Version classiqueVersion mobile

Paisagens sonoras históricas

Introdução

Vanda de , Antónia Fialho Conde et Rodrigo Teodoro de Paula

Texte intégral

1As relações entre os sons e as cidades têm recebido especial atenção, nas últimas décadas, de diferentes áreas científicas, promovendo o desenvolvimento de novos campos de estudos e incentivando, a partir da abordagem interdisciplinar, novas reflexões em torno da cultura aural. A introdução do conceito de soundscape em disciplinas como a música, a história, a geografia, a antropologia, a sociologia, as artes performativas e sonoras e a arquitetura, deu protagonismo ao som, considerando-o como um elemento fulcral para a compreensão das normas e práticas sociais. Seja em território urbano ou rural, o repertório sonoro identificado - incluindo o silêncio - nesses espaços, permite-nos analisar as suas tipologias, as formas com que os sons interagem com um ambiente acústico específico, como são produzidos, rececionados e utilizados pelos seus habitantes nas suas práticas quotidianas, nas suas formas de comunicação e na construção e manutenção de uma memória e identidade locais.

2No âmbito da musicologia histórica, os estudos sobre a música e as cidades, que se tornaram profusos a partir da década de 1980, proporcionaram um crescente interesse nessa área de investigação, tendo como referência o trabalho de Reinhard Strohm (1985), e, posteriormente, o desenvolvimento de uma nova ramificação dos estudos musicológicos por Tim Carter (2002), com a chamada Urban Musicology. A novidade estava em incluir, na análise sobre um espaço urbano delimitado - para além de ampliar os campos de investigação relacionados à prática musical -, sons antes não contemplados, mas que, juntamente com a música, ajudavam a estruturar o ritmo de vida citadino, as ações coletivas ritualizadas, principalmente em dias festivos, como os toques de sinos, os foguetes, os pregões, os disparos de artilharia, os sermões, etc. Essa proposta motivou ainda, na musicologia ibero-americana, a partir de 2005, a produção de textos com temáticas diversas, tendo como principal elemento unificador a cultura sonoro/musical de cidades até então negligenciadas pela historiografia da música, provocando um necessário impacto na hegemonia dos estudos que tradicionalmente contemplavam somente os grandes centros urbanos.

3No seguimento das revisões conceptuais sobre a polissemia do termo soundscape por autores como Ary Kelmann (2010), Jonathan Stern (2015), Jonh Picker (2019), Nuno Fonseca (2019), entre outros, inspiradas pela história das sensibilidades e das emoções, e ainda pela ideia de acoustic communities desenvolvida por Barry Truax (1984), surgem na musicologia, em meados da década de 2010, as primeiras referências à expressão historical soundscapes como delimitadora de uma nova forma de contemplar, a partir da cultura auditiva, a experiência sensorial do passado. O seu uso é evidenciado nos trabalhos musicológicos de Alexander Fisher (2014), Tess Knighton (2019) e em projetos pioneiros de cartografia sonora, desenvolvidos com a utilização de novas tecnologias, entre os quais podemos destacar, em Espanha, o projeto Paisaje Sonoro Histórico e, em Portugal, o projeto Patrimonialização da Paisagem Sonora de Évora - PASEV, da Universidade de Évora.

4Os textos que constituem o presente e-book foram selecionados a partir da segunda edição do encontro internacional Paisagem Sonora Histórica / Historical Soundscapes Meeting, que teve lugar em Évora, no ano de 2019, iniciativa bianual realizada pelo supracitado projeto.

5À semelhança do anterior volume, intitulado Paisagens sonoras urbanas: História, Memória e Património, publicado em 2019, a estrutura do presente livro pode considerar-se convencional em relação a divisões temáticas já exploradas na História e Musicologia. Apresenta, porém, novos dados em cada estudo que permitem sedimentar e elaborar uma narrativa que se vai apresentando singular ao domínio da Paisagem Sonora. O horizonte cronológico é extenso e por isso a diversidade metodológica é estimulante em possibilidades interdisciplinares. Trata-se, de facto, de um conjunto ambicioso de textos, apostando na transversalidade dos temas, que se agrupam em torno de sete linhas temáticas. Assim, após apresentar as relações conceptuais entre a Musicologia, os Sound studies e Sound history, e uma interessante reflexão sobre o silêncio, os capítulos seguintes tratam os sons na Corte, os sons em contexto religioso e em espaço urbano (e sociabilidades que lhe estão associadas), dedicando-se ainda um capítulo à importância dos acervos musicais e do património organológico, sendo o último capítulo dedicado às relações entre as novas tecnologias e o registo sonoro. Esta organização temática acaba por refletir uma linha de continuidade que já é marca do Projeto PASEV, tal como a publicação de 2019 já prenunciava.

6Não podemos encerrar esta apresentação sem prestar a nossa justa homenagem ao compositor, escritor, pedagogo e ambientalista Murray Schafer, falecido no dia 14 de agosto de 2021, mas que nos deixa um legado artístico e intelectual imprescindível para a pedagogia e os estudos sonoros, para as artes dos sons, para o meio ambiente, inspirando-nos e convocando-nos para novas descobertas sonoras a partir de uma escuta consciente, reflexiva, crítica e criativa. A nossa gratidão maestro!

© Publicações do Cidehus, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search