Version classiqueVersion mobile

Turismo Rural e Turismo Comunitário no Espaço Ibero-Americano

 | 
Jaime Serra
, 
Noémi Marujo
, 
Maria do Rosário Borges
, 
et al.

Valorizar o Interior Algarvio

Experiências de Turismo Criativo da rede CREATOUR em territórios de Baixa Densidade

Sónia Moreira Cabeça, Alexandra Rodrigues Gonçalves, João Filipe Marques et Mirian Nogueira Tavares

Résumé

O Turismo Criativo, através do recurso às características específicas dos territórios (recursos naturais, normas culturais, especificidades geográficas) e do estímulo ao papel ativo das suas comunidades, pode vir a ser um caminho seguro para o desenvolvimento local.
Trabalhando diretamente com 40 entidades que, de norte a sul do país, desenvolvem experiências de turismo criativo em territórios rurais e de baixa densidade, o Projeto CREATOUR - Desenvolver Destinos de Turismo Criativo em Cidades de Pequena Dimensão e Áreas Rurais - visa contribuir para o desenvolvimento económico sustentado das regiões.
No Algarve, região cujo turismo é caraterizado pelo produto «sol e mar», um­ dos principais objetivos das iniciativas associadas ao CREATOUR é, precisamente, a valorização do interior enquanto «sítio onde vale a pena ir».
Este capítulo – que é uma versão preliminar de um trabalho em curso – apresenta os parceiros algarvios e as iniciativas desenvolvidas no projeto, as quais, envolvendo as comunidades e os recursos locais, evidenciam que «há mais no Algarve» e atestam o turismo criativo como ferramenta de desenvolvimento económico em territórios de pequena dimensão e áreas rurais, contribuindo para a revitalização da economia não costeira, diversificando a base de atratividade da região e esbatendo a sazonalidade.

Note de l’auteur

O projeto CREATOUR (projeto n.º 16437) é financiado pelo Programa de Actividades Conjuntas (PAC) do Portugal 2020, através do COMPETE 2020, POR Lisboa, POR Algarve e da Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

Texte intégral

Turismo Criativo

1Atualmente, estudos conduzidos por especialistas na área observam novas tendências no turismo e a alteração de padrões nos modos de planear e fazer viagens. Segundo estes, muitos turistas procuram a utilidade em vez da novidade e planeiam as suas viagens orientados pela vontade de crescimento pessoal (TAN, KUNG & LUH, 2013). Viajar é uma oportunidade para aprender: a viagem turística é uma viagem de descoberta e de autoconhecimento (GONÇALVES, 2005). Cada vez mais os turistas desejam envolver-se de forma mais ativa e autêntica nos territórios visitados e participar ativamente em atividades que envolvam também as comunidades do seu destino. De acordo com O.-Olson & Ivanov (2010), os turistas tendem a procurar autenticidade, interação, imersão cultural, experiências únicas, artesanato e saberes fazer tradicionais. Alguns estudos concluem também que muitos turistas são hoje mais atentos e sensíveis ao contexto (MOSCARDO, 1996): querem saber mais sobre os destinos visitados, sobre a sua cultura e sobre o que torna cada lugar especial e único. A valorização dos aspectos emocionais e simbólicos (JENSEN, 1999), a possibilidade de viver experiências únicas características de um lugar e que não são reprodutíveis noutros (GU & RYAN, 2008) e a disponibilidade dos turistas para se envolverem sinceramente num modo de vida diferente (ATTO, 2015); atestam que, mais do que bens ou serviços, os turistas procuram eventos memoráveis (PINE & GILMORE, 1999). Querem sentir-se inspirados e, mais do que apenas lugares, procuram experiências envolventes (RICHARDS, 2016). Mais que meros consumidores, estes turistas demandam experiências de cocriação que envolvam as comunidades locais e a permitam fomentar a sua criatividade (RICHARDS & RAYMOND, 2010).

2Atender às necessidades psicológicas manifestadas por estes visitantes, como a inspiração (BINKHORST, 2008) e a criatividade, exige uma mudança de perspetiva; uma mudança de atenção do olhar do turista para todo o seu corpo (COHEN & COHEN, 2012): mais que observar, os turistas atuais desejam envolver-se, aprender, intervir. Experienciar. Nesse sentido, as atividades que cada lugar pode vir a proporcionar são cada vez mais importantes na hora de decidir o destino (MARTIN & WOODSIDE, 2008).

3O turismo criativo é uma resposta a estas novas demandas, uma vez que a disponibilidade destes novos visitantes para atividades que exigem o exercício da sua criatividade é, precisamente, uma dimensão fundamental do turismo criativo e o pré-requisito que o diferencia de outros tipos de turismo (TAN, KUNG & LUH, 2013). Este define-se como um modo de fazer turismo que pressupõe uma aprendizagem sobre o destino (arte, património, cultura) que liga visitantes e visitados numa mesma experiência (UNESCO, 2006). O turismo criativo oferece a oportunidade a cada visitante para desenvolver o seu potencial criativo e aprender, através de formas de participação ativa, em experiências características do destino de férias (RICHARDS & RAYMOND, 2000). Turistas e residentes são envolvidos em experiências criativas nas quais ambos têm papéis ativos. O turista, que antes apenas contemplava, tenta compreender, participar, interagir, vivenciar o quotidiano do seu destino (ILINCIC, 2013); e o residente deixa de ser mero observador da agitação turística para se tornar uma peça-chave da oferta.

4O turismo criativo é indissociável dos territórios nos quais se desenrola, ligando a criatividade aos lugares e proporcionando experiências culturais únicas. Esta forma de turismo pressupõe, não apenas a aprendizagem por parte dos visitantes, mas também papéis ativos para as comunidades, o uso dos recursos locais e a imersão na cultura do destino. É um exercício de cocriação, de troca efetiva de experiências, conhecimentos e competências, que vincula as gentes aos lugares e os participantes às experiências, valoriza competências, conhecimentos, práticas e percursos criativos e apostando no potencial, no conhecimento, nas capacidades e nas tradições locais.

Turismo Criativo e desenvolvimento rural

5As iniciativas de turismo criativo concebem a sua oferta de acordo com os recursos locais e, ao envolverem as comunidades, podem vir a constituir uma resposta efetiva aos desafios do desenvolvimento sustentável dos territórios de baixa densidade, trazendo valor económico e social para as comunidades, as instituições locais e as regiões.

6Evidências do uso da criatividade como recurso sustentável no turismo podem ser encontradas na literatura. Miettinen (2005), ao estudar as comunidades de artesanato locais na Namíbia, relaciona o turismo criativo com o empoderamento das populações, com os benefícios económicos para as comunidades e com a satisfação dos visitantes; Duxbury e Campbell (2009) atestam que a utilização de recursos culturais no turismo e a autoexpressão das comunidades podem não só melhorar a sua qualidade de vida, mas também dotar os lugares duma maior capacidade de sobreviverem ao longo do tempo, fazendo uso das suas forças internas; Gibson e Gordon (2016) demonstram que, em tempos de incerteza e mudança, uma comunidade pode aumentar a sua capacidade de resiliência através da performance e da expressão musical participativa; Roberts e Townsend (2016) destacam a importância de elementos criativos nas comunidades rurais que, para além de desenvolverem o capital cultural dos seus lugares através de práticas comunitárias (aulas de música, concertos, trabalhos artísticos), promovem os seus espaços geográficos enquanto lugares que valem a pena ser visitados ou mesmo habitados.

7De facto, as áreas rurais, antes percebidas como passivas e dependentes no contexto da economia global, são hoje entendidas como capazes de gerar inovação e contribuir para o desenvolvimento futuro (SHUCKSMITH, 2018, 169). Ainda que distantes dos grandes centros culturais e financeiros, as novas tecnologias digitais e outras abordagens adaptativas permitem superar as barreiras comunicacionais e o desenvolvimento de atividades a partir dos locais rurais de origem (ROBERTS & TOWNSEND, 2016). Agroturismo, enoturismo, biodiversidade, património, gastronomia e artesanato local são hoje marcas dos territórios que contribuem para transformar as paisagens rurais da Europa rumo ao «desenvolvimento sustentável» (HEATHERINGTON, 2011). As estratégias económicas, antes primordialmente assentes na agricultura, incluem cada vez mais o turismo. A visão do que é (ou representa) o mundo rural amplia-se. Um estudo realizado em Portugal (SILVA et. al., 2016) indica que as representações sociais sobre o rural no país são múltiplas, revelando algumas contradições e imagens sobrepostas: o rural anti idílico, espaço físico e habitado; o rural abandonado e desfavorecido; o rural idílico, espaço de bem-estar; o rural potenciador de desenvolvimento socioeconómico; e o rural, espaço turístico e de exploração dos recursos naturais. O mesmo acontece ao mover o foco para o turista, cuja valorização do mundo rural espelha diferentes perspetivas (LOUREIRO, 2014). A dimensão estética - o mero usufruto dos estímulos proporcionados pelo ambiente, a contemplação e participação passiva no meio, fazendo uso os cinco sentidos - apresenta-se como a mais valorizada, assim como a observação passiva. Outros visitantes, porém, valorizam a intervenção ativa em atividades (participar em feiras, aprender a fazer artesanato, realizar atividades agrícolas) ou ainda a possibilidade de abraçar o estilo de vida do lugar, as suas rotinas, horários, dieta e quotidiano (que é, regra geral, diferente do estilo de vida habitual dos visitantes).

8O turismo em meio rural (definição genérica de turismo rural) oferece ao visitante um conjunto de experiências associadas a produtos turísticos diversificados em áreas rurais, «com o objetivo de preservar, restaurar e valorizar o património arquitetónico, histórico, natural e paisagístico das regiões» (LOUREIRO, 2014, 1). A preocupação estende-se, de resto, a regiões cuja especialização turística a faz depender, em larga medida, das atividades desenvolvidas em torno de um mesmo setor. Caso do Algarve que, se por um lado vê o seu interior despovoado e pouco visitado, observa o fenómeno de turismo de massa na zona costeira, dependendo do turismo de «sol e mar». O desafio das regiões reside, portanto, na sua capacidade de, num mercado de turismo exigente e heterogéneo, desenvolver ofertas diferenciadas que correspondam à necessidade de experiências únicas e memoráveis que os visitantes procuram e criem emoções e memórias positivas que promovam o apego ao lugar (ibid.).

9Tentando criar uma oferta diferenciada, os destinos afetam os seus recursos locais ao turismo. Nesse sentido, o turismo criativo poderá contribuir para o desenvolvimento comunitário, envolvendo a comunidade num contexto turístico. Em alguns casos, é a própria comunidade que cria produtos e experiências turísticas, participando ativamente nos processos de planeamento e gestão das ofertas: ao invés de «baseado na comunidade», este turismo pode ser «criado pela comunidade» (IDZIAK, MAJEWSKI & ZMYŚLONY, 2015).

10Por outro lado, algumas pessoas escolhem mudar-se para áreas rurais e iniciar microempresas (PETROV & CAVIN, 2017), fenómeno que pode ser observado em Portugal. Estes novos habitantes, outrora urbanos, veiculam visões diferentes do que é o mundo rural e mudam-se por razões diferentes. Regra geral, desenvolvem o seu próprio negócio por não encontrarem um emprego adequado (GALANI-MOUTAF, 2013; PETROV & CAVIN, 2017) e não criam postos de trabalho adicionais. Como Blapp e Mitas (2018) reconhecem, não se tratando de um turismo de massas, este turismo de pequena escala pode não criar muitos postos de trabalho ou trazer benefícios económicos diretos alargados mas, ao alocar o capital social das comunidades, pode desempenhar um papel positivo ou mesmo impulsionador na economia criativa (HERSLUND, 2012).

11O turismo criativo adivinha-se, portanto, como promissor para contextos rurais quando a comunidade é envolvida (BLAPP & MITAS, 2018). Um interessante trabalho realizado por Galani-Moutaf (2013) atesta a importância desse envolvimento: quando as atividades de turismo rural são realizadas por indivíduos alheios aos lugares em que operam, a sua «estetização do mundo rural» apaga as marcas da dureza do trabalho, revelando uma visão idílica do rural que os seus habitantes dificilmente reconhecem como sendo o seu mundo e as atividades turísticas são tidas como «fora do lugar» quando vistas sob o prisma da comunidade residente. Blapp e Mitas (2018) concluem, pois, que o turismo criativo tem que incorporar a vida quotidiana do mundo rural no produto turístico e, para ser bem sucedido, alicerçar-se num interesse genuíno e mútuo de intercâmbio cultural entre visitantes e visitados.

12A criatividade pode ser uma das respostas para a viabilidade social e económica das regiões rurais (ROBERTS & TOWNSEND, 2016). Indivíduos e comunidades criativas contribuem para a construção de capital cultural do mundo rural e para a resiliência das suas comunidades (ROBERTS & TOWNSEND, 2016; GIBSON & GORDON, 2016); e as práticas culturais e criativas expressam a identidade e coesão social, contribuindo também para a qualidade de vida das pessoas que vivem em áreas rurais. Uma forte consciência dos recursos disponíveis na comunidade e um «sentido de comunidade» (ROBERTS & TOWNSEND, 2016) jogam um papel fundamental no desenvolvimento de trajetórias para o futuro e permitem que as comunidades desenvolvam capacidades para se adaptar às mudanças observadas nas paisagens rurais. A «resiliência comunitária» (MAGIS 2010, 402) – ou seja, a existência, desenvolvimento e a afetação de recursos comunitários por parte dos membros da comunidade que lhes permitem estruturar novas trajetórias sustentáveis para os seus lugares – passa pela adaptação aos novos contextos, novos comportamentos, novas formas de comunicação, utilização dos recursos e do capital cultural da comunidade. Nesse sentido, o turismo criativo, envolvendo as comunidades e respeitando a «identidade do lugar», poderá contribuir para o desenvolvimento sustentável das áreas rurais e dos territórios de baixa densidade.

Turismo no Algarve

13A região do Algarve é a região turística por excelência em Portugal. A praia - e todas as atividades ligadas ao «sol e mar» - são o principal fator de atração da região de Portugal que maior crescimento turístico observou entre 2001 e 2011: + 14.1%, (RTA, 2014). Em 2016, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística, a região detinha quase um terço da capacidade de alojamento do país (32,5%) e 17 936 pessoas afetas ao setor do turismo (30% do total nacional). Durante o ano, a região contabilizou 19 005 838 noites em alojamentos turísticos (32% da performance nacional). Com 47 911 quartos e 623 estabelecimentos hoteleiros, o Algarve obteve um total de benefícios que ascende quase ao dois milhões de euros (€ 1 882 079) e cerca de 4 milhões de visitantes (ibid.).

14Apesar desta performance, a diferença observada entre os municípios da região que se situam na zona costeira e os demais do interior, é bastante acentuada. Quase 43% dos visitantes escolheu Albufeira como destino, seguido de Loulé (13%) e Portimão (12%), municípios onde a praia é o principal atrativo. No campo oposto, Alcoutim e São Brás de Alportel, municípios do interior, foram os menos visitados (INE, 2016). Tal concentração deve-se, como referimos, à especialização da base económica da região no produto «sol e mar». Se atendermos às principais atividades desenvolvidas no Algarve - catering, serviços administrativos, imobiliária e construção – quase metade das empresas estão diretamente ligadas ao turismo (CCDR, 2015) e o setor emprega metade da população da região. O turismo absorve 43% do Quadro de Referência Estratégica Nacional e «tem sido o principal motor económico da região, estimulando outras atividades (...) essenciais para o processo de desenvolvimento da região, em termos de emprego, de criação de riqueza, qualificação, competências e qualidade de vida» (CCDR, 2015, 31). Este foco condicionou, porém, a inovação e a diversificação da economia regional (ibid.). As diferentes realidades que o turismo espelha demonstram que, apesar dos limites fortemente demarcados da região em relação às demais do país (com os níveis descentralizados de governação a coincidir geralmente com os limites espaciais), existem diferenças económicas, sociais, demográficas e turísticas no Algarve e a própria Região de Turismo do Algarve (2014) admite os desequilíbrios socioeconómicos gerados pelo turismo.

15Um estudo conduzido pelo Turismo do Algarve e a Universidade do Algarve em 2016 indica que muitos dos visitantes que escolhem o Algarve como destino de férias têm uma relação afetiva com o lugar, recomendam-no e visitam a região mais que uma vez por ano. Com níveis de satisfação e fidelização elevados (avaliado positivamente por 98% dos inquiridos e recomendado por 95%), o Algarve é descrito pelos seus visitantes com recurso a palavras como «sol», «praia» e «belo». A praia, o clima, a gastronomia e as pessoas atraem os visitantes, que escolhem sobretudo os meses entre julho e agosto para a sua deslocação, altura em que o Algarve se encontra «superlotado», o maior problema apontado. Não obstante a boa performance turística da região, o relatório final afirma a necessidade de promover experiências diversificadas baseadas nos fatores de valorização da região. A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve (2014) reforça esta ideia, centrada na crescente procura de produtos turísticos de maior valor acrescentado, associados ao mar, ambiente, cultura, património, turismo de saúde e bem-estar. No mesmo sentido, a «Estratégia de Especialização Inteligente para o Algarve» (CCDR ALGARVE, 2015), prevê a adoção de estratégias que incluam «a diversificação de produtos e mercados com base nos recursos locais e produções tradicionais, no know-how, e nas perspetivas de crescimento global (ecológico, cultural, de saúde, etc.)» (ibid., 72), tornando o Algarve mais competitivo e capacitado para atrair visitantes durante todo o ano. Não deixando de apostar no mar como «área âncora» do turismo (sendo o turismo, ele mesmo, a «área âncora» da estratégia de desenvolvimento da região), novos produtos poderão diversificar a base de atração da região, qualificar o território e o meio ambiente, quebrar a sazonalidade e o excesso de concentração no produto «sol e mar», numa lógica designada de «variedade relacionada». Também o «Plano de Marketing Estratégico para o Turismo do Algarve 2015-2018» (RTA, 2014) afirma que a região deve salvaguardar o seu património, garantir a sustentabilidade ambiental e diversificar o turismo.

16Esbater a sazonalidade de forma sustentável, surpreender, inovar, atrair novos mercados e diversificar a oferta, ser um destino smart, são alguns dos desafios propostos para a região.

O Projeto CREATOUR e os parceiros algarvios

17O CREATOUR é um projeto de investigação que, ao ligar os sectores cultural, criativo e turístico, visa promover o desenvolvimento do sector do turismo criativo sustentável. Projeto de incubação e investigação multidisciplinar, pretende, em conjunto com 40 parceiros que implementam ofertas de turismo criativo, desenvolver destinos de turismo criativo em cidades de pequena dimensão e áreas rurais.

18Até o final de 2019, o projeto, comum a cinco centros de investigação (CIEO- Universidade do Algarve, CES- Universidade de Coimbra, Lab2PT- Universidade do Minho, DINÂMIA’CET-IUL- ISCTE e CIDEHUS- Universidade de Évora) acompanhará e monitorizará as experiências desenvolvidas pelos seus parceiros, daí resultando um conjunto de observações sobre a natureza criativa das experiências, sobre o perfil do visitante e o estabelecimento e reforço de uma rede de turismo criativo em Portugal que se estenda para além do período de ação do projeto. Entre outros objetivos, pretende-se criar uma oferta diversificada; valorizar competências, conhecimentos, práticas e percursos criativos; estabelecer relações duradouras entre as diversas entidades; reforçar a ligação entre os setores cultural, criativo e turístico; acolher novas e melhores ofertas de turismo; e apoiar a valorização e crescimento do setor.

19As entidades parceiras do CREATOUR foram escolhidas após duas chamadas de projetos (2016 e 2017) endereçadas a todos os tipos de organizações, entidades e profissionais a operar em Portugal que pretendessem implementar e desenvolver iniciativas de turismo criativo e foram selecionados tendo em conta o valor cultural, a natureza criativa e a diversidade das propostas; a sua capacidade de atração turística e possível contribuição para os processos de desenvolvimento local, fazendo uso dos recursos culturais locais e envolvendo as suas comunidades.

20No Algarve, 10 entidades estão a desenvolver iniciativas piloto na área do turismo criativo, colaborando estreitamente com o CIEO. A oferta é diversificada, incluindo gastronomia e culinária, cultura visual, design, ilustração, fotografia, ciência, história, natureza e percursos pedestres, agricultura, artes e ofícios, artesanato e outros saberes fazer tradicionais. Estas ofertas turísticas pretendem afirmar-se como alternativa ao massificante turismo de «sol e mar» e promover destinos alternativos na região.

Tabela 1 - Projetos Piloto do CREATOUR para a região Algarve

Parceiro

Experiência

Local

Objetivos

PROACTIVETUR

PROGRAMA DE EXPERIÊNCIAS CRIATIVAS

Workshops de cana, barro, lã, vime, palma, plantas autóctones - chás, incensos e mezinhas - e de pintura, ilustração e fotografia.

Alcoutim, Martilongo e Vaqueiros; Furnazinhas; Cachopo; Salir, Alte; Monchique, Marmelete; Bensafrim, Barão S. João; Vila do Bispo, Sagres.

• Formar animadores de turismo criativo;

• Fortalecer a rede de parceiros;

• Promover a atratividade dos territórios rurais e de baixa densidade;

• Preservar o conhecimento tradicional.

ODIANA

OFICINAS DO SABER TRADICIONAL

Workshops de apanha de sal e flor de sal, de pastoreio e de pão caseiro proporcionados pela comunidade.

Odeleite; Furnazinhas, Azinhal, Castro Marim; Cacela Velha; Alcoutim, Vaqueiros .

• Constituir uma alternativa ao turismo de «sol e praia»;

• Envolver a comunidade local;

• Atrair os turistas para zonas não costeiras e para o interior algarvio;

• Revitalizar e promover as tradições locais.

ESPÍRITO DA TERRA

3 C'S - COLHER, CAMINHAR, CRIAR

Colher os produtos da horta, provar e aprender; caminhar por um percurso pedonal e rota sensorial; criar em oficinas criativas com materiais naturais locais.

Boliqueime

• Valorizar o património natural, as práticas agrícolas e os saberes das gentes;

• Recuperar, manter e valorizar área fluvial (percursos, moínhos…) e a agricultura de forma sustentável.

LOULÉ

CRIATIVO

OFICINAS TRADICIONAIS

Worshops de Caldeiraria, Palma e Olaria

Centro Histórico de Loulé

• Recuperar e utilizar espaços de saber tradicional;

• Formar artesãos e profissionais do setor criativo;

• Revitalizar as artes e os ofícios tradicionais.

BARROCA

TEMPERO: LUGARES DE GASTRONOMIA

Percursos, visitas e experiências visuais e gastronómicas.

Concelho de Silves (Silves, aldeias e campos do Barrocal).

• Contribuir para o desenvolvimento local;

• Valorizar a história e a cultura local.

BACKUP

ALGHARB.COME

Roteiro de edifícios industriais combinada com a recriação de processos artesanais da indústria conserveira e de técnicas tradicionais de pesca.

Vila Real de Santo António, Monte Gordo; Ayamonte; Tavira; Olhão.

• Divulgar o património da indústria conserveira através dos arquivos históricos, conversas informais, memórias e testemunhos e workshops;

• Discutir e preserver as técnicas artesanais.

TERTÚLIA

ALGARVIA

ALGARVE COOKING VACATIONS

Férias culinárias com receitas tradicionais e visitas complementares (mercados, hortas...).

Centro Histórico de Faro e zonas rurais de Faro e Olhão

• Dar aos visitantes a oportunidade de experimentar a cultura local através da gastronomia e do património local.

IN LOCO

TASTING ALGARVE

Rotas gastronómicas por todo o Algarve compostas por experiências baseadas em recursos culturais e naturais identitários, ligando-se à beleza da paisagem.

Ao longo da Rota da Dieta Mediterrânica

• Promover a Dieta Mediterrânea como um estilo de vida saudável, abordando a pesca, a agricultura e os produtos regionais;

• Sensibilizar para a diversidade do património cultural e histórico do Algarve.

EATING

ALGARVE FOOD TOURS

FOOD TOURS Experiências imersivas na comunidade local e nos espaços do quotidiano guiadas por um residente, combinando gastronomia, cultura e património.

Loulé; Faro

• Levar as pessoas a visitar lugares fora dos circuitos turísticos;

• Aumentar o tempo de permanência no destino;

• Diversificar a oferta turística;

• Interagir com a comunidade.

CIÊNCIA VIVA DO ALGARVE (parceria com Ass. Professores de Matemática do Algarve)

PERCURSOS QUE CONTAM

Explorar a cidade fazendo uso do conhecimento científico, artístico e histórico num ambiente aprendizagem.

Centro de Faro

• Valorizar a oferta lúdico-científica;

• Criar uma ferramenta que possa ser usada por operadores turísticos e outros;

• Divulgar a Ciência e a Tecnologia.

21As ofertas que a rede de parceiros do CREATOUR Algarve está a desenvolver lançam uma nova perspetiva sobre o território, alocando os seus recursos patrimoniais. Muitas das ações incidem especificamente nos territórios rurais algarvios, promovendo o turismo em contexto rural, desenvolvendo experiências criativas, promovendo o saber fazer e dando a conhecer os espaços naturais de zonas pouco visitadas. Ainda que desenvolvendo a sua atividade em territórios onde o turismo é já expressivo, constituem uma alternativa turística, promovendo experiências diferenciadas, fazendo a ligação entre a urbanidade e os espaços rurais, recuperando memórias, revitalizando artes e ofícios. Estes projetos piloto demonstram estar comprometidos com os seus lugares. Valorizam a história, a cultura, o património, prevendo benefícios para as comunidades locais. Algumas experiências trarão benefícios diretos para as comunidades, como a recuperação de espaços públicos, a salvaguarda de artes e ofícios, a formação de agentes especializados em turismo e, potencialmente, o aumento de visitantes e da duração da sua estadia, fortalecendo as estratégias e redes de turismo e melhorando a qualidade dos serviços. As comunidades locais são envolvidas nas experiências, partilhando o seu saber, conduzindo os visitantes pelos lugares do seu quotidiano, permitindo a imersão do turista na cultura local num processo de cocriação efetivo.

Primeiras considerações acerca das experiências criativas no Algarve

22No sentido de melhor compreender quem são os visitantes destas experiências de turismo criativo, o CREATOUR desenvolveu um inquérito a aplicar aos participantes nas atividades da rede. O inquérito pretende aferir perfis socioeconómicos, hábitos de consumo, níveis de satisfação, motivações e elementos chave para o sucesso das ofertas, assim como avaliar os impactos das atividades para os territórios.

23No Algarve, a par de testagens, foram já desenvolvidas oficinas de empreita, salineiras, de pastoreio e de culinária que tiveram lugar em Loulé, Castro Marim, Alcoutim e Faro. Destas experiências resultaram 40 inquéritos aplicados. Ainda que pouco expressivos e não vinculativos, em conjunto com as observações dos investigadores que participaram nas experiências, os dados obtidos contêm pistas e significados potencialmente reveladores. Se a presente comunicação visa sobretudo apresentar as atividades que estão a ser desenvolvidas na rede CREATOUR nos territórios rurais e de baixa densidade (que se esperam casos de sucesso; boas práticas para o desenvolvimento do turismo sustentável) e os objetivos a que se propõem, não podemos, contudo, descuidar algumas reflexões promovidas pelos primeiros resultados obtidos.

24Foram inquiridos 13 residentes no estrangeiro e 27 em Portugal. Todos os inquiridos residentes em território nacional que responderam à questão (25) habitam no Algarve, nenhum se encontrando, no momento da atividade, a mais de 100km da sua residência. Quanto aos residentes no exterior, cinco encontram-se a residir em França. 26 dos inquiridos possuem licenciatura ou grau académico superior, dois terços são mulheres e a mesma proporção tem entre os 30 e os 60 anos.

25Dada a diminuta amostra, poupamos descrições adicionais para incidir noutras dimensões que compreendem a caracterização e a avaliação da experiência criativa por parte dos inquiridos.

  • 1 Os itens em avaliação são os seguintes: «Original», «Criativa», «Emotiva», «Enriquecedora», «Estimu (...)

26Convidados a caracterizar a sua experiência de acordo com a escala «discordo em absoluto», «discordo», «não concordo nem discordo», «concordo» e «concordo em absoluto», os visitantes inquiridos consideraram as atividades originais, criativas, enriquecedoras, estimulantes e memoráveis. Se atendermos apenas aos inquiridos que responderam «concordo» e «concordo em absoluto» - que aferem um grau de satisfação positivo - os resultados evidenciam a satisfação dos participantes1. 97,5% concordaram ou concordaram em absoluto que a atividade que haviam desenvolvido fora «original»; 97,4% consideram-na «enriquecedora» e «estimulante»; 94,8% «memorável» e 94,7% «criativa». 79% concordaram ou concordaram em absoluto que fora «emotiva»; 70,3% que fora «absorvente». Apenas 8,6% consideraram a experiência «cansativa» ou «frustrante» (ainda que um dos inquiridos tenha sublinhado que a sua frustração se devia à sua inabilidade para a tarefa) e 5,7% «aborrecida».

  • 2 «Por ser culturalmente motivadora», «Por permitir interagir com os outros participantes», «Por perm (...)

27Utilizando a mesma escala, foram ainda questionadas as motivações que levaram o visitante a participar na atividade. A questão «porque escolheu esta experiência» compreendia, desde logo, uma série de itens a avaliar2 podendo, contudo, os inquiridos apresentar motivações adicionais. Todos os inquiridos que responderam à questão (100%) concordaram ou concordaram em absoluto que a escolha havia sido feita por considerarem a experiência «original». Tendo também a originalidade sobressaído como elemento caracterizador da experiência, observamos a correspondência entre a expectativa e o resultado das atividades neste domínio. A escolha, para 92,1% dos inquiridos, foi igualmente determinada pelo facto de a atividade «ser culturalmente motivadora». O terceiro fator mais referido, em 91,6% dos casos, foi «por ser divertido». 83,8% apresentaram como motivo de escolha a possibilidade de «estimular a criatividade» e 73,6% «por permitir conhecer e interagir com a comunidade local». Estes resultados enquadram, portanto, os participantes no padrão acima mencionado: querem saber mais sobre a vida cultural dos seus destinos e procuram experiências únicas. A «localização» (61,6%), a «adequação a toda a família» (60%) e a «interação com os outros participantes» (51,3%) foram aspetos valorizados em menor grau. «Para acompanhar alguém» (40,5%) e «por conhecer o promotor da atividade» (34,3%) são os menos revelantes. Outros motivos indicados para a escolha da atividade prendem-se com a curiosidade, a aprendizagem e o bem-estar.

  • 3 «Experimentei uma atividade nova», «Aprendi mais sobre a cultura local», «Aprendi a fazer algo», «D (...)

28A avaliação da experiência compreende oito itens pré-codificados3 utilizando a escala acima mencionada. Todos os inquiridos concordaram ou concordaram em absoluto que haviam «aprendido mais sobre a cultura local», demonstrando a natureza idiossincrática das atividades, territorializadas e afetando os recursos e os saberes locais. 97,4% «divertiram-se», fazendo assim coincidir a avaliação antes e após a experiência. Ainda que a interação com os outros participantes não tenha sido um dos fatores mais determinantes para a escolha da experiência, 97,4% dos inquiridos admitiram ter «conhecido pessoas interessantes». 95% «experimentaram uma atividade nova» e 87,2% «aprenderam a fazer algo». De resto, todos os aspetos em avaliação foram positivamente sancionados. Os participantes «adquiriram novas competências» (81,5%), «interagiram com a comunidade local» (79%) e «contribuíram para a comunidade local» (70,2%). Uma percentagem menor de concordância em relação aos itens referentes aos impactos para a comunidade é explicada e expressa no baixo número de pernoitas, refeições e compras efetuadas no local por parte dos participantes.

29Todos os participantes se deslocaram em viatura própria e a maioria fê-lo com o propósito de participar na experiência (mais de dois terços respondeu afirmativamente à questão «foi o usufruir desta experiência a principal razão de visita a este local»). Todos os inquiridos avaliaram genericamente a experiência em que participaram como «boa» ou «muito boa» e, apenas num caso, «média».

30A observação e participação dos investigadores nas experiências vai ao encontro das considerações proporcionadas pelos resultados prévios. Quatro investigadores participaram em nove atividades, da qual resultaram dezasseis observações. Para além das quatro atividades referidas, os investigadores participaram em oficinas de latoaria, caldeiraria e fotografia, num percurso interpretativo e noutra experiência culinária. Das experiências resulta um conjunto de considerações acerca dos fatores-chave no desenvolvimento destas iniciativas. Atesta-se a importância de um ambiente culturalmente estimulante, a interação entre todos os participantes como fator de satisfação e a necessidade de dar oportunidade aos visitantes para se expressarem. A aprendizagem assume particular importância: mais que ver fazer, é o fazer que amplia a dimensão criativa da experiência, na qual o objeto único, que cada pessoa realiza sob a orientação dos locais, confere a singularidade à experiência criativa.

31Destaca-se, portanto, o papel fundamental da comunidade e dos visitantes no design das experiências criativas: a interação entre os participantes é, como evidencia o estudo de Ilincic (2013), um fator-chave para a satisfação do visitante. Salineiros, caldeireiros, pastores, artesãos e outros elementos da comunidade local que possuem as necessárias competências para o desenvolvimento das atividades, têm um papel fundamental, uma vez que o processo de aprendizagem não pode ser desligado dos recursos humanos, culturais e sociais: a receita não é confecionada sem o chef conhecedor da cozinha tradicional, a história de um local não é conhecida sem a presença de um residente informado (como acima nos relembra o estudo de Galani-Moutaf); o participante não colhe a flor de sal sem as instruções de um salineiro; e para produzir uma pulseira de cobre, uma trança em palma, ou uma medida em latão, há que contar com a mestria de caldeireiros, artesãos, latoeiros... Do mesmo modo, a atividade não pode ser desligada do contexto em que ocorre, do «sentido de lugar», relacionando-se com a identidade do lugar e promovendo a imersão na cultura local. Uma experiência criativa é uma experiência territorializada. A cocriação e o espaço em que cada atividade é situada, permitem que a experiência perdure para além do momento, para além da viagem. A participação ativa e a aquisição de novas competências podem tornar a atividade num evento inesquecível. Como Loureiro (2014) refere, a satisfação torna a experiência memorável.

Discussão e conclusão

32Dos primeiros resultados se infere, como Martin e Woodside (2008) apontam, que a natureza das atividades a realizar no destino são determinantes para a escolha do destino em si. No caso das atividades da rede CREATOUR Algarve, os visitantes escolheram mais o seu destino tendo em conta as atividades que podiam desenvolver do que pela localização destas. Deslocando-se todos em viatura própria, de moto próprio (e não para acompanhar alguém ou «persuadidos» pelos organizadores), os visitantes são motivados pela natureza cultural e original das atividades e a possibilidade de divertimento. Viajam com o propósito de participar na experiência e não por se encontrarem no local. Este viajante, que vai e retorna após a atividade, explica o pouco impacto que as atividades tiveram na economia local: poucos pernoitaram na zona (apenas dois inquiridos estavam a passar férias no local), tomaram apenas as refeições que antecediam ou precediam as atividades (e metade nenhuma tomou), e menos de metade fez compras no comércio local, regra geral produtos locais. De resto, como os dados também indicam, a falta de contacto com as comunidades fica espelhada no menor grau de interação e contribuição para a comunidade local no momento de avaliar a experiência.

33Não obstante, os dados mostram que os visitantes facilmente se deslocam para atender a atividades que sejam do seu agrado. Nesse sentido, as atividades do CREATOUR podem funcionar como fator de atração ao local. Mas, para que o destino possa efetivamente beneficiar deste acréscimo pontual de visitantes, faltam estratégias que levem o visitante não só a deslocar-se, mas também a permanecer. Uma rede de parcerias e a diversificação de ofertas (alojamento, serviços, atividades...) será importante para que o visitante se detenha no território. Como D’Angella e Go (2009, 437) afirmam, «o coletivismo é necessário para o sucesso individual», trazendo a cooperação maior competitividade para os atores envolvidos e benefícios para cada um. Incidindo a investigação na relação entre DMO («Destination Management Organizations») e os agentes locais, os autores revelam um importante resultado desta «inclusão social»: ao desenvolver uma estratégia comum, envolvendo um conjunto de ofertas e de atores diversificados, a sazonalidade diminuiu. A criação de uma rede sustentada poderia, igualmente, colmatar as desigualdades entre lugares apontadas por Shucksmith (2018) decorrentes da diferente capacidade das comunidades locais para embarcar num processo de desenvolvimento rural de baixo para cima e de dentro para fora. O envolvimento da comunidade poderá também, como Gu e Ryan (2008) apontam, fortalecer o sentimento de pertença a um lugar e levar a um maior interesse das autoridades públicas na sua manutenção.

34As iniciativas CREATOUR têm proporcionado novos conhecimentos e divertimento e permitido a interação com pessoas interessantes. Apesar de a interação com outros participantes não ser uma motivação determinante para a escolha da atividade, esta é um dos maiores fatores de satisfação. Em sentido inverso, os resultados parecem indicar a necessidade de um maior envolvimento com a comunidade local. As experiências impulsionam a criatividade dos participantes, numa experiência enriquecedora e estimulante. São atividades envolventes e oportunidades para novas experiências onde os turistas parecem encontrar a originalidade, a criatividade e o divertimento que procuram. As experiências criativas afirmam-se, deste modo, como resposta a novas demandas do turismo, diversificando as ofertas e atraindo novos visitantes. Por seu turno, os participantes nas atividades da rede enquadram-se no perfil do visitante acima descrito: procuram estar informados e atentos, aprender e conhecer mais sobre a cultura local e experienciar eventos memoráveis, únicos e criativos.

35Para tal, a identidade de cada lugar parece assumir particular relevância: não há experiências únicas sem territórios únicos, distintos. É o uso de recursos locais e o envolvimento das comunidades que tornam a experiência irreproduzível noutro lugar e noutro contextos.

36O turismo criativo, desenvolvendo iniciativas territorializadas, liga o património e as pessoas aos lugares. A tabela descritiva das atividades do CREATOUR em solo algarvio assim o exemplificam. Estas ofertas em concreto vão ao encontro da abordagem estratégica para o desenvolvimento económico da região, inscritas na Estratégia de Especialização Inteligente para o Algarve, que prevê, entre outras medidas, a criação de centros de conhecimento em áreas tradicionais e aponta a crescente procura de turismo onde os produtos associados ao mar, meio ambiente, cultura, património, saúde e bem-estar são valorizados. Pretende-se construir uma economia inteligente, sustentável e inclusiva, impulsionando a inovação regional. A Especialização Inteligente coloca a criatividade ao serviço da economia, e está «ciente do potencial baseado na criatividade e de como os processos políticos abertos e participativos podem ajudar a identificar e definir vantagens competitivas e prioridades regionais, promovendo novos procedimentos, estratégias e parcerias» (BARATA, MOLINARI, MARSH & CABEÇA, 2016, 96). O turismo criativo, criando oportunidades para participar em processos de cocriação, num contexto de aprendizagem que inclui papéis ativos para as comunidades e para os visitantes e faz uso dos recursos locais, está alinhado com os desafios atuais; é uma estratégia inteligente ao serviço do desenvolvimento sustentável, orientada pelas necessidades dos cidadãos e pelas características específicas de um determinado local (recursos naturais, normas culturais, especificidades geográficas) (ibid).

37As iniciativas de turismo criativo estão a levar visitantes aos territórios rurais e de baixa densidade algavios, sublinhando a diversidade natural, cultural, histórica e geográfica da região. Assume-se como uma medida potencialmente criadora de riqueza económica para os territórios que pouco têm beneficiado com a procura turística, sobretudo territórios rurais e de baixa densidade. As ofertas CREATOUR Algarve evidenciam as potencialidades de um turismo que não se fixa unicamente no produto «sol e mar» e contribuem para a descoberta de um Algarve ainda desconhecido da maioria dos seus visitantes, potenciando o desenvolvimento rural, esbatendo a sazonalidade e contribuindo para a afirmação das identidades locais. Proporcionam experiências irreproduzíveis. No Algarve, para além da praia, do campo de golfe, há muitos sítios onde «vale a pena ir».

Bibliographie

AMADEUS TRAVELLER TREND OBSERVATORY (2015) - Future Traveller Tribes 2030, Understanding Tomorrow’s Traveller. n.p.: Future Foundation.

BARATA, F. T., MOLINARI, F., MARSH, J., & CABEÇA, S. M. (Eds.) (2017) - Creative Innovation and Related Living Lab Experiences: a Mediterranean Model. Évora: Cátedra UNESCO.

BINKHORST, E. (2008) - Turismo de cocreación, valor añadido en escenarios turísticos. Journal of Tourism Research / Revista de Investigación en Turismo, 1:1, pp. 40-48.

BLAPP, M & MITAS, O. (2018) - Creative tourism in Balinese rural communities. Current Issues in Tourism, 21:11, pp. 1285-1311.

CCDR ALGARVE (2015) RIS3 - Algarve 2014-2020 Estratégia regional de investigação e inovação para a especialização inteligente, n.p: CCDR.

D’ANGELLA, F.; GO, F. M. (2009) - Tale of two cities’ collaborative tourism marketing: Towards a theory of destination stakeholder assessment. Tourism Management, 30(3), pp. 429–440.

DUXBURY, N.; CAMPBELL, H. (2009) - Developing and Revitalizing Rural Communities Through Arts and Creativity. Centre for Policy Studies on Culture and Communities at Simon Fraser University. Vancouver: Creative City Network of Canada.

GALANI-MOUTAF, V. (2013) - Rural space (re) produced – Practices, performances and visions: A case study from an Aegean island. Journal of Rural Studies 32, pp. 103-113.

GIBSON, C.; GORDON, A. (2016) - Rural cultural resourcefulness: How community music enterprises sustain cultural vitality. Journal of Rural Studies xxx, pp.1-12

GONÇALVES, A. R. (2008) - As Comunidades Criativas, o Turismo e a Cultura. Revista Dos Algarves 17, pp. 10-18.

GU, H.; RYAN, C. (2008) - Place attachment, identity and community impacts of tourism—the case of a Beijing hutong. Tourism Management, 29(4), pp. 637–647.

HEATHERINGTON, T. (2011) - Introduction: Remaking Rural Landscapes in Twenty-first Century Europe. Anthropological Journal of European Cultures, vol: 20 (1), pp. 1-9.

HERSLUND, L. (2012) - The Rural Creative Class: Counterurbanisation and Entrepreneurship in the Danish Countryside. Sociologia Ruralis vol: 52 (2), pp. 235-255

IDZIAK, W.; MAJEWSKI, J.; ZMYŚLONY, P. (2015) - Community participation in sustainable rural tourism experience creation: a long-term appraisal and lessons from a thematic villages project in Poland. Journal of Sustainable Tourism, 23:8-9, pp. 1341-1362.

ILINCIC, M. (2013) - Benefits of Creative Tourism - The Tourist Perspective. In Expert Meeting on Alternative and Creative tourism in cities (p. Barcelona).

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA (2017) - Anuário Estatístico da Região Algarve 2016, Lisboa: INE.

JENSEN, R. (1999) - The dream society: how the coming shift from information to imagination will transform your business. New York: McGraw-Hill.

LOUREIIRO, S.M.C. (2014) - The role of the rural tourism experience economy in place attachment and behavioral intentions. International Journal of Hospitality Management 40, pp. 1–9.

MAGIS, K. (2010) - Community resilience: an indicator of social sustainability. Society & Natural Resources 23 (5), pp. 401–416.

MARTIN, D.; WOODSIDE, A (2008) - Grounded Theory of International Tourism Behavior. Journal of Travel & Tourism Marketing, 24:4, 245-258.

MIETTINEN, S. (2005) “Creative tourism as tool for local empowerment”. In G. Richards & J. Wilson, From Cultural Tourism to Creative Tourism. Part 4 - Changing Experiences - the development of Creative Tourism, ATLAS. pp. 53-63.

MOSCARDO, G. (1996) - Mindful Visitor. Heritage and Tourism. Annals of Tourism Research 23(2), pp. 376-397.

OHRIDSKA-OLSON, R.; IVANOV, S. (2010) - Creative Tourism Business Model and its Application in Bulgaria. Proceedings of the Black Sea Tourism Forum ’Cultural Tourism – The Future of Bulgaria.

PETROV, A. N.; CAVIN, P. (2017) – Creating a new path through creative capital: Theories and evidence from the Northern Periphery. The Journal of Rural and Community Development, 12(2/3), pp. 127-142.

PINE, B.J.; GILMORE, J.H. (1999) - The Experience Economy: Work is Theatre and Every Business a Stage, Harvard: Harvard Business School Press.

REGIÃO DE TURISMO DO ALGARVE (2014) - Plano de Marketing Estratégico para o Turismo do Algarve 2015-2018, n.p: RTA.

RICHARDS, G.; RAYMOND, C. (2000) - Creative Tourism. ATLAS News, 23, pp. 16–20.

RICHARDS, G. (2016) - The challenge of creative tourism. Ethnologies, 38, 1–2, pp. 31–42.

ROBERTS, E.; TOWNSEND, L. (2016) - The contribution of the creative economy to the resilience of rural communities: Exploring cultural and digital capital. Sociologia Ruralis, 56 (2). pp. 197-219.

SHUCKSMITH, M. (2018) - Re-imagining the rural: From rural idyll to Good Countryside. Journal of Rural Studies 59, pp. 163-172.

SILVA, D.S.; FIGUEIREDO, E.; EUSÉBIO, C.; CARNEIRO, M.J. (2016) - The countryside is worth a thousand words – Portuguese representations on rural areas. Journal of Rural Studies 44, pp. 77-88.

TAN, S-K, KUNG, S-F; LUH, D-B (2013) - A Model of Creative Experience in Creative Tourism. Annals of Tourism Research, 41, pp. 153-174.

TURISMO DO ALGARVE & UNIVERSIDADE DO ALGARVE (n.d) Perfil do Turista que visita o Algarve [Relatório Final].

UNESCO (2006) Towards Sustainable Strategies for Creative Tourism: discussion report of the planning meeting for the 2008 International Conference on Creative Tourism.

Notes

1 Os itens em avaliação são os seguintes: «Original», «Criativa», «Emotiva», «Enriquecedora», «Estimulante», «Absorvente», «Memorável», «Frustrante», «Aborrecida» e «Cansativa».

2 «Por ser culturalmente motivadora», «Por permitir interagir com os outros participantes», «Por permitir conhecer e interagir com a comunidade local», «Por ser original», «Por ser adequado para toda a família», «Pela sua localização», «Por ser divertido», «Por estimular a minha criatividade», «Para acompanhar alguém», «Por conhecer o promotor da atividade».

3 «Experimentei uma atividade nova», «Aprendi mais sobre a cultura local», «Aprendi a fazer algo», «Diverti-me», «Conheci pessoas interessantes», «Interagi com a comunidade local», «Adquiri novas competências» e «Contribuí para a comunidade local».

Auteurs

CinTurs - Centro de Investigação em Turismo, Sustentabilidade e Bem-estar, Universidade do Algarve, soniacabeca@hotmail.com

CinTurs - Centro de Investigação em Turismo, Sustentabilidade e Bem-estar, Universidade do Algarve, marodrig@ualg.pt

CinTurs - Centro de Investigação em Turismo, Sustentabilidade e Bem-estar, Universidade do Algarve, jfmarq@ualg.pt

CIAC - Centro de Investigação em Artes e Comunicação, Universidade do Algarve, mtavares@ualg.pt

© Publicações do Cidehus, 2021

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search