Version classiqueVersion mobile

Bibliotecas Universitárias: diálogos transatlânticos

 | 
Luiza Baptista Melo
, 
Tatiana Sanches

Preparar a âncora para navegar

Linhas de referência, recomendações e futuro próximo para as bibliotecas universitárias portuguesas

Tatiana Sanches

Résumé

A ideia de mudança perpassa as bibliotecas universitárias o que impele os bibliotecários das instituições do ensino superior a repensar o seu papel e atuação em permanência. Por um lado, a construção de Recomendações para as bibliotecas do ensino superior, procura trazer estabilidade e segurança, criando orientações a serem aplicadas na prática. Por outro, as mudanças no ensino superior, nas tecnologias e recursos eletrónicos, e nas práticas de gestão, podem ser percebidas como elementos desestabilizadores, potenciando inseguranças nas ações desenvolvidas. É apresentado o documento orientador Recomendações para as Bibliotecas do Ensino Superior de Portugal 2020-2022, descrevendo-se o trabalho que esteve na sua origem, bem como a receção por parte dos bibliotecários de ensino superior em Portugal e as suas perspetivas de futuro face à aplicação destas mesmas recomendações. O presente estudo procura refletir sobre a dupla condição das bibliotecas do Ensino Superior na sua procura de equilíbrio entre a estabilidade e a inovação, numa constante adaptação. Conclui-se que a preparação e o planeamento assentes em linhas orientadoras funcionam como estabilizadores, que ancoram as ações desenvolvidas, enquanto que os ventos de mudança permitem a exploração de novos caminhos e práticas, potenciando-se assim um contexto virtuoso de atuação.

Note de l’auteur

Este trabalho é financiado por fundos nacionais através da FCT - Fundação para a Ciência e Tecnologia, IP., no âmbito da Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Educação e Formação Instituto de Educação, Universidade de Lisboa - UID/CED/04107/2019.

Texte intégral

Introdução1

  • 1 É justo agradecer o apoio do Grupo de Trabalho das Bibliotecas do Ensino Superior da BAD pelo incen (...)

1Sabemos que as Bibliotecas do Ensino Superior procuram pensar sobre si próprias, analisar o contexto e as comunidades em que existem e desenvolver coleções, serviços e recursos que contribuam para o prosseguir das missões de ensino e investigação nas instituições de que fazem parte. As tendências internacionais, juntamente com influências sociais e outros fatores derivados da integração de tecnologia, de mudanças no ensino superior, de mudanças no modo como a ciência é investigada, produzida e apresentada, são claramente catalisadores da implementação de boas práticas no terreno.

2A instituição europeia LIBER Europe (2017) identifica 3 direções estratégicas para as Bibliotecas de Ensino Superior para a atualidade (2018-2022), a saber:

  1. Bibliotecas como uma plataforma de comunicação académica inovadora. Para tal devem ser desenvolvidas ações nas áreas de Copyright e questões legais, Open Access e Métricas inovadoras.

  2. Bibliotecas como plataforma de competências e serviços digitais. Esta estratégia pretende desenvolver as bibliotecas como um centro de habilidades e serviços digitais em ambientes de investigação físico e virtual, nomeadamente, no posicionamento das Bibliotecas como a plataforma para o património cultural digital e humanidades digitais; na disponibilização de formação para auxiliar os profissionais de biblioteca a permanecerem na vanguarda das suas áreas e para liderarem as suas organizações.

  3. Bibliotecas como parceiras na infraestrutura de investigação. Neste aspeto, é recomendado o desenvolvimento de uma infraestrutura que seja interoperável e escalável, que suporte o conhecimento sustentável e alinhado com os serviços a nível institucional. Outro aspeto importante é a exploração e desenvolvimento de serviços relacionados com a gestão de dados de investigação.

3Por outro lado, a ACRL (ACRL Research Planning and Review Committee, 2016), no seu documento prospetivo sobre as principais tendências para as bibliotecas académicas, considerava relevantes diversos tópicos. Num primeiro âmbito referia-se o repensar as competências de literacia de informação. Este aspeto já destaca a importância da literacia da informação na realidade das «fake news», referindo que devem ser realizadas ações para o desenvolvimento de competências de avaliação das fontes de informação e desenvolvimento do pensamento crítico. Englobava ainda novas formas de educação, propondo desenvolver novas abordagens para ações de formação, através de tutoriais com design mais apelativo e novas formas de literacia como a literacia digital. Outro aspeto mencionado nesse documento referia-se às práticas de preservação digital. Recomendava que é necessário continuar os esforços para a construção de infraestruturas capazes de salvaguardarem a diversidade de recursos digitais e a crescente abertura e natureza colaborativa do processo de investigação. Para tornar efetiva a curadoria de dados de investigação, as bibliotecas são solicitadas a desenvolver infraestruturas que permitam a incorporação e preservação deste tipo de recursos. Relativamente à Ciência Aberta, o mesmo documento referia que é imprescindível apoiar e divulgar as iniciativas Open Science, bem como promover a utilização das ferramentas Open Source, o que se relaciona com Open Data e com a divulgação e utilização de recursos de dados em acesso aberto. Finalmente, com relação ao Open Peer Review, as bibliotecas que desenvolvem atividade de edição ou colaboram com equipas editoriais, devem avaliar a integração do open peer review no processo de publicação, bem como prosseguir com a avaliação da investigação e métricas, promovendo a utilização de novas métricas de avaliação da investigação como as Altmetrics.

4Na atualização deste documento em 2018, a ACRL (2018) reforça algumas das ideias para o futuro que já antecipava. Aborda o tema dos novos panoramas comerciais para editores e fornecedores, referindo que provedores de bases de dados continuam a ir além das suas funções tradicionais de disseminação e distribuição de plataformas para a pesquisa, oferecendo novas áreas de descoberta enriquecida, análise, produtividade e fluxo de trabalho de pesquisa. Também se insiste no problema da desinformação e da necessidade da literacia da informação para a combater, considerando a complexidade das notícias falsas e dos seus poucos limites. A abordagem à gestão de projetos nas bibliotecas é outra das tendências apontadas em 2018: os princípios da gestão de projetos concentram-se numa abordagem incremental baseada no trabalho de equipa e ao lidar com grandes projetos digitais, permitem que as bibliotecas priorizem de forma eficaz e eficiente os modelos, as coleções, os orçamentos e pessoal. Também a acessibilidade dos livros didáticos e dos Recursos Educacionais Abertos (REA) continua a demonstrar importância de várias maneiras: mais coleções sustentáveis em bibliotecas, livros acessíveis para estudantes, novas opções para o desenvolvimento de currículos e possibilidade de bolsas de estudo digitais. Por outro lado, revelam-se cada vez mais prementes as análises de dados de aprendizagem, a recolha de dados e preocupações éticas a estas associadas. De facto, o uso da análise de dados na aprendizagem, que envolve a pesquisa e análise de dados de alunos para fazer melhorias ou previsões com base no comportamento dos alunos, intensificou-se no ensino superior. As bibliotecas académicas fazem parte dessa tendência, vinculando o uso de materiais e serviços da biblioteca a medidas de desempenho dos alunos, como as médias de avaliação e as taxas de retenção. Ao mesmo tempo, a aquisição de conjuntos de dados de pesquisa, pesquisa de texto e dados científicos (com o crescimento da curadoria de dados e das necessidades de pesquisa quantitativa), os gestores de dados comprometeram-se no estabelecimento de diretrizes e melhores e mais definidas práticas para a aquisição de conjuntos de dados espaciais e quantitativos independentes. As fontes de dados agora vão além de dados numéricos e de texto, estendendo-se a dados multimédia, dados de média sociais e dados de hipertexto e hipermédia. Por fim, na área da gestão de coleções já se apontava para tendências em desenvolvimento relativamente às mudanças nos modelos de aquisição (pagamento por subscrição, utilização, etc.), bem como relativamente a políticas de desenvolvimento de coleções de acesso aberto e esquemas de financiamento. As coleções impressas legadas eram outra das tendências assinaladas.

5Finalmente, em 2020, no atual documento em vigor, as tendências emanadas pelas ACRL (2020) continuam a sublinhar alguns dos tópicos anteriormente mencionados, atualizando as suas preocupações e os desafios que as bibliotecas do ensino superior têm de enfrentar.

6A primeira preocupação é relativa à gestão da mudança, onde se apela a novas competências para novas lideranças. No documento elencam-se mudanças na relação das bibliotecas de investigação com os parceiros institucionais, mudanças na organização da própria biblioteca e mudanças nas habilidades e competências. O foco e a urgência descrita neste relatório indicam a necessidade de preparar uma força de trabalho para a incerteza e para a ambiguidade. Gerir mudanças nesta escala requer que a liderança das bibliotecas do ensino superior esteja imersa nas melhores práticas para se ajustarem sistematicamente ao trabalho de uma organização inteira. Por outro lado, fala-se em sistemas de biblioteca integrados em evolução, alertando para que grandes entidades continuem na transição e expansão dos seus serviços com a oferta de sistemas baseados em nuvem e na colaboração, em vez de fazerem mudanças imediatas em grande escala nas plataformas que alojam os serviços tradicionais de bibliotecas. Estas questões reacendem as preocupações com a interoperabilidade entre todos os diferentes sistemas, plataformas e dispositivos que agora compõem os sistemas de bibliotecas modernos e que devem ser adotados a fim de simplificar e melhorar a interoperabilidade das infraestruturas. Uma outra tendência continua a ser a Análise de dados de aprendizagem. Ao reunir e analisar dados de aprendizagem dos alunos, incluindo dados relacionados ao uso da biblioteca, as instituições podem compreender melhor a aprendizagem dos alunos, os seus comportamentos, intervir quando surgem problemas e, potencialmente, até mesmo prever problemas antes que eles ocorram. Porém, as bibliotecas estão a dividir-se quanto à adesão a esta tendência: por um lado a tornar-se cada vez mais interessadas em como podem usar estes serviços, por outro mais céticas quanto ao valor deste recurso, especialmente porque o seu uso está relacionado com a privacidade do aluno, a ética da biblioteca e confiança do aluno em bibliotecas como instituições fiáveis, pelo que um consenso deve ser procurado, para se considerar cuidadosamente as opções, atendendo aos dilemas éticos. A Inteligência artificial e as chamadas aprendizagens automáticas acarretam também novos desafios. As bibliotecas e os bibliotecários têm uma longa história de incorporação de novas tecnologias nos seus espaços e nas suas práticas, mas sem um uso cuidado podem manifestar algum viés algorítmico, corroer a privacidade e a liberdade intelectual e potencialmente aumentar o viés de confirmação e filtragem de informações, como já se verifica nos média. Por isso é importante uma adoção de maneira informada e responsável. Além das recomendações substanciais para a infraestrutura técnica e estratégias específicas para o património cultural, a criação de metadados e outros locais, as bibliotecas devem “considerar o uso de instrução em literacia informacional como um vetor para introduzir conceitos algorítmicos e suas implicações éticas.” O conhecimento de dados e programação são cada vez mais importantes para alunos contemporâneos e as bibliotecas estão gradualmente a integrá-los nas suas práticas pedagógicas. Outra grande oportunidade é a do Acesso aberto. Nesta linha de tendência há espaço para transições e transformações no cenário da Ciência Aberta, onde têm ocorrido desde grandes cancelamentos de negócios a novos acordos entre bibliotecas e editoras. O objetivo é o fornecimento de recursos e experiências relevantes para o trabalho colaborativo no sentido de se desenvolver um modelo de publicação de acesso aberto que seja apropriado, eficaz e sustentável. Outra tendência são os Research Data Services (RDS), cujo caminho está agora mais voltado para a ética e maturação. A gestão de dados sob os princípios de dados FAIR é já uma realidade amplamente aceite e reconhecida, mas importa coordenar políticas, tecnologia e atividades de consciencialização e desenvolvimento de competências profissionais. Como referido neste documento, “A revolução da comunicação académica começou a tocar o núcleo ético da prática científica, bem como seu fluxo de trabalho técnico - do acesso aberto, dados abertos e ciência aberta à ciência cidadã.” Mas há ainda um logo caminho a percorrer. Quanto à Justiça social, biblioteconomia crítica e pedagogia digital crítica, começam a emergir tendências que agregam iniciativas em prol da justiça social, associando a esta a responsabilidade social, a literacia crítica, a análise de questões sociais e o envolvimento cívico. Uma tendência mais recente é a relativa ao Streaming de média, que coloca também às bibliotecas desafios quanto à seleção e acessibilidade. Com o aumento do apoio aos cursos online e híbridos, bem como á pedagogia em sala de aula invertida, o apelo e a conveniência do streaming de conteúdos tornam-se evidentes. Mas como gerir fluxos de trabalho, aquisições e acessos? Será necessária maior pedagogia junto dos utilizadores relativamente aos custos associados. Finalmente, a tendência sobre o Bem-estar do aluno. Vários estudos se têm debruçado sobre as taxas crescentes de estudantes universitários que lutam contra depressão, ansiedade, privação de sono, insegurança alimentar, responsabilidades familiares e outros fatores que afetam o seu bem-estar. Como resultado, as instituições procuram apoiar os alunos de forma holística e promover o bem-estar do aluno como formas de contribuir para o seu sucesso e retenção. As bibliotecas estão bem posicionadas para ajudar, devido às suas localizações centrais, horários de funcionamento mais longos e perceção como um espaço seguro. A fim de promover a atenção plena e apoiar o bem-estar mental e espiritual dos alunos, várias bibliotecas têm estado a criar espaços e programas para atender a essa necessidade, incluindo salas de meditação e oração, sessões gratuitas de ioga, áreas alimentares e espaços para dormir. Mas as recomendações regressam à origem do propósito das bibliotecas, oferecendo espaços silenciosos, e proporcionando espaços para interações acerca das dificuldades entre pares.

7Tendo em conta este contexto internacional, é importante que em Portugal as bibliotecas do Ensino Superior também reflitam sobre a sua realidade concreta para poderem preparar-se e agir de forma adequada e significativa no seio das suas comunidades académicas.

8Nos últimos anos, o Grupo de Trabalho das Bibliotecas do Ensino Superior da BAD (Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas) tem vindo a afirmar-se em várias frentes de trabalho, que procuraram alinhar estratégias, desenvolver projetos e concretizar ferramentas de trabalho, contribuindo para a afirmação das bibliotecas e dos profissionais da área. Uma das apostas foi a elaboração e disseminação das Recomendações para as Bibliotecas do Ensino Superior em 2016 (vide SANCHES, COSTA, PRÍNCIPE, VIEIRA, LOPES, AURINDO, MARTINS, 2018).

9Nessa altura, o documento foi disseminado junto dos associados BAD e de muitos profissionais de Bibliotecas e Ensino Superior. As Recomendações foram igualmente remetidas para diversas estruturas de tutela das instituições de ensino superior e também ao Ministério da Ciência e Ensino Superior. Entretanto, atendendo ao compromisso conjunto de disseminação, vários profissionais foram apresentando, quer a nível nacional quer internacional, as Recomendações (vide SANCHES & COSTA, 2017). A discussão e redação das Recomendações para as Bibliotecas de Ensino Superior tem sido uma ação de intervenção social e profissional, que pretende inscrever na agenda política este tema e que surge exatamente das necessidades profissionais expressas num dos Encontros.

10Constata-se, a partir de uma revisão de literatura não exaustiva, que existem inquietações comuns em torno do globo, a que diversas organizações procuram dar resposta. Estas organizações têm debatido sobre o futuro das bibliotecas de ensino superior, que englobam as bibliotecas do ensino universitário e politécnico e de centros de investigação. São disso exemplo o Denmark’s Eletronic Research Library, na Dinamarca – DEFF (LIMEGUIDE, 2009), o Council on Library and Information Resources, nos Estados Unidos (CLIR, 2008), no Reino Unido, a Research Information Network e o Consortium of Research Libraries (RIN & CURL, 2007) e no Reino Unido e na Irlanda (RLUK, 2014) bem como diversos investigadores a título individual ou coletivo (SHORLEY & JUBB, 2013; EDEN, 2015; SANCHES, 2018). Em todos estes documentos, as questões centram-se na necessidade de adaptação destas bibliotecas à mudança que emerge no ensino superior, nas tecnologias e nas formas de comunicação e partilha da informação.

11O impacto destas alterações será notório particularmente nas futuras competências dos bibliotecários, nas parcerias que estes profissionais terão de promover, nas diferentes necessidades dos utilizadores, na gestão dos sistemas de informação, nas novas formas de publicação e nas implicações do acesso aberto, e em tudo o que envolve a gestão e divulgação do conhecimento científico e académico.

As Novas Recomendações para as Bibliotecas de Ensino Superior (2020-2022)

12Os bibliotecários envolvidos observaram ser necessário dar um impulso aos profissionais das Bibliotecas do Ensino Superior para que os mesmos assumissem esta mudança de paradigma. Sentiram que era necessário, em Portugal, que as bibliotecas e os bibliotecários reconhecessem as suas funções sociais e seu papel fundamental na criação de uma verdadeira Sociedade do Conhecimento, através da assunção do seu papel interventor e atuante. Assim, na senda das anteriores Recomendações, as novas Recomendações permitem aos seus destinatários a definição de prioridades para o desenvolvimento de planos de ação a curto e médio prazo e, por outro lado, convergem em oportunidades e linhas de ação para a mobilização dos profissionais.

13Não podemos esquecer a importância que as bibliotecas do ensino superior mantêm no apoio ao ensino e à investigação. No entanto, nos últimos anos verificou-se uma grande mudança nas relações entre utilizadores e bibliotecas, em que os primeiros passaram a ser tendencialmente mais autónomos, porque a informação passou a estar mais disponível em ambiente virtual; por outro lado, passou a haver maior necessidade das competências dos bibliotecários na pesquisa, avaliação e seleção da informação, só para mencionar alguns exemplos, o que fez com que a atualização profissional e a formação tenha assumido cada vez maior relevância. Na realidade, o modo como a pesquisa e o acesso à informação são feitos, e também como a própria informação é produzida e disponibilizada veio a ser substancialmente alterada pela evolução tecnológica, levando a uma disponibilidade de recursos de informação online exponencialmente maior.

14As bibliotecas passaram a oferecer mais e diversificados serviços aos utilizadores, entre os quais formação, repositórios, projetos editoriais, software open source, exatamente decorrente das novas configurações contextuais. Ao mesmo tempo elas continuam a ser o ponto de convergência entre ciência e conhecimento, em que o património bibliográfico deve ser preservado, no alinhamento com as melhores práticas de extensão cultural, à medida que assumem um papel fundamental na construção de redes de conhecimento. Tendo tudo isto em conta, o Grupo de Trabalho, numa primeira etapa, retomou a discussão com algumas linhas que obedeceram a quatro eixos estratégicos:

  • Apoio ao Ensino e à Aprendizagem

  • Apoio à Investigação

  • Desenvolvimento Profissional e Organizacional

  • Redes, Cultura e Património

15Com estes quatro âmbitos, as ideias foram sendo trabalhadas, considerando-se também que os diversos destinatários do documento final eram não apenas os profissionais, mas os diversos stakeholders, nomeadamente órgãos de gestão no ensino superior, a tutela e outras entidades correlacionadas. Finalmente, com o contributo dos vários participantes, chegou-se a um texto base.

16Numa segunda fase, já estabilizado o documento que se pretendia colocar à discussão dos profissionais, o Grupo de Trabalho das Bibliotecas de Ensino Superior, da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas, teve oportunidade de apresentar as Recomendações para discussão pública num webinar online, decorrido em maio de 2020, e no qual estiveram presentes cerca de 200 participantes. Nessa ocasião houve oportunidade de colocar à discussão pública o novo documento, tendo sido integradas as alterações sugeridas e sendo este mesmo documento sujeito a uma revisão global.

17Assim, finalmente, a consolidação e apresentação da versão final destas Recomendações decorreu da integração daqueles contributos recolhidos na sessão, bem como do trabalho desenvolvido ao longo do ano anterior. A investigação e sequente atualização focou-se sobretudo na revisão crítica das Recomendações anteriores (em vigor entre 2016 e 2019), nomeadamente na análise dos resultados de um inquérito sobre o estado da sua aplicação (SANCHES, COSTA, & AURINDO, 2020), na observação atualizada de documentos internacionais de referência e num olhar atento e estratégico para a realidade nacional.

18Algumas ideias subjacentes relacionam-se com a abrangência e aplicabilidade das Recomendações (às várias dimensões, experiência e localizações geográficas das Bibliotecas de Ensino Superior), mas também à capacidade de servir de foco, por um lado, originando congruência nacional nas áreas de atuação, e de inspiração para a ação, motivando uma convergência dos profissionais de informação, de forma a contribuir para uma maior unidade e coerência das Bibliotecas do Ensino Superior em Portugal.

19As 12 Recomendações a que chegámos focam-se essencialmente em quatro vertentes da ação das bibliotecas:

  • O apoio ao ensino e aprendizagem, especificamente na promoção das competências de literacia de informação e no fomento à fluência digital e à capacitação dos utilizadores;

  • O suporte às atividades de investigação e de publicação científica, especialmente no contexto da Ciência Aberta;

  • O desenvolvimento profissional e organizacional que coloca o bibliotecário no centro dos processos e as instituições como agregadoras de sinergias para ações de melhoria contínua; e,

  • A conceção e disponibilização de serviços e parcerias que facilitem e potenciem a criação de redes para a expressão cultural, incluindo a preservação e difusão do património documental.

20Apresentam-se agora cada uma das 12 Recomendações, na sua versão consolidada e agregadas em cada um dos quatro eixos estratégicos de atuação (PRINCIPE, et al., 2020):

Apoio ao ensino e à aprendizagem

Reforçar as competências em literacia da informação

21Reforçar as competências em literacia da informação alinhadas com as necessidades dos utilizadores, estabelecendo estratégias de capacitação para públicos diversificados com recurso a formatos e canais variados, oferecendo programas de formação de qualidade que incluam abordagens integradoras, a definição de objetivos de aprendizagem e a planificação com recurso a referenciais internacionais.

Promover a fluência digital e o uso ético da informação

22Desenvolver planos de intervenção que promovam a fluência digital e a destreza no acesso e utilização dos meios tecnológicos na aprendizagem e na investigação, sublinhando a importância do uso ético da informação e do direito à privacidade e a relevância da capacidade de interpretação crítica no combate às fake news, sustentando a mobilidade segura e responsável no universo digital.

Dinamizar espaços de aprendizagem, experimentação e criação de conhecimento

23Dinamizar e redesenhar os espaços físicos e digitais das Bibliotecas do Ensino Superior através de FabLabs, Makerspaces, aprendizagem mobile ou outros, possibilitando a inovação, experimentação, descoberta e criação de conhecimento, e adequando iniciativas e recursos à promoção de aprendizagens ativas, participadas e colaborativas.

Apoio à investigação

Capacitar para a prática da Ciência Aberta

24Reforçar as Bibliotecas como agentes facilitadores e implementadores das políticas de Ciência Aberta, na promoção de atividades de formação, no desenho de serviços e no apoio à utilização de ferramentas para a abertura de dados, resultados e métodos de investigação, no quadro dos princípios FAIR (Findable, Accessible, Interoperable, Reusable), assumindo ainda um papel dinamizador e agregador de iniciativas de ciência cidadã.

Viabilizar iniciativas editoriais e a publicação científica e académica

25Apoiar a realização de projetos editoriais de cariz institucional para a publicação de revistas e livros, dinamizando o papel da Biblioteca como editora e promotora do acesso aberto, de padrões de qualidade e de práticas normalizadas, viabilizando estratégias inovadoras e novos modelos de publicação.

Consolidar parcerias estratégicas no apoio à investigação

26Afirmar a ação das Bibliotecas como parceiras na investigação produzida na instituição, mediante estratégias alinhadas com a cocriação de valor ao longo das diferentes fases dos processos de investigação, nomeadamente nos domínios de seleção de publicações, curadoria de dados de investigação, revisão por pares, identificação de autoria e gestão de perfis de investigadores, métricas e visibilidade, entre outros.

Desenvolvimento profissional e organizacional

Fomentar o potencial inovador e o valor das Bibliotecas do Ensino Superior

27Potenciar a inovação e a melhoria contínua, valorizando o papel das Bibliotecas do Ensino Superior através da adoção sistemática de indicadores de desempenho, da promoção ativa da mudança e da incorporação de metodologias de gestão de projetos e de trabalho colaborativo, num compromisso com a integração dos bibliotecários em equipas multidisciplinares e de investigação.

Investir na capacitação dos profissionais

28Incrementar estratégias para o desenvolvimento das competências dos profissionais de informação face aos desafios da era digital, fomentando nestes a autoaprendizagem e a prática de investigação, assim como a participação em programas de formação para a construção de conhecimento especializado que se reflita em valor para a comunidade.

Assumir o potencial de pioneirismo tecnológico

29Assumir o papel das Bibliotecas do Ensino Superior como agentes de mudança e de pioneirismo tecnológico, líderes, parceiros e implementadores das tendências emergentes no Ensino Superior no âmbito da gestão da informação e do ensino-aprendizagem, reforçando a posição influente das Bibliotecas e dos seus profissionais no quadro institucional.

Redes, cultura e património

Assegurar a preservação e difusão do património e a herança cultural e científica

30Afirmar as Bibliotecas do Ensino Superior como plataformas facilitadoras que asseguram a curadoria, a preservação e a difusão do património e herança cultural e científica construída com base na informação impressa e digital (publicações, sítios web, dados de investigação, entre outros).

Estimular a oferta cultural e científica integrada

31Desenvolver uma programação cultural e científica consistente, através da oferta de atividades que contribuam para a formação integral dos estudantes, fomentando a cidadania, a fruição cultural e a participação ativa na sociedade, extensíveis a toda a comunidade académica e comunidade envolvente.

Participar ativamente em redes de cooperação institucional e parcerias sociais

32Protagonizar a criação e dinamização de redes de cooperação e potenciar parcerias sociais (museus, escolas, centros culturais, associações, arquivos, mecenas e outros), nomeadamente em programas e projetos intrainstitucionais, locais e nacionais ou internacionais, de caráter transversal e inclusivo, para a promoção e divulgação do conhecimento e a aproximação das Bibliotecas do Ensino Superior à sociedade.

Linhas de rumo e futuro próximo para as Bibliotecas do Ensino Superior em Portugal

33Face à crescente necessidade de assumir a construção de políticas públicas nas bibliotecas, das instituições de ensino superior em particular, a apresentação das novas «Recomendações para Bibliotecas do Ensino Superior 2020-2022» foi fundamental.

34Este objetivo deve incluir a ampla divulgação de documentos e diretrizes normativas que orientam os bibliotecários na implementação de programas e na construção de boas práticas. Isso pode e deve ser feito por meio de incentivos às lideranças que impulsionam mudanças e ações conjuntas. No entanto, também é essencial antecipar que ações e consequências podem ser vislumbradas.

35Para tal, a 14 de maio de 2020 foi promovido um webinar pelo Grupo de Trabalho das Bibliotecas do Ensino Superior, da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas, intitulado «Recomendações para as Bibliotecas do Ensino Superior de Portugal 2020-2022» (PRÍNCIPE, SANCHES, LOPES, SILVA, & PEREIRA, 2020).

36O principal objetivo foi, após ter sido realizada a consolidação da versão final das Recomendações para 2020-2022 que decorreu da integração dos contributos recolhidos em várias sessões de trabalho, apresentá-las pela primeira vez a público, procurando obter mais feedback da comunidade de profissionais das BES.

37Assim, ao longo da apresentação enquadrou-se o trabalho prévio e justificou-se a pertinência destas novas recomendações e, durante esta, foram colocadas cinco questões prospetivas acerca da sua importância e aplicação, bem como para aferir a sensibilidade dos participantes face à implementação destas Recomendações, possibilitando uma interação significativa.

38Participaram deste webinar 201 profissionais de variadas instituições, envolvidos nas bibliotecas de Ensino Superior. No Gráfico 1 é possível constatar o interesse transversal deste tema em todo o país (continente e ilhas), bem como algum interesse internacional, com participações do Brasil, sendo as regiões da grande Lisboa e do grande Porto as que asseguraram maior número de participantes. Dos 201 participantes, 176 identificaram a sua instituição de origem e correspondente cidade, sendo que 5 não responderam.

Gráfico 1 - Participantes do Webinar de Apresentação pública das Recomendações para as Bibliotecas do Ensino Superior 2020-2022

Gráfico 1 - Participantes do Webinar de Apresentação pública das Recomendações para as Bibliotecas do Ensino Superior 2020-2022

39Seguidamente iremos apresentar e discutir cada um dos quatro eixos de atuação propostos nestas Recomendações.

Perspetivar o Apoio ao Ensino e à Aprendizagem

40Agregadas no primeiro eixo estratégico, as três recomendações iniciais focam-se em reforçar as competências em literacia da informação; promover a fluência digital e o uso ético da informação; e dinamizar espaços de aprendizagem, experimentação e criação de conhecimento.

41Sabemos que as nossas bibliotecas se dedicam em grande parte a dar apoio aos alunos no seu percurso de aprendizagem, mas também aos docentes nas suas funções de ensino. Como se pode constatar, estas três recomendações apresentam um tema transversal e comum a todas, assente nas estratégias para aprender. Compreende-se a partir destas recomendações que a aprendizagem não é viável, no contexto do ensino superior, sem uma literacia da informação, isto é, sem o desenvolvimento de competências transversais que permitam ao aluno, também ele em desenvolvimento, aplicar os seus conhecimentos. E “isto significa que tanto os estudantes como a comunidade académica em que se inserem devem procurar mobilizar-se para tornar a experiência do estudante mais significativa e, em paralelo, procurar reunir os melhores conteúdos curriculares, métodos pedagógicos, tecnologias e atividades para propiciarem a melhor experiência de aprendizagem possível (SANCHES, 2016, p. 173). Sublinha-se na primeira recomendação a importância de apostar em programas de formação mais específicos, direcionados também a grupos específicos de utilizadores, usando referenciais internacionais, que nos mostram como podemos aplicar estes conceitos de uma forma prática. Observa-se que a partir destes referenciais, designadamente a Framework for Information Literacy in Higher Education (ACRL, 2016), existem três ideias chave sobre as quais podemos trabalhar. São conceitos, disposições para agir e atitudes, expressões que vão estar interligadas nas três recomendações deste núcleo que é o Apoio ao Ensino e Aprendizagem. Trabalhamos com um público alvo, que são os alunos do ensino superior, que devem em primeiro lugar dominar matérias disciplinares, que se dedicam a estudar conceitos sem os quais não conseguem operacionalizar o conhecimento. Depois, as disposições para a ação ligam-se à forma como a própria pessoa encara a sua competência num campo de conhecimento e a desenvolve e finalmente, as atitudes, por exemplo, a curiosidade, a resiliência, a aprendizagem pelo erro, são estratégias para capacitar o nosso público para a literacia da informação.

42 Se pensarmos, enquanto profissionais a atuar no Ensino Superior, que devemos definir como prioritário o estabelecimento de formação para os nossos utilizadores, onde se desenvolve a capacitação para saber pesquisar bem, usar a informação de forma adequada e significativa no seu percurso académico, torna-se evidente, num contexto digital, a necessidade de investir na fluência digital e o uso ético da informação. Isto confirma que a fluência digital também assenta numa característica ligada à informação, à sua interpretação e ao seu bom uso. Isto é, se não conseguirmos ter capacidade de usar um browser, fazer uma boa pesquisa na internet, usar operadores booleanos, a nossa fluência digital pode estar comprometida.

43 A fluência digital também implica saber navegar na internet com segurança, saber o que é privacidade, saber respeitar autorias e todas as implicações que estas questões acarretam. Em tempos que se tornam cada vez mais digitais é também fundamental encarar como incontornável o desenvolvimento da fluência digital – estar numa reunião online, dominar o email, saber a ética e a etiqueta online, saber interpretar criticamente notícias e notícias falsas – são condições que possibilitam igualmente uma mobilidade segura e confiante nestes meios.

44 Quanto à dinamização de espaços de aprendizagem, experimentação e criação de conhecimento, a tónica são as aprendizagens ativas, e de que forma como podemos potenciar essas mesmas aprendizagens. Isto é, como os utilizadores descobrem, usam e experimentam informação e recursos para criar novo conhecimento. Eles têm de saber aceder à informação, saber usá-la de uma forma competente, adequada e significativa e dessa forma serão capazes de criar conhecimento.

45 Em síntese, este reforço de competências em literacia da informação, patente em múltiplos formatos, vai promover a fluência digital, permitindo igualmente enquadrar a nossa oferta de serviços, espaços e recursos, canalizando-a para essa criação de conhecimento.

46Relativamente a este primeiro eixo, era questionado aos participantes do webinar «Em qual destas recomendações irá investir mais esforço? Em qual é que vai apostar mais nos próximos dois anos?».

Figura 1 - Perspetivas sobre o Apoio ao Ensino e Aprendizagem

Figura 1 - Perspetivas sobre o Apoio ao Ensino e Aprendizagem

47Dos participantes, 118 responderam ao desafio, apontando para uma aposta mais forte no reforço de competências em literacia da informação e um menor investimento na questão dos espaços de aprendizagem.

Perspetivar o Apoio à Investigação

48O segundo eixo inclui as Recomendações: Capacitar para a prática da Ciência Aberta; Viabilizar iniciativas editoriais e a publicação científica e académica; Consolidar parcerias estratégicas no apoio à investigação.

49O que se destaca neste conjunto de recomendações é também uma ideia transversal: a de que as parcerias são fundamentais no trabalho de suporte à investigação. Criar parcerias com os gabinetes de apoio à investigação, com os investigadores, com quem está a produzir investigação na nossa instituição.

50Por outro lado, é fundamental que os bibliotecários, munidos com competências que importam aos investigadores, nomeadamente no âmbito da ciência aberta, atendendo ainda a matérias como a investigação responsável, às questões da ética na investigação e à gestão de dados científicos, demonstrem as suas capacidades e reforcem as pontes que permitem a comunicação e o trabalho colaborativo, conscientes que estão da importância da investigação estar ao serviço da sociedade. De facto, os bibliotecários já apoiam, em muitos casos, informalmente, o processo de investigação, mas é importante dar visibilidade a esse trabalho, de forma mais pró-ativa e sistemática.

51Ao mesmo tempo é essencial perspetivar a atuação nestas áreas de forma focada, e com os recursos disponíveis. Através de ferramentas e de benchmarking com outras bibliotecas, podemos divulgar ferramentas e estratégias adequadas à promoção da investigação.

52Assim, sublinha-se aqui a necessidade de explorar o conhecimento acumulado e, cada um, na medida das suas possibilidades, dar o apoio possível ao investigador, que por vezes passa apenas por sistematizar informação na página web da biblioteca, apoiar de forma personalizada processos de investigação e publicação, dar resposta a dúvidas de forma competente e prática.

53Estas são formas adequadas de começar este trabalho, que no futuro poderá vir a ter grande impacto, contando com as sinergias criadas em torno de um trabalho que se deseja colaborativo e multidisciplinar nesta área específica.

54É ainda relevante sublinhar a importância das infraestruturas de apoio à investigação e à forma como as bibliotecas podem dar sustentação a estas iniciativas, como já dão às infraestruturas de publicação académica.

55Relativamente a este segundo eixo, era questionado «Como classifica as seguintes recomendações quanto ao grau de dificuldade de aplicação prática?».

Figura 2 - Perspetivas sobre o Apoio à Investigação

Figura 2 - Perspetivas sobre o Apoio à Investigação

56No webinar, 118 participantes responderam à questão, considerando estes respondentes estar mais bem preparados para desenvolver ações no sentido de capacitar para a Ciência Aberta, em contraste com a viabilização de iniciativas editoriais, recomendação que consideraram mais difícil de concretizar.

Perspetivar o Desenvolvimento Profissional e Organizacional

57No que concerne ao eixo focado no desenvolvimento profissional e organizacional, é lícito incluir uma dimensão organizacional na medida em que os diversos envolvidos são parte indispensável à sua concretização. Aqui, as recomendações respeitam a: Fomentar o potencial inovador e o valor das Bibliotecas do Ensino Superior; Investir na capacitação dos profissionais; e, Assumir o potencial de pioneirismo tecnológico.

58A particularidade destas três recomendações reside no facto de que, ao serem aplicadas, contêm o potencial de implementação das restantes recomendações, isto é, são transversais, na medida em que é através destas linhas de ação organizacionais e de formação profissional que existirá a abertura para colocar em práticas todas as outras, sendo, portanto, estratégicas e de alguma forma prioritárias. Não obstante os desafios que se colocam aos responsáveis pela direção e aos técnicos, é importante desde logo assumir uma gestão suportada por indicadores estatísticos, pela abertura à mudança e por metodologias de projeto e trabalho colaborativo, uma vez que estes fatores são cruciais na demonstração de resultados e do valor das ações desenvolvidas pelas bibliotecas. Para fazer face a esta necessidade é também importante não esquecer a atualização de competências dos profissionais e a renovação das equipas. Os bibliotecários devem estar abertos à participação em equipas multidisciplinares, incluindo-se uma abordagem colaborativa em termos pessoais e organizacionais.

59Por outro lado, a capacitação dos profissionais está profundamente interligada aos desafios da era digital e à necessidade de formação regular, incluindo práticas de autoaprendizagem, num esforço comum para criar tempos próprios a fim de cumprir esta recomendação.

60Finalmente, o pioneirismo das bibliotecas em áreas chave, nomeadamente de cariz tecnológico, deve ser assumido de forma articulada com as missões e funções das instituições de ensino superior. Um exemplo é a possibilidade de apoio no ensino à distância, colocando as bibliotecas na frente deste eixo digital da oferta formativa.

61Neste terceiro núcleo das Recomendações, era questionado «Qual destas recomendações considera ter maior valor estratégico para a afirmação da biblioteca?»

Figura 3 – Perspetivas sobre o Desenvolvimento Profissional e Organizacional

Figura 3 – Perspetivas sobre o Desenvolvimento Profissional e Organizacional

62Nesta questão havia a possibilidade de escolha de duas das opções. A tendência que se observa é que dos participantes, 116 responderam ser fundamental o investimento na capacitação dos profissionais, seguido do fomentar o potencial inovador e o valor das BES, não sendo atribuída prioridade ao assumir do pioneirismo tecnológico por parte das bibliotecas.

Perspetivar Redes, Cultura e Património

63O quarto e último eixo das recomendações corresponde às seguintes premissas expressas pelas Recomendações: Assegurar a preservação e difusão do património e a herança cultural e científica; Estimular a oferta cultural e científica integrada; Participar ativamente em redes de cooperação institucional e parcerias sociais.

64Neste conjunto de recomendações, as ideias chave são a preservação e divulgação do património, a oferta cultural e as redes de cooperação. A este propósito é interessante verificar que algumas destas iniciativas podem fazer os bibliotecários saírem da sua zona de conforto e abraçarem novos desafios.

65São importantes questões como a curadoria da informação, a preservação em ambiente digital, a necessidade de equilibrar a oferta de fundos documentais cada vez mais híbridos, que incluem o papel e documentos digitais, mas também a valorização do seu acesso.

66Há ainda que sublinhar que a formação superior não deverá estar apenas voltada para a compilação de conhecimentos académicos e científicos, mas deve existir uma componente cultural fortemente alicerçada na convicção de que estamos a contribuir para uma formação integral do indivíduo, para além do profissional habilitado.

67As oportunidades nesta matéria apresentam-se como um campo rico, que parte da formação da pessoa estudante, mas se alarga a toda a comunidade académica e até à comunidade envolvente. De facto, as instituições de ensino superior querem abrir-se a novas experiências e as bibliotecas devem aderir, participando em projetos desafiantes, consolidando a importância estratégica do seu papel junto da comunidade.

68No que se refere a este quarto eixo das Recomendações, era questionado «Qual destas recomendações considera vir a ter mais impacto na sua comunidade?»

Figura 4 – Perspetivas sobre Redes, Cultura e Patromónio

Figura 4 – Perspetivas sobre Redes, Cultura e Patromónio

69Dos participantes, 116 responderam referindo como aquela com mais impacto no futuro próximo o assegurar da preservação e difusão do património e da herança cultural e científica, sendo a menos votada o estímulo à oferta científica e cultural integrada.

Futuro próximo para as bibliotecas do ensino superior em Portugal

70Consideramos que a partir desses resultados é possível admitir a boa recetividade das recomendações, assumindo assim que serão incluídos novos temas, que passarão a constar na agenda dos bibliotecários e decisores. Neste estágio, podemos dizer que já alcançamos uma parte significativa do trabalho colaborativo nacional, através da experiência conseguida pelas anteriores Recomendações. Certamente é insuficiente, mas o lema é promover e implementar passo a passo as recomendações, que devem ser atualizadas periodicamente, pois refletem os contextos em constante mudança.

71Finalmente, numa última questão agregadora, era perguntado aos participantes «Que prioridade estabelece para a implementação das recomendações?»

Figura 5 – perspetivas sobre prioridades de implementação das Recomendações

Figura 5 – perspetivas sobre prioridades de implementação das Recomendações

72O principal destaque dado pelos 101 respondentes a esta questão vai para a recomendação que versa sobre a capacitação dos profissionais, seguida da que se centra no reforço das competências em literacia da informação.

73Um outro destaque foca-se na fluência digital, sendo ainda de realçar a participação em redes de cooperação institucional e parcerias sociais, bem como a promoção da Ciência Aberta. Constata-se assim o assumir da responsabilidade por parte dos profissionais, que tomam para si a aprendizagem e a capacitação em renovadas competências ao serviço da informação e da documentação.

74A apresentação e discussão pública destas Recomendações foi um passo essencial e meritório que combinou esforços em torno de objetivos comuns. As tendências internacionais, juntamente com influências sociais e outros fatores decorrentes da integração de tecnologias, mudanças no ensino superior, mudanças na maneira como a pesquisa, produção e publicação da ciência são realizadas, certamente são catalisadores para a implementação dessas recomendações.

75Para os bibliotecários do ensino superior estas recomendações apresentam-se como importantes no delinear das suas ações específicas, podendo servir de base para a definição de planos estratégicos e de projetos específicos. As ações das bibliotecas de ensino superior em Portugal devem, pois, vir a ser observadas a diversos níveis:

  • Na vida académica, nomeadamente no facultar de serviços e recursos bibliográficos e informativos necessários ao desempenho das funções de investigação, ensino e educação ao longo da vida, acompanhados da devida formação em literacia da informação para o seu uso adequado e significativo;

  • No envolvimento com a comunidade académica num compromisso para fornecer conteúdos físicos e digitais e serviços de qualidade para a investigação e educação, de forma neutra, confiável e verificada por indicadores, fomentando o acesso competente à informação e a partilha de conhecimento;

  • No garante do tratamento técnico de todos os recursos adquiridos, na gestão documental e no desenvolvimento das ações necessárias para permitir e incentivar o acesso dos utilizadores às mais diversas fontes de informação, às novidades editoriais e ao património e recursos culturais, potenciando a utilização criativa dos espaços;

  • Na cultura de investigação e atualização permanente no sentido de procurar e aplicar as melhores práticas, promovendo a melhoria contínua dos serviços prestados e promovendo as boas práticas da Ciência Aberta;

  • Na missão de apoio à Universidade, na descoberta, preservação e disseminação do conhecimento em diversas frentes, colaborando ativamente para a criação da ciência

76Finalmente, o último desafio constava do apelo para que os participantes apresentassem as três palavras ou expressões sobre as recomendações.

Figura 6 – Perspetivas sobre o entendimento das Recomendações

Figura 6 – Perspetivas sobre o entendimento das Recomendações

77As ideias foram expressas por 76 participantes, e são visíveis na nuvem de palavras na imagem supra, estando destacadas as ideias de inovação, partilha e cooperação, bem como desafios, além das ideias ligadas à literacia da informação, à formação e ao desenvolvimento de competências.

Conclusões

78Presentemente, as alterações tecnológicas e sociais continuam a exigir um pensamento estratégico, com vista à sustentabilidade na utilização de recursos, às melhores práticas de gestão e à satisfação das reais necessidades dos utilizadores. Estas e outras mudanças no ensino superior impelem a novos posicionamentos estratégicos.

79Assim, tendo em atenção o contexto social e o contexto de transformação exigido às instituições de ensino superior, o Grupo de Trabalho das Bibliotecas do Ensino Superior posicionou-se criticamente, apresentando novas linhas de rumo que demonstram os contributos diretos das bibliotecas no assegurar de formas de inovação, que reforçam a sua missão de apoio à investigação e ao ensino, vertidas em Recomendações. Estas serviram de inspiração para a reflexão que dá corpo a este trabalho.

80O presente estudo procurou assim, a partir da apresentação e discussão das novas Recomendações para as Bibliotecas do Ensino Superior, observar, refletir e atuar sobre a dupla condição das bibliotecas universitárias na sua procura de equilíbrio entre a estabilidade e a inovação, numa constante adaptação.

81O trabalho colaborativo que esteve na sua base é assim prova e mote para demonstrar que a preparação e o planeamento assentes em linhas orientadoras funcionam como estabilizadores de ações futuras, que ancoram decisões e estratégias, ao mesmo tempo que os ventos de mudança permitem a exploração de novos caminhos e práticas, potenciando-se assim um contexto virtuoso de atuação.

Bibliographie

ACRL RESEARCH PLANNING AND REVIEW COMMITTEE - 2016 Top Trends in Academic Libraries: a Review of the Trends and Issues Affecting Academic Libraries in Higher Education [Em linha]. College & Research Libraries News, 77: 6, (2016), 274–281. Disponível em WWW: https://doi.org/10.7710/2162-3309.1232

ACRL RESEARCH PLANNING AND REVIEW COMMITTEE - 2018 top trends in academic libraries: A review of the trends and issues affecting academic libraries in higher education [Em linha]. College & Research Libraries News, 79: 6, (2018), 286, june 2018. ISSN 2150-6698. Disponível em WWW: <https://crln.acrl.org/index.php/crlnews/article/view/17001/18750>

ACRL RESEARCH PLANNING AND REVIEW COMMITTEE - 2020 top trends in academic libraries: A review of the trends and issues affecting academic libraries in higher education [Em linha]. College & Research Libraries News, 81: 6, (2020), 270, june 2020. ISSN 2150-6698. Disponível em WWW: https://crln.acrl.org/index.php/crlnews/article/view/24478/32315

ASSOCIATION OF COLLEGE AND RESEARCH LIBRARIES [ACRL]. Framework for information literacy for higher education. Chicago, IL: American Library Association, 2016. Retrieved from http://www.ala.org/acrl/standards/ilframework

CLIR [Council on Library, & Information Resources]. No brief candle: reconceiving research libraries for the 21st century (No. 142). Council on Library & Information Resources, 2008. Retrieved December 19, 2019, from https://clir.wordpress.clir.org/wp-content/uploads/sites/6/pub142.pdf

EDEN, B.L. (2015). Creating research infrastructures in the 21st-century academic library: Conceiving, funding, and building new facilities and staff. Lanham: Rowman & Littlefield Publishers

LIBER EUROPE (2017). Research libraries powering sustainable knowledge in the digital age: LIBER Europe strategy 2018–2022. Retrieved December 19, 2019, from http://libereurope.eu/wp-content/uploads/2017/05/May2017Mail_LIBER-Strategy-2018-2022.pdf

LIMEGUILD (2009). The future of research and the research library. A report to DEFF, Denmarks’s Electronic Research Library. Copenhagen: Danish Agency for Libraries and Media. Retrieved December 19, 2019, from https://www.deff.dk/fileadmin/user_upload/DEFF/publikationer/Oevrige/
The_Future_of_Research_and_the_Research_Library.pdf

PRINCIPE, P., SANCHES, T., LOPES, S., SILVA, D., & PEREIRA, A. A. (2020, May). Recomendações para as Bibliotecas do Ensino Superior de Portugal 2020-2022: apresentação e discussão pública. Zenodo. http://doi.org/10.5281/zenodo.3826741

PRINCIPE, P. SILVA, D., SANCHES, T., LOPES, T., PEREIRA, A. A., LOPES, C. … CORREIA, M. A. (2020, May 25). Recomendações para as Bibliotecas do Ensino Superior de Portugal 2020-2022 (Version 1). Zenodo. http://doi.org/10.5281/zenodo.3841363

RESEARCH INFORMATION NETWORK (RIN), & CONSORTIUM OF RESEARCH LIBRARIES (CURL) - Researchers' Use of Academic Libraries and their Services, 2007. Disponível em WWW: www.rin.ac.uk

RLUK [Research Libraries UK]. (2014). Powering scholarship: RLUK Research Libraries UK strategy 2014–2017. Retrieved December 19, 2019, from http://www.rluk.ac.uk/wp-content/uploads/2014/02/RLUK-Strategy-2014-online.pdf

SANCHES, T., COSTA, T., PRÍNCIPE, P., VIEIRA, A., LOPES, S., AURINDO, M. J., MARTINS, T. - Recomendações para as Bibliotecas do Ensino Superior: que impacto, que transformação? Actas do Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas, (13), 2018, 1-9. https://www.bad.pt/publicacoes/index.php/congressosbad/article/view/1772

SANCHES, T. - Literacia da informação em contexto universitário: Tendências e expectativas. In C. Lopes, T. Sanches, I. Andrade, M. L. Antunes, & J. Alonso-Arévalo (Eds.), Literacia da informação em contexto universitário (pp. 53-178). Lisboa: Edições ISPA [ebook], 2016. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/25207/1/LICU%2C%202016%2C153-178.pdf

SANCHES, T. - Shrink to fit or prune to strengthen: adapting the strategic plan in an academic library as response to environmental change. New Review of Academic Librarianship, 24(3-4), (2018). 312-327. DOI: 10.1080/13614533.2018.1501714

SANCHES, T.; COSTA, M.T. - Guidelines for Higher Education Libraries in Portugal. LIBER Quarterly, 27: 1, 2017, 212–231. DOI: http://doi.org/10.18352/lq.10219

SANCHES, T., COSTA, M. T., & AURINDO, M. J. (2020). Adoption of the Guidelines for Higher Education Libraries in Portugal: contributions to assessment. LIBER Quarterly30: 1, 1–22. DOI: http://doi.org/10.18352/lq.10324

SHORLEY, D., & JUBB, M. (Eds.). (2013). The future of scholarly communication. London: Facet Publishing.

Notes

1 É justo agradecer o apoio do Grupo de Trabalho das Bibliotecas do Ensino Superior da BAD pelo incentivo à investigação nesta matéria, e em particular a Pedro Príncipe, Susana Lopes, Diana Silva e Ana Alves Pereira, pelas ideias debatidas e contributos decisivos na concretização deste trabalho.

Table des illustrations

Titre Gráfico 1 - Participantes do Webinar de Apresentação pública das Recomendações para as Bibliotecas do Ensino Superior 2020-2022
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/16705/img-1.png
Fichier image/png, 6,7k
Titre Figura 1 - Perspetivas sobre o Apoio ao Ensino e Aprendizagem
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/16705/img-2.png
Fichier image/png, 186k
Titre Figura 2 - Perspetivas sobre o Apoio à Investigação
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/16705/img-3.png
Fichier image/png, 261k
Titre Figura 3 – Perspetivas sobre o Desenvolvimento Profissional e Organizacional
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/16705/img-4.png
Fichier image/png, 198k
Titre Figura 4 – Perspetivas sobre Redes, Cultura e Patromónio
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/16705/img-5.png
Fichier image/png, 216k
Titre Figura 5 – perspetivas sobre prioridades de implementação das Recomendações
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/16705/img-6.png
Fichier image/png, 236k
Titre Figura 6 – Perspetivas sobre o entendimento das Recomendações
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/16705/img-7.png
Fichier image/png, 307k

© Publicações do Cidehus, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search