Version classiqueVersion mobile

Da Comunicação ao Sistema de Informação

 | 
Nelson Vaquinhas

Introdução

Texte intégral

1Tomou-se como ponto de partida para esta investigação o estudo do sistema de arquivo do Santo Ofício de Évora, para desvendar os circuitos de comunicação e de informação estabelecidos com a periferia mais distante deste tribunal – o Algarve. Paralelamente, analisou-se a organização inquisitorial como uma estrutura de cariz burocrático e, por inerência, efectuou-se a pesquisa a uma escala local da rede de agentes do Santo Ofício existente no Algarve. A partir daqui, tentou-se identificar mecanismos de circulação e distribuição da massa informativa, tipologias documentais e outras particularidades envolvidas no sistema administrativo do Santo Ofício.

2Como se torna óbvio, a escolha do Algarve teve a ver com o facto de ser a zona mais afastada do tribunal. Considerou-se relevante o estudo do distanciamento físico-institucional de uma entidade que se quis fazer sentir sempre presente por todo o espaço geográfico onde se estendeu a sua acção.

3Várias questões se colocam na recta de largada da investigação. Enunciemo-las. De que forma a distância geográfica teve implicações na gestão da informação do Santo Ofício? Que estratégias se usaram para colmatar a ausência da figura institucional nos actos administrativos periféricos? Até que ponto, num espaço longínquo, a presença institucional foi possível? Ou, pelo contrário, sentiram a barreira marcada pela centralidade de um poder hierárquico e remoto? Que circuitos e tipologias documentais marcaram esta ligação?

  • 1 Vide “E assim se abriu judaísmo no Algarve”, Revista da Universidade de Coimbra, vol. XXIX, 1981, p (...)
  • 2 Vide José Veiga Torres, “Da repressão religiosa para a promoção social: a Inquisição como instância (...)

4A baliza temporal prende-se com as datas da série documental utilizada numa fase inicial da investigação, que permitiu o seu arranque: a correspondência recebida dos comissários da Inquisição de Évora. Data, apenas, a partir de 1732 (séries mais contínuas), com excepção de um livro de 1684. Ou seja, na possibilidade de poder cruzar a informação desta série com a restante correspondência recebida e expedida, assim como também outros documentos, optou-se pela primeira metade do século XVIII, uma vez ser impossível fazê-lo para anos mais recuados. Este período corresponde também a um tempo de incremento no que toca à habilitação dos agentes locais. Estes eram os maiores mobilizadores do expediente do Santo Ofício na periferia. Quanto a processos-crime, já não seria assim. Era tempo já de alguma decadência, conforme provaram Romero Magalhães1 e Veiga Torres2.

5Mesmo assim, nem sempre temos séries contínuas para alguns dos conjuntos documentais referidos.

6A correspondência, os processos de habilitação e os cadernos do promotor constituem as fontes privilegiadas nesta investigação. São aquelas que dão as informações mais relevantes acerca dos fluxos de correspondência, intervenientes envolvidos, procedimentos burocráticos, circuitos e tipologias documentais. Envolvendo um leque de assuntos e situações em sintonia com a periferia, patenteando uma visão do Algarve inquisitorial setecentista. Infelizmente, os processos-crime são, de todas as fontes, as que mais limitaram esta investigação, por muitos dos seus documentos se encontrarem em mau estado. Esta restrição veio a reflectir-se na elaboração deste estudo, na medida em que se poderia ter ampliado sobremaneira as pistas exploratórias. No que toca aos de habilitação, adverte-se que, neste estudo, foram contemplados não só os relativos aos pretendentes que se habilitaram no período seleccionado, mas também os que obtiveram a carta de provisão anteriormente. Justifica-se pelo facto destes oficiais se encontrarem na altura, 1700-1750, ainda activos no desempenho de funções ao serviço do Santo Ofício. Outros poderão ter actuado no Algarve nesse período, mas pela documentação consultada não obtivemos indicações acerca disso.

7O arranque para este estudo foi a análise de um número significativo de livros de correspondência da Inquisição de Évora respeitante ao período em causa. Numa primeira fase os registos de correspondência expedida. A estratégia definida foi a de efectuar um levantamento de todos os registos de documentação enviada para o Algarve por este tribunal. Para o efeito, elaborou-se uma base de dados. A partir daqui, filtraram-se assuntos, intervenientes, sistemas, circuitos e tipologias que se traduziram numa visão geral de como a prática administrativa se processava, os seus trâmites, de quem nela se encontrava envolvido e de que forma se efectuava tal nexo. Continuadamente, exploraram-se os processos de habilitação e os livros de provisões, seguindo o rasto de outros nomes que pudessem estar implicados no quadro orgânico local do Santo Ofício e outros intervenientes, apreendendo a sequência dos trâmites burocráticos através dos documentos que testemunham os procedimentos.

  • 3 A faculdade das letras. Leitura e escrita em Portugal no século XVII, Lisboa, Imprensa Nacional-Cas (...)

8Se compararmos, a título meramente exemplificativo, a dimensão do arquivo do tribunal do Santo Ofício com a quantidade de trabalhos de investigação existentes que se basearam nesse fundo, deparamo-nos com um manifesto e acentuado défice, sendo notório o desfavor destes últimos. Existe ainda muito por examinar dentro de uma imensidão de documentos, quer ao nível de algumas das suas séries, como também no plano de novas linhas e perspectivas de interrogar as fontes. Durante algum tempo convencionaram-se, como alvo de pesquisa, as matérias processuais respeitantes aos crimes do Santo Ofício. Em geral o fito era captar a praxis repressiva da Inquisição. A par disso, era patente uma preocupação por vertentes de investigação focadas para a feitura da história da Inquisição, ou pelo menos da sua macro-história. Falta, ainda, descerrar mais estudos de recorte local, centrados noutras problemáticas que não exactamente os delitos, estudos idealmente comparados e que cruzem as fontes inquisitoriais com outras dessas regiões; será também de estimular, temáticas versadas por disciplinas que extravasem as barreiras da história. A compreensão do Santo Ofício passa, sem dúvida, pela exploração do seu arquivo a vários níveis. A sua riqueza é grande se posta em paralelo com outros arquivos do centro político português dessa época. Merece a ousadia de ser inquirido com outros questionários, como o fez, por exemplo, Rita Marquilhas para apurar as práticas de leitura e de escrita3.

  • 4 Entre o pouco que há feito, vide Ana Canas Delgado Martins, Governação e Arquivos: D. João VI no Br (...)
  • 5 Vide, entre os mais referenciados: AAVV, Arquivística: teoria e prática de uma ciência da informaçã (...)

9A análise da teoria e da prática arquivísticas no período Moderno em Portugal, ainda constituem um tema que, quase em tudo, falta descortinar4. Compreende-se que assim seja. Quando o que existe de reflexão teórica sobre a disciplina hoje, em sentido amplo, resume-se a escassos trabalhos com chancela portuguesa5, menos será de surpreender lacunas em áreas tão específicas. É também de realçar que hoje os arquivistas parecem estar mais preocupados com campos tidos como “sectores de ponta” – arquivos digitais, arquivos correntes, arquivística pós-costudial – do que com os velhos arquivos históricos. Neste sentido, ainda menos atentos parecem estar a este labor micro, aos circuitos da informação, às tipologias documentais e às práticas quotidianas dos que zelavam pelos cartórios em tempos tão longínquos como o início de Setecentos.

  • 6 Para a história do fundo do Santo Ofício, veja-se a introdução do inventário elaborado por Maria do (...)
  • 7 Vide Susana Cabezas Fontanilla, Las Secretarías del Consejo de Inquisición y sus sistemas de produc (...)

10Reconstruir a arquivística inquisitorial constitui uma área pouco explorada em Portugal, mesmo ao nível da simples história dos arquivos6. As práticas de produção, controlo, organização e acesso durante o período vigente do Santo Ofício permanecem quase incógnitos. Por contra-ponto, em Espanha, já se encetou o estudo do sistema de informação do Santo Ofício, o que não significa que haja muita produção sobre o assunto7.

  • 8 Existem trabalhos, ao nível institucional, sobre os tribunais da Inquisição analisados individualme (...)
  • 9 Vide arts. cits..
  • 10 Vide História das Inquisições: Portugal, Espanha e Itália, [Lisboa], Círculo de Leitores, 1994; ide (...)
  • 11 Dos estudos que existem para a Inquisição espanhola, ficam apenas algumas referências: José Martíne (...)
  • 12 José Veiga Torres, “Da repressão religiosa para a promoção social: a Inquisição como instância legi (...)
  • 13 Refira-se que, ao longo desta investigação, beneficiei dos dados do projecto Inquirir da honra: com (...)

11Em Portugal, não se tem trazido à investigação problemáticas relacionadas com a plataforma e interacções administrativas onde assentou toda a acção inquisitorial8. A importância desta instituição, que tinha tanto de poderoso como de secreto, continua à margem dos estudos. Não se tem dado a devida atenção aos meios administrativos de que dispôs, nem à “burocracia” que, por inerência, se desenvolveu à sua sombra. As poucas excepções são marcadas pelo trabalho de José Veiga Torres9 e uma ou outra incursão de Francisco Bethencourt10 e de alguns outros textos11. Falta conhecer melhor a gestão que o Santo Ofício fez dos seus recursos. O estudo do pessoal afecto ao Santo Ofício tem vindo a angariar maior importância por parte de alguns investigadores. Mais concretamente a acção dos agentes12. Começam agora a surgir trabalhos e projectos13. Verdade seja dita que se tem privilegiado mais os que actuavam fora das sedes dos tribunais. Os que estavam fora do núcleo administrativo, dos ditames da burocratização, ou seja, os que submissamente pertenciam ao sistema de descentralização das funções inquisitoriais. Os que se encontravam mais ligados à gestão da informação, à implantação do sistema de arquivo e às práticas arquivísticas continuam por estudar.

  • 14 Francisco Bethencourt refere a importância da gestão da informação no Santo Ofício, Op. cit., p. 43
  • 15 Sobre sistemas de informação de outros objectos de estudo, existe o trabalho de Ana Canas Delgado M (...)
  • 16 Sobre esta temática vide José Veiga Torres, “A vida financeira do Conselho Geral do Santo Ofício da (...)

12O aparato informacional que esta instituição usou e se serviu, para perdurar secularmente, continua a ser um campo desconhecido14. Faltam estudos para um conhecimento efectivo do Santo Ofício ao nível dos seus fluxos comunicacionais e do seu sistema de informação15. A par deste recurso, encontra-se outro ligado à esfera burocrática do Santo Ofício e à margem da investigação, o financeiro16.

  • 17 Margarida Sobral Neto (coord.), As Comunicações na Idade Moderna, [Lisboa], Fundação Portuguesa das (...)

13Dos trabalhos sobre a comunicação em geral no período Moderno, valem as iniciativas da Fundação Portuguesa das Comunicações17.

  • 18 Citem-se os mais relevantes para este trabalho: Maria da Graça Maia Marques (coord.), O Algarve da (...)
  • 19 Vide art. cit.; idem, Op. cit..

14Apesar de existirem bons trabalhos, verdadeiramente falando, ainda há muito a explorar sobre o Algarve Moderno18. Especificamente sobre o Santo Ofício nesta região, temos os estudos de Joaquim Romero Magalhães, que explorou a repressão inquisitorial19.

  • 20 Vocabulaire international de la Diplomatique (ed. María Milagros Cárcel Ortí), Valencia, Commission (...)

15As tipologias e os circuitos documentais, na Idade Moderna, têm sido objecto de estudo pouco privilegiado20, não se sabendo em que moldes se configuraram e qual a gestão que se fez dos mesmos. A história institucional de muitas das entidades existentes neste período sairia largamente reforçada se despertassem as atenções para estes aspectos.

16Por todos estes factores, a aventura que empreendemos é arriscada. Por vezes um tanto ou quanto descritiva, mas era difícil seguir outro rumo perante tal carência de investigação sobre estes tópicos, que cruzam Arquivística/Diplomática/História.

17Este trabalho encontra-se estruturado em duas partes.

18A primeira delas gira em torno da entrada dos agentes nas fileiras do Santo Ofício, com destaque para os oficiais que sustentavam, na periferia, os trâmites dos processos de habilitação, as tipologias e os circuitos documentais inerentes. Desde a formulação oficial da candidatura para o ingresso a um dos cargos inquisitoriais até a obtenção da respectiva carta de provisão pelo recém habilitado. Afinal, quem eram estes indivíduos? A sua caracterização económica, sócio-profissional e académica torna-se crucial para o seu conhecimento. Podemos falar de uma efectiva homogeneização ou de uma mera estereotipagem associada às disposições regimentais? Tentar perscrutar porque serviram submissamente a um poder que lhes era fisicamente distante. O que os movia e o que se pretendia deles na estrutura orgânica do Santo Ofício. Quais eram as suas linhas de acção e quais os parâmetros deontológicos, regidos pelo sumo preceito da cautela e da submissão, que lhes era imposto – a meticulosidade e obediência. Que lugar ocuparam na periferia e onde se concentraram geograficamente, não descurando todos aqueles que, pelas suas acções, contribuíram para o prosseguimento das diligências emanadas pela Inquisição, sem que a esta entidade tivessem qualquer vínculo. A estes foi-lhes atribuído, no âmbito deste estudo, a designação de auxiliares.

19Para destacar as tipologias documentais, nos capítulos onde estas são tratadas, estipulou-se que as mesmas seriam apresentadas em negrito. Constitui uma forma de as tornar mais visíveis, no contexto em que as próprias se inserem, sem que ficassem dissociadas do enquadramento administrativo no qual foram produzidas, recebidas e acumuladas.

20A segunda parte deste estudo debruça-se mais detalhadamente sobre as questões da comunicação e da informação. Analisa-se o processo de interacção entre o tribunal de Évora e o Algarve e neste, pelas várias localidades receptoras da correspondência e respectivos locais de acção, não esquecendo o elo que o nexo de comunicação estabelecia entre os outros tribunais e o Conselho Geral. Aborda-se, igualmente, associado a este sistema, o transporte e a circulação dos documentos. Estes constituíam a concretização do contacto, ainda que distante, entre a administração e todos os territórios submetidos à acção inquisitorial. Eram, na realidade, o principal canal de comunicação. Torna-se imprescindível, assim, delinear alguns circuitos e tipologias documentais mais comummente trocadas, entre a estrutura institucional e respectivos subordinados locais, bem como analisar a gestão da informação que se protagonizou, de forma centralizada, nos tribunais de distrito. Como se organizava, controlava e se recuperava a informação, são itens preeminentes para o estudo da prática arquivística do Santo Ofício. Esta era uma preocupação manifestada em toda a sua actividade desde a produção à recepção e instalação da massa documental. A Inquisição tinha consciência da importância da gestão deste recurso, para o funcionamento da sua estrutura organizacional, o que é um dado fundamental a ter em conta ao longo destas páginas.

Notes

1 Vide “E assim se abriu judaísmo no Algarve”, Revista da Universidade de Coimbra, vol. XXIX, 1981, pp. 1-73; idem, O Algarve Económico: 1600-1773, Lisboa, Editorial Estampa, 1988.

2 Vide José Veiga Torres, “Da repressão religiosa para a promoção social: a Inquisição como instância legitimadora da promoção social da burguesia mercantil”, Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n° 40, 1994, pp. 109-135; idem, “Uma longa guerra social: os ritmos de repressão inquisitorial em Portugal”, Revista de História Económica e Social, Lisboa, n.° 1, 1978, pp. 55-68.

3 A faculdade das letras. Leitura e escrita em Portugal no século XVII, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2000.

4 Entre o pouco que há feito, vide Ana Canas Delgado Martins, Governação e Arquivos: D. João VI no Brasil, [Lisboa], Instituto dos Arquivos Nacionais/Torre do Tombo, [D. L. 2007]; no caso do Brasil, por exemplo, o estudo de Josemar Henrique de Melo, A ideia de arquivo: a Secretaria do Governo da Capitania de Pernambuco (1687-1809), Porto, Dissertação de doutoramento apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto [edição policopiada], 2006.

5 Vide, entre os mais referenciados: AAVV, Arquivística: teoria e prática de uma ciência da informação, 2.ª ed., vol. I, Porto, Edições Afrontamento, 2002; Armando Malheiro e Fernanda Ribeiro, Das «ciências documentais à ciência da informação: ensaio epistemológico para um novo modelo curricular, Porto, Edições Afrontamento, 2002; ainda deste autor: A Informação: da compreensão do fenómeno e construção do objecto científico, Edições Afrontamento/CETAC, 2006.

6 Para a história do fundo do Santo Ofício, veja-se a introdução do inventário elaborado por Maria do Carmo Jasmins Dias Farinha, Os Arquivos da Inquisição, Lisboa, Arquivo Nacional Torre do Tombo, 1990. Neste não se encontram contemplados os processos cíveis, crime e de habilitação. Veja-se também a dissertação de doutoramento de Fernanda Ribeiro, O acesso à informação nos arquivos, vol. I, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2003, pp. 356-359. A autora refere a falta de trabalhos que se debrucem sobre a Inquisição na perspectiva de investigação arquivística.

7 Vide Susana Cabezas Fontanilla, Las Secretarías del Consejo de Inquisición y sus sistemas de producción documental (siglos XV-XVII), Madrid, Dissertação de doutoramento apresentada na Faculdade de Geografía e Historia (UCM), [edição policopiada], 2003; idem, “Un ejemplo atípico en el proceso de producción documental moderna: el secretario do rey en el Consejo de Inquisición”, Documenta & Instrumenta, Madrid, n.° 1, 2004, pp. 9-20; idem, “El archivo del consejo de la Inquisición ultrajado por Gaspar Isidro de Arguello, secretario y compilador de las instrucciones del Santo Oficio”, Documenta & Instrumenta, Madrid, n.° 2, 2004, pp. 7-22; idem, “La correspondencia en la historia de la Inquisición: génesis documental e importância social”, in La correspondencia en la Historia: Modelos y prácticas de escritura epistolar – Actas del VI Congreso Internacional de Historia de la cultura escrita (ed. Carlos Sáez y António Castillo Gómez), vol. I, Madrid, Calambur, 2002, pp. 109-119.

8 Existem trabalhos, ao nível institucional, sobre os tribunais da Inquisição analisados individualmente. António Borges Coelho, Inquisição de Évora, Lisboa, 2 vols., Caminho, 1987; Michèle Janin-Thivos Tailland, Inquisition et Société au Portugal: le cas du Tribunal d’Évora, 1660-1821, Paris, Fundação Calouste Gulbenkian, 2001; Elvira Mea, A Inquisição de Coimbra no século XVI: a instituição, os homens e a sociedade, Porto, Fundação Eng° António de Almeida, 1997.

9 Vide arts. cits..

10 Vide História das Inquisições: Portugal, Espanha e Itália, [Lisboa], Círculo de Leitores, 1994; idem, “A Inquisição”, in História religiosa de Portugal (dir. Carlos Moreira Azevedo), vol. II, Rio de Mouro, Círculo de Leitores, [D. L. 2000], pp. 95-131.

11 Dos estudos que existem para a Inquisição espanhola, ficam apenas algumas referências: José Martínez Millán, “La burocracia del Santo Oficio en Valencia durante el siglo XVIII”, in Miscelanea Comillas, tomo XL, n.° 77, Madrid, 1982, pp. 147-193; idem, “La burocracia del Santo Oficio en Canarias durante el siglo XVIII”, in Coloquio de Historia Canario-Americana (coord. Francisco Morales Padron), Las Palmas, Ediciones del Cabildo Insular de Gran Canaria, 1987, pp. 698-724; Vítor Sánchez Gil, “La burocracia inquisitorial en el siglo XVIII: el Tribunal de Murcia en 1793”, Revista de la Inquisición, Madrid, n.° 1, 1991, pp. 269-288; Maximiliano Barrio Gozalo, “Burocracia inquisitorial y mobilidad social. El Santo Ofício plantel de obispos (1556--1820)”, in Inquisición y Sociedad (coord. Angel de Prado Moura), Valladolid, Secretariado de Publicaciones e Intercambio Editorial – Universidad de Valladolid, 1999, pp. 107-138; Roberto López Vela, “Estructuras administrativas del Santo Oficio”, in Historia de la Inquisición en España y América (coords. J. Pérez Villanueva e B. Escandell Bonet), vol. II. Madrid, 1988, pp. 63-274.

12 José Veiga Torres, “Da repressão religiosa para a promoção social: a Inquisição como instância legitimadora da promoção social da burguesia mercantil”, Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n° 40, 1994, pp. 109-135. Do Brasil, Daniela Calainho, Agentes da fé: familiares da Inquisição portuguesa no Brasil colonial, São Paulo, EDUSC, 2006; James E. Wadsworth, “Children of the Inquisition: minors as familiares of the Inquisition in Pernambuco, Brazil, 1613-1821”, Luso-Brazilian Review, n.° 42:1, 2005, pp. 21-43; idem, “Os familiares do número e o problema dos privilégios”, in A Inquisição em xeque: temas, controvérsias, estudos de caso (org. Ronaldo Vainfas [ et al.]), Rio de Janeiro, Editora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2006, pp. 97-112; Bruno Feitler, Nas malhas da consciência: Igreja e Inquisição no Brasil: Nordeste 1640-1750, São Paulo, Alameda/Phoebus, 2007; Aldair Carlos Rodrigues, Sociedade e Inquisição em Minas Colonial: os familiares do Santo Ofício (1711-1808), São Paulo, Dissertação de mestrado apresentada à Universidade de São Paulo, [Edição policopiada], 2007; Grayce Mayre Bonfim Souza, Para remédio das almas: comissários, qualificadores e notários da Inquisição Portuguesa na Bahia (1692-1804), Salvador, Dissertação de doutoramento apresentada à Universidade Federal da Bahia [Edição policopiada], 2009.

13 Refira-se que, ao longo desta investigação, beneficiei dos dados do projecto Inquirir da honra: comissários do Santo Ofício e das Ordens Militares em Portugal (1570-1773) FCOMP-01-0124-FEDER-007360.

14 Francisco Bethencourt refere a importância da gestão da informação no Santo Ofício, Op. cit., p. 43.

15 Sobre sistemas de informação de outros objectos de estudo, existe o trabalho de Ana Canas Delgado Martins, Op. cit.; Ângela Domingues, “Para um melhor conhecimento dos domínios coloniais: a constituição de redes de informação no Império português em finais de Setecentos”, in História, Ciências e Saúde, vol. VIII, 2001, pp. 823-838 (suplemento); Hilário Casado Alonso, “Los flujos de información en las redes comerciales castellanas de los siglos XV y XVI”, Investigaciones de historia económica: revista de la Asociación Española de Historia Económica, n.° 10, 2008, pp. 35-68.

16 Sobre esta temática vide José Veiga Torres, “A vida financeira do Conselho Geral do Santo Ofício da Inquisição”, Notas Económicas, Coimbra, n.° 2, 1993, pp. 24-39.

17 Margarida Sobral Neto (coord.), As Comunicações na Idade Moderna, [Lisboa], Fundação Portuguesa das Comunicações, [impr. 2005]. Nesta obra encontra-se, especificamente, um capítulo, dedicado ao Santo Ofício, de José Pedro Paiva, “As comunicações no âmbito da Igreja e da Inquisição”, pp. 147-175; vide também Margarida Sobral Neto, “O sistema de comunicações postais na idade moderna e o processo de construção do «Estado moderno»", Códice, Lisboa, n.° 2, série II, 2005, pp. 34-45.

18 Citem-se os mais relevantes para este trabalho: Maria da Graça Maia Marques (coord.), O Algarve da Antiguidade aos nossos dias, Lisboa, Edições Colibri, 1999. Nesta obra encontra-se um subcapítulo de António Borges Coelho “A Inquisição Portuguesa e a vigilância da Fé”, pp. 303-308; Bruno Léal, La crosse et le bâton: visites pastorales et recherche des pécheurs publics dans le diocèse d’Algarve 1630-1750, Paris, Fundação Calouste Gulbenkian/Centre Culturel Calouste Gulbenkian, 2004; António Rosa Mendes, Cultura e Política no Algarve Setecentista: Damião Faria e Castro (1715-1789), Olhão, Gente Singular Editora, 2007.

19 Vide art. cit.; idem, Op. cit..

20 Vocabulaire international de la Diplomatique (ed. María Milagros Cárcel Ortí), Valencia, Commission Internationale de Diplomatique/Comité International des Sciences Historiques, 1994; José Joaquim Sintra Martinheira, Catálogo dos Códices do fundo do Conselho Ultramarino relativos ao Brasil existentes no Arquivo Histórico Ultramarino, Rio de Janeiro/Lisboa, Real Gabinete Português de Leitura/Fundação Calouste Gulbenkian, 2001; idem, “Os documentos d’El Rei”, Revista do Arquivo Público Mineiro, n.° 2, 2006, pp. 130-145; Pedro Luis Lorenzo Cadarso, El documento real en la época de los Austrias (1516-1700), Cáceres, Universidad de Extremadura, 2001; idem, “La correspondencia administrativa en el Estado Absoluto Castellano (ss. XVI-XVII)”, Tiempos Modernos: Revista Electronica de Historia Moderna, Madrid, n.° 5, 2002, pp. 1-29; Juan Carlos Galende Díaz, “La recorrección de registros: diplomática inquisitorial”, Documenta & Instrumenta, Madrid, n.° 1, 2004, pp. 21-34; As Actas das III Jornadas de la Sociedad Española de Ciências y Técnicas Historiográficas: Diplomática antigua, Diplomática moderna, Múrcia, Gobierno de la Región de Murcia/Consejería de Educación y Cultura, 2005; Fernanda Olival, “Mercês, Serviços e Circuitos Documentais no Império Português”, in O Domínio da Distância: Comunicação e Cartografia (coords. Maria Emília Madeira Santos e Manuel Lobato), Lisboa, Instituto de Investigação Científica Tropical, 2006, pp. 59-70.

© Publicações do Cidehus, 2010

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search