Version classiqueVersion mobile

Bibliotecas Universitárias: diálogos transatlânticos

 | 
Luiza Baptista Melo
, 
Tatiana Sanches

As tecnologias para as bibliotecas universitárias

Indicadores e instrumento de avaliação

Deise Lourenço de Jesus et Murilo Bastos da Cunha

Résumé

As possibilidades em relação a uma biblioteca no futuro já são discutidas há algumas décadas. A evolução tecnológica tem efeito direto na sobrevivência e evolução das bibliotecas universitárias que estão inseridas num ambiente, que por natureza costuma ser pioneiro no desenvolvimento tecnológico, as universidades.
Neste estudo serão apresentadas as tendências tecnológicas para as bibliotecas encontradas na literatura sobre o tema, que, dessa forma, poderão servir de instrumento para proposição de métricas que mensurem o nível tecnológico de bibliotecas universitárias.
Após pesquisa dessas tendências, são apresentados em um questionário de mensuração, os aspectos escolhidos que buscam avaliar esse panorama e verificar em que medida as bibliotecas universitárias estão se adaptando às novas tecnologias e quais inovações estão sendo apresentadas a seus usuários. Esses critérios foram baseados no documento da Association of College & Research Libraries (ACRL): Standards for Libraries in Higher Education (Padrões para bibliotecas no ensino superior).

Texte intégral

Talvez o maior impulso em tentar prever e planejar o futuro venha da combinação de ter novas ferramentas com as quais fazê-lo e a crescente realização que cada inovação tecnológica e social tem repercussões que se espalham com uma onda através das complexas interligadas seções da sociedade

Ward Madden

Introdução

1Na atualidade, a biblioteca digital já está presente em grande parte das bibliotecas que se tornaram híbridas. Na literatura da área, o nível tecnológico não é abordado com a devida frequência e a relevância requeridas para a temática. Em um futuro incerto, tanto para o setor quanto para os profissionais da área, faz-se relevante estudar quais são as tendências e o que está sendo feito para que as bibliotecas possam interagir com essa geração. O mundo contemporâneo encontra-se totalmente globalizado, conectado, com serviços e acesso remoto, inteligência artificial, interação, participação ativa do usuário, entre outras mudanças que vêm acompanhando o início do século XXI e são irreversíveis. A mudança de plataforma citada por O’Reilly (2005), quando a internet estourou a bolha e se transformava a cada dia, vem adentrando na rotina da biblioteca e afetando o modo de se fazer e disponibilizar informação.

2Nesse sentido, as bibliotecas também passam por essas mudanças. Impulsionadas por novas tecnologias que mudam os hábitos da sociedade, as bibliotecas precisam se adaptar para sobreviver. É importante acompanhar as tendências que prometem modificar o jeito de se “ver e viver” a biblioteca.

3Um documento publicado pela Universidade Arup de Londres (2015) destaca que as bibliotecas estão passando por uma fase de renascimento tanto em termos de infraestrutura quanto em diversificação de serviços. O documento (Arup University 2015) apresenta aspectos, que segundo os autores, remetem as características fundamentais que as bibliotecas necessitam ter num futuro próximo. Dentre esses aspectos, está o fato de que a biblioteca precisa encorajar as pessoas a voltarem a utilizar seu espaço físico, e isso só será possível por meio da integração de diversos serviços, entre eles, os makerspaces. O documento ressalta ainda que apesar dessa tendência, a busca por mudança não é uma realidade em todo o mundo. Não existe uma uniformidade entre as regiões, países e contextos.

4Especialmente com relação às bibliotecas universitárias, Fernandez (2017) cita três tendências que juntas representam grande parte das inovações relacionadas a educação que podem influenciar diretamente as BU, são os Massive Open Online Courses (MOOC), aprendizado ao longo da vida e o aprendizado informal ganhando espaço dentro do aprendizado formal. Os MOOC são plataformas que oferecem uma variedade de cursos e tem possibilitado à população de modo geral, não somente aos universitários, acesso ao conhecimento e formação profissional em praticamente todas as áreas do conhecimento. O aprendizado ao longo da vida é em parte uma consequência dessa disponibilização de conhecimento online que permite aos adultos continuar seus estudos e aprofundar conhecimentos em diversas áreas, não somente na sua área de formação. O aprendizado informal remete a outras fontes de conhecimento que os estudantes utilizam para auxiliar o aprendizado dentro da universidade. Essas tendências precisam ser incorporadas pelas bibliotecas universitárias, pois já estão dentro das universidades e fazem parte da realidade de alunos e corpo docente. Ser uma ponte entre essas fontes e o usuário é um dos papéis das bibliotecas que querem se adaptar às novas tecnologias.

5Um estudo conduzido por Catalano et al. (2018) buscou identificar as principais tendências para as bibliotecas universitárias no Século XXI e analisar quais BU dos Estados Unidos adotaram ou estão propensas a adotar as mudanças observadas pelo estudo, analisando fatores que possam caracterizar quais bibliotecas mais investem nessas tecnologias, como a biblioteca ser pública ou privada, grande ou pequeno porte, número de bibliotecários e orçamento disponível.

6Catalano et al. (2018, p. 7) chegaram a um conjunto de tendências para as bibliotecas universitárias observadas na revisão de literatura: conhecimento digital (incluindo repositórios institucionais), serviços de gestão de dados, makerspaces, literacia informacional, equipe inovadora com ênfase em tecnologia ou serviços digitais, envolvimento com recursos de acesso aberto (por exemplo, curadoria de recursos educacionais abertos por meio de um Libguide), colaboração com outros departamentos, serviços de referência inovadores, altmetria e o uso de mídia social.

7De acordo com os autores é possível observar como a tecnologia e a colaboração ditam os rumos da biblioteca num futuro próximo. A partir das tendências observadas, os autores verificaram quais bibliotecas estão adotando ou mais aptas a adotar as tecnologias elencadas como sendo primordiais para as bibliotecas universitárias do século XXI.

8É essencial investigar o estudo das tendências, para verificar a adaptação às novas tecnologias e quais inovações estão sendo apresentadas a seus usuários.

9Este trabalho fundamentou-se nos critérios do documento da Association of College & Research Libraries (ACRL, 2018): Standards for Libraries in Higher Education (Padrões para bibliotecas no ensino superior). Lançado em fevereiro de 2018, o documento atualiza a versão anterior de 2011, e busca apresentar aspectos gerais, não apenas tecnológicos, no que concerne às bibliotecas universitárias; e trazem nove princípios que, segundo o comitê elaborador, servem para avaliar uma biblioteca universitária. Dessa forma, a presente pesquisa se baseia nos nove princípios para formar os eixos principais do questionário, e a partir de cada um dos nove itens propostos pela ACRL, será feita uma revisão de literatura a fim de trazer o foco tecnológico para cada um dos princípios propostos. São eles: efetividade institucional; valores profissionais; papel educacional; descoberta; coleções; espaço; administração/gerência/liderança; recursos humanos; relações externas.

Efetividade institucional (Institutional Effectiveness)

10Esse princípio busca descobrir se os objetivos da biblioteca estão harmonizados com os da instituição e o que a biblioteca faz para alinhar suas ações a fim de ajudar a instituição a alcançar seus objetivos. Ele procura também saber o quanto a biblioteca está envolvida em ações externas, inerentes à sua missão, tais como: recrutamento de novos alunos, permanência, sucesso acadêmico e tempo de conclusão. Como resultado dessas ações, o documento da ACRL (2018) propõe, por exemplo, que o estudante que frequenta a biblioteca melhora seu desempenho acadêmico.

11Com base nesse princípio, Alcântara e Bernardino (2013, p. 3) defendem a biblioteca universitária como um local que deve extrapolar suas características tradicionais, muitas vezes conservadoras, estáticas, de simples armazenadora da informação para agir em conjunto com a instituição, a fim de atingir objetivos maiores e ampliar seu alcance.

12Dessa forma, a biblioteca exerce um papel de extrema relevância para a instituição e corrobora com o desenvolvimento e melhoria da educação e do desempenho acadêmico de seus estudantes. As autoras frisam também que, ao atuar conjuntamente com a instituição, a biblioteca não é um setor autônomo e sim dependente de um setor maior, a universidade e, nesse caso, pode e deve receber influências externas e internas. Todos esses fatores ampliam o leque de atuação da biblioteca e a colocam em uma posição de influência e poder na universidade, capaz de atuar ativamente na atividade-fim da instituição, que é o ensino, a pesquisa e, em alguns casos, a extensão.

13Em relação ao foco tecnológico do princípio da efetividade institucional, faz-se importante saber se a BU busca, de alguma forma, uma participação ativa nas atividades e rotina da instituição como um todo, participando de reuniões, propondo soluções, apresentando estudos e pesquisas e utilizando a expertise de seus profissionais especializados em situações específicas. É importante saber também se a biblioteca tem acompanhado o avanço tecnológico que a universidade tem adotado, procurando estar atualizado com as novas ferramentas, sistemas ou tecnologias relacionadas ao ensino e ao funcionamento que a organização possa estar adotando.

Valores profissionais (Professional Values)

14Em relação a esse princípio, a ACRL (2018) determina que a biblioteca deve promover valores e princípios de respeito aos profissionais, direitos autorais e propriedade intelectual, além de prestar um serviço centrado no usuário. Esse último aspecto é alvo de muita discussão em relação à evolução das bibliotecas. Estar focada na necessidade do usuário é determinante não só para o sucesso da BU quanto para a sua sobrevivência.

15Pundsack (2016) apresenta, com essa nova perspectiva, uma possível mudança de paradigma em relação ao olhar do usuário. A autora defende que, nos últimos anos, esse conceito mudou, deixando de ser a percepção de como o usuário se encaixa na biblioteca para o contrário: como a biblioteca se encaixa na vida do usuário. É importante observar as necessidades informacionais físicas e digitais desse usuário e projetar a biblioteca no sentido de atender a essas necessidades. É uma atividade de empoderamento do usuário, trazendo-o para um ambiente em que ele se sinta dono das ferramentas e saiba como utilizar e se sentir à vontade com elas.

16Nesse sentido, uma das principais ferramentas que pode auxiliar a biblioteca nessa mudança de foco, centrada na pessoa é o estudo de usuário. Os primeiros estudos de usuário realizados datam dos anos 1940 nos Estados Unidos. Segundo Figueiredo (1994), esses estudos servem para descobrir as suas necessidades informacionais ou ainda se os serviços prestados pela biblioteca estão suficientemente adequados. Esses estudos rapidamente se expandiram pelas bibliotecas do país e trouxeram uma mudança de pensamento nos bibliotecários. Para Figueiredo (1994, p. 7), uma alteração de atitude em relação aos usuários, isto é, no começo dos estudos, eles eram passivos: «aguardava-se que os usuários aparecessem e soubessem como fazer uso da Informação disponível. A mudança foi no sentido de a biblioteca torna-se mais ativa».

17Em complemento, Profitt, Michalko e Renspie (2015, p. 8) apontam como uma biblioteca pode focar seus esforços em adotar uma política centrada no usuário para se manter atual e sobreviver em um mundo cada vez mais conectado, a saber:

  • Observe com os olhos bem abertos, entrevistar os usuários pode ser uma das melhores fontes de novas informações sobre como desenhar a experiência com a biblioteca;

  • Planeje com um propósito. Observe como a biblioteca pode adicionar valor às vidas dos usuários; e,

  • Veja o mundo diferente. Por meio de mapeamento de usuários, o espaço e os serviços da biblioteca podem ser vistos pelos olhos dos usuários.

18Ainda em relação aos valores profissionais, outro ponto que a ACRL considera essencial nesse princípio é a defesa dos valores, principalmente os relacionados aos direitos autorais. É necessário que a biblioteca tome a frente e oriente seus usuários nesse quesito, buscando promover a importância do respeito aos direitos intelectuais, patrimoniais e, ainda nesse sentido, defender também a confidencialidade e a privacidade de seus usuários.

19A questão dos direitos autorais no Brasil sempre foi um assunto polêmico. Segundo Targino (2016), os setores de ensino e pesquisa se sentem prejudicados por uma Lei (BRASIL, Lei n. 9.610/1998) altamente restritiva e ultrapassada, visto que em outros países, o direito autoral não proíbe a digitalização ou fotocópia para fins de estudos e preservação. O autor cita o caso europeu que, no ano de 2014, aprovou, por meio do Tribunal de Justiça da União Europeia, que os direitos autorais pudessem ser flexibilizados em prol do compartilhamento do conhecimento.

20A questão não é desrespeitar o trabalho do autor, mas entender que existem diversos mecanismos para difundir a informação e que os usuários são adeptos dessas formas também. Como alternativa para o problema das leis superprotetoras surgiu o Creative Commons, uma licença que pode ser preenchida online, na qual o autor especifica exatamente qual o tipo de restrição, bem como de liberação que ele quer impor à divulgação e ao acesso a seu trabalho.

21Como reconhecimento do papel da biblioteca em relação ao compromisso em dispor acesso ao conhecimento, Targino (2016, p. 1) cita Portugal, que criou uma liberação específica para órgãos que lidam diretamente com a informação:

Sobre a reprodução, o Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos português considera lícitas, mesmo sem o consentimento do autor, a cópia, no todo ou em parte, de uma obra que tenha sido previamente tornada acessível ao público, desde que tal reprodução seja realizada por uma biblioteca pública, um arquivo público, um museu público, um centro de documentação não comercial ou uma instituição científica ou de ensino, e que essa reprodução e o respectivo número de exemplares não se destinem ao público, se limitem às necessidades das atividades próprias dessas instituições e não tenham por objetivo a obtenção de uma vantagem econômica ou comercial, direta ou indireta, incluindo os atos de reprodução necessários à preservação e arquivo de quaisquer obras.

22Isso mostra o compromisso e a responsabilidade atribuídos às bibliotecas, que devem prezar pelos direitos autorais ao mesmo tempo que também possuem um compromisso com seus usuários em disponibilizar a informação.

Papel educacional (Educational Role)

23O papel educacional exercido pela biblioteca se reflete principalmente no letramento em informação. Trata-se de um assunto que vem ganhando espaço no contexto da Ciência da Informação e passa pela discussão das tecnologias que surgem a cada dia e que podem auxiliar as bibliotecas a exercerem esse papel educador.

24O letramento em informação é o principal método de ação que a biblioteca tem quando procura exercer um papel ativo e educador na instituição. Alguns entraves ainda são encontrados nesse sentido, uma vez que a biblioteca é uma instituição historicamente tradicional e independente, seus profissionais sentem dificuldade em criarem uma conexão mais próxima dos objetivos da universidade, muitas vezes renunciando a sua independência. Dudziak (2001) afirma que o que acaba acontecendo em muitos dos casos é a biblioteca simplesmente mudar o nome de suas atividades para algo mais contemporâneo, que acompanhe o pensamento da sociedade, do que efetivamente exercer essas atividades de maneira atual, centrada no usuário e com foco em trabalho conjunto.

25Soma-se a esses fatores o papel exercido pelo bibliotecário. Mesmo que dentro de sua formação ele tenha sido formado com potencial para ser educador, grande parte das instituições não entende o profissional nesse contexto de ensino. Para Dudziak (2001, p. 115), «em geral, admite-se que as coleções de biblioteca são essenciais para a formação do estudante, mas a necessidade de se educar para ter o ‘domínio da Informação’ fica muitas vezes em segundo plano».

26Ottonicar, Silva e Belluzzo (2018) citam a questão do letramento em informação sob a ótica da competência em informação, denominada pelas autoras de CoInfo. Elas destacam que a nova Agenda para 2030, assinada por países de todo o mundo, prevê como um de seus princípios básicos a competência em informação e a aprendizagem ao longo da vida para a formação de cidadãos críticos e conscientes da sua necessidade informacional: «sob essa perspectiva, ressalta-se que o desenvolvimento de competências que permitam o uso consciente, criativo e benéfico da informação tornou-se essencial para a atuação do indivíduo no contexto social contemporâneo» (Ottonicar; Silva; Belluzzo, 2018, p. 26).

27Aprender a aprender, como as autoras denominam o letramento em informação, é um pré-requisito da sociedade atual para o desenvolvimento de estudantes e, posteriormente, de cidadãos críticos e reflexivos, capazes de sanar suas necessidades de forma eficaz e independente. Nesse sentido, Benavente (1996) defende que os níveis de letramento de uma população não estão diretamente relacionados ao nível de escolaridade dessa população. Por isso, muitos países como o Canadá, França e Estados Unidos notaram um certo analfabetismo funcional mesmo em comunidades com alto nível de escolaridade: «começou-se assim a falar de um novo tipo de analfabetismo afetando a população que, apesar das taxas e dos anos de escolarização, evidencia incapacidades de domínio da leitura, da escrita e do cálculo, vendo por isso, diminuída a sua participação na vida social» (Benavente, 1996, p. 4).

28Benavente (1996) também procura definir o letramento como sendo as capacidades de processamento de informação escrita na vida cotidiana. Ou seja, em uma interpretação de Lopes (2011, p. 3) às palavras de Benavente (1996) sobre a definição de letramento, «não se trata de saber o que é que as pessoas aprenderam ou não, mas sim de saber o que é que, em situações da vida, as pessoas são capazes de usar». Com base nesse contexto infere-se que o letramento em informação é fundamental para o bom desenvolvimento da educação, pressupondo-se aquela como sendo requisito essencial para possibilitar uma aprendizagem ao longo da vida de maneira eficiente. É nesse sentido que a biblioteca, por meio do bibliotecário, deve exercer um papel de liderança, uma vez que grande parte do letramento requerido aos estudantes remete ao âmbito da busca por conhecimento e informação. Saber utilizar as ferramentas necessárias e estar a par das tecnologias educacionais e informacionais é um princípio fundamental para que a biblioteca insira seus estudantes em um caminho de independência e sucesso acadêmico.

Descoberta (Discovery)

29Dentre os princípios propostos, a «descoberta» possivelmente é o que apresenta o maior potencial em relação ao foco tecnológico, pois procura determinar em que medida a biblioteca investe e utiliza tecnologias que podem melhorar o funcionamento e os serviços da biblioteca. A seguir são apresentados alguns fatores que influenciam diretamente a descoberta como indicador de nível tecnológico para as bibliotecas universitárias.

Software de gerenciamento

30Marshall Breeding, um importante especialista no assunto, fez um relatório em 2017 com um panorama dos software de gerenciamento integrados mais utilizados nos Estados Unidos. Breeding (2017) relata que é visível uma mudança, principalmente nas bibliotecas universitárias, em relação ao que se pretende de um software de gerenciamento integrado de bibliotecas. Sistemas robustos que combinem várias tecnologias e plataformas são a nova tendência entre as BU americanas. Um exemplo, citado por Breeding (2017), é a parceria entre a Ex Libris, uma empresa de software de bibliotecas tradicionais, e ProQuest, uma empresa que fornece acesso a conteúdo científico online. Juntas, elas estão trabalhando para que suas tecnologias funcionem de forma integrada nas bibliotecas em um sistema multiplataforma, capaz de armazenar registros e documentos de formatos variados, em uma combinação de biblioteca digital e biblioteca tradicional. Para o autor, sistemas que forneçam esse tipo de suporte multivariado têm as maiores chances de sobreviver à próxima onda de inovações tecnológicas nas bibliotecas.

31 Café, Santos e Macedo (2001) propõem um método de escolha de software para automação de bibliotecas que apontam para os seguintes critérios: características gerais do software; ergonomia; tecnologia (hardware, compatibilidade e rede); seleção e aquisição; processamento técnico; circulação; recuperação da informação; disseminação da informação; processo gerencial; e, características da empresa fornecedora. Embora o artigo tenha sido elaborado em 2001, muitos dos aspectos propostos pelos autores se mostram bastante relevantes ainda no contexto atual. Com certas adaptações, é possível utilizar critérios de tecnologia, processamento técnico, circulação, recuperação da informação e disseminação da informação em uma avaliação de nível tecnológico. A tecnologia, além dos indicadores propostos pelos autores, precisa ser avaliada de acordo com as possibilidades que a internet oferece, em relação a acesso de conteúdos digitais, armazenamento de formatos variados de conteúdo e possibilidade de acesso remoto. Já o processamento técnico deve prever também novos códigos de catalogação que caminham em direção à ontologia e à inteligência artificial, tal como o RDA e o FRBR. A parte de circulação e disseminação da informação deve aderir às ferramentas da web 2.0 e propiciar ao usuário apreciar, compartilhar, comentar, sugerir, postar, ou seja, interagir com o sistema e com outros usuários. E a recuperação da informação deve se adaptar, na medida do possível, à linguagem da internet também, já dentro do conceito de «ontologias», uma inteligência artificial que seja capaz de entender a necessidade do usuário mesmo em contextos mais complexos.

Web 2.0

32Desde o surgimento da web 2.0 em 2004, muito se vem discutindo sobre o potencial dessas ferramentas em bibliotecas não só universitárias, mas também nos demais tipos de biblioteca. Isfandyari-Moghaddam e Hosseini-Shoar (2014) abordam a questão da importância de uma biblioteca aderir às ferramentas da web 2.0 na realização de suas atividades rotineiras. Contudo, para que isso aconteça, é necessário o reconhecimento do quanto essas ferramentas podem ser benéficas à biblioteca. Dentre esses benefícios estão a participação dos usuários em discussões virtuais e a aproximação desses com os bibliotecários de referência, o que pode resultar em um atendimento muito mais eficaz, em que o usuário recebe a informação desejada com mais precisão. Os autores defendem uma integração entre as ferramentas da web 2.0 e os serviços prestados pela biblioteca.

33Analisando outros estudos sobre a área, os autores reuniram alguns dos principais usos que as bibliotecas estão fazendo da web 2.0: compartilhando notícias de interesse da biblioteca ou da instituição, divulgando seus serviços, promovendo o letramento em informação, disponibilizando informações sobre materiais impressos e digitais e solicitando um feedback dos usuários. Eles concluem que a visão geral sobre a web 2.0 possibilita uma interpretação otimista das bibliotecas que se mantêm atualizadas com as tecnologias sociais.

  • 1 RSS: Rich Site Summary ou Really Simple Sindication é uma tecnologia que permite notificar automati (...)

34Boateng e Liu (2014) conduziram um estudo nas principais bibliotecas americanas a fim de desenvolver um panorama da situação no país e chegaram à conclusão de que as ferramentas mais utilizadas, no escopo da pesquisa, são: RSS1, blogue, wiki, podcast/vodcast, mensagens instantâneas, social bookmarking e redes sociais.

35 É mportante ressaltar que muito já se discute sobre a evolução das webs. Soni e Panjwani (2021) explicam a evolução das web, explicando que o início da era da conectividade pode ser chamada de web 0.0, os anos iniciais com uso de linguagens estáticas como o HTML. A web 1.0 se baseava em visualizações e links e durou até o ano 2000. A web 2.0 é sobre participação, a web social, onde produzir e colaborar fortalecia a interação, seu marco temporal é de 2000 a 2010. A web 3.0 é sobre conectar pessoas a aparelhos e vice-versa, conhecida como internet das coisas. A web 4.0 caracterizada como era da inteligência artificial, uma web que complementa a anterior, adicionando mais inteligência às conexões e interações, os autores indicam essa web perdurando de 2020 a 2030. Por fim, a web 5.0 será a web telepática, ou web simbiótica ou ainda web emocional. As máquinas irão se comunicar entre si e com os seres humanos, provavelmente alterando a forma de comunicação conhecida atualmente. Nota-se que apesar da evolução das web, o conceito agregado à evolução das bibliotecas ainda permanece muito conectado à colaboração e participação ativa dos usuários. É nesse sentido, que o questionário proposto para avaliar as bibliotecas busca analisar o uso das ferramentas da web 2.0 que tem como ideal o compartilhamento e interação, conceitos atemporais de extrema importância para o desenvolvimento das bibliotecas universitárias.

Coleções (Collections)

36Quanto às coleções, busca-se descobrir se as bibliotecas universitárias fornecem acesso às coleções em qualidade, profundidade, diversidade, formato e atualidade suficientes para dar suporte à pesquisa e ao ensino, de acordo com as missões da instituição. É um princípio relevante ao aspecto tecnológico, na medida em que as coleções universitárias são um dos fatores da BU que mais vem sofrendo alterações, principalmente nos últimos anos, sobretudo no que concerne ao livro digital e ao acesso a outras fontes de conhecimento, eletronicamente.

37Para uma coleção ser eficiente e eficaz, faz-se necessário um planejamento aprofundado das particularidades da instituição e da necessidade informacional de seus usuários. Para isso, uma política de desenvolvimento de coleções é o instrumento mais adequado para a formação dessa coleção, tanto física quanto digital. Para Costa e Vieira (2017, p. 4), o desenvolvimento de coleções digitais ainda não está exatamente estabelecido no Brasil nem na literatura, mas já é possível observar algumas iniciativas neste sentido pois «o livro, por sua vez, apresenta-se cada vez mais como tecnologia aprimorada e vem ganhando espaço no ambiente digital».

38Do ponto de vista tecnológico, o acervo digital é o maior desafio. Uma vez que a aquisição e manutenção desse acervo geralmente apresentam altos custos, esse tipo de tecnologia pode estar sendo preterido em relação ao livro físico. Nesse ponto, a avaliação tecnológica das coleções se faz relevante para determinar se a expectativa de baixo investimento corresponde à realidade das BU.

39Desta forma, é importante que a biblioteca utilize a coleção digital como um complemento da coleção física ampliando as possibilidades de acesso e a profundidade de conteúdo a seus usuários. Para tanto, é necessário um planejamento das aquisições das coleções tanto físicas quanto digitais e um controle orçamentário que possibilite tirar o melhor proveito das duas possibilidades.

Espaço (Space)

40O pensamento de uma biblioteca adaptada ao século XXI e suas tecnologias baseadas na rede mundial de computadores referenciado por Watson (2017) alerta para a educação informal e online como uma possível ameaça para as universidades e as próprias bibliotecas. Contudo, pode ocorrer o contrário: essa pode vir a ser uma grande oportunidade de crescimento e evolução do setor. Para o autor, a biblioteca pode contribuir fundamentalmente para o aprendizado. Para tanto, ela deve proporcionar experiências, pois, conforme defende Watson (2017), a educação deve ser estimulante e proporcionar experiências positivas. Portanto, cabe à biblioteca proporcionar vivências positivas em seus usuários. Assim, ela necessita adaptar seus espaços físicos, hoje concebidos como mausoléus, ou grandes espaços ruidosos com algumas salas silenciosas.

41Nesse sentido, o autor busca demonstrar como a noção do espaço que a biblioteca deve proporcionar aos usuários vem se alterando. É necessário, sim, manter espaços de estudos, mas é preciso, também, pensar em necessidades variadas e mais amplas e buscar uma conexão entre esses espaços, provendo uma experiência de aprendizagem diferenciada e estimulante aos usuários.

42 Outro autor a abordar a importância da mudança de concepção em relação ao espaço físico da biblioteca é Lippincott (2018). Em uma abordagem interessante e atual, a autora relembra que a grande «marca carimbada» da biblioteca tradicional era o livro, mas que a evolução da tecnologia e a disponibilização online de uma grande variedade de conteúdos acabou alterando essa percepção em relação à biblioteca, pois seu espaço físico sempre foi concebido como um local de armazenamento de livros e estudo silencioso, tal noção vai se alterando à medida que os livros estão migrando para plataformas digitais mas o acesso à biblioteca não diminui. Ou seja, a biblioteca é e sempre foi, um espaço de interação social e atualmente a liberdade de utilização do espaço realocado dos livros transformou esse potencial da biblioteca em uma das suas principais atrações.

43Dessa forma, fica evidente que para os pesquisadores da área, a atual situação da biblioteca favorece o crescimento do acervo digital, em contraste com prédios centenários planejados com grande reserva de espaço para as coleções impressas. As bibliotecas veem surgir novas oportunidades de aproveitamento de espaço para facilitar a criação do conhecimento de forma colaborativa, sendo um agente de liderança e inovador nesse sentido. Essa reconfiguração proporciona que a biblioteca seja, na universidade, um grande laboratório de criação de conteúdo e conhecimento, não mais somente uma armazenadora desse conhecimento. Tal suposição já representa uma grande revolução no pensamento centenário que a biblioteca universitária tradicional carrega.

Administração/gerência/liderança (Management/Administration/Leadership)

44O princípio de administração, gerência e liderança reflete a capacidade que a equipa da biblioteca e seu responsável, o líder, tem para angariar recursos e promover ações que possibilitem à BU adoção de políticas eficientes de gestão.

45Em 2002, Heron, Powell e Young conduziram um estudo com líderes de biblioteca para determinar as habilidades requeridas a esses profissionais no século XXI. Os resultados mostraram que as características mais desejáveis foram: foco externo à instituição, capacidade de ser visionário, articulação, defesa eficiente ao representar a biblioteca, e flexibilidade.

46Os autores notaram também que muitas das atividades atribuídas a um gestor podem ser delegadas, mas que o conhecimento em inovação é indispensável para o líder da equipa: «ele ou ela não precisam ter conhecimento aprofundado de todas as áreas. O conhecimento em educação, tecnologia, teoria de ensino e aprendizagem para gerações mais jovens, entretanto, é importante» (Hernon; Powell; Young, 2002, p. 76). Os atributos de administração, agente de mudança, defesa da biblioteca e credibilidade também foram altamente avaliados na pesquisa. Dessa forma, vão se moldando os papéis de um gestor na biblioteca, que, muitas vezes, podem se confundir com os de líder. Da mesma forma, a questão tecnológica reflete diretamente no desenvolvimento das atividades desse gerente, principalmente quando do atributo de agente da mudança, muito frisado pelos autores discutidos, como um papel inerente ao administrador.

Recursos humanos (Personnel)

47Uma BU requer uma equipa especializada, com profissionais qualificados, uma vez que o público atendido é diferenciado e sedento por conhecimento em um nível mais exigente, pois é a partir desse conhecimento que se dará toda a sua qualificação profissional. É importante que a biblioteca mantenha seus funcionários capacitados periodicamente, pois a tecnologia avança em um ritmo que é muito mais favorável aos usuários do que aos profissionais, que precisam planejar meios de utilizar essa tecnologia.

48O’Connor, Smith e Afzal (2017) alertam para a liderança, que, segundo eles, é uma característica que deve estar presente entre profissionais de bibliotecas, mas é discutível se tal característica é inerente a determinadas personalidades ou pode ser ensinada. Os autores realizaram um estudo com profissionais da Austrália para determinar aquilo que um curso de especialização na área deveria ensinar, a fim de se aproximar o máximo possível das competências de um líder nato. Eles constataram que os profissionais desejavam um curso em que fosse possível o desenvolvimento dos seguintes tópicos: pensamento estratégico, agente de mudança, ser o líder dessa mudança, entender o impacto da mudança, gerenciamento estratégico de pessoas, desenvolvimento organizacional sendo capaz de planejar novas estruturas, como lidar com incertezas e mudanças constantes. Observaram ainda outros tópicos relativos ao pensamento crítico e empresarial, quais sejam: comunicação estratégica, políticas públicas, parcerias e colaboração, novos serviços e modelos e gestão de competências.

49A solução para essa necessidade em qualificação passa pelos próprios bibliotecários. Como sugerem Brown et al. (2017), a partir do momento em que uma equipa se profissionaliza, pode realizar treinamentos, estudos em grupo à distância e presencial, elaboração de guias e outras soluções para ajudar no desenvolvimento de mais profissionais.

50Fica, portanto, evidenciada a importância da qualificação tecnológica para os funcionários da biblioteca. É essencial que ferramentas e soluções sejam tópicos amigáveis e seguros para a equipa, e, assim, a cultura de motivação em aprendizado contínuo se desenvolve naturalmente nos profissionais.

Relações externas (External Relations)

51As relações externas exaltam o papel da biblioteca na promoção de seus serviços e produtos e o engajamento da comunidade externa com a BU da região, seja reconhecendo-a como parte importante da instituição, seja utilizando efetivamente seus serviços. Na atualidade, conforme crê a ACRL nos seus princípios, as relações externas bem desenvolvidas, possibilitam a comunidade se apropriar do sentimento de pertenta e ajudar no conceito de library advocacy da BU em situações diversas.

52Deale, ainda em 1958, já anunciava a importância da cooperação com a comunidade externa. O autor cita situações em que a biblioteca pode contribuir e ao mesmo tempo se beneficiar de uma relação aberta com a comunidade externa, principalmente ao colaborar com outras bibliotecas públicas, escolares e comunitárias próximas para somar esforços e coleções, ampliando o acesso ao conteúdo pelos seus usuários. Ou ainda, elaborar uma espécie de divisão entre os periódicos que, por muitas vezes, têm assinaturas de altos valores, distribuindo entre essas bibliotecas a aquisição dos periódicos e evitando duplicações desnecessárias. O autor também defende que a BU deve abrir suas portas a cidadãos comprometidos que busquem ampliar seus conhecimentos de maneira independente, consultando livros e outros materiais das BU. Concluindo, Deale (1958, p. 275) destaca «o efeito acumulativo das relações públicas e o prestígio e reputação obtidos por um indivíduo, instituição ou organização pela comunidade atendida».

53No que concerne ao nível tecnológico desse princípio, mostra-se relevante o estudo de Saunders (2015), o qual traça um panorama geral de questões subvalorizadas pelas bibliotecas e quais estratégias são utilizadas para melhorar o desempenho dessas questões. Nesse ponto, ela cita que as relações externas, reconhecidas como potenciais angariadoras de fundos para a biblioteca, e parcerias com membros da comunidade externa podem ser benéficos à biblioteca também em questões financeiras. Como estratégia nesse ponto, sugere-se uma análise SWOT, conhecido mecanismo da administração que avalia forças (strengths), fraquezas (weaknesses), oportunidades (opportunities) e ameaças (threats). Essa análise é capaz de avaliar pontos relevantes externos à biblioteca e que ainda assim podem influenciar diretamente em seu funcionamento e possibilitam identificar onde melhor se encaixam os usuários externos das BU, como ameaças, fraquezas, oportunidade ou força.

Instrumento de avaliação

54Na medida em que se busca identificar o nível de adoção de tecnologias pelas Bibliotecas Universitárias, espera-se obter um resultado geral que suscite em classificação por níveis, como consta na tabela 1.

Tabela 1 - Níveis de adoção de tecnologias na BU

Tabela 1 - Níveis de adoção de tecnologias na BU

Fonte: os autores

55A escolha do questionário como instrumento de coleta reflete as metas propostas pelo estudo, pois, como citam Cunha, Amaral e Dantas (2015, p. 246), o questionário pode diminuir a possibilidade de distorções: uma vez que não existe influência ou pressão do pesquisador, não há interação direta entre as partes. Além disso, trata-se de um instrumento de coleta que facilita a quantificação de dados sobre um determinado tema com um universo abrangente. Buscou-se formular perguntas que ajudassem a obter respostas em relação aos objetivos da pesquisa e cujas respostas possibilitassem mensurar a adoção de tecnologias nas bibliotecas baseada nos indicadores propostos. O questionário também foi pensado de maneira a não entediar ou causar reações negativas aos respondentes, por isso foi breve, mas extensível, na medida do possível, no intuito de aplicar todos os critérios que foram julgados pertinentes na pesquisa como mensuradores de nível tecnológico (tabela 2).

Tabela 2 – Pontuação por indicador

Tabela 2 – Pontuação por indicador

Fonte: os autores

56Cada pergunta possui entre duas a dez opções de resposta. Para cada resposta, existe uma pontuação específica. Ao final do questionário, a pontuação máxima que a BU pode obter é de 100 pontos, estabelecendo um alto nível de adoção de tecnologia na biblioteca.

57Assim, o questionário ficou definido como o apresentado no quadro 3.

Quadro 3 – Estrutura do questionário

Quadro 3 – Estrutura do questionário

58O questionário busca, então, sugerir as métricas para mensuração do nível de adoção de tecnologias nas bibliotecas universitárias. Como complemento aos resultados do questionário, poderiam ser realizadas entrevistas com pesquisadores da área que foquem seus trabalhos no aspecto tecnológico das bibliotecas, a fim de proporcionar um reforço qualificado em relação à interpretação dos resultados obtidos.

Limitações da pesquisa

59Notam-se dois possíveis limitadores para a pesquisa. Observado inicialmente no pré-teste, o primeiro diz respeito à possibilidade da falta de conhecimento em relação aos temas que estão sendo questionados no instrumento de coleta de dados por parte dos profissionais. E, em seguida, a possibilidade de novas tecnologias serem inseridas no cenário das bibliotecas universitárias que não foram cobertas pela pesquisa. Para a primeira dificuldade, foram ampliadas as explicações e exemplos acerca das tecnologias inquiridas. Na segunda, buscou-se utilizar indicadores aceites a nível mundial propostos por uma entidade coletiva de relevância no cenário das bibliotecas universitárias – ACRL, trazendo o foco dos indicadores propostos pela organização para o aspecto tecnológico.

Conclusões

60 De acordo com o que foi apresentado, espera-se que o questionário elaborado possa ser um instrumento de avaliação para bibliotecas universitárias, tanto para autoavaliação quanto para fins comparativos. As decisões que as bibliotecas estão tomando em relação ao seu futuro são determinantes para sua sobrevivência nesse contexto de mudança iminente. Os resultados apresentados pelas BU com o questionário podem servir para diagnosticar a situação tecnológica delas e auxiliar seus dirigentes na tomada de decisão sobre diversos aspectos, sobretudo os que remetem à evolução tecnológica.

Bibliographie

ALCÂNTARA, Francisca Lunara Cunha; BERNARDINO, Maria Cleide Rodrigues - O papel da biblioteca universitária como mediadora no processo de ensino-aprendizagem nas bibliotecas universitárias na cidade de Juazeiro do Norte - CE. Múltiplos olhares em ciência da informação, Belo Horizonte, 3:2 (2013). Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/2016/1288

ARUP UNIVERSITY. Future libraries: workshops summary and emerging insights. London: Arup University, 2015. Disponível em https://www.arup.com/perspectives/publications/research/section/future-libraries

ASSOCIATION OF COLLEGE & RESEARCH LIBRARIES (ACRL) – Standards for libraries in higher education. Chicago: ALA, 2018. Disponível em: http://www.ala.org/acrl/standards/standardslibraries

BENAVENTE, Ana (Coord.) - A literacia em Portugal: resultados de uma pesquisa extensiva e monográfica. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1996

BOATENG, Frank; LIU, Yan Quan - Web 2.0 applications’ usage and trends in top US academic libraries. Library Hi Tech, 32: 1 (2014), 120-138. Disponível em: https://doi.org/10.1108/LHT-07-2013-0093

BRASIL. Lei n° 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9610.htm

BREEDING, Marshall - Library systems report 2017. American Libraries, Chicago, 48:5, May (2017). Disponível em: https://americanlibrariesmagazine.org/wp-content/uploads/2017/04/0517-american-libraries-web.pdf

BROWN, Jennifer; CROCAMO, James Thomas; BIELSKAS, Amanda; VANTI, William B.; WILFONG, Krystie - Evolving skills for emerging technologies: a collaborative approach. Library Hi Tech, 35:3 (2017), 346-359. Disponível em: https://doi.org/10.1108/LHT-12-2016-0156

CAFÉ, Lígia; SANTOS, Christophe dos; MACEDO, Flávia - Proposta de um método para escolha de software de bibliotecas. Ciência da Informação, Brasília, 30:2, maio/ago. (2001), 70-79, Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v30n2/6213.pdf

CATALANO, Amy Jo et al. An analysis of academic libraries’ participation in 21st century lirary trends. Evidence Based Library and Information Practice, v. 13, n. 3, p. 4-16, 2018. Disponível em https://journals.library.ualberta.ca/eblip/index.php/EBLIP/article/view/29450/21916

COSTA, Fabíola da Silva; VIEIRA, David Vernon. - Formação e desenvolvimento de coleções digitais: uma breve revisão de literatura. In Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e, Documentação e Ciência da Informação, 27, Fortaleza. Anais... Fortaleza: Febab, (2017) v. 26, Disponível em: https://portal.febab.org.br/anais/article/view/1816

CUNHA, Murilo Bastos da; AMARAL, Sueli Angelica do; DANTAS, Edmundo Brandão - Manual de estudos de usuários de informação. São Paulo: Atlas, 2015.

CUNHA, Murilo Bastos; EIRÃO, Thiago Gomes - A atualidade e utilidade da disseminação seletiva da informação e da tecnologia RSS. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação 17: 33 (2012), 59-78.

DEALE, H. Veale - Public relations of academic libraries. Library Trends, v. 7, p. 269-277, oct. (1958). Disponível em: https://www.ideals.illinois.edu/bitstream/handle/2142/5815/librarytrendsv7i2g_opt.pdf

DUDZIAK, Elisabeth Adriana - A information literacy e o papel educacional das bibliotecas. Dissertação (Mestrado) - Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, 2001,187 f. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27143/tde-30112004-151029/pt-br.php

FERNANDEZ, Peter. Through the looking glass: envisioning new library technologies” educational trends that will impact library technology. Library Hi Tech News, v. 34, n. 1, January 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1108/LHTN-01-2017-0003

FIGUEIREDO, Nice Menezes de - Estudos de uso e usuários da informação. Brasília: IBICT,1994.

HERNON, Peter; POWELL, Ronald R.; YOUNG, Arthur P - University library directors in the association of research libraries: the next generation, part two. College & Research Libraries, 63:1, Jan (2002). Disponível em: https://doi.org/10.5860/crl.63.1.73

ISFANDYARI-MOGHADDAM, Alireza; HOSSEINI-SHOAR, Mansoureh - Factors affecting web 2.0 adoption: a case study. Program, 48: 1(2014), 2-15. Disponível em: https://doi.org/10.1108/PROG-02-2012-0005

LIPPINCOTT, Joan K - The link to content in 21st-century libraries. Educause review, Louisville, 53:1, Jan./Feb. (2018). Disponível em: https://er.educause.edu/articles/2018/1/the-link-to-content-in-21st-century-libraries

LOPES, Paula Cristina - Literacia(s) e literacia mediática. CIES e-Working Paper, Lisboa, n. 110 (2011). Disponível em: http://cies.iscte-iul.pt/destaques/documents/CIES-WP110_Lopes.pdf

O’CONNOR, Steve; SMITH, Ian; AFZAL, Waseem - Disruption be my guide: a study into future directions for academic programs for information management. Library Hi Tech, 35: 1, (2017) p. 71-80. Disponível em: https://doi.org/10.1108/LHT-11-2016-0137

O’REILLY, Tim - What is web 2.0: design patterns and business models for the next generation of software, 2005. Disponível em: http://www.oreilly.com/pub/a/web2/archive/what-is-web-20.html?page=1

OTTONICAR, Selma Letícia Capinzaiki; SILVA, Rafaela Carolina; BELLUZZO, Regina Celia Baptista - A Competência em Informação (CoInfo) como um fator fundamental para a educação no Brasil. Revista Ibero-Americana de Ciência da Informação (RICI), Brasília, 11: 1, jan./abr (2018), 23-41. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/RICI/article/view/24453/20178

PROFITT, Merrilee; MICHALKO, James; RENSPIE, Melissa - Shaping the library to life of the user: adapting, empowering, partnering, engaging. Dublin, Ohio: OCLC, 2015. Disponível em: https://www.oclc.org/content/dam/research/publications/2015/oclcresearch-shaping-library-to-life-of-user-2015-a4.pdf

PUNDSACK, Karen - Is your library user-centered? Public Libraries Online, Chicago, Feb. 2016. Disponível em: http://publiclibrariesonline.org/2016/02/is-your-library-user-centered/

SAUNDERS, Laura - Academic libraries’ strategic plans: top trends and under-recognized areas. The Journal of Academic Librarianship, 41:3, 2015. Disponível em: http://wiki.lib.sun.ac.za/images/5/55/Strategic-plans.pdf

SONI, Rashmi; PANJWANI, Divya R. Shielding education during Pandemic: the changing role of teacher in higher education from web 0.0 to web 5.0. University News, n. 59, v. 1, January, 2021. Disponível em: https://www.aiu.ac.in/documents/AIU_Publications/University_News/UNIVERSITY%20NEWS%20VOL-59,%20NO-01,%20JANUARY%2004-10,%202021.pdf#page=14

TARGINO, Rodolfo - Direitos autorais: o que os bibliotecários têm a ver com isso? Biblioo: cultura informacional, (2016) Rio de Janeiro. Disponível em: http://biblioo.info/direitos-autorais-2/

WATSON, Les. (2017) - El disseny de la biblioteca universitària del segle XXI: idees i tendències. bid: textos universitaris de biblioteconomia e documentaciò, Barcelona, n. 38, jul. Disponível em: http://bid.ub.edu/38/watson.htm

Notes

1 RSS: Rich Site Summary ou Really Simple Sindication é uma tecnologia que permite notificar automaticamente os usuários sobre novos conteúdos na web, por meio do arquivo-texto codificado conhecido como feed. (CUNHA & EIRÃO, 2012, p. 66).

Table des illustrations

Titre Tabela 1 - Níveis de adoção de tecnologias na BU
Crédits Fonte: os autores
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/16585/img-1.png
Fichier image/png, 4,8k
Titre Tabela 2 – Pontuação por indicador
Crédits Fonte: os autores
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/16585/img-2.png
Fichier image/png, 10k
Titre Quadro 3 – Estrutura do questionário
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/16585/img-3.png
Fichier image/png, 306k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/16585/img-4.png
Fichier image/png, 255k

Auteurs

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília

lourenço.deise@gmail.com

Universidade de Brasília

murilobc@unbr.br

© Publicações do Cidehus, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search