Version classiqueVersion mobile

Bibliotecas Universitárias: diálogos transatlânticos

 | 
Luiza Baptista Melo
, 
Tatiana Sanches

Introdução

Luiza Baptista Melo et Tatiana Sanches

Texte intégral

1As bibliotecas do ensino superior têm sido objeto de investigação nos mais diversos domínios, quer pelo seu papel determinante na construção do espaço das aprendizagens ao nível terciário, quer no estudo e desenvolvimento de políticas ou práticas que são transversais ao roteiro universitário ou politécnico. A análise da sua intervenção é pois de incontornável importância, especialmente para profissionais – iniciando a sua carreira, ou já peritos de reconhecida experiência - quer para outros interessados no tema das bibliotecas universitárias, sendo útil igualmente a decisores, professores e estudantes que se interessam pela área da informação e biblioteconomia em geral.

2Reconhecendo esse papel fundamental das bibliotecas universitárias, a presente obra procura colmatar uma lacuna nesta área, abrangendo múltiplas perspetivas, que procuram estabelecer pontes entre Portugal e o Brasil, através dos contributos dos diferentes autores. Partindo de uma perspetiva histórica, é feita uma reflexão sobre o papel e o valor das bibliotecas universitárias também na atualidade, nas suas diversas vertentes. Focando-se no contexto da gestão do conhecimento e relacionando as tecnologias, a Ciência Aberta e a investigação, bem como as questões da qualidade e impacto, são aprofundados os principais temas que estruturam as atividades desenvolvidas nestas organizações, incluindo perspetivas de futuro. O livro procura assim dar um contributo para o conhecimento destas matérias tão importantes para a vida académica e para a sociedade em geral, com influências determinantes no bem-estar, desenvolvimento da cidadania e aprendizagem ao longo da vida.

3O primeiro capítulo - As bibliotecas de ensino superior de Portugal e do Brasil, de Iolanda Silva (Universidade da Madeira, Portugal), aborda a génese e evolução das bibliotecas universitárias (conceito que inclui todas as tipologias de bibliotecas do ensino superior) portuguesas e brasileiras. A apresentação do tema está distribuída em três tempos distintos, desde o séc. XIII até à atualidade, revelando a relação intrínseca com as instituições onde se inserem - as universidades. A autora destaca, no evoluir do tempo, a constituição dos acervos, fazendo uma estimativa da existência das bibliotecas no séc. XX e no séc. XXI. Revela ainda, numa interessante abordagem prática, como as bibliotecas se organizaram até aos nossos dias, adaptando coleções, serviços e corpo profissional, dando-nos conta, por exemplo, dos repositórios institucionais de acesso aberto, que disseminam a produção científica realizada nas universidades. Este capítulo inicial apresenta ainda a missão das bibliotecas universitárias ao longo dos tempos, missão diferenciada de acordo com o modelo da sociedade e o paradigma universitário.

4No capítulo seguinte, a autora e também editora Luiza Baptista Melo (Portugal, CIDEHUS – Universidade de Évora) propõe-nos Pensar a qualidade e o impacto das Bibliotecas Universitárias: um imperativo, dando aqui resposta à necessidade de lançar mão a instrumentos efetivos de gestão do desempenho para aperfeiçoar a qualidade, o impacto e o valor dos serviços prestados neste âmbito. De facto, na atualidade, as bibliotecas académicas, em todo o mundo, recorrem a avaliações da qualidade, do impacto e do valor, que permitem obter dados relevantes nas tomadas de decisão nas respetivas instituições, a nível de políticas nacionais e internacionais. A partir de uma visão ampla e esclarecida, aponta caminhos e estratégias bem fundamentadas, para, nas suas palavras, por um lado elucidar, de um modo objetivo e útil, sobre os progressos da investigação em metodologias, instrumentos e indicadores para a avaliação do desempenho, da qualidade, do impacto e do valor, o que já tem acontecido ao longo de várias décadas nas bibliotecas universitárias. Por outro lado, para oferecer aos colegas bibliotecários uma contribuição, que se pensa necessária e proveitosa no sentido de sustentar, de forma clara e sistemática, a elaboração de projetos, segundo normas internacionais criteriosas a nível organizacional.

5As tecnologias para as bibliotecas universitárias: indicadores e instrumento de avaliação, de Deise Jesus e Murilo Bastos Cunha (Brasil), é o terceiro capítulo desta obra. Os autores fazem um aporte reflexivo, mas muito prático sobre tendências tecnológicas para as bibliotecas encontradas na literatura sobre o tema. A partir dessa abordagem são propostas métricas e métodos para mensurar o nível tecnológico de bibliotecas universitárias. Isto é, após o estudo das tendências elencadas, são apresentados no questionário de mensuração, os aspetos escolhidos que buscam avaliar o panorama e verificar em que medida as bibliotecas universitárias estão a adaptar-se às novas tecnologias e quais as inovações que vão sendo apresentadas aos seus utilizadores. Esta é uma proposta prática que poderá ser aplicada pelas bibliotecas que se proponham conhecer melhor em que nível de desenvolvimento se encontram face à adoção de tecnologias.

6O quarto capítulo, intitulado Livros acadêmicos brasileiros em acesso aberto: contribuição de Portugal para sua internacionalização, é da autoria de Nanci Oddone e de Cláudio França (Brasil, Centro de Ciências Humanas e Sociais (CCH) e Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), respetivamente). Nele se abordam as questões que interligam práticas organizacionais e produção científica, analisando a existência de indicadores de internacionalização de uma coleção de livros digitais, com base nas citações que essas obras receberam em trabalhos publicados noutros países e idiomas, particularmente em Portugal. Os autores concluem que recursos de informação em acesso aberto como estes devem aspirar a maior visibilidade pela comunidade científica internacional e, para assegurar a circulação internacional da produção académica brasileira, algumas estratégias editoriais devem ser revistas.

7No capítulo quinto, Dois lados da mesma moeda: a Ciência Aberta e o compromisso das bibliotecas com a investigação, Jorge Revez (Portugal, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa) apela a um questionamento, de um ponto de vista teórico, sobre o atual processo de mudança da ciência, como um percurso duplamente influenciado pela sua dinâmica de abertura e pelas mudanças operadas nas bibliotecas de investigação. Aqui é apresentada uma revisão da literatura sobre a relação entre as bibliotecas e a abertura científica, constando-se que, embora as bibliotecas permaneçam no centro do processo científico, são desafiadas por vários atores-chave na complexidade do cenário de produção e de disseminação da ciência. De facto, as bibliotecas estão a modificar os seus papéis e os seus serviços tradicionais para poderem responder às necessidades atuais dos investigadores e às exigências de abertura reclamadas pela sociedade. Conclui-se, finalmente, que numa dinâmica convergente, as bibliotecas de investigação e o movimento da Ciência Aberta são, em última análise, dois lados da mesma moeda, que procuram juntar esforços no sentido do desenvolvimento e projeção da ciência e da cultura científica.

8O sexto e último capítulo, intitulado Preparar a âncora para navegar: linhas de referência, recomendações e futuro próximo para as bibliotecas universitárias, é de Tatiana Sanches (Portugal, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa), também editora da presente obra. Nele procura refletir sobre a dupla condição das bibliotecas universitárias na sua procura de equilíbrio entre a estabilidade e a inovação, numa constante adaptação. Esta reflexão é acompanhada do estudo e apresentação sobre as Recomendações para as Bibliotecas do Ensino Superior 2020-2022 (atualmente em vigor em Portugal), demonstrando a importância fundamental deste documento. Conclui que a preparação e o planeamento assentes em linhas orientadoras funcionam como estabilizadores, que ancoram as ações desenvolvidas, ao mesmo tempo que os ventos de mudança permitem a exploração de novos caminhos e práticas, potenciando-se assim um contexto virtuoso de atuação.

9Fruto de contributos diferentes, de académicos de Portugal e do Brasil, a presente obra condensa assim reflexões sobre o passado e o que ele nos pode ensinar, experiências do presente, ilustrando-se a partir de boas práticas como estão a atuar os bibliotecários do ensino superior, e perspetivas de futuro, com ideias amplas e flexíveis, que permitirão aos profissionais adaptarem aos seus desafios as respostas aqui disponíveis, dadas pelos autores dos dois lados do Atlântico.

10No dizer da autora do primeiro capítulo, “O diálogo transatlântico foi deficitário entre os dois países, ao longo do devir temporal. Na atualidade poder-se-á referir que o diálogo ocorre, sob a iniciativa da política do acesso aberto, porta aberta para a interligação entre os dois países, com resultados positivos, que prefiguram outras iniciativas em benefício do intercâmbio dialógico entre as bibliotecas universitárias portuguesas e brasileiras”, acrescentando ainda que “A política de acesso aberto promoveu o diálogo bilateral transatlântico entre o Brasil e Portugal, diálogo outrora escasso e deficitário no âmbito das bibliotecas universitárias dos dois países”.

11Possa esta obra ser também um instrumento para o aprofundar das relações entre a academia, e em particular, dos bibliotecários universitários de Portugal e do Brasil. O desafio que mobilizou a realização deste livro foi o de incentivar a afirmação das bibliotecas universitárias como catalisadores do sucesso académico, através de um melhor conhecimento do campo de atuação profissional com vista à melhoria das práticas. Julgamos que é através do envolvimento em ações concretas dos seus bibliotecários, mas também dos professores, alunos e outros utilizadores que as frequentam que, no ensino superior, podemos fazer a diferença. Esperamos, pois, que este seja um suporte para a aprendizagem que se quer sempre renovada em torno deste tema.

12Agradecemos o apoio das nossas instituições, daqueles que participaram e incentivaram as investigações, compartilhando os seus conhecimentos, bem como dos profissionais que contribuíram para a edição deste livro e os seus autores. Este trabalho resulta da cooperação entre as coordenadoras da edição e suas reflexões comuns, mas cada capítulo reflete o posicionamento teórico de cada autor e é, portanto, da sua total responsabilidade e mérito. Uma palavra final de reconhecimento a todos os profissionais de informação que diariamente nos inspiram, bem como aos alunos, professores e investigadores do ensino superior que fazem das nossas bibliotecas a sua casa.

Os editores

© Publicações do Cidehus, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search