Version classiqueVersion mobile

Paisagens sonoras históricas

As sociabilidades. Espaço urbano (praças), festas, salões e teatros

Presença musical nas festas universitárias de Évora, c. 1559

Ocorrências, localização e caracterização

Isabel Monteiro

Résumé

Os grandiosos festejos realizados em Évora por ocasião da fundação da Universidade, em 1559, encontram-se relatados em diversas fontes jesuítas que se complementam entre si, sendo um desafio situá-los nos locais onde decorreram, com base em estudos existentes sobre a evolução desses espaços. O facto de Évora ser, à época, a segunda mais importante cidade do reino – com a assídua presença da corte, com a construção de importantes monumentos civis e religiosos e, não menos importante, com o recente arcebispado entregue ao irmão do rei – criaria certamente um imperativo áulico em tais cerimónias, apesar da assumida vocação de sobriedade da Companhia de Jesus. Possivelmente por esse motivo as fontes são férteis em pormenores que habitualmente não ficariam registados, nomeadamente os relativos a certos momentos sonoro/musicais em espaços interiores e exteriores, no recinto da universidade e pelas ruas da cidade, em que participam não só os padres e os estudantes, mas também grandes senhores da nobreza, todo o clero e a generalidade do povo de Évora. E, inevitavelmente, também os músicos.

Texte intégral

Introdução 1

  • 1 Este texto resulta da comunicação apresentada no II Encontro Paisagem Sonora Histórica, que decorre (...)

1Évora era, em meados do século XVI, a segunda cidade do reino. A sua grandeza não advinha da dimensão, mas sim da sua história, monumentos e importância simbólica como cidade real, beneficiando da presença dos monarcas e da corte em estadias por vezes prolongadas. Isto acabaria por se reflectir nos diversos empreendimentos arquitectónicos e encomendas artísticas de patrocínio régio, contribuindo para enobrecê-la de acordo com o prestígio que tal presença lhe conferia.

2Após a criação do arcebispado, em 1540, e consequente nomeação do irmão do rei, cardeal D. Henrique, como primeiro arcebispo, não demorou muito até à introdução em Évora de um colégio religioso entregue à jovem Companhia de Jesus, a qual paulatinamente grangeava a confiança das mais altas esferas em Portugal. Tratava-se do colégio jesuíta do Espírito Santo, muito rapidamente convertido em Universidade, vencendo as resistências institucionais da célebre congénere coimbrã e recebendo o beneplácito pontifício.

3Os métodos pedgógicos inovadores, de cariz humanista, implementados pela Companhia – nomeadamente diálogos nas classes, prémios, apresentação de orações e tragédias – terão gerado admiração e respeito por parte dos eborenses, contribuindo para disseminar uma espécie de orgulho generalizado pela importância cultural que a cidade passaria a ter, comparando-se não só a Coimbra, mas também a Salamanca ou Paris.

A inauguração

4As grandiosas festas de inauguração da Universidade de Évora centram-se principalmente em dois importantes eventos, separados por alguns dias e decorrendo em diversos espaços das instalações colegiais, mas também disseminados pontualmente por toda a cidade, em locais não especificados. O aspecto mais simbólico será sem dúvida a missa solene e entrega do estabelecimento de ensino aos padres jesuítas, a 1 de Novembro de 1559, a que sucede um segundo momento festivo, no domingo seguinte, com a apresentação de uma espetacular encenação da tragédia neo-latina Saúl, de temática edificante, pelos estudantes.

  • 2 Ver Conde et al., 2012.
  • 3 Conde et al., 2012, 447-451, 456, apresentam um levantamento exaustivo de fontes referentes à const (...)
  • 4 Monumenta Historica Societatis Jesu. Litterae Quadrimestres (1925), T. VI (1559-1560). Madrid: Offi (...)
  • 5 Tellez, Balthazar (1647). Chronica da Companhia de Iesu nos Reynos de Portugal, Segunda parte. Lisb (...)

5O complexo arquitectónico do Colégio do Espírito Santo tinha então uma configuração significativamente mais reduzida do que a que hoje apresenta, sendo uma edificação muito orgânica e flexível que sofreu frequentes transformações ao longo dos tempos, em função das necessidades2. Apesar dos inúmeros estudos a ele dedicados durante mais de quatro séculos3, torna-se difícil localizar com rigor todos os espaços mencionados pelas fontes referentes a 1559, pelo que se procuram indícios nos relatos e se apresentam aqui propostas interpretativas. O ponto de partida foi a famosa carta do P. Baltasar Barreira para o Superior da Companhia, escrita escassas semanas após os acontecimentos (27-XI-1559), cujas informações se completam com a demais correspondência dos jesuítas de Évora em datas próximas, compilada na obra monumental Litterae Quadrimestres4. A estas fontes juntam-se elementos da Crónica do P. Baltasar Teles, mais tardia, que contribuem ocasionalmente para esclarecer alguns detalhes omissos ou pouco claros nos referidos relatos5.

6Reinava então D. Sebastião, com cinco anos de idade, regendo sua avó a rainha viúva D. Catarina, secundada pelo cardeal infante D. Henrique, fundador da Universidade. Por este motivo o benemérito prelado encontrava-se retido em Lisboa, impedido de tomar parte nos eventos festivos em Évora, nomeando como seu representante o bispo de Targa, D. Manuel dos Santos, que presidiu às cerimónias.

  • 6 Tellez, 1647, 332. Espanca, 1959, 10.
  • 7 Litt. Quad. Doc. 312, 391.

7Na véspera do dia de Todos os Santos (31 Out.) a pequena igreja dos jesuítas – mais tarde convertida em Sala dos Actos6 – tinha sido devidamente paramentada e decorada para as cerimónias litúrgicas e as formalidades legais de criação da Universidade e entrega da sua tutela aos padres jesuítas. As paredes estavam revestidas com inúmeras tapeçarias historiadas com temas bíblicos e outros têxteis ricos7, tal como ocorreria numa qualquer sala de aparato palaciana, para importantes celebrações. No entanto, no caso presente, temos a convicção da influência destas peças na acústica do espaço, que sabemos viria a estar repleto de pessoas.

  • 8 Litt. Quad. Doc. 312, 392.

8[1. Procissão] No dia 1 de Novembro, encontrando-se já no colégio «a Cidade e os da Misericórdia, que são pessoas principais», pelas 8.30h chegou o Bispo com todo o cabido e cleresia, «com muita outra gente de toda a sorte, entre os quais vieram muitos frades de todas as religiões [=ordens]». Podemos supor que este conjunto de pessoas não se deslocaria silenciosamente, sendo possível que os religiosos entoassem cânticos sagrados durante o trajecto, a que se sobreporia, eventualmente, o toque dos sinos de diversas igrejas da cidade em festa. No colégio estavam também presentes instrumentistas de sopro e um coro infantil da Sé, integrando a enorme multidão que levava o P. Barreira a comentar que «nem no coro nem na igreja nos podíamos revolver»8.

  • 9 Litt. Quad. Doc. 312, 392.

9[2. Pregação] A cerimónia teve início com uma pregação do doutor Jorge Serrão, enaltecendo as virtudes do Cardeal Infante, nomeadamente na criação de semelhante benefício para a cidade, para o reino e, naturalmente, para o prestígio da Companhia de Jesus. Para satisfazer «o grandíssimo auditório» que estava dentro e fora do templo, o púlpito estava colocado num ponto estratégico: à porta da igreja9.

  • 10 Litt. Quad. Doc. 312, 393.

10[3. Missa solene] Findo o sermão, teve início uma missa solene, «com toda a música e tangeres, flautas, doçainas e charamelas, e versículos cantados por uns meninos que andam na Sé, de vozes muito escolhidas em todo este reino»10. Pode facilmente supor-se a excelente qualidade que teria este coro infantil, constituido por crianças rigorosamente selecionadas em diversos locais de Portugal.

11[4. Recitação elegante] Terminada a missa com a «benção pontifical», o Irmão Vieira, mestre de primeira classe, proferiu uma elegante oração em louvor das ciências, aproveitando para, uma vez mais, enaltecer o Cardeal doador pela grande mercê dele recebida nesse dia.

  • 11 O P. Doutor Miguel de Torres é uma das autoridades ecelsiásticas – Provincial da Companhia em Portu (...)

12[5. Acto de fundação e Entrega] Chegou então o momento da cerimónia de fundação da Universidade, «com grande celebridade, atenção e silêncio», condições propícias para que um padre lesse «com voz alta, de maneira que todos o pudessem ouvir», o breve papal que concedia «plenissimamente todas as graças a esta universidade que às outras se costumam conceder». Seguidamente o Bispo, com procuração do Cardeal D. Henrique, entregou formalmente a posse da Universidade aos jesuítas, ali representados pelo P. Doutor Torres11 e outros religiosos que o acompanhavam.

  • 12 Litt. Quad. Doc. 312, 394.

13[6. Te Deum laudamus] Seguiu-se um Te Deum laudamus «cantado mui devotamente» em alta voz pelo Bispo, secundado pelo cabido e demais cleresia, e de novo com uns versículos «aos quais responderam maravilhosamente os meninos da Sé»12.

  • 13 Litt. Quad. Doc. 312, 394.

14[7. Encerramento] Após a «oração do Espírito Santo» – a invocação do Colégio – deu-se por terminada a longa cerimónia «disparando as charamelas», nas palavras expressivas do P. Barreira, o que pode indiciar estar-se em presença de um número significativo de instrumentistas, que não sabemos realmente quantos eram13.

15Fica por determinar qual a música então executada bem como a respectiva autoria, o que sucede também nas intervenções musicais durante a missa, de que apenas se sabe que foram cantados uns versículos. A presença de distintos conjuntos de instrumentos de sopro nesta celebração aponta para a prática polifónica, sugerindo também o recurso à alternância tímbrica e mesmo dinâmica: as charamelas com o seu característico timbre de palheta dupla e forte sonoridade devido ao tubo cónico, as flautas produzindo um som doce e suave, eventualmente acompanhadas por doçainas. Embora as fontes indiquem quando e por quem foi cantado o Te Deum, subsistem igualmente interrogações sem resposta: era em cantochão ou polifonia? Quem compôs? Teria acompanhamento instrumental?

Outros eventos: colégio e cidade

  • 14 Litt. Quad. Doc. 312, 394.

16Um outro episódio, ocorrido ao início da tarde no «pátio de fora», ainda na presença do Bispo, revela uma vez mais o ambiente sonoro festivo que ali se vivia. O espaço tinha sido preparado para o efeito, encontrando-se expostos os trabalhos dos estudantes, a saber, «cartas e epigramas em latim e grego e cinco enigmas» destinados a desafiar a mente dos que quisessem decifrar o seu sentido encriptado14.

  • 15 Litt. Quad. Doc. 320, 424.
  • 16 Litt. Quad. Doc. 312, 394.

17Esta dinâmica pedagógia era habitualmente utilizada pelos jesuítas na abertura solene do ano lectivo, a 1 de Outubro, mas neste ano de 1559, excepcionalmente, a sessão tinha ficado adiada um mês, precisamente para coincidir com os festejos da inauguração15. Eleito um júri, sob a presidência do Bispo, o despique decorreria «com grande concurso e alvoroço notável da gente que aqui neste dia concorreu como a coisa que nunca viram»16, evidenciando assim a presença de muitas pessoas de fora e indiciando que o local seria de acesso público, distinto pois da área privada do colégio.

  • 17 Espanca, 1959, 9.

18Seria este «pátio de fora» o amplo terreiro, hoje conhecido como Pátio dos Gerais que, segundo Túlio Espanca (citando o P. Fialho), foi iniciado precisamente em 1559?17

  • 18 Litt. Quad. Doc. 320, 425: «vieram a nossa igreja e pátio a que víssemos como se regosijavam».

19Certo é que, em paralelo com as celebrações comemorativas no Colégio, decorriam pela cidade de Évora ruidosas manifestações de «contentamento» da população, que participava «com muitos bailes e danças, que traziam trombetas e charamelas», acercando-se da igreja jesuíta para que os padres testemunhassem o seu regosijo18. Note-se que a fachada desta igreja – como já referido, a actual Sala dos Actos – fica justamente num dos lados do quadrilátero do Pátio dos Gerais, o que permite levantar a hipótese de ser esse o local onde se manifestavam os foliões.

  • 19 Litt. Quad. Doc. 320, 425-426: idêntica manifestação festiva a cavalo ocorrerá no início de Dezembr (...)
  • 20 Conde et al., 2012, 449, 455.

20Arruadas festivas repetir-se-ão na noite de sábado [4 de Novembro], desta vez protagonizadas pelos próprios estudantes, que vinham «a cavalo com tochas acesas, e [andavam] pela cidade todos juntos com suas charamelas e trombetas». Também eles se exibiram no recinto colegial, «escaramuçando e fazendo festa pelo pátio que está ante o colégio»19. Supondo que não havia outro pátio para além dos que conhecemos hoje – designados como da Botica, da Cisterna, do Noviciado e dos Gerais20 – e apesar da dificuldade em identificar com precisão documental o local onde decorreram estes eventos, os indícios apontam para o amplo terreiro, então em obras, que se converteria no notável Pátio dos Gerais.

A tragédia Saúl

  • 21 Litt. Quad. Doc. 312, 395, 398.
  • 22 Tellez, 1647, 345. Miranda, 2004, 252-255 e 258. Sobre a música, Miranda, 2005, 124 salienta brevem (...)
  • 23 Litt. Quad. Doc. 251, 147.
  • 24 Litt. Quad. Doc. 304, 362. Miranda, 2004, 252.
  • 25 Litt. Quad. Doc. 362, 590-591.

21No domingo após a cerimónia religiosa [5 de Novembro], entre as 13.45h e as 16.45h21, os estudantes representaram publicamente a tragédia Saúl, composta pelo P. Simão Vieira, de que não subsiste o texto nem a música22. Desde pelo menos Abril desse ano havia notícia de que o Cardeal «folgaria de se fazer grande festa quando se denunciasse a Universidade», tendo-se para isso ordenado «uma tragédia muito boa, […] da história del-rei Saúl e David»23. Certamente não por coincidência, em Julho do mesmo ano era apresentada uma versão do mesmo tema no Colégio Jesuíta de Coimbra, da autoria do talentoso P. Mestre Venegas, cuja representação, tal como em Évora, tinha tido uma assinalável presença musical contribuindo para o seu enorme sucesso24. De sucesso em sucesso, o facto é que a versão de Évora será reposta em cena no ano seguinte, regressado finalmente D. Henrique à cidade, com um êxito ainda maior do que na estreia25.

  • 26 Litt. Quad. Doc. 312, 395.
  • 27 Litt. Quad. Doc. 312, 395.
  • 28 Litt. Quad. Doc. 312, 397-398; Doc. 304, 362 refere, sobre a versão de Saúl de Julho, em Coimbra, q (...)

22 Na récita inaugural, em Novembro de 1559, o envolvimento da comunidade eborense na encenação tinha sido notável, nomeadamente das muitas pessoas que desde a semana anterior emprestavam jóias, vestuário e demais adereços ricos necessários à grandiosa produção26. Nos dias que antecederam o espetáculo tinha-se construído um palco «em lugar donde todos e de todas as partes puderam mui bem ver e ouvir, como depois se soube»27. O mesmo fora alcatifado e juncado, cercado de «muitos ramos mui frescos», onde se viam «duas cadeiras muito ricas de terciopelo carmesim» e um «pavilhão muito fresco de seda da Índia». Estava este cadafalso «repartido de tal maneira que saíssem as figuras por diversos arcos, aonde estavam repartidas as casas de David e Saúl e coros», numa descrição bastante coincidente com a da produção de Coimbra28.

  • 29 Miranda, 2003, 335-336 refere o grande impacto que estes coros vieram a ter no exterior – nomeadame (...)
  • 30 Litt. Quad. Doc. 312, 397.
  • 31 Litt. Quad. Doc. 312, 398-399.

23 Os coros entravam em cena no final de cada acto, cantando a quatro vozes um epigrama alusivo, com acompanhamento de flautas e doçainas, não se sabendo, uma vez mais, de quem era a música, nem quem eram os intérpretes29. Na abertura tinham tocado – ou pelo menos estavam em palco assinalando «a realeza que significavam» – um conjunto de instrumentos de sopro altos e baixos, ou seja, além das referidas flautas e doçainas, também charamelas, possivelmente alternando as suas intervenções, não tocando todos juntos30. Durante a peça, com a entrada em cena de cerca de vinte soldados, é referida a presença de um típico par de instrumentos militares – pífaro e atambor – bem como tiros de arcabuzes. No final tocaram «as flautas e os outros instrumentos», aqui não especificados31.

  • 32 Litt. Quad. Doc. 312, 395.
  • 33 Litt. Quad. Doc. 312, 395.
  • 34 Litt. Quad. Doc. 312, 395.

24 Não podia estar completa a paisagem sonora do evento sem uma breve caracterização da audiência e sua localização, estimada entre seis a sete mil homens «com tanta atenção e silêncio, que parecia não haver gente, havendo tanta». Estava todo o pátio cheio, «e os corredores de baixo e de cima, e as obras novas, e a igreja […], mas também os telhados e outros lugares altos da cidade»32. Curiosamente são ainda referidos palanques privativos, levados de véspera por algumas pessoas que temiam não conseguir lugar no domingo, bem como «outros muitos [homens] de cavalo», que acharam que assim veriam melhor33. Além destes expedientes, o P. Barreira assinala que, por causa das obras que decorriam, havia no recinto uns montes de cal, areia e pedras, bem como muita água no chão «que ali vem para serviço das obras», sendo tudo isto aproveitado por pessoas que traziam ladrilhos, sobre os quais se instalavam, assistindo de pé nessas pequenas elevações34.

  • 35 Litt. Quad. Doc. 312, 395-396.
  • 36 Litt. Quad. Doc. 312, 396.
  • 37 Tellez, 1647, 331: «quando os nossos Padres, não tendo ainda tomado posse do Colégio, habitavam em (...)
  • 38 Sousa et al., 2006, 145-146, 157-159, 243-244, 307-308, 346, 383-384, 414-415, 430-431. Bilou, 2019 (...)
  • 39 Bilou, 2019, 86-88. Sousa et al., 2006, 140.

25 Marcaram presença «o bispo com o cabido, e toda a demais cleresia, a Cidade e toda a nobreza de Évora», bem como «muitos religiosos de todas as ordens», previamente convidados, que foram instalados nos amplos corredores de cima, em «muitas ordens de bancos» que pareciam insuficientes para tamanha afluência35. Os únicos frades expressamente mencionados no evento são «os de São Francisco, que são muitos», os quais teriam sido todos convidados «se houvera lugar»36, o que aponta para a anterior relação de vizinhança, quando os jesuítas desenvolviam a sua atividade letiva em instalações provisórias no Paço Real, paredes-meias com o convento franciscano37, Podemos no entanto supor terem comparecido também os Lóios e os Dominicanos, os Carmelitas de São Tomé e os Agostinhos da Graça, sedeados na cidade, possivelmente os Jerónimos do Espinheiro, eventualmente também os frades de Santa Catarina de Montemuro e os do Bom Jesus de Valverde, a julgar pelas ordens masculinas que nesta época tinham instalações conventuais em Évora e seu termo38. Opta-se por não considerar neste cenário os religiosos de Santa Maria do Aivado uma vez que, segundo Bilou, no século XVI assumem «clausura formal», apesar de os «15 irmãos» residentes neste mosteiro prestarem então «assistência aos romeiros e mendigos»39.

  • 40 Litt. Quad. Doc. 312, 396.

26 Como as mulheres não estavam autorizadas «a entrar aonde a tragédia se havia de representar», procuravam meios alternativos para ficar a par dos eventos, passando junto à porta do Colégio nos dias anteriores, muitas acabando por se instalar do outro lado da rua para ver «as figuras» no dia do espetáculo. Para além disso, umas duzentas teriam ainda conseguido lugar numa «torre velha que cai sobre as classes, de onde se via o pátio»40.

27 Se uma vez mais se afigura difícil a identificação precisa dos espaços mencionados, é no entanto provável que a representação tivesse ocorrido no novo pátio grande, então em construção – eventualmente tirando partido da arcaria já existente, para as distintas entradas em cena – sendo possível que o palco estivesse adossado a um dos lados do quadrilátero.

Os instrumentos musicais

  • 41 Litt. Quad. Doc. 312, 395.

28De entre as manifestações sonoras claramente reportadas, nos vários momentos, nos diferentes locais, encontram-se de algum modo caracterizadas algumas intervenções vocais – faladas ou cantadas – bem como inúmeras sonoridades expressas ou subentendidas, como por exemplo as cavalgadas nocturnas dos estudantes, ou o afã da multidão à procura de lugar para assistir à Tragédia, chegando mesmo a quebrar «uma janela que caía sobre o pátio»41. Mas deter-nos-emos em particular na presença dos instrumentos musicais, procurando interpelá-los: o que nos pode dizer o escasso elenco de trombetas e charamelas, flautas e doçainas, a que se junta em cena o par pífaro e tambor?

29Como é do conhecimento geral, conjuntos de trombetas e charamelas configuram o típico grupo de música alta renascentista, aqui reiteradamente presente em arruadas, nas danças e festas de regosijo dos populares e dos estudantes. Mas a charamela é, talvez, o instrumento quinhentista mais versátil de todos, encontrando-se em contextos muito variados. Se pode igualar a trombeta em termos de volume sonoro, tem simultaneamente as características da generalidade dos sopros de madeira – sendo constituida por um tubo com orifícios – o que a torna apta para a execução da música polifónica, tanto em contexto de devoção como de entretenimento. Se integra grupos ruidosos no espaço exterior, possivelmente tocando algo semelhante a fanfarras; se é indispensável nas ‘bandas áulicas’ ao serviço de importantes instituições e grandes senhores como elemento de afirmação do seu poder, prestígio ou linhagem, pode também executar com grande expressividade o repertório erudito – tanto de obras vocais polifónicas como de danças de corte – o que parece justificar plenamente a sua presença junto do rei Saúl, bem como na soleníssima missa episcopal, patrocinada pelo cardeal D. Henrique, filho e irmão de reis.

  • 42 Alegria, 1973, 55.
  • 43 Sobre flautistas ao serviço da Sé de Évora, Monteiro (2019), 308. Para 1559 ver acima o caso citado (...)

30As flautas [ditas de bisel] ou frautas são, nesta época, prioritariamente instrumentos de conjunto, produzidos em famílias de tessituras diversas, aptos para tocar em quarteto ou quinteteto – ou mesmo em grupos mais alargados – e encontrando-se por vezes a acompanhar a música coral. São mencionadas flautas no Regimento da Capela da Sé de Évora em 156542, embora não tenham sido identificados flautistas aí exercendo atividade, nomeadamente nos trabalhos fundamentais de Espanca (1948), Gusmão (1964) ou Alegria (1973) sobre os músicos quinhentistas desta catedral43. Efetivamente no século XVI praticamente não se encontram flautistas identificados como tal, uma vez que os menestréis ou charamelas tocavam prioritariamente a charamela – de onde provém a sua designação – mas também vários outros instrumentos, de diversas famílias, como as referidas flautas e doçainas. Não é plausível que fossem intérpretes especializados num único instrumento, como acontece na realidade profissional do nosso tempo.

  • 44 Sobre a doçaina em Portugal: Monteiro, 2020.

31A doçaina é um instrumento um pouco misterioso, do qual não subsistem vestígios iconográficos, sendo hoje globalmente aceite tratar-se de um instrumento de sopro de madeira, tocado com palheta dupla, tal como a charamela, mas de tubo basicamente cilíndrico, cujo perfil interior lhe confere um som bastante grave, de timbre suave e uma extensão reduzida44. Ao contrário da generalidade dos instrumentos de sopro de madeira, não é ainda certo que se construíssem modelos agudos de doçainas, sendo no entanto fácil de aceitar que resultaria satisfatória a sua execução juntamente com as flautas.

  • 45 Arbeau, (1589), f.17v.: «de la grosseur d'un boulet de pistolet».
  • 46 Imagens de conjuntos pífaro/ tambor figuram numa das tapeçarias (nº3) da série de D. João de Castro (...)

32O par pífaro e atambor, como atrás referido, é associado a contextos bélicos, sendo geralmente tocado por militares, pelo que não oferece dúvidas quanto à sua apropriada participação na cena representada. O pífaro é basicamente uma flauta transversal com apenas seis furos, de longo tubo cilíndrico, relativamente estreito – da grossura de uma bala de pistola, segundo Arbeau45 – que aparece geralmente acompanhado pelo grande tambor bimembranófono, encontrando-se o conjunto reiteradamente citado nas fontes portuguesas, escritas e iconográficas, em contexto militar46.

  • 47 Litt. Quad. Doc. 320, 426.
  • 48 Litt. Quad. Doc. 426, 847-848.
  • 49 Rodrigues, 1931, 72.

33Para além dos instrumentos referidos, estão também documentados alguns outros em cerimónias universitárias, em datas não muito distantes, o que permite alargar o leque dos recursos musicais em Évora reiteradamente disponibilizados para solenizar as festas académicas (Quadro 1). Em Dezembro de 1559, por ocasião da entrega dos diplomas aos novos graduados, celebra-se uma missa «oficiada com muito canto de órgão» – certamente um coro cantando polifonia – mas também «flautas e sacabuxas», não sendo certo se acompanhando as vozes ou tocando separadamente47. Em Setembro do ano seguinte é descrita a festa de premiação, onde se tocavam «a las vezes las flautas y cheremías [sic] a cada prémio» – indiciando a alternância instrumental, plausivelmente tocando à vez – tendo havido de noite cavalgadas com tochas pela cidade, «com tangeres de charamelas e atabales», aqui numa parceria um pouco improvável, dada a ausência das trombetas48. Encontramos ainda notícia de «muita e muito boa música de coros, charamelas, cornetas e harpa» numa comédia moral representada na entrega de prémios de 156249.

Quadro 1 – Instrumentos musicais reportados em cerimónias jesuítas em Évora, 1559-1562

INSTRUMENTOS

CONTEXTO

DATA

FESTIVIDADES

INAUGURAÇÃO

UNIVERSIDADE

Trombetas e charamelas

Arruadas

Nov. 1559

Charamelas

Missa solene

Encerramento solenidade

Abertura tragédia

Nov. 1559

Flautas e doçainas

Missa solene

Tragédia

Nov. 1559

Pífaro e tambor

Tragédia

Nov. 1559

OUTRAS

CERIMÓNIAS

UNIVERSITÁRIAS

Flautas e sacabuxas

Missa

Dez. 1559

Charamelas e atabales

Arruadas

1560

Charamelas, cornetas e harpa

Comédia moral

1562

Instrumentistas ao serviço dos Jesuítas

  • 50 Rodrigues, 1931, 72.
  • 51 Gusmão, 1964, 119-120. Espanca, 1948, 20-34. Para grupos de charameleiros nas Sés: Monteiro, 2019, (...)

34A generalidade das ocorrências raramente permite identificar a quem serviam os músicos intervenientes, ou seja, para quem trabalhavam habitualmente ou quem os contratava na ocasião. Apenas pontualmente sabemos que eram levados pelos estudantes – caso das flautas e sacabuxas em Dezembro de 1559 – sendo possível que em alguns casos viessem da Sé, como ocorreu com o coro infantil na inauguração da Universidade, ou a harpa em 1562, de que é expressamente afirmado «que tocava um músico da Sé»50. Num arco cronológico de mais de meio século (1542-54 e 1566-97) encontram-se identificados pouco mais de uma dúzia de instrumentistas de sopro ao serviço da catedral eborense – genericamente designados como charamelas, mas alguns tocando sacabuxa ou baixão – para além de alguns outros em atividade na cidade51.

  • 52 Litt. Quad. Doc. 362, 590.
  • 53 Litt. Quad. Doc. 596, 627-628.
  • 54 Martírio do Glorioso Mártir S. Vicente, apresentado a 1 de Out. 1563. Rodrigues, 1931, 72.

35A hipótese de haver músicos ao serviço da própria Universidade não é plausível. Note-se que o cardeal era de opinião que não se deviam promover exibições áulicas «nos actos públicos, nem [ter] charamelas, ou outros instrumentos, para não se fazer coisa inútil»52. Aparentemente D. asHenrique pretendia evitar manifestações de grandeza, superfluidades nada consentâneas com os princípios morais dos jesuítas. No entanto encontramo-lo no ano seguinte em Lisboa, assistindo com o pequeno monarca a uma comédia no Colégio Jesuíta de Santo Antão, onde participava um significativo elenco instrumental constituído por «harpas, viola de arco, doçainas e a demais música» que o rei (ou a regente?) tinha disponibilizado para o efeito53. A presença de músicos da corte é de novo assinalada numa representação na mesma instituição, em 1563, sendo referido que a música era «toda de el-rei, e as trombetas de guerra que enviou o capitão-mor das galés com os moiros que as tocaram»54.

  • 55 Exemplos (1556-1559) em Monteiro, 2020, s.n.

36O facto de os instrumentos musicais serem mencionados nas cartas dos padres espelha bem a necessidade de aparato compatível com a realeza – na figura de D. Henrique, Arcebispo em Évora, coadjuvante da regente em Lisboa – principal entidade patrocinadora e fervorosamente apoiante da Companhia. Possivelmente essa é a razão que determina também, nestas raras ocorrências, a informação da proveniência dos instrumentistas – cedidos pela Casa Real – traduzindo uma inevitabilidade que assim devia ser entendida em Roma, e não uma intenção de opulência de outro modo censurável aos Jesuítas. O prestígio de tal mecenato implicava, naturalmente, algumas cedências. Cenário idêntico encontra-se reiteradamente reportado pelos padres na Índia, em diversas cerimónias jesuítas igualmente solenizadas com instrumentos de corte, coincidindo frequentemente com a presença do Vice-rei ou Governador, sendo por vezes referido que os instrumentos são por eles cedidos55.

  • 56 Rosa, 2013. A autora da transcrição situa estes Estatutos entre 1615 e 1643.
  • 57 Leite, 1963, 263; 271; 275; 290; 327; 334; 336. Embora surja, numa única ocorrência, o termo trombe (...)
  • 58 S. A., 1593, fl. 8 (Tit. 13), fl. 133 (Tit. 76).

37Há ainda a assinalar que os Estatutos da Universidade de Évora, numa versão já do século XVII, revelam que a contratação dos charameleiros era pontual, destinando-se à sua atuação em certos atos solenes cuidadosamente regulamentados, sendo ocasionalmente referidas trombetas em alternativa56. As situações em que deviam e não deviam atuar encontra paralelismo evidente no modelo dos Estatutos da Universidade de Coimbra de 1559, com a particularidade de estes, pelo contrário, mencionarem reiteradamente a presença de trombetas nas suas solenidades e nunca charamelas57. Não obstante, a sua edição de 1593 refere já «charamelas & trombetas diante» dos cortejos estipulados, encontrando-se também mencionados os «charamelas, trombetas, atabales que servem nos actos públicos» como beneficiários de alguns privilégios, «posto que não tenham ordenado», pelo que «serão havidos por oficiais pera serem privilegiados enquanto durarem suas obrigações & serviços»58.

  • 59 Rosa, 2013, 85: Dos Charamellas da Uniuersidade. V. ANEXO.
  • 60 Rosa, 2013, 85.

38No caso de Évora os charameleiros têm a sua relação com a Universidade estipulada em dois parágrafos que lhe são expressamente dedicados, onde se verifica que não têm vínculo permanente com a instituição, uma vez que «com elles se contratará a dita Uniuersidade per preço certo que lhes fará dar per cada ues que a uierem seruir em seus actos, e Graos»59. As condições dessa colaboração deviam no entanto ficar registadas por escrito, «na qual Escritura se declarará quantos serão os ditos charamellas (nomeando a todos per seus nomes proprios)», o que não deixa de levantar hipótese, ainda que remota, de um dia se encontrar documentação sobre estes músicos60.

Notas finais

39Quanto à diversidade de instrumentos e seus executantes reportados em Évora, parece encontrar-se justificação na importância que a cidade ostentava no século XVI e consequente presença da nobreza próxima do rei. Destacam-se os instrumentos musicais próprios das cortes quinhentistas, nomeadamente os que estavam a cargo dos menestréis – a maioria dos sopros – designadamente charamelas, flautas, doçainas, sacabuxas e cornetas. Do foro militar encontra-se o par pífaro e tambor, bem como as trombetas, a que se juntam os atabales, ambos igualmente comuns em solenidades áulicas (Quadro 2). Note-se que o espaço onde mais frequentemente estes instrumentos atuavam – a corte – não determina uma atividade musical exclusivamente aí localizada, uma vez que os músicos não só seguiam os Senhores nas suas deslocações, como eram por vezes cedidos a outrém, nomeadamente para importantes celebrações públicas, cívicas ou religiosas, tal como as reportadas pelos Jesuítas.

  • 61 Mazza, 1944/1945, 55.

40Em Évora é provável que participassem músicos da Sé e do próprio Cardeal, o qual se sabe ter dado grande importância à música, quer como adequada ao seu estatuto de prelado de sangue real, quer para dignificação do culto divino na sua catedral61. Não se exclui no entanto outras proveniências, nomeadamente a contratação de músicos de fora por pessoas devotas e simpatizantes da Companhia, num gesto mecenático e, por inerência, prestigiante.

  • 62 Rees, 1995, 102ss.

41Sobre a música no teatro jesuíta, não encontramos dados específicos nas fontes da época, mas o trabalho de Owen Rees relativo a Coimbra aponta para obras musicais compostas expressamente para essas produções dramáticas, por músicos profissionais exteriores à Companhia e utilizando nos coros uma linguagem preferencialmente homofónica, de modo a salientar a mensagem de teor moralizante do texto em latim62.

  • 63 Litt. Quad. Doc. 251, 147; Doc. 312, 395; Doc. 320, 427.
  • 64 Litt. Quad. Doc. 362, 591; Doc. 426, 854.

42Por último, uma breve nota relativa aos espaços do Colégio/ Universidade, para salientar que há fortes indícios de que o Pátio dos Gerais tenha sido efetivamente o palco da maioria das celebrações de inauguração da Universidade. São mencionadas obras de ampliação em curso nos meses de Abril, Novembro e Dezembro de 155963. Em Abril do ano seguinte são revelados os planos do Cardeal para «que se acabe logo o pátio das classes com suas colunas por três partes, muito formosas», sendo referido em Setembro do mesmo ano que «já o corpo do pátio de fora está quase acabado», por empenho pessoal (e financeiro) de D. Henrique64.

  • 65 Conde et. al., 2012, 448.
  • 66 Litt. Quad. Doc. 362, 591.

43No trabalho conjunto de Antónia Fialho Conde, João Soares e Paulo Simões Rodrigues encontramos notícia de que a igreja primitiva (Sala dos Actos) teria, em 1556, um «alpendre [e] três portas» a que se acedia por seis degraus de mármore65. Se o referido alpendre configurava uma galilé, de algum modo assemelhável à que existe na actual Igreja do Espírito Santo (e em tantas outras em Évora) – e sabendo-se que numa primeira fase o claustro grande tinha apenas o piso térreo, por o Cadeal achar que a existência de salas sobre ele «impediriam a vista das […] varandas [dos padres], que caiem sobre o pátio»66 – pode esboçar-se uma configuração hipotética do espaço à época (meramente especulativa), numa aproximação ao cenário onde decorreram diversas manifestações festivas da Universidade de Évora, por volta de 1559, com assinalada presença musical (Figura 1).

Figura 1 – Vista parcial do Pátio dos Gerais (esq.) e sua configuração conjetural c. 1559 (dir.)

Figura 1 – Vista parcial do Pátio dos Gerais (esq.) e sua configuração conjetural c. 1559 (dir.)

Bibliographie

Fontes impressas

ARBEAU, Thoinot (1589) – Orchesographie. Transcrição de Nicolas Graner a partir do original da Library of Congress, (2001). Lengres: Imprimé par Iehan des Preyz. [Consult. Jun. 2020]. Disponível em http://graner.net/nicolas/arbeau/

LEITE, Serafim (coord. e notas) (1963) – Estatutos da Universidade de Coimbra. In Acta Universitatis Conimbrigensis. Coimbra.

(1925) - Monumenta Historica Societatis Jesu. Litterae Quadrimestres, T. VI (1559-1560). Madrid: Officina Typographica «La Editorial Ibérica».

  • Doc. 251 – Évora, 30 Abr. 1559: P. Blasius Guomez [Brás Gomes] (p. 142-147)

  • Doc. 304 – Coimbra, (dia?) Out. 1559: P. Pedro Diaz (p. 357-362)

  • Doc. 312 – Évora, 27 Nov. 1559: P. Balthasar Barreira (p. 390-401)

  • Doc. 320 – Évora, 31 Dez. 1959: P. Blasius Guomez (p. 423-427)

  • Doc. 362 – Évora, 30 Abr. 1560: Blasius Guomez (p. 581-593)

  • Doc. 426 – Évora, 12 Set. 1560: N. N. [Manuel Góis?] (p. 841-854)

(1932) - Monumenta Historica Societatis Jesu. Litterae Quadrimestres, T. VII (1561-1562). Roma: Insulae Liri.

  • Doc. 596 – Lisboa, 31 Dez. 1561: P. Pero Lopez (p. 624-629)

ROSA, Teresa Maria Rodrigues da Fonseca (2013) – Estatutos da Universidade de Évora. In História da Universidade Teológica de Évora (Séculos XVI a XVIII): Apêndice de Documentação Anexa. Lisboa: Instituto de Investigação da Universidade de Lisboa. Documento Nº 1, pp. 5-260.

S. A. (1593) – Estatvtos da Vniversidade de Coimbra confirmados por el rey Dom Phelippe primeiro deste nome, nosso Senhor: em o anno de 1591. Coimbra: Antonio de Barreira. [Consult. Jun. 2020]. Disponível em http://purl.pt/14235

TELLEZ, Balthazar (1647) – Chronica da Companhia de Iesu nos Reynos de Portugal, Segunda parte. Lisboa: Paulo Craesbeeck.

Bibliografia

ALEGRIA, José Augusto (1973) – História da Escola de Música da Sé de Évora. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

BILOU, João (2019) – Rede Monástica de Évora: um percurso artitectónico entre a cidade e o ermo. Évora: Universidade de Évora. Tese de mestrado.

CONDE, Antónia Fialho; SOARES, João; RODRIGUES, Paulo Simões (2012) – “Os colégios da Universidade de Évora: recriação, evocação e caprico”. In Pereira, S. M. ; Vaz, F. L. (coords.) – Universidade de Évora (1559-2009). Lisboa: Chiado Editora, pp. 447-472.

ESPANCA, Túlio (1948) – Alguns artistas de Évora nos séculos XVI-XVII. Cadernos de História e Arte Eborense. Évora: Edições Nazareth.

ESPANCA, Túlio (1959) – Notícia dos edifícios do Colégio e Universidade do Espírito Santo. A Cidade de Évora: Cadernos de história e arte eborense, nº 41-42, 20º v. Évora: Livraria Nazareth.

GUSMÃO, Armando Nobre de (1964) – Cantores e Músicos em Évora nos Anos de 1542 a 1553. Separata dos Anais, II Série, vol.14. Lisboa: Academia Portuguesa de História.

MAZZA, José (1944/1945) – Dicionário Biográfico de Músicos Portugueses, prefácio e notas do P. José Augusto Alegria. Lisboa: Extraído da Revista Ocidente.

MIRANDA, Margarida (2003) – “Música para o Teatro Humanístico em Portugal: Dom Francisco de Santa Maria, Miguel Venegas S. I. e o Colégio das Artes de Coimbra (1559-1562)”. Humanitas. Coimbra. LV, pp. 315-340.

MIRANDA, Margarida (2004) – Nas origens do melodrama: a Tragédia neolatina em Portugal. Península, revista de estudos ibéricos. Coimbra. Nº 1, pp. 251-262.

MIRANDA, Pedro (2005) – “Música dramática de D. Francisco de Santa Maria: contexto e génese”, in Nascimento, A. A. Barbosa, M. de S. (coords.), Luís da Cruz, S. J., o teatro jesuítico e seus primórdios, Lisboa: Centro de Estudos Clássicos.

MONTEIRO, Isabel (2019) – “Instrumentos e instrumentistas de sopro no século XVI”. In Eborae Mvsica (org.) – Escola de Música da Sé de Évora: conferências. Lisboa: Edições Colibri, pp. 301-324.

MONTEIRO, Isabel (2020) – A Doçaina em Portugal: ocorrências nas fontes quinhentistas. In O Claustro e o Século: Espaços, Fronteiras e Identidades. Universidade de Évora: Publicações do Cidehus. [Consult. Jun. 2020]. Disponível em https://doi.org/10.4000/books.cidehus.10166.

REES, Owen (1995) – “«Choros pera tragedias»: Music for the Jesuit Neo-Latin Theatre”. In Rees, Owen. Poliphony in Portugal c.1530-c.1620. Nova Iorque e Londres: Garland Publishing, pp. 99-125.

RODRIGUES S. J., Francisco (1931) – História da Companhia de Jesus na Assistência de Portugal, Tomo II, vol. II. Porto: Livraria Apostolado da Imprensa.

SOUSA, Bernardo Vasconcelos e (dir.): PINA, Isabel Castro; ANDRADE, Maria Filomena; SANTOS, Maria Leonor Ferraz de Oliveira Silva (2006) – Ordens religiosas em Portugal. Das Origens a Trento – Guia Histórico. Lisboa: Livros Horizonte.

Annexes

Excerto dos estatutos da universidade de évora referentes aos charamelas

Publicados em ROSA, Teresa Maria Rodrigues da Fonseca (2013) – Estatutos da Universidade de Évora. In História da Universidade Teológica de Évora (Séculos XVI a XVIII): Apêndice de Documentação Anexa. Lisboa: Instituto de Investigação da Universidade de Lisboa. ISBN 978-989-98314-0-7. Documento Nº 1, pp. 5-260. FONTE: B.N.L., Cód. 8014 (Microfilme F. 1465)

Estatutos da Universidade de Évora, ordenados Pelo Cardeal Infante D. Henrique, (com autoridade do Santo Padre Paulo 4º revistos e reformados por ordem do Reverendo Padre Mutio Vitelleschi [1563-1645] prepósito geral da Companhia de Jesus).

LIVRO PRIMEIRO

[p. 85] Capitulo Trinta e oito/ Dos Charamellas da Uniuersidade (fls. 125 e 126)

1 Escolherá o Reitor dos Charamellas que ouuer na cidade de Euora os que lhe parecer poderão bem seruir a Uniuersidade, e com elles se contratará a dita Uniuersidade per preço certo que lhes fará dar per cada ues que a uierem seruir em seus actos, e Graos; E per que a uariedade dos tempos faz muitas uezes que se uariem, e mudem os preços das cousas, e salários dos seruiços, não se lhe deue nestes Estatutos limitar preço certo, mas este se lhes limitará na Escritura do contrato que a Uniuersidade com elles fizer, ou renouar quando isso for necessario, na qual Escritura se declarará quantos serão os ditos charamellas (nomeando a todos per seus nomes proprios) os quais todos assi nomeados na Escritura de contrato gozarão dos priuilegios da dita Uniuersidade, como se nella fossem ouintes de alguã faculdade.

2. Serão os charamellas obrigados a seruir a Uniuersidade, no tomar das primeiras pedras, e nos primeiros e derradeiros exames dos Bachareis, e Lecenceados em Artes. Nas mesas magnas do quarto curso, nos dias dos graos dos Bachareis, Lecenceados, Mestres em Artes; Exame priuado de Theologia, e grao de Doutor na mesma faculdade. E na uespora dos graos de Bachareis, e Lecenceados em Artes, tangerão às portas da Uniuersidade, e às dos examinadores, que não forem da companhia, e quando o grao for de Mestre em Artes, ou Doutor tangerão às portas da Uniuersidade, e às dos que ouuerem de receber os ditos graos de Mestre em Artes, ou Doutor, tangerão mais nas uesperas dos ditos graos em tres lugares dos mais publicos, e frequentados da cidade, os quais lhe serão declarados na Escritura de contrato, que com a Uniuersidade fizerem, no qual tambem se lhe declarará o salário que auerão per cada ues que pelo dito modo seruirem a Uniuersidade. […] [reticências na edição publicada].

Notes

1 Este texto resulta da comunicação apresentada no II Encontro Paisagem Sonora Histórica, que decorreu de 16 a 18 de Outubro de 2019 na Universidade de Évora. O episódio aqui focado é sobejamente conhecido e citado ou mencionado, não se encontrando no entanto estudos particularmente dedicados aos aspectos musicais que o integram, razão que me levou a abordá-lo neste colóquio. Agradeço o apoio e incentivo das Professoras Vanda de Sá e Antónia Fialho Conde e dos colegas e amigos Luís Henrique e Rodrigo Teodoro de Paula.

2 Ver Conde et al., 2012.

3 Conde et al., 2012, 447-451, 456, apresentam um levantamento exaustivo de fontes referentes à construção e sucessivas ampliações e alterações ao edificado desta instituição.

4 Monumenta Historica Societatis Jesu. Litterae Quadrimestres (1925), T. VI (1559-1560). Madrid: Officina Typographica «La Editorial Ibérica» [doravante Litt. Quad.]. Todas as citações desta fonte, publicadas em língua castelhana, apresentam-se aqui vertidas para português.

5 Tellez, Balthazar (1647). Chronica da Companhia de Iesu nos Reynos de Portugal, Segunda parte. Lisboa: Paulo Craesbeeck.

6 Tellez, 1647, 332. Espanca, 1959, 10.

7 Litt. Quad. Doc. 312, 391.

8 Litt. Quad. Doc. 312, 392.

9 Litt. Quad. Doc. 312, 392.

10 Litt. Quad. Doc. 312, 393.

11 O P. Doutor Miguel de Torres é uma das autoridades ecelsiásticas – Provincial da Companhia em Portugal, segundo Baltazar Teles (Tellez, 1647, 344) – enviadas pelo Cardeal perante o seu impedimento, com procuração «para tudo se fazer como se ele estivesse presente». Litt. Quad. Doc. 312, 391.

12 Litt. Quad. Doc. 312, 394.

13 Litt. Quad. Doc. 312, 394.

14 Litt. Quad. Doc. 312, 394.

15 Litt. Quad. Doc. 320, 424.

16 Litt. Quad. Doc. 312, 394.

17 Espanca, 1959, 9.

18 Litt. Quad. Doc. 320, 425: «vieram a nossa igreja e pátio a que víssemos como se regosijavam».

19 Litt. Quad. Doc. 320, 425-426: idêntica manifestação festiva a cavalo ocorrerá no início de Dezembro, na véspera da cerimónia de graduação de vinte e sete estudantes.

20 Conde et al., 2012, 449, 455.

21 Litt. Quad. Doc. 312, 395, 398.

22 Tellez, 1647, 345. Miranda, 2004, 252-255 e 258. Sobre a música, Miranda, 2005, 124 salienta brevemente a importância dos coros nesta tragédia e na do mesmo tema apresentada em Coimbra poucos meses antes. Rees, 1995, 102-103 assinala a escassez de fontes musicais para o teatro jesuíta em Portugal e a importância dos fragmentos existentes em Coimbra.

23 Litt. Quad. Doc. 251, 147.

24 Litt. Quad. Doc. 304, 362. Miranda, 2004, 252.

25 Litt. Quad. Doc. 362, 590-591.

26 Litt. Quad. Doc. 312, 395.

27 Litt. Quad. Doc. 312, 395.

28 Litt. Quad. Doc. 312, 397-398; Doc. 304, 362 refere, sobre a versão de Saúl de Julho, em Coimbra, que «se representou uma tragédia […]. Fez-se um cadafalso de madeira, muito grande, no meio do pátio onde se representou. A uma parte dele estavam feitos uns repartimentos a maneira de casas, de onde saíam as figuras em diversos actos. […] Havia em cada acto um coro de letra muito devota». Ver também Miranda, 2004, 252ss.

29 Miranda, 2003, 335-336 refere o grande impacto que estes coros vieram a ter no exterior – nomeadamente na Sé – salientando o facto de, quase dois meses depois, o P. Brás Gomes afirmar que as pessoas «no hablan sino en la tragedia y los choros della […] los suelen cantar com flautas y voces, en las fiestas principales, en la iglesia maior».

30 Litt. Quad. Doc. 312, 397.

31 Litt. Quad. Doc. 312, 398-399.

32 Litt. Quad. Doc. 312, 395.

33 Litt. Quad. Doc. 312, 395.

34 Litt. Quad. Doc. 312, 395.

35 Litt. Quad. Doc. 312, 395-396.

36 Litt. Quad. Doc. 312, 396.

37 Tellez, 1647, 331: «quando os nossos Padres, não tendo ainda tomado posse do Colégio, habitavam em algumas casas dos paços del-Rei». Espanca, 1959, 4.

38 Sousa et al., 2006, 145-146, 157-159, 243-244, 307-308, 346, 383-384, 414-415, 430-431. Bilou, 2019, 74-77; 82-85; 90-93; 102-109; 118-125; 154-157.

39 Bilou, 2019, 86-88. Sousa et al., 2006, 140.

40 Litt. Quad. Doc. 312, 396.

41 Litt. Quad. Doc. 312, 395.

42 Alegria, 1973, 55.

43 Sobre flautistas ao serviço da Sé de Évora, Monteiro (2019), 308. Para 1559 ver acima o caso citado em nota 28 (Miranda, 2003, 336).

44 Sobre a doçaina em Portugal: Monteiro, 2020.

45 Arbeau, (1589), f.17v.: «de la grosseur d'un boulet de pistolet».

46 Imagens de conjuntos pífaro/ tambor figuram numa das tapeçarias (nº3) da série de D. João de Castro assinalando as suas vitórias militares na Índia, nomeadamente no descerco de Diu em 1546 (Museu de História de Arte de Viena, Inv. Nr. T XXII 9). Outro exemplo encontra-se no fresco monumental da conquista de Azamor por D. Jaime de Bragança, em 1513, na escadaria nobre do Palácio Ducal em Vila Viçosa.

47 Litt. Quad. Doc. 320, 426.

48 Litt. Quad. Doc. 426, 847-848.

49 Rodrigues, 1931, 72.

50 Rodrigues, 1931, 72.

51 Gusmão, 1964, 119-120. Espanca, 1948, 20-34. Para grupos de charameleiros nas Sés: Monteiro, 2019, 323-324.

52 Litt. Quad. Doc. 362, 590.

53 Litt. Quad. Doc. 596, 627-628.

54 Martírio do Glorioso Mártir S. Vicente, apresentado a 1 de Out. 1563. Rodrigues, 1931, 72.

55 Exemplos (1556-1559) em Monteiro, 2020, s.n.

56 Rosa, 2013. A autora da transcrição situa estes Estatutos entre 1615 e 1643.

57 Leite, 1963, 263; 271; 275; 290; 327; 334; 336. Embora surja, numa única ocorrência, o termo trombetas das Escolas, não consta nos Estatutos de Coimbra qualquer referência a trompetistas contratados ou servidores permanentes da Universidade.

58 S. A., 1593, fl. 8 (Tit. 13), fl. 133 (Tit. 76).

59 Rosa, 2013, 85: Dos Charamellas da Uniuersidade. V. ANEXO.

60 Rosa, 2013, 85.

61 Mazza, 1944/1945, 55.

62 Rees, 1995, 102ss.

63 Litt. Quad. Doc. 251, 147; Doc. 312, 395; Doc. 320, 427.

64 Litt. Quad. Doc. 362, 591; Doc. 426, 854.

65 Conde et. al., 2012, 448.

66 Litt. Quad. Doc. 362, 591.

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Vista parcial do Pátio dos Gerais (esq.) e sua configuração conjetural c. 1559 (dir.)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/17200/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 78k

© Publicações do Cidehus, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search