Version classiqueVersion mobile

Turismo Rural e Turismo Comunitário no Espaço Ibero-Americano

 | 
Jaime Serra
, 
Noémi Marujo
, 
Maria do Rosário Borges
, 
et al.

O potencial do enoturismo em áreas rurais

Perspetivas do Projeto TWINE – Co-creating sustainable Tourism & WINe Experiences in rural areas

Elisabeth Kastenholz et Maria João Carneiro

Résumé

Tem-se verificado um crescente interesse pela experiência turística e pelo potencial do enoturismo em áreas rurais. No entanto, a experiência turística é um construto complexo, difícil de avaliar, que pode variar muito de acordo com os produtos turísticos em análise, sendo muitas vezes difícil de compreender como podem ser fornecidas experiências turísticas enriquecedoras e sustentáveis. A investigação sobre experiências enoturísticas é ainda escassa e restrita a determinados contextos específicos como vinhas ou adegas, negligenciando a análise da experiência que os visitantes e outros atores têm em todo um território enoturístico rural. O projeto TWINE visa contribuir para o estudo de experiências enoturísticas rurais em três regiões identificadas por rotas de vinhos, possibilitando uma análise aprofundada da experiência nas suas diversas dimensões e nas várias fases – antes, durante e após a viagem. Serão analisadas as perceções de diversos atores relativamente à experiência enoturística abrangente – visitantes, residentes locais e fornecedores de produtos -, bem como o envolvimento destes atores na criação desta experiência. O projeto TWINE tem também, como objetivo, fomentar o desenvolvimento de experiências enoturísticas rurais sustentáveis, contribuindo para novas oportunidades de negócio e para a dinamização de rotas enoturísticas, usando recursos endógenos.

Note de l’auteur

Este trabalho foi apoiado pelo projeto TWINE – Co-creating sustainable Tourism & WINe Experiences in rural areas (POCI-01-0145-FEDER-032259), financiado pelos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) através do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização - COMPETE 2020 e por Fundos Nacionais através da FCT - Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

Texte intégral

Introdução

1Algumas áreas rurais têm um elevado potencial para o desenvolvimento do enoturismo. Tem-se registado um crescente interesse, em termos de investigação, pela avaliação das experiências que os visitantes têm no âmbito do turismo (Bigné et al., 2005; Hosany, & Gilbert, 2010; Hosany, & Witham, 2010; Kastenholz et al, 2014a; Kastenholz et al., 2018; Kim, 2010), por se considerar que os visitantes procuram, cada vez mais, não só bens tangíveis ou serviços, mas experiências gratificantes e enriquecedoras a vários níveis, nomeadamente a nível emocional, sensorial, social e de aquisição de conhecimentos, entre outros. Outra tendência que se verifica, também como resposta aos desejos dos visitantes, é o empenho em fomentar a cocriação de experiências turísticas (Agapito et al., 2016; Carvalho et al., 2016; Kastenholz, & Lima, 2013), em que os visitantes tenham um papel ativo no desenvolvimento da experiência, colaborando, desta forma, com os fornecedores de serviços turísticos. No entanto, a investigação em experiências enoturísticas é ainda reduzida e bastante restrita a determinados contextos, como se explicará na secção seguinte. Esta investigação é particularmente escassa no que se refere especificamente à cocriação de experiências enoturísticas.

2O projeto TWINE – Co-creating sustainable Tourism & WINe Experiences in rural areas, que será apresentado neste capítulo, pretende colmatar algumas lacunas de investigação anteriormente mencionadas e identificar linhas de orientação para a cocriação de experiências enoturísticas.

3Considerando o referido anteriormente, no presente capítulo serão discutidos, primeiramente, o conceito de experiência enoturística, a importância da cocriação de experiências e a relevância da experiência enoturística enquanto campo de investigação. Posteriormente, será apresentado o projeto TWINE, salientando-se os seus objetivos e abordagens de investigação. Finalmente, salientam-se os principais contributos esperados do projeto TWINE ao nível da investigação em experiências enoturísticas.

A experiência enoturística

4No sentido de compreender melhor o conceito de experiência turística e perceber em que medida a enoturística é um campo de investigação relevante foi realizada uma revisão da literatura existente neste âmbito.

A experiência turística

5É notório o crescente interesse pela experiência turística (Bigné et al., 2005; Carvalho et al., 2016; Hosany, & Gilbert, 2010; Hosany, & Witham, 2010; Kastenholz et al., 2012a; Kastenholz et al., 2018; Kim, 2010). No entanto, este construto multidimensional, composto por diversas dimensões, é complexo, não havendo um consenso sobre como medir e avaliar a experiência turística. No que respeita às dimensões, foi já sugerido que a experiência turística inclui as emoções sentidas pelos indivíduos, considerando-se, portanto, que ela tem uma componente afetiva (ex. Bigné et al., 2005; Hosany, & Gilbert, 2010; Kim, 2010), mas conclui-se também que ela integra também uma componente cognitiva (ex. Carneiro et al., 2014; Kastenholz et al., 2018; Kim, 2010), de aquisição de conhecimentos. Importante é também a componente sensorial da experiência (ex. Agapito et al, 2016; Hosany, & Witham, 2010; Kastenholz & Figueiredo, 2014; Kastenholz et al., 2018), que representa o modo como os diversos sentidos são afetados pelos estímulos existentes. Além disso, muitos investigadores realçam também outras componentes como a novidade (ex. Kim, 2010) e o divertimento (ex. Hosany, & Witham, 2010; Kastenholz et al., 2018).

6Além das múltiplas dimensões que constituem a experiência turística, o tipo de experiência varia ainda com a atração ou o tipo de produto turístico em causa. Por este motivo, foram já desenvolvidos estudos para avaliar experiências em museus, em parques temáticos (ex. Bigné et al., 2005), em cruzeiros (ex. Hosany, & Witham, 2010) e em áreas rurais (ex. Kastenholz et al., 2018; Kastenholz & Figueiredo, 2014), entre muitas outras atrações e produtos turísticos. Muitas vezes considerou-se mesmo ser necessário utilizar abordagens diferentes para avaliar as experiências com determinados tipos de atrações ou produtos turísticos. No entanto, a investigação relacionada com cada um destes tipos de atrações ou produtos é ainda escassa.

7Outro aspeto particularmente importante, realçado por alguns investigadores (Agapito et al, 2016; Pine & Gilmore, 1998; Kim, 2010), é que a experiência pode implicar uma participação mais ativa ou menos ativa, por parte dos diversos atores. Esta consideração remarca a relevância de analisar o processo de cocriação das experiências turísticas, onde outros atores para além dos fornecedores de produtos, entre os quais os visitantes, desempenham um papel ativo no desenvolvimento da experiência (Carvalho et al, 2016; Vargo & Lusch, 2004).

8No seguimento do aspeto anteriormente evidenciado, uma característica que aumenta a complexidade da experiência turística é o facto de ela ser influenciada, isto é, «moldada», e percecionada de diferentes modos por diferentes atores - visitantes, residentes locais e fornecedores de produtos (ex. Eusébio et al., 2014; Figueiredo et al., 2013; Kastenholz & Lima, 2013; Kastenholz et al., 2012b).

A experiência enoturística como campo de investigação relevante

9O enoturismo, é considerado um tipo de turismo de interesse especial que tem suscitado uma atenção crescente (Charters & Ali-Knight, 2002). Este tipo de turismo tem potencial para revitalizar territórios rurais vitivinícolas (Costa & Kastenholz, 2009) através, por um lado, do turismo e, por outro lado, da venda de vinhos e outros produtos locais (Getz & Brown, 2006; Kastenholz et al., 2016). Este tipo de produto está também geralmente muito associado ao turismo rural e, mais especificamente, ao agroturismo (Carmichael, 2005; Costa & Kastenholz, 2009), por permitir o contacto com quintas, vinhas, adegas, como com outros elementos caracterizadores das áreas rurais. De facto, o enoturismo baseia-se na oferta, tanto de experiências de degustação de vinhos de produção local ou regional, como na experiência de estilos de vida, paisagens e cultura, por vezes assente em redes e num branding territorial (Hashimoto & Telfer, 2003). Está relacionado com o (slow) food tourism, contrastando com a cultura de fast food, urbana, global e standardizada (Sidali et al., 2015).

10No entanto, muita da investigação realizada sobre a experiência turística refere-se a viagens ou destinos em geral (Kim, 2010) sendo a investigação sobre a experiência enoturística, em particular, ainda relativamente escassa. Além disso, muitas pesquisas de enoturismo focam a experiência na vinha ou adega (Charters & Ali-Knight, 2002; Mitchell & Hall, 2006; Fernandes & Cruz, 2016), negligenciando aspetos fundamentais, tais como: as diferentes fases e a complexa experiência do destino enoturístico rural (Aho, 2001; Popp & McCole, 2016); a cocriação de experiências por agentes locais – fornecedores de produtos - e residentes; o 'ecossistema’ de enoturismo rural (Begalli et al., 2014; Eusébio et al., 2014; Holland et al., 2017).

11No enoturismo rural o papel do terroir é fundamental - uma combinação de fatores físicos, culturais e socioeconómicos típicos de um território, com destaque para os seus vinhos e identidade cultural, que explicam a atratividade do destino (Guedes & Joukes, 2015; Holland et al., 2017).

12Para potenciar um enoturismo rural sustentável é fundamental conhecer bem os recursos, potencialidades, atores e visitantes dos respetivos territórios (Costa & Kastenholz, 2009; Crouch & Ritchie, 1999; Kastenholz, 2004; Kastenholz & Figueiredo, 2014). A combinação perfeita entre destino e mercado, beneficiando todos os envolvidos através da cocriação de experiências turísticas apelativas e relevantes, baseadas em recursos locais, é crucial para o sucesso de estratégias de enoturismo, particularmente em áreas rurais, onde os turistas procuram autenticidade, e onde os atores locais precisam de fazer o melhor uso de recursos escassos (Lane & Kastenholz, 2015; Kastenholz et al., 2012a; Carvalho et al, 2016).

O projeto TWINE

13Como já mencionado, o Projeto TWINE pretende colmatar algumas das lacunas da investigação realizada anteriormente sobre experiências enoturísticas em áreas rurais.

Objetivos do TWINE

14A sigla TWINE pretende, em primeiro lugar, fazer alusão a duas palavras centrais do projeto – turismo e vinho (tourism and wine). No entanto, refere-se também à expressão «to twine» – entrelaçar-se, criar laços, ao nível da rota de vinho, criar redes no destino, no território e nas comunidades, criar ligações entre recursos endógenos e os seus significados, e laços entre visitantes e anfitriões. Pretende-se que estes laços sejam desenvolvidos como resultado da cocriação das experiências enoturísticas, em que diversos stakeholders contribuem para a cocriação desta experiência.

15Concretamente, os objetivos do projeto TWINE são:

  • Estudar a cocriação de experiências turísticas em destinos enoturísticos rurais, centrando-se em determinadas rotas de vinhos de Portugal;

  • Aprofundar metodologias e resultados de um projeto anterior sobre a experiência integral em meio rural em Portugal (projeto ORTE - PTDC/CS-GEO/104894/2008, cujos resultados centrais estão resumidos em Kastenholz et al., 2014b);

  • Analisar a experiência turística nas dimensões: cognitiva, sensorial, comportamental, emocional, relacional, económica e espacial;

  • Troca de informação entre investigadores, comunidades, agentes de desenvolvimento e stakeholders do turismo e do setor do vinho, numa perspetiva de investigação-ação visando um enriquecimento mútuo de investigadores e atores territoriais bem como o questionamento e a validação contínua de resultados obtidos;

  • Criar um modelo de desenvolvimento local replicável noutras regiões vitivinícolas, promovendo rotas de enoturismo que beneficiem a economia, comunidades e visitantes;

  • Fomentar o desenvolvimento rural sustentável nos enodestinos em estudo com base no conhecimento obtido, sugerindo o desenvolvimento de novos produtos e abordagens de ação aproveitando competências e recursos endógenos.

Abordagens de investigação do projeto TWINE

16No projeto TWINE pretende-se aprofundar a complementaridade entre o turismo e a atividade vitivinícola, havendo simultaneamente a perspetiva de valorização do património cultural e natural pela proposta de experiências turísticas associadas a todos os recursos atrativos do território/terroir das rotas enoturísticas em análise. Estudar-se-á, para além da experiência da adega e vinha, a experiência de terroir, de toda uma região identificada por uma rota do vinho. Integra, nesta perspetiva, abordagens qualitativas e quantitativas dirigidas aos diversos atores envolvidos, a observação e o rastreamento tempo-espacial dos movimentos turísticos, análise de discursos presentes nas redes sociais e ainda análises de reações neurofisiológicas dos turistas a estímulos, bem como análises de contexto e análises sociométricas para a compreensão das dinâmicas de rede.

Atividades do projeto

17O projeto TWINE inclui 9 atividades que permitirão alcançar os objetivos anteriormente definidos (Figura 1). O projeto começa com a atividade 1, de revisão de literatura e concetualização, em que se delimitam os construtos relevantes (ex. experiência enoturística, sustentabilidade) e se identificam possíveis relações entre eles. Pretende-se, nesta fase, desenvolver hipóteses e um modelo testável para o ecossistema do destino da experiência enoturística rural.

Figura 1 – Atividades do projeto TWINE

18Nas atividades 2 a 7 desenvolver-se-á investigação sobre a experiência enoturística rural vivida em três regiões que integram rotas de vinho - as regiões que integram a Rota da Bairrada, a Rota do Dão e a Rota da Beira Interior. Estas áreas geográficas situam-se todas na Região Centro de Portugal, mas representam destinos em diferentes contextos geográficos e socioeconómicos, desde a costa até ao interior, e em distintas fases de ciclo de vida no que concerne ao enoturismo.

19Proceder-se-á, primeiramente a uma caracterização das diversas regiões (atividade 2) em termos de contexto territorial, vinho, atividade turística associada ao vinho e fornecedores de serviços aos enoturistas com principal ênfase para os agentes de enoturismo rural que integrem as rotas. Procurar-se-á mapear também, nas diversas regiões, as principais atrações turísticas, particularmente as relacionadas com o vinho. Será dado destaque aos contextos físico, social e cultural da experiência de enoturismo, tal como a experiências turísticas complementares (turismo cultural, de natureza, bem-estar) que já sejam oferecidas nos territórios em estudo.

20Posteriormente, pretende analisar-se, ao nível dos diferentes stakeholders da experiência enoturística rural das regiões em análise – enoturistas, agentes da oferta de enoturismo e residentes locais -, as suas perceções relativamente a essa experiência e o seu envolvimento nela. Nas atividades 3 a 5 o objetivo será analisar a experiência dos enoturistas em diferentes fases – antes da viagem, durante a estada no destino e após a viagem.

21Na atividade 6 proceder-se-á a uma análise de agentes da oferta, tanto produtores de vinho como agentes de turismo, sobretudo os que pertencem a rotas de vinhos. Proceder-se-á a observação e inquéritos para caracterizar os agentes da oferta relativamente a instalações, ativos e serviços oferecidos para desenvolvimento de experiências turísticas, investimentos em turismo ou vinho e motivações para a realização destes investimentos, características de empreendedorismo de estilo de vida, inovação, ações de gestão e marketing, estabelecimento de redes, perceções sobre a experiência enoturística rural e ações de sustentabilidade. Um dos objetivos é realizar também uma análise de benchmarking com a finalidade de identificar boas práticas no desenvolvimento de experiências enoturísticas rurais, recorrendo tanto à identificação de boas práticas nas três rotas, como em todo o país e no estrangeiro.

22Será ainda analisada a opinião dos residentes locais das várias regiões através de inquéritos (atividade 7). Neste âmbito serão analisados, particularmente, as atitudes em relação ao desenvolvimento de experiências enoturísticas rurais, o seu papel percebido na cocriação dessas experiências, as perceções dos impactos dessas experiências, o sentido de identidade em relação ao terroir, bem como significados associados ao vinho, paisagem e rotas.

23Após a recolha de toda a informação proceder-se-á a uma integração de todos os resultados obtidos na investigação, que se complementam, e será testado o modelo concetual proposto (atividade 8). Serão também confrontados os resultados obtidos em diferentes rotas, bem como as perspetivas de diferentes stakeholders.

24Serão também disseminados os diversos resultados do Projeto através de várias formas (atividade 9), tais como: páginas web, incluindo a do Projeto; apresentação de comunicações em conferências e publicação de artigos científicos em revistas científicas; sessões de apresentação do projeto a atores locais; fóruns finais com stakeholders de destino - agentes da oferta, residentes e agentes de planeamento – para obter feedback; publicação de um livro digital; organização de uma conferência internacional sobre experiências enoturísticas rurais.

Equipa do projeto

25O projeto TWINE foi concebido, nas suas linhas centrais, pela Investigadora Responsável do Projeto e responsável por toda a sua coordenação – a Prof. Elisabeth Kastenholz, da Universidade de Aveiro – com o auxílio de outros membros da equipa do Projeto. A entidade proponente do projeto é, portanto, a Universidade de Aveiro.

  • 1 A equipa da Universidade de Aveiro integra, para além da investigadora responsável, Elisabeth Kaste (...)

26A equipa do projeto integra docentes de três instituições do ensino superior da Região Centro de Portugal – a Universidade de Aveiro, o Instituto Politécnico de Viseu e a Universidade da Beira Interior1. Muitos destes docentes e outras pessoas da equipa são membros de unidades de investigação tais como a unidade de investigação em Governança, Competitividade e Políticas Públicas (GOVCOPP), da Universidade de Aveiro e a unidade de investigação em Business Sciences (NECE) da Universidade da Beira Interior.

27São consultores do Bernard Lane, Arno Todt e Orlando Simões. O Professor Bernard Lane reside no Reino Unido, possui grande experiência e reputação, enquanto consultor sénior internacional, tanto a nível académico como profissional, no âmbito do turismo rural e do desenvolvimento sustentável, tendo lançado e sido editor durante décadas de uma das mais prestigiadas revistas científicas no âmbito do turismo – o Journal of Sustainable Tourism. Arno Todt é sócio e co-diretor do nova-Institute for Ecology and Innovation, Cologne/Alemanha e trabalha, enquanto consultor sénior, como perito de desenvolvimento regional sustentável, política agrícola e conservação do ambiente. Orlando Simões é Professor na Escola Agrária de Coimbra e possui bastante experiência académica e em agronomia, desenvolvimento rural, vitivinicultura, turismo rural e enoturismo. A equipa de investigação tem um cariz multidisciplinar, uma vez que integra docentes, investigadores e consultores com formação, investigação ou especialização em geografia, sociologia rural, desenvolvimento regional, análise de redes, gestão, empreendedorismo, inovação, comportamento do consumidor, psicologia, marketing e turismo. A composição da equipa permite também uma abordagem multidisciplinar no âmbito do projeto, aspeto particularmente relevante quando se realiza investigação em turismo. Além disso, possibilita também a compreensão abrangente das oportunidades de cocriação de experiências em enoturismo apelativas e sustentáveis bem como das condições de sucesso do ecossistema enoturístico.

28O facto de a equipa integrar docentes de três instituições de ensino superior tem a vantagem de permitir que os docentes de cada instituição assegurem a ligação com uma das rotas de vinho em análise, na proximidade da instituição de ensino, bem como a realização do trabalho de campo nessa rota. Importa ainda referir que no âmbito do projeto estão em curso vários projetos de mestrado e doutoramento que permitem aprofundar diversas facetas das experiências de enoturismo em áreas rurais.

Aspetos inovadores do projeto

29Devido à abordagem de investigação adotada, o projeto TWINE possui diversos aspetos inovadores que serão identificados em seguida.

30Em primeiro lugar, o Projeto contribui para uma análise abrangente das dimensões da experiência enoturística rural, considerando dimensões propostas por outros autores (Pine & Gilmore, 1998; Schmitt, 1999), literatura sobre cocriação em serviços (Vargo & Lusch, 2004) e sobre experiências turísticas transformadoras (Cohen, 2010). A experiência turística será estudada nas dimensões cognitiva, sensorial, comportamental, emocional, relacional, económica e espacial. Será analisada a experiência em diversas fases – antes, durante e após a viagem – algo que dificilmente se consegue realizar na investigação em turismo.

31Além disso, o Projeto permite analisar, ao nível da cocriação de experiências enoturísticas rurais, o papel de diversos recursos e atores – fornecedores de produtos, residentes locais e visitantes - (Figura 2), bem como as perceções dos diversos atores relativamente a essas experiências. Esta análise é realizada apenas parcialmente em outros estudos sobre a experiência turística (ex. Eusébio et al., 2014; Kastenholz & Lima, 2013; Kastenholz et al., 2012b), mas noutros contextos do turismo, e não no enoturismo.

Figura 2 – A cocriação de experiências enoturísticas rurais através da integração de vários recursos e da colaboração de diversos atores

32Por outro lado, a abordagem de investigação adotada para analisar as perceções e envolvimento dos diversos atores na cocriação de experiências enoturísticas rurais possui também diversos traços inovadores.

33Ao nível dos visitantes, na análise da experiência no destino, além das abordagens qualitativas e quantitativas tradicionais, proceder-se-á também a uma observação do comportamento temporal-espacial via rastreamento com base em Global Positioning Systems (GPS), abordagem relevante para a otimização de rotas (Caldeira & Kastenholz, 2018). No estudo da experiência antes da visita aplicar-se-á uma abordagem neurocientífica, raramente usada em pesquisas de turismo, para perceber as respostas de potenciais turistas quando expostos a material promocional. Finalmente, a experiência após a viagem será estudada através de uma análise de conteúdo de redes sociais para perceber como a experiência é lembrada e condiciona outros.

34Pretende também realizar-se uma análise relativamente abrangente no que respeita aos fornecedores de produtos que permita identificar o potencial e desafios das rotas considerando agentes locais da produção de vinho, do setor de turismo e outros agentes. A este nível será feito um estudo, tanto dos atores individuais (motivações, iniciativas empreendedoras e de gestão, constrangimentos percebidos), como das dinâmicas das redes (organização e funcionamento da rota, via estudo sociométrico). Toda esta análise permitirá fazer um diagnóstico e identificação de fatores críticos de sucesso, bem como daqueles que contribuem para a sustentabilidade da rota enoturística. Serão, neste âmbito, examinados aspetos relacionados com governança, liderança, capital social e sustentabilidade ambiental.

35Ao nível dos residentes, pretende analisar-se a visão da comunidade, na medida em que esta afeta e é afetada pelas experiências de enoturismo rural, e constitui um elemento central para a identidade do terroir e para o desenvolvimento local sustentável (Eusébio et al., 2014; Figueiredo et al., 2013).

36Globalmente, o projeto permitirá melhorar o conhecimento e contribuir para o debate científico sobre a experiência turística, o ecossistema do enoturismo rural, o turismo rural, o enoturismo e o desenvolvimento regional. Através de diversas ações, tais como as sessões de apresentação de projetos e fóruns, a abordagem de investigação-ação promoverá também a troca de informação entre investigadores, comunidades, agentes de desenvolvimento e stakeholders do turismo e do setor do vinho.

37A perspetiva de investigação-ação que o projeto irá adotar visa igualmente contribuir para uma oferta de experiências enoturísticas rurais mais bem-sucedidas e sustentáveis, em termos económicos, ambientais e socioculturais, nas regiões estudadas.

Conclusão

38Como se pode verificar através da revisão de literatura realizada, apesar da crescente importância da experiência turística, muita da investigação realizada neste âmbito refere-se a viagens ou destinos em geral (ex. Hosany, & Gilbert, 2010; Kim, 2010), havendo ainda pouca investigação sobre a experiência com produtos turísticos específicos. Observou-se, concretamente, que há ainda diversas lacunas no que concerne à investigação em experiências enoturísticas rurais (Charters & Ali-Knight, 2002; Mitchell & Hall, 2006; Fernandes & Cruz, 2016). Não só esta investigação é relativamente escassa, como está confinada a determinados contextos do ecoturismo como vinhas ou adegas. Além disso, a análise foca-se muitas vezes no papel ou perceções de apenas um tipo de stakeholder específico, muitas vezes o visitante.

39O projeto TWINE poderá, considerando as especificidades de abordagens de investigação anteriormente descritas, fornecer importantes contributos para o desenvolvimento de experiências enoturísticas rurais sustentáveis. Por um lado, este projeto permitirá uma compreensão mais abrangente das oportunidades de cocriação deste tipo de experiências. Por outro lado, poderá promover o desenvolvimento sustentável de experiências enoturísticas rurais nas áreas geográficas em estudo, contribuindo para novas oportunidades de negócios usando recursos endógenos. Finalmente, será sugerido um modelo de um sistema de destino rural enoturístico, que poderá ser transferido para outras regiões, fomentando a criação de rotas enoturísticas rurais, que beneficiarão as economias locais, as comunidades e os turistas.

Bibliographie

AGAPITO, Dora; ALMEIDA, Hugo; CAMPOS, Ana C. (2016) - “Sensations, Perception And Co-Creation In Rural Tourism Experiences”. In Kastenholz, Elisabeth [et. al.] (eds.) - Meeting Challenges for rural tourism through co-creation of sustainable tourist experiences. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars Publishing, pp. 39-62

AHO, Seppo K. (2001) - Towards a general theory of touristic experiences: Modelling experience process in tourism. Tourism Review. Vol. 56, nº3/4, p.33-37.

BEGALLI, Diego; CAPITELLO, Roberta; CODURRI, Stefano (2014) - Cooperatives, wine clusters and territorial value: evidence from an Italian case study. Journal of Wine Research. Vol. 25, nº1, p.45–61.

BIGNÉ, Enrique; ANDREU, Luisa; GNOTH, Juergen (2005) - The theme park experience: An analysis of pleasure, arousal and satisfaction. Tourism Management. Vol. 26, nº6, p.833–843.

CALDEIRA, Ana; KASTENHOLZ, Elisabeth (2018) - Tourists' Spatial Behaviour in Urban Destinations: the effect of prior destination experience. Journal of Vacation Marketing. Vol. 24, nº 3, p.247-260.

CARMICHAEL, Barbara (2005) - Understanding the wine tourism experience for winery visitors in the Niagara region, Ontario, Canada. Tourism Geographies. Vol. 7, p.185-204.

CARNEIRO, Maria João; KASTENHOLZ, Elisabeth; MARQUES, C. (2014) - “Experiência turística rural vivida e cocriada pelos visitantes”. In Kastenholz, Elisabeth [et. al.] (coords) - Reinventar o turismo rural em Portugal: cocriação de experiências turísticas sustentáveis. Aveiro: UA Editora, pp. 71-89.

CARVALHO, M. [et. al.] (2016) - “Co-Creative Rural Tourism Experiences—Connecting Tourists, Community and Local Resources”. In Kastenholz, Elisabeth [et. al.] (eds.) - Meeting Challenges for rural tourism through co-creation of sustainable tourist experiences. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars Publishing, pp. 83-106.

CHARTERS, Steve; AlI-KNIGHT, Jane (2002) - Who is the wine tourist? Tourism Management. Vol. 23, p.311–319.

COHEN, Scott (2010) - “Searching for escape, authenticity and identity: Experiences of lifestyle travellers”. In Morgan, Michael; Lugosi, Peter; Ritchie, J. R. Brent (eds.) - The Tourism and Leisure Experience: Consumer and Managerial Perspectives. Bristol: Channel View Publications, pp. 27-42.

COSTA, Adriano; KASTENHOLZ, Elisabeth (2009) - O Enoturismo como fator de desenvolvimento das regiões mais desfavorecidas. Atas do 15º Congresso da APDR, 3º Congresso de Gestão e Conservação da Natureza, Universidade Piaget, Cidade da Praia, Cabo Verde, 6 - 11 julho.

CROUCH, Geoffrey; RITCHIE, J. R. Brent (1999) - Tourism, competitiveness, and societal prosperity. Journal of Business Research. Vol. 44, nº3, p.137-152.

EUSÉBIO, Celeste; KASTENHOLZ, Elisabeth; BREDA, Zelia (2014) - Tourism and Sustainable Development of Rural Destinations: A stakeholders' view. Revista Portuguesa de Estudos Regionais. Vol. 36, nº2, p.13-21.

FERNANDES, Teresa; CRUZ, Mariana (2016) - Dimensions and outcomes of experience quality in tourism: The case of Port wine cellars. Journal of Retailing and Consumer Services. Vol. 31, p.371-379.

FIGUEIREDO, Elisabete; KASTENHOLZ, Elisabeth; LIMA, Joana (2013) - “Recreating rurality–visions of hosts and guests in two Portuguese villages”. In Figueiredo, Elisabete; Raschi, Antonio (eds.) - Fertile Links? Connections between tourism activities, socioeconomic contexts and local development in European rural areas. Florence: Florence University Press, pp. 43-70.

GETZ, Donald; BROWN, Graham (2006) - Benchmarking wine tourism development: The case of the Okanagan Valley, British Columbia, Canada. International Journal of Wine Marketing. Vol. 18, p.78–97.

GUEDES, Alexandre; JOUKES, Veronika (2015) - “Hotel ships on the Douro river and their relationship with the terroir”. In Peris-Ortiz, Marta; Del Río Rama, María de la Cruz; Rueda-Armengot, Carlos (eds.) - Wine and Tourism: A Strategic Segment for Sustainable Economic Development. Switzerland: Springer International Publishing, pp. 87-105.

HASHIMOTO, Atsuko; TELFER, David (2003) - Positioning an emerging wine route in the Niagara region: Understanding the wine tourism market and its implications for marketing. Journal of Travel and Tourism Marketing. Vol. 14, p. 61–76.

HOLLAND, Tara; SMIT, Barry; JONES, Gregory (2017) - Toward a Conceptual Framework of Terroir Tourism: A Case Study of the Prince Edward County, Ontario Wine Region. Tourism Planning & Development. Vol. 11, Nº3, p.275-291.

HOSANY, Sameer; GILBERT, David (2010) - Measuring tourists’ emotional experiences toward hedonic holiday destinations. Journal of Travel Research. Vol. 49, nº4, p.513–526.

HOSANY, Sameer; WITHAM, Mark (2010) - Dimensions of cruisers’ experiences, satisfaction, and intention to recommend. Journal of Travel Research. Vol. 49, nº3, p.351–364.

KASTENHOLZ, Elisabeth (2004) - «Management of Demand» as a Tool in Sustainable Tourist Destination Development. Journal of Sustainable Tourism. Vol. 12, nº5, p.388-408.

KASTENHOLZ, Elisabeth; LIMA, Joana (2013) - Co-creating quality rural tourism experiences – the case of a Schist Village in Portugal. International Journal of Management Cases. Vol. 5, p.193-204.

KASTENHOLZ, Elisabeth; CARNEIRO, Maria João; MARQUES, Carlos (2012a) - “Marketing the rural tourism experience”. In Tsiotsou, Rodoula; Goldsmith, Ronald E. (eds.) - Strategic Marketing in Tourism Services. Bingley, UK: Emerald, pp. 247-264.

KASTENHOLZ, Elisabeth [et. al.] (2012b) - Understanding and managing the rural tourism experience: the case of a historical village in Portugal. Tourism Management Perspectives. Vol. 4, p.207–214.

KASTENHOLZ, Elisabeth [et. al.] (2018) - The dimensions of rural tourism experience: impacts on arousal, memory, and satisfaction. Journal of Travel & Tourism Marketing. Vol. 35, nº2, p.189-201.

KASTENHOLZ, Elisabeth [et. al.] (2014a) - “A experiência turística em espaço rural”. In Kastenholz, Elisabeth [et. al.] (coords) - Reinventar o turismo rural em Portugal: cocriação de experiências turísticas sustentáveis. Aveiro: UA Editora, pp.43-50.

KASTENHOLZ, Elisabeth; EUSÉBIO, Celeste; CARNEIRO, Maria João (2016) - Purchase of local products within the rural tourist experience context. Tourism Economics. Vol. 22, nº4, p.729-748.

KASTENHOLZ, Elisabeth [et. al.] (coords) (2014b) - Reinventar o turismo rural em Portugal – cocriação de experiências turísticas sustentáveis. Aveiro: UA Editora. Disponível em: http://ria.ua.pt/handle/10773/11848.

KASTENHOLZ, Elisabeth; FIGUEIREDO, Elisabete (2014) - Rural tourism experiences: Land, sense and experience-scapes in quest of new tourist spaces and sustainable community development (Editorial Note). PASOS - Revista de Turismo y Patrimonio Cultural. Vol. 12, nº3, p.511-514.

KIM, Jong-Hyeong (2010) - Determining the factors affecting the memorable nature of travel experiences. Journal of Travel & Tourism Marketing. Vol. 27, nº8, p.780–796.

LANE, Bernard; KASTENHOLZ, Elisabeth (2015) - Rural tourism: the evolution of practice and research approaches: towards a new generation concept? Journal of Sustainable Tourism. Vol. 23, nº8-9, p.1133-1156.

MITCHELL, Richard; HALL, Michael (2006) - Wine tourism research: The state of play. Tourism Review International. Vol. 9, p.307–332.

PINE, Joseph; GILMORE, James (1998) - Welcome to the experience economy. Harvard Business Review. Vol. 76, nº4, p.97-105.

POPP, Leanna; MCCOLE, Dan (2016) - Understanding tourists' itineraries in emerging rural tourism regions: the application of paper-based itinerary mapping methodology to a wine tourism region in Michigan. Current Issues in Tourism. Vol. 19, nº10, p.988-1004.

SCHMITT, Bernd (1999) - Experiential marketing. Journal of Marketing Management. Vol. 15, nº1/3, p.53-67.

SIDALI, Katia; KASTENHOLZ, Elisabeth; BIANCHI, Rossella (2015) - Food tourism, niche markets and products in rural tourism: combining the intimacy model and the experience economy as a rural development strategy. Journal of Sustainable Tourism. Vol. 23, nº8-9, p.1179-1197.

VARGO, Stephen; LUSCH, Robert (2004) - Evolving to a New Service Dominant Logic for Marketing. Journal of Marketing. Vol. 68, nº1, p.1-17.

Notes

1 A equipa da Universidade de Aveiro integra, para além da investigadora responsável, Elisabeth Kastenholz, como investigadora co-responsável, Maria João Carneiro, bem como as investigadoras: Ana Caldeira, Celeste Eusébio, Conceição Cunha, Elisabete Figueiredo, Helena Albuquerque, Isabel Santos, Josefina Salvado, Mariana Carvalho e Zélia Breda. A equipa do Instituto Politécnico de Viseu integra as investigadoras: Carla Silva, Cristina Barroco e Lúcia Jesús Pato. A equipa da Universidade da Beira Interior integra os investigadores: Arminda Paço, Carla Pereira, Helena Alves e Paulo Duarte.

Auteurs

Universidade de Aveiro, Unidade de Investigação em Governança, Competitividade e Políticas Públicas (GOVCOPP), Aveiro, Portugal

elisabethk@ua.pt

Universidade de Aveiro, Unidade de Investigação em Governança, Competitividade e Políticas Públicas (GOVCOPP), Aveiro, Portugal

mjcarneiro@ua.pt

© Publicações do Cidehus, 2021

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search