Version classiqueVersion mobile

Paisagens sonoras históricas

O património. Acervos e património organológico

O espólio musical da Biblioteca Pública de Évora oriundo do Mosteiro de S. Bento de Cástris

Dados para o estudo das festividades musicais eborenses durante a segunda metade do século XIX

Filipe Mesquita de Oliveira

Résumé

Parte do espólio musical manuscrito de cariz religioso que a Biblioteca Pública de Évora preserva provém do Mosteiro de S. Bento de Cástris, tendo aí sido depositado na derradeira década do século XIX. Muita dessa música pode ser relacionada com os acontecimentos musicais que, sobretudo na segunda metade de oitocentos, caracterizaram a vida religiosa e cultural da cidade. Tendo como directriz de estudo essa possibilidade, o presente estudo tem por objectivo estabelecer pistas para a relação de alguns manuscritos oriundos de S. Bento de Cástris com as festividades religiosas ocorridas em Évora nessa época e que se encontra registada nos vários periódicos eborenses da altura. Será assim feito o confronto da actividade musical de S. Bento de Cástris com as várias celebrações religiosas nas igrejas, mosteiros e espaços públicos da cidade. O objectivo do estudo é proceder a uma análise do impacto da celebração musical religiosa ainda na segunda metade de oitocentos e confrontá-la com todos os outros tipos de eventos musicais ocorridos em Évora na mesma altura. O seu cerne será assim o levantamento do rol de hipóteses relevantes sobre o tema, atendendo ao facto de que a maior parte das festividades musicais noticiadas em periódicos a partir da década de 60 do século XIX dizem respeito a celebrações que ultrapassam a fronteira religiosa. A extinção das ordens em Portugal em 1834, que levou ao encerramento dos conventos e mosteiros, teria resultado num inevitável decréscimo e desaparecimento gradual da actividade musical nesse âmbito. Embora esse decréscimo seja notório, existe todavia alguma actividade musical no âmbito conventual, como nos relatam diversos registos noticiosos. Os dados da presente comunicação resultantes, quer da análise das notícias em periódicos eborenses desse período, quer dos códices da colecção CLI associados S. Bento de Cástris, irão assim ajudar-nos a repensar este tema. Por fim, o trabalho de pesquisa científica em torno desses fundos constitui-se como um contributo necessário para a contextualização histórica da paisagem sonora e musical da cidade de Évora durante século XIX.

Texte intégral

As fontes

  • 1 Não excluímos aqui obviamente toda a consulta de fontes bibliográficas a que procedemos, sobretudo (...)
  • 2 Nas três instituições eborenses mais relevantes que conservam os fundos musicais da cidade, nomeada (...)
  • 3 No contexto da pesquisa que tem vindo a desenvolver sobre diversos aspectos do legado musical paten (...)
  • 4 Cf. Ver nota 2
  • 5 No seu Catálogo dos Fundos Musicais da Biblioteca Pública de Évora, José Augusto Alegria procedeu a (...)
  • 6 Têm vindo a ser publicados diversos estudos sobre a actividade do Mosteiro de São Bento de Cástris, (...)

1No âmbito do levantamento de dados históricos de cariz social e cultural da cidade de Évora no período respeitante à segunda metade do século XIX, sobretudo às suas décadas finais, a imprensa local constitui uma fonte de primeira importância1. Em termos musicais, tendo em conta a complexidade própria da reconstrução histórica de determinado momento, os relatos noticiosos em fontes periódicas assumem um relevo particular, já que constituem directrizes orientadoras da pesquisa musicológica. Sublinhe-se que a complexidade do estudo de uma realidade musical que aqui referimos se prende, antes de mais, com o manuscrito musical e o seu confronto com o registo noticioso. Neste sentido, os numerosos fundos musicais que a cidade de Évora guarda2, muitos deles directamente ligados à sua vida musical, necessitam a devida triagem histórica, enquanto concertos públicos, celebrações litúrgicas ou acontecimentos festivos urbanos3. Torna-se pois fundamental, em termos de método de pesquisa musicológica, o confronto dos diversos espólios musicais manuscritos constantes nos arquivos da cidade de Évora4, com outras fontes de investigação, como seja a imprensa periódica. É esse estudo preliminar que aqui nos propomos fazer, tendo como espólio musical o conjunto dos códices com a cota CLI da Biblioteca Pública de Évora que estão relacionados com a actividade musical do Mosteiro de S. Bento de Cástris5. Para esse confronto destacam-se dois aspectos. Em primeiro lugar, a associação dos códices a um local específico, o Mosteiro de S. Bento de Cástris6, sendo ainda facilmente balizadas as respectivas fronteiras cronológicas, dado muitos deles estarem datados ou possuírem registos sobre a sua propriedade. Em segundo lugar, o seu conteúdo musical ser vasto em matéria de repertório litúrgico, abarcando missas, hinos, lamentações e acompanhamentos de órgão, estando, em parte deles, identificados os compositores.

Paisagem sonora

  • 7 SÁ, 2019a, p. 119
  • 8 Os casos do Espinheiro e da Cartuxa levantam um problema terminológico na forma como devemos apelid (...)
  • 9 SÁ, 2019a, p. 119
  • 10 No Quadro 1 do ANEXO do presente texto, o manuscrito com o número de catálogo 39, que inclui obras (...)
  • 11 ROSA, 1948, pp. 298-99
  • 12 Ibid.

2A paisagem sonora de Évora foi animada, desde o século XVI até ao final do Antigo Regime (ca. 1820), por uma actividade musical bastante intensa, caracterizada pela existência de mais de duas dezenas de instituições religiosas – seculares e monástico-conventuais – dentro e fora do perímetro urbano7. Para além das diversas igrejas do núcleo central urbano, com destaque para a Sé, do Colégio dos Moços de Coro e do Colégio Jesuíta do Espírito Santo, havia ainda cinco conventos. Mas a vida de clausura religiosa não respeitava apenas a centralidade urbana. Atendendo ao seu espírito próprio que, por tradição histórica, mantinha a construção de mosteiros e até de conventos afastada dos aglomerados urbanos, existem ainda quatro edifícios religiosos extramuros, respectivamente, o Mosteiro de São Bento de Cástris e os Conventos do Espinheiro, da Cartuxa8 e de Santo António da Piedade9. No caso de São Bento de Cástris, estamos perante um mosteiro da Ordem de Cister que, mesmo após a extinção das ordens em 1834, mantem uma actividade musical de relevo10. As festividades religiosas pautavam assim a vida musical da cidade. De entre os vários registos noticiosos, que adiante trataremos, merece referência o estudo de João Rosa11, no qual surge uma «Resenha curiosa…» sobre a participação da Orquestra Eborense entre os anos de 1882-83 na comemoração de várias festividades religiosas e as respectivas igrejas, conventos e demais locais onde se celebraram. Basicamente todas as principais instituições religiosas do centro urbano da cidade são enumeradas, bem como as festividades, com destaque para as celebrações mais importantes do calendário litúrgico12.

  • 13 BERNARDO, 2001.
  • 14 Ibid., 27-73.
  • 15 Maria Ana Bernardo assinala-o, como aqui transcrevemos: «À relativa indiferença pelos espaços públi (...)
  • 16 Ver nota 15.
  • 17 Cit. por BERNARDO, 2001, p. 30.
  • 18 Ibid., p. 30.

3Sabemos também que os processos sociais de que se revestiam os eventos musicais em Portugal durante este período, em particular numa cidade do interior como Évora, possuíam dinâmicas próprias13. Passavam, antes de mais, pelos espaços domésticos e privados, sendo as manifestações públicas, na sua essência, de cariz religioso ou comemorativas de vários outros eventos, fossem eles políticos ou até municipais. Em Évora, é notória a preponderância da Igreja enquanto instituição a este nível14, o que pode ter relação com a menor representatividade e afluência, quer em espaços privados de sociabilidade, quer em teatros15. Tal acontece, pelo menos durante a década de 60, o que contrastava com a cerimónia religiosa que, mesmo fora do templo, animava em grande parte a actividade festiva da cidade. Como nos conta um jornalista da altura, a existência de vários conventos, irmandades, um seminário e várias igrejas terá permitido que «as solenidades religiosas adquirissem em Évora um especial brilho e esplendor.»16 O mesmo não se passaria com toda a actividade cultural que escapasse ao domínio religioso, já que, para lá da obrigação espiritual, tudo o resto se orientava sobretudo em esfera privada e doméstica, com menor impacto social e urbano. Recorde-se as palavras de Eça de Queiroz a este propósito, ele que teve um contacto temporário com a cidade no ano de 1867, trabalhando no jornal O Distrito de Évora. A 13 de Janeiro desse ano escreveria: «Todos os dias se diz: Évora está morta. Évora é um velho sepulcro. Évora tem uma vida.., da cozinha.., da lareira. O homem [...] não vive fora, não vai aos cafés, aos teatros, aos bailes»17. De alguma forma, escaparia a esta realidade «aferrolhada» e «trancada», nas palavras do próprio escritor, a celebração religiosa, na qual a música teria uma função primordial. Tal é testemunhado por um jornalista da altura que na Folha do Sul a propósito de um acontecimento musical no Passeio Público, muito concorrido: «Ora isto que acontece quazi todos os dias em qualquer grande capital, não é vulgar entre nós. Aqui só aparece povo nas festas religiosas e sabidas; ainda assim não em todas»18.

  • 19 João Rosa no seu estudo Música e Músicos em Évora… trata em particular desse tipo de instituições c (...)
  • 20 BERNARDO, 2001, p. 33; Gabriel Pereira foi um insigne intelectual eborense da segunda metade do séc (...)

4Só na parte final do século, já nas décadas de 80 e 90, a situação apresenta algumas alterações, graças ao surgimento de uma plêiade de instituições, como filarmónicas e sociedades culturais e recreativas que deram novo alento a actividade cultural da cidade19. Mesmo assim, um intelectual eborense como Gabriel Pereira, viria ainda a criticar a cultura em sociedade, não tanto pela indiferença dos cidadãos, mas mais pela deficiente qualidade cultural dos eventos20.

Os códices CLI da Biblioteca Pública de Évora

  • 21 Sublinhamos que a base da nossa pesquisa foi o catálogo dos fundos musicais da BPE realizado por Jo (...)
  • 22 Em estudo anterior, o presente autor aprofundou a questão da propriedade do Códice CLI/1-4 nº 5 da (...)

5No contexto do espólio musical que se conserva na Biblioteca Pública de Évora (BPE), de entre as várias coleções de códices, encontramos os códices com a cota CLI que estão associados ao Mosteiro de São Bento de Cástris21. Nos Quadros 1 & 2 (ver ANEXO - Quadros 1 & 2) procedemos ao levantamento do seu conteúdo. De salientar, que a coleção CLI, 151 na numeração árabe, se constitui como uma das mais relevantes do fundo musical da BPE dada a quantidade de códices que inclui e a heterogeneidade dos mesmos, quando confrontados entre si. A grande maioria dos que se associam ao mosteiro cisterciense, pertencem a esta colecção. No que respeita ao Quadro 1 (ver ANEXO - Quadro 1) que inclui os manuscritos musicais CLI com identificação de autoria, reparamos que o compositor que se destaca é o Padre Joaquim José da Rocha Espanca (1839-1896), sacerdote músico, originário de Vila Viçosa, cuja produção musical se guarda precisamente nesta coleção. De resto há uma série de compositores locais, como sejam, a título de exemplo, Ignácio António Ferreira de Lima, e algumas outras figuras de referência da nossa história musical, como é o caso de Marcos Portugal. A associação dos manuscritos a Cástris resulta, ora do facto de se destinarem a ser executados no mosteiro, como sucede com as obras de Espanca, ora a sua proveniência é de S. Bento, como nos relata Alegria, ora as proprietárias de alguns destes manuscritos são monjas de Cástris, como por exemplo a D.ª Henriqueta de Mira Vidigal (ver ANEXO - Quadro 1)22. O conteúdo musical é constituído por peças sacras, de entre missas e hinos, com destaque para aquelas que se destinam à Quinta-feira Santa, nomeadamente as lições de trevas (ver ANEXO - Quadro 1).

  • 23 ALEGRIA, 1977, p. 139; ver também nota 22.
  • 24 OLIVEIRA, 2015, pp.42-45.
  • 25 ALEGRIA, 1977, p. 143-144.
  • 26 Encontra-se no prelo um estudo sobre o Padre Joaquim José da Rocha Espanca e a sua relação com S. B (...)

6 Quanto aos «Códices de música sem indicação de autoria», assim identificados por Alegria, sublinhamos desde logo que, em termos de conteúdo musical uma parte significativa dos manuscritos inclui repertório litúrgico para a Semana Santa (ver ANEXO - Quadro 2). Em destaque encontra-se também o órgão, quer como acompanhador das diversas rubricas musicais, quer como instrumento destinatário de, pelo menos, um manuscrito. Referimo-nos ao códice CLI/1-4 nº 8, intitulado por Alegria «Colecção de papéis incluindo uma série de acompanhamentos de órgão para vários ofícios…», estando associado a S. Bento e sendo posse de uma das monjas de Cástris, a D.ª Henriqueta Amália de Mira Vidigal23. Esta figura feminina era também a proprietária de um outro códice, o CLI/1-5 nº 10, cujo conteúdo inclui um conjunto de Lamentações para o Ofício de Trevas com acompanhamento de órgão, sendo ainda a destinatária do códice CLI/2 - 10 nº 15, integralmente preenchido com uma ária sobre o texto O sacrum convivium (ver ANEXO - Quadro 2). Neste último, identificamos que D.ª Henriqueta Vidigal era Abadessa desse mosteiro. Em estudos anteriores que realizámos24, pudemos comprovar a importância da execução organística em S. Bento de Cástris nos finais do século XIX, sobretudo por parte das monjas que, ainda então aí se mantinham activas. O caso de D.ª Henriqueta Vidigal constitui o paradigma de maior relevo a esse propósito. Há também nesta colecção de manuscritos sem indicação de autoria um códice muito relevante para a pesquisa musicológica. Referimo-nos ao Códice CLI/1 - 8 nº 1, intitulado «Partitura da Noa para a Festa da Ascensão a 4 vozes e órgão»25 que, nos versos para órgão em alternatim com as partes de coro, inclui uma série de trechos simplificados de partes de óperas, como La Traviata, Nabucco, Lucia de Lammermoor, Ana Bolena, Vésperas Sicilianas e até de La Cenerentola (ver ANEXO - Quadro 2)26. Temos ainda o registo do local e da respectiva data, isto é, S. Bento 1877, constituindo-se como testemunho da incorporação do universo musical mundano, como o da ópera, no contexto das práticas musicais sacras em Évora, nas décadas finais de oitocentos. Quanto às datações dos códices, a prevalência cronológica é a segunda metade do século XIX, como sucede nos códices CLI/1 - 7 nº 2 (1861), CLI/1 - 8 nº 1 (1877) e o CLI/1 – 17 nº 14 (1874) (ver ANEXO - Quadro 2). Por uma questão de contexto, em que impera a similitude de prática e de conteúdo musical, todos os restantes códices podemos datá-los do mesmo período.

7 O estudo aprofundado do espólio musical manuscrito associado a estes códices irá clarificar e permitir construir a narrativa integrada do que foi o panorama musical no seio do Mosteiro de S. Bento de Cástris. Tal tarefa, a ocupar a actividade de futuras gerações de musicólogos, passará num primeiro momento pela transcrição moderna e edição crítica das obras musicais neles constantes. Num segundo momento, com base análise musical, dever-se-á passar à respectiva narrativa histórica, desse modo reconstruindo uma realidade hoje praticamente desconhecida.

Imprensa local

8No presente estudo, as fontes utilizadas, como atrás mencionado, dividem-se entre códices, concretamente a coleção CLI patente na BPE, e os registos da imprensa noticiosa local. Um dos desafios científicos resultantes da abordagem deste tipo diferenciado de fontes é precisamente o levantamento de hipóteses quanto à relação existente, ou não, entre o repertório musical executado e noticiado nos jornais locais e as fontes manuscritas constantes na BPE. Como no seguimento do presente estudo poderemos constatar, pelo menos no que diz respeito à coleção CLI, a relação entre a prática musical intramuros em S. Bento de Cástris e o registo noticioso local é inexistente. Todavia, tal não significa que, aquando da futura prossecução do estudo musicológico da globalidade dos manuscritos e códices patentes no arquivo musical da BPE, a sua transcrição e edição crítica seguida da devida análise musical possa vir a permitir construir uma narrativa histórico-musical integrada que encontre no registo noticioso local o respectivo testemunho prático. Dada esta informação, sublinhamos que tal não é, todavia, o objecto do presente estudo, na medida em que aqui nos cingimos à coleção CLI da BPE e a um universo noticioso da imprensa local que funciona por amostragem e não tem a pretensão de cobrir a totalidade da cobertura jornalística então levada a cabo no que respeita a realização de eventos musicais.

  • 27 Concerto em Monte Mór. 1865, nº 171.
  • 28 Concerto em Monte Mór. 1865, nº 171.
  • 29 O dia 1º de dezembro, em Évora, 1865, nº 171

9Passemos então à análise dos registos noticiosos em periódicos eborenses da segunda metade do século XIX. Por uma questão de delimitação das fontes periódicas a abranger e tendo também em conta as datas constantes nos manuscritos, centrámos a nossa pesquisa sobretudo nas décadas de 60 a 80. Os periódicos tratados foram os de maior relevo em Évora durante esse período, nomeadamente, A Folha do Sul, a Gazeta do Meio Dia, o Manuelinho d´Évora, O Distrito de Évora, A Folha de Évora, A Gazeta do Sul e o Jornal de Évora. Refira-se que, já nesta altura, uma parte significativa das notícias dizem respeito a eventos mundanos centrados em todo o tipo de festividades, ora políticas, ora municipais e também a muitos bailes de máscaras. Saliente-se, enquanto paradigma dos novos valores musicais emergentes assentes no espectáculo público mundano, o registo noticioso da Gazeta do Meio Dia (nº 171) de Dezembro de 1865. Aí se refere o «Concerto de cornetim e instrumento de pau e palha»27 em Montemor-o-Novo pelo Sr. Victorino Cordeiro. Tratar-se-ia de um curioso instrumento de percussão de paus estendidos no chão sobre uma palha, os quais seriam percutidos. O texto noticioso exalta o virtuosismo do Sr. Cordeiro, notável músico eborense, que «… batendo velo por sobre uns paus colocados em cima de cinco molhos de palha, executa dificultosas peças, tirando sons melodiosíssimos.»28. Logo a seguir, no mesmo jornal, outra notícia refere a comemoração do dia da Restauração (1º de Dezembro) através da execução em vários pontos da cidade, com destaque para a Praça do Comércio, do Hino da Restauração pelos «Artistas eborenses», uma celebração a que o povo acudiu com grande regozijo29.

Figura 1 - Gazeta do Meio Dia (nº 171, Dezembro de 1865): concerto em Montemor o Novo e comemoração do dia da Restauração

Figura 1 - Gazeta do Meio Dia (nº 171, Dezembro de 1865): concerto em Montemor o Novo e comemoração do dia da Restauração
  • 30 Semana Santa, Ano IV, 1884.

10 Muitas notícias focam eventos musicais desta ordem, denotando uma abertura gradual da população a acontecimentos culturais públicos, fora da órbita religiosa. Todavia, em textos noticiosos de pequeno apontamento ou de extensão alargada, continuam a ser registadas as celebrações sacras e litúrgicas que marcam a actividade musical da cidade, com destaque para as celebrações da Semana Santa. Durante este período, há um maior destaque noticioso como o testemunha, por exemplo, um registo noticioso do Manuelinho d´Évora30, no qual são narrados os vários concertos da celebração, com referência aos compositores, como sejam, Theodósio Augusto Ferreira, eminente compositor local da altura.

Figura 2 - Manuelinho d´Évora (Ano IV – 1884): descrição das solenidades da Semana Santa

Figura 2 - Manuelinho d´Évora (Ano IV – 1884): descrição das solenidades da Semana Santa
  • 31 Semana santa, nº 106, 1865.

11No que diz respeito à notícia sobre a actividade musical dos templos de Évora, ou circundantes à cidade, há alguns registos de imprensa no período histórico que abarcamos. Destacamos desde logo a descrição das festividades da Semana Santa narrada na Gazeta do Meio Dia nº 106 de 186531, que regista a participação das freiras cantoras nos conventos de Évora. As suas vozes repercutiriam nos muros conventuais, elevando-se angelicamente nos céus.

Figura 3 - Gazeta do Meio Dia (nº 106, 1865): referência noticiosa à actividade musical das freiras nos conventos no contexto das festividades da Semana Santa

Figura 3 - Gazeta do Meio Dia (nº 106, 1865): referência noticiosa à actividade musical das freiras nos conventos no contexto das festividades da Semana Santa
  • 32 Festividade, nº 122, 1866; Cf. também a Festa no Espinheiro nº 43 1864 que refere a Festa no Conven (...)
  • 33 Existem muitos exemplos de mosteiros localizados dentro das cidades e de conventos construídos em l (...)
  • 34 Sem título, Ano II, 1882 nº 84.

12O mesmo periódico, na edição nº 122 do ano seguinte, 1866, narra também a participação das «meninas educandas» na interpretação vocal no contexto da Festa do Espírito Santo no Convento de Santa Mónica e da Festa da Maria Santíssima no Convento do Salvador. Neste último, é narrada a notícia nos termos seguintes: «As meninas educandas, com as suas maviosas vozes, lhe tributaram por música esses doces cânticos, que só da boca dos Anjos sairiam com tanta doçura.»32 De salientar também a prática musical habitual no contexto dos conventos da cidade. Na verdade, estes são, de forma recorrente, referidos em notícias, sobretudo pela utilização das suas igrejas no contexto das celebrações mais importantes, quer do calendário litúrgico, quer de outras celebrações sacras. É por exemplo habitual a referência à utilização da Igreja do Convento de Santa Catarina33 em várias celebrações religiosas de Évora, como por exemplo os Festejos da Imagem de Nossa Senhora de Aires no Manuelinho d´Évora 34.

Figura 4 - Manuelinho d´Évora (1882, ANO II nº 84): Festejos da imagem de Nossa Senhora de Aires na Igreja do Convento de Santa Catarina

Figura 4 - Manuelinho d´Évora (1882, ANO II nº 84): Festejos da imagem de Nossa Senhora de Aires na Igreja do Convento de Santa Catarina
  • 35 Solemnidade de Nossa Senhora da Conceição, 1866, nº 216.

13O que é comum na veiculação de informação impressa sobre eventos religiosos é a descrição das celebrações, como foram feitas, em que igrejas e por onde passaram nos trajectos urbanos da cidade. É claro que os diversos festejos são referidos, sendo que os musicais mencionam os compositores, intérpretes e regentes. A Semana Santa, ou outras celebrações centrais no âmbito do calendário litúrgico, são alvo de um maior destaque noticioso. Tal acontece, por exemplo, com a descrição da Solenidade de Nossa Senhora da Conceição na Folha do Sul de Junho de 186635.

Figura 5 - Folha do Sul (Junho de 1866 nº 216): Grande aparato na celebração da Festa de Nossa Senhora da Conceição

Figura 5 - Folha do Sul (Junho de 1866 nº 216): Grande aparato na celebração da Festa de Nossa Senhora da Conceição
  • 36 Procissão do Corpo de Deus, 1866, nº 208; a Procissão do Corpo de Deus constitui-se como um dos eve (...)

14Sublinhamos também a utilização da celebração religiosa associada a fins politico-patrióticos que podem ser relacionados com os vários confrontos ideológicos próprios ao Período da Regeneração. A Folha do Sul testemunhou-o em Junho de 1866 a propósito da Procissão do Corpo de Deus, na qual a imagem guerreira de S. Jorge é invocada, relembrando as históricas pelejas com os mouros36.

Figura 6 - Folha do Sul (Junho de 1866 nº 208): Procissão do Corpo de Deus em ambiência político-patriótica

Figura 6 - Folha do Sul (Junho de 1866 nº 208): Procissão do Corpo de Deus em ambiência político-patriótica
  • 37 A festa de Nossa Senhora de La Salette, nº 239

15 A solenidade com a qual alguns eventos musicais são narrados é marcante, estando os templos no centro desses registos noticiosos. A descrição da celebração da Festa de Nossa Senhora de La Salette na Folha do Sul nº 239 é disso testemunho37. Aí se descreve a riqueza plástica da imagem da Maria Santíssima sobre a montanha de La Salette e todo o contexto figurativo que a circunda, terminando a notícia coma evocação do esplendor do culto religioso em Évora.

Figura 7 - Excerto de Folha do Sul. (1866, nº 239): descrição pormenorizada da Festa de Nossa Senhora de la Salette

Figura 7 - Excerto de Folha do Sul. (1866, nº 239): descrição pormenorizada da Festa de Nossa Senhora de la Salette
  • 38 Festividade. Folha do Sul. Évora, 1866, nº 229

16A descrição das vivências sociais tidas a propósito das celebrações religiosas é também muito comum. A título de exemplo mencionamos a notícia intitulada Festividade na Folha do Sul nº 22938, na qual são referidas as belezas femininas presentes no evento, contemplando o fogo de artifício, e alegradas pela presença de dois janotas.

Figura 8 - Folha do Sul. (1866, nº 229): as vivências sociais por ocasião da Festa de Nossa de Ayres

Figura 8 - Folha do Sul. (1866, nº 229): as vivências sociais por ocasião da Festa de Nossa de Ayres
  • 39 Semana santa. Gazeta do Meio Dia, nº 106.

17 Como atrás referimos, a Semana Santa ocupou um espaço privilegiado no registo noticioso de eventos sacros. Através deles podemos tomar consciência da solenidade das celebrações, da sua grandiosidade e da grande quantidade de intervenientes que nelas participavam, como o testemunha a Gazeta do Meio Dia, nº 10639. São narrados os adornos festivos que engalanavam várias igrejas da cidade, a celebração musical do Ofício de Trevas com grande aparato instrumental e coral e a afluência do público que acorreu ao evento.

Figura 9 - Gazeta do Meio Dia (1865, nº 106): descrição pormenorizada das celebrações da Semana Santa

Figura 9 - Gazeta do Meio Dia (1865, nº 106): descrição pormenorizada das celebrações da Semana Santa
  • 40 Festividade. Gazeta do Meio Dia, nº 54.

18 Por fim, a indicação dos percursos das procissões a atestar o relevo urbano das festividades religiosas, como vem anunciado na Gazeta do Meio Dia, nº 5440, a propósito da realização da procissão de Nossa Senhora do Rosário.

Figura 10 - Gazeta do Meio Dia (1864, nº 54): anúncio de realização da procissão de Nossa Senhora do Rosário com descrição do percurso urbano

Figura 10 - Gazeta do Meio Dia (1864, nº 54): anúncio de realização da procissão de Nossa Senhora do Rosário com descrição do percurso urbano

A música em S. Bento de Cástris

  • 41 O códice CLI /1-4 nº 8 testemunha-o – Cf. OLIVEIRA, 2015
  • 42 Cf. Nota 33.
  • 43 Semana santa, nº 106, 1865.
  • 44 «As práticas de sociabilidade ocorridas sob o signo da religião prolongavam-se dos recintos fechado (...)

19No que diz respeito ao Mosteiro de S. Bento de Cástris e à actividade musical que aí se fazia durante o período histórico que tratamos, não há nenhum registo noticioso nos jornais locais. Ora, a actividade musical entre portas era um facto, como o demonstra a análise dos referidos códices CLI da Biblioteca Pública de Évora41. Muitas hipóteses se podem e devem então levantar sobre esta questão. A primeira prende-se com o enquadramento histórico da actividade dos mosteiros e conventos nas décadas finais de oitocentos, sendo que as ordens religiosas tinham sido extintas em 1834. No que que se refere à música, continua a haver uma actividade nas décadas subsequentes até ao final do século, sendo que em Évora o anticlericalismo gradual das derradeiras décadas de oitocentos, que marcam a ambiência do país, é sentido de uma forma característica. Embora o registo noticioso incida sobretudo em acontecimentos musicais fora da esfera espiritual, existe ainda assim uma actividade musical sacra muito significativa, como se depreende das notícias que focámos. Mas, para lá das actividades que são públicas e noticiadas, parece-nos mais relevante ainda o facto de, nos mosteiros, continuar a haver manifestações musicais a marcar o quotidiano das monjas aí residentes. Tal é o caso do Mosteiro de S. Bento de Cástris, tal é também o caso, porventura, do Convento de S. Catarina42. Na verdade, deparámos como uma única notícia na Gazeta do Meio Dia43 referindo as freiras cantoras nos conventos de Évora, no âmbito das celebrações da Semana Santa (ver Figura 3). É preciso sublinhar a este propósito que, na segunda metade de oitocentos, mesmo numa cidade do interior como Évora, fechada sobre si própria e em que as manifestações culturais públicas só se afirmam em grande escala nas suas derradeiras décadas, o espaço privado e doméstico constituir o cerne da sua vida cultural. S. Bento de Cástris testemunha assim um tipo de actividade musical, de certa forma privada, por inerência do seu contexto de clausura monástica. Também não há registo noticioso que revele uma relação directa das respectivas festividades do mosteiro cisterciense com o espaço público44. A este propósito salientamos que a pequena distância da localização do mosteiro relativamente ao centro da cidade o isola do enfoque noticioso, até porque, por essa razão, a respectiva Igreja não era utilizada nos roteiros urbanos das festividades religiosas.

  • 45 OLIVEIRA 2014, 2015 & 2016
  • 46 «Após uma primeira audição da música transcrita, tomamos consciência relativamente ao lado insólito (...)
  • 47 Referimo-nos ao manuscrito com o número 7 da secção «Manuscritos musicais» e 27 e 87 da secção «Cód (...)
  • 48 OLIVEIRA 2015, p.43.

20 Na segunda metade do século XIX, a actividade musical bastante intensa de S. Bento de Cástris45 denotava um carácter expressivo e uma identidade própria, em muitos casos, de feição mundana e festiva. O testemunho do Códice CLI/1-4 nº 8, referido no início deste estudo, é disso um exemplo. Na verdade, os versos para órgão que inclui, em alternatim às secções da cantilena litúrgica, denotam um espírito que relembra a adaptação da espiritualidade musical à abstracção formal e estilística do discurso instrumental46. Em matéria de propriedade, o Códice CLI/1-4 nº 8 foi pertença da Abadessa D.ª Henriqueta Amália de Mira Vidigal, bem como alguns dos outros códices que apresentamos em anexo (ver ANEXO - Quadros 1 & 2)47. A referência ao seu nome atesta o relevo que a execução musical assumia no quotidiano das monjas de Cástris. Aliás, nesse mesmo códice, são referidos ainda uma série de outros nomes de monjas executantes48.

  • 49 Ver nota 47

21 Em termos de conteúdo, alguns dos códices associados a Cástris revelam o apelo que a música profana possuía no âmbito da actividade musical do mosteiro (ver ANEXO - Quadros 1 & 2). Pertença de D.ª Henriqueta Vidigal49, os manuscritos 1, 2 e 3 do Códice CLI/1-8, incluem uma série de versos para órgão em alternatim, cujo conteúdo é formado por trechos de óperas de Verdi, Donizetti, Bellini e Rossini (ver ANEXO - Quadros 1 & 2). Também o Códice CLI/1 – 17 nº 6, da autoria de António da Silva Leite e oferecido à Abadessa de Cástris, inclui o hino Tantum Ergo. Esta obra foi cantada aquando da comemoração da Restauração, o que é o testemunho do enquadramento político da utilização de uma peça musical sacra (ver ANEXO - Quadros 1).

Conclusão

  • 50 No âmbito deste estudo, em particular na secção «Imprensa local», foram destacadas várias notícias (...)
  • 51 Convento de S. Bento de Castris, nº 223.

22Em conclusão, sublinhamos que a actividade musical das monjas de Cástris nas derradeiras décadas do séc. XIX prolonga a clausura monástica, estando o seu conhecimento isolado da esfera urbana, como pudemos concluir da análise dos diversos manuscritos que formam o Códice CLI da BPE. Já o estudo de alguns testemunhos relatados na imprensa local, de que destacámos os principais jornais locais, permitiu constatar que o enfoque noticioso privilegia sobretudo os acontecimentos musicais públicos e urbanos, como sejam bailes de máscaras, comemorações municipais, eventos de âmbito político e récitas de ópera. As notícias que referem a música no quadro religioso relacionam-se sempre com as grandes festividades do calendário litúrgico, com destaque para as celebrações da Semana Santa, cuja dinâmica processional ocupa roteiros bem determinados no espaço urbano50. Já os templos são, de certa forma, complementares neste tipo de celebrações, sendo mencionados sobretudo pela utilização das respectivas igrejas nas festividades. No entanto, há muitas excepções a este propósito. Relembramos as referências às freiras cantoras na Semana Santa e ao desempenho vocal das «meninas educandas» no contexto da Festa do Espírito Santo no Convento de Santa Mónica e da Festa da Maria Santíssima no Convento do Salvador. No que diz respeito ao Mosteiro de S. Bento de Cástris, a única referência noticiosa que encontrámos é da autoria de Gabriel Pereira e foi publicada no Manuelinho d´Évora51. Aí o autor ocupa-se de descrição física do espaço, valorizando a sua riqueza artística plástica, e também da narração de milagres, invocando a tradição histórica da vida monástica. Mas, é precisamente na crítica à falta de empenho e interesse das actuais invocações de milagres que Gabriel Pereira se queixa:

  • 52 Ibid.

«Não há convento que não tenha uma farta lista de milagres; hoje passaram de moda; parece que as freiras idosas perderam o geito para os prodígios, só em certos conventos da graça especial ainda se [celebram]…porque, Santo Deus, ao ler as chronicas monásticas pasma se da monotonia, da falta de invenção; sempre as mesmas extasis, o crescer da cera nos altares, o crescer do grão na arca, do azeite na talha, sempre a mesma música celestial…»52

  • 53 Ibid.
  • 54 BERNARDO, 2001, pp. 63-66.

23 Essa crítica a uma tradição monástica que se arrasta nestes finais de oitocentos, na qual a música «…é sempre a mesma música celestial» ou mais à frente na mesma crónica quando o autor refere que os patriarcas de Cástris afastam o feiticeiro «…em solfa de fá bordão…»53, são dados que atestam o isolamento do mosteiro relativamente ao que se passava nas celebrações públicas religiosas na mesma época na cidade de Évora. Na verdade, a actividade musical de Cástris contrasta com a vitalidade das festividades religiosas que se vão observando em Évora54. Parafraseando Eça, também a vida «trancada» e «aferrolhada» era característica da vida musical conventual nestes finais de século, sendo esse aferrolhamento reforçado também pela ausência da transmissão noticiosa do que, em matéria musical, acontecesse entre portas.

Bibliographie

Fontes - Periódicos locais da segunda metade do séc. XIX

A festa de Nossa Senhora de La Salette. Folha do Sul. Évora, 1866, nº 239.

Concerto em Monte Mór. Gazeta do Meio Dia. Évora, 1865, nº 171.

Convento de S. Bento de Castris. Manuelinho d´Évora. Évora, nº 223.

Festa no Espinheiro. Gazeta do Meio Dia. Évora, 1864, nº 43.

Festividade. Gazeta do Meio Dia. Évora, 1864, nº 54.

Festividade. Gazeta do Meio Dia. Évora, 1866, nº 122.

Festividade. Folha do Sul. Évora, 1866, nº 229.

O dia 1º de dezembro, em Évora. Gazeta do Meio Dia. Évora 1865, nº 171

Procissão do Corpo de Deus. Folha do Sul. Évora, Junho de 1866, nº 208.

Sem título. Manuelinho d´Évora. Évora, Ano II, 1882, nº 84.

Semana santa. Gazeta do Meio Dia. Évora, 1865, nº 106.

Semana Santa, Manuelinho d´Évora. Évora, Ano IV, 1884.

Solemnidade de Nossa Senhora da Conceição. Folha do Sul. Évora, Junho de 1866, nº 216.

Bibliografia

ALEGRIA, José Augusto (1973) - Arquivo das músicas da Sé de Évora: catálogo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

ALEGRIA, José Augusto (1977) – Biblioteca Pública de Évora - Catálogo dos Fundos Musicais. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

BERNARDO, Maria Ana (2001) – Sociabilidade e Distinção em Évora no Século XIX – O Círculo Eborense. Lisboa: Edições Cosmos.

CONDE, Antónia Fialho (2009) - Cister a Sul do Tejo. O mosteiro de S.Bento de Cástris e a Congregação Autónoma de Alcobaça (1567-1776). Lisboa: Colibri.

CONDE, Antónia Fialho; GOUVEIA, António Camões (eds.) (2016). - Do Espírito do Lugar – Música, Estética, Silêncio, Espaço, Luz, I e II Residências Cistercienses de S. Bento de Cástris (2013, 2014). Évora, Publicações do CIDEHUS, Bibliotca Estúdios e Colóquios, 5, disponível em https://books.openedition.org/cidehus/1934, DOI : 10.4000/books.cidehus.1934

CONDE, Antónia Fialho (2016) - «Ambiência monástica e prática litúrgico-musical pós-tridentinas no mosteiro de S. Bento de Cástris». In Antónia Fialho Conde e António Camões Gouveia (eds.). Do Espírito do Lugar – Música, Estética, Silêncio, Espaço, Luz, I e II Residências Cistercienses de S. Bento de Cástris (2013, 2014), Évora, Biblioteca - Estudos & Colóquios | Série e-books – 5, pp. 20-36.

CONDE, Antónia Fialho (2019) - «Do tanger e do cantar no mosteiro cisterciense de S. Bento de Cástris no período moderno». In Vanda de  & Antónia Fialho Conde (eds.). Paisagens Sonoras Urbanas: História, Memória e Património. Évora, Biblioteca - Estudos & Colóquios | Série e-books – 14, pp. 207-222.

CONDE, Antónia Fialho, MAGALHÃES, Olga, GOUVEIA, António Camões (Dir.) (2020) – O Claustro e o Século – Espaços, Fronteiras e Identidades. Évora: Biblioteca Estudos & Colóquios – Série E-Books nº 16, CIDEHUS – Universidade de Évora.

GODINHO, Silva (1982-83) - «Temas oitocentistas eborenses». In A Cidade de Évora – Boletim de Cultura da Câmara Municipal. Évora, 65-66, Ano XXXIX-LX, pp. 165-188.

GODINHO, Silva (1984-85) - «Temas oitocentistas eborenses». In A Cidade de Évora – Boletim de Cultura da Câmara Municipal. Évora, 67-68, Ano XL-XLI, pp. 39-67.

GODINHO, Silva (1986-87) - «Temas oitocentistas eborenses». In A Cidade de Évora – Boletim de Cultura da Câmara Municipal. Évora, 69-70, Ano XLIII-XLIV, pp. 63-77.

HENRIQUES, Luís Carlos Fortuna (2016) - «O canto do ofício na Quaresma e Semana Santa no Mosteiro de S. Bento de Cástris - O manuscrito P-EVad Ms 29 e a sua organização». In Antónia Fialho Conde e António Camões Gouveia (eds.). Do Espírito do Lugar – Música, Estética, Silêncio, Espaço, Luz, I e II Residências Cistercienses de S. Bento de Cástris (2013, 2014), Évora, Biblioteca - Estudos & Colóquios | Série e-books – 5, pp. 47-59.

OLIVEIRA, Filipe Mesquita de (2014) - «Acervo musical da Sé de Évora (1755-1840): construção de um arquivo digital». In Investigação e(m) Artes: perspectivas - I Encontro/Debate, Évora, Universidade de Évora - Escola de Artes, pp. 97-99.

OLIVEIRA, Filipe Mesquita de (2015) - O Códice CLI/1-4 nº 8 da Biblioteca Pública de Évora e a execução instrumental organística no contexto cisterciense. Glosas – celebrando a música clássica dos países de língua portuguesa, Lisboa, Edições MPMP, pp. 42-45.

OLIVEIRA, Filipe Mesquita de (2016) - «A questão interpretativa no contexto de Cister no testemunho do Manuscrito Musical 32 do Arquivo Distrital de Évora». In Antónia Fialho Conde e António Camões Gouveia (eds.). Do Espírito do Lugar – Música, Estética, Silêncio, Espaço, Luz, I e II Residências Cistercienses de S. Bento de Cástris (2013, 2014), Évora, Biblioteca - Estudos & Colóquios | Série e-books – 5, pp. 225-239.

ROSA, João (1948) - «Música e músicos em Évora no último quartel do século XIX». In A Cidade de Évora – Boletim da Comissão Nacional de Turismo. Évora, 15-16, Ano VI, Março-Junho, pp. 289-303.

SÁ, Vanda de (2019a) - «A música na cidade de Évora - O papel do Boletim Municipal». In Vanda de  & Antónia Fialho Conde (eds.). Paisagens Sonoras Urbanas: História, Memória e Património. Évora, Biblioteca - Estudos & Colóquios | Série e-books – 14, pp. 119-132.

SÁ, Vanda de (2019b) - "Joaquim José Espanca, a ópera e o Convento: em São Bento de Cástris, uma relação singular" comunicação apresentada no Congresso Internacional Um Reino de Mulheres: Expressões literárias, culturais e artísticas nas instituições monástico-conventuais femininas. Universidade de Évora, 22-24 de abril. A aguardar publicação.

SILVA, Joaquim Palminha (2004) - Dicionário Biográfico de Notáveis Eborenses 1900/2000. Évora: Tipografia Diário do Sul. pp. 103-104.

Annexes

Quadro 1 - Registo de existências explicitamente associadas ao Mosteiro de S. Bento de Cástris, à Ordem de Cister ou a S. Bento, segundo José Augusto Alegria, na secção «Manuscritos musicais» do Catálogo dos Fundos Musicais da Biblioteca Pública de Évora

Quadro 1 - Registo de existências explicitamente associadas ao Mosteiro de S. Bento de Cástris, à Ordem de Cister ou a S. Bento, segundo José Augusto Alegria, na secção «Manuscritos musicais» do Catálogo dos Fundos Musicais da Biblioteca Pública de Évora

Quadro 2 - Registo de existências explicitamente associadas ao Mosteiro de S. Bento de Cástris, à Ordem de Cister ou a S. Bento, segundo José Augusto Alegria, na secção «Códices de música sem indicação de autoria» do Catálogo dos Fundos Musicais da Biblioteca Pública de Évora

Quadro 2 - Registo de existências explicitamente associadas ao Mosteiro de S. Bento de Cástris, à Ordem de Cister ou a S. Bento, segundo José Augusto Alegria, na secção «Códices de música sem indicação de autoria» do Catálogo dos Fundos Musicais da Biblioteca Pública de Évora

Notes

1 Não excluímos aqui obviamente toda a consulta de fontes bibliográficas a que procedemos, sobretudo estudos, com destaque para alguns artigos mais recentes, publicados já em meados do século XX no boletim periódico de Évora, A Cidade de Évora – Cf. ROSA, 1948; GODINHO, 1982-83, pp. 165-188;1984-85, pp. 39-67 & 1986-87, pp. 63-77; importa também referir o estudo de Vanda de Sá sobre o papel do Boletim Municipal de Évora na divulgação de questões de ordem musical, muitas delas reportando-se ao contexto histórico oitocentista, de que se destacam precisamente os artigos de Silva Godinho. Nesse estudo, a autora procede ao levantamento, descrição e apresentação de todos os artigos relacionados com música. – Cf. SÁ, 2019a, pp. 119-132.; o presente autor não segue as orientações do acordo ortográfico.

2 Nas três instituições eborenses mais relevantes que conservam os fundos musicais da cidade, nomeadamente, a Biblioteca Pública de Évora, o Fundo Musical da Sé e o Arquivo Distrital, a grande parte das fontes directamente ligadas à prática musical na cidade encontram-se sob forma manuscrita ou em códices, sendo que apenas uma pequena parte é constituída por impressos. – Cf – ALEGRIA, 1973 & 1977.

3 No contexto da pesquisa que tem vindo a desenvolver sobre diversos aspectos do legado musical patente nos fundos eborenses, o presente autor publicou um estudo sobre os fundos musicais da cidade de Évora – Cf. OLIVEIRA, 2014, pp. 97-99.

4 Cf. Ver nota 2

5 No seu Catálogo dos Fundos Musicais da Biblioteca Pública de Évora, José Augusto Alegria procedeu ao levantamento dos códices CLI. – Cf. ALEGRIA, 1977, pp. 133-158.

6 Têm vindo a ser publicados diversos estudos sobre a actividade do Mosteiro de São Bento de Cástris, com destaque para aqueles que foram produto directo da realização das várias Residências Cistercienses da Unidade de Investigação CIDEHUS do Departamento de História da Universidade de Évora, com destaque para o que contempla as I e II edições da conferência. – Cf. CONDE et al., 2016; de referir também o estudo da mesma autora Cister a Sul do Tejo. O mosteiro de S.Bento de Cástris e a Congregação Autónoma de Alcobaça (1567-1776). – Cf. CONDE, 2009; Importa também mencionar os estudos que, no mesmo âmbito editorial, se reportam à actividade musical de Cástris. - Cf. OLIVEIRA, 2015, pp. 42-45; OLIVEIRA, 2016, pp. 225-239; CONDE, 2016, pp. 20-36; CONDE, 2019, pp. 207-222; HENRIQUES, 2016, pp. 47-59.

7 SÁ, 2019a, p. 119

8 Os casos do Espinheiro e da Cartuxa levantam um problema terminológico na forma como devemos apelidá-los. Sendo efectivamente mosteiros, são, todavia, conhecidos, em termos de linguagem corrente, como «conventos». Nesse sentido, foi nossa opção manter aqui o título de «conventos». – Cf. CONDE, MAGALHÃES, GOUVEIA, 2020.

9 SÁ, 2019a, p. 119

10 No Quadro 1 do ANEXO do presente texto, o manuscrito com o número de catálogo 39, que inclui obras do Padre Rocha Espanca, surge apontada a data de composição da Lição 3ª de Trevas, 1880, o que testemunha o prolongamento da actividade musical sacra em S. Bento de Cástris, muito para lá da extinção das ordens religiosas (1834); SÁ, Vanda de "Joaquim José Espanca, a ópera e o Convento: em São Bento de Cástris, uma relação singular" comunicação apresentada no Congresso Internacional Um Reino de Mulheres: Expressões literárias, culturais e artísticas nas instituições monástico-conventuais femininas. Universidade de Évora, 22-24 de abril. A aguardar publicação.

11 ROSA, 1948, pp. 298-99

12 Ibid.

13 BERNARDO, 2001.

14 Ibid., 27-73.

15 Maria Ana Bernardo assinala-o, como aqui transcrevemos: «À relativa indiferença pelos espaços públicos de sociabilidade, de que o teatro e o Passeio Público eram exemplos, escapavam as práticas religiosas; as celebrações da Semana Santa, em particular, eram apresentadas como cerimónias grandiosas. A existência de conventos, irmandades, um seminário e magníficos templos permitia, na opinião de um jornalista, que as solenidades religiosas adquirissem em Évora especial brilho e esplendor» - Cf. BERNARDO 2001, 31.

16 Ver nota 15.

17 Cit. por BERNARDO, 2001, p. 30.

18 Ibid., p. 30.

19 João Rosa no seu estudo Música e Músicos em Évora… trata em particular desse tipo de instituições culturais, entre as quais, a sociedade recreativa «Sol e Dó – Noctivagos», a Orquestra Eborense e os músicos que, durante as décadas finais do séc. XIX, a elas se associaram, nomeadamente, Teodósio Ferreira, Soalhal e Esquivel, entre outros. – Cf. ROSA, 1948.

20 BERNARDO, 2001, p. 33; Gabriel Pereira foi um insigne intelectual eborense da segunda metade do séc. XIX e dos inícios do século XX tendo-se destacado no campo da arte e arqueologia, bem como na tradução de clássicos como Plínio e Estrabão. Entre 1888 e 1902 foi director da Biblioteca Nacional; Cf. SILVA, 2004, pp. 103-104.

21 Sublinhamos que a base da nossa pesquisa foi o catálogo dos fundos musicais da BPE realizado por José Augusto Alegria na segunda metade do século passado, e editado pela Fundação Gulbenkian em 1977. A nossa directriz de estudo a propósito da relação de parte desses códices com S. Bento de Cástris resulta da confirmação, através de registos incluídos nos próprios manuscritos, de que estiveram associados a esse mosteiro. Tal não dispensa que, em futuros estudos sobre o espólio da BPE, não venha o levantamento de Alegria a ser alargado a outros códices e manuscritos que possam também vir a estar associados a S. Bento de Cástris. De qualquer forma, para já, vamos centrar-nos apenas nos dados que foram levantados por este estudioso. – Cf. ALEGRIA, 1977.

22 Em estudo anterior, o presente autor aprofundou a questão da propriedade do Códice CLI/1-4 nº 5 da Biblioteca Pública de Évora e das executantes envolvidas na utilização das cópias musicais nele incluídas; Cf. OLIVEIRA, 2015, pp.42-45.

23 ALEGRIA, 1977, p. 139; ver também nota 22.

24 OLIVEIRA, 2015, pp.42-45.

25 ALEGRIA, 1977, p. 143-144.

26 Encontra-se no prelo um estudo sobre o Padre Joaquim José da Rocha Espanca e a sua relação com S. Bento de Cástris. – Cf. SÁ, 2019b.

27 Concerto em Monte Mór. 1865, nº 171.

28 Concerto em Monte Mór. 1865, nº 171.

29 O dia 1º de dezembro, em Évora, 1865, nº 171

30 Semana Santa, Ano IV, 1884.

31 Semana santa, nº 106, 1865.

32 Festividade, nº 122, 1866; Cf. também a Festa no Espinheiro nº 43 1864 que refere a Festa no Convento do Espinheiro com Missa cantada. O convento, como salienta o registo noticioso, era na altura posse do Sr. Manuel Gabriel Lopes, o qual o teria comprado após a extinção das ordens religiosas.

33 Existem muitos exemplos de mosteiros localizados dentro das cidades e de conventos construídos em locais isolados, que tornam discutível o critério segundo o qual os devemos apelidar de conventos ou mosteiros - Cf. CONDE, MAGALHÃES, GOUVEIA, 2020.

34 Sem título, Ano II, 1882 nº 84.

35 Solemnidade de Nossa Senhora da Conceição, 1866, nº 216.

36 Procissão do Corpo de Deus, 1866, nº 208; a Procissão do Corpo de Deus constitui-se como um dos eventos litúrgicos mais importantes em Évora durante a segunda metade de oitocentos: «De entre todas elas sobressaía, pela solenidade e esplendor, a procissão do Corpo de Deus, cuja tradição remontava ao Antigo Regime. A importância simbólica da cerimónia fica perfeitamente evidenciada pelas minuciosas descrições surgidas na imprensa da época… - Cf. BERNARDO, 2001, p. 64.

37 A festa de Nossa Senhora de La Salette, nº 239

38 Festividade. Folha do Sul. Évora, 1866, nº 229

39 Semana santa. Gazeta do Meio Dia, nº 106.

40 Festividade. Gazeta do Meio Dia, nº 54.

41 O códice CLI /1-4 nº 8 testemunha-o – Cf. OLIVEIRA, 2015

42 Cf. Nota 33.

43 Semana santa, nº 106, 1865.

44 «As práticas de sociabilidade ocorridas sob o signo da religião prolongavam-se dos recintos fechados dos templos para os espaços abertos das ruas e impregnavam a malha urbana, estendendo a sua presença a diversos pontos da cidade, mediante a realização de procissões e arraiais.» - Cf. BERNARDO, 2001, p. 63.

45 OLIVEIRA 2014, 2015 & 2016

46 «Após uma primeira audição da música transcrita, tomamos consciência relativamente ao lado insólito da expressão musical destes versos organísticos, em completo descordo com a expressão espiritual e o lado angélico e contemplativo que seriam de esperar numa música de culto religioso. A expressão musical dos versos enquadra-se sim no âmbito da música mundana, por vezes com carácter de dança, senão mesmo com uma expressão popular e folclórica.» - Cf. OLIVEIRA 2015, p.45.

47 Referimo-nos ao manuscrito com o número 7 da secção «Manuscritos musicais» e 27 e 87 da secção «Códices de música sem indicação de autoria» da catalogação de Alegria, cujos títulos são seguidos da referência à proprietária do códice/manuscrito – Cf. ALEGRIA, 1977, pp. 52, 139 & 149.

48 OLIVEIRA 2015, p.43.

49 Ver nota 47

50 No âmbito deste estudo, em particular na secção «Imprensa local», foram destacadas várias notícias atestando a solenidade e o clima festivo público de diversas festividades religiosas celebradas em Évora.

51 Convento de S. Bento de Castris, nº 223.

52 Ibid.

53 Ibid.

54 BERNARDO, 2001, pp. 63-66.

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Gazeta do Meio Dia (nº 171, Dezembro de 1865): concerto em Montemor o Novo e comemoração do dia da Restauração
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-1.png
Fichier image/png, 449k
Titre Figura 2 - Manuelinho d´Évora (Ano IV – 1884): descrição das solenidades da Semana Santa
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-2.png
Fichier image/png, 228k
Titre Figura 3 - Gazeta do Meio Dia (nº 106, 1865): referência noticiosa à actividade musical das freiras nos conventos no contexto das festividades da Semana Santa
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-3.png
Fichier image/png, 226k
Titre Figura 4 - Manuelinho d´Évora (1882, ANO II nº 84): Festejos da imagem de Nossa Senhora de Aires na Igreja do Convento de Santa Catarina
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-4.png
Fichier image/png, 367k
Titre Figura 5 - Folha do Sul (Junho de 1866 nº 216): Grande aparato na celebração da Festa de Nossa Senhora da Conceição
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-5.png
Fichier image/png, 290k
Titre Figura 6 - Folha do Sul (Junho de 1866 nº 208): Procissão do Corpo de Deus em ambiência político-patriótica
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-6.png
Fichier image/png, 389k
Titre Figura 7 - Excerto de Folha do Sul. (1866, nº 239): descrição pormenorizada da Festa de Nossa Senhora de la Salette
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-7.png
Fichier image/png, 276k
Titre Figura 8 - Folha do Sul. (1866, nº 229): as vivências sociais por ocasião da Festa de Nossa de Ayres
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-8.png
Fichier image/png, 491k
Titre Figura 9 - Gazeta do Meio Dia (1865, nº 106): descrição pormenorizada das celebrações da Semana Santa
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-9.png
Fichier image/png, 237k
Titre Figura 10 - Gazeta do Meio Dia (1864, nº 54): anúncio de realização da procissão de Nossa Senhora do Rosário com descrição do percurso urbano
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-10.png
Fichier image/png, 298k
Titre Quadro 1 - Registo de existências explicitamente associadas ao Mosteiro de S. Bento de Cástris, à Ordem de Cister ou a S. Bento, segundo José Augusto Alegria, na secção «Manuscritos musicais» do Catálogo dos Fundos Musicais da Biblioteca Pública de Évora
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-11.png
Fichier image/png, 89k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-12.png
Fichier image/png, 85k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-13.png
Fichier image/png, 77k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-14.png
Fichier image/png, 74k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-15.png
Fichier image/png, 59k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-16.png
Fichier image/png, 72k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-17.png
Fichier image/png, 81k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-18.png
Fichier image/png, 60k
Titre Quadro 2 - Registo de existências explicitamente associadas ao Mosteiro de S. Bento de Cástris, à Ordem de Cister ou a S. Bento, segundo José Augusto Alegria, na secção «Códices de música sem indicação de autoria» do Catálogo dos Fundos Musicais da Biblioteca Pública de Évora
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-19.png
Fichier image/png, 80k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-20.png
Fichier image/png, 84k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-21.png
Fichier image/png, 91k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-22.png
Fichier image/png, 84k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17605/img-23.png
Fichier image/png, 55k

Auteur

Dep. de Música- CESEM/Escola de Artes - Universidade de Évora, fsmo@uevora.pt

© Publicações do Cidehus, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search