Version classiqueVersion mobile

Bibliotecas Universitárias: diálogos transatlânticos

 | 
Luiza Baptista Melo
, 
Tatiana Sanches

Dois lados da mesma moeda

A ciência aberta e o compromisso das bibliotecas com a investigação

Jorge Revez

Résumé

As bibliotecas estão comprometidas com o desenvolvimento científico desde tempos imemoriais. Como construções sociais projetadas para disponibilizar informação e para arquivar a produção científica, as bibliotecas têm estado lado a lado com o desenvolvimento da ciência e com a satisfação das necessidades de informação dos investigadores. O objetivo deste capítulo é questionar, de um ponto de vista teórico, o atual processo de mudança da ciência, como um percurso duplamente influenciado pela sua dinâmica de abertura e pelas mudanças operadas nas bibliotecas de investigação. É apresentada uma revisão da literatura sobre a relação entre as bibliotecas e a abertura científica. A literatura mostra que, embora as bibliotecas permaneçam no centro do processo científico, são desafiadas por vários atores-chave na complexidade do cenário de produção e de disseminação da ciência. No seio de uma mudança cultural profunda, os profissionais de biblioteconomia e de ciência da informação enfrentam um conjunto de desafios relevantes. Por um lado, os bibliotecários estão fortemente envolvidos no futuro da ciência, como sempre estiveram, como uma importante parte interessada no sistema e também como fornecedores de produtos e de serviços de informação. Por outro lado, as bibliotecas de investigação estão a modificar os seus papéis e os seus serviços tradicionais para poder responder às necessidades atuais dos investigadores e às exigências de abertura reclamadas pela sociedade. Numa dinâmica convergente, as bibliotecas de investigação e o movimento da Ciência Aberta são, em última análise, dois lados da mesma moeda - o desenvolvimento da ciência - e ambos pugnam por isso.

Texte intégral

Introdução

1 O percurso histórico de abertura da ciência é um processo longo e contínuo, e não é possível prever os seus estágios futuros ou o seu epílogo. É um processo cultural e civilizacional que implica um dos dispositivos mais fortes da modernidade: a ciência, explicitamente, o conhecimento científico e a sua dimensão de comunicação, na forma que emergiu da Revolução Científica do século XVII.

2 Nessa dinâmica de abertura, é desenhado um panorama multifatorial no qual interagem elementos e preocupações de natureza académica, económica, comercial, política e social. As bibliotecas têm desempenhado, ao longo do tempo, um papel fundamental na abertura da ciência, ocupando, em diferentes momentos, posições de destaque.

3 O objetivo deste capítulo é questionar, de um ponto de vista teórico, o atual processo de mudança da ciência, como um percurso duplamente influenciado pela sua dinâmica de abertura e pelas mudanças operadas nas bibliotecas de investigação. É apresentada uma revisão da literatura sobre a relação entre as bibliotecas e a abertura científica. A literatura mostra que, embora as bibliotecas permaneçam no centro do processo científico, são desafiadas por vários atores-chave na complexidade do cenário de produção e de disseminação da ciência.

4 No seio de uma mudança cultural profunda, os profissionais de biblioteconomia e de ciência da informação enfrentam um conjunto de desafios relevantes. Por um lado, os bibliotecários estão fortemente envolvidos no futuro da ciência, como sempre estiveram, como uma importante parte interessada no sistema e também como fornecedores de produtos e de serviços de informação. Por outro lado, as bibliotecas de investigação estão a modificar os seus papéis e os seus serviços tradicionais para poder responder às necessidades atuais dos investigadores e às exigências de abertura reclamadas pela sociedade. Numa dinâmica convergente, as bibliotecas de investigação e o movimento da Ciência Aberta são, em última análise, dois lados da mesma moeda - o desenvolvimento da ciência - e ambos pugnam por isso.

Bibliotecas e Ciência Aberta

5 As bibliotecas estiveram presentes nas origens do movimento do Acesso Aberto e, gradualmente, foram definindo o seu lugar, tanto política quanto operacionalmente. A Declaração da Iniciativa de Acesso Aberto de Budapeste (14-02-2002) foi o ponto de partida para uma campanha e uma discussão mundial sobre o Acesso Aberto, com vários eventos e declarações publicadas posteriormente, que tiveram um impacto significativo no posicionamento das bibliotecas.

6 Em 2003, a Declaração de Belém sobre Publicação em Acesso Aberto (20-06-2003), focada na publicação científica, incluiu uma secção dedicada às propostas apresentadas pelas bibliotecas, as quais destacaram o apoio às edições em acesso aberto e à formação dos utilizadores sobre as vantagens das publicações em acesso aberto. No mesmo ano, a Declaração de Berlim sobre o Acesso Aberto ao Conhecimento nas Ciências e Humanidades (22-10-2003) referiu-se às bibliotecas como um dos atores envolvidos na criação de uma plataforma global de conhecimento científico.

7 Peter Suber, um dos ativistas mais proeminentes do Acesso Aberto, propôs uma definição para coordenar as três declarações (Budapeste, Belém e Berlim): A parte mais conhecida da definição BBB é que o conteúdo em Acesso Aberto deve ser gratuito para todos os utilizadores com conexão à Internet. No entanto, a definição BBB não se restringe ao acesso online gratuito. É adicionada uma dimensão extra que não é fácil de descrever e, consequentemente, é frequentemente descartada ou obscurecida. Essa dimensão extra dá aos utilizadores a permissão para todos os usos académicos considerados legítimos. Eram então removidas o que Suber designava como barreiras de permissão, em contraste com as barreiras de preços (SUBER, 2004). Suber também definiu o Acesso Aberto desta forma sintética: a literatura de acesso aberto é digital, online, gratuita e livre da maioria das restrições de direitos de autor e de licenciamento (SUBER, 2012). As bibliotecas, como guardiãs da informação durante várias décadas, mas agora enfraquecidas pelo aumento geral de preços da literatura científica, foram obrigadas a redefinir o seu papel como facilitadoras da informação, tornando-se promotoras proeminentes do Acesso Aberto.

8 Não é este o lugar para descrever exaustivamente as origens históricas da Ciência Aberta (ver DAVID, 2008). Como expressão cultural dentro da ciência, foi amplamente moldada pelo impulso do movimento de Acesso Aberto (GUÉDON, 2006). Organizações civis, associações profissionais e científicas, universidades e organizações sem fins lucrativos têm pressionado e pugnado pela abertura da ciência, dinâmica que já tem igualmente a atenção dos media.

9 Esse movimento de abertura conheceu um processo de aceleração com o desenvolvimento das redes digitais. Neste novo paradigma, os cientistas partilham resultados de forma imediata e com um público muito amplo. Em rigor, desde a primeira revolução científica, a ciência estava aberta. Através da Internet e da Web 2.0, a ciência pôde tornar-se ainda mais aberta, o que significa que os investigadores, em comparação com o passado, partilham resultados, ideias e dados muito mais cedo e muito mais amplamente com a sociedade em geral (BARTLING e FRIESIKE, 2014).

10 Entre as várias definições possíveis para a Ciência Aberta, há uma perspetiva tríplice, que reúne dados de investigação, acesso a publicações e comunicação. Ciência Aberta é, assim, definida como dados abertos (dados disponíveis, inteligíveis, avaliáveis e utilizáveis) combinados com acesso aberto à informação científica, publicações e comunicação eficaz dos seus conteúdos (THE ROYAL SOCIETY, 2012).

11 O desenvolvimento das redes digitais e a democratização do acesso à informação científica têm gerado várias questões. Por que razão as bibliotecas pretendem reforçar a sua relevância, quando ao mesmo tempo parecem avançar para um crescente processo de invisibilidade? Borgman (2003) discutiu este paradoxo entre o mundo físico da informação, que ainda é uma característica importante das coleções que as bibliotecas armazenam, e a crescente penetração das tecnologias digitais, que cada vez mais descarta a presença física dos utilizadores no espaço da biblioteca. Este paradoxo está no centro de questões não resolvidas da Ciência Aberta, pois a remoção das barreiras também pode modificar a utilidade das bibliotecas.

12 À medida que as bibliotecas se tornam mais um nó nas redes que suportam a infraestrutura de informação, menos visíveis se tornam para utilizadores, financiadores e decisores políticos. A perda do monopólio da informação significa que as bibliotecas se integram num ambiente altamente competitivo, onde as fontes de informação são múltiplas e diversificadas e as bibliotecas procuram expandir a sua oferta de produtos e de serviços para poder sobreviver.

13 O aumento da desintermediação não é apenas a consequência da abundância de informação disponível - as bibliotecas deixaram de ser o único fornecedor de informação -, mas também do desenvolvimento da computação e dos hábitos tecnológicos. A mediação agora é feita pelo telemóvel ou pelo computador e não pelos profissionais da informação. Esses dois vetores criam nos investigadores a confiança de que podem encontrar informação sem a ajuda dos bibliotecários, porque, afinal, as informações relevantes estão online e são facilmente acessíveis.

14 Estudos recentes identificaram um declínio nas visitas físicas às bibliotecas (NICHOLAS et al., 2018), ainda que as bibliotecas tenham procurado oferecer espaços diferenciados para investigadores e outros serviços que procuram responder a todas as etapas do ciclo de investigação científica (ATKINSON, 2016). Estarão os investigadores interessados nesses novos serviços? Alguns autores mostraram que a perceção dos investigadores sobre a capacidade dos bibliotecários em participar na investigação é entendida como limitada, ou limitada à organização e ao acesso ao conhecimento, com as demais etapas do ciclo de investigação a serem controladas pelos investigadores (RESEARCH INFORMATION NETWORK, 2010). Pretendem então as bibliotecas expandir as suas funções? Investir em serviços para investigadores pode diminuir a sua ação entre os estudantes, por exemplo. Também pode ser problemático sair da zona de conforto, particularmente a integração de bibliotecários na produção e na disseminação da ciência (ATKINSON, 2016).

Laboratórios do Conhecimento

15 As bibliotecas de investigação são bibliotecas especializadas, idealmente incorporadas na infraestrutura científica, com um papel semelhante ao laboratório, ou seja, um espaço de trabalho, de descoberta, recolha e análise de dados, organização da informação e criação de conhecimento. Uma cultura exploratória é, portanto, essencial para as bibliotecas permanecerem relevantes no seio das suas instituições (HOFFMAN, 2016). As bibliotecas académicas, consideradas historicamente elementos centrais na vida do campus, têm estado no centro de um debate que questiona as razões pelas quais os seus edifícios modernos e as suas coleções digitais não são suficientes para atrair os utilizadores e para atestar a sua utilidade para a universidade.

16 Segundo Agnglada (2014), além de uma transformação física dos espaços, iniciou-se também uma mudança na forma como essas bibliotecas apoiam a investigação. Tradicionalmente, o elemento essencial era a criação de coleções, mas as mudanças na comunicação científica levaram as bibliotecas a reorganizar os seus serviços para serem mais ativas no apoio aos investigadores. Isso criou novos campos de atividade profissional, como a promoção do Acesso Aberto, a criação e a manutenção de repositórios institucionais (a chamada via verde para o Acesso Aberto), o apoio aos investigadores, que pretendem tornar o seu trabalho mais visível na Web, e a adoção de identificadores de autores e de documentos. Esses novos serviços são uma reação a um ambiente informacional cada vez mais competitivo, porque já não é o sistema de bibliotecas que está em jogo, mas os relacionamentos que os diferentes sistemas estabelecem entre si, no seio de um determinado ambiente (VANDEGRIFF, 2018).

17 De acordo com as propostas de Lankes (2016), a biblioteca de investigação é um exemplo da reconfiguração da biblioteca como plataforma. Na revolução industrial, o movimento de padronização teve uma influência decisiva nas bibliotecas. Um conjunto limitado de funções (empréstimos de livros, respostas a perguntas de referência, catalogação) e características físicas (prateleiras, balcão de referência, salas de leitura) estavam associados à ideia da biblioteca. Lankes defende a necessidade de ajustar essa plataforma de serviço às necessidades das comunidades locais, transformando a biblioteca numa plataforma comunitária para a criação e a partilha de conhecimento.

18 Nesse novo cenário, a biblioteca não deve determinar o que os utilizadores podem fazer (ler, emprestar, pesquisar), mas fornecer à comunidade uma caixa de ferramentas para criar o que ela precisa. A biblioteca torna-se uma plataforma humana para acelerar os objetivos estratégicos da universidade: melhor investigação e melhor ensino. Lankes acrescenta que se espera que as pessoas venham à biblioteca. E se fosse a biblioteca a juntar-se à comunidade?

19 Noutro exemplo sobre a e-ciência, Lankes observa que há uma tendência para integrar os bibliotecários em laboratórios de investigação. Os bibliotecários trabalham, assim, diretamente com os investigadores para organizar grandes quantidades de dados, facilitar a colaboração entre as equipas virtuais de cientistas, um pouco por todo o mundo, e criar ferramentas para investigar novas perguntas (LANKES, 2016). Por outro lado, existe uma forte relação entre a ciência produzida e a partilha e a comunicação dos seus resultados (GARVEY, 1979). Nesse sentido, a ciência é sempre aberta porque o conhecimento só é eficaz quando é comunicado. Grande parte do notável crescimento do conhecimento científico, nos últimos séculos, deveu-se a práticas abertas; a comunicação aberta está no centro da prática científica (THE ROYAL SOCIETY, 2012).

20 As bibliotecas do ensino superior e de investigação não estão condicionadas e imersas numa vertigem de mudança gerada pela velocidade da evolução das tecnologias digitais (DEWEY, 2010; EARNSHAW e VINCE, 2008). Na verdade, as transformações a que hoje se assiste são de natureza estrutural, ao invés de uma orientação decorrente da tecnologia digital, ou seja, a principal mudança ocorre na quebra da linearidade da comunicação, substituída por um modelo interativo e em rede (BORGES, 2017).

21 Esse colapso criou um impasse entre os papéis tradicionais e as novas necessidades. Existe então um dilema para as universidades, que consiste em determinar o papel das suas bibliotecas na era digital. O papel tradicional da biblioteca tem sido assumir-se como o repositório de dados, informações e conhecimento, e fornecer o apoio aos investigadores para que possam aceder-lhes. Esse papel permanece, mas na era digital os processos e as competências necessárias para desempenhar a mesma função são fundamentalmente diferentes. O novo quadro está a ser desenhado para um mundo em que a literatura científica está online e em que todos os dados estão online. Na interoperabilidade entre estes dois universos, os académicos e os investigadores são apoiados para trabalhar com eficiência, isto é, alocando o mínimo de recursos para um máximo benefício (THE ROYAL SOCIETY, 2012).

22 As universidades, como produtores e consumidores, fazem agora parte de um sistema emergente de informação em rede, no qual as bibliotecas participam como estruturas integradas de cooperação (PINFIELD, COX e RUTTER, 2017). Dempsey (2017) apresentou o conceito de «biblioteca de dentro para fora». As bibliotecas suportam a criação, a curadoria e a descoberta de resultados da universidade (dados de investigação, preprints, coleções digitalizadas, etc.) com uma mentalidade de abertura. O uso local já não é a prioridade para o desenvolvimento das coleções. O utilizador precisa de acesso a uma combinação de serviços locais, externos e de colaboração, disponíveis online. As bibliotecas são convidadas a contribuir ativamente para o ciclo de vida da investigação e para a criação e o acesso ao conhecimento, tornando-se dinamicamente conectadas em rede (INSTITUTE-WIDE TASK FORCE ON THE FUTURE OF LIBRARIES, 2016).

23 A principal mudança é o aumento das funções tradicionais da biblioteca para alcançar uma maior colaboração (LUCE, 2008). Três papéis principais são essenciais nessa transição: suporte às etapas iniciais da criação de conhecimento, incluindo planos de gestão de dados de investigação (ver HEIDORN, 2011); desenvolvimento de infraestruturas de colaboração entre diferentes comunidades científicas; e curadoria de dados de investigação. Todos esses aspetos conduzem a biblioteca a um estatuto de laboratório, afastando-se da ideia de um armazém ou de um silo de informação (GOLD, 2007).

24 O movimento do Acesso Aberto foi uma contribuição fundamental para a rutura daqueles compartimentos. Embora o Acesso Aberto pareça diminuir a importância das bibliotecas no desenvolvimento institucional de coleções, as competências dos bibliotecários continuam a ser essenciais para a gestão dos repositórios, para as estruturas de metadados, que mantêm os recursos de recuperação de informação em acesso aberto, e para os mecanismos de preservação desses recursos (HARRIS, 2012). O futuro é através da colaboração e partilha de recursos, e a principal alteração será a mudança de importância da biblioteca para o bibliotecário: o profissional de informação é a biblioteca do futuro (HARRIS, 2012).

Integradas no Ciclo de Vida da Investigação

25 A proposta de integrar bibliotecários no ciclo de vida da investigação (LIBER, 2018; VAUGHAN et al., 2013), tornando-os parceiros dos investigadores, é o resultado de uma soma de mudanças, que podem ser observadas pelo menos desde a década de 1990. Na mesma época, surgiram também os conceitos em torno da ideia de abertura (acesso aberto, códigos abertos, etc.).

26 Esta nova cultura aberta mudou profundamente o papel das bibliotecas como guardiãs do arquivo da ciência. Essa mudança de paradigma foi consequência de um conjunto de novidades (oferta generalizada de informação, desenvolvimento de computadores e globalização das redes) que acabaram por colocar em questão uma visão centrada nas coleções, na normalização e no modo de ação reativo, levando a uma profunda reconfiguração dos papéis das bibliotecas (LOUGEE, 2009) e ao surgimento da e-ciência e de uma nova infraestrutura tecnológica (MARCUM e GEORGE, 2010). Anglada (2014) afirma que o foco das bibliotecas na criação de coleções foi profundamente abalado pelas mudanças na comunicação científica (ver BORGMAN, 2007).

27 Tecnologias distribuídas e paradigmas abertos fundamentaram o conceito de «bibliotecas difusas», nas quais se reconhece que o universo da informação é distribuído e que a biblioteca deixa de ser central. A biblioteca quer envolver-se de forma incisiva na missão fundamental da instituição académica, isto é, a criação e a disseminação de conhecimento. As contribuições da biblioteca diluem-se, de forma mais ampla, e entrelaçam a biblioteca com as demais partes interessadas nessas atividades. A biblioteca torna-se uma colaboradora dentro da academia, mas mantém distinta a sua identidade (LOUGEE, 2002).

28 A profusão de estudos (principalmente desde 2010) que buscam refletir sobre os novos papéis das bibliotecas é significativa (ver as revisões de KOLTAY, 2016; COX, 2016). No ambiente digital, as bibliotecas têm a oportunidade de se integrarem mais ativamente no processo de criação do conhecimento (LINCOLN, 2010). A sua contribuição não é somente a replicação dos papéis anteriores de organização da informação, mas também o núcleo de valores (acesso, preservação, ética) que a comunidade profissional transporta no seu trabalho. O caminho que deve ser adotado passa por ajudar a tornar a produção científica localizável, usável e preservada de forma permanente (CASE, 2008).

29 Os bibliotecários são então chamados à ação. A integração de bibliotecários académicos no esforço de investigação reconhece as contribuições significativas que os bibliotecários podem aportar como parceiros de investigação (MONROE-GULICK, O’BRIEN e WHITE, 2013). A Ciência Aberta exige, para tal, um novo conjunto de competências, plasmado já em cursos de formação para bibliotecários e para investigadores (WORKING GROUP ON EDUCATION AND SKILLS UNDER OPEN SCIENCE, 2017).

30 Gestão, preservação e acesso às coleções são funções percebidas e recebidas como herança, mas o centro de gravidade da informação foi transferido para a Internet. Smith (2008) insiste que a gestão de recursos irá ser assegurada por uma entidade - que pode não ser designada como biblioteca - que deverá dedicar-se a duas funções concretas: a função local (necessidades de informação da comunidade, gestão de repositórios, etc.) e a de rede, como parte de uma ciber-infraestrutura de investigação local e transnacional. A biblioteca é a plataforma integrada na infraestrutura e os investigadores utilizam-na para fazer parte da rede que suporta uma ciência global e distribuída.

31 No centro dos novos modos de produção da ciência estão os dados, mas os investigadores querem apenas usá-los e não despender recursos com a sua recolha, organização ou preservação (GRIFFIN, 2013). O papel das bibliotecas como repositórios ou fornecedores de informação é transformado, emergindo uma função ativa no processo de investigação científica (2ND GLOBAL RESEARCH LIBRARY 2020, 2008). Essa ativação promove uma instância de parceria na qual a biblioteca fornece competências e ferramentas especializadas e é, portanto, parte integrante do processo de gestão dos dados de investigação (CORRALL, 2014).

32 Em linha com os princípios da Ciência Aberta, as bibliotecas do MIT propõem que as bibliotecas sejam consideradas plataformas abertas e globais ( INSTITUTE-WIDE TASK FORCE ON THE FUTURE OF LIBRARIES, 2016). Lançado em setembro de 2018 por um conjunto de agências de financiamento e com o apoio das autoridades europeias, o Plano S (https://www.coalition-s.org/​) pretende que todas as publicações resultantes de investigação financiada, através de fundos públicos, sejam publicadas em revistas ou plataformas de acesso aberto, ou tornadas disponíveis através de repositórios de acesso aberto sem embargo, a partir de 2021. Os princípios do Plano S mencionam as bibliotecas, desafiando-as a alinhar as suas estratégias, políticas e práticas, de forma a acelerar a transição para a Ciência Aberta.

33 Na Universidade de Cornell, foi desenvolvido outro estudo sobre a biblioteca do futuro (TANCHEVA et al., 2016). As bibliotecas devem intervir em diferentes pontos do ciclo de vida da investigação, porque a investigação é muito mais do que encontrar e avaliar fontes de conhecimento, o que era anteriormente o foco tradicional das iniciativas de literacia da informação. A investigação é sobre fazer perguntas, sintetizar ideias e resolver problemas de forma criativa (GESSNER et al., 2017). O impacto da tecnologia na ciência é particularmente relevante em questões de personalização. A biblioteca do futuro assenta na interseção entre personalização e colaboração, como apoio às esferas sobrepostas do processo de investigação, das redes académicas e da autogestão (TANCHEVA et al., 2016). A biblioteca do futuro deve ser um hub académico e uma loja de aplicações - intervindo num processo de investigação permanente, fluido, interconectado e idiossincrático - que permita uma investigação altamente personalizável.

34 Um excelente exemplo do desenvolvimento destas ideias tem sido o campo das Humanidades Digitais, no qual as bibliotecas reinventaram o seu papel custodial, permitindo a transformação tecnológica da investigação e a criação de novas perspetivas e interpretações (HARTSELL-GUNDY, BRAUNSTEIN e GOLOMBG, 2015; WHITE e GILBERT, 2016; KAMPOSIORI, 2017). Outro exemplo são os sistemas RIM (RESEARCH INFORMATION MANAGEMENT) ou CRIS (CURRENT RESEARCH INFORMATION SYSTEM). Estas ferramentas visam agregar, preservar e permitir o uso de informações sobre a investigação, com uma estreita relação com a biblioteca, uma vez que a RIM cruza-se com muitos aspetos dos serviços tradicionais de biblioteca na descoberta, na aquisição, na disseminação e na análise de atividades académicas, e fá-lo através da ligação com sistemas de dados institucionais, fluxos de trabalho de professores e parceiros institucionais (BRYANT et al., 2017). Estes sistemas recolhem dados sobre a investigação ao invés de dados gerados pela investigação, promovendo a curadoria institucional do registo académico institucional (BRYANT et al., 2017). Um estudo recente e global sobre a RIM também destaca o papel interoperável das bibliotecas e dos repositórios institucionais geridos atualmente. Os participantes no estudo enfatizaram que as interações da biblioteca estão frequentemente relacionadas com a responsabilidade da biblioteca por um ou mais repositórios de comunicação académica e sublinharam o aumento da sobreposição de práticas e fluxos de trabalho entre os sistemas RIM, anteriormente isolados, e os sistemas de repositório (BRYANT et al., 2018).

35 No que toca à sustentabilidade das bibliotecas de investigação, a sua integração no ciclo de vida da investigação garante uma forte participação na transformação que se deseja operar com a Ciência Aberta. Apesar da falta de visibilidade, as bibliotecas inteligentes devem esforçar-se por concretizar essa intervenção. Uma biblioteca inteligente não é aquela que possui a tecnologia mais atualizada. É a biblioteca que utiliza a tecnologia para responder de forma oportuna e eficaz às mudanças que estão a ocorrer no seio da universidade (JOHNSON, 2017). Três requisitos são essenciais para as bibliotecas: a capacidade de transformar os recursos que as bibliotecas disponibilizam; a colaboração, para melhorar a forma como os recursos de informação são disponibilizados; a visibilidade da biblioteca, num contexto de concorrência interna devido aos escassos recursos disponíveis (JOHNSON, 2017).

36 Como consequência, há uma mudança cultural do conceito de apoio, ou de colaboração, para o conceito de parceria. As bibliotecas devem ser corresponsáveis pelos elementos criativos, trabalhando com a comunidade de investigadores. Para ser uma biblioteca de investigação, esta deve estar integrada em questões e em processos de investigação (KINGSLEY, 2017). Essa criatividade foi aplicada na Ciência Aberta, na qual as bibliotecas procuraram assumir papéis de liderança para quebrar e abrir todo o ciclo de investigação. Embora o monopólio da informação e a propriedade das coleções tenham sido, em parte, perdidos, é hora de se assumir a responsabilidade pela preservação dos objetos digitais espalhados nos servidores dos editores comerciais. Esse movimento deve gerar, não apenas o acesso aberto que uma parte da comunidade exige, mas também uma coleção coletiva, partilhada e aberta. No fundo, existe um enorme problema com materiais públicos ou em acesso aberto na web: todos confiam neles, mas ninguém quer assumir a responsabilidade de geri-los e preservá-los (LYNCH, 2017). Em suma, esse futuro envolve uma mudança das bibliotecas, que antes adquiriam conteúdos para os seus utilizadores locais, para uma direção em que as bibliotecas selecionam e partilham a investigação produzida na sua instituição com o resto do mundo (CONFEDERATION OF OPEN ACCESS REPOSITORIES, 2017).

37 Outros autores referem-se à biblioteca como fornecedora, parceira e pioneira. Este é um período de transição para as bibliotecas no seu relacionamento com os investigadores e com o processo de investigação. Muitas bibliotecas estão a deixar de ser prestadoras de serviços, assumindo um papel ativo como parceiras de investigação e pioneiras de novos processos e de novas plataformas. Esta situação é intencional e as bibliotecas procuram formas de promover essa transição através da criação de espaços, equipas e recursos dedicados à investigação digital, como catalisadores para uma maior colaboração (GREENHALL, 2019).

38 Um estudo do Reino Unido sobre bibliotecas do ensino superior questiona se a dinâmica colaborativa entre serviços e investigadores resultará num processo de erosão da identidade das próprias bibliotecas (PINFIELD, COX e RUTTER, 2017). O estudo internacional sobre investigadores em início de carreira, coordenado por David Nicholas (CIBER Research Group), não traz boas notícias para as bibliotecas (NICHOLAS et al., 2017). Os resultados mostram que a situação é mais preocupante para as bibliotecas, pois os seus serviços parecem ter perdido toda a visibilidade. Muitos investigadores em início de carreira não visitam a biblioteca há anos e consideram-na, principalmente, como local de trabalho para os estudantes de graduação. Tal como nas plataformas dos editores, o Google suplantou os seus sistemas de descoberta. Para piorar, os repositórios institucionais também não são populares (NICHOLAS, 2016).

39 Entre essa falta de relevância e a sua zona de conforto, os bibliotecários têm um conjunto reduzido de opções. Os bibliotecários integrados representam uma profunda mudança conceptual, pois pretendem adotar uma postura ativa em relação às comunidades e às organizações que servem (CARLSON e KNEALE, 2011; SHUMAKER, 2012). É, portanto, urgente redefinir os perfis profissionais, a formação fornecida, bem como o reconhecimento profissional dessas novas competências e dos novos papéis que derivam do perfil tradicional (BREWERTON, 2012). Vários autores enfatizaram que os bibliotecários devem desenvolver competências de investigação para reconhecer as dificuldades dos investigadores. O maior património dos bibliotecários é a sua capacidade de aprender, evoluir e experimentar as competências de investigação (BERG e BANKS, 2016). Este avanço poderia facilitar a imersão em questões de investigação, tanto na publicação científica quanto na cocriação, com a participação ativa de bibliotecários, em parceria com os investigadores (BORREGO, ARDANUY e URBANO, 2018).

Conclusão

40 Em resumo, numa dinâmica convergente, as bibliotecas de investigação e o movimento da Ciência Aberta são, em última análise, dois lados da mesma moeda - o desenvolvimento da ciência - e ambos pugnam por isso.

41 Foi observado o lugar presente das bibliotecas de investigação, reconhecendo-se os problemas inerentes à perda do monopólio da informação e à natureza difusa das tecnologias digitais. Essa confluência fornece um futuro aberto para as relações entre investigadores e bibliotecas, mas é condicionada pela erosão dos espaços físicos e simbólicos das bibliotecas no seio das suas instituições. Os novos papéis emergentes são, fundamentalmente, uma resposta à perda de notoriedade - a biblioteca deixou de ser o coração das instituições de investigação - e uma tentativa de (re)ocupar esses espaços, expandindo o portefólio de serviços, incluindo a saída das zonas de conforto, isto é, dos espaços sistémicos tradicionalmente ocupados pelas bibliotecas.

42 Essa expansão também conduz ao posicionamento das bibliotecas como parte essencial da contínua abertura da ciência, uma vez que muitos dos novos papéis e serviços emergentes pretendem colaborar nesse processo, defendendo os princípios e valores básicos que formam um discurso positivo sobre a Ciência Aberta (OGUNGBENI et al., 2016).

43 Assim, pode-se dizer que a abertura da ciência também é uma tarefa das bibliotecas de investigação, principalmente porque há uma exigência global por maior colaboração e maior transparência entre todos os participantes do sistema. Ao mesmo tempo, essa abertura também está a mudar profundamente as bibliotecas, porque estas, colaborando ativamente nesse processo de transformação, acabam igualmente por se transformar.

44 É importante sublinhar que entre o futuro, os novos papéis e a abertura da ciência, as bibliotecas de investigação parecem recusar a importância retórica da dimensão física das suas coleções e dos seus serviços e, pelo contrário, procuram compreender o processo de investigação, almejar o estabelecimento de parcerias e colaborar ativamente na produção e na disseminação da ciência, penetrando no seu âmago de forma integrada. As bibliotecas reclamam a participação em todas as etapas do ciclo de vida da investigação e, consequentemente, são consideradas um elemento decisivo para o desenvolvimento da ciência, renovando-se, desta forma, um compromisso com muitos anos de história.

Bibliographie

2ND GLOBAL RESEARCH LIBRARY 2020 - Paving the Way for a Collaborative Global Research Environment: Outcomes of GRL2020 Europe [Em linha]. Pisa, Italy : GRL2020, 2008 [Consult. 21 jan. 2018]. Disponível em WWW:<URL:http://www.grl2020.net/uploads/GRL2020_Europe_Post_event_Report.pdf>.

ANGLADA, Lluís - ¿Son las bibliotecas sostenibles en un mundo de información libre, digital y en red? El profesional de la información. 23:6 (2014) 603–611.

ATKINSON, Jeremy - Academic Libraries and Research Support: An Overview. Em ATKINSON, JEREMY (Ed.) - Quality and the Academic Library Reviewing, Assessing and Enhancing Service Provision. Amsterdam : Elsevier, 2016. ISBN 978-0-12-802105-7. p. 135–141.

BARTLING, Sönke; FRIESIKE, Sascha (EDS.) - Opening Science: The Evolving Guide on How the Internet is Changing Research, Collaboration and Scholarly Publishing [Em linha]. Cham : Springer, 2014 [Consult. 15 jan. 2018]. Disponível em WWW:<URL:10.1007/978-3-319-00026-8>. ISBN 978-3-319-00026-8.

BERG, Selinda A.; BANKS, Michelle - Beyond Competencies: Naming Librarians’ Capacity for Research. The Journal of Academic Librarianship. ISSN 0099-1333. 2016). doi: 10.1016/j.acalib.2016.06.002.

BORGES, Maria Manuel - Reflexos da Tecnologia Digital no Processo de Comunicação da Ciência. Em VICENTINI JORENTE, MARIA JOSÉ; ILANES PADRÓN, DUNIA (Eds.) - Una Mirada a la ciencia de la información desde los nuevos contextos paradigmáticos de la posmodernidad. Marília : Oficina Universitária, 2017. ISBN 978-85-7983-904-7. p. 179–196.

BORGMAN, Christine L. - The Invisible Library: Paradox of the Global Information Infrastructure. Library Trends. 51:4 (2003) 652–674.

BORGMAN, Christine L. - Scholarship in the digital age: information, infrastructure, and the Internet. Cambridge, Massachusetts : The MIT Press, 2007. ISBN 978-0-262-02619-2.

BORREGO, Ángel; ARDANUY, Jordi; URBANO, Cristóbal - Librarians as Research Partners: Their Contribution to the Scholarly Endeavour Beyond Library and Information Science. The Journal of Academic Librarianship. ISSN 0099-1333. 2018). doi: 10.1016/j.acalib.2018.07.012.

BREWERTON, Antony - Re-Skilling for Research: Investigating the Needs of Researchers and How Library Staff Can Best Support Them. New Review of Academic Librarianship. 18:1 (2012) 96–110. doi: 10.1080/13614533.2012.665718.

BRYANT, Rebecca et al. - Research Information Management: Defining RIM and the Library’s Role [Em linha]. Dublin, Ohio : OCLC, 2017 Disponível em WWW:<URL:10.25333/C3NK88>. ISBN 978-1-55653-031-9.

BRYANT, Rebecca et al. - Practices and Patterns in Research Information Management: Findings from a Global Survey [Em linha]. Dublin, OH : OCLC Research, 2018 Disponível em WWW:<URL:https://doi.org/10.25333/BGFG-D241>.

CARLSON, Jake; KNEALE, Ruth - Embedded librarianship in the research context: Navigating new waters. College & Research Libraries News. 72:3 (2011) 167–170.

CASE, Mary M. - Partners in Knowledge Creation: An Expanded Role for Research Libraries in the Digital Future. Journal of library administration. 48:2 (2008) 141–156. doi: http://dx.doi.org/10.1080/01930820802231336.

CONFEDERATION OF OPEN ACCESS REPOSITORIES - Next Generation Repositories: Behaviours and Technical Recommendations of the COAR Next Generation Repositories Working Group [Em linha]. Göttingen, Germany : COAR, 2017 Disponível em WWW:<URL:https://www.coar-repositories.org/files/NGR-Technical-Recommendations-Nov-28-2017-1.pdf>.

CORRALL, Sheila - Designing Libraries for Research Collaboration in the Network World: An Exploratory Study. Liber Quarterly. 24:1 (2014) 17–48.

COX, John - Communicating New Library Roles to Enable Digital Scholarship: A Review Article. New Review of Academic Librarianship. 22:2–3 (2016) 132–147. doi: 10.1080/13614533.2016.1181665.

DAVID, Paul A. - The Historical Origins of «Open Science»: An Essay on Patronage, Reputation and Common Agency Contracting in the Scientific Revolution. Capitalism and Society. 3:2008) article 5. doi: 10.2202/1932-0213.1040.

DEMPSEY, Lorcan - Library Collections in the Life of the User: Two Directions. Liber Quarterly. 26:4 (2017) 338–359. doi: http://doi.org/10.18352/lq.10170.

DEWEY, Barbara I. - Transforming Research Libraries for the Global Knowledge Society. Oxford : Chandos, 2010. ISBN 978-1-84334-594-7.

EARNSHAW, Rae; VINCE, John (EDS.) - Digital Convergence – Libraries of the Future. London : Springer-Verlag, 2008. ISBN 978-1-84628-903-3.

GARVEY, William D. - Communication: the essence of science: facilitating information exchange among librarians, scientists, engineers and students. Oxford : Pergamon Press, 1979. ISBN 0-08-022254-4.

GESSNER, Gabriela Castro et al. - The Research Lifecycle and the Future of Research Libraries: A Library of Apps. Em At the Helm: Leading Transformation: The Proceedings of the ACRL 2017 Conference [Em linha]. Chicago : ACRL, 2017 Disponível em WWW:<URL:http://www.ala.org/acrl/sites/ala.org.acrl/files/content/conferences/confsandpreconfs/2017/TheResearchLifecycleandtheFutureofResearchLibraries.pdf>. ISBN 978-0-8389-8928-9

GOLD, Anna - Cyberinfrastructure, Data, and Libraries, Part 2: Libraries and the Data Challenge: Roles and Actions for Libraries. D-Lib Magazine. 13:9–10 (2007). doi: 10.1045/july20september-gold-pt2.

GREENHALL, Matt - Digital scholarship and the role of the Research Library: the results of the RLUK digital scholarship survey [Em linha]. London : RLUK, 2019 Disponível em WWW:<URL:https://www.rluk.ac.uk/wp-content/uploads/2019/07/RLUK-Digital-Scholarship-report-July-2019.pdf>.

GRIFFIN, Stephen - New Roles for Libraries in Supporting Data-Intensive Research and Advancing Scholarly Communication. International Journal of Humanities and Arts Computing. ISSN 1753-8548. 7:supplement (2013) 59–71. doi: 10.3366/ijhac.2013.0060.

GUÉDON, Jean-Claude - Open access: a symptom and a promise. Em JACOBS, NEIL (Ed.) - Open Access: Key Strategic, Technical and Economic Aspects. Oxford : Chandos, 2006. ISBN 978 1 84334 203 8. p. 27–38.

HARRIS, Siân - Moving towards an open access future: the role of academic libraries [Em linha]. [Thousand Oaks, California] : Sage, 2012 Disponível em WWW:<URL:https://studysites.uk.sagepub.com/repository/binaries/pdf/Library-OAReport.pdf>.

HARTSELL-GUNDY, Arianne; BRAUNSTEIN, Laura; GOLOMB, Liorah (Eds.) - Digital humanities in the library : challenges and opportunities for subject specialists. [Chicago] : The Association of College & Research Libraries, 2015. ISBN 978-0-8389-8768-1.

HEIDORN, P. Bryan - The Emerging Role of Libraries in Data Curation and E-science. Journal of Library Administration. 51:7–8 (2011) 662–672. doi: ttp://dx.doi.org/10.1080/01930826.2011.601269.

HOFFMAN, Starr - Dynamic Research Support for Academic Libraries. London : Facet, 2016. ISBN 978-1-78330-049-5.

INSTITUTE-WIDE TASK FORCE ON THE FUTURE OF LIBRARIES - Preliminary Report [Em linha]. Boston : Massachusetts Institute of Technology, 2016 [Consult. 15 jan. 2018]. Disponível em WWW:<URL:https://future-of-libraries.mit.edu/sites/default/files/FutureLibraries-PrelimReport-Final.pdf>.

JOHNSON, Ian M. - The intelligent university library: Developing a more comprehensive option for the researcher. Information Development. 33:2 (2017) 219–223. doi: 10.1177/0266666916688383.

KAMPOSIORI, Christina - The role of Research Libraries in the creation, archiving, curation, and preservation of tools for the Digital Humanities RLUK Report. [Em linha]. London : RLUK, 2017 Disponível em WWW:<URL:http://www.rluk.ac.uk/wp-content/uploads/2017/07/Digital-Humanities-report-Jul-17.pdf>.

KINGSLEY, Danny - “Become part of the research process” – observations from RLUK2017Unlocking Research [Blog Post], 30 Mar. 2017. Disponível em WWW:<URL:https://unlockingresearch-blog.lib.cam.ac.uk/?p=1384>.

KOLTAY, Tibor - Are you ready? Tasks and roles for academic libraries in supporting Research 2.0. New Library World. 117:1–2 (2016) 94–104. doi: http://dx.doi.org/10.1108/NLW-09-2015-0062.

LANKES, R. David - Expect More: Demanding Better Libraries For Today’s Complex World [Em linha]. 2nd ed. ed. [EUA] : CreateSpace Independent Publishing Platform, 2016 Disponível em WWW:<URL:https://expectmorelibrary.info/wp-content/uploads/EMSecondEdition/ExpectMore2.pdf>. ISBN 978-1-5229-5780-5.

LIBER - LIBER Open Science Roadmap [Em linha]. [S.l.] : LIBER, 2018 Disponível em WWW:<URL:https://doi.org/10.5281/zenodo.1303002>.

LINCOLN, Yvonna S. - Research Libraries in the Twenty-First Century. Em SMART, JOHN C. (Ed.) - Higher Education: Handbook of Theory and Research [Em linha]. Dordrecht : Springer, 2010 Disponível em WWW:<URL:10.1007/978-90-481-8598-6_11>. ISBN 978-90-481-8598-6v. 25. p. 425–448.

LOUGEE, Wendy Pradt - Diffuse Libraries: Emergent Roles for the Research Library in the Digital Age [Em linha]. Washington, D.C : Council on Library and Information Resources, 2002 [Consult. 7 jan. 2018]. Disponível em WWW:<URL:http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.134.1096&rep=rep1&type=pdf>. ISBN 1-887334-93-9.

LOUGEE, Wendy Pradt - The diffuse library revisited: aligning the library as strategic asset. Library Hi Tech. 27:4 (2009) 610–623. doi: http://dx.doi.org/10.1108/07378830911007718.

LUCE, Richard E. - A New Value Equation Challenge: The Emergence of eResearch and Roles for Research Libraries. Em No brief candle : reconceiving research libraries for the 21st century [Em linha]. Washington, D.C. : Council on Library and Information Resources, 2008 Disponível em WWW:<URL:https://www.clir.org/wp-content/uploads/sites/6/pub142.pdf>. ISBN 978-1-932326-30-7. p. 42–50.

LYNCH, Clifford - Updating the Agenda for Academic Libraries and Scholarly Communications. College & Research Libraries. 78:2 (2017) 126–130. doi: 10.5860/crl.78.2.126.

MARCUM, Deanna B.; GEORGE, Gerald (Eds.) - The data deluge : can libraries cope with e-science? Santa Barbara, California : Libraries Unlimited, 2010. ISBN 978-1-59158-887-0.

MONROE-GULICK, Amalia; O’BRIEN, Megan S.; WHITE, Glen W. - Librarians as Partners: Moving from Research Supporters to Research Partners. Em ACRL 2013 Proceedings [Em linha]. Indianapolis, Indiana : ACRL, 2013 Disponível em WWW:<URL:http://www.ala.org/acrl/sites/ala.org.acrl/files/content/conferences/confsandpreconfs/2013/papers/GulickOBrienWhite_Librarians.pdf>.

NICHOLAS, David - Publish or perish thwarts young researchers’ urge to innovate. Research Europe. ISSN 1366-9885. 440 (2016) 7–8.

NICHOLAS, David et al. - Where and how early career researchers find scholarly information. Learned Publishing. ISSN 1741-4857. 2017) 1–11. doi: 10.1002/leap.1087.

NICHOLAS, David et al. - Early Career Researchers: the harbingers of change? Final report [Em linha]. [United Kingdom] : CIBER Research, 2018 Disponível em WWW:<URL:http://ciber-research.eu/download/20181218-Harbingers3_Final_Report-Nov2018.pdf>.

OGUNGBENI, John I. et al. - The roles of academic libraries in propagating open science: A qualitative literature review. Information Development. ISSN 0266-6669. 34:2 (2016) 113–121. doi: 10.1177/0266666916678444.

PINFIELD, Stephen; COX, Andrew M.; RUTTER, Sophie - Mapping the Future of Academic Libraries: A Report for SCONUL [Em linha]. London : Society of College, National & University Libraries, 2017 Disponível em WWW:<URL:https://sconul.ac.uk/sites/default/files/documents/SCONUL%20Report%20Mapping%20the%20Future%20of%20Academic%20Libraries.pdf>.

RESEARCH INFORMATION NETWORK - Research support services in UK universities [Em linha]. [S.l.] : Research Information Network, 2010 Disponível em WWW:<URL:https://www.soas.ac.uk/careers/earlycareerresearchers/file69090.pdf>.

SHUMAKER, David - The embedded librarian : innovative strategies for taking knowledge where it’s needed. New Jersey : Information Today, 2012. ISBN 978-1-57387-452-6.

SMITH, Abby - The Research Library in the 21st Century: Collecting, Preserving, and Making Accessible Resources for Scholarship. Em No brief candle : reconceiving research libraries for the 21st century [Em linha]. Washington, D.C. : Council on Library and Information Resources, 2008 Disponível em WWW:<URL:https://www.clir.org/wp-content/uploads/sites/6/pub142.pdf>. ISBN 978-1-932326-30-7. p. 13–20.

SUBER, Peter - Praising progress, preserving precision. SPARC Open Access Newsletter. 77:2004).

SUBER, Peter - Open access. Cambridge, Massachusetts : The MIT Press, 2012. ISBN 978-0-262-51763-8.

TANCHEVA, Kornelia et al. - A Day in the Life of a (Serious) Researcher: Envisioning the Future of the Research Library [Em linha]. New York : ITHAKA and Cornell University Library, 2016 Disponível em WWW:<URL:http://www.sr.ithaka.org/wp-content/uploads/2016/03/SR_Report_Day_in_the_Life_Researcher030816.pdf>.

THE ROYAL SOCIETY - Science as an open enterprise The Royal Society Science Policy Centre report. [Em linha]. London : The Royal Society, 2012 [Consult. 15 jan. 2018]. Disponível em WWW:<URL:https://royalsociety.org/~/media/policy/projects/sape/2012-06-20-saoe.pdf>. ISBN 978-0-85403-962-3.

VANDEGRIFT, Micah - Designing Digital Scholarship Ecologies. LIS Scholarship Archive Preprints. 2018. doi: 10.17605/OSF.IO/93ZVB.

VAUGHAN, K. T. L. et al. - Development of the research lifecycle model for library services. Journal of the Medical Library Association. ISSN 1536-5050. 101:4 (2013) 310–314. doi: 10.3163/1536-5050.101.4.013.

WHITE, John W.; GILBERT, Heather (EDS.) - Laying the foundation : digital humanities in academic libraries Charleston insights in library, archival, and information sciences. West Lafayette, Indiana : Purdue University Press, 2016. ISBN 978-1-55753-739-3.

WORKING GROUP ON EDUCATION AND SKILLS UNDER OPEN SCIENCE - Providing researchers with the skills and competencies they need to practise Open Science: Open Science Skills Working Group Report [Em linha]. Luxembourg : Publications Office of the European Union, 2017 Disponível em WWW:<URL:10.2777/121253>. ISBN 978-92-79-69742-5.

Auteur

Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras, Centro de Estudos Clássicos, Portugal

jrevez@campus.ul.pt

© Publicações do Cidehus, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search