Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Bibliotecas para a Vida

 | 
José António Calixto

Bibliotecas para a Vida

José António Calixto

Texte intégral

1Um programa geralmente conhecido por “livros sob receita médica” tem ganho crescente popularidade entre os serviços de saúde e as bibliotecas públicas no Reino Unido. Iniciado pelos serviços de saúde mental de Cardiff, este programa, baseado em investigação empírica, constata que a leitura de obras recomendadas pode ajudar as pessoas a lidar com problemas como a ansiedade, ataques de pânico, baixa auto-estima, desordens alimentares, fobias, etc.

2Este é apenas um dos muitos exemplos da influência positiva que a leitura orientada pode ter, e efectivamente tem, na vida das pessoas. É também um exemplo de como os resultados do trabalho desenvolvido pelas bibliotecas públicas vai muito para além do apreendido pelo senso comum e de muitas percepções sociais estabelecidas.

3Investigação realizada em diversos países tem mostrado como as bibliotecas públicas podem ajudar as pessoas a encontrar emprego ou a combater a solidão, a obter e desenvolver competências informáticas ou a conhecer melhor a história da sua comunidade, a manter os imigrantes em contacto com os países de origem ou ajudar os presos ou hospitalizados a lidar com as suas situações específicas. É por isto que a UNESCO considera a Biblioteca Pública como uma “força viva para a educação, cultura e informação, e como agente essencial para a promoção da paz e do bem-estar espiritual nas mentes dos homens e mulheres”.

4Mas para além deste impacto individual as bibliotecas públicas têm vindo a assumir cada vez mais papéis de crescente relevância social, contribuindo para a inclusão e para uma redistribuição social da informação e do conhecimento. Assim, as bibliotecas públicas dão um contributo decisivo para o desenvolvimento e aprofundamento das sociedades democráticas, como mais uma vez reconhece o manifesto da UNESCO, atrás referido:

“A liberdade, a prosperidade e o progresso da sociedade e dos indivíduos são valores humanos fundamentais. Só serão atingidos quando os cidadãos estiverem na posse das informações que lhes permitam exercer os seus direitos democráticos e ter um papel activo na sociedade. A participação construtiva e o desenvolvimento da democracia dependem tanto de uma educação satisfatória como de um acesso livre e sem limites ao conhecimento, ao pensamento, à cultura e à informação.”

5É neste sentido que as bibliotecas são para vida, isto é, cruciais para uma vida compensadora e com significado, para a vida de cidadãos numa sociedade complexa e cada vez mais globalizada, onde a informação e o conhecimento são crescentemente a base da economia e de uma vivência e participação activa nas decisões comuns, ou seja, na política.

6Estas são algumas das ideias condutoras e estruturantes do conjunto de textos reunidos neste volume, e que constituem o essencial das comunicações apresentadas na Conferência Internacional Comemorativa dos 200 anos da Biblioteca Pública de Évora, que teve lugar nesta cidade de 27 a 29 de Outubro de 2005.

7O princípio de reunir no mesmo fórum técnicos e investigadores portugueses e estrangeiros visou estabelecer um confronto entre teorias e práticas com diversas origens para daí poder tirar algumas ilações e, se possível, alguns ensinamentos para linhas de acções futuras.

8Desde logo, trata-se de lançar um olhar sobre o caminho percorrido pela Biblioteca Pública de Évora desde a sua fundação por Frei Manuel do Cenáculo, e de discutir um dos seus mais importantes condicionalismos, resultante da aplicação da lei do depósito legal.

9Algumas convergências são notórias nos textos aqui publicados. É evidente, por exemplo, o papel fundamental atribuído às competências e práticas de leitura, fundamento e base de todas as competências técnicas, individuais e sociais necessárias para a vida na sociedade da informação.

10O avassalador impacto das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na sociedade em geral e nas bibliotecas públicas em particular é igualmente um dos aspectos mais marcantes de grande parte dos textos.

11O enorme potencial das tecnologias, nomeadamente da Internet, tem permitido a expansão de serviços personalizados de aconselhamento de leitura e de referência e informação para níveis até há pouco tempo impensáveis, requerendo e fomentando a cooperação e a exploração conjunta de recursos de instituições como bibliotecas, arquivos e museus, até há pouco a funcionar em compartimentos estanques. Uma real mudança de paradigma, catalisada pelas tecnologias, está em curso, e resulta numa profunda transformação destas instituições, que acentua cada vez mais o seu papel de produtoras de conteúdos.

12As pressões deste novo paradigma sobre o sistema técnico e social das bibliotecas são enormes e susceptíveis de provocar profundas mudanças no próprio conceito de biblioteca ainda hoje prevalecente. Bibliotecas híbridas, funcionando 24 sobre 24 horas, resultantes da expansão da informação em suporte digital, estão em desenvolvimento em todo o Mundo, misturando-se, eventualmente fundindo-se, com outras instituições, originando ambientes informacionais virtuais para o utilizador, como mostram as experiências reflectidas em alguns destes textos. Obviamente, estes ambientes carecem de recursos técnicos sofisticados e em evolução e recursos altamente qualificados e capazes de acompanhar estas evoluções.

13O impacto destas mudanças nas bibliotecas públicas em Portugal começa também a fazer-se sentir, mas os textos dos autores portugueses sugerem a dimensão das tarefas que se colocam aos decisores políticos e aos profissionais.

14É certo que a Rede Nacional de Bibliotecas Públicas vai permitir em breve a cobertura de todo o País com pelo menos uma biblioteca em cada concelho, e isto só por si, representa uma profunda transformação em comparação com realidades bem recentes. Mas todos os indicadores disponíveis, alguns dos quais referenciados nos textos que se seguem, mostram o grande caminho que há a percorrer em aspectos tão essenciais como a prestação de serviços através da Internet, ou mesmo o sólido estabelecimento de serviços considerados tradicionais em outros países, como os serviços de informação e referência ou o apoio e aconselhamento da leitura.

15As bibliotecas públicas portuguesas, ao lado de uma grande vitalidade em certos aspectos, têm mostrado algumas fragilidades preocupantes, por exemplo ao nível dos seus fundos documentais, ou da quantidade e formação dos seus recursos humanos, demonstrando ainda enormes carências ao nível do trabalho de cooperação e de um verdadeiro funcionamento em rede, resultante de mecanismos de cooperação sólidos e eficazes.

16Os tempos que correm não são muito encorajadores nem favorecem o desenvolvimento dos serviços públicos, que estão há algumas décadas sob um forte ataque em praticamente todo o Mundo. Contudo, da capacidade dos decisores políticos a nível central e local, bem como dos profissionais deste sector, em atacar e resolver estas debilidades, resultará, em última análise, o cumprimento das promessas feitas em 1986, com o lançamento da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas, e a capacidade de as bibliotecas serem de facto instrumentos de promoção da literacia, do conhecimento e da cidadania

Auteur

Director Biblioteca Pública de Évora

© Publicações do Cidehus, 2007

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr