Version classiqueVersion mobile

Bibliotecas Universitárias: diálogos transatlânticos

 | 
Luiza Baptista Melo
, 
Tatiana Sanches

Livros acadêmicos brasileiros em acesso aberto

Contribuição de Portugal para sua internacionalização

Nanci Oddone et Cláudio França

Résumé

O artigo examina indicadores de internacionalização da coleção de 171 livros digitais do selo Cultura Acadêmica publicada pela UNESP em acesso aberto e disponibilizadas na plataforma SciELO Livros. O objetivo da pesquisa centrou-se em mensurar o impacto internacional da coleção com base nas citações estrangeiras que essas obras receberam. Os autores procederam a um estudo de caráter descritivo, com abordagem quantitativa, tomando como fonte o Google Scholar (GS). A coleta dos dados fez uso do software Publish or Perish, aplicativo que compila citações de documentos indexados no GS. Os resultados demonstraram que a coleção de livros digitais publicados pela Cultura Acadêmica alcançou 136 citações de autores estrangeiros, 50% deles provenientes de Portugal. As áreas do conhecimento que atraíram maior número de citações foram as Ciências Humanas e Sociais. Verificou-se ainda que sua condição de recurso de informação em acesso aberto enseja a maior visibilidade dessa coleção pela comunidade científica internacional. Os autores concluem que, para garantir maior circulação internacional dos livros brasileiros algumas estratégias editoriais devem ser alteradas.

Texte intégral

Introdução

1 Além de ser um importante elemento estratégico para o planejamento e a avaliação das políticas científicas em diferentes instituições e agências, a questão da internacionalização da ciência no Brasil vem despertando o interesse de muitos pesquisadores, por conta das diversas oportunidades que representa. No passado considerava-se que a pesquisa colaborativa realizada através de parcerias entre pesquisadores de países desenvolvidos e de países em vias de desenvolvimento era o ápice dos processos de internacionalização, pois garantia o acesso a recursos e a incorporação de práticas de pesquisa mais avançadas. Todavia, conforme destacado por Santin (2013), ainda que a colaboração entre pares permaneça sendo um fator decisivo na internacionalização da ciência, o conceito não se reduz a essa prática.

2No contexto da ciência aberta e dos processos de globalização econômica e cultural em que as barreiras espaço-temporais se diluem ensejando modos transformadores de interação e comunicação, a grande maioria dos pesquisadores têm se posicionado favoravelmente em relação ao compartilhamento e à disponibilização de seus dados, procedimentos e resultados. Nesta perspectiva, a literatura aponta outros indicadores que poderiam ser adotados para mensurar o grau de internacionalização da atividade científica. Na década de 1980, por exemplo, Zsindely, Schubert e Braun (1982) destacavam a necessidade de adotar critérios quantitativos ‒ número de artigos publicados, periódicos, autores e citações ‒ para avaliar a produção científica de um país. Gazni e Ghaseminik (2016), por sua vez, salientam que o grande volume de dados disponíveis em repositórios, plataformas e bibliotecas digitais, junto ao contínuo aprimoramento das técnicas de representação desses recursos bibliográficos, vem contribuindo para promover pesquisas que se propõem a aferir o grau de internacionalização da produção científica.

3 Acompanhando a evolução dos estudos sobre a internacionalização da ciência e da produção científica, no início do século XXI verificou-se um esforço da comunidade acadêmica iberoamericana no sentido de sistematizar estratégias e indicadores que permitissem identificar a dimensão internacional das atividades e publicações científicas da região, considerando suas particularidades e heterogeneidade. Entre outras recomendações, o Manual de Indicadores de Internacionalización de la Ciencia y la Tecnologia ‒ Manual de Santiago propunha mensurar o impacto internacional dos produtos editoriais da ciência a partir de três dimensões: a) projeção internacional, pela natureza dos canais e veículos de circulação utilizados; b) a autoria/coautoria, pela diversidade nacional dos autores; e c) visibilidade internacional, pelas citações recebidas de outras publicações internacionais (RED, 2007).

4 A despeito da amplitude daquela proposta, é preciso reconhecer que os artigos científicos e os periódicos, sobretudo após sua transição para o meio digital, continuaram sendo as publicações científicas privilegiadas para esses estudos sobre internacionalização, como revelam as pesquisas de Zsindely, Schubert e Braun (1982), Wormell (1998), Ren e Rousseau (2002), Gazni e Ghaseminik (2016) e Santin, Vanz e Stumpf (2016), entre várias outras. A preferência pelos periódicos em detrimento de outros meios de comunicação tem origem histórica, já que desde o século XVII, quando surgiram os primeiros títulos, o periódico consolidou-se como o principal veículo de divulgação das teorias e inovações científicas. Tal condição potencializou-se no ambiente virtual, em razão da versatilidade e da facilidade de acesso proporcionada pelos artefatos digitais (MUELLER, 2003). A rápida adesão dos editores acadêmicos ao formato eletrônico ensejou também maior acesso a índices de citação, à medida que, em quantidades crescentes, o conteúdo dos periódicos foi indexado em bases referenciais como Web of Science e Scopus, possibilitando a geração de indicadores de impacto baseados nas citações recebidas.

5Não obstante parcela considerável da avaliação da produção científica estar limitada aos periódicos científicos, em algumas áreas do conhecimento, especialmente no âmbito das Artes, Humanidades e Ciências Sociais, os livros ocupam posição proeminente como veículos de disseminação dos resultados de pesquisa. Segundo Gimenez-Toledo, Mañana-Rodríguez e Tejada-Artigas, portanto, a avaliação dos livros constitui uma tarefa pendente, exigida pelos pesquisadores dessas disciplinas, pois “não cuidar d[os livros] significa marginalizá-los” (2015, p. 706).

6Até recentemente, no entanto, observava-se a completa ausência de livros em bases de dados que fornecem indicadores bibliométricos e os poucos sistemas emergentes de avaliação de livros eram desenvolvidos por agências de fomento, em grande parte governamentais, cuja maior preocupação era avaliar a produção nacional, mais do que propriamente observar o impacto dos livros (TORRES-SALINAS, ROBINSON-GARCIA e GORRAIZ, 2017). Outras iniciativas de avaliação do desempenho dos livros acadêmicos em termos nacionais e internacionais surgiram através de grupos de pesquisa interessados em compreender a dinâmica social do livro e seu papel no processo de comunicação científica.

7Foi assim que nos últimos anos se intensificou a discussão em torno da necessidade de acompanhar o impacto acadêmico, cultural e social do livro enquanto instrumento de difusão do conhecimento. Nesse contexto, dois instrumentos formais, concebidos especificamente para fornecer indicadores e métricas para livros, foram divulgados: o Book Citation Index (BKCI), lançado em 2011 sob o comando da editora Thomson Reuters e integrante da base Web of Science e, em 2013, o Books Expansion Project, produzido pela editora Elsevier e integrado à base bibliográfica Scopus. Essas inovações, associadas às iniciativas de instituições e grupos de pesquisa e a outras possibilidades de monitoramento criadas pela web, alargaram bastante o quadro de recursos para a avaliação de livros, fazendo surgir indicadores que, embora ainda incipientes, tendem ao crescimento e à consolidação.

8Entre essas novas ferramentas, uma perspectiva inovadora para os estudos de citação de livros evidenciou-se desde a consolidação do Google Scholar (GS), uma plataforma que recupera uma ampla variedade de fontes de informação, capturando suas métricas e relações. O crescimento vertiginoso das publicações digitais, por outro lado, têm ampliado o alcance do GS como base de dados bibliográficos, expandindo o uso de seus múltiplos serviços. No ano de 2011, por exemplo, o GS disponibilizou uma funcionalidade para calcular as citações recebidas pelos documentos indexados, gerando uma revolução nos sistemas de acesso à informação científica e afetando positivamente as disciplinas cujos hábitos de publicação não se constroem somente a partir dos periódicos científicos (ORDUÑA-MALEA et al., 2016). Como resultado, a literatura tem registrado um aumento nas pesquisas que adotam a análise de citações com base em dados produzidos pelo GS. No entanto, são reduzidos os estudos que tomam como objeto de análise os livros digitais e eletrônicos (LDEs) e se propõem a investigar sua visibilidade internacional a partir das citações recebidas de obras estrangeiras.

9Embora tenham-se inserido na rotina de estudantes, pesquisadores e leitores em geral de forma mais morosa do que se esperava, os LDEs se popularizaram e tiveram seu uso potencializado pelas mesmas razões que consolidaram o periódico eletrônico como fonte fundamental para acesso à informação científica: versatilidade e facilidade de acesso. Todavia, ao contrário dos periódicos, para os quais podem ser obtidos índices de citação gerados por procedimentos quantitativos automatizados, a avaliação de livros tem se construído majoritariamente a partir de variáveis de cunho qualitativo, com base na análise das características editoriais das obras e de seu conteúdo (GIMENEZ-TOLEDO, MAÑANA-RODRÍGUEZ e TEJADA-ARTIGAS, 2015), o que torna difícil a verificação do impacto internacional dessas publicações.

10No âmbito nacional, investigações dessa natureza parecem oportunas e pertinentes, visto que nas últimas décadas o Brasil vem experimentando um substancial crescimento em sua produção científica (CROSS; THOMSON; SIBCLAIR, 2018). A expansão dos investimentos públicos em ciência, tecnologia e inovação (CT&I) durante os primeiros dez anos do século XXI, além do acelerado ritmo das inovações na comunicação científica, em grande parte propiciadas pelo contínuo engajamento social no mundo digital, viabilizaram maior circulação e intercâmbio dos resultados das pesquisas nacionais. De forma particular, embora ainda não represente um diferencial significativo para o setor, os LDEs têm contribuído para a variedade da produção acadêmica brasileira, à proporção que as editoras universitárias investem em modelos de negócio que privilegiam o acesso aberto como elemento inovador no processo editorial (DOURADO e ODDONE, 2013).

11Nesse mesmo período, uma tendência editorial que surgiu na Europa e ganhou impulso no cenário internacional propondo a edição de livros digitais com pequenas tiragens ou impressão sob demanda (ADEMA, 2010), ganhou a aderência de instituições da América Latina e do Caribe, em especial das editoras universitárias, muitas das quais subvencionadas por recursos públicos e sem o objetivo precípuo de lucro. Desde então diferentes editoras, públicas e privadas, engajaram-se nesse movimento, resultando no aumento das obras publicadas com licenças alternativas. Percebe-se, nesse contexto, que a opção pelo acesso aberto transcende a questão ideológica, atendendo igualmente à necessidade pragmática de expandir a circulação e a difusão do conhecimento.

12Um expressivo exemplo dessa mudança cultural foi o surgimento da Scientific Eletronic Library On-line (SciELO) Livros. Criada em 2012 com a finalidade de “reagir à crise enfrentada pelo mercado de livros tradicionais frente aos avanços tecnológicos e ao livro digital” (DOURADO e ODDONE, 2012, p. 3), a SciELO Livros garantiu a colaboração inicial de três grandes editoras universitárias nacionais para disponibilizar livros acadêmicos em acesso aberto. Atualmente a plataforma oferece acesso integral a mais de 900 títulos, publicados por cerca de trinta editoras. Recentemente, visando difundir seu acervo e facilitar a recuperação internacional das obras que hospeda, a SciELO Books ampliou sua parceria com o Diretório de Livros em Acesso Aberto (DOAB) para integrar a Rede de Plataformas de Confiança, que reúne ainda a OAPEN Library, a OpenEdition e o Projeto MUSE, inserindo a SciELO Livros no fluxo global da comunicação científica (DOAB, 2021). A indexação dos títulos em bases estrangeiras como o GS e o DOAB é um mecanismo reconhecidamente relevante na difusão internacional das obras.

13Diante da crescente popularidade e disponibilidade dos LDEs publicados no Brasil, parece ainda mais urgente a ideia de avaliar a produção científica brasileira em termos quantitativos. Por esta razão, o presente estudo propôs-se a avaliar o impacto internacional da coleção de LDEs publicada pelo selo Cultura Acadêmica da Editora da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (UNESP). O objetivo principal consistiu em calcular as citações recebidas por essa coleção de livros em trabalhos publicados em outros países, mapeando as áreas do conhecimento em que essas obras atraíram maior número de citações e identificando a distribuição das citações por idioma.

Metodologia

14 De caráter descritivo e abordagem quantitativa, o estudo teve como universo empírico a coleção de LDEs publicada pela editora da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) sob o selo Cultura Acadêmica. O corpus constituiu-se pelos 171 títulos disponíveis em acesso aberto que integravam o acervo do SciELO Livros em dezembro de 2017. A coleção encontrava-se também disponível em plataforma própria da Editora da UNESP.

15A escolha de tal editora, em detrimento das demais, decorreu dos seguintes critérios: a) representatividade da coleção, baseada na quantidade de títulos disponíveis de forma integral; b) caráter multidisciplinar da coleção, apresentando títulos de todas as áreas do conhecimento; c) situação da UNESP como cofundadora da plataforma SciELO Livros juntamente com as editoras da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Universidade Federal da Bahia (UFBA); e d) disponibilidade de livros publicados exclusivamente no formato digital, isto é, sem opção pela versão impressa, ao contrário de outras coleções que compunham a plataforma SciELO Livros.

16Como o objetivo do estudo estava voltado para o impacto dos LDEs, os dados de citação analisados envolveram apenas este formato. Foram considerados os documentos citantes a partir de 2012, data da disponibilização da coleção na plataforma SciELO Livros. Para obter os dados de citação utilizou-se o software Publish or Perish, recurso que permitiu mapear as citações recebidas por documentos indexados no GS. Realizadas na segunda semana de dezembro de 2017, as consultas ao GS tomaram por base o título do livro e o nome do(s) autor(es), a fim de alcançar o máximo de precisão. Após identificar a obra e a quantidade de citações recebidas, procedeu-se à conferência e à tabulação dos dados para detectar a proporção de citações nacionais e as possíveis ocorrências em obras estrangeiras. Para aplicação desse critério foram consideradas obras estrangeiras aquelas escritas em outro idioma que não o português, e/ou aquelas que apresentavam um indicador de país no seu endereço de localização, comumente chamado Uniform Resource Locator (URL). Adicionalmente, além da quantidade de citações procedentes de obras estrangeiras, observou-se também, na perspectiva das dimensões elencadas pelo Manual de Santiago (RED, 2007), a incidência de colaboração internacional no que tange à autoria e/ou coautoria.

Resultados e Discussão

17 Não obstante o objetivo principal do presente estudo fosse mapear a quantidade de citações recebidas por uma coleção de LDEs em trabalhos publicados no exterior, buscou-se inicialmente verificar a quantidade total de citações recebidas, independentemente do local de publicação e do idioma. Nesse cenário introdutório, consideraram-se tanto as citações locais como as estrangeiras. Os resultados evidenciaram que, do universo de 171 títulos, 76% receberam ao menos uma citação desde sua publicação em formato digital. Embora esse percentual pareça representativo, verifica-se que a média de citações por obra é reduzida e poucos títulos apresentaram alto número de citações. Nesse sentido, somente 29 (22%) dos 171 títulos receberam 20 ou mais citações. Considerando a dispersão temática das obras cuja quantidade de citações foi superior a 20, verificou-se o panorama apresentado na Tabela 1, organizada por áreas do conhecimento. A classificação de áreas adotada seguiu a estrutura da plataforma SciELO Livros.

Tabela 1 – Livros por área do conhecimento com citações ≥ 20

ÁREA DO CONHECIMENTO

PORCENTAGEM DE CITAÇÕES RECEBIDAS

Tecnologia e Engenharias

10,34%

Ciências Sociais Aplicadas

17,24%

Ciências Humanas

55,18%

Artes, Linguagem e Literatura

6,89%

Ciências da Saúde

10,34%

18Fonte: Dados da pesquisa, dezembro/2017

19Demonstrando a predominância de citações a obras de Ciências Humanas, os dados da Tabela 1 vão ao encontro das evidências encontradas por Velho (1997), Hicks (2004), Mueller (2005) e Gimenez-Toledo, Tejada-Artigas e Mañana-Rodriguez (2013), no sentido de que pesquisadores das Ciências Humanas e Sociais publicam e citam mais livros e capítulos de livros do que artigos publicados em revistas científicas.

20Examinando as citações para avaliar o impacto internacional, os resultados comprovaram que 40,76% (53) dos títulos receberam citações por parte de publicações de outros países, totalizando 136 citações. Ainda que o percentual de obras citadas tenha sido significativo, a média de citações por livro foi reduzida, ou seja, inferior a três. Visando observar a visibilidade das obras citadas em países não lusofalantes, perscrutou-se a origem das citações estrangeiras, analisando o idioma e o local de publicação do documento citante. Os dados obtidos encontram-se sumarizados no gráfico a seguir.

Gráfico 1 ‒ Distribuição de citações estrangeiras por idioma (N=136)

Gráfico 1 ‒ Distribuição de citações estrangeiras por idioma (N=136)

Fonte: Dados da pesquisa, dezembro/2017

21Conquanto as citações provenientes de idiomas que não o português, quando somadas, tenham apresentado percentual similar àquelas publicadas em português oriundas de Portugal, tornou-se evidente que estas últimas, em números absolutos, constituem as principais fontes citantes da coleção de livros digitais do selo Cultura Acadêmica da UNESP no período estudado. A tomar as citações como inferências da internacionalização das edições brasileiras, depreende-se que a maior visibilidade das obras ocorre em uma nação lusofalante.

22Conjecturou-se oportuno investigar também a prática da autocitação, uma vez que, se recorrente, poderia reduzir o impacto internacional da produção nacional publicada em livros. Constatou-se que, do total de citações estrangeiras identificadas, treze (9,55%) tiveram origem em outras publicações dos próprios autores, o que parece um índice aceitável, já que por vezes os autores se valem de suas próprias obras para a construção do referencial teórico.

23Ao examinar a temática dos livros brasileiros que obtiveram citações estrangeiras verificou-se, como mencionado antes, que a maior incidência ocorreu entre obras das Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, caracterizando, mais uma vez, a importância de que se revestem os livros, inclusive no formato digital, para essas disciplinas. Os dados encontram-se sintetizados na Tabela 2.

Tabela 2 – Citações estrangeiras por tema da obra

ÁREA DO

CONHECIMENTO

TEMÁTICA DAS OBRAS

CITAÇÕES

Tecnologia e Engenharia

Design

3

Engenharia Civil

7

Ciências Sociais Aplicadas

Arquitetura

3

Ciência da Informação

7

Comunicação Social

7

Direito

3

Economia

4

Ciências Humanas

Antropologia

4

Educação

31

Geografia

6

História

7

Política

3

Psicologia

25

Sociologia

4

Artes, Letras e Linguagem

Crítica Literária

4

Linguística

8

Música

3

Ciências da Saúde

Ciências Médicas

7

Total

136

Fonte: Dados da pesquisa, dezembro/2017

24Na perspectiva da colaboração internacional por meio de autoria ou coautoria, observou-se que toda a coleção de LDEs do selo Cultura Acadêmica da UNESP está publicada em português e é integrada por autores brasileiros, o que, de acordo com o Manual de Santiago, são fatores que dificultam a internacionalização (RED, 2007), já que a colaboração acadêmica e a construção coletiva do conhecimento entre comunidades de pesquisa e entre nações depende basicamente da interação linguística.

Considerações Finais

25No contexto da avaliação do impacto internacional dos livros científicos e acadêmicos editados no Brasil, o presente estudo buscou associar alguns novos atores que surgiram no cenário da comunicação científica, como os LDEs e o Google Scholar, para aferir estatisticamente a repercussão da coleção de livros digitais publicada pelo selo Cultura Acadêmica da Editora da UNESP, disponível na plataforma SciELO Livros no final de 2017. Embora indiquem reduzido número de citações provenientes de autores estrangeiros, os resultados revelam que a condição eletrônica e digital das obras possibilitou sua maior visibilidade por parte da comunidade científica internacional. Em relação à origem das citações estrangeiras, constatou-se que os pesquisadores portugueses foram o grupo que mais contribuiu para a internacionalização dessas publicações, confirmando a relevância da língua para o intercâmbio acadêmico.

26No que diz respeito aos padrões de comunicação científica que caracterizam as diferentes áreas do conhecimento, o presente estudo reiterou a noção de que o livro representa, senão a principal, uma das principais fontes de socialização de resultados nas Ciências Humanas e Sociais. Nessa perspectiva, recomenda-se investir em pesquisas futuras que permitam ampliar o mapeamento das citações aos LDEs, objetivando verificar que áreas do conhecimento mantêm um itinerário comum de livros citando livros, como também as redes de colaboração que podem vir a se estabelecer entre os autores e seus citantes.

27Neste sentido revela-se obrigatório ressaltar que, quando se pretende obter maior reconhecimento internacional para a produção científica nacional, há necessidade de adotar novas estratégias de publicação e de circulação dos produtos editoriais, a exemplo da edição em outros idiomas além do português, do estímulo à coautoria com pesquisadores estrangeiros e da coedição com editoras internacionais.

Bibliographie

ADEMA, J. - Overview of OA models for ebooks in the humanities and social sciences. Amsterdam: OAPEN, 2010. Disponível em: <https://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.177.4886&rep=rep1&type=pdf>. Acesso em: 12 jul. 2021.

CROSS, D; THOMSON, S.; SIBCLAIR, A. - Research in Brazil: a report for CAPES by Clarivate Analytics. Clarivate Analytics, 2018. Disponível em: <https://www.gov.br/capes/pt-br/centrais-de-conteudo/17012018-capes-incitesreport-final-pdf/@@download/file/17012018-capes-incitesreport-final.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2019.

DOAB partners with SciELO to further enhance publisher discoverability and simplify workflows - DOAB, 2021. Disponível em: <https://doabooks.org/en/doab/article/doab-partners-with-sci-elo-to-further-enhance-publisher-discoverability-and-simplify-workflows>. Acesso em: 24 jul. 2021.

DOURADO, S. M.; ODDONE, N. O livro digital como inovação editorial para a cadeia produtiva das editoras universitárias brasileiras. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 14., 2013, Florianópolis. Anais eletrônicos... Florianópolis: UFSC, 2013. Disponível em: <http://repositorios.questoesemrede.uff.br/repositorios/handle/123456789/2438>. Acesso em: 04 dez. 2017.

DOURADO, S. M.; ODDONE, N. - SciELO livros: inovação editorial para a comunicação em CT&I. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 13., 2012, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos... Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: <http://enancib.ibict.br/index.php/enancib/xiiienancib/paper/viewFile/3834/2957>. Acesso em: 04 dez. 2017.

GAZNI, A.; GHASEMINIK, Z. - Internationalization of scientific publishing over time: analysing publishers and fields differences. Learned Publishing, v. 29, n. 2, p. 103-111, 2016. Disponível em: <http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/leap.1018/pdf>. Acesso em: 10 dez. 2017.

GIMENEZ-TOLEDO, E.; TEJADA-ARTIGAS, C. M.; MAÑANA-RODRIGUEZ, J. - Evaluation of scientific books’ publishers in social sciences and humanities: results of a survey. Research Evaluation, v. 22, n. 1, p. 64-77, 2013. Disponível em: <https://academic.oup.com/rev/article-abstract/22/1/64/1603318>. Acesso em: 11 dez. 2017.

GIMENEZ-TOLEDO, E.; MAÑANA-RODRÍGUEZ, J.; TEJADA-ARTIGAS, C. M. - Revisión de iniciativas nacionales e internacionales sobre evaluación de libros y editoriales. EPI, v. 24, n. 6, p. 705-716, 2015. Disponivel: <http://www.elprofesionaldelainformacion.com/contenidos/2015/nov/02_esp.pdf>. Acesso em: 14 dez. 2017.

HICKS, D. - The four literatures of social Science. In: MOED, H. (Org.). Handbook of quantitative science and technology research. Dordrecht: Springer, 2004. p. 473-496. Disponível em: <http://yunus.hacettepe.edu.tr/~tonta/courses/spring2011/bby704/Handbook%20of%20Quantitative%20Science%20and%20Technology%20Research.pdf#page=467>. Acesso em: 25 abr. 2018.

MUELLER, S. P. M. O periódico científico. In: CAMPELLO, B. S; CENDÓN, B. V.; KREMER, J. M. (Orgs.). Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte, UFMG, 2003. p. 73-96.

MUELLER, S. P. M. - A publicação da ciência: áreas científicas e seus canais preferenciais. Datagramazero, v. 6, n. 1, p. 1-13, 2005. Disponível em: <http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/980/2/ARTIGO_PublicacaoCiencia.pdf>. Acesso em: 23 maio 2018.

ORDUÑA-MALEA, E. et al. - La revolución Google Scholar. Destapando la caja de Pandora académica. Granada: Universidad de Granada y Unión de Editoriales Universitarias de España, 2016. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/309741937_La_revolucion_Google_Scholar_Destapando_la_caja_de_Pandora_academica>. Acesso em: 20 maio 2018.

RED IBEROAMERICANA DE INDICADORES EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA – RICyT. - Manual de indicadores de internacionalización de la ciencia y la tecnología (Manual de Santiago). Buenos Aires, 2007. Disponível em: <http://www.ricyt.org/wp-content/uploads/2010/08/manual_santiago-es.pdf>. Acesso em: 24 jul. 2021.

REN, S.; ROUSSEAU, R. - International visibility of Chinese scientific journals. Scientometrics, v. 53, n. 3, p. 389-405, 2002. Disponível em: <https://link.springer.com/article/10.1023/A:1014877130166>. Acesso em: 21 dez. 2017.

SANTIN, D. M. - Internacionalização da produção científica em ciências biológicas da UFRGS: 2000-2011. 2013. 148 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013. Disponível em: <https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/88902>. Acesso em: 21 dez. 2017.

SANTIN, D. M.; VANZ, S. A. S.; STUMPF, I. R. C. - Internacionalização da produção científica brasileira: políticas, estratégias e medidas de avaliação. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 13, n. 30, p. 81-100, jan./abr. 2016. Disponível em: <https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/151494/001011711.pdf?sequence=1>. Acesso em: 21 jul. 2021.

TORRES-SALINAS, D.; ROBINSON-GARCIA, N.; GORRAIZ, J. - Filling the citation gap: measuring the multidimensional impacto of the academic book at institutional level with PlumX. Scientometrics, v. 113, n. 3, p. 1371-1384, 2017. Disponível em: <https://arxiv.org/ftp/arxiv/papers/1710/1710.00368.pdf>. Acesso em: 11 abr. 2018.

VELHO, L. - A ciência e seu público. Transinformação, v. 9, n. 3, p. 15-32, 1997. Disponível em: <http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/1575/1547>. Acesso em: 20 ago. 2018.

WORMELL, I. - Informetria: explorando bases de dados como instrumentos de análise. Ciência da Informação, v. 27, n. 2, p. 210-216, 1998. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/805/836>. Acesso em: 20 ago. 2018.

ZSINDELY, S.; SCHUBERT, A.; BRAUN, T. - Editorial gatekeeping patterns in international science journals. A new science indicator. Scientometrics, v. 4, n. 1, p. 57-68, 1982. Disponível em: <https://link.springer.com/article/10.1007/BF02098006 >. Acesso em: 12 dez. 2017.

Table des illustrations

Titre Gráfico 1 ‒ Distribuição de citações estrangeiras por idioma (N=136)
Crédits Fonte: Dados da pesquisa, dezembro/2017
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/16639/img-1.png
Fichier image/png, 9,9k

Auteurs

Dra. em Ciência da Informação (IBICT/UFRJ)

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO, Brasil)

neoddone@gmail.com

Mestre em Biblioteconomia (PPGB/UNIRIO)

Universidade Federal do Espírito Santo (UFES, Brasil)

claudio.franca.one@gmail.com

© Publicações do Cidehus, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search