Version classiqueVersion mobile

Bibliotecas Universitárias: diálogos transatlânticos

 | 
Luiza Baptista Melo
, 
Tatiana Sanches

Prefácio

Maria Imaculada Cardoso Sampaio

Texte intégral

1Uma imensa honra prefaciar o livro «Bibliotecas Universitárias: diálogos transatlânticos». As editoras, Luiza Baptista Melo e Tatiana Sanches, são duas profissionais de destaque na área da Biblioteconomia em Portugal. Investigadoras reconhecidas por suas contribuições na área da Ciência da Informação e Documentação, não mediram esforços para apresentar à sociedade essa interessante conversa entre autores portugueses e brasileiros. Cada capítulo lido foi uma agradável surpresa.

2Muito oportuno discutir as bibliotecas universitárias na atualidade, quando o Google Acadêmico vai reunindo e entrelaçando a boa, e a não tão boa, produção científica gerada no mundo. O Google Books também vai disponibilizando livros e partes de livros sobre todos os temas, novos e antigos, em uma voraz intenção de se tornar a nova Biblioteca de Alexandria, agora no espaço virtual. Parceiro ou rival? Mocinho ou vilão? O que esperar desse que se assemelha a um grande oráculo, mas que tem dificuldades em avaliar, com precisão, seu tamanho, ou não quer reconhecer que sua dimensão flutua significativamente Gusenbauer (2019). O autor citado relata que sua pesquisa, que compara os tamanhos de 12 mecanismos de busca e bases de dados, pode ter subestimado o tamanho do Google Acadêmico em mais de 50%. Com mais de 389 milhões de registros trata-se do mais abrangente motor de busca acadêmico. Não é apenas seu tamanho que gera polêmica, a qualidade da informação indexada também merece atenção. As bibliotecas universitárias, juntamente com as bases de dados e portais institucionais, são grandes provedoras da informação nele disponível. Entretanto, é preciso trabalhar junto ao buscador para imprimir maior qualidade e consistência ao conhecimento ali divulgado. Mas, não parece tarefa fácil. Ficamos estupefatos diante do poder do buscador.

3Na Idade Média, a criação das Universita Studii também deve ter causado estranhamento. Lembremos que era a Igreja que dava as regras na Europa. Oxford, na Inglaterra é apontada como a primeira Universita Studii, fundada em 1214. No mesmo século, em 1290, Portugal inicia suas atividades acadêmicas (Veiga, 2007). Junto com o nascimento dessas universidades, as bibliotecas surgiram. Não era possível pensar na transmissão do conhecimento sem os maravilhosos livros escritos à mão e reproduzidos em papel da China. O Brasil ainda era uma terra desconhecida, habitada pelos indígenas, que tinham outras prioridades na vida. Essas eram, basicamente, sobreviver em uma terra tão selvagem. Aprendemos na escola que os índios, antes da colonização, viviam da pesca, caça, extrativismo e alguma agricultura. O capítulo tão bem escrito por Iolanda Silva detalha a criação do ensino superior em Portugal e no Brasil, mostrando a relevância da biblioteca e sua missão, no passado e no presente das academias. Os diálogos transatlânticos não eram possíveis naquele tempo.

4Em termos de Brasil, a primeira biblioteca chegou junto com a família real, em 1808, a chamada Biblioteca Real Portuguesa, também explicada no capítulo escrito por Iolanda. Hoje, o acervo real faz parte da Biblioteca Nacional, que fica no Rio de Janeiro. Com a chegada da corte começam a ser criados os cursos de nível superior, iniciados na Bahia, Em Portugal, nessa época, apesar de já existirem as universidades de Coimbra e Évora, as invasões napoleônicas impossibilitaram o bom andamento dessas instituições. Eram tempos bastante difíceis nos dois lados do Atlântico e os diálogos eram entrecortados.

5Acompanhando a evolução das universidades, as bibliotecas universitárias se desenvolveram e criaram produtos e serviços que, cada vez mais, buscavam se aproximar das necessidades dos usuários/utilizadores. Iolanda Silva discorre com maestria como foi esse avanço.

6E, chegamos na era virtual, a construção de repositórios e portais de revistas em acesso aberto contam, quase sempre, com a parceria da biblioteca e dos bibliotecários. Webometrics, iniciativa do Cybermetrics Lab, grupo de pesquisa pertencente ao Conselho Superior de Investigação Científicas da Espanha, todos os anos apresenta o ranking dos repositórios e portais em acesso aberto. Neste ano de 2020 (http://repositories.webometrics.info/​en/​transparent) encontramos que o Repositório Digital da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil, aparece em 17a posição. Em Portugal, temos o Repositório da Universidade do Minho, o Repositorium, em 70o lugar. São 2916 repositórios avaliados. Quando observamos os portais, vemos o SciELO Brasil em 10o lugar e o SciELO Portugal na posição 61a. O SciELO foi a primeira inciativa de acesso aberto no mundo e segue como uma das mais valorizadas ações para a democratização do acesso ao conhecimento científico. O projeto nasceu no bojo da conhecida BIREME (Biblioteca Regional de Medicina), que em 1967, graças a um acordo em defesa do acesso aberto da Universidade Federal de São Paulo e Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS). Notamos o protagonismo das bibliotecas nessa questão. Vale lembrar que os rankings webometrics coletam dados do Google Acadêmico e quanto mais informação um repositório, ou portal, dispobilizam, maior é a chance de serem citados, logo, melhor posicionamento nesses organismos. Muitos bibliotecários trabalham incansavelmente para alimentar essas fontes de informação. É desse aspecto que trata o capítulo de autoria de Jorge Revez, que apoiado em uma revisão de literatura, mostra como a ciência mudou, ao ter seus textos abertos na Internet. As bibliotecas se transformaram para acompanhar tamanha revolução.

7O tema do acesso aberto convida a chamada do capítulo escrito por Nanci Oddone e Cláudio França, que utilizaram o Google Acadêmico para coletar dados e analisar os indicadores de internacionalização de livros publicados pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Os autores argumentam, com muita propriedade, que é urgente avaliar quantitativamente os livros digitais em acesso aberto publicados no Brasil e foram a campo buscar dados para tanto. Não vou estragar a surpresa do querido leitor, veja lá os resultados obtidos. Esses nos mostram que, para conseguirmos a tão sonhada internacionalização, o diálogo precisa se expandir para além das margens atlânticas.

8Para medir o impacto de citação, as medidas estatísticas, muito bem abordadas por Luiza Baptista Melo, atendem perfeitamente. Em se tratando de avaliar as bibliotecas a autora é enfática. «Mas as quantificações não significam avaliações.» Dados numéricos demostram apenas os eventos bem sucedidos e os números, por si só, já não dizem mais nada. Contar dados de citações para os repositórios e portais parece adequado no momento, principalmente pelo poder que o Google Acadêmico ganhou nos últimos tempos. Pesquisadores e universidades também são avaliados por essas métricas. Entretanto, quando falamos de avaliar o impacto e o valor das bibliotecas, não basta o fator de impacto utilizado na webometria. São necessários sistemas complexos para medir a qualidade dos produtos e serviços. Foram anos e anos de experimentações para se obter mecanismos capazes de monitorar e acompanhar o desempenho do portifólio de produtos e serviços oferecidos à comunidade, como podemos observar no capítulo escrito por Luiza. Os diálogos, as margens do Atlântico, e toda a produção científica mundial, merecem avalições mais robustas, não limitadas aos dados quantitativos.

9Toda essa discussão nos remete ao capítulo de autoria de Deise Lourenço de Jesus e Murilo Bastos da Cunha, que tratam de «proposição de métricas que mensurem o nível tecnológico de bibliotecas universitárias.» Peço licença aos autores e ao leitor para discutir, brevemente, uma das instigantes perguntas do questionário de avaliação: «A Biblioteca participa ativamente das atividades de ensino, pesquisa e extensão da instituição? Seja participando de reuniões, fazendo propostas, apresentando estudos realizados dentro da biblioteca?». Participar ativamente das atividades acadêmicas me leva a pensar em como os bibliotecários estão atuando junto aos professores para capacitação dos alunos. Ora, não estou falando de capacitação para o uso das fontes de informação, isso já é oferecido há muito tempo. Penso em algo que prepare o estudante para, efetivamente, usar o conhecimento obtido nas publicações recuperadas e gerar textos publicáveis. Todos sabemos as dificuldades dos alunos em preparar projetos de pesquisas, escrever artigos e produzir o temido Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). As bibliotecas, ao oferecerem cursos de como preparar o texto científico, estarão promovendo um serviço de extrema necessidade, capaz de auxiliar no registro da ciência com mais qualidade. Como a Deise e o Murilo dizem, o bibliotecário precisa aprender a aprender, pois só assim poderá ensinar. É preciso buscar conhecimentos para conduzir os estudantes nos «meandros da escrita académica (...)» (Pinto, 2018).

10Encerrando os notáveis diálogos, Tatiana Sanches nos chama a «Preparar a âncora para navegar». Sim Tatiana, é urgente retirar a âncora de uma vez por todas e navegar totalmente nas ondas da Internet. Ao profissional da informação cabe refletir sobre o equilíbrio das bibliotecas universitárias e o seu papel nesta sociedade cibernética, como você bem escreveu. A palavra de ordem é inovar. O que a autora aponta como futuro para as bibliotecas universitárias de Portugal pode, e deve, ser expandido para as bibliotecas do Brasil, quiçá de outros países. Assim, observemos as «Recomendações para as Bibliotecas do Ensino Superior» exaustivamente analisadas por Tatiana e aproveitemos os «(...) ventos de mudança (...)» para trilhar novos caminhos em busca de uma atuação profissional condizente com o momento. São tempos de desafios e as bibliotecas podem emergir como parceiras, e não apenas colaboradoras no processo de formação acadêmica.

11Recomendando fortemente o livro: «Bibliotecas Universitárias: diálogos transatlânticos» encerro este prefácio com vontade de voltar aos capítulos e discutir mais com os autores. Quanto conhecimento ofertado. Aproveitemos! E para finalizar, já que estamos falando de diálogos transatlânticos, convido o leitor para se deliciar com o poema de Vinicius de Moraes «Saudades do Brasil Em Portugal». Dizem que se trata de um fado. Se quiserem conferir o engraçado sotaque de Vinicius ouçam a gravação no endereço que segue as estrofes,

O sal das minhas lágrimas de amor
Criou o mar que existe entre nós dois
Para nos unir e separar
Pudesse eu te dizer
A dor que dói dentro de mim
Que mói meu coração nesta paixão
Que não tem fim
Ausência tão cruel
Saudade tão fatal
Saudades do Brasil em Portugal

Meu bem, sempre que ouvires um lamento
Crescer desolador na voz do vento
Sou eu em solidão pensando em ti
Chorando todo o tempo que perdi

12Letra e música disponível em: https://www.letras.mus.br/​vinicius-de-moraes/​86592/​

Bibliographie

GUSENBAUER, M. Google Scholar to overshadow them all? Comparing the sizes of 12 academic search engines and bibliographic databases. Scientometrics,118:1 (2018) 177-214.

PINTO, M. G. L. C. Os meandros da escrita académica. Alguns recados aos estudantes universitários. Revista Linha d’Água, 31:1 (2018) 9-27. Disponível em https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/111454

VEIGA, C. G. História da Educação. São Paulo: Ática, 2007.

© Publicações do Cidehus, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search