alunos os compositores Manuel Mendes, Fr. Manuel Cardoso, Duarte Lobo, Filipe de Magalhães. As suas obras (missa, motetes, lamentações, a 4, 8 e 12 vozes ), além de um ensaio teórico, terão sido por ele legadas em testamento aos religiosos do convento do Espinheiro. Cf. Nery, 1984.

11 Conde, 2009.

12 Muitos desses espaços estão hoje definitivamente desaparecidos, dada precisamente a evolução da malha urbana da cidade (casos dos conventos de Nossa Senhora do Paraíso, de Santa Catarina ou de S. Domingos), outros foram profundamente alterados e acolheram novas funções (conventos de Santa Mónica, Santa Clara, Espinheiro, Lóios, S. Francisco, Graça, Remédios, Mercês) sendo raros os que se mantêm espacialmente e em termos construtivos próximos do original (como S. José, Santa Helena do Monte Calvário, Cartuxa, Santo António da Piedade, S. Bento de Cástris).

13 Abreu; Pardal, 2011; Pereira,1995; Mendes, 2016.

14 Impresso em Sevilha, em 1534, por Juã Cromberger. B.P.E., Res. 0001-0001-1.

15 Correriae Cartusiae, Per Antonium Fremon..., 1689. B.P.E., SL E1 C9 nº 240.

16 B.P.E., Séc. XVI, 1046.

17 Dois Antifonários, B.P.E., Cód. CXXIV/2-51d; Cód. CXXIV/2-52d; um Leccionário do Ofício dos defuntos, oferecido por D. Teotónio de Bragança, o Cód. CXXIV/2-43d; um Breviário, B.P.E., Res. Séc. XVI, 0006; um Graduale ordinis cartusiensis (com vários exemplares, cotas

B.P.E. Res. 422 e Séc. XVI, 1024, 3582, 6436 e 6437).

18 B.P.E., Res. 334.

19 B.P.E., Fundo Manizola: Cód. 8, Breviarium; Cód. 48-12, Psalmos; Cód. 115, Missal de Isabel Luís; Cód. 116, Breviário; Cód. 116a) Missal; Cód. 116b) Livro de cantochão; Cód. 116c) Antifonário (proveniente de S. Bento de Cástris); Cód. 523, Antifonário; Cód. 526, Missal.

20 A este respeito, destacamos o trabalho desenvolvido no projeto FCT EXPL/EPH-PAT/2253/2013 ORFEUS - A Reforma Tridentina e a música no silêncio do claustro: o mosteiro de S. Bento de Cástris, sendo as publicações dele resultantes relevantes para a música e a praxis musical no mosteiro.

21 Lembremos a importância dos trabalho do P. José Augusto Alegria neste domínio: Alegria, 1973a,1973b, 1977, 1997.

22 B.P.E., Cód. CXXXI/2-31. Contém o recebimento das noviças e todo o cerimonial da profissão; o ms. tem 20 fólios, e tem depois encadernado um impresso, o Officia propria Eclesiae Eborensis, Lisboa, P. Craesbeck, 1630, com as festas da igreja eborense distribuídas pelos meses do ano ao tempo do arcebispo D. José de Melo.

23 Cód. CXXXI/2-36. O manuscrito, decorado, tem apenas 4 fls., incluindo uma Ladainha de Nª Sr.ª da Conceisam, uma Ladainha do Amor Divino e uma Antífona de Nª Sr.ª.

24 B.P.E., Cód. CXXXI/2-45 e Cód. CXXXI/2-46.

25 B.P.E., Cód. CXXXI/2-47.

26 Para o estudo da praxis musical do mosteiro é importante atender ainda à obra (embora sem marca de pertença à Casa) Livro Ordinario do Officio Divino, e Ceremonias da Ordem de Cister, da Congregaçaõ, & Observancia de S. Maria de Alcobaça. Novamente reformado, emendado, & acrecentado pelo Reverendissimo Padre Fr. Arsenio da Paixaõ, Religioso da mesma Ordem...  Lisboa : por Manoel da Sylva impressor, [1]639 . BPE-RES Res. 0819.

27 B.P.E., Fundo do mosteiro de S. Bento de Cástris, livro 33 [1884], livro 34 [1886], livro 35 [1886], livro 36 [1884], livro 37 [1887], livro 38 [1887] e livro 39 [1883].

28 Este livro surge no Inventário da Biblioteca Nacional: BNP, Relações de livros e manuscritos recolhidos na Inspecção Geral das Bibliotecas e Arquivos Públicos, BN/INC/DLEC/33/Cx09-01.

29 B.P.E., Fundo de Santa Clara, Livro 62.

30 B.P.E., Livro 99 do Paraíso (20 folhas). Sem data, é um exemplar forrado a veludo, para uso pessoal da religiosa.

31 B.P.E., Fundo do convento do Paraíso, Livro 95A, nº 2.

32 Em pergaminho e identificados na Biblioteca Nacional de Portugal estão, na coleção dos Livros de Coro, o LC 136 e o LC 137 (que continua o anterior), Gradual Temporal (Kyrial), de c. de 1536, e em que a encomendante foi Margarida da Grã, responsável também pela encomenda do LC139, um Antifonário Temporal, de c. de 1539. Existem ainda o LC 138, um Antifonário Temporal de 1539, o LC 141, um Antifonário Santoral de c. de 1527 e o LC 140, um Antifonário Santoral de 1527 encomendado por Joana Correia, prioresa do convento. Um total, pois, de seis exemplares música sacra manuscrita do século XVI em suporte pergamináceo para uso no Coro. Gabriel Pereira, acerca da presença de Livros de Coro na Biblioteca Nacional de Portugal provenientes de conventos extintos, aponta 8 como originários do convento de Nossa Senhora do Paraíso de Évora, conferindo seis deles com as cotas acima (LC 136, 137, 138, 139, 140 e 141); os dois últimos que o autor menciona não estão incluídos nestas referências; não são integralmente em pergaminho e contém composições dos séculos XVI, XVII, XVIII e XIX. Cf. Pereira, 1904, pp. 9-10.

33 Possivelmente, Missa a três vozes com acompanhamento d’órgão, por Theodosio Augusto Ferreira, Música manuscrita, 1880. B.N.P., M.M. 93//10; da mesma forma, uma Missa a 3 vozes e órgão, [publi.1840-1870], B.N.P., M.M. 448//1-8.

34 Na Biblioteca Nacional de Portugal há referência a um Te Deum a 3 vozes e órgão, composta entre 1850 e 1880. B.N.P., M.M., 1626//1-4.

35 B.N.P., M.M., 334//3.

36 B.N.P., M.M., 1066//1-5. Composto entre 1800 e 1830.

37 B.N.P., M.M., 9//11.

38 B.N.P., M.M., 1673//1-7.

39 B.N.P. M.M., 1883//1-6; disponível em http://purl.pt/27302/4/1340032_PDF/1340032_PDF_24-C-R0150/1340032_0000_capa-capa_t24-C-R0150.pdf

40 B.N.P., M.M., 2091//1-4.

41 B.P.E., Livro 74 do Paraíso, doc. 15.

42 Idem, doc. 39.

43 Lembramos aqui o reconhecimento do valor deste documento já realizado por Gilberto Coralejo Moiteiro, na comunicação “A leitura e o canto na vida das comunidades femininas observantes” no Congresso Internacional Um Reino de Mulheres: Expressões literárias, culturais e artísticas nas instituições monástico-conventuais femininas. Universidade de Évora, 22, 23 e 24 de abril de 2019. A ele também se refere largamente na sua tese de doutoramento. Cf. Moiteiro, 2013, onde o autor sublinha a relação entre as duas Casas dominicanas femininas, a aveirense e a eborense, vindo de Aveiro as religiosas que asseguraram a institucionalização da observância.

44 Data de 1505 uma primeira edição de acrescentos às Constituições, que viria a ser adoptado nos mosteiros de Jesus de Aveiro e de Nossa Senhora do Paraíso de Évora. Cf. Coraleijo, 2013.

45 Adaptação para o ramo feminino do Liber de instructione officialium Ordinis Fratrum Praedicatorum, de Humberto de Romans (redigido em 1257-1267). Trata-se de um códice que apresenta a Regra, com textos complementares, nomeadamente as Constituições expondo as funções das oficiais das comunidades, definindo a vida interna ao nível da duração do noviciado, da importância do trabalho manual e da oração.

46 B.N.P., IL. 152. Disponível online: http://purl.pt/31662/4/il-152_PDF/il-152_PDF_24-C-R0150/il-152_0000_capa-capa_t24-C-R0150.pdf. Nas duas últimas partes do códice há fólios intercalados (do 95v. passa para o 97, completando, até ao fl. 101v., os ofícios as religiosas; os fólios 96 e 96v. iniciam a Exposição da Regra, que é retomada no fl. 102).

47 B.N.P., IL. 152, fl. 2v.

48 Idem, fl. 126v.

49 « (...) E nom querades cantar se nõ aquello que leerdes que he pera cantar. E aquello que nõ he escripto pera cantar nom ho cantedes. (...)». B.N.P., IL. 152, fl. 127v.

50 B.N.P., IL. 152, fl. 11v. 

51 Idem, fl. 17.

52 Idem, fl. 49v. No fl. 41, o códice inicia a descrição dos diversos ofícios, 25 no total (perfil, funções, obrigações), sendo que o de Mestra das noviças é citado no capítulo 3 dos Ofícios.

53 Idem, fl. 53.

54 Idem, fl. 7v.

55 B.N.P., IL. 152, fl. 57v.

56 Idem, fl. 60.

57 Esta questão era ainda acometida às cercadoras ou zeladoras, socorrendo-os em caso de temporal, ou à guardador do dormitório, que lhes acudia em caso de chuva. A conservação dos livros é muito tratada, implicando vários ofícios, como o da vestiaria (fl. 101v.) sendo que se a religiosa deste ofício ficava encarregue de dar linha e estopa à casa do lavor e dos vestidos das freiras e seus anexos (mantilhas, túnicas, escapulários, fraldilhas, litas, bainhas das faças, sapatos, cocos, berucos, camisas, coifas, véus, leitos, cobertores, almofadas, cabeçais, coçedras para as enfermas, lençóis para os banhos, panos para o lavar da cabeça e dos pés, pentes, tesouras, agulhas, dedais, linhas, moldes em pergaminho ou pano para feitura dos vestidos), também tinha a seu cargo a feitura de camisas para os livros.

58 B.N.P., IL. 152, fls. 61, 62.

59 B.N.P., IL. 152, fl. 62v.

60 Idem, fls. 54, 54v.

61 Cf. Conde; Palma, 2018.

62 Linho, lã, algodão, cardas, sedeiro, rocas, fusos, agulhas, dedais, teares e canelas.

63 A alusão a este instrumento tem várias grafias no documento: cimbãa, cimballo, zimbam. Para o P. Raphael Bluteau (1712-28, vol. II, p. 314), «Cimbalo. Cîmbalo. Instrumento musico. Especie de cravo, mayor que os ordinarios.(...) metal que soava e Cimbalo que tinia. (...)». 

64 B.N.P., IL. 152, fl. 15.

65 Idem, fl. 83.

66 A refeição era acompanhada de leitura efectuada pela leitor da mesa, observada atentamente quanto a acentos, pontuações, e à própria percepção do texto em especial pela corrector da mesa; lendo de forma pausada, em cadeira colocada em local onde pudesse ser vista pela maior parte da comunidade, devia identificar (livro, capítulo) o que lia. A leitor deveria transportar consigo o livro, analisá-lo para não ter dúvidas ou para detecção de falsidades (mostrando-o à corrector), marcando-o no final da lição para saber onde haveria de o retomar (até se coloca a hipótese de colocar um sinal de cera no fólio –marcador diegético). A corrector selecionava, com a prelada, as leituras (qual o livro e em que tempo se deve ler – ao jantar, normalmente a Bíblia; às vigílias, festas e dias principais – como as rogações – podiam ler-se as Paixões, homilias ou sermões dos santos, e em dia de Endoenças os tronos de Jeremias ou sermões devotos da Paixão), ficando responsável pelos livros enquanto necessários, livros esses que devia verificar e corrigir, assegurando-se que a Casa possuía obras que ensinassem o modo de acentuar e pronunciar a gramática e as correções da Bíblia, para assegurar um bom desempenho do seu ofício.

67 A sacristã deveria ainda prover na sacristia vestimentas, candeias e livros necessários para a missa; não escapam à descrição minuciosa das Constituições a referência a outros objetos que deveriam estar presentes na sacristia, como o “avanadoiro” em tempo de moscas, ou pentes para compor os cabelos e tesouras para cortar unhas (especialmente para a unção das irmãs doentes).

68 B.N.P., IL. 152, fls. 65, 65v.

69 Idem, fls. 65v., 66.

70 Idem, fl. 177. Estando na parte da explicação da Regra, repare-se no uso do masculino (o que os pedir).

71 Sobre as questões da prática musical pós-tridentina, particularizando os cenóbios femininos, cf. especialmente Monson, 1995, 2002, 2006; Harness, 2008; García-Ferrer, 2004.

72 Sanhuesa Fonseca, 2004.

© Publicações do Cidehus, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search