Version classiqueVersion mobile

Paisagens sonoras históricas

O património. Acervos e património organológico

A Banda Marcial da Foz do Douro

Marisa Pereira Santos

Résumé

Cada passo dado na marcha marcada e contínua de uma procissão é definido pela sonoridade das melodias tocadas pelos instrumentos de sopro e pelo ritmo assinalado pelas baquetas nos bombos. Estes momentos contribuem para a identificação da paisagem sonora no território da Foz do Douro, que em tempos acolhia diversas procissões durante todo o ano, como a Procissão do Nosso Senhor dos Passos ou o Cortejo dos Trajes de Papel de São Bartolomeu. O momento em que uma banda se junta ao festejo processional contribui para a construção de uma identidade coletiva, associada a ritos e a práticas religiosas e civis. De facto, desde 9 de maio de 1883, a Banda Marcial da Foz do Douro, fundada pelo Abade Moura e por Joaquim Santos, participa ativamente nas manifestações culturais que decorrem no espaço da Foz. Assim, pretendemos compreender de que forma a atividade desta banda contribuiu para o desenvolvimento cultural do território em estudo, através da sua assídua participação nas Festas de São Bartolomeu, mas também pelo reanimar, através da memória dos mais velhos e pelas fontes iconográficas recolhidas, das procissões que animaram, em tempos, a comunidade local.

Note de l’auteur

O presente artigo encontra-se integrado na investigação de doutoramento intitulada «S. João Baptista da Foz Douro: Território, Devoção e Práticas Religiosas e Culturais (Sécs. XV-XX)», financiada com uma bolsa de doutoramento da FCT: SFRH/BD/145807/2019.
O artigo é redigido segundo o novo acordo ortográfico.

Texte intégral

Considerações prévias

1Cada passo dado na marcha marcada e contínua de uma procissão é definido pela sonoridade das melodias tocadas pelos instrumentos de sopro e pelo ritmo assinalado pelas baquetas nos bombos. O momento em que a banda é apresentada à população neste tipo de atos devocionais denota a sua integração e importância enquanto agente cultural dentro da comunidade, mas também se afirma como o culminar de todo um trabalho prévio de aprendizagem musical.

2A integração destes conjuntos dentro de atos devocionais pode ser explicada pela ação que a Igreja Católica teve na afirmação destas associações no meio cultural, social e musical português, no geral, e nas comunidades locais, em particular. É ainda de referir a importância da música na paisagem sonora do momento processional, associando-se ao toque dos sinos.

3O calendário litúrgico é pautado por um grande número de festividades religiosas em honra de Cristo, da Virgem e dos Santos. A procissão é o palco de uma cenografia criada pela movimentação das imagens devocionais que são transportadas processionalmente pelas ruas para verem e serem vistas. Neste contexto ocorre a criação de uma paisagem efémera, pautada pelas cores das flores e das opas das confrarias; pelo brilho da prata das alfaias empregues; pelos crentes que se juntam para ver a procissão passar e que recitam as suas preces e orações e pelo incenso aspergido. Associada a este espetáculo visual está a necessidade de ativação do sentido da audição, com o toque dos sinos, que avisavam da saída e entrada da procissão dentro do templo; e com a música, que acompanhava cada passo dado pelos crentes num caminho processional que permitia a remissão dos pecados individuais.

4Temos assistido, nos últimos anos, a uma valorização do estudo sobre Bandas Filarmónicas, nomeadamente no que diz respeito aos âmbitos da educação musical, da antropologia e do património sonoro. Exemplo disso são estudos e obras como: The Anthropology of Music (1964) de Alan Merriam; World Music – A Very Short Introduction (2002) de Philip Bohlamn; A Banda da Terra: Bandas Filarmónicas and the performance of place in Portugal (2005), de Katherine Brucher; As Bandas Filarmónicas enquanto Património: um estudo de caso do concelho de Évora (2007), de Susana B. Russo; Os Sons da Memória. Notas sobre o percurso histórico e envolvimento social da Sociedade Euterpe Alhandrense 1862-1962 (2007), de Cristina Amaral; A Banda Filarmónica como Associação e meio de Animação Sociocultural: Estudo de caso da Banda de Amares (2013) de Ana Lemos; A Importância Histórica, Educativa e Cultural das Bandas Filarmónicas em Portugal (2014) de Rui Pereira; Crescer… com as Bandas Filarmónicas (2017), de Isabel Pereira e À sombra de um passado por contar: Banda de Música de Santiago de Riba-UI (2018) de Helena Lourosa.

5Ao longo da nossa investigação constatamos que, até ao momento, não existem estudos que se debrucem sobre a centenária Banda Marcial da Foz do Douro, que ainda hoje desempenha ativamente o seu papel de agente cultural dentro do território da Foz do Douro. Neste sentido, a nossa investigação é apoiada nas notícias publicadas no periódico regional O Progresso da Foz, cuja publicação de artigos alusivos à banda se intensificou a partir da segunda metade do século XX, bem como no contacto direto com o Sr. António Freches, membro da direção da banda, que nos contextualizou a diacronia deste agrupamento musical apoiando-se na tradição oral, passada de geração em geração. Devemos ainda referir a consulta de documentação do Arquivo Paroquial da Foz do Douro (A.P.F.D) pertencente à Confraria do Senhor dos Passos (CSP), datada dos séculos XVIII e XIX, que contribuíram para a compreensão da Procissão do Senhor dos Passos, bem como do Arquivo Privado da Família Picarote (A.P.F.P.), com documentos do séc. XX, que auxiliam o estudo sobre o Cortejo dos Trajes de Papel de São Bartolomeu.

6Neste artigo, não pretendemos efetuar uma análise musical do repertório utilizado pela Banda Marcial da Foz nas suas apresentações. Procuramos compreender de que forma a atividade da banda contribuiu para o desenvolvimento cultural do território em estudo, através da sua assídua participação nas Festas de São Bartolomeu, mas também na procissão do Nosso Senhor dos Passos, que animou, em tempos, a comunidade local.

As Bandas Filarmónicas

Considerações sobre a sua evolução histórica

7 As Bandas Filarmónicas são um fenómeno à escala nacional que contam com mais de dois séculos de existência. Face à sua longevidade e ao seu carácter comunitário, estas estruturas associativas tornam-se, elas próprias, elementos identitários de um território e da comunidade que o habita. Como nos refere Helena Lourosa «(…) compreende-se que quanto mais antigo for o grupo, mais prestígio terá, já que pode ser considerado pelos seus congéneres o portador de um modelo para grupos mais novos e, portanto, uma referência na construção do paradigma de banda filarmónica» (LOUROSA, 2012, 25).

8 Este agente cultural que se começa a organizar como hoje o conhecemos a partir do século XIX, tem raízes e influências muito anteriores. É no séc. XII que surgem, na Europa, grupos de sopro civis constituídos por charamelas e trompetes e tambores. Estes grupos desenvolvem-se em paralelo com o progresso técnico dos instrumentos e com o apoio de mecenas. «O surgimento destes grupos de cidade deveu-se à queda dos regimes feudais e à mudança do sistema político que favoreceu a burguesia» (LOUROSA, 2012, 44).

9 Ao longo dos séculos passaram a prestar serviços requisitados para danças, procissões, banquetes e outros eventos patrocinados pelas cortes ou pelas instituições religiosas. Muitos dos músicos, que tocavam flauta, trompete, gaita de foles e charamela, eram designados de menestréis. Estes poderiam ser menestréis errantes ou menestréis de honra. Estes últimos eram instrumentistas que se encontravam sob a alçada de um patrono. Estes músicos foram os protagonistas nas trocas de repertório entre as escolas de menestréis, scolae ministralorm, com ação entre os séculos XII e XV. Para que os direitos desta categoria estivessem assegurados foram criadas corporações, destacando-se a primeira a Nicolai-Brüderschaft de Viena, fundada em 1288 e considerada o antecessor direto da Filarmónica de Viena. (LOUROSA, 2012, 45-46). Segundo Gerhard Doderer constata-se a: «(…) existência de conjuntos de instrumentistas de sopro de madeira/ metal na corte portuguesa desde o séc. XIV, em forma de capelas da “música alta”, com o uso de charamelas, bombardas, sacabuchas que coexistiam com os trombetistas (…)» (DODERER, 2005, 21).

10Apesar da importância de que gozavam estes grupos de sopro constata-se um afastamento deste gosto perante a afirmação de grupos de cordas no seio das cortes. Contudo, o aparecimento do oboé, denominado de hautbois, deu um novo impulso a esta realidade musical, permitindo a ocorrência de alterações estruturais dos ensembles de sopro, e o desenvolvimento de repertório próprio, como é o caso de Fireworks Music (1749) de Heandel.

11 É também no início do século XVII que os instrumentos de percussão, como bombos e pratos, começam a afirmar-se no seio das bandas europeias, numa clara influência dos ensembles turcos. Esta inclusão permanente levou a que se aumentasse o número de instrumentos de sopro, assegurando que as composições tocadas eram audíveis (LOUROSA, 2012, 47-48).

12 A grande mudança dá-se no séc. XIX, período particularmente conturbado para a Europa e para Portugal, em particular. As consequências decorrentes das Invasões Francesas (1807-1810), a partida da Família Real Portuguesa para o Brasil e a insurreição dessa colónia, que assentavam numa forte instabilidade política e económica, levou a que tudo culminasse numa guerra civil entre liberais e absolutistas (1828-1834) (RUSSO, 2017, 39). Terminada a guerra e perante a subida ao poder dos liberais, assistimos à formação de uma conjuntura que permitiu a formação de filarmónicas, que para além de meios de difusão cultural e musical afirmaram-se enquanto agentes de transmissão de valores morais e políticos. Assistimos à ascensão económica e social da burguesia, ao desenvolvimento da noção de lazer e à crescente importância dada à educação e formação (BERNARDO, 2001, 14).

13 A Extinção das Ordens Religiosas (1834) levou a que as formações musicais anexas às instituições monásticas entrassem em decadência, tornando-se necessária a contratação de grupos musicais para as celebrações. Este facto poderá explicar o motivo de existir, recorrentemente, a figura de um sacerdote como membro fundador destes grupos, como é exemplo a Banda Marcial da Foz do Douro.

  • 1 Esta fora a sua segunda tentativa de introduzir em Portugal a fundação desta sociedade, uma vez que (...)

14O crescente gosto por conjuntos musicais, principalmente a partir da segunda metade do século XIX, deve-se em grande medida à ação de João Domingos Bomtempo, que em 18221 funda a Sociedade Filarmónica de Lisboa, à semelhança da Royal Philharmonic Society de Londres, fundada em 1812/1813 (RUSSO, 2007, 46-47). Bomtempo acreditava que existia uma grande lacuna no panorama cultural musical português, incentivando através desta Sociedade o contacto com a música instrumental erudita. Eram promovidos, periodicamente, concertos de pequenos grupos de música de câmara, muitas vezes constituídos por músicos amadores de famílias abastadas, generalizando-se o gosto por este tipo de espetáculos. Para a assistência aos concertos da Sociedade Filarmónica era necessário o pagamento de cotas e entradas, ou seja, eram performances direcionadas a um público mais abastado. Com o aparecimento de Bandas Filarmónicas a população em geral passa a ter acesso a concertos gratuitos (LOUROSA, 2012, 75).

15Neste contexto, considera-se que Bomtempo foi o responsável pela introdução do gosto de musical orquestral em território nacional. Após a criação da Sociedade Filarmónica, Lisboa assistiu ao surgimento de outras como a Sociedade de Concertos Populares (Lisboa 1860) e Real Academia dos Amadores de Música (1884). Estavam então reunidas as condições sociais e políticas para a criação e desenvolvimento das Bandas Filarmónicas em contexto português.

As Bandas Filarmónicas: designações

16Para compreendermos as denominações utilizadas para designar estes agrupamentos musicais, partimos da análise elaborada por Helena Lourosa. Segundo a autora, no início do século XIX, no contexto europeu, a palavra banda como denominação de agrupamentos musicais civis generalizou-se. «(…) no nosso país, é sobretudo no início do século XX que aparecem referências escritas a estes agrupamentos designando-os como bandas» (LOUROSA, 2012, 68). Atualmente diz respeito a um grupo musical que agrega instrumentos de sopro e de percussão.

17 É também comum ouvirmos a denominação de filarmónica. Etimologicamente deriva do grego philo, que significa harmonia, ou seja, combinação de sons. Em última instância este conceito pode ser interpretado como «aquele que ama a música». No contexto nacional, a palavra filarmónica está associada a grupos civis de sopro e percussão, constituídos maioritariamente por músicos amadores, que se reúnem em Bandas Filarmónicas (LOUROSA, 2012, 74). A palavra filarmónica pode substituir a palavra sinfónica, remetendo assim para orquestras, nomeadamente nos casos das Filarmónicas de Viena e de Berlim.

18No caso particular da Banda da Foz do Douro, o termo utilizado para a sua designação é Marcial. Esta palavra vem do latim «martialis» que deriva de «Martis» ou Marte, deus romano da guerra, dizendo respeito ao universo militar. Não nos podemos esquecer da afinidade que os agrupamentos civis de música, designados por bandas, fanfarras ou filarmónicas, tinham com as bandas militares, nomeadamente ao nível dos padrões de ensino, repertório, fardamento, performance e movimento de marcha utilizado nas arruadas. Helena Lourosa refere que «Ao longo do século XIX estabeleceu-se progressivamente uma relação de maior cumplicidade entre as bandas filarmónicas e os agrupamentos militares. A este nível, um dos aspetos mais visíveis traduz-se na adoção do fardamento, cujo uso se regista ainda no século XIX por alguns grupos» (LOUROSA, 2012, 106). Na sua grande maioria, as Bandas Filarmónicas continuam a fazer uso de uniformes mais simplificados, que se afastam um pouco do fardamento militar. Podem não envergar colete, chapéu ou gravata ou em alguns ambientes mais lúdicos podem tocar sem casaco. Susana Russo aponta como motivo para a adoção de um uniforme por estes agrupamentos musicais questões sociais e solenidade da banda. «O traje permitia uma uniformização de todos os músicos, fossem eles de um estrato social mais baixo ou mais alto e, por sua vez, dava um carácter de distinção à banda (…)» (RUSSO, 2017, 56).

19As Bandas Filarmónicas diferenciam-se das Bandas Militares também pelo número de participantes de cada naipe. Estas últimas, «têm estipulado por lei o número máximo de instrumentos que devem fazer parte de cada naipe e o número máximo de categorias, no que toca às filarmónicas não existe este rigor, sendo na maioria das vezes o maestro quem decide que naipes devem ser reforçados, em função da situação da banda, ou da facilidade do músico para tocar instrumentos de bocal ou de palheta» (RUSSO, 2017, 57).

20Segundo António Freches, atual responsável pela Banda da Foz,

«A palavra “Marcial” neste caso não está ligada a um sentido militar/guerra mas sim a marcha, desfile. Na altura em que foi fundada, era costume as bandas usarem a palavra marcial no seu nome, apesar de tanto tocarem na rua como em coretos. Ao contrário dos Estados Unidos e alguns países da Europa, não existe a separação em termos de objectivo (e estrutura também): as “marching band” para desfiles e as “concert band” para atuarem em palcos. As nossas bandas adaptam-se e fazem tudo» (Entrevista a António Freches, Foz do Douro, abril 2020).

21A tradição oral confirma que, em tempos fundacionais, o nome da banda terá invocado o padroeiro da freguesia, sendo conhecida como Banda Marcial de S. João da Foz do Douro. Tal facto poderá ser explicado pela ação do Pároco José Moura na fundação deste agrupamento musical. Desconhecemos a data em que se terá retirado o nome do orago da designação da banda.

Da comunidade e para a comunidade: A Banda Marcial da Foz do Douro

22No século XIX é dada uma maior atenção à construção da noção de defesa dos direitos de trabalho, associação, assistência na doença, convívio e liberdades fundamentais individuais. Estas noções foram sendo, pouco a pouco, introduzidas no quotidiano das populações que se tornaram palco do movimento associativo. Existiu então uma necessária «redefinição da identidade individual perante o coletivo e de satisfação de novas necessidades» (RAMOS, 1991, 14).

23As primeiras associações de meados do século XIX afirmavam-se como espaços de lazer para encontro da elite, onde decorriam tertúlias e saraus musicais. Posteriormente, no final do século XIX, a crescente tomada de consciência dos direitos e liberdades de todas as classes sociais, nomeadamente a trabalhadora, levou à formação de associações que agregavam diferentes estratos da sociedade. Estas coletividades, que se desenvolviam tanto mo meio rural como urbano, promoviam atividades nas áreas da música, teatro, desporto e ensino. Transformaram-se na «base estruturadora de uma nova sociedade, da almejada civilização a que o progresso material e moral conduziria» (Bernardo, 2001, 14-15), afirmando-se como espaços de cariz lúdico, de convívio, partilha e aprendizagem, onde se estabelecem «redes de relações familiares, sociais e até políticas» (RUSSO, 2007, 42-44).

24 Perante este panorama cultural e social, e face ao empenho na divulgação do conhecimento musical entre várias gerações, géneros e estratos sociais, muitas bandas passaram a ser detentoras do estatuto de associações de interesse público (LOUROSA, 2012, 101). Assim, em território português apresentam-se como um agrupamento versátil, constituindo-se por instrumentos da família de sopros e percussão, onde convivem indivíduos de todas as idades, géneros e classes. Na sua fundação encontram-se tanto sujeitos com ação profissional nas áreas da religião (padres), ensino (professores) e saúde (médicos), como também indivíduos de instrução mais básicas, o que ocorre frequentemente em meio rural.

25A Banda Marcial da Foz do Douro insere-se neste panorama. Este agrupamento musical teve a sua fundação a 9 de maio de 1883, apresentando-se como uma associação sem fins lucrativos. Foi «Joaquim António Santos e o Rev. Pároco José dos Santos Ferreira Moura» que, em conjunto, fundaram a Banda. (S. A, nov. 1979, 5). Torna-se difícil traçar uma evolução pormenorizada desta banda devido aos parcos registos que nos chegaram. António Freches explica-nos em entrevista que:

«Pelo que sei, a banda só conseguiu uma sede na década de 40 no século passado, onde se encontra desde então. (…) Pela situação descrita em cima e também por nunca ter havido o cuidado de arquivar/guardar documentos, o que chegou até aos dias de hoje é muito pouco. Temos na nossa sede algumas fotos e algumas atas de reuniões, mas estas só a partir dos anos 70» (Entrevista a António Freches, Foz do Douro, Abril 2020).

26 Em 1979, o jornal local O Progresso da Foz dá conta da dificuldade de recolha de documentação existente sobre os primeiros anos da banda, chamando a atenção para a necessidade de se escrever a sua história e se registar as suas atividades: «A Banda, com quase 100 anos de existência, está nestas condições, sendo extremamente difícil, senão impossível, recolher dados para um curto bosquejo dos seus primeiros 30 anos» (S. A, dez. 1979, 5).

Figura 1 – Banda Marcial da Foz do Douro. Séc. XIX

Figura 1 – Banda Marcial da Foz do Douro. Séc. XIX

Autoria desconhecida, disponível em: http://www.bandadafoz.com/​Historial/​

27É através de registos fotográficos que temos contacto com a realidade deste agrupamento nos seus primeiros anos de existência. Ao observarmos a figura 1 constatamos a presença de vinte e oito elementos fardados, ao centro, dispostos em escada, e três homens não fardados, dois em primeiro plano do lado esquerdo e um do lado direito. Aos pés dos elementos da banda, dispostos na primeira fila, encontramos breves apontamentos dos instrumentos usados, nomeadamente trompas. A seta, elemento adicionado sobre a prova digital visionada, aponta para um dos fundadores, Joaquim António dos Santos. Atentemos ao facto de apenas serem admitidos homens. Atualmente a banda é composta por sessenta e um executantes mais o maestro, figura 2, constatando-se uma clara evolução em número. A participação é aberta a qualquer indivíduo, homem ou mulher, independentemente da idade.

Figura 2 –Atuação da Banda Marcial da Foz do Douro no Cortejo de São Bartolomeu de 2019

Figura 2 –Atuação da Banda Marcial da Foz do Douro no Cortejo de São Bartolomeu de 2019

Marisa Santos

28Desde a sua fundação que a banda está revestida de um forte caráter geracional. «Inúmeras famílias ficaram ligadas a ela desde os primeiros tempos, passando-se o facho da mão de pais para filhos e destes para os netos… Estamos a lembrar-nos dos Santos (Pasteleiros), Reis (Padeiros), Marques (Pacharras), Penedas, Coelhos (…)» (S. A nov. 1979, 5). Compreendemos que existe «um pendor familiar e um gosto pela música que se transmite de geração em geração.» (PINTO, 1997, 5)

29Na década de 90 do século passado, José Nelson, à época membro da banda, explicava em entrevista a Raúl Pinto o motivo para esta permanência familiar: «Funcionamos como um grupo de 20 amigos e com uma mística própria (os filhos aprendem música e depois trazem os pais e estes, claro, acabam por ficar «presos» à Banda) (…)» (Cit. PINTO, 1997, 5)

30Segundo a tradição oral, que perdura não só no seio da banda como também na memória da comunidade da Foz do Douro, ainda hoje são lembrados alguns nomes de membros e famílias que tiveram uma grande ação na proteção e valorização da ação cultural deste agrupamento. Durante mais de um século de existência, alguns nomes como «Figueiredo» e «Picarote» são presença assídua nas conversas sobre a banda. Segundo consta «Durante muitos anos falar da banda era falar de Picarote, e falar deste era falar na banda. Eram inseparáveis.» (S. A, nov. 1979, 5)

31A Banda Marcial da Foz do Douro tornou-se assim numa casa onde habitam diferentes gerações, diferentes géneros e distintas formas de pensar, que partilham entre si o gosto pela música e pela cultura, fomentando o desenvolvimento intelectual assente no espírito de entreajuda.

A Banda Marcial da Foz: Ação Pedagógica

32As bandas filarmónicas organizam-se em associações musicais/culturais. Promovem o ensino musical, o convívio e a participação social; a ocupação de tempos livres através da difusão cultural; a preservação da identidade local e a valorização das tradições locais. Dá-se uma democratização do acesso à música e à cultura, não só através do ensino como da apresentação da banda à comunidade em eventos de caráter social, civil ou religioso, influenciando a criação de novos públicos e a consequente valorização identitária da comunidade, que se refere ao grupo musical como seu.

33Apesar de estar associada à Banda Marcial da Foz, desde a sua fundação, uma ação pedagógica, segundo os testemunhos recolhidos, só na década de 80 do século passado é que a banda conseguiu um espaço para ensaios e consequentemente montar a escola de música que lhe está associada. Durante muito tempo «as aulas funcionavam em casa de alguns músicos mais antigos» e os «(…) seus membros, apenas se encontravam nos ensaios (…) em instalações de padarias e drogarias da freguesia (…)» (Entrevista a António Freches, Foz do Douro, abril 2020). Para além da dificuldade em encontrarem um espaço para a escola e para ensaios, durante a sua diacronia, a Banda da Foz foi sentindo igual dificuldade na aquisição de novos instrumentos. (S.A, nov. 1979, 6-7).

34 Segundo notícia publicada em 1980, intitulada Prelúdio da comemoração do 1º Centenário da Banda, terá sido nesta época que ocorreu a cedência de um prédio na Rua Padre Luís Cabral para se tornar a sede do agrupamento:

«Coube a uma comissão constituída (…) o grato encargo de entregar por deliberação da Assembleia Geral da extinta Associação de Socorros Mútuos da Foz do Douro à Junta de Freguesia o prédio onde está instalada a Banda Marcial na Rua Padre Luís Cabral, 1167. Foi uma doação morosa (…). Por seu turno a Junta de Freguesia, (…), considerando o longo historial da Banda, as dificuldades que se lhe têm deparado e o grande interesse que esta instituição tem para a nossa terra, deliberou conceder-lhe o usufruto do prédio para as suas actividades estatuárias, criação e manutenção de uma escola de música e criação de um pequeno museu onde sejam recolhidos os instrumentos e os demais pertences que o uso vai obrigando a pôr de lado. (…)» (S. A, 1980, 8).

35 Só na segunda metade do século XX é que ocorre, efetivamente, a formação da Escola de Música da Banda Marcial da Foz, pela ação de Manuel Ferreira dos Santos e Joaquim Ferreira dos Santos, netos do fundador Joaquim António dos Santos. Atualmente, o ensino é considerado gratuito, sendo apenas pedido que «o aluno ou o encarregado de educação (se for o caso), se inscreva como sócio da banda e pague uma cota suplementar para frequentar a escola» (Entrevista a António Freches, Foz do Douro, abril 2020).

36Face à dedicação do corpo associativo as dificuldades foram ultrapassadas. Num artigo sobre os 114 anos da Banda da Foz, Raul Simões Pinto conta:

«(…) Ao seu estoicismo e imprescindível apoio se deveu o alicerçar desta Associação, cujos frutos são demais evidentes na obra já realizada em prol da arte musical, objectivo que norteou a sua fundação. Com a colaboração de várias direcções, que ao longo dos anos dedicaram o seu carinho e esforço na manutenção desta Associação, foram os diversos regentes, João Picarote, Joaquim Nunes, Júlio Machado, Luís Coelho, Luís Pestana, Francisco Rodrigues, Luís Gonzaga, Carlos Lopes, etc. etc., e actualmente Manuel Moreira Pereira Alves, dando expressão ao objectivo artístico para que os estatutos apontam, tornando-se a Banda Marcial da Foz do Douro num verdadeiro alfobre de bons músicos. Com o funcionamento permanente da sua escola de música cujo ensino é totalmente gratuito, tem a Banda Marcial da Foz conseguido manter o seu nível artístico sempre bom e renovado» (PINTO, 1997, 5).

37Atualmente, é possível a «Qualquer pessoa, sem restrição de idade, desde que o seu estado físico o permita» fazer parte da banda e consequentemente frequentar as aulas ministradas na escola que lhe é associada (Entrevista a António Freches, Foz do Douro, abril 2020). Este é um espaço não só de partilha de conhecimento musical como também de relações humanas.

38É de referir que os elementos da banda, nomeadamente os que abraçam o ato pedagógico, têm outras ocupações. Como referiu José Nelson a Raúl Pinto em 1997, «Acabamos por ser arrastados pelo «bichinho» da música e por cá ficamos, por vezes com sacrifícios pessoais e familiares, mas enfim, tem que haver uma certa carolice, gosto e vontade por estas coisas…senão morrem as colectividades» (Cit. PINTO,1997, 5)

39Esta escola rege-se pela educação musical não-formal, uma vez que não é certificada. Contudo, tal não impede que as competências adquiridas não sejam reconhecidas pelo seu valor educativo. «O músico pelo facto de ser amador, não quer dizer que não tenha empenho ou que não se entregue com convicção a esta actividade (…)» (RUSSO, 2007, 58). Trata-se de uma instituição que auxilia e forma músicos amadores, sendo em muitos casos a primeira formação de futuros músicos profissionais. A Banda Marcial da Foz do Douro foi o berço de alguns desses músicos. Entre diversos nomes destaca-se Afonso Alves, professor de saxofone no Instituto Orff do Porto, solista de saxofone, oboé e corne-inglês nas bandas de música do Exército, do Governo Militar de Lisboa e da Região Militar Norte. Ocupou também o cargo de maestro da Banda da Foz por 17 anos. Aponta-se ainda Paulo Perfeito, trombonista, compositor e pedagogo, membro da Orquestra de Jazz de Matosinhos (OJM), que desempenhou funções de maestro na Banda da Foz por 4 anos. Filipe Lopes é outro nome sonante. É compositor com fortes afinidades com a música eletrónica e novas tecnologias, sendo o responsável pelo projeto educativo da OJM. Dirigiu Banda da Foz por 2 anos.

40Esta realidade não é exclusiva da Banda da Foz. Atualmente encontramos inseridos em orquestras sinfónicas nacionais e internacionais, músicos que iniciaram a sua aprendizagem no seio de escolas de bandas filarmónicas. Exemplo disso são Ana Pereira e José Pereira, ambos concertinos da Orquestra Metropolitana de Lisboa; Márcio Pereira, músico da Banda da Armada (Marinha Portuguesa) e Marco Pereira, primeiro violoncelo da Orquestra da Gulbenkian e membro fundador do Quarteto de Cordas de Matosinhos (Rising Star 2014/15), que iniciaram o ensino musical na Banda de Lanhelas.

41Associado à Banda da Foz destaca-se a formação de um Grupo Coral, durante a regência de Matos Vilar na década de 70 do século XX: «De assinalar a criação e regência por Eduardo Matos Vilar de um corpo coral, que devido ao falecimento do seu fundador não teve, porém, longa duração» (S.A, nov. 1979, 7).

42 Constatamos que a Banda Marcial da Foz se afirma neste território não só como um espaço de ensino dedicado à música como também num elemento de carácter identitário para a freguesia e sua comunidade, que saí à rua no dia do Cortejo dos Trajes de Papel de São Bartolomeu para ver a banda passar.

A Banda Marcial da Foz: dentro e fora da Foz do Douro

43Por todo o país as Bandas Filarmónicas apresentam-se em marcha ou paradas, tanto em espaços interiores (sedes, teatros e salas de concerto) como exteriores (ruas, praças e coretos), interpretando um repertório que se adapta ao evento em questão. Por exemplo, nos espaços exteriores podemos apontar a Arruada ou Entrada, que mais não são do que uma caminhada que a banda faz pelas principais ruas da freguesia, abrindo solenemente a festividade, geralmente religiosa. Esta caminhada é acompanhada por mordomos, geralmente da confraria que organiza a festividade e pela população, que acompanha o grupo até à igreja ou capela, dando-se início à missa solene. Este momento sacro pode ainda ser antecedido por um pequeno concerto à porta do espaço devocional. A sua participação em procissões religiosas é também evidente na paisagem sonora de uma localidade e na memória coletiva. «Tocam-se as marchas de procissão ou marchas graves (também usadas em funerais de crianças), na maioria dedicadas a Nossa Senhora, à Divina Trindade ou aos Santos» (LOUROSA, 2012, 124).

44Segundo entrevista a António Freches, a Banda Marcial da Foz apresenta-se em diferentes contextos, dentro ou fora do território da freguesia. Atualmente atua em diversas romarias, da primavera ao outono, em todo o norte de Portugal. Contam-se desfiles dentro da cidade do Porto, como o Cortejo dos Trajes de Papel de São Bartolomeu, na Foz do Douro ou o Cortejo do Vinho do Porto, que parte do Palácio da Bolsa e segue até à Alfandega do Porto. Participa também em procissões como a do Corpo de Deus, realizada entre a Igreja da Trindade e a Sé do Porto, ou a procissão dedicada à Nossa Senhora de Fátima, em Lavra. Conclui-se que este agrupamento musical se apresenta nos seguintes contextos: arruada, interpretando marchas para desfile e marchas para procissões; em concertos em coretos e palcos e em missas.

45Em 1997, Mário Alves (membro da banda) em entrevista a Raúl Pinto declara que a banda atuava «em Festas e Romarias na Região de Aveiro, Viseu, Vila Real e todos os concelhos limítrofes do Porto, bem como na própria cidade e freguesia, sobretudo em Festas Populares e Religiosas e quase sempre de teor gratuito». Mário Alves narra ainda que «Participamos e obtivemos o 3º lugar, juntamente com a Banda de Monção, no excelente Programa «À volta do Coreto» da RTP, com a orientação do Maestro Vitorino de Almeida; organizamos o Festival Amador da Canção da Foz do Douro e participámos nas Rusgas de São João, do Orfeão da Foz. (…)» (Cit. PINTO, 1997, 5). A estas participações acrescem a realização de concertos no coreto do Passeio Alegre, geralmente em setembro, e o Concerto de Ano Novo na Igreja Paroquial da Foz do Douro (Entrevista a António Freches, Foz do Douro, abril 2020).

46Nos concertos em interior e ao ar livre, realizados em coretos ou palcos propositadamente montados, a banda interpreta transcrições de peças eruditas escritas para orquestra, que abrangem seleções de óperas, sinfonias, suites, entre outros géneros, ou peças escritas propositadamente para a banda, nomeadamente Fantasias, frequentemente de carácter solístico. «Neste género também se incluem as bandas sonoras de filmes, que têm ganho cada vez mais protagonismo nos últimos anos» (Entrevista a António Freches, Foz do Douro, abril 2020, 125). Há ainda espaço para Marchas Sinfónicas, de maior grau de dificuldade do que as marchas de rua. Conta também com repertório ligeiro, onde se inserem arranjos de músicas rock, pop ou jazz, sendo selecionadas as melodias mais conhecidas por parte do público-alvo. «A entrada deste género em Portugal foi protagonizada pelas seleções pop de Amílcar Morais, cujos arranjos, de fácil execução, cativaram os músicos e o público, proporcionando uma maior interação entre si» (Entrevista a António Freches, Foz do Douro, abril 2020). Apontamos ainda as Rapsódias, que compilam melodias populares portuguesas de diversos géneros tradicionais como o fado, a chula, o fandango e o vira. António Freches refere-nos que a banda acompanha coros e cantores a solo, adequando o repertório. Esta imensidão tipológica permite à banda «(…) estabelecer empatias que vão de encontro aos diferentes gostos do público» (Entrevista a António Freches, Foz do Douro, abril 2020).

47A Banda Marcial da Foz conta ainda com repertório dedicado às celebrações eucarísticas. Atualmente é rara a exibição no espaço da missa que, outrora, foi um dos seus principais locais de apresentação. Sabe-se que, em 1903, foi publicado o Motu Proprio, um documento elaborado no pontificado de Pio X, com o intuito de impedir o uso do piano e de instrumentos como o tambor, bombo, pratos, campainhas e semelhantes durante o ato litúrgico. «O canto tinha primazia e era permitido o acompanhamento do órgão. Em casos excecionais e devidamente autorizados, tolerava-se a inclusão de outros instrumentos, mas tanto estes, como o órgão não deveriam encobrir as vozes, apenas sustentá-las» (LOUROSA, 2012, 119).

48Este documento incentivava ainda a criação de Comissões de Música Sacra que tinha como função assegurar a qualidade do repertório executado pelas bandas filarmónicas. Os agrupamentos musicais tinham assim que apresentar ao pároco da freguesia as partituras carimbadas e autorizadas por esta Comissão. «Em algumas localidades, todos os anos eram referenciadas no boletim diocesano uma lista com as filarmónicas aprovadas, assim como o repertório autorizado, referindo também as que não foram aprovadas e que, à partida, seriam automaticamente excluídas de convites para festividades. As bandas que tentassem ultrapassar estas leis estavam sujeitas a serem excomungadas das atividades da Igreja e isso ditaria o seu fim» (LOUROSA, 2012, 120).

49É ainda de destacar que no ano de 1998 a Banda Marcial da Foz organizou o Primeiro Encontro de Bandas Filarmónicas do Porto, que reuniu doze agrupamentos musicais da região norte do país: «O desfile das Bandas teve início na Esplanada 28 de Maio (Largo do Molhe) e seguiu pela Avenida Brasil, Rua da Senhora da Luz, Esplanada do Castelo até ao Jardim do Passeio Alegre, onde as mesmas se concentravam junto ao coreto para a colocação das fitas da Banda da Foz relativas ao Encontro, (…)» (SANHUDO, 1998, 5). Na edição de 2000 este evento contou com o apoio «da Câmara Municipal do Porto e das Juntas de Freguesia da Foz e de Nevogilde» e com a presença de «onze bandas portuguesas e espanholas» ([S.a], 2000, 8). Mais tarde conta com a participação da Casa da Música, reunindo no evento «a Banda de Música da União Musical de Coruxo (Vigo), seguiram-se a Academia de Música/Banda de Ourém, Banda de Música de Espinho, Banda de Música da Portela, Banda de Música de São Martinho (Valongo), Banda de Música de Vila do Conde, Sociedade Musical 1º de Agosto (Gaia) e a finalizar a anfitriã» (SANHUDO, 2001, 11). O quinto e último encontro de que há notícia foi realizado em 2002 e «juntou cerca de trezentos músicos, para além do mar de gente que parou para ver as bandas passar, desde o Molhe ao Passeio Alegre. A exemplo dos anos anteriores, este evento atrai a população da freguesia, e não só, que invade as ruas e se abeira das janelas e varandas para assistir ao desfile num misto de música, cor e animação» ([S.a], 2002, 2).

50Estes momentos de cor e som compõem uma paisagem efémera, característica do momento da festividade. Trata-se de uma experiência vivida que congrega os espaços verdes, as arquiteturas locais, a luz que as águas do rio Douro refletem, o cheiro a mar e a dimensão sonora marcada pelos passos da marcha da banda. Existe aqui uma clara ativação de todos os sentidos para quem experiência o momento (TAYLOR, 2008,7). Através do ato de observar e experienciar, o território, conceito político, social e económico, torna-se numa paisagem, «apreendida pelas populações, cujo carácter resulta da ação e da interação de fatores naturais e ou humanos» (Conselho da Europa, 2000, 5).

Festas de São Bartolomeu

51Todos os anos, no dia 24 de Agosto ou no domingo próximo, ocorre o Cortejo dos Trajes de Papel de São Bartolomeu. Não é clara a origem desta prática cultural com raízes na antiga festividade dedicada a São Bartolomeu realizada na segunda metade do séc. XIX, que unia o despojar das vestes, elemento da condição pecaminosa passada, com o banho santo, ritual purificador, premonitório e de prevenção contra doenças de pele, gaguez e outros males.

52Segundo a tradição oral o cortejo deriva dos banhos em trajes de papel organizados entre 1929 e 1930 pelo banheiro e antigo embarcadiço Costa Padeiro, que ter-se-á inspirado no ritual de passagem pelo Equador. Ao longo da década de 50 esta tradição foi ganhando, aos poucos, os contornos que hoje possuí. É na década de 60, com o impulso de Joaquim Picarote, que a organização do cortejo ganha novo folgo, formando-se uma comissão de festas e envolvendo-se as coletividades e os organismos de poder local. A população recorda os fatos em papel de jornal, e mais tarde em papel crepe, que desfilavam pelo Passeio Alegre até à Praia do Ourigo, onde os participantes entravam nas águas e se purificavam de corpo e alma:

«Centenas de metros de papel crepe, transformados minuciosamente em trajes coloridos, típicos de épocas idas ou dos tempos actuais, pelas mãos hábeis e pacientes de algumas pessoas que teimam em preservar a tradição, deslizam suavemente nos corpos de muitos participantes do desfile que, após percorrer algumas ruas da freguesia, apinhadas de gente, acabam por cair nas águas azuis da Praia do Ourigo, que depressa as tingem das mais variadas cores, para o «milagroso» banho santo. É o cortejo de S. Bartolomeu da Foz do Douro» (SANHUDO, 2000, 9).

53As fontes consultadas referem que, durante a década de 60, era a Banda Marcial da Foz quem encerrava o cortejo ([S. A], 1965: [s.p]). Esta informação é confirmada pela recolha fotográfica. Ao observarmos a figura 3 constatamos que atrás das personagens vestidas de papel surge a banda a tocar, marcando o ritmo da passada. Após o interregno ocorrido na organização do cortejo entre 1988 e 1992 a Banda Marcial da Foz passa a abrir o desfile. Segundo os testemunhos orais recolhidos, apesar de todos os participantes se vestirem de papel, a banda atua com o seu uniforme habitual: «Por duas vezes já atuámos vestidos de papel, mas decidimos não tornar a fazê-lo. É extremamente difícil tocar e marchar com uma roupa de papel, porque o corpo não respira, (…)» (Entrevista a António Freches, Foz do Douro, abril 2020). É compreensível que os próprios fatos, face à fragilidade do material, rasgassem facilmente com o movimento imposto pelo toque dos instrumentos e pela marcha do cortejo. De facto, através da análise in loco da participação deste agrupamento musical no cortejo de 2019, compreendemos que é a banda quem estabelece o andamento da caminhada. Constata-se uma interpretação musical sem grandes variações de dinâmicas, mantendo-se constantemente uma intensidade forte, atenuando fontes de barulho externas ao cortejo.

Figura 3 – Banda Marcial da Foz do Douro nas primeiras edições do Cortejo dos trajes de papel. Década de 60

Figura 3 – Banda Marcial da Foz do Douro nas primeiras edições do Cortejo dos trajes de papel. Década de 60

Autoria Desconhecida. Arquivo Privado de Manuel Picarote, Foz do Douro

Procissão do Senhor dos Passos

54A Confraria do Senhor dos Passos, instituída em 1671, tinha à sua responsabilidade um altar dedicado ao Senhor dos Passos na igreja paroquial. Como nos referem as Memórias Paroquiais (1758), a imagem «(…) sahe em procissão na quarta Dominga da Quaresma (…)» (ANTT, Fundo Memórias Paroquiais, Tombo 16, 1758: fl.880) Desconhecemos a data de início desta prática, mas em 1713 era registado o montante pago ao armador para a festividade, no entanto sem referir a procissão (A.P.F.D., Livro 68, 1713, fl.30). O registo de receitas/despesas da CSP aponta que em 1721 foram «gastos 400 réis na construção das estações», ou seja, na armação de Passos (A.P.F.D., Livro 68, 172, fl.66 – 67)

55Com a implementação das normas tridentinas e o reforço do fervor devocional pelo ciclo da Paixão, os irmãos da Confraria mandaram edificar, entre 1764-1767, cinco pequenos oratórios (Passeio Alegre, Rua Bela, Santa Anastácia, Rua do Alto de Vila e do Largo do Rio da Bica) conhecidos como os Passos da Foz do Douro (A.P.F.D, Livro 84, 1764, fl.29), da autoria do mestre pedreiro Manuel dos Santos Porto. Estas estruturas marcavam cinco estações do percurso da procissão, desconhecendo-se a que episódios correspondiam.

56Sabe-se que a primeira apresentação da banda da Foz ao público terá ocorrido na Páscoa de 1884 (C.f. http://www.bandadafoz.com/​Historial/​). Esta localização no calendário litúrgico levanta a possibilidade desta primeira apresentação se ter dado efetivamente no Domingo de Páscoa ou noutra celebração da época, nomeadamente a Procissão do Senhor dos Passos.

57Um documento do A.P.F.D dá a conhecer os montantes pagos à «Muzica da festividade» em 1892 (A.P.F.D, Livro 70, 1892, fl.13). Esta entrada poderá corresponder à participação da Banda Marcial da Foz do Douro na procissão. Os registos dos montantes pagos à música são largamente apontados nos livros de receitas/despesas da CSP do séc. XX. A participação da banda nesta festividade é confirmada através do registo fílmico da Procissão do Senhor dos Passos (1950-1956), figura 4. A câmara inicia um percurso pela fachada da igreja paroquial, desde o seu frontão até à zona do Largo da Igreja, onde os membros da Banda Marcial da Foz do Douro se agrupam (00:01-00:25). Ao longo de todo o registo constatamos a presença da banda atrás do pálio e das entidades civis e antes dos penitentes, que fecham a procissão.

Figura 4 –Banda Marcial da Foz do Douro na Procissão do Senhor dos Passos. C.1940-1956, (00:01-00:25), digitalização de bobine [sem distribuição]

Figura 4 –Banda Marcial da Foz do Douro na Procissão do Senhor dos Passos. C.1940-1956, (00:01-00:25), digitalização de bobine [sem distribuição]

58Autoria desconhecida

59Inserida nesta prática devocional a banda participa do processo de sacralização do território. O ato de caminhar, marcado pelas melodias tocadas produz uma dinâmica devocional que habita o espaço, criando uma paisagem característica da romaria. As fontes consultadas permitem-nos conhecer as particularidades do espaço, do tempo e das vivências, colocando-nos perante uma realidade concreta. Esta documentação, juntamente com os Passos construídos, materializam uma realidade perdida que se interliga com a história do agrupamento musical em estudo, que em tempos percorria as principais artérias da freguesia no quarto domingo da Quaresma.

Considerações Finais

60O estudo das bandas filarmónicas em contexto nacional apresenta-se como uma temática de investigação complexa, pois envolve múltiplos campos de abordagem, desde o musical e artístico ao social e cultural. As bandas são agrupamentos musicais que se apresentam como elementos de carácter identitário para uma comunidade num determinado espaço. O principal objetivo deste artigo foi o estudo da Banda Marcial da Foz do Douro no seu contexto cultural, pretendendo compreender de que forma contribuiu para o desenvolvimento do território em estudo. De facto, o reportório apresentado por este agrupamento musical não foi desenvolvido, nem tão pouco analisado, sendo uma abordagem a adotar num estudo futuro.

61Como vimos, a fundação de bandas filarmónicas está presente quer em contextos urbanos, quer em contextos rurais. O surgimento e manutenção destes agrupamentos musicais estão associados à afirmação de núcleos urbanos provincianos, que procuraram acompanhar as novas tendências culturais e liberais. Contudo, as influências de um mundo mais rural, onde existia uma maior proximidade entre os elementos da comunidade entre si e com o território, ainda hoje continuam presentes.

62A Banda Marcial da Foz do Douro mantém-se ativa desde a década de 80 do séc. XIX. Tal significa que os próprios membros foram encontrando formas de dinamização e revitalização do agrupamento, promovendo-o e associando as suas participações a uma prática cultural local e nacional, através da formação da escola de música e da participação em festividades pelo país. A participação da banda em momentos importantes para a comunidade, dentro e fora da Foz do Douro, como o Cortejo dos Trajes de Papel de São Bartolomeu ou a procissão de Nossa Senhora de Fátima em Lavra promove, simultaneamente, a união da comunidade, a conservação do património tangível e intangível local, bem como a sua promoção para além dos seus limites territoriais.

63Consoante o momento da performance, em feiras; festividades locais de carácter civil; comemorações dinamizadas pelas autarquias; romarias; campanhas de solidariedade ou eventos próprios (aniversários, Encontros ou Festivais), a Banda da Foz poderia interpretar reportório erudito ou rapsódias populares. A sua participação neste tipo de eventos contribuiu para a criação de uma paisagem sonora local. O momento em que a banda é apresentada à população dá-se o culminar de todo um trabalho prévio de aprendizagem musical, ao mesmo tempo em que a sua integração e importância enquanto agente cultural dentro da comunidade é reforçada.

64 Apesar de constatarmos uma carência de fontes documentais relativas à diacronia da Banda Marcial da Foz foi-nos possível, através de registos iconográficos, notícias em periódicos, do registo fílmico da Procissão dos Passos da Foz do Douro (1950-1956), da documentação do A.P.F.D e da entrevista a António Freches, compreender a importância deste agrupamento musical para a comunidade local. Esta banda apresenta-se como um agente cultural comunitário, que surge e se desenvolve no seio da coletividade, trabalhando em prole desta e assumindo um compromisso de solidariedade e ação cultural, através do ensino democrático e gratuito da música e do convívio entre gerações. A sede da Banda tornou-se na casa de todos, onde famílias inteiras, ao longo das últimas décadas, desenvolveram aptidões musicais, culturais e cívicas.

65Assim sendo, concluímos que a ação Banda Marcial da Foz do Douro contribui simultaneamente para a preservação do património cultural e promoção da identidade local, bem como para a formação musical da própria comunidade, através da escola de música. O estudo deste agrupamento contribui para a reflexão e contextualização de uma herança patrimonial da Foz do Douro.

Bibliographie

Fontes Audiovisuais

[S.a] (1950-1956) – Procissão do Senhor dos Passos da Foz do Douro. [conteúdo de bobine transferida para DVD em 2008, Aquivo Privado], Foz do Douro: [sem distribuição].

Fontes Orais

Entrevista escrita a António Freches. Abril 2020, Foz do Douro.

Fontes Escritas

ARQUIVO Nacional Torre do Tombo (1758) – Memórias Paroquiais da Foz do Douro, Fundo Memórias Paroquiais/ Dicionário geográgico de Portugal, Tomo 16, núm. 139, ref. PT/TT/MPRQ/16/139, f. 880.

ARQUIVO Paroquial da Foz do Douro (1706 – 1721) - Livro de Receita e despeza da Confraria dos Santos Passos, Fundo Paroquial, Livro 68, ff. 30 – 67.

ARQUIVO Paroquial da Foz do Douro (1879 – 1913) – Livro nº 4: Diario de receita e despeza da Venerável Confraria do Senhor dos Passos de São João da Foz do Douro, Fundo Paroquial, Livro 70, fl.13.

ARQUIVO Paroquial da Foz do Douro (1733 – 1764) – Livro de Eleições do Senhor dos Passos, Fundo Paroquial, Livro 84, fl.29.

PINTO, Raúl Simões (junho 1997) – Os 114 anos da Banda Marcial da Foz do Douro. O Progresso da Foz. Foz do Douro, Ano IV, 28, p.5.

ROZA, Rui Souza (outubro 1999) – Postais que falam sobre… a Feira de Melancias. O Progresso da Foz, Foz do Douro Ano VI, 56, p.7.

S. A (novembro 1979) – Banda da Foz. O Progresso da Foz. Foz do Douro, Ano I, 13, pp.5 e 7.

S. A (dezembro 1979) – Banda Marcial. O Progresso da Foz. Foz do Douro, Ano I, 14, p.5.

S. A (julho 1980) – Prelúdio da comemoração do 1º Centenário da Banda. O Progresso da Foz. Foz do Douro, Ano II, 21. Porto, p.8.

[S. A] (30 de agosto de 1965) – São Bartolomeu da Foz do Douro. Jornal de Notícias, [s.p], [consultado a partir de um recorte de jornal do Arquivo Privado Família Picarote, s/cx; s/mç.].

[S.a] (junho 2000) – Foz e Nevogilde pararam e as bandas deram música. O Progresso da Foz. Foz do Douro, Ano VII, 64, p.8.

[S.a] (maio/. junho 2002) – Bandas deram música do Molhe ao Passeio Alegre. O Progresso da Foz. Foz do Douro, Ano IX, 85, p.2

SANHUDO, Cláudia (maio 1998) – Banda Marcial da Foz do Douro – 115 anos a dar música. O Progresso da Foz. Foz do Douro, Ano V, 39, p.5.

SANHUDO, Cláudia (setembro 2000) – Foz vestiu-se de papel em dia de banho santo. O Progresso da Foz. Foz do Douro, Ano VII, 67, p.9.

SANHUDO, Cláudia (junho 2001). Encontro de Bandas Filarmónicas leva mar de gente à Foz. O Progresso da Foz. Foz do Douro, Ano VIII, 75/76, p.11.

Bibliografia

AMARAL, Cristina (2007) – Os Sons da Memória: Notas sobre o percurso histórioco e envolvimento social da Sociedade Euterpe Alhandrende 1862-1962. Vila Franca de Xira: Edições Colibri.

BANDA Marcial da Foz [s.d] – Banda Marcial da Foz, Filarmónica do Porto. Disponível em: http://www.bandadafoz.com/Historial/ [acedido a 27.9.2019 (12:45)].

BERNARDO, Maria Ana (2001) – Sociabilidade e Distinção em Évora no século XIX. O Círculo Eborense. Lisboa: Edições Cosmos.

BRUNCHER, Katherine (2005) – A Banda da Terra: Bandas Filarmónicas and the performance of place in Portugal. Michigan: Universidade de Michigan [Tese de Doutoramento, Universidade de Michigan].

BOHLMAN, Philip V. (2002) – World Music – A Very Short Introduction. Nova Iorque: Oxford University Press.

CONSELHO da Europa (2000) – European Landscape Convention. Florença: Conselho da Europa.

DODERER, Gerhard (2005) – A constituição da Banda Real na Corte Joanina (1721 – 24), in Boletim da Banda Sinfónica do Exército: Euridice. N.º 2 – 1ª série. pp. 19-23.

LAMEIRO, Paulo (1997) – “Práticas musicais nas festas religiosas do concelho de Leiria: O lugar privilegiado das bandas filarmónicas”, in Actas dos 3s. Cursos Internacionais de Verão de Cascais. Cascais: Câmara Municipal de Cascais.

LEMOS, Ana Silva Alves (2013) – A Banda Filarmónica como Associação e meio de Animação Sociocultural: Estudo de caso da Banda de Amares. Braga: Instituto de Educação da Universidade do Minho [dissertação de Mestrado em Estudos da Criança – Especialização em Associativismo e Animação Sócio-Cultural].

LOUROSA, Helena Maria Matos (2012) –À sombra de um passado por contar: Banda de Música de Santiago de Riba-Ul. Discursos e percursos na história do movimento filarmónico português. [Tese de doutoramento apresentada na universidade de Aveiro, departamento de Comunicação e Arte].

MERRIAM, Alan (1964) – The Anthropology of Music. Illinois: Northwestern University Press.

PEREIRA, Isabel do Carmo Cerqueira Lima (2017) – Crescer… com as Bandas Filarmónicas. Castelo Branco: Instituto Politécnico de Castelo Branco [dissertação de Mestrado em Ensino da Música].

PEREIRA, Rui Penha (2014) – A Importância Histórica, Educativa e Cultural das Bandas Filarmónicas em Portugal. Comunicação apresentada no 2º Congresso de Bandas Filarmónicas, 2014, em Braga [disponível em: https://sapientia.ualg.pt/bitstream/10400.1/5994/1/A_import%C3%A2ncia_hist%C3%B3rica_educativa-e-cultural_das_bandas_filarm%C3%B3nicas.pdf acedido a 17.3.2019].

RAMOS, António Alberto C. P. (1991) – As Colectividades de Almada (1890-1910). O Associativismo do tipo cultural e recreativo – Tentativa de abordagem ao seu estudo. Almada: Junta de Freguesia de Almada com o apoio da Câmara Municipal de Almada.

RUSSO, Susana Bilou (2007) –As Bandas Filarmónicas enquanto Património: Eum Estudo de caso do concelho de Évora. Évora: ISCTE [dissertação de Mestrado em Antropologia: Patrimónios e Identidades].

TAYLOR, Ken (2008) – Landscape and memory. in 16th ICOMOS General Assembly and International Symposium: Finding the spirit of place – between the tangible and the intangible, 29 Sept- 4 Oct. Quebec: ICOMOS [disponível em: https://www.icomos.org/quebec2008/cd/toindex/77_pdf/77-wrVW-272.pdf acedido a 14.4.2020 (18:39)].

Notes

1 Esta fora a sua segunda tentativa de introduzir em Portugal a fundação desta sociedade, uma vez que em 1814 já havia regressado de Londres e tentado implementar estes ideais, que não tinham sido bem recebidos. Só com o regresso de D. João VI e da sua Corte a Portugal é que foi possível concretizar tal objetivo (RUSSO, 2007, 46-47).

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Banda Marcial da Foz do Douro. Séc. XIX
Crédits Autoria desconhecida, disponível em: http://www.bandadafoz.com/​Historial/​
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17690/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 61k
Titre Figura 2 –Atuação da Banda Marcial da Foz do Douro no Cortejo de São Bartolomeu de 2019
Crédits Marisa Santos
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17690/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 458k
Titre Figura 3 – Banda Marcial da Foz do Douro nas primeiras edições do Cortejo dos trajes de papel. Década de 60
Crédits Autoria Desconhecida. Arquivo Privado de Manuel Picarote, Foz do Douro
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17690/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 209k
Titre Figura 4 –Banda Marcial da Foz do Douro na Procissão do Senhor dos Passos. C.1940-1956, (00:01-00:25), digitalização de bobine [sem distribuição]
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17690/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 193k

© Publicações do Cidehus, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search