Version classiqueVersion mobile

Paisagens sonoras históricas

O património. Acervos e património organológico

O sineiro que tangia sinos

Diana Felícia

Résumé

Em 1947 foi encomendado um carrilhão para a Igreja Matriz de São Cristóvão de Rio Tinto. Composto por 17 sinos, o conjunto modelado e fundido pela Fundição de Sinos de Rio Tinto estava pronto em maio do mesmo ano. No mês seguinte, foi transportado em cortejo engalanado e ambiente festivo até ao local de destino e inaugurado juntamente com o relógio. Considerando o escasso número de trabalhos dedicados ao estudo de conjuntos de sinos, a existência de um registo técnico das peças, de recortes de jornal que noticiavam a sua inauguração e de carimbos utilizados na modelação das representações dos sinos que integram o carrilhão de Rio Tinto, este constituía uma oportunidade ímpar de investigação. A partir da pesquisa desenvolvida no arquivo da família e em outras fontes documentais e imagéticas, pretendemos com esta investigação contar a história do carrilhão de sinos de Rio Tinto, contextualizando a sua execução e apresentando as características de cada uma das peças.

Texte intégral

Introdução

1Pelas dificuldades inerentes ao seu estudo, a indústria sineira e as suas produções têm sido pouco exploradas pela historiografia. Sendo um ofício transmitido de modo geracional, frequentemente preservando em segredo as variações da técnica/liga utilizada, o encerramento/ abandono desta atividade ditou muitas vezes o desaparecimento dos seus vestígios materiais. Do conjunto de fábricas de fundição de sinos que operaram em Portugal durante o século passado resta somente uma unidade industrial, a Fundição de Sinos de Braga de Serafim da Silva Jerónimo. Assim, o estudo destas empresas, agora extintas, torna-se apenas possível através dos sinos por elas produzidos e que ostentam nas suas faces o nome do feitor e o local onde foram fundidas. Sem embargo, nem sempre é fácil aceder às torres sineiras, muitas delas em estado de ruína e abandono provocado pela automatização dos sistemas de toque que passaram a permitir, a partir dos inícios do séc. XX (SEBASTIAN, 2008, 103), o acionamento dos sinos através de dispositivos primeiro eletromecânicos e depois, no final da mesma centúria, eletrónicos colocados no interior da igreja. Este avanço tecnológico erradicou, paulatinamente, a necessidade de as paróquias disporem de sineiros capazes para executar os devidos toques e, consequentemente, contribuiu para uma desvalorização e até um certo esquecimento destas peças.

2O trabalho por nós realizado para obtenção do grau de Mestre e orientado pela Prof.ª Doutora Ana Cristina Sousa (FELÍCIA, 2019, vol.1 e 2) procurou colmatar algumas das lacunas enunciadas. Focando o acervo material e documental preservado pela Fundição de Sinos de Rio Tinto, este trabalho localizou diversos documentos inéditos como contratos de encomenda de sinos e conjuntos de sinos, registos de saída de mercadorias, correspondência trocada com clientes e tabelas de preços, para referir alguns exemplos, que permitem agora um olhar mais informado sobre as dinâmicas do negócio sineiro.

3Dos trabalhos realizados sobre sinos, e mais concretamente dedicados à sua fundição, sublinhem-se os trabalhos de Luís Sebastian (SEBASTIAN, 2018) que, enquanto a fábrica de Rio Tinto ainda laborava, teve a oportunidade de registar as suas técnicas de produção assim como as da Fundição de Sinos de Braga. Também a exposição “Sinos, a partir da fundição”, que esteve patente na biblioteca da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto em junho de 2005, merece menção por ter exposto alguns documentos provenientes da fábrica em estudo. Numa outra perspetiva, destacamos a obra de Miguel Carvalho que explora os dois carrilhões de Mafra (CARVALHO, 2012). Nessa investigação, realiza-se a caracterização musical das peças sendo para isso necessário o recurso a tecnologias de registo dos tons de cada um dos sinos e não sendo apresentadas fontes históricas que contextualizem a encomenda.

4Do conjunto de documentos analisados e pertencentes à Fundição de Sinos de Rio Tinto, evidenciamos os que reportam ao carrilhão fundido em 1947 para a Igreja Matriz de São Cristóvão de Rio Tinto. Com a presente investigação pretendemos analisar as diversas fontes localizadas para o estudo deste conjunto formado por 17 sinos, apresentando as suas características formais, afinação, descrevendo o cortejo de transporte para a igreja de destino e ainda algumas considerações sobre o seu funcionamento e sobre um dos sineiros que o tangia.

5Em termos conceptuais, devemos esclarecer que a Federação Mundial do Carrilhão define um carrilhão como um instrumento composto por mais de vinte e três sinos de bronze e que por intermédio de um teclado faz soar peças musicais. A esta regra, acresce a exceção dos conjuntos fundidos em data anterior a 1940 que, sendo constituídos por quinze ou até vinte e dois sinos, serem considerados carrilhões históricos (WORLD CARRILLON FEDERATION, s.d.). Pelo facto de o conjunto gondomarense não reunir estas condições, utilizaremos o termo «carrilhão» em itálico.

A Fundição de Sinos de Rio Tinto

6 Como tantas outras unidades industriais do século passado, a Fundição de Sinos de Rio Tinto deriva de uma outra firma, denominada Portuense, fundada em 1899 e sediada na rua do Heroísmo, no Porto (SEBASTIAN, 2008, 178). Após o falecimento do primeiro proprietário, a viúva cedeu o negócio a Laurentino Martins da Costa, funcionário da fundição (MAGALHÃES; 1999, 209) que a transferiu, nos inícios da década de 30 (FELÍCIA, 2019: vol.1, 41), para Gondomar e a rebatizou como Fundição de Sinos de Rio Tinto. Nesta freguesia, a fundição operou primeiramente no Largo da Estação e, anos mais tarde, por volta de 1956, foi transferida para a Rua Dr. Guilherme Cirne (FELÍCIA, 2019: vol.1, 40; 43), local onde funcionou até encerrar em 2012.

Figura 1 - A fundição de sinos de Rio Tinto (R. Dr. Guilherme Cirne)

Figura 1 - A fundição de sinos de Rio Tinto (R. Dr. Guilherme Cirne)

D. Felícia, 2018

7A Laurentino sucedeu, na gestão do negócio, o seu filho Henrique Marques da Costa. Com a morte de Henrique, em 1970, a empresa ficou ao cargo da sua esposa Ana Dias Vieira, que conseguiu assegurar o ofício familiar até 2011, ano do seu falecimento. Nos últimos anos desta gerência, a fundição operava já com algumas dificuldades e necessitava dos conhecimentos empíricos dos seus funcionários para poder subsistir. É neste contexto que continua a produzir até 2012, ano do encerramento definitivo, sob comando de Alberto Costa, filho de Ana Vieira e Henrique. Subsequentemente, questões familiares relativas à partilha dos bens deixados por Ana Vieira ditaram o adiamento do destino a dar ao imóvel e ao respetivo recheio.

8Em 2013 Ana Zaida, bisneta de Laurentino Martins da Costa e atual proprietária, adquire o imóvel e o que restou do seu recheio procurando manter viva a memória do ofício da família. Apesar de ter inicialmente equacionado a possibilidade de criar um centro interpretativo no local, as dificuldades inerentes à requalificação do espaço e musealização do acervo foram condicionando a concretização de medidas. Foi assim que a Fundição de Sinos de Rio Tinto se manteve quase congelada no tempo até à nossa primeira visita, em finais de 2018, tendo ainda os moldes dos últimos sinos que ficaram por fundir dispostos sob o chão de terra batida. Nos armários e prateleiras, um conjunto notável de carimbos de fundição de sinos, alguns utensílios imprescindíveis à operação e um vasto acervo documental que inclui notas de encomenda, tabelas de preço, registos de saída de mercadoria e ainda um volume considerável de correspondência trocada entre os fregueses e os proprietários. Estes objetos foram, entretanto, organizados e movidos para as dependências anexas da fábrica, devido ao iminente perigo de ruína da cobertura do edifício, resultado de tantos anos em estado devoluto.

9Durante os seus 80 anos de funcionamento, a Fundição de sinos de Rio Tinto produziu peças para os mais diversos locais do nosso país. De modo a publicitar os trabalhos já realizados, os proprietários apresentavam alguns exemplos nos documentos administrativos da empresa, nos quais se podia ler:

Foram construídos nesta casa desde 1946 os carrilhões de: - Penha – Guimarães 19 sinos com o peso de 4.155 kgs. – Rio Tinto 17 sinos com o peso de 3.655 kgs. – Paranhos – Porto 10 sinos com o peso de 1.290 kgs. – E os sinos monumentais de: Castelo de Palmela com o peso de 1.200 kgs. – Sé da Guarda 2 sinos com o peso de 1.727 kgs. -Para Bissau Guiné 2 sinos com o peso de 1.365 kgs. e muitos outros anteriores e posteriores a 1946, espalhados por todo o continente, Colónias e Brasil. (FELÍCIA, 2019: vol.1, 48; vol.2, 1320)

10A Fundição de Rio Tinto recebeu também várias encomendas da já extinta DGEMN -Direção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, como comprovam os livros de registo de saída de mercadorias conservados na fábrica (FELÍCIA, 2019: vol. 2, 73; 75). Esta relação comercial é igualmente corroborada pela correspondência da empresa, onde os fundidores mencionavam as encomendas da DGEMN como padrão de qualidade dos seus produtos e técnica de fundição (FELÍCIA, 2019: vol. 2, 84; 106; 117; 139). A pedido desta Direção foram fundidos, em 1946, os sinos para o Castelo de Palmela e para a Sé de Miranda do Douro (FELÍCIA, 2019: vol. 2, 75-76).

11É igualmente possível que a encomenda de um sino destinado à Igreja de Freixo de Baixo, ocorrida anos antes, tenha provindo da DGMEN. A igreja, classificada como Monumento Nacional em 1935, foi alvo de uma profunda intervenção de restauro entre 1941 e 1956 que incluiu a elevação das paredes da torre sineira, segundo os restos encontrados no paramento sul e restauro das sineiras (MACHADO et al., 2014: vol.1, 270-271). O referido sino, que não está registado nos livros da fábrica, apresenta na sua superfície a data de 1940, sendo possível que tenha sido encomendado pela Direção no curso dos preparativos do restauro deste templo. Em 1936, a DGEMEN encomendou ainda outro sino à Fundição de Rio Tinto para a Igreja do extinto Convento de Santa Clara no Porto. A peça foi então fundida por Laurentino Martins da Costa aquando do restauro do imóvel classificado como Monumento Nacional.

A encomenda, transporte e inauguração do Carrilhão da Igreja de Rio Tinto

  • 1 Identificamos num destes sinos um sinete com a inscrição Joannes Franciscvs me fecit Bracharae. Ape (...)

12 A Igreja de São Cristóvão de Rio Tinto foi alvo de uma intervenção arquitetónica em 1933, que acrescentou a torre sul à sua frontaria. Originalmente tinha apenas uma torre e, consequentemente, um número bem mais reduzido de sinos, alguns dos quais ainda se preservam no local1 e continuam a tocar através do sistema eletrónico.

Figura 2 - A Igreja de São Cristóvão de Rio Tinto

Figura 2 - A Igreja de São Cristóvão de Rio Tinto

D. Felícia, 2018

13O novo conjunto de 17 sinos foi encomendado em 1947 e o seu registo está contemplado num livro de saída de mercadorias da Fundição de Sinos de Rio Tinto (FELÍCIA, 2019: vol. 2, 1326). Estava concluído em 20 de Maio de 1947, foi encomendado pela Comissão Angariadora do Carrilhão de Rio Tinto e custou, com os respetivos acessórios, um total de 16.500$00 escudos. O valor dos sinos foi calculado a 30$00 por cada Kg de bronze sendo que o peso total das peças é de 3.655,5 Kg, perfazendo-se assim o valor enunciado. Individualmente, os sinos correspondem aos seguintes tons, organizados do mais grave para o mais agudo: Sol/ Lá/ Si♭/ Si/ Dó/ Dó♯/ Ré/ Mi♭/ Mi/ Fá/ Fá♯/ Sol/ Sol♯/ Lá/ Lá♯/ Si/ Dó (FELÍCIA, 2019: vol. 2, 1326).

D. Felícia, 2018

14 Na fundição encontrámos um recorte de jornal, preservado intencionalmente pelos proprietários, que noticiava a conclusão e inauguração do carrilhão para a Igreja paroquial de Rio Tinto. Apesar de não ser possível identificar o periódico ou a sua data, esta notícia indica que o conjunto esteve em exposição nos espaços da fundição durante dois dias e que foi afinado pelo professor de música Sr. José Neves. Nos dias em que esteve exposto, o carrilhão, pago pela freguesia, foi posto à prova com variadíssimos toques musicais em que os mais afamados sineiros de Braga (irmãos Pontes) puseram mais uma vez à prova os seus créditos. A breve notícia regista ainda que o conjunto será conduzido ao seu destino no dia 25 do corrente devendo ser inaugurado no dia 1 de Junho (FELÍCIA, 2019: vol. 2, 1341).

15Localizámos dois outros recortes de jornal relativos ao já referido sino para o Castelo de Palmela (FELÍCIA, 2019: vol. 2, 1339) e ao carrilhão da Igreja Paroquial de Paranhos (FELÍCIA, 2019: vol. 2, 1340) respetivamente, que assinalam um similar período de exposição das peças na fundição. Esta recorrência permite-nos concluir que a exposição dos sinos de maior relevância ao público constituiria uma prática corrente nesta fundição, facto interessante na medida em que a maioria destes conjuntos é, ainda hoje, difícil de observar no seu local de destino. A criação destes momentos de exposição pode então ser entendida não só como meio de publicitar o negócio, demonstrando-se a qualidade técnica e sonora dos sinos, mas também como maneira de permitir aos habitantes locais que contemplassem as peças que iriam marcar a paisagem sonora da sua localidade, antes de ser içadas para as suas torres e se tornarem inacessíveis.

16No dia 25 de maio de 1947, tal como anunciava a notícia do jornal, o transporte do carrilhão para a Igreja de São Cristóvão decorreu em cortejo engalanado e festivo. A sucessão dos acontecimentos é conhecida pelo trabalho do Padre António Costa Leite, pároco de Rio Tinto, que publicou, em 1975, uma compilação de acontecimentos memoráveis da paróquia (LEITE, 1975). Nesse trabalho, onde se incluem os escassos registos fotográficos que conseguimos localizar do acontecimento, o pároco começa por referir:

«Os sinos e os seus acessórios foram transportados em 18 carros quase todos puxados a 2 e 3 juntas de bois e o do sino maior por 6 juntas, engalanadas a capricho e bom gosto, pelos diversos lugares da freguesia, procurando cada um apresentar o melhor carro.» (LEITE, 1975, 11)

17Pela mesma fonte sabemos que toda a comunidade local foi chamada a participar e assistir:

«Abriram o cortejo 3 cavaleiros com hábitos da Ordem de Cristo, seguidos da Comissão promotora do Cortejo, das autoridades e da Banda Marcial de Rio Tinto. Iam depois os carros com os sinos e outros carros com oferendas num total de 40 carros e grande número de raparigas, fantasiadas, que, em longas filas, conduziam oferendas. Os clubes futebolistas e os grupos recreativos da freguesia também se incorporaram com as suas bandeiras. Fechava o imponente cortejo o carro da Juventude Católica de Rio Tinto, hoje morta mas então viva, e que tanto trabalhou e fez em benefício das obras da Igreja. Nesse carro, uma grande Barca com o pescador Pedro ao leme, simbolizando a Igreja Católica.» (LEITE, 1975,11-12)

18O texto do Padre António permitiu-nos ainda reconstruir o itinerário levado a cabo por este cortejo, que abarcou uma extensão considerável de território. O percurso foi por nós esquematicamente representado e incluiu várias zonas da freguesia de Rio Tinto, como Baguim e Venda Nova. Percorreu cerca de 6 Km, distância que, a título de referência, demora aproximadamente 1h20 a completar por um indivíduo a pé, se caminhar a um ritmo moderado.

Figura 4 - Representação esquemática do itinerário do cortejo de transporte dos sinos para Rio Tinto

Figura 4 - Representação esquemática do itinerário do cortejo de transporte dos sinos para Rio Tinto

D. Felícia, 2019

19Apesar de anunciada para 1 de junho, a inauguração do carrilhão e do relógio da Igreja ocorreu apenas a 20 de julho de 1947 (LEITE, 1975,12-14), tendo estado presentes o Prelado da Diocese, D. Agostinho de Jesus e Sousa, o Presidente da Câmara de Gondomar, à data o Dr. Porfírio de Andrade, o presidente da Junta de freguesia e demais autoridades locais, confrarias, associações religiosas e muito povo que com o maior entusiasmo se associou à festa da inauguração (LEITE, 1975,12-14). O evento contou com uma sessão solene no Salão do Patronato e que teve grande afluência de público (LEITE, 1975, 14). Apesar de não ser mencionado pela fonte em estudo, no decorrer das festividades deverá ter ocorrido também a cerimónia de batismo dos sinos, ritual indispensável para que o conjunto pudesse operar em contexto litúrgico.

20Pelo exposto se pode compreender o impacto que eventos desta natureza tinham nas comunidades, envolvendo toda a população e apelando à participação das personalidades eclesiásticas, administrativas e recreativas locais, como a banda marcial da freguesia e os clubes desportivos. Eram eventos de alguma dimensão, tanto a nível de público como ao nível do investimento necessário para fazer desfilar os carros alegóricos, e mobilizavam pessoas de freguesias vizinhas para assistir ao cortejo. Como disse o Padre Leite cortejo com tal importância e brilho folclórico jamais se realizará em Rio Tinto (LEITE, 1975, 12).

Figura 5 - Parte do carrilhão de Rio Tinto

Figura 5 - Parte do carrilhão de Rio Tinto

D. Felícia, 2018

21 Na Igreja de São Cristóvão de Rio Tinto, para além dos colocados nos vãos, os sinos estão dispostos no interior da torre sul numa estrutura que se desenvolve em torno das aberturas da sineira (FELÍCIA, 2019: vol. 2,1265-1270). Sustentadas por vigas de ferro e com uma das faces voltadas para a parede interior, o estudo iconográfico destas peças apresenta dificuldades acrescidas. Para além disso, à data da nossa visita, os sinos que estão efetivamente suspensos nas sineiras apresentavam-se cobertos por dejetos de aves, o que tornava quase ilegíveis as suas representações. Desde então, sabemos que a paróquia moveu os devidos esforços com vista à limpeza dos mesmos.

22Em comum, todos estes sinos têm as rendilhas que os circundam na orla superior e o sinete que os identifica como produção da Fábrica de Sinos de Rio Tinto de L. M da Costa Gondomar (FELÍCIA, 2019: vol. 2,1268). Pelo registo do conjunto no livro de saída de mercadorias da fundição, sabemos que um dos sinos de menor dimensão apresenta na sua superfície um Menino Jesus (FELÍCIA, 2019: vol. 2, 1326). A observação direta das peças permitiu-nos ainda identificar um Santo António na superfície de um dos sinos médios, acompanhado pela inscrição S.to António Doutor da Igreja. O carimbo utilizado para a modelação desta imagem foi conservado até aos dias de hoje (FELÍCIA, 2019: vol. 2, 338-341) e obedece a um esquema iconográfico semelhante ao utilizado no painel azulejar localizado na fachada principal do edifício, no qual Santo António aparece representado. Considerando que os sinos confirmam e muitas vezes alimentam devoções já existentes, avançamos ainda a forte probabilidade de estarem representados São Cristóvão e São Bento na(s) face(s) de outro(s) sino(s), também eles retratados nos painéis azulejares hagiográficos da frontaria da Igreja. Esta teoria ganha força pelo facto de São Cristóvão ser o padroeiro da Igreja (e estes sempre frequentemente representados nos sinos das paróquias) e a Festa de São Bento (Festa litúrgica a 11 de julho) constituir uma das mais importantes da freguesia, a de São Bento das Peras que ocorre na segunda semana de Julho em simultâneo com a do padroeiro (5 a 14 de julho em 2019).

Figura 6 - Sinete da Fundição de sinos de Rio Tinto num dos sinos do carrilhão da Igreja de S. Cristóvão de Rio Tinto

Figura 6 - Sinete da Fundição de sinos de Rio Tinto num dos sinos do carrilhão da Igreja de S. Cristóvão de Rio Tinto

D. Felícia, 2018

Figura 7 - O carimbo de com a imagem de S. António (à esq.) utilizado para a modelação da representação de um dos sinos (à dir.) do carrilhão de Rio Tinto

Figura 7 - O carimbo de com a imagem de S. António (à esq.) utilizado para a modelação da representação de um dos sinos (à dir.) do carrilhão de Rio Tinto

D. Felícia, 2018

O sineiro que tangia sinos

23A memória viva e o estudo do volume de correspondência que integra o acervo da fundição revelaram um outro dado interessante: o herdeiro da Fundição de Sinos de Rio Tinto, Henrique M. Costa, era também o responsável pelo tanger dos sinos da igreja em ocasiões de festa. A carência de um sistema de organização coeso e o subsequente encerramento da fundição sem qualquer triagem do seu recheio resultaram na preservação de um conjunto de cartas manuscritas, enviadas por Henrique Marques da Costa à sua família durante o serviço militar que iniciou em 1949 e que nos permitiram corroborar esta afirmação. Apesar de aparentemente pouco relevantes, estas fontes demonstraram-se esclarecedoras numa outra dimensão, uma vez que pai e filho trocavam, com regularidade, impressões sobre o funcionamento do negócio da família.

24O conteúdo destes registos, particularmente uma carta datada de março de 1949, menciona que durante a ausência de Henrique os sinos eram tangidos por um tal de Pontes, que os tocava aos domingos e na festa de S. Bento (GUEDES, 1949). Esta passagem leva-nos a conjeturar se o seu substituto seria um dos célebres Pontes referido na notícia de jornal como os mais afamados sineiros de Braga. A carta assinada pelo soldado e amigo Alvarim permite-nos ainda inferir que Henrique tangia os sinos semanalmente.

25Em dezembro do mesmo ano, o jovem Henrique escreve a seu pai e volta a mencionar o conjunto de sinos, dizendo-lhe que soube que o carrilhão já não era tocado há algum tempo. Mostra-se compreensivo com o rapaz que casou e, por isso, provavelmente abandonou o ofício, mas pede notícias a Laurentino, assegurando-lhe que tenciona voltar a tocar o carrilhão quando regressasse da tropa, pois tinha muita vontade nisso (COSTA, 1949). Com base nesta carta, podemos não só verificar que Henrique desempenhava a função com gosto, mas também compreender que havia, outrora, um sineiro designado pela paróquia que aparentemente abandonara o ofício por esta altura.

26A análise dos documentos administrativos da fundição também forneceu resultados importantes para esta sucessão de acontecimentos, demonstrando que, retornado do serviço militar, o jovem Henrique voltou a tanger os sinos da Igreja Matriz. Num postal datado de setembro de 1954 e assinado pelo próprio Padre Leite (que referimos a propósito do cortejo e cerimónia de inauguração) Henrique é convidado para tocar o carrilhão aquando da visita de alguns párocos importantes da Diocese do Porto (LEITE, 1954). O Padre Leite justifica o seu pedido com a oportunidade de divulgar a qualidade dos produtos vendidos pela fundição e como uma forma desta promover o seu negócio (LEITE, 1954). Pelo conteúdo do postal, acreditamos que a situação do sineiro da igreja de Rio Tinto se mantinha inalterada.

27Mais tarde, numa carta datada de 7 de junho de 1967 que Henrique Marques Costa endereça ao Pároco de Fermede, seu cliente, confirma-se que o jovem sineiro continua a tanger os sinos. No documento, Henrique indica não poder marcar o negócio para um determinado dia porque se comprometeu a tocar o carrilhão da Igreja de Rio Tinto por ocasião da comunhão do seu sobrinho (FELÍCIA, 2019: vol.2, 168).

28A memória do «sineiro que tangia sinos» ficou preservada também pela lembrança da filha do próprio Henrique, a D. Ângela Maria, que chegou a acompanhar o seu pai até ao topo da torre. Recorda-se de o ver a operar o antigo sistema de aranha que permitia tanger o carrilhão de Rio Tinto, enquanto trauteava as músicas de olhos fechados (FELÍCIA, 2019: vol. 1, 117) e menciona que este mantinha um livro onde registava as músicas que tocava. Lamentavelmente, essa preciosa fonte perdeu-se no tempo e não chegou até nós.

29Subsistiram, contudo, algumas fotografias de um sistema de aranha improvisado (FELÍCIA, 2019: vol. 2, 1296-1297), com a respetiva pedaleira e uma estante para suporte de tablaturas, disposto num local que parece ser a Fundição de Sinos de Rio Tinto. Estes registos fotográficos levam-nos a crer que a interação de Henrique com os sinos não se circunscrevia ao perímetro da torre da Igreja de Rio Tinto, mas que muito possivelmente o jovem também experimentava e testava as peças que estavam a ser fundidas pela empresa.

Considerações finais

30O estudo do acervo da Fundição de Sinos de Rio Tinto permitiu o afloramento de novas informações, inéditas, sobre o funcionamento da indústria sineira nacional. A diversidade de fontes localizadas possibilitou múltiplas leituras e a raridade de algumas delas levaram-nos a querer demonstrar a sua aplicabilidade e pertinência científica.

31Tendo em conta o escasso número de trabalhos dedicados ao estudo de conjuntos de sinos, entendemos que a existência de um registo técnico das peças, de recortes de jornal que noticiavam a sua inauguração e de carimbos utilizados na modelação das representações dos sinos que integram o carrilhão de Rio Tinto constituía uma oportunidade ímpar de organização da história deste instrumento. Por outro lado, este estudo demonstra de que modo diversas tipologias de fontes históricas podem ser pertinentes e úteis ao estudo destas temáticas.

32Apesar da recente intervenção de limpeza dos sinos, o carrilhão de Rio Tinto tem vindo a cair no esquecimento. A instalação do sistema automático de toque ocorreu em data posterior às cronologias que analisamos e poderá ter sido motivada também pela escassez de sineiros como enunciavam as cartas de Henrique. Esse acontecimento ditou o desmantelamento do primitivo sistema de aranha que era utilizado para acionar os sinos. Não obstante, o mesmo poderia ser recuperado e reconstituído no local, sem que para isso ficasse inutilizado o sistema mecânico. Nesse sentido, e como nota final, pretendemos que este estudo atue como rampa de lançamento para uma futura dinamização deste carrilhão local, contribuindo assim para a sua valorização e reconhecimento patrimonial.

Bibliographie

Referências bibliográficas

AZEVEDO, Maria José Coelho de (1999) – A Igreja Matriz de Valongo. Arquitetura (1794-1836). Porto: FLUP. Dissertação para obtenção do grau de Mestre. Disponível em [https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/14517/2/2251TM01PMariaJosAzevedo000074887.pdf]

CARVALHO, Miguel Eduardo Portela de Matos (2012) – Os Carrilhões de Mafra: estudo e caracterização acústica dos sinos. Lisboa: Nova FCSH. Dissertação para obtenção do Grau de Mestre. Disponível em [https://run.unl.pt/handle/10362/9229]

FELÍCIA, Diana (2019) – De Campanis Fundentis - A fábrica de Fundição de Sinos de Rio Tinto. Porto: FLUP. Relatório de Estágio apresentado para obtenção do grau de Mestre. Disponível em [https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/121685]

LEITE, António Augusto Costa, sac. (1975) – Recordando o Passado. Porto.

MACHADO, Rosário Correia; ROSAS, Lúcia (coord.) (2014) – Rota do Românico. Lousada: Centro de Estudos do Românico e do Território, vol.1.

MAGALHÃES, Albano (1999) – Monografia de Rio Tinto - Apontamentos monográficos. Rio Tinto: Junta de Freguesia de Rio Tinto, vol. 1.

SEBASTIAN, Luís (2008) – História da Fundição Sineira em Portugal. Trajectos da História. Coruche: Câmara Municipal de Coruche. Disponível em [https://bit.ly/2MRUTDz]

Documentos não publicados

COSTA, Henrique Marques da (1949) – [Carta enviada por Henrique Marques da Costa a seus pais em 21 de Dezembro de 1949 demonstrando preocupação sobre a escassa frequência do toque do Carrilhão.] Acessível na Fundição de Sinos de Rio Tinto, Rio Tinto, Portugal.

GUEDES, Alvarim da Silva (1949) – [Carta endereçada por Alvarim da Silva Guedes, Soldado Recruta n.º 306/49 – 1.º Esquadrão Recruta da Caravana 4, Santarém, a Henrique Marques da Silva dando-lhe a conhecer que estava a ser substituído pelo Pontes aos domingos e durante a festa de S. Bento. ] Acessível na Fundição de Sinos de Rio Tinto, Rio Tinto, Portugal.

LEITE, Pe. António Costa (1954) – [Bilhete Postal escrito pelo Padre António Costa Leite a Laurentino Martins da Costa em 27 de Setembro de 1954 pedindo a Henrique que tocasse o Carrilhão da Igreja por ocasião da visita de alguns abades da Diocese.] Acessível na Fundição de Sinos de Rio Tinto, Rio Tinto, Portugal.

Publicações períodicas

COSTA, Américo (ed.) (1917) - Almanak do Porto e seu Districto para o anno de 1917 (62.º anno de publicação.) Proprietário e Editor: Américo Costa - Antigo Almanaque de José Lourenço de Sousa e A. G. Vieira Paiva, Porto: Typhographia Artes e Lettras.

PAIVA, A. G. Vieira (1892) - Almanak do Porto e seu Districto para o anno de 1893 (38.º anno de publicação). Publicado por A. G. Vieira Paiva (Único Sucessor de J. L. de Sousa). Porto: A. G. Vieira Paiva – Editor.

VITERBO, Francisco Marques de Sousa (1915) – Artes e indústrias metálicas em Portugal: Sinos e Sineiros. O Instituto: Revista Científica e Literária, Vol. 62, N.º 4 – 1915 Abril, Coimbra: Imprensa da Universidade. Consulta realizada a 27.05.2020. Disponível em [Em-Linha] [https://almamater.sib.uc.pt/pt-pt/search/site/o%20instituto]

Documentos eletrónicos

WORLD CARILLON FEDERATION (s.d.) – Carillions [Em-Linha] s.l: s.e. [26.05.2020] Disponível em [http://www.carillon.org/eng/dynamic_frame_eng.htm?http://www.carillon.org/eng/actueel/barcelona_1.htm]

Notes

1 Identificamos num destes sinos um sinete com a inscrição Joannes Franciscvs me fecit Bracharae. Apesar de não ter sido possível observar a data, o fundidor responsável terá estado ativo nos inícios do século XIX e fundiu dois sinos para a Igreja Matriz de Valongo, em 1835 e em 1838 (AZEVEDO, 1999, 123). A respeito deste mestre nada mais pudemos apurar.

Table des illustrations

Titre Figura 1 - A fundição de sinos de Rio Tinto (R. Dr. Guilherme Cirne)
Crédits D. Felícia, 2018
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17552/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 374k
Titre Figura 2 - A Igreja de São Cristóvão de Rio Tinto
Crédits D. Felícia, 2018
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17552/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 1018k
Crédits D. Felícia, 2018
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17552/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 497k
Titre Figura 4 - Representação esquemática do itinerário do cortejo de transporte dos sinos para Rio Tinto
Crédits D. Felícia, 2019
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17552/img-4.png
Fichier image/png, 104k
Titre Figura 5 - Parte do carrilhão de Rio Tinto
Crédits D. Felícia, 2018
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17552/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 696k
Titre Figura 6 - Sinete da Fundição de sinos de Rio Tinto num dos sinos do carrilhão da Igreja de S. Cristóvão de Rio Tinto
Crédits D. Felícia, 2018
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17552/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 421k
Titre Figura 7 - O carimbo de com a imagem de S. António (à esq.) utilizado para a modelação da representação de um dos sinos (à dir.) do carrilhão de Rio Tinto
Crédits D. Felícia, 2018
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17552/img-7.png
Fichier image/png, 183k

Auteur

Doutoranda em Estudos do Património, CITCEM/FLUP, diana.felicia.pinto@gmail.com

© Publicações do Cidehus, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search