Version classiqueVersion mobile

Paisagens sonoras históricas

As sociabilidades. Espaço urbano (praças), festas, salões e teatros

O espaço músico-teatral do Chiado como símbolo de uma sociabilidade moderna

Maria José Artiaga

Résumé

A zona do Chiado, durante o século XIX, apresenta característica únicas devido à oferta heterogénea e abundante que oferecia dia e noite, para entretenimento do seus frequentadores, em particular a música. A vida do dia-a-dia dos seus habitantes assim como a passagem assídua dos que a frequentam é marcada por uma paisagem sonora reconhecida pela comunidade como única. Neste ensaio propomo-nos descobrir que significados foram produzidos pelos vários campos sonoros do Chiado, que formas de comunicação se estabeleceram a partir dos diversos sinais acústicos, a partir dos relatos de vários autores. Para tal iremos analisar, de acordo com Henri Lefebvre (1974), a lógica-espitemológica do espaço onde se projectam fenómenos sensoriais, produtos da imaginação no qual habitam símbolos e utopias de uma nova sensibilidade moderna.

Texte intégral

  • 1 Smith, 1994.
  • 2 1925, cit. por Susan J. Smith, 1994, 232.
  • 3 1984, Ibidem.
  • 4 1988, Ibidem.

1No seu texto «Soundscape»1, Susan J. Smith faz-nos uma breve história do conceito de paisagem, tal como foi explorado na geografia cultural desde Carl Sauer2, até aos estudos de Cosgrove3 e Daniels4. Estes autores dão uma ênfase particular à experiência, expressão e emoção como dimensões da vida social, fazendo da paisagem e da sua relação com o homem uma «forma poderosa de conhecimento». Estes estudos tiveram uma enorme ressonância em vários domínios, dos quais se destacaram os que incidiram sobre a cultura visual, que, segundo Smith, durante algum tempo foram prevalecentes relativamente à cultura auditiva.

  • 5 Schafer, 1969.
  • 6 Kelman, 2010.
  • 7 Ibidem, 228-229.

2Entretanto, desde o final dos anos sessenta do século XX, que o compositor canadiano Murray Schafer vinha publicando uma série de textos na área da ecologia acústica, nomeadamente, The New Soundscape5, que vieram a ter uma enorme repercussão nos estudos sobre o som e a música. Kelman6 dá-nos um panorama do impacto provocado pelo conceito de soundscape de Schafer, mostrando como o termo foi apropriado das formas mais diversas, muitas delas não coincidentes com a conotação inicial que Schafer lhe deu. Contudo, considera Kelman, a popularidade que o termo veio a adquirir «rests precisely in its ability to evoke a whole complex set of ideas […] the vibrancy of these manifold questions and the variety of ways in which scholars of sound approach these questions are some of the reasons the field is so active and rich»7.

  • 8 The New Soundscape, 1969; The soundscape: Our sonic environment and the tuning of the world, 1993.
  • 9 1991, p. 11.
  • 10 Ibidem.
  • 11 2017.

3Dos estudos no âmbito da geografia cultural ao da paisagem sonora, tal como foi explorado nos textos seminais de Murray Schafer8 e dos seus mais directos colaboradores, como Barry Truax, a questão central que se coloca reside na importância que a paisagem veio a adquirir na sua relação com o homem e o meio social envolvente. Para a entender, alguns autores têm vindo a aconselhar o cruzamento de várias disciplinas, como Lefebvre que, nos seus estudos sobre a cidade, apela para a descoberta ou construção de «[a] theoretical unity between 'fields' which are apprehended separately, just as 'molecular, electromagnetic and gravitational forces are in physics»9. Para esta apreensão, esclarece o autor, todos os fenómenos sensoriais devem contar “including products of the imagination such as projects and projections, symbols and utopias»10. Mais recentemente, Ian Biddle e Kirsten Gibson11 debruçaram-se sobre as histórias auditivas do passado, insistindo igualmente na interdisciplinaridade dos estudos sobre o som (sound studies), sublinhando o valor de uma metodologia concertada entre as várias disciplinas, como, entre outras, a musicologia.

4A oralidade como objeto de investigação histórica pode ser procurada em vários documentos. No caso presente consultámos crónicas coevas, a imprensa, olisipografias, memórias, relatos de viagem, imagens e outras fontes. Estas narrativas contam-nos como a sociedade se relacionava com o som envolvente, como este era carregado de sentido e como produzia emoções nos ouvintes.

5Para o presente texto, em que a música e a dimensão sonora confluem, sirvo-me não apenas da musicologia histórica, como dos estudos do som, particularmente no que Sterne afirma:

  • 12 Sterne, 2012, 3.

«‘Sound studies’ challenge is to think across sounds, to sonic phenomena in relationship to one another – as types of sonic phenomena rather than as things-in-themselves – whether they be music, voices, listening, buildings, performances, or another other [sic] path into sonic life»12.

  • 13 Truax, 2001, 66.

6Além das diversas implicações que os sound studies possam envolver, as quais se encontram reflectidas num elevado número de publicações nos últimos anos, onde vários autores têm problematizado alguns conceitos, importa mais uma vez reforçar, no que a este estudo diz respeito, que não é o som em si que nos interessa, mas sim o entendimento que deles retira uma determinada “comunidade acústica”, ou seja, como alega Barry Truax «any soundscape in which acoustic information plays a pervasive role in the lives of the inhabitants […] it is any system within which acoustic information is exchanged»13.

7O presente ensaio trata especificamente das sonoridades duma zona de Lisboa, na segunda metade do século XIX, o Chiado, um local central da vida lisboeta boémia, artística e mundana.

8Os vários campos sonoros existentes neste bairro serão considerados, como acima referimos, na sua articulação e interpenetração, porque foi igualmente desse modo que eles se inscreveram na consciência dos vários autores que sobre eles escreveram. É o que se pode verificar nos textos de Sousa Bastos, Júlio César Machado, Júlio de Castilho, Alfredo Pimentel, Alfredo de Mesquita, Alfredo Pinto (Sacavém). No caso do Chiado, o espaço social funciona como um local de representação com uma forte carga simbólica onde se cruzam e entretecem relações e se projectam utopias de quem lá vive e o frequenta. Que significados foram produzidos pela paisagem sonora do Chiado, que formas de comunicação se estabeleceram a partir dos diversos sinais acústicos, é o que procuraremos analisar a partir dos relatos de vários autores.

O Chiado

  • 14 Sequeira,1941, 463.

9O Chiado foi, ao longo do século XIX, o coração de Lisboa. Segundo Matos Sequeira: «O lisboeta, perante este nome, curva-se com respeito e com ternura. É o seu ‘Forum’, a sua capital […] Aqui palpitaram as enchentes, os refluxos e as marés dos seus entusiasmos, das suas dores, das suas elegâncias e se desfizeram e fizeram glórias, vaidades e reputações»14.

  • 15 Principal associação dos músicos em Lisboa que, a troco de uma taxa, prestava o auxílio aos membros (...)
  • 16 Associação de músicos nascida em 1834, após o liberalismo vitorioso e como consequência das novas i (...)

10Apesar do Chiado se circunscrever a uma pequena artéria, a actual Rua Garrett e à sua envolvente, esta zona é limitada a nascente pela confluência da Rua do Carmo com a Rua Nova do Almada e a poente pela Praça Camões. Inclui o Largo das Duas Igrejas – a do Loreto e a da Encarnação – e ainda a Igreja dos Mártires, onde estava e está sediada a Irmandade de Santa Cecília15, criada em 1787, e o Montepio Filarmónico16, fundado em 4 de Novembro de 1834. Nas suas imediações, encontra-se o Bairro Alto onde ficavam as sedes dos principais jornais lisboetas.

Figura 1 - Rua Garrett

Figura 1 - Rua Garrett

11Foi também no Chiado e nas suas proximidades que, ao longo do século XIX e início do século XX, surgiram os espaços comerciais e de cultura mais famosos da capital:

    • 17 Carvalho, 1991, 128.
    • 18 Ibidem, 127.

    Marrare do Polimento, considerado por Pinto de Carvalho (Tinop) o «príncipe dos botequins»17, o local onde os diletantes «iam trocar o santo e a senha para a próxima pateada em S. Carlos»18;

    • 19 Uma tabacaria aberta em 1865 pelo 1º Conde de Burnay.
    • 20 Beldemónio é o pseudónimo de Eduardo Lobo Correia de Barros (1857-1893), cronista, contista, jornal (...)
    • 21 Lobo, 1887, XV.

    A Casa Havaneza19, onde, segundo Eduardo Lobo Correia de Barros (Beldemónio)20, «ninguem se reune; apenas se passa, meia hora antes dos espectaculos, a espreitar as caras aiadas e carminadas das hespanholas, que vão para as plateias á caça do homem»21.

  • Grémio Literário, clube de intelectuais criado em 1846, onde se realizaram conferências científicas e literárias e que ficou imortalizado por Eça em Os Maias.

    • 22 Bastos, 1947, 162.

    A Livraria Bertrand, onde se reuniam, segundo Sousa Bastos, «os nossos mais ilustres vultos da política, literatura, ciências e artes»22.

  • Teatro de S. Carlos do qual nos diz Sousa Bastos:

  • 23 Ibidem, 112.

«Vai-se ali mais para exibição pedantesca, para saber novidades, para tratar de negócios ou discutir política, do que por amor à arte. As épocas de maior animação em S. Carlos não foram as da apresentação de grandes sumidades artísticas; mas as épocas dos partidos das primas-donas, com as estrondosas ovações, as atroadoras pateadas, as cadeiras partidas e as caras esmurradas»23.

  • As primeiras salas de cinema já no início do séc. XX: o Salão Ideal, inaugurado em 1904; o Salão S. Carlos e o Salão Chiado em 1907, o Chiado-Terrasse, em 1908.

12Local por excelência da incipiente esfera pública portuguesa – com os seus cafés, restaurantes e clubes – ao Chiado e às zonas adjacentes chegavam, em primeira mão, as notícias do vizinho Bairro Alto, alimentando acesas polémicas na sociedade civil sobre o estado da coisa pública no país.

Espaço de representação da burguesia

  • 24 Vasconcellos, 1912, 127-128.

13O Chiado era o local onde a nova burguesia aspirava a ser reconhecida socialmente, frequentando os mesmos lugares daqueles que pretendia imitar, exibindo o poder económico conquistado, frequentando as mesmas lojas, os mesmos alfaiates e costureiras, o que lhe permitia ser reconhecida como igual pela sociedade elegante. Esta burguesia, ao subir ou descer a Rua Garrett em busca de informação que a aproximasse de um poder social e politicamente ambicionado, procurará estar ao corrente das últimas notícias dos jornais e do último escândalo mundano. Como acrescenta Vasconcellos: «D’ali se vê e surpreende já a vida interior da sociedade lisboeta, tão clara e perfeitamente como se as casas não tivessem portas nem janelas, nem paredes. […] Estar no Chiado é pois estar já na nossa intimidade»24.

14Com a acalmia política e social trazida pela Regeneração, sobretudo a partir de 1870, quando os resultados da política fontista começaram a ser mais visíveis, a capital expandiu-se com novas artérias, de que a Av. da Liberdade (construída entre 1877 e 1886) foi a imagem mais visível dos novos tempos.

  • 25 Dantas, 1885, 2.

15Também o Chiado se alargou às zonas vizinhas, contribuindo para a modernidade com a abertura de novos espaços, como aconteceu com a criação de salas de espectáculo, e inovações como o primeiro ensaio de iluminação pública eléctrica no Largo do Chiado, em 31 de Outubro de 1878, e com o telefone apelidado, por Casimiro Dantas, de «enorme guitarra telefonica» cujas primeiras experiências decorreram em 1877, logo ali na Rua Larga de S. Roque. Em Abril de 1882, a empresa então responsável pela companhia decidiu convidar um grupo de individualidades amantes de música para ouvir a ópera Guilherme Tell pela linha telefónica. Diz-nos Casimiro Dantas, cronista da Illustração Portuguesa, que foi possível assistir à audição com toda a comodidade, «sem ter de fazer toilette ou de emporcalhar-me nas lamas viscosas do Chiado»25. As então novas tecnologias do som vinham coabitar com os velhos costumes de uma urbe que começava finalmente a abrir a porta aos tempos modernos. Dois anos mais tarde, em Fevereiro de 1884, por ocasião da estreia da ópera Lauriane de Augusto Machado, e dado o rei D. Luis não poder assistir à representação por se encontrar de luto pela morte da sua irmã Maria Ana, a companhia de telefones instalou oito telefones no palácio real para que o rei pudesse acompanhar a audição da ópera em directo. Começavam assim as primeiras experiências de música fora dos espaços a ela destinados, que resultariam, mais tarde, na generalização do gramofone e na audição de música no espaço doméstico. Se o telefone ainda permitia ao auditor seguir a emoção da performance em tempo real, já o gramofone não o fará, ao congelar o momento da performance no disco que pode ser repetido em qualquer momento.

Figura 2 – O rei D. Luis ouvindo a Laureana pelo telefone

Figura 2 – O rei D. Luis ouvindo a Laureana pelo telefone

Antonio Maria, No. 249, 6 de Março de 1884, p. 5

16Após o longo período de conflitos que se vivera durante a primeira metade do século XIX – invasões francesas, guerra civil, setembrismo –, os novos espaços iam não só ao encontro da necessidade de sociabilização de uma classe em ascensão, a burguesia, como da sua vontade de entretenimento após um dia inteiro de trabalho.

A paisagem sonora do Chiado

17Mas o Chiado não foi só o local de vaidades, negociatas e de intriga política habitado pelas mais variadas classes. No seu espaço o bulício não parava, marcado pelo rodopio constante dos que lá habitavam e dos que o atravessavam.

  • 26 Bull, Back, 2003, 299.

18As sonoridades, descritas pelos seus frequentadores, marcam distintamente as tarefas e os acontecimentos do dia-a-dia de quem lá vivia. Como defendem Murray Schafer e Bruce Smith: «an attention to sound helps put the city in motion and alerts us to how places change as they are animated by sound»26.

19Tal como noutros bairros, os pregões ouviam-se logo pela manhã, fazendo acorrer, nas ruas envolventes, as mulheres à janela para regatear o preço do goraz e das postas de pescada. Para Alberto Pimentel são estas cantilenas que pontuam as tarefas domésticas e ajudam a organizar o dia:

  • 27 Pimentel, 1900, 52.

«A gente ouve-os apregoar, e sabe pouco mais ou menos que horas são, porque a pontualidade dos vendedores ambulantes é chronometrica como a do sol, que não deixa jamais de levantar-se á hora marcada na folhinha. São cinco horas, são seis horas, dizemos nós, e voltamo-nos para o outro lado. […] o pregão dos vendedores ambulantes faz-se ouvir, a horas certas, como se fossem as badaladas d’um relogio»27.

20A gritaria era tanta, diz Sousa Bastos, que tornavam as ruas num inferno. E pergunta:

  • 28 Bastos, 1947, 43.

«E como se hão-de eles evitar? Apareceu há pouco quem apresentasse o alvitre de obrigar os vendilhões em vez de anunciarem as suas mercadorias com o pregão, o fazerem com gestos! Como imaginaria o inovador que isso se poderia realizar? Quereria que as famílias passassem a vida à janela para ver os gestos? E os vendilhões teriam de estudar mímica para se fazer entender? Que fariam eles, principalmente os que vendessem hortaliças, para explicar o que levavam para vender? Foi ideia de um cérebro esquentado! […] Os pregões de Lisboa ainda hoje dão vida, alegria e animação»28.

Figura 3 – Varina

Figura 3 – Varina

Benoliel, Igreja do Loreto (8 Abr.1907), Arquivo da Câmara Municipal de Lisboa

  • 29 Ibidem, 60.

21Outra «praga», segundo o mesmo autor, eram os cauteleiros «que infesta[va]m as ruas e os estabelecimentos, perseguindo toda a gente com uma tenacidade desesperadora e atormentando os ouvidos com os números de filé que eles berram incessantemente»29.

22Ainda outro tormento eram os sinos:

  • 30 Ibidem, 59-60.

«Época houve em que tudo servia de pretexto para os caprichosos sineiros nos atormentarem os ouvidos a toda a hora. Tocavam para a missa ao levantar a Deus, às Trindades, a defuntos, a baptizados, a casamentos, à procissão, por festas, pela exposição do Lausperene, para ladainhas para matinas, por luto, por festas; finalmente tudo, absolutamente tudo, alegre ou triste, servia de pretexto para uma inferneira atormentadora!»30

  • 31 Machado, 1878, 169-172.

23Se os sinos marcavam as diferentes horas do dia, as procissões, com os seus rituais, de que faziam parte a música e a dança, eram um acontecimento único para a população. Uma das mais importantes, a do Corpo de Deus, que se realizava entre a Igreja dos Mártires e a Sé, refere a presença de músicos africanos junto à imagem de S. Jorge. Tocavam tambores e «pífaros». Vários autores descrevem-na em pormenor. Júlio César Machado diz-nos: «acompanhavam a pé S. Jorge, logo adiante dos trombeteiros a cavallo, fazendo lembrar, pelo toque das caixas e dos clarins, os triumphos gloriosos de que o santo fôra instrumento»31. E Sousa Bastos acrescenta em Lisboa Velha:

  • 32 Bastos, 1947, 89.

«Oito dias antes, percorria todas as ruas por onde o préstito havia de passar, o estado de S. Jorge, composto de pretos, vestidos de vermelho e amarelo, com chapéus armados das mesmas cores, tocando tambores e pífanos. Por este serviço e por irem na procissão tocando nas cornetas o seu clássico: p’rá gran, p’rá gran … tinha cada preto uma pensão anual, que representava cinco réis por dia»32.

Figura 4 – Os pretos de S. Jorge

Figura 4 – Os pretos de S. Jorge

Arquivo do Museu da Cidade de Lisboa

24Outro acontecimento ocasional, objecto de relato de vários autores, era o Carnaval. Fialho de Almeida faz desse evento o principal tema de um dos seus contos que tem como personagem Gabriel, um rapazinho pobre que vive nas imediações:

  • 33 Almeida, 1912, 124-126.

«A correr subiu os Paulistas, entrou no Calhariz e foi indo, indo, até á praça de Camões. Além da gente ociosa que flanava aos magotes, largando a oficina, altercando ás esquinas, entrando nas lojas de bebidas, ou embasbacada seguindo na esteira das mascaras e musicatas burlescas, as ruas arquejavam no viver dos dias de semana. // Estavam abertas as lojas, havia gaz nas vitrines, lanternas sobre as taboletas dos armazéns, barbeiros caros, postos médicos e photographias. Rolavam os pregões enchendo a noite de vozes irregulares, noticias da ultima hora, cautelas, a rica agua do Carmo… // E em fiadas, salpicando de lama os transeuntes, as carruagens iam em todas as direcções, cruzando-se, serpenteando, cheias de sorties-de-bal, mascarados finos, e pândegos com desavergonhadas. […] Á esquina do Loreto, Gabriel deteve-se num instante, aturdido pelo rodopio da multidão. Vinham em dúzias os trens do Calhariz, de S. Roque, do Alecrim, Santa Catharina e toda a banda sobre o Chiado que se alagava em luz, incendindo ao fundo da rampa o Gibraltar, e cortando claros de gaz na serpente humana, que nos asfaltos se agitava penosamente. O tom dos gritos e vozes, ganhava sobre a respiração geral da cidade, uma extraordinária altura»33.

  • 34 Pimentel, 1900, 45.

25Ao cair do dia, vinham os garotos a apregoar «os jornaes da noite, correndo em zig-zags, saltando de um passeio a outro, annunciando e vendendo»34.

26Assim era a cacofonia no Chiado de que Sousa Bastos se queixava.

  • 35 Ibidem, 50.

27Todas estas sonoridades, segundo Alberto Pimentel, «ainda que a gente esteja muito bem fechada em casa, ouve a orchestra das ruas, a musica dos pregões, e sente-se acompanhada»35.

28O alarido provocado por todos estes sons entrava pelas casas a dentro, disciplinava o dia de quem lá vivia, pontuava as tarefas do quotidiano desta Lisboa ainda pré-industrial.

  • 36 Segundo Fialho de Almeida (1923) o Turff Club era “uma associação de gentis-homens mais ou menos au (...)

29No Chiado, pelos relatos que temos vindo a descrever, os sinais sonoros que se ouvem revelam a presença simultânea de várias classes, que espelham as desigualdades sociais e económicas da população de Lisboa, para onde afluíam cada vez mais as pessoas do campo. Na mesma zona cruzam-se as classes mais abastadas que se dirigem ao Teatro S. Carlos ou que se reúnem no Turff Clube36, com a pequena burguesia dos caixeiros que saem dos escritórios e das lojas, que deambulam pelas ruas e também os garotos que vendem os jornais e as cautelas, assim como outros vendedores de rua e os pedintes. É toda uma panóplia de gente bem diferenciada que reflecte a realidade socioeconómica portuguesa.

30É uma sonoridade bastante distinta da que se encontra noutros bairros, como nas zonas mais ricas da cidade, como era a da Lapa. Nesta reinava o silêncio, luxo só acessível a uma classe com poder económico.

Os espaços de música

  • 37 Estabelecimento inaugurado em 1857, ainda com o nome de Café-Concerto, que só mais tarde se passou (...)

31Logo que a noite começava, burgueses e aristocratas misturavam-se na busca do lazer. A procura pelo divertimento fez abrir novos espaços e novas formas de entretenimento. A música fazia-se ouvir nos hotéis, em restaurantes ou nos cafés-concertos, como o do Largo da Abegoaria aberto em Dezembro de 1857. Pouco mais tarde daria lugar ao Casino Lisbonense37, onde se inauguraram os Concertos Populares de Guilherme Cossoul.

32Também as cervejarias serão espaços de música, como foi o caso da Cervejaria Jansen, inaugurada em 1870 e onde, já no fim do século, se ouvia o sexteto organizado pelo maestro Rio de Carvalho, do qual faziam parte Júlio Caggiani, Pedro Blanch, João Passos.

  • 38 Mesquita, 1994, 93.

33Os jardins são invadidos por bandas. Alfredo de Mesquita reflecte a emoção sentida pela aproximação de uma delas. A propósito do Jardim de S. Pedro de Alcântara, diz: «Ouve-se ao longe a banda de música da guarda que vai para as cortes, e é uma tentação senti-la aproximar-se, desembocar da outra rua, e vê-la passar mesmo por baixo da janela»38.

34O mesmo autor refere ainda a passagem do

  • 39 Ibidem, 95.

«cego da viola e do homem do realejo [que] teriam deitado mão de outro ofício, se da nossa janela nós não fizéssemos, conforme a altura, frisa ou torrinha para os ouvir, deixando-lhes sempre escorrer na bandeja, à despedida, o vintém do nosso agrado, depois de os termos escutado com um recolhimento que não daríamos talvez ao Caruso ou à Orquestra de Berlim»39.

Figura 5 – O homem do Realejo

Figura 5 – O homem do Realejo

O povo de Lisboa. Tipos, ambiente, modos de vida, mercados e feiras, divertimentos, mentalidade, Lisboa: Câmara Municipal

  • 40 Pinto, 1913, 96.
  • 41 Ibidem.

35Durante a noite, Alfredo Pinto (Sacavém)40 estabelece uma distinção dos bairros da cidade e até de algumas ruas a partir da música que se escuta do passeio. Por exemplo, enquanto nas ruas da Baixa, perpendiculares ao rio, a música que se ouve dos últimos andares é composta por valsas «insignificantes» e «corriqueiras», já nas suas transversais se consegue ouvir «algumas phantasias da Norma, Traviata, e muito da Tosca e Bohème». Quanto à zona da Rua Nova do Almada, Carmo e Chiado, o que se ouve são «valsas de Berger, Waldteufel, e uma phantasia da Gioconda, por signal muito mal feita!» Também, no que se refere aos pianos, o autor apercebe-se de uma clara distinção, caracterizadora de quem lá mora. No que respeita à Baixa: «os pianos não são bons, sons aguitarrados e outros desafinados»41. Já na Av. da Liberdade e avenidas novas a música tem outro aspecto e, pressupõe-se que o gosto é mais requintado reflectindo uma classe social diferente. Diz ele:

  • 42 Ibidem.

«De vez em quando ouvimos já um nocturno de Chopin, uma phantasia bailado de Chaminade, outra vez a Tosca e mais a Fedora, Rigoletto, Lucia, e todas as operettas modernas Viuva Alegre, sonho de valsa, etc. Na Avenidade Fontes Pereira de Mello, ouvimos bastante Grieg, Sinding e uns trechos da Walkiria!!!»42.

  • 43 Ibidem.

36Mas no que toca à música mais «transcendente», tem de se ir até à Lapa. Aí, já não é apenas o piano que se ouve mas também os instrumentos de corda, prova de um outro tipo de educação. Quanto ao reportório: «Ouvimos Bach, Mozart, Beethoven, Mendelssohn, Schubert, Schumann, Grieg, Chopin, Paderewski, Debussy, fados de Rey Colaço, obras de Vianna da Motta, e quasi toda a obra de Wagner!»43 O autor dá-nos, assim, através das sonoridades dos vários bairros, a localização das diversas classes sociais pela cidade, assim como os seus gostos e a educação mais ou menos requintada de que era detentora. Se na Baixa e no Chiado há, com algumas excepções, um gosto comum de quem lá habita, já nos bairros onde residem as classes altas, os gostos reflectem uma educação mais esmerada, como a música de câmara, e um apreço pelos músicos nacionais que gozam de mais prestígio.

  • 44 Sequeira, 1941, Vol. III.

37No Chiado, não seriam apenas as meninas prendadas a fazer-se ouvir no piano. Nesse bairro sabemos por Gustavo de Matos Sequeira44 que viveram muitos músicos como, por exemplo, João José Lami, António e Caetano Cotinelli, João Maria Caggiani, Galeazzo Fontana, Ermete Lambertini, João Jordani, a família Cossoul, João Guilherme Daddi, D. Francisco de Sousa Coutinho, a família Gazul, Joaquim José Garcia Alagarim, sendo natural que se fizessem ouvir a ensaiar as peças que teriam de tocar.

38Esta intensa actividade musical, à qual um público cada vez mais alargado tinha acesso, é evidenciada pela expansão da prática musical amadora, de um número crescente de bandas, pela abertura de instituições de ensino musical (Conservatório Real de Música e Academia de Amadores de Música) e, consequentemente, pelo aumento da venda de partituras, de instrumentos, com particular predominância do piano, a grande maioria dos respectivos estabelecimentos sediada no bairro.

O caso específico dos teatros

39Mas o que faz do Chiado um espaço igualmente único é a animação provocada pelos seus teatros, lugares privilegiados de afirmação social, acessíveis às classes sociais que detivessem algum poder económico.

40Destes, o Teatro de S. Carlos ocupava o lugar central pelo prestígio que conferia a quem o frequentava, com os seus preços altos e traje a rigor. Para além do reconhecimento social, o S. Carlos era, como se sabe, local de paixões pelas prima-donas e, na impossibilidade de um relacionamento mais íntimo com estas, pela bailarina ou pela corista. A vida central que representa para a cidade é discutida nos estabelecimentos públicos do Chiado.

41Contudo, é necessário dar resposta a um público ávido de outras formas de entretenimento musical, sobretudo quando as operetas de Offenbach se tornam o principal atractivo da cena internacional e, muito rapidamente, são ouvidas em Lisboa.

42Coube aos teatros, surgidos nas imediações, a oferta de todo um conjunto de géneros, representantes da nova urbanidade, como as mágicas, as operetas, os vaudevilles, as comédias francesas, ou as revistas. É o caso do Teatro do Ginásio, que abriu as suas portas em 17 de Maio de 1846 e, sobretudo, do Teatro da Trindade, cujo interior seguia o mais puro gosto francês. Para além dos preços acessíveis, a nova sala do Teatro da Trindade, inaugurada em 30 de Novembro de 1867, oferecia ao público lisboeta o conforto, o progresso, novos meios de higiene, indo ao encontro dos desejos de uma classe urbana e burguesa que, neste teatro se imaginava em Paris vivendo o ambiente inovador, emocionante e divertido do boulevard da capital francesa.

43Se, no Ginásio, o repertório era essencialmente constituído por vaudevilles e comédias francesas, já o Trindade conquistou os favores do público a partir do grande sucesso que foi o Barba Azul, tornando-se na principal sala de opereta da cidade.

44Em ambas as casas misturavam-se a pequena burguesia e as classes altas. Como nos diz um cronista da Chronica dos Theatros:

  • 45 n.a., 1868, 2.

«Podia julgar-se que o que se chama a boa sociedade estivesse fora ainda d’estas pequices e degenerações do gosto, mas viu-se pelo agrado sincero com que foram acolhidos os Canotiers que a paixão pela gargalhada, embora tonta e infantil, não é já uma demonstração de pouca cultura das classes secundarias mas a revelação do espírito geral da nossa gente e da nossa epoca; o publico dos francezes da Trindade, como o das recitas portuguezas d’este theatro, como o da Duqueza do theatro do Príncipe, como o que de novo está affluindo ao Gymnasio, pede pouco — quer rir»45.

Do teatro para a rua

  • 46 Segundo o autor canadiano, soundmark: «refers to a community sound which is unique or possesses qua (...)

45As sonoridades do Chiado e da sua vizinhança mais próxima contribuíram para a sua forte identidade, fazendo deste local um espaço único na cidade de Lisboa, com características sonoras específicas reconhecidas pela sua comunidade, o que nos remete para o conceito de «soundmarks» de Murray Schafer46. Para além de se constituir como um espaço de representação, o que o distinguia doutros locais era a oferta heterogénea e abundante que oferecia dia e noite, para entretenimento dos seus frequentadores, em particular a música, propiciando o cruzamento de camadas sociais cada vez mais amplas.

  • 47 Jean-Paul Thibaud, cit. por Bull, Back (2003, 9), usa o termo “sonic bridge” para descrever a forma (...)

46Para além de pontuar o dia-a-dia que quem lá habitava, o Chiado era também um espaço de contaminação, pela forma como os sons e as músicas atravessavam o espaço público e privado e se moldavam aos mais diversos contextos47.

  • 48 Bull, Back, 2003, 103.

47A proximidade entre o velho Teatro S. Carlos e as novas salas de espectáculo, em vez de isolar públicos e repertórios, estabelecia uma comunicação entre si. O público vagueava pelas diversas salas sem distinção, tal como refere Jaime Batalha Reis, numa carta a Celeste Cinatti, em que descreve a sua passagem, numa única noite, pelas várias casas de espectáculo do Chiado e redondezas, fazendo da experiência auditiva uma cultura do fragmento por oposição ao da obra autónoma e absoluta, (o que, segundo Lash citado por Paul Filmer, põe em evidência a ausência de aura, o estado de distracção mais do que imersão do ouvinte face à performance48.

  • 49 Bastos, 1947, 47.

48O repertório de ópera é parodiado em diversos espectáculos nas outras salas, cantado nos salões, repercutido nas bandas e tocado pelos músicos cegos e pelos realejos. Como diz Sousa Bastos: «era um a cada canto a moer música, assassinando as melhores óperas, sendo a maior vítima o Verdi com o seu Trovador e a sua Traviata»49.

Figura 6 – Músicos cegos

Figura 6 – Músicos cegos

Álbum de Costumes Portugueses, No. 12, 1888

  • 50 Rattazzi, 1997, 111.

49O mesmo acontecia com o repertório dos outros teatros, em particular o de Offenbach que, segundo Mme Rattazi, até pelos sinos das igrejas era tocado. No seu livro, Portugal de relance escreve: «Como se vê o repertório de campanário é variado e divertido. O ritmo voluptuoso das valsas e a desenvoltura picante dos cancans aliam-se fraternalmente aos Oremus, ao Aleluia e ao Amen»50.

  • 51 Esta informação resulta da comunicação de Filipe Gaspar «Café-Concerto para uma Lisboa burguesa: en (...)
  • 52 Pimentel, 1900, 52.
  • 53 A estreia deu-se em Setembro de 1872.

50Estar a par do repertório offenbachiano, era estar a par do que se fazia de mais actual na grande capital europeia que era Paris. E, na realidade, ainda antes da estreia das operetas do compositor nos teatros de Lisboa, já as suas canções mais famosas eram ouvidas nos cafés-concertos do Chiado51. Mas também os sucessos obtidos por outros músicos se repercutiam na rua. Alberto Pimentel52 conta-nos que, por vezes, davam origem a novos pregões, como aconteceu com a música das Três rocas de crystal, uma mágica de Angelo Frondoni com letra de Aristides Abranches, representada no Teatro da Trindade53 e cantada na calçada com a seguinte letra:

Bom e barato,
Bom barato:
Cada pacote
Custa um pataco

  • 54 Vilhena, 1891, 9-10.
  • 55 Pinto, 1913, 27.

51Os músicos desmultiplicavam-se pelos diferentes espaços, tocando ora no Teatro S. Carlos, ora nos hotéis e restaurantes, ora na Igreja dos Mártires, «a unica parochia da capital que ainda conserva colegiada e côro diario», diz-nos Vilhena54 e da qual, conta Alfredo Pinto (Sacavém), cito: «Alli íam cantar todos os annos, durante a festa da manhã, os melhores cantores do theatro de S. Carlos e uma orchestra grandiosa enchia o vasto côro executando obras dos melhores auctores sacros»55.

52A proximidade dos teatros no Chiado permitia aos músicos circularem facilmente, não só tocando como dando aulas, ou mesmo dirigindo os seus negócios (caso, por exemplo, da família Neuparth com a sua casa de edições de música), o que representava um recurso valioso ao fim do mês. Essa talvez fosse a razão principal porque tantos moravam na zona.

53No Chiado se cruza igualmente a tradição e a inovação com as sonoridades que irão desaparecendo (por ex.: a do realejo) e as mais recentes que vão chegando, não só da nova música, como da que resulta do progresso e das tecnologias na nova cidade industrial, desde o telefone aos transportes públicos que começam a percorrer as suas ruas.

Observações finais

  • 56 Termo exemplificativo de uma paisagem Low-Fi (para usar mais uma vez a linguagem de Murray Schafer) (...)

54Ao longo deste ensaio, as sonoridades são descritas mais como sinais diferenciados e menos como uma bruma sonora56. Pelas observações coevas apercebemo-nos de que há uma cultura de escuta que liga a rua ao interior da casa, e vice-versa. A interacção entre o espaço público e privado é permanente, como se verifica, dissipando as suas fronteiras. O frequentador do Chiado é um ouvinte iminentemente activo, para quem a paisagem sonora é plena de comunicação e significado.

55De igual modo está patente uma permanente intencionalidade na escuta. A necessidade imperiosa de estar a par dos acontecimentos, espicaça o ouvinte para as notícias de última hora, leva-o a apurar a audição para poder tomar parte na discussão do assunto político, económico, artístico e social, imbuindo o ouvinte de uma mais valia que lhe permitirá ser reconhecido nos círculos sociais a que ambiciona pertencer. O espaço sonoro torna-se assim um espaço primordial de significação para o ouvido público, ligando os seus habitantes de uma maneira única. Como dizia Sousa Bastos há sinais sonoros que não são substituíveis por gestos ou outras imagens.

56O que para o empresário teatral era uma gritaria, um inferno, dada a sobreposição dos variadíssimos sons, provocando a dessemantização do que era proferido, para muitos outros habitantes do Chiado era carregado de sentido, pontua-lhes o seu dia-a-dia. Alberto Pimentel, por exemplo, fala de orquestração, sente-se acompanhado pela sonoridade da rua. Alfredo de Mesquita, de forma semelhante, refere o valor estetizante do cego da viola e do homem do realejo. Adivinha-se uma nostalgia na forma como estes dois últimos autores se referem à qualidade dos sons da cidade, parecendo adivinhar a sua perda na urbe industrial que se aproxima. É todo um mundo de emoções que se adivinha na recepção de sonoridades tão multifacetadas, como a da chegada da banda que se ouve da janela, até às discussões sobre os artistas, que levam às pateadas no TSC ou aos cortejos com que os aficionados presenteiam as prima-donas.

  • 57 Vasconcellos, 1912, 127.

57A apropriação do bairro pelas suas sonoridades características é o que parece ter marcado esta zona da cidade fazendo com que se diga «Estar no Chiado é pois estar já na nossa intimidade»57.

Bibliographie

ALMEIDA, Fialho de (1912) — A cidade do vício. Lisboa: Livraria Classica Editora.

ALMEIDA, Fialho de (1923) - Pasquinadas: Jornal dum Vagabundo. Porto: Livraria Chardron, de Lêlo & Irmãos, Lda.

BASTOS, Sousa (1947) - Lisboa Velha: Sessenta anos de recordações (1850 a 1910). Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa.

BIDDLE, Ian; GIBSON, Kirsten (eds.) (2016) - Cultural Histories of Noise, Sound and Listening in Europe, 1300–1918. London: Routledge.

BULL, Michael; BACK, Les (ed.) (2003) - The Auditory Culture Reader. Oxford/New York: Berg.

CARVALHO, Pinto de (Tinop) (1991) - Lisboa d’Outros Tempos, Vol. II, Lisboa: Fenda.

DANTAS, Casimiro (1885) - Chronica. Illustração Portuguesa, Lisboa. No. 18, p. 2.

ESPOSITO, Francesco (2016) - Um Movimento Musical como nunca houve em Portugal. Lisboa: CESEM/ Colibri.

KELMAN, Ari (2010) - Rethinking the Soundscape: A Critical Genealogy of a Key Term in Sound Studies. The Senses and Society, Vol. 5, Issue 2, pp. 212-234.

LEFEBVRE, Henry (1991) - The Production of Space. Oxford Uk / Cambridge USA: Blackwell.

LOBO, Eduardo Barros (1887) - Viagens no Chiado: Apontamentos de jornada de um lisboeta atravez de Lisboa por Beldemonio. Porto, Barros & Filha Editores.

MACHADO, Júlio César (1878) - Apontamentos de um folhetinista. Porto: Typographia da Companhia Litteraria.

MESQUITA, Alfredo de (1994) - Alfacinhas. Lisboa: Vega.

n.a. (1868) - Companhia franceza. Chronica dos Theatros. No. 7, p. 2.

PIMENTEL, Alberto (1900) - Vida de Lisboa. Lisboa: Typ. Parceria António Maria Pereira /Livraria Editora.

PINTO, Alfredo (1913) - No Remanso do Lar. Lisboa: Livraria Férin.

RATTAZZI, Maria (1997) - Portugal de Relance. Lisboa: Antígona.

SCHAFER, Murray R. (1969) - The New Soundscape: A Handbook for the Modern Music Teacher. Don Mills, Ont.: BMI Canada.

SCHAFER, Murray R. (1993) - The soundscape: Our sonic environment and the tuning of the world. Rochester, Vermont: Destiny Books.

SEQUEIRA, Gustavo de Matos (1941) - O Carmo e a Trindade. 3 vols. Lisboa: Publicações Culturais da Câmara Municipal de Lisboa.

SMITH, Susan J. (1994) - Soundscape. Area, Sep., Vol. 26, No. 3, pp. 232-240.

STERNE, Jonathan (2012) - The Sound Studies Reader. New York: Routledge.

TRUAX, Barry (2001) - Acoustic Communication. Westport: Ablex Publishing.

VASCONCELLOS, João A. Pestana de (1912) - Do Rocio ao Chiado: visões e phantasias. Lisboa: Parceria Antonio Maria Pereira.

VILHENA, D. Thomaz d’Almeida Manuel de (coord.) (1891) - Guia illustrada de Lisboa e suas circumvisinhanças. Lisboa: Typ. da Companhia Nacional Editora.

Notes

1 Smith, 1994.

2 1925, cit. por Susan J. Smith, 1994, 232.

3 1984, Ibidem.

4 1988, Ibidem.

5 Schafer, 1969.

6 Kelman, 2010.

7 Ibidem, 228-229.

8 The New Soundscape, 1969; The soundscape: Our sonic environment and the tuning of the world, 1993.

9 1991, p. 11.

10 Ibidem.

11 2017.

12 Sterne, 2012, 3.

13 Truax, 2001, 66.

14 Sequeira,1941, 463.

15 Principal associação dos músicos em Lisboa que, a troco de uma taxa, prestava o auxílio aos membros necessitados e defendia os interesses económicos e profissionais dos seus associados. (V. Esposito, 2016)

16 Associação de músicos nascida em 1834, após o liberalismo vitorioso e como consequência das novas ideias, com uma finalidade mutualista independente da intervenção do Estado (Ibidem).

17 Carvalho, 1991, 128.

18 Ibidem, 127.

19 Uma tabacaria aberta em 1865 pelo 1º Conde de Burnay.

20 Beldemónio é o pseudónimo de Eduardo Lobo Correia de Barros (1857-1893), cronista, contista, jornalista e tradutor.

21 Lobo, 1887, XV.

22 Bastos, 1947, 162.

23 Ibidem, 112.

24 Vasconcellos, 1912, 127-128.

25 Dantas, 1885, 2.

26 Bull, Back, 2003, 299.

27 Pimentel, 1900, 52.

28 Bastos, 1947, 43.

29 Ibidem, 60.

30 Ibidem, 59-60.

31 Machado, 1878, 169-172.

32 Bastos, 1947, 89.

33 Almeida, 1912, 124-126.

34 Pimentel, 1900, 45.

35 Ibidem, 50.

36 Segundo Fialho de Almeida (1923) o Turff Club era “uma associação de gentis-homens mais ou menos autênticos, e de elegantes filhos-famílias mais ou menos ricos, em quem as viagens e os hábitos mundanos despertaram amor pelos confortáveis da vida cooperativa, da vida do clube, numa casa luxuosa, entre objectos de arte, com gabinetes fôfos, jogos bem excêntricos, livros bem raros, um cozinheiro bem inédito, e um maître-d’hotel bem majestoso.”, 337.

37 Estabelecimento inaugurado em 1857, ainda com o nome de Café-Concerto, que só mais tarde se passou a chamar Casino Lisbonense. Nele se realizaram espectáculos, concertos e bailes. (V. Sequeira, 1941, 233-240.

38 Mesquita, 1994, 93.

39 Ibidem, 95.

40 Pinto, 1913, 96.

41 Ibidem.

42 Ibidem.

43 Ibidem.

44 Sequeira, 1941, Vol. III.

45 n.a., 1868, 2.

46 Segundo o autor canadiano, soundmark: «refers to a community sound which is unique or possesses qualities which make it specially regarded or noticed by people in that community. […] the sound marks make the acoustic life of the community unique» (Schafer, 1994, 10).

47 Jean-Paul Thibaud, cit. por Bull, Back (2003, 9), usa o termo “sonic bridge” para descrever a forma como a música liga o interior ao exterior numa rede/teia contínua.

48 Bull, Back, 2003, 103.

49 Bastos, 1947, 47.

50 Rattazzi, 1997, 111.

51 Esta informação resulta da comunicação de Filipe Gaspar «Café-Concerto para uma Lisboa burguesa: entretenimento e distinção a partir do discurso jornalístico» proferida no 8º Encontro de Investigação em Música, realizado no Instituto Politécnico do Porto em 2018.

52 Pimentel, 1900, 52.

53 A estreia deu-se em Setembro de 1872.

54 Vilhena, 1891, 9-10.

55 Pinto, 1913, 27.

56 Termo exemplificativo de uma paisagem Low-Fi (para usar mais uma vez a linguagem de Murray Schafer) e que se refere a uma paisagem sonora de baixa fidelidade acústica.

57 Vasconcellos, 1912, 127.

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Rua Garrett
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17275/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 81k
Titre Figura 2 – O rei D. Luis ouvindo a Laureana pelo telefone
Crédits Antonio Maria, No. 249, 6 de Março de 1884, p. 5
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17275/img-2.png
Fichier image/png, 80k
Titre Figura 3 – Varina
Crédits Benoliel, Igreja do Loreto (8 Abr.1907), Arquivo da Câmara Municipal de Lisboa
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17275/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 375k
Titre Figura 4 – Os pretos de S. Jorge
Crédits Arquivo do Museu da Cidade de Lisboa
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17275/img-4.png
Fichier image/png, 33k
Titre Figura 5 – O homem do Realejo
Crédits O povo de Lisboa. Tipos, ambiente, modos de vida, mercados e feiras, divertimentos, mentalidade, Lisboa: Câmara Municipal
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17275/img-5.png
Fichier image/png, 318k
Titre Figura 6 – Músicos cegos
Crédits Álbum de Costumes Portugueses, No. 12, 1888
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17275/img-6.png
Fichier image/png, 2,6M

© Publicações do Cidehus, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search