Version classiqueVersion mobile

Paisagens sonoras históricas

As sociabilidades. Espaço urbano (praças), festas, salões e teatros

«Nossos eborenses tivéssemos a felicidade de um teatro em muito melhores condições»1

Circuitos da ópera italiana e concertos em Évora (1860-1890)

Vanda de

Résumé

Apesar de a cidade de Évora não integrar um circuito operático com a relevância de Lisboa ou Porto, temos várias evidências que testemunham a circulação de ecos de ópera e documentam a recepção e circulação de reportórios italianos em voga. No presente artigo pretende reconstruir-se um quadro da vida musical da cidade tendo como foco o reportório relacionado com a ópera italiana a par de um levantamento dos concertos associados a solistas. Serão consideradas fontes diversas para além das versões de árias de ópera para voz e piano (Fundo Manizola), periódicos, ou ainda fontes relacionadas com música sacra. Em concreto os casos das Nôas da Festa da Ascensão no Mosteiro de São Bento de Cástris (1870 e 1877).
A diversidade de fontes permitirá avaliar contextos diversos abarcando os salões, os teatros, festas de conventos ou concertos no passeio público. Serão consideradas as décadas entre 1860-1890, período em que se verifica um predomínio da ópera italiana documentado pela imprensa local. O artigo pretende contribuir para a reconstituição de um quadro de circulação de reportórios e músicos nos diversos contextos da cidade de Évora.

Entrées d'index

Texte intégral

Introdução

  • 1 Folha do Sul. 1866, Dez. N257.
  • 2 Godinho (1980, 1982, 1984 e 1986). Silva Godinho foi um erudito local que se dedicou à investigação (...)

1Em relação a levantamentos de informação sobre o século XIX merece ser valorizado o trabalho de Silva Godinho no Boletim A Cidade de Évora2 onde, sob o título «Grandes Temas Oitocentistas» publicou quatro relatos (entre 1980-1986) com base na imprensa da época que focam temas tão díspares como os Teatros de Évora, as obras municipais ou o mercado da cidade. Verifica-se, contudo, que apesar da riqueza de informação de contexto cultural Godinho não aborda os reportórios musicais. No importante trabalho de Maria Ana Bernardo (2001), Sociabilidade e distinção em Évora no séc. XIX a informação sobre reportórios é também escassa.

  • 3 Vanda de Sá, «Joaquim José Espanca, a ópera e o Convento: em São Bento de Cástris, uma relação sing (...)

2O presente estudo propõe a análise de reportórios com base em diferentes tipos de fontes, nomeadamente as partituras em circulação na época (Fundo Manizola), os periódicos, os programas de concertos divulgados na imprensa, ou ainda fontes relacionadas com música sacra. Em concreto, o fundo do Mosteiro de São Bento de Cástris onde se encontram as partituras para as Nonas para a Festa da Ascensão (1870 e 1877), sendo a segunda de Joaquim José Rocha Espanca. Estas composições, já anteriormente estudadas3 destacam-se pelo facto dos versos para órgão se basearem em excertos de ópera. A diversidade de fontes analisada permite avaliar contextos distintos abarcando os salões, os teatros, as festas de conventos ou os concertos no passeio público. A escolha do período em estudo, as décadas de 1860 a 1890 (inclusive), impôs-se a partir da riqueza dessas mesmas fontes que documentam o predomínio dos reportórios de ópera italiana na cidade de Évora.

Os Teatros da Cidade

  • 4 Cf. Sá 2014: este aspeto é apresentado e estudado em diferentes contextos e abordagens, relativamen (...)

3Tendo em conta tratar-se da segunda metade do séc. XIX e o título escolhido para este artigo, faz sentido depreender-se que a existência de um teatro adequado se constitui como condição sine qua non para a apresentação pública de óperas, numa lógica aliás já reconhecida e estudada em Lisboa e Porto (CYMBRON, 2012). Nestas cidades os Teatros São Carlos (1793) e São João (1798) funcionaram como núcleos de florescimento não só de ópera, mas também de concertos de música instrumental e espetáculos variados4.

4A citação usada para o título desta comunicação aparece num artigo do periódico Folha do Sul em 1866 (Dez. N257) onde se critica o velho Teatro Eborense; faltariam, portanto, ainda 27 anos para a inauguração do novo Teatro Garcia de Resende (TGR).

  • 5 Esta primeira notícia do seu funcionamento resulta do relato de Out. de 1843 sobre uma representaçã (...)

5Como nos diz Silva Godinho foi na rua das Casas Pintadas que Évora teve o seu primeiro teatro público. Este espaço denominado Teatro Eborense ou Teatro das Casas Pintadas (cuja primeira notícia remonta a 1843)5 é assim destacado por ter recebido no seu palco «os mais célebres actores dessa época» (GODINHO, 1980, 97). Não se sublinha em concreto a atividade musical, mas sobretudo a representação teatral e os respetivos atores e autores. Confirma-se que o teatro tinha um peso significativo na dinâmica cultural da cidade o que se relaciona com um ideal educativo do liberalismo e o interesse na proliferação de uma prática amadora que teve expressão relevante em Évora.

  • 6 Em janeiro de 1867, Eça de Queiroz com pouco mais de 21 anos partiu para Évora, contratado para ocu (...)
  • 7 Este autor, citando um detalhado artigo do bi-semanário Progresso do Alentejo, de 1884, descreve co (...)

6É um facto que a vida deste teatro na segunda metade do século XIX foi marcada por um declínio persistente, ilustrado, aliás, pela pena acutilante de Eça de Queiroz (Distrito de Évora)6 em 1867 quando o descreveu como «um carunchoso teatro». Godinho (1980, 98)7 confirma aliás que é possível acompanhar e viver a vida do Teatro na segunda metade do século XIX graças às Gazetas Eborenses.

  • 8 Ali se guardou uma Ata assinada pelos acionistas da Companhia Eborense e um «auto impresso em perga (...)

7O processo de edificação do Teatro Garcia de Resende reflete uma dinâmica de modernização em curso na cidade que se festejou na praça D. Pedro (atualmente Joaquim António D’ Aguiar) logo desde 1881. Nas palavras de Godinho (1980, 98 e110) a «cidade andava enlevada na grandeza do edifício» que se ia erguendo majestoso e coberto de andaimes. A Festa que aí ocorreu nesse ano, aproveitando o cenário do teatro em construção, resultou de uma hábil associação do aniversário do Rei, D. Luís I, por parte dos Regeneradores - acabando assim por envolver toda a cidade. Nesse dia 31 de outubro de 1881, à tarde, selou-se uma caixa de chumbo, ao som da pirotecnia e do Hino Real, que guardava o compromisso da cidade, em concreto do Círculo Eborense com a obra em curso, bem como o auto de criação de uma Fundação denominada Carlos Resende8. À noite a festa, já a cargo dos Regeneradores, continuou num coreto ali montado onde tocaram as bandas da Casa Pia e da Academia de Minerva.

  • 9 O processo de construção foi longo e, após a morte de José Ramalho Perdigão (em 1884) passou por um (...)
  • 10 A atividade ligada aos Bailes de Máscaras aparece abordada no artigo Sá, V. e Ricardo, J., (2021) « (...)

8A este propósito importa relembrar que o Círculo Eborense, fundado em 1836/1837 e amplamente estudado por Maria Bernardo (2001), teve uma influência central na atividade cultural da cidade, estando implicado desde o início na construção do Teatro Garcia de Resende, através dos associados que integraram a Comissão do empreendimento9. Em grande medida devido à lentidão das obras para o novo teatro, o Teatro Eborense irá arrastar uma atividade em gradual declínio até 1893, oferecendo em final de vida sobretudo Bailes de Máscaras10. A inauguração do TGR, a 1 de junho de 1892, marca o início de uma nova dinâmica cultural na cidade quer a nível musical, como se demonstrará em seguida com a programação analisada, quer no estreitamento de relações com Lisboa e Porto. A circulação de artistas pelo país passa agora com maior regularidade também por Évora. Para além do teatro declamado, dominou a zarzuela e a ópera cómica, mas também concertos mistos e instrumentais onde a matriz de ópera italiana apresenta um peso considerável, como se verificava, aliás, no resto do país.

Figura 1 – Fachada do Teatro Garcia de Resende (1ª déc. séc. XX)

Figura 1 – Fachada do Teatro Garcia de Resende (1ª déc. séc. XX)

Autor: José António Barbosa (?). Arquivo Fotográfico da CME

Espetáculos de Música

9De entre as informações sobre reportórios do Teatro Eborense, verificamos que para além das récitas teatrais muito abundantes, encontramos uma atividade diversificada que inclui, os referidos Bailes de Máscaras, mas também:

«concertos de orquestras e filarmónicas…os Bufos de Madrid… os cantores de ópera Lauretti e Billachio.o actor imitador Trindade…o prestigitador Trizzo. Os pianistas Óscar de la Cinna [?] e Hermenegilda Liguari [?]…o rabequista Francisco de Sá Noronha…José Pico o genial cego da Sardenha (…) Um longo rosário de êxitos e evocações.» (GODINHO 1980, 97).

10No levantamento de concertos, verificou-se que permanece (a) o modelo de concerto misto com instrumentistas e cantores, incluindo assim reportório operático popular que não só cativava mais o público, como colmatava a inexistência de representações de ópera na cidade. Encontramos também concertos que (b) não incluindo cantores apresentam excertos de óperas, como p.e. aberturas (quando há orquestra) valsas ou variações sobre temas populares; finalmente encontramos alguns concertos que (c) apresentam reportório exclusivamente instrumental, de carácter virtuoso a par de composições também populares, como danças, marchas ou hinos. Nesta última categoria incluem-se os concertos ao ar livre no passeio público ou na praça do Geraldo.

Figura 2 - Coreto do Jardim Público (1890-1916)

Figura 2 - Coreto do Jardim Público (1890-1916)

Autor: José António Barbosa (?). Arquivo Fotográfico da CME

Ecos na Imprensa Local

11Neste contexto, que tende a orientar-se para uma diminuição das distâncias entre pólos culturais, seja entre Portugal e a Europa, seja entre Évora e Lisboa, verifica-se uma polaridade enfatizada pela valorização dos músicos locais. Encontramos esta narrativa não só em artigos elogiosos que relatam na imprensa as apresentações em cidades como Beja, Setúbal ou Montemor, mas, também, nas comparações entre o músico local versus o músico que vem de fora, em concreto de Lisboa e sobretudo do Teatro de São Carlos.

  • 11 Gazeta do Meio Dia, 1864 Nov. N41 e N45.

12Num artigo de 186411 e a propósito de uma festividade na Casa Pia, o jornalista elogia os músicos locais em detrimento dos visitantes do TSC. Em resposta, um leitor que identifica a falta de imparcialidade desse texto - que deveria ser apenas informativo - envia uma carta ao jornal onde se opõe com veemência. Ao valorizar, por seu lado, os músicos de Lisboa que elogia por serem profissionais, só reconhece aos locais (neste caso o violinista [Padre] Carlos Peres e o tenor [Padre] Sá) defeitos. Afirma, aliás, que esta reposição de uma verdade artística é necessária para que na «capital se não taxe esta cidade de pouco conhecedora das artes e do mérito dos artistas». A epístola condena o amadorismo, lançando com peso retórico: [o] «instrumentista [que] não sabe colocar o instrumento convenientemente pode tocar com a perfeição e gosto daquele que teve méthodo e escola? Decerto que não!»

13Remata depois que sem as qualidades necessárias a música não passaria de «uma choradeira em tom maior», o que nos remete para questões de gosto e, ainda, para o processo de efetiva profissionalização da música então em curso.

  • 12 Gazeta do Meio Dia, 1865 Set. N12.
  • 13 Gazeta do Meio Dia, 1865 Dez. N171.
  • 14 Gazeta do Meio Dia 1865 Set. N12.
  • 15 Folha do Sul, 1866. Julho. N223. Referência ao Grande sucesso que teve o Carnaval de Veneza.

14Através das notícias que enaltecem músicos eborenses, para além dos referidos Peres (vl) e Sá (T), ficamos a conhecer Vitorino José Lopes Cordeiro (a propósito de concertos em Setúbal12 e em Montemor-o-Novo13) o qual, para além de tocar Cornetim, era mestre de música da banda marcial de cavalaria nº514, e fazia as delícias do público tocando um instrumento de Paus e palha de sua invenção. A descrição relata o músico «batendo veloz por sobre uns paus colocados sobre 5 molhos de palha». O pianista eborense José Heliodoro de Vargas Júnior é também elogiado por tocar de forma exímia este mesmo instrumento de paus e palha num concerto em Beja15 no ano seguinte, em 1866.

  • 16 Manuelinho de Évora 1885 N 205.
  • 17 Gabriel Victor do Monte Pereira (Évora1847 - 1911) foi conservador e diretor da Biblioteca Nacion (...)
  • 18 Manuelinho de Évora, 1888, Maio, N382. Como muitas das bandas nasciam por oposição às já existentes (...)

15Referência final para um artigo mais tardio no Manuelinho de Évora em 188516 no qual Gabriel Pereira17 a propósito do empreendimento em curso para o TGR refere um certo movimento em curso para a «formação de uma Sociedade Dramática e Musical […] [com] instrumentistas notáveis e compositores de elevado merecimento. [Que] Podem dar-nos deliciosas noites de teatro, de concertos». Finalmente a valorização, no mesmo Manuelinho de Évora (em 1888), do compositor eborense Teodósio Augusto Ferreira (1850-1886) aluno da Casa Pia e autor da Abertura em Homenagem a Cinati18.

  • 19 Notícias que apareceram no Evening Star e Correspondência de Hespanha (Folha do Sul, Abril,1866. N1 (...)

16No quadro de uma dialética local de abertura ao mundo importa assinalar alguns artigos de carácter cosmopolita que são traduções extraídas de jornais estrangeiros. Nestes artigos encontramos informações de caráter biográfico sobre compositores como Rossini e Verdi (em 1865 e 1866), o que nos confirma o interesse acrescido na ópera italiana, que aparece cruzado com a família Real a propósito da narração das visitas e ofertas de D. Luiz a Rossini19.

17Ainda nesta via de cosmopolitismo refira-se um folhetim da Gazeta do Meio Dia (em 1864) intitulado Uma visita de Recreio a Lisboa, (que se estende por vários números, e se confessa inspirado por um folhetim de um conhecido escritor da época, Júlio César Machado20). A narrativa discorre sobre idas à ópera no TSC para ouvir a Favorita de Donizetti e o Rigoletto de Verdi. Este artigo apesar de apresentado como Folhetim, tem todos os contornos de um extenso texto crítico que se detém na apreciação das vozes de cantores internacionalizados como Adelaide Borghi-Mamo ou Pietro Mongini21. Neste exercício literário traz-se o Teatro da Capital a Évora, experimenta-se o perfume de Lisboa e da sua vida cultural.

Reportórios em Circulação

  • 22 Todas as informações sobre reportório e músicos aqui avançadas em texto são apresentadas em detalhe (...)

18Entre o reportório em circulação verifica-se um peso significativo da ópera italiana com destaque para Rossini, e o seu inevitável Barbeiro de Sevilha, também Bellini (Sonnambula), Donizetti (Maria Padilla) e, finalmente, Verdi que é o autor mais representado tanto pela variedade de obras como pela quantidade de referências (I due Foscari, Ernani, Trovador, Baile de Máscaras, Luisa Miller). Referência final para o reportório francês: Gounod do Fausto (ária das jóias, e Il était un Roi de Thulé) e de Bizet (excerto de Os Pescadores de Pérolas). Este reportório de ópera pode aparecer também reunido em palco com zarzuelas, como é o caso de Un tesoro escondido (1861) de Francisco Asenjo Barbieri, que na noite artística da Srª Soriano (TGR 1894) apresenta no intervalo árias do Fausto de Gounod22.

  • 23 Manuelinho de Évora, 1894, Dez. N706.
  • 24 Manuelinho de Évora,1893, N638.

19Em 1894 destaca-se a cobertura jornalística à apresentação de três récitas pela companhia dramática portuguesa de ópera lyrica dos alunos do Instituto Musical de Lisboa, cuja estreia no Teatro da Avenida em Lisboa tivera sucesso. Entre os dias 1 e 3 de dezembro apresentou-se a Sonnambula de Bellini, Os Pescadores de Pérolas de Bizet e na terceira noite os dois primeiros actos de Os Pescadores de Pérolas de Bizet e os dois últimos actos da Sonnambula. No intervalo desta récita dedicada à Illustmª Srª Ignácia Ramalho Barahona ouviu-se ainda um Concerto de violino pelo Sr. Caggiani (preenchido com a Fantasia Militar de Leonard e 1º Concerto de Beriot)23. Há finalmente referências a operetas francesas em 4 récitas pela Companhia Taborda de Lisboa: 1º dia: Périchole (Offenbach), 2º dia: Giroflé-Giroflá (Charles Lecocq), 3º dia: Mascotte (Edmond Audran); 4º dia repetição de uma delas. Este evento é acompanhado na imprensa por textos críticos avaliando potencialidades dramático-vocais24.

  • 25 Jornal de Évora, 1864, Março, N19.

20Para além do reportório de ópera cantado, encontramos o virtuosismo instrumental sobre este mesmo reportório. O flautista José Picco25 teve honras de página inteira no Jornal de Évora a propósito de três concertos no Teatro Eborense (1864) com casa cheia, em conjunto com a cantora Alabau:«O canto melodioso da philomela, o trinar do canário, e o pipitar da andorinha, é com arte imitado, que ao ouvi-lo mais se afigura, um concerto de alados cantores». O paradigma do canto impõe-se, aliás, por via do reportório: cavatina da ópera Ernani, dueto da ópera Maria Padilla, Miserere do Trovador, e o inevitável Carnaval de Veneza. «Em todas as peças foi perfeito, mas no Carnaval de Veneza é que ele mostrou toda a extensão e recursos do seu génio musical.» O artigo apresenta depois a biografia detalhada do flautista italiano cego, dando conta de todos os teatros europeus em que tocou e foi aplaudido.

  • 26 Cf. Hélder de Araújo (2009), A composição brasileira de piano para a mão esquerda,  Tese de Doutora (...)

21No ano seguinte o concerto de Sá Noronha (1865) deu a ouvir quatro «Fantasias suas» para violino. É oportuna a hipótese de o violinista ter tocado as suas Phantasias sobre o Rigoletto, sobre a Traviata, (dedicada a Camilo Castelo Branco) e sobre o Trovador, todas para violino e piano. A pertinência reforça-se se considerarmos que são apenas estas que, no conjunto da sua produção, ostentam o termo Fantasia em título. Sempre no mesmo Teatro Eborense e dois anos depois, em 1867, o jovem pianista brasileiro Hermenegildo Liguori (nascido ca. 1853) reuniu as Variações sobre a Sonnambula de Thalberg e as Variações para a mão esquerda sobre o Miserere do Trovador26 intercaladas por árias cantadas pelo seu pai (tenor).

  • 27 “Programa para o Concerto de inauguração do coreto no jardim publico de Évora
    Banda da Real Casa Pia (...)
  • 28 Este evento é abordado em detalhe no artigo de Sá, V., Ricardo, J. e Coelho, R. - Do Arraial, à Pro (...)

22A inauguração do Coreto no Passeio Público em 20 de maio 1888 apresentou-se como um evento marcante na cidade, tendo participado quatro Bandas que sucessivamente alternaram composições de autores locais, reportório de ópera e de salão cosmopolita e ainda as habituais referências militares e patrióticas27. No que se refere à ópera ouviram-se a Abertura de Guilherme Tell (Rossini) e uma Fantasia sobre motivos de I Capuletti e i Montechi (Bellini)28.

23Sobre os dois Concertos de Viana da Mota em Évora em 1893 escreveu-se no Manuelinho de Évora que «não [são] inferiores ao que se ouve em Lisboa». Com uma estrutura mista apresentou-se também o baixo Sr. Paulo de Quental que cantou romanzas acompanhadas ao piano por Francisco Bahia. Entre o reportório de ópera ouviram-se 3 Aberturas (pela Orquestra) das óperas Tutti in Maschera de Pedrotti, da Cavalleria Rusticana de Mascagni e do Guilherme Tell de Rossini. Viana da Mota confirmando a sua formação germanófila afastou-se da ópera italiana optando por obras originais para piano de compositores como Mendelssohn ou Tchaikovsky.

  • 29 É este o caso dos concertos referidos de José Picco (Évora, 1864) e Heliodoro Vargas (Beja, 1866).
  • 30 Joseph Jean Baptist Laurent Arban (1825-1889) músico francês que iniciou estudos de trompete com Da (...)

24Para contextualizar melhor a cultura de concertos mistos e o gosto musical em circulação, importa uma chamada de atenção para um reportório cosmopolita de grande popularidade que assegura o sucesso através do reconhecimento imediato, tal como a ópera italiana. Eram apreciadas peças instrumentais populares, incluindo danças, normalmente com uma escrita brilhante que cumpria as convenções do virtuosismo e sobrevivia à adaptação a múltiplos instrumentos. Um dos exemplos mais celebrizados e repetido com furor a pedido do público eborense foi O Carnaval de Veneza, um tema popular conhecido em toda a Europa e cantado com o texto «O meu chapéu tem três bicos»29. No século XIX destacaram-se as versões de Paganini e de Jean-Baptiste Arban30, por sinal, exemplares demonstrações de virtuosismo ao mais alto nível. A proliferação deste tipo de reportório integrava-se particularmente bem em programas estruturados por composições relativamente curtas, diversificadas e populares, ingredientes necessários para os concertos mistos e para os espetáculos de «variedades».

A música nos salões

  • 31 Folha do Sul 1865, Junho, N114: anúncio à venda de instrumentos da Casa Neuparth.
  • 32 No fundo da Manizola (BPE) encontram-se manuscritos de excertos de óperas italianas para voz e pian (...)

25Tal como acontecia na maioria das cidades europeias e em Lisboa numa realidade já relativamente conhecida (ALBUQUERQUE, 2006) a ópera circulava também em Évora no contexto dos salões e da música doméstica, normalmente em reduções para voz e piano sob a forma de edições que garantiram fortes sucessos comerciais para Casas como a Neuparth (de qual se encontram anúncios nos periódicos de Évora)31 ou Sassetti. Naturalmente estes reportórios circulavam também em manuscritos, o que pode verificar-se no fundo Manizola, onde para além do previsível caso de Verdi, presente com a sua trilogia popular: Trovador, Traviata e Rigoletto, surgem uma série de outros compositores como Rossini32.

  • 33 Para informações sobre o Círculo Eborense de carácter histórico Cf. Bernardo (2001), que no seu est (...)
  • 34 Esta informação foi gentilmente cedida por Narciso Luís Esteves Serra que elaborou trabalho de inve (...)
  • 35 A relevância destes dados obriga-nos a estender alguns anos o horizonte cronológico em título. A su (...)

26Neste enquadramento tão caro ao século XIX de prolongamento da experiência da ópera para o salão doméstico, para o salão Associativo e para o coreto, refira-se, apenas a título de exemplo, algum do reportório que se conhece e pertence ao fundo do Círculo Eborense33. João Carlos de Sousa Morais [João Carlos de Souza Moraes] foi Chefe de Banda militar e compositor português (Valença do Minho, 29 de setembro de 1860 – Porto, 4 de outubro de 1919) esteve associado ao Círculo Eborense na década de 189034. De acordo com o estudo de Serra (2019,13), o maestro foi destacado a 1 de julho de 1894 para a Real Casa Pia de Évora em comissão de professor de música. Aí colabora também com o Círculo Eborense onde organiza, dirige e compõe música para uma orquestra de teatro e de concertos. Em 19 de Setembro de 1895 é colocado no Regimento de Infantaria N.º 4, Elvas, mas na prática continua a sua comissão em Évora até 16 de novembro de 189735.

27Sabe-se que elaborou para os Concertos em Évora uma série de arranjos musicais (em manuscrito) destinados aos bailes e festas do Círculo Eborense. Avançando na década de 1890 encontramos algum reportório novo como é o caso de Puccini (La Bohème e Madama Butterfly) ou Wagner (Tannhäuser), mas confirma-se a persistência de Verdi (Otelo e Aida) ou o reaparecimento do reportório francês com Meyerbeer (Dinorah: le Pardon de Ploërmel) e Gounod (Faust e La Colombe). Acrescem outros casos a merecer futura reflexão em estudos posteriores como Schubert (Serenade).

A Influência da Ópera no Reportório Sacro em S. Bento de Cástris

  • 36 Cf. Nota Rodapé nº3
  • 37 BPE: CLI 1-8 nº 3

28Uma referência final à circulação de reportório de ópera italiana presente numa fonte já anteriormente estudada36 no quadro do Convento de São Bento de Cástris. Na Biblioteca Pública de Évora, encontramos um grupo de três tratamentos musicais da Nona para a Festa da Ascensão (CLI 1-8 nº1, nº2 e nº3). O nº3 é um autógrafo de J. J. R. Espanca, datado de 1877, contudo os três exemplares estão relacionados entre si, não só pela associação a este Mosteiro mas também por alguns elementos de organização musical. Joaquim J. Espanca, que viveu entre 1839-1896 manteve uma relação privilegiada e persistente - que se prolongou até 1887 - com o Convento de S. Bento de Cástris o qual viria a encerrar em definitivo três anos depois, em 1890. Para este Convento escreveu e legou uma série de autógrafos num conjunto de 16 obras onde se podem encontrar Lições, Responsórios e Missas, entre outros géneros. O autógrafo da Partitura da Nôa da Festa da Ascensão, composto para o Convento de S. Bento de Cástris37 de 1877, apresenta a singularidade de uma série de Divertimentos para o órgão baseados em excertos de óperas italianas sobretudo de Verdi, mas também Bellini e Donizetti.

Figura 3 - Folha de rosto do autógrafo da Partitura da Nôa da Festa da Ascensão, composto para o Convento de S. Bento de Cástris (CLI 1-8 nº 3) de 1877

Figura 3 - Folha de rosto do autógrafo da Partitura da Nôa da Festa da Ascensão, composto para o Convento de S. Bento de Cástris (CLI 1-8 nº 3) de 1877

29Os três casos partilham uma estrutura que inicia com o Hino diário da Nona no Breviário Católico Romano: Rerum Deus Tenax Vigor. Segue-se o Salmo In Convertendo (125/1), a Doxologia menor (Gloria PatriSicut erat in principio, et nunc, et sempre et in saecula saeculorum, Amen), o Salmo Nisi Dominus (Salmo 126), novamente a Doxologia menor (Gloria Patri, sicut erat), o Salmo Beati Omnes (salmo 127), repete a Doxologia menor (Gloria Patri, sicut erat), a encerrar a 1ª Antífona, Alleluia e a 2ª Antífona, Non vos relinquam orphanos (que é o texto para a Festa da Ascensão).

30A novidade que se verifica nos manuscritos nº 1 e nº 3 tem a ver com as intervenções do órgão, tradicionalmente denominadas versos de órgão (como acontece no manuscrito nº1) e intituladas de divertimentos no nº3. Nestes dois casos verifica-se a utilização de excertos de óperas como base musical às composições para órgão (versos). Já o manuscrito nº2 não conta com qualquer verso para órgão.

Figura 4 - 1º Divertimento para órgão «Do trovador de Verdi» (CLI1-8 nº3). 2º acto: Ária «alla Marcia Per me ora fatale»

Figura 4 - 1º Divertimento para órgão «Do trovador de Verdi» (CLI1-8 nº3). 2º acto: Ária «alla Marcia Per me ora fatale»

31Apresenta-se em seguida a identificação dos autores e das óperas presentes nos referidos manuscritos, verificando-se que o manuscrito nº1 recorre à ópera de forma muito mais regular, pois, num total de 27 versos para órgão, 20 identificam a génese operática. No manuscrito nº3 esta proporção reduz-se para pouco menos de metade, já que em 30 divertimentos para órgão, 12 têm esse modelo explícito na ópera.

  • 38 Respeitam-se as grafias dos títulos das obras presentes na partitura.

Quadro I - CLI 1-8 nº1 (1870)38 Versos de órgão com referências à ópera

Compositor

Ópera

Nº versos

Observações

Sá Noronha

Arco di Sant’ Anna

1

G. Verdi

Traviata

1

G. Verdi

Nabucco

2

G. Verdi

Trovador

2

G. Donizetti

Lucia di Lamermor

7

G. Donizetti

Ana Bolena

1

P.A.Coppola

Espadeiro [La bella

Celeste degli Spadari]

2

G. Verdi

Vésperas Sicilianas

1

G. Rossini

Gata Borralheira [Cenerentola]

1

V. Bellini

Beatrice di tenda

1

F. Ricci

Clara de Rozamber

[Chiara di Rosemberg]

1

Total: no conjunto de 27 versos para orgão 20 remetem a óperas.

  • 39 Respeitam-se as grafias dos títulos das obras presentes na partitura.

Quadro II - CLI 1-8 nº3 (1877)39 Espanca - Versos de órgão com referências à ópera

Compositor

Ópera

Nº versos

Observações

G. Verdi

Traviata

2

Neste manuscrito os versos são denominados por divertimentos

G. Verdi

Trovador de Verdi

3

G. Donizetti

Da Filha do Regimento

3

V. Bellini

Beatrice di Tenda

1

A. M. Oliver

Rosa de Maio

1

G. Verdi

Do Baile de Máscaras

1

G. Verdi

Do Rigoletto

1

Total: no conjunto de 30 versos para orgão 12 remetem a óperas.

  • 40 Segundo Cymbron (2001, 21) este folheto tem a presumível autoria de Tomás Lino da Assunção, O Subsí (...)

32Embora se identifiquem excepções ou preferências autorais, verifica-se a permanência de algumas das tendências já referidas. Para além do flagrante favoritismo pela Lucia di Lammermoor de Donizetti, confirma-se a persistência da ópera italiana com o culto de Verdi em particular, aparentemente em linha com os excessos de Lisboa como sugere um manifesto a propósito do Teatro de São Carlos, protestando: «Sempre Trovador, sempre Rigoleto, sempre Traviata!»40

  • 41 O Teatro de São João do Porto encontrava-se, agora, não esqueçamos, num período florescente, sob a (...)
  • 42 Como refere Cymbron (2019,187-188) Noronha desenvolveu um esforço significativo «na difusão de um r (...)
  • 43 Folha do Sul, 1865, Set, N136. Na noite do concerto foi oferecido ao músico o diploma de sócio da S (...)

33Um dos casos curiosos é o 1º verso sobre o Arco de Santana, uma ópera de Sá Noronha estreada 3 anos antes (1867 no Teatro de São João), que só atingiu sucesso público no Teatro de São Carlos no ano seguinte.41 O Arco de Santana é baseado no romance homónimo em dois volumes de Almeida Garrett publicados respectivamente em 1845 e 1850. Apesar de se tratar de um caso com prestígio não conheceu a vasta circulação de edições domésticas do reportório operático italiano42. Convém contudo não esquecer que o músico era já conhecido pelo público de Évora pois apresentara-se, como já foi referido, a 6 de Setembro de 1865 num concerto, com enorme sucesso no Teatro Eborense43.

Notas Finais

34Retoma-se a descrição de Eça de Queiroz que a 13 de janeiro de 1867, escreveu:

«Todos os dias se diz: Évora está morta. Évora é um velho sepulcro. Todos os que vivem em Évora estão finados. Se alguma vez se diz morreu fulano, é para se fazer acreditar que até aqui estava vivo […] Évora tem uma vida…da cozinha…da lareira […] O homem [...] não vive fora, não vai aos cafés, aos teatros, aos bailes: está na sua casa» (QUEIROZ, 1981,111-112. Cit. por BERNARDO, 2001, 30).

  • 44 O peso relativo dos reportórios referidos não constitui o foco do presente estudo pois obrigaria a (...)

35É do conhecimento geral que na sua obra literária o autor enfatiza a tensão entre Portugal e centros cosmopolitas - sobretudo Paris: «onde tudo acontece»! - numa lógica que expande a tensão interna ao País entre Évora ou qualquer cidade secundária, e Lisboa. Esta tensão, particularmente sentida pela geração de Eça de Queiroz, prolonga-se, aliás, pelo século XX e valida a dinâmica de importação de novidades, de modas, de produtos, de reportórios e, afinal, de territórios de distinção. Pode reconhecer-se na cidade de Évora essa mesma abertura à importação e circulação de reportórios que começa por privilegiar a presença da ópera italiana, pontuada por reportórios franceses, pela zarzuela e, já no remate do século XIX, alguns ecos do «caso Wagner»44. É nesse quadro que a investigação de Hélder Fonseca (1996, 743) contextualiza o enquadramento de Évora no último quartel do século XIX demonstrando que, para os devidos efeitos, a elite económica eborense estava a acompanhar a restante elite portuguesa, apresentando-se cada vez mais plural e com uma dinâmica de burguesia urbana empenhada no progresso social, artístico e cultural da cidade de Évora.

O mesmo autor afirma que «(...) a ideia de que o desenvolvimento do Alentejo foi historicamente ameaçado pela conduta das suas elites, eternamente pouco afoitas ou incapazes de tentarem mudar o rumo dos acontecimentos, parece enfraquecida pelo menos para o período da formação do Portugal contemporâneo» (1996, 744).

36Tal como demonstrado por Hélder Fonseca, verificou-se na segunda metade do século XIX uma abertura económica no Alentejo que resultou na entrada de investimentos exteriores (seja de outras zonas de Portugal, seja do estrangeiro como no caso de ingleses e catalães) atraídos «pelas oportunidades de negócio e investimento que, nesta região, foram mais amplas do que tem sido admitido» (1996,743). Diversificaram-se as atividades que deixaram de estar tão exclusivamente centradas na agricultura, favorecendo dinâmicas urbanas importantes a nível cultural e por extensão musical, como p. e. a abertura de pequenos teatros, com natural destaque para o Teatro Garcia de Resende, ou o proliferar de Sociedades Musicais (com bandas filarmónicas civis e orquestras de amadores) e a consequente diversificação da oferta para consumo musical.

37A circulação de reportórios cosmopolitas, como é o caso da ópera italiana, é sintomática do encurtamento de distâncias entre Évora e Lisboa, incluindo a apresentação nos teatros da cidade de cantores estrangeiros em início ou fim de carreira internacional, bem como de músicos portugueses com carreiras locais e internacionais. A discussão dos reportórios não constituiu assunto na imprensa, verificando-se sim uma sobrevalorização da ópera italiana enquanto dado adquirido e, neste ponto, Évora acompanha outras cidades europeias. Já a afirmação musculada das estratégias de validação do reportório internacional é importante na narrativa dos periódicos, pois pretende sublinhar que em Évora se reconhece o génio (seja Rossini ou Verdi) e se apreciam as obras, por todos, valorizadas. Identifica-se a pretensão de assinalar, por via da opinião pública veiculada pela imprensa, que na cidade existe um fórum público atualizado e adequado. A narrativa na imprensa da época que discute as competências e a cultura musical do público, a par da valorização dos músicos locais, constitui-se, afinal, como demonstração de vitalidade cultural e reivindicação de valor.

Bibliographie

Jornais

Diário de Évora, 1894-96.

Distrito de Évora, 1867.

Eborense, 1861-63.

Folha de Évora, 1891.

Folha do Sul, Évora, 1863-67.

Gazeta do Meio Dia, 1864-1865.

Gazeta do Sul, 1889-1891.

Manuelinho d’Evora, Évora, 1882-1896.

Notícias d’Évora, Évora, 1900.

Perseverança,1867-1868.

Progresso d’Evora 1891.

Revista Eborense, 1889-1890.

Sul de Portugal, 1866.

Partituras

[Autor desconhecido], (1870) Nôa para a Festa da Ascensão, BPE, CLI 1-8 nº1.

[Autor desconhecido], Nôa para a Festa da Ascensão BPE, CLI 1-8 nº 2.

ESPANCA, J.J.R., (1877) Nôa para a Festa da Ascensão, (aut.), BPE, CLI 1-8 nº3.

Coleção de manuscritos com excertos de óperas italianas para voz e piano,(s.d.) BPE, Fundo Manizola, Cota nº 654.

Bibliografia

ALBUQUERQUE, Maria João (2006) - A Edição Musical em Portugal (1750-1834). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian/Imprensa Nacional Casa da Moeda.

ALEGRIA, José Augusto (1944) - A Música em Évora no século XVI.  A Cidade de Évora: Boletim de Cultura da Câmara Municipal. 1ª Série, nº 6, pp. 25-43.

ALMEIDA, Cármen (org.), (2001) - Riscos de um Século. Memórias da Evolução Urbana de Évora. Évora: Câmara Municipal de Évora. Arquivo Fotográfico Municipal.

ARAÚJO, Hélder de (2009) - A composição brasileira de piano para a mão esquerda,  Tese de Doutorado, Escola de Comunicações e Artes, Uiversidade de São Paulo.

BANDEIRA, Filomena (2007) - O Teatro Garcia de Resende. A pertinência de um inventário para avaliação de uma herança. Monumentos: Revista Semestral de Edifícios e Monumentos, n.º 26, Lisboa: Direção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, pp. 76 – 91.

BERNARDO, Maria Ana (2001) - Sociabilidade e Distinção em Évora no século XIX. O Círculo Eborense. Lisboa: Edições Cosmos.

CASCÃO, Rui (1993) - Vida quotidiana e sociabilidade. In Mattoso, J. (dir.), História de Portugal. O Liberalismo (1807 – 1890). Vol. 5. Lisboa: Círculo de Leitores, pp. 517 – 541.

CYMBRON, Luísa (2001) - “A produção e recepção das óperas de Verdi em Portugal no século XIX (com algumas notas sobre a relação do compositor com o nosso país)” in Verdi em Portugal 1843-2001 (Catálogo da Exposição Comemorativa do Centenário da Morte do Compositor). Lisboa: Biblioteca Nacional de Lisboa.

CYMBRON, Luísa (2012) - Olhares sobre a Música em Portugal no Século XIX. Ópera, virtuosismo e música doméstica. Lisboa: CESEM-Colibri.

CYMBRON, Luísa (2019) – Francisco de Sá Noronha (1820-1881) – Um Músico Português No Espaço Atlântico. Lisboa: CESEM – Húmus.

ESPANCA, Túlio (1966) - Inventário Artístico de Portugal. Concelho de Évora. Lisboa: Academia Nacional das Belas – Artes, vol. I (1980- 81).

ESPANCA, Túlio (1980-81) - O Coreto do Jardim Público. A Cidade de Évora. Boletim de Cultura da Câmara Municipal, Évora: Câmara Municipal de Évora, n.º 63/64, pp. 150 – 153.

FONSECA, Hélder A. (1996a) - Protagonismo, Prestígio Social e Coesão. O Alentejo no século XIX. Economia e Atitudes Económicas. Imprensa Nacional Casa da Moeda, pp. 185 – 221.

FONSECA, Hélder A. (1996b) - As elites económicas alentejanas, 1850-1870: anatomia social e empresarial. Análise Social. Revista Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. 4ª Série, vol. XXXI, n.º 136 -137, pp. 711 – 748.

FONSECA, Hélder A. (1988) - Sociedade e Elites Alentejanas no Século XIX. Economia e Sociologia. Évora: Gabinete de Investigação e Ação Social do Instituto Superior Económico de Évora, n.º 45/46, pp. 63 – 106.

GODINHO, Silva (1980 – 81) - Temas Oitocentistas Eborenses. A Cidade de Évora. Boletim de Cultura da Câmara Municipal. Évora: Câmara Municipal de Évora, n.º 63/64, pp. 97 – 121.

GODINHO, Silva (1982 – 83) - Temas Oitocentistas Eborenses. A Cidade de Évora. Boletim de Cultura da Câmara Municipal. Évora: Câmara Municipal de Évora, n.º 65/66, pp. 166 – 188.

GODINHO, Silva (1984 – 85) - Temas Oitocentistas Eborenses. A Cidade de Évora. Boletim de Cultura da Câmara Municipal. Évora: Câmara Municipal de Évora, n.º 67/68, pp. 39 – 67.

GODINHO, Silva (1988 – 93) - Temas Oitocentistas Eborenses. A Cidade de Évora. Boletim de Cultura da Câmara Municipal. Évora: Câmara Municipal de Évora, n.º 71/76, pp. 213 – 219.

MELO, Francisco Lopes de (1965 – 1967) - Determinação da zona de influência de Évora. A Cidade de Évora. Boletim de Cultura da Câmara Municipal. Évora: Câmara Municipal de Évora, n.º 48 – 50, pp. 5 – 50.

QUEIROZ, Eça de (1981) – Da colaboração no «Districto de Évora». Vol. I (1867). Lisboa: Edições Livros do Brasil.

RAFAEL, Gina G., SANTOS, Manuela (1998) - Jornais e Revistas Portuguesas do século XIX, vol.I, II. Lisboa: BNP.

RIBEIRO, Orlando (1986) - Évora: Sítio, Origem, Evolução e Funções de uma Cidade. In Brito, Raquel S. (coord.). Estudos em Homenagem a Mariano Feio. Lisboa. pp. 371-390.

RICO, Tânia (2001) - Salão Central Eborense, um olhar sobre o seu Património. A Cidade de Évora. Boletim de Cultura da Câmara Municipal. Évora: Câmara Municipal de Évora, 2ª série, n.º 5, pp. 453 – 465.

RUSSO, Susana B. (2007) - As Bandas Filarmónicas enquanto património: um estudo de caso no Concelho de Évora. ISCTE: Tese de Mestrado.

SÁ, Vanda de (2016) - The transformation of Musical Practices in Lisbon at the End of the "ancien régime": New Commercial Dynamics, Cosmopolitan Models and Keyboard Repertoires. Ad Parnassum a Journal of Eighteenth and Nineteenth Century Instrumental Music, Vol.13, 26. pp. 45-64.

SÁ, Vanda de e FERNANDES, Cristina. (Eds.), (2014) - Música instrumental no período final do Antigo Regime: contextos, circulação e reportórios. Lisboa: ed. Colibri. UnIMeM-UÉ.

SÁ, Vanda de (2013) - Música Instrumental no contexto da festa litúrgica portuguesa no final do Antigo Regime. Lucas, Elisabeth; Nery, Rui Vieira (Eds.). As Músicas Luso-Brasileiras no Final do Antigo Regime. Repertórios, Práticas e Representações. Lisboa: INCM /Fundação Calouste Gulbenkian. pp. 427-452.

SÁ, Vanda de (2013) - Ensino da Música em Portugal no final do Antigo Regime: fatores de mudança e modernidade. Lopes, E. (Ed.) Pluralidade no Ensino do Instrumento Musical. Évora: Univ. Évora-UnIMeM.

SÁ, Vanda de e CONDE, Antónia F., (eds.), (2019) - Paisagens sonoras urbanas: História, Memória e Património. Évora: Publicações do Cidehus. <https://books.openedition.org/cidehus/8767>.

SERRA, Narciso Luís Esteves (2019a) - Inventário da Associação Círculo Eborense, Universidade de Évora, FCG.

SERRA, Narciso Luís Esteves (2019b) - João Carlos de Sousa Morais, Município de Valença.

SIMPLÍCIO, Maria D. (1997) - Evolução e Morfologia do Espaço Urbano de Évora. Universidade Évora: Tese de Doutoramento.

s.a. (1949) -1º Centenário da Sociedade Harmonia Eborense – Évora: Sociedade Harmonia Eborense.

Annexes

Quadro A - referências a récitas e concertos em Jornais

Quadro B - referências a concertos instrumentais em Jornais

Notes

1 Folha do Sul. 1866, Dez. N257.

2 Godinho (1980, 1982, 1984 e 1986). Silva Godinho foi um erudito local que se dedicou à investigação e ao estudo de variadas matérias da cultura eborense, tendo editado importantes artigos no Boletim A Cidade de Évora dedicados ao século XIX. É de salientar a sua dedicação e o trabalho que desenvolveu sobre o ambiente cultural que se vivia em Évora desde os finais do século XVIII até ao século XX, tornando-se um autor de referência neste domínio.

3 Vanda de Sá, «Joaquim José Espanca, a ópera e o Convento: em São Bento de Cástris, uma relação singular» comunicação apresentada no Congresso Internacional Um Reino de Mulheres: Expressões literárias, culturais e artísticas nas instituições monástico-conventuais femininas. Universidade de Évora, 22-24 abril 2019. (Artigo no prelo).

4 Cf. Sá 2014: este aspeto é apresentado e estudado em diferentes contextos e abordagens, relativamente ao Teatro de São Carlos na primeira metade do século XIX.

5 Esta primeira notícia do seu funcionamento resulta do relato de Out. de 1843 sobre uma representação de amadores de Évora à qual se deslocou a Rainha D. Maria II.

6 Em janeiro de 1867, Eça de Queiroz com pouco mais de 21 anos partiu para Évora, contratado para ocupar o cargo de diretor de um jornal de província, o Distrito de Évora. O DE enquadrava-se num jornalismo assumidamente de opinião por oposição a um jornalismo mais moderno e informativo que iria despontar pouco depois em Portugal.

7 Este autor, citando um detalhado artigo do bi-semanário Progresso do Alentejo, de 1884, descreve com minúcia os problemas de degradação do teatro, nomeadamente, as madeiras de pinho velhas e carcomidas, e também as escadas que conduziam aos camarotes e torrinhas, que por serem estreitas e íngremes se tornavam perigosas e desconfortáveis para as senhoras. (Godinho, 1980, 98-99).

8 Ali se guardou uma Ata assinada pelos acionistas da Companhia Eborense e um «auto impresso em pergaminho com o seguinte texto: - No ano de Nascimento de Cristo de 1881, reinado em Portugal El-Rei D. Luís I, organizou-se nesta cidade de Évora uma companhia para Fundação deste teatro, ao qual se chamou Carlos Resende, em homenagem à memória do distinto eborense do mesmo nome». Esta caixa de chumbo, depois de selada, foi depositada na fachada do edifício no cunhal do lado sul do edifício que viria a ser inaugurado a 1 de Junho de 1892. (Godinho 1980,110-111).

9 O processo de construção foi longo e, após a morte de José Ramalho Perdigão (em 1884) passou por um período de interrupção só ultrapassado com a chegada a Évora de Francisco Barahona que se prontificou a concluir as obras do teatro às suas custas, desde que este fosse doado pela Companhia ao Município de Évora, o que aconteceu a 4 de Abril de 1892 (sendo lavrado o auto de posse que fez do Teatro património municipal). (Russo, 2007, 75-76). José Maria Ramalho Diniz Perdigão era um abastado proprietário que patrocinou importantes obras na cidade de Évora: idealizou, para sua residência, a construção do Palácio Barahona (Rua da República), apoiou a criação do Passeio Público e dinamizou a construção do Teatro Garcia de Resende. Tanto o Palácio, como o Teatro ficaram concluídos após sua morte (1884) já sob a orientação de Francisco Barahona. José Ramalho Perdigão foi o primeiro marido de Inácia Fernandes Ramalho que, depois de viúva, casou com Francisco Eduardo Barahona continuando a obra do anterior marido com importantes contributos para o desenvolvimento patrimonial e cultural da cidade (Fonseca, 1996b, 720-22).

10 A atividade ligada aos Bailes de Máscaras aparece abordada no artigo Sá, V. e Ricardo, J., (2021) «O povo divertiu-se. Ao menos nestes três dias esqueceu a carestia que o oprime». Bailes de Máscaras, Foliões e Festas de Carnaval na cidade de Évora de oitocentos.», In Sonoridades Eborenses- CESEM, CHAM, CIDEHUS (no prelo).

11 Gazeta do Meio Dia, 1864 Nov. N41 e N45.

12 Gazeta do Meio Dia, 1865 Set. N12.

13 Gazeta do Meio Dia, 1865 Dez. N171.

14 Gazeta do Meio Dia 1865 Set. N12.

15 Folha do Sul, 1866. Julho. N223. Referência ao Grande sucesso que teve o Carnaval de Veneza.

16 Manuelinho de Évora 1885 N 205.

17 Gabriel Victor do Monte Pereira (Évora1847 - 1911) foi conservador e diretor da Biblioteca Nacional. Uma das suas obras mais conhecidas, Estudos Eborenses (1886), constitui uma importante referência para a história da cidade de Évora. 

18 Manuelinho de Évora, 1888, Maio, N382. Como muitas das bandas nasciam por oposição às já existentes, no mesmo ano dos Alunos de Minerva, com o apoio de outros interesses, é criada a Filarmónica Primeiro de Dezembro que tem como regente o Teodósio Augusto Ferreira e que passa a satisfazer a política regeneradora. Durante um período estas duas bandas rivalizam musical e politicamente, provocando ódios e discórdias entre os seus elementos e a própria população até que ambas terminam a sua atividade por volta do ano de 1886. (Godinho, 1984-85, p.59).

19 Notícias que apareceram no Evening Star e Correspondência de Hespanha (Folha do Sul, Abril,1866. N193). Notícia veiculada pelo France que relata a visita de El Rei D. Luiz e do Visconde de Paiva a Rossini. (Folha do Sul, 1865, Dez., N175).

20 Júlio César Machado, (Lisboa1 de Outubro de 1835 – 12 de Janeiro de 1890) foi um escritor português do século XIX. Jornalista, tradutor, autor de romances, contos e peças de teatro, um dos mais destacados da segunda metade do seu século. Salientou-se, sobretudo, como folhetinista e cronista.

21 Adelaide Borghi-Mamo (Bolonha, 9 de agosto de 1829 — 27 de setembro de 1901) cantora lírica (meio-soprano) italiana. Pietro Mongini (Roma 1830- Milão 1874) iniciou a carreira como baixo e a partir de 1853 passou para tenor.

22 Todas as informações sobre reportório e músicos aqui avançadas em texto são apresentadas em detalhe nos Quadros A e B em anexo.

23 Manuelinho de Évora, 1894, Dez. N706.

24 Manuelinho de Évora,1893, N638.

25 Jornal de Évora, 1864, Março, N19.

26 Cf. Hélder de Araújo (2009), A composição brasileira de piano para a mão esquerda,  Tese de Doutorado, Escola de Comunicações e Artes.Universidade São Paulo. Link: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27158/tde-11072009-173204/pt-br.php (acedido Agosto 2019).

27 “Programa para o Concerto de inauguração do coreto no jardim publico de Évora
Banda da Real Casa Pia:
1º Homenagem a Cinati de Theodósio A. Ferreira
2º Sinfonia do Campanosa
Charanga de Cavallaria 5:
3º Himno do Regimento, Conceição Noronha
4º Symphonia da ópera Guilherme Tell
5º Cavatina de Barytono, Pinto
Academia de Minerva:
6º Mal du pays, Mazurca por A. Jungmann
7º Visions d’amour, valsa por Delbouck
Grupo d’Amadores de Música:
8º Évora, Marcha Triunfal, Barreto
9º Fantasia sobre motivos da ópera I Capuletti e i Montechi.
Principia às 5horas da tarde.” Manuelinho de Évora, 1888, Maio, N382.

28 Este evento é abordado em detalhe no artigo de Sá, V., Ricardo, J. e Coelho, R. - Do Arraial, à Procissão: aplausos no Coreto e esplendor nas visitas Régias, Sonoridades Eborenses (no prelo).

29 É este o caso dos concertos referidos de José Picco (Évora, 1864) e Heliodoro Vargas (Beja, 1866).

30 Joseph Jean Baptist Laurent Arban (1825-1889) músico francês que iniciou estudos de trompete com Dauverne. Grande virtuoso do trompete e um dos mais brilhantes pedagogos do instrumento.

31 Folha do Sul 1865, Junho, N114: anúncio à venda de instrumentos da Casa Neuparth.

32 No fundo da Manizola (BPE) encontram-se manuscritos de excertos de óperas italianas para voz e piano (Cota nº 654):
a) Cavatina del Opera/ Il Barbier di Seviglia, Del Mtro/ Rossini/ Introdução Larghetto (Fortunata)
b) Il Trovatore/ Drama Lírico/ De S. Cammarano/ Múzica del Maestro Verdi/ Romanza S. e pn/ 2bemois
c) Roberto, ó tu, che adoro/Cavatina/ Nell opera Roberto il Diavolo/ Del Maetrº Meyerber.
d) Cavatina/ Quell adorata imagine/ Nell’Opera Il Regente del M. S. Mercadante.
e) Cavatina Del Mtrº Pacine, e Sequito/ Nel Torquato.
f) La Traviata/ Libreto de Francisco Maria Piave/ Musica del Mtrº Piave.
h) Canzonetta/ Nel Opera Rigoleto/ Del Mtrº Giuseppe Verdi | piano: Intro./Allegro/ Allegretto
i) Cavatina del Maestro Pacini, e sequito/ Nel Torquato (Roberto, clave sol 1ª linha)
j) Cavatina nell’Opera/ Torquato Tasso del Mtrº Gaetano Donizetti
k) Cavatina / Nel’Opera / Gemma di Vergy/ Del/ Maestro Donizetti/ Offerecida à/ Srª D. Costanza de Lemos.
g) Valça/ Extrahida da Opera/ A Favorita/ Donizetti/ Piano Forte (cota CLI/2-9 nº4)

33 Para informações sobre o Círculo Eborense de carácter histórico Cf. Bernardo (2001), que no seu estudo inclui algumas referências sobre espetáculos e festas, embora não analise reportórios musicais.

34 Esta informação foi gentilmente cedida por Narciso Luís Esteves Serra que elaborou trabalho de inventariação e investigação neste fundo musical. Cf. Serra (2019a). Elaborou também um estudo centrado na actividade e biografia de Sousa Moraes. Cf. Serra (2019b,15).

35 A relevância destes dados obriga-nos a estender alguns anos o horizonte cronológico em título. A sua extrema importância e pertinência advém de, no caso, confirmarem um contexto anterior, o qual ainda não é possível detalhar por inexistência de levantamentos de reportório associado às Bandas e aos núcleos musicais do Associativismo em Évora no século XIX.

36 Cf. Nota Rodapé nº3

37 BPE: CLI 1-8 nº 3

38 Respeitam-se as grafias dos títulos das obras presentes na partitura.

39 Respeitam-se as grafias dos títulos das obras presentes na partitura.

40 Segundo Cymbron (2001, 21) este folheto tem a presumível autoria de Tomás Lino da Assunção, O Subsídio ao Theatro de S. Carlos (1872-1873).

41 O Teatro de São João do Porto encontrava-se, agora, não esqueçamos, num período florescente, sob a regência do maestro italiano Carlos Dubini (1826-1883), radicado no Porto desde cerca de 1845.

42 Como refere Cymbron (2019,187-188) Noronha desenvolveu um esforço significativo «na difusão de um repertório de autores nacionais. Apoiado por António Feliciano de Castilho e pelos irmãos Afra, proprietários de uma editora, tinha lançado em Maio de 1868 a publicação periódica Lyra portugueza que editava música para piano ou canto e piano de autores nacionais e com textos em português. Sendo dirigida por ele próprio, é em boa parte preenchida com peças da sua autoria ou sobre temas de obras suas, numa tentativa de capitalizar o sucesso obtido pela sua segunda ópera, O Arco de Sant’Ana, no Teatro de S. Carlos e manter viva a chama da ópera portuguesa.»

43 Folha do Sul, 1865, Set, N136. Na noite do concerto foi oferecido ao músico o diploma de sócio da Sociedade Artística Eborense e foram lançados uns versos onde Noronha é igualado em génio a Auber, Rossini e Verdi. (Cf. Quadro B).

44 O peso relativo dos reportórios referidos não constitui o foco do presente estudo pois obrigaria a estender o horizonte cronológico.

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Fachada do Teatro Garcia de Resende (1ª déc. séc. XX)
Crédits Autor: José António Barbosa (?). Arquivo Fotográfico da CME
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17270/img-1.png
Fichier image/png, 1,2M
Titre Figura 2 - Coreto do Jardim Público (1890-1916)
Crédits Autor: José António Barbosa (?). Arquivo Fotográfico da CME
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17270/img-2.png
Fichier image/png, 1,3M
Titre Figura 3 - Folha de rosto do autógrafo da Partitura da Nôa da Festa da Ascensão, composto para o Convento de S. Bento de Cástris (CLI 1-8 nº 3) de 1877
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17270/img-3.png
Fichier image/png, 1,4M
Titre Figura 4 - 1º Divertimento para órgão «Do trovador de Verdi» (CLI1-8 nº3). 2º acto: Ária «alla Marcia Per me ora fatale»
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17270/img-4.png
Fichier image/png, 428k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17270/img-5.png
Fichier image/png, 95k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17270/img-6.png
Fichier image/png, 73k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17270/img-7.png
Fichier image/png, 99k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17270/img-8.png
Fichier image/png, 80k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17270/img-9.png
Fichier image/png, 13k

© Publicações do Cidehus, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search