Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

A iniciativa artística em lugares industriais como intervenção patrimonial: fotografia, cinema, música, dança...

Moçâmedes, da “Tentativa Feliz” Pernambucana a capital piscatória de Angola

Alexandre Ramos

Résumé

Em menos de um século, Moçâmedes (Angola) registou dois aumentos exponenciais da população. O primeiro, em meados do século XIX, devido a fatores políticos ocorridos no Brasil, e o segundo, nas décadas de 1950/1960, potenciado pelo desenvolvimento socioeconómico. Entre as décadas de 1950 e 1970, a região afirmou-se como um dos mais importantes polos industriais de Angola. Com efeito, o desenvolvimento económico e demográfico ocorrido, sobretudo no pós-Segundo Guerra (1939-45), foi amiúde registado em diversas produções cinematográficas. Neste artigo, mediante a análise a dois dos documentários realizados - Indústria de Pesca no Sul de Angola (1938) e Moçâmedes (1970) – demonstramos a pertinência do cinema colonial como fonte documental para o estudo da História e Património Cultural de Angola e Portugal.

Texte intégral

  • 1 Desde os seus primórdios que o cinema internacionalmente encontrou na “fábrica” (indústria) um luga (...)

1Em 1896, é realizado aquele que é conhecido como o primeiro registo fílmico efetuado por um português - A Saída do Pessoal Operário da Fábrica Confiança -, e que é simultaneamente a primeira fonte cinematográfica para o estudo do Património Industrial em Portugal. (LUIS DE PINA,1977; MATOS-CRUZ, 1998; LUÍS DE PINA, 1987; GRILO, 2006; TORGAL et al., 2000) A obra marca o início da relação entre a Indústria e o Cinema em Portugal – sendo que a indústria utilizou o cinema como veículo de promoção e os cineastas encontraram na Indústria uma fonte criativa e de financiamento.1

  • 2 As sinopses, fichas técnicas de ambos documentários estão disponíveis, respetivamente, em Indústria (...)

2Conquanto, o cinema enquanto objeto de estudo do Património tem sido preterido em detrimento da documentação escrita e iconográfica. Por conseguinte, definimos como o objetivo central deste estudo demonstrar a pertinência do cinema enquanto fonte documental, neste caso para o estudo da História e do Património Industrial de Angola e Portugal. Selecionámos para o efeito dois documentários, Indústria da Pesca no sul de Angola (Angola, 1934) e Moçâmedes (José Elyseu, Angola, 1970), que analisámos de acordo com três variáveis em concordância com o escopo do Património Industrial: (1) alteração da paisagem (urbana e natural); (2) materiais e infraestruturas (e.g., complexos e equipamentos de produção); e (3) património imaterial (e.g., técnicas de trabalho, vivência e convivência em espaço laboral).2 A escolha destas duas obras teve por base dois critérios: a) a sua narrativa ter o mesmo o objeto (os aspetos socioeconómicos de Moçâmedes) e de b) terem sido realizados com uma distância temporal superior a três décadas, o que o permite ter uma perspetiva evolutiva da cidade Moçâmedes e da província homónima.

Preâmbulo da Colonização efetiva de Moçâmedes

3A colonização efetiva do litoral de Angola a sul de Benguela acontece a partir de 1840 com a edificação do Forte de São Fernando de Namibe (obra terminada em 1844) na Ponta Negra, atualmente localizado dentro da malha urbana de Moçâmedes. Em 1845, residiam em permanência no Forte 30 militares e na sua envolvência 70 civis que se ocupavam sobretudo de transações comerciais operadas na feitoria. Exceção à regra era o algarvio Fernando Cardoso Guimarães que em conjunto com outros iniciara aquela que seria a atividade por excelência da futura província de Moçâmedes, a pesca. (MENDES, 2005) Todavia, seriam os acontecimentos ocorridos do outro lado do Atlântico a provocarem o aumento exponencial da população branca em Moçâmedes.

4Na sequência da independência do Brasil, uma parte da comunidade portuguesa de Pernambuco sentiu-se vítima de perseguição por recusar adotar a nova nacionalidade, por isso, solicitaram ao governo de Lisboa a sua evacuação para uma das colónias do Reino de Portugal. Bernardino Freire de Figueiredo Alves Abreu e Castro surge como o interlocutor entre esta comunidade e Lisboa. Findas as negociações, Castro torna-se líder do primeiro grupo de colonos que em 1849 partiu de Pernambuco a bordo da embarcação “Tentativa Feliz” com destino a Moçâmedes. No ano seguinte, chegou um novo grupo de colonos pernambucanos, aproximadamente 300, desta vez liderados por José Joaquim da Costa. É, portanto, atribuída à comunidade pernambucana a fundação da cidade de Moçâmedes. (SERRAO, 1984) Posteriormente, na década de 1860, começaram a chegar a Moçâmedes comunidades provenientes de Portugal Continental, nomeadamente, do litoral algarvio e da Madeira, estes últimos em consequência do plano governamental de povoamento do Planalto da Huíla. (Bastos, 2009) Por esta altura, as principais fontes de rendimentos da população eram a pesca, a baleação e a transformação do pescado (produção de óleos, salga, secagem e conservas). Quantos às restantes atividades económicas, derivavam do apoio à baleação norte-americana - que passou a incluir Moçâmedes na sua rota de pesca e abastecimento - e da exploração agrícola que fora dinamizada pelos colonos brasileiros quando introduziram novas culturas (e.g. cana-de-açúcar). (MENDES, 2005)

5Consequentemente, o crescimento económico, aliado ao fim da escravatura, provocou um déficit de mão-de-obra, razão pela qual aumentou o número de colonos metropolitanos. Assim, com crescimento demográfico e a diversificação da economia, a paisagem foi sendo sistematicamente modelada: aumentou o edificado para fins habitacionais, administrativos e produtivos; desenvolveram-se vias de comunicação (ampliação dos portos, desenvolvimento da rede ferroviária e rodoviária); ampliou-se a área agrícola, de pastagem e de mineração.

Moçâmedes na cinematografia colonial

6Por conseguinte, as transformações socioecónomicas e paisagísticas em Moçâmedes foram regularmente registadas pela cinematografia colonial portuguesa, sobretudo após a Segunda Guerra Mundial (1939-45). Dentre os vários documentários realizados, foi produzido pela Agência Geral das Colónias (AGC) o documentário Indústria de Pesca no Sul de Angola (1938) com material resultante das imagens captadas anos antes pela Missão Cinegráfica a Angola. (PIÇARRA, 2016, P. 47) As primeiras imagens do documentário captam um plano geral do litoral de Moçâmedes: o edificado e as infraestruturas previamente identificadas nos intertítulos como “estabelecimentos de pesca”. Concretamente, as imagens mostram um complexo de transformação de pescado composto por oficinas e estruturas para a secagem e salga do pescado. A cena é captada a partir da sacada de uma casa ao estilo colonial e regista a extensão da área produtiva.

Figura 1 - Interior das oficinas de escala, trabalho de estripe e escala do pescado

Figura 1 - Interior das oficinas de escala, trabalho de estripe e escala do pescado

Fonte: A Indústria da Pesca no Sul de Angola (1938), Cinemateca Digital

7No segmento seguinte, “onde se emprega ao uso nacional”, um grupo de pescadores autóctones, instruídos por indivíduos de ascendência europeia, puxam as redes para o interior das embarcações dispostas em retângulo. À medida que as redes vão sendo puxadas as embarcações laterais aproximam-se. O cardume é encurralado e os peixes são recolhidos com auxílio de camaroeiros. Na cena seguinte, são registados os desembarques e o transporte do pescado para as oficinas de escala. No interior das oficinas - estruturas em madeira com cobertura superior, mas desprovidas de paredes - o peixe é amanhado (estripado e escalado) para depois ser salgado e posto a secar em giraus.

8De seguida, tem início a segunda parte do documentário - A pesca da baleia exerce-se também no sul de Angola – dedicado à secular atividade da caça e da transformação de cetáceos em Moçâmedes. Neste segmento a ação desenrola-se em alto-mar com expressivas diferenças relativamente às cenas anteriores: o trabalho é efetuado na totalidade – pelo que é visível nas imagens – por indivíduos de ascendência europeia num navio de ferro e a motor. Todo o processo da caça dos cetáceos é minuciosamente registado. Na proa, o caçador - experiente a avaliar pela idade e pelo tiro certeiro - atinge a baleia com o arpão. As imagens seguintes captam o definhamento do animal. De seguida, o corpo da baleia içado e preso à amura esquerda do navio é rebocado. O arpão é de novo aparelhado e outro cetáceo é abatido, o procedimento de transporte repete-se. Com os dois espécimes capturados, o trabalho no mar dá-se por concluído.

Figura 2 - Transporte da baleia para desmanche

Figura 2 - Transporte da baleia para desmanche

Fonte: A Indústria da Pesca no Sul de Angola (1938), Cinemateca Digital

9Em terra, as baleias são mecanicamente içadas através de cabos e correntes metálicas, ao fundo vislumbra-se a fortificação centenária de São Fernando de Namibe. Inicia-se o processo de desmanche da carcaça (operação efetuada por europeus), os cortes são aplicados com recurso a um único instrumento. No segmento seguinte, “O aproveitamento dos cetáceos”, novos cortes são aplicados na carcaça do animal, reduzem-se o tamanho das peças de carne - o trabalho é executado por um europeu que instruí os seus assistentes africanos. A derradeira cena mostra o individuo europeu, observado à distância por aqueles que o assistiram, a colocar os cortes num mecanismo elevatório que seguem para um armazém.

Figura 3 - Processo de desmanche e armazenamento dos cortes

Figura 3 - Processo de desmanche e armazenamento dos cortes

Fonte: A Indústria da Pesca no Sul de Angola (1938), Cinemateca Digital

10No que diz respeito ao estudo do Património Industrial diversos aspetos são relevantes, entre os quais destacamos: a transferência do saber técnico e tecnológico (Estados Unidos da América – Brasil – Açores – Madeira – Portugal - Angola); a divisão do trabalho; as estruturas produtivas; e os gestos técnicos em cada operação (quer na parte dedicada à indústria do pescado, quer na dedicada à baleação). Relativamente ao primeiro aspeto, note-se que a tradição da caça à baleia em Portugal e em Angola tem uma raiz comum: a baleação norte-americana. A arregimentação de mão-de-obra local por parte dos baleeiros norte-americanos, e a consequente aprendizagem que estes desenvolveram sobre a caça e técnicas de conservação dos cetáceos, foram determinantes para o arranque da indústria baleeira em Portugal, nomeadamente nos Açores e na Madeira. Quanto a Angola, a atividade baleeira foi também iniciada por armações norte-americanas no século XIX que foram sucedidas por armadoras portuguesas. Para o efeito, foi importada mão-de-obra proveniente de Portugal continental e insular (MENDES, 2005) que ao fixarem-se em Moçâmedes tiveram um papel ativo na colonização efetiva da região. O que parcialmente explica a divisão de tarefas entre africanos e europeus no que respeita à caça e ao desmanche dos cetáceos (HENRIQUES, 2016). Para além da baleação, a comunidade açoriana e madeirense, assim como as provenientes da Póvoa de Varzim, do Algarve e da região de Aveiro, introduziram o saber-fazer das comunidades pesqueiras de Portugal Continental no que concerne às técnicas da pesca, da transformação e da conservação do pescado, contribuindo decisivamente para tornar a pesca a principal atividade económica de Moçâmedes até meados do século XX.

11Relativamente à divisão do trabalho, é evidente a separação das tarefas executadas por europeus e por africanos. Na primeira parte, dedicada à faina e transformação do pescado, a monotorização do trabalho é realizada por europeus que delegam o trabalho braçal para os trabalhadores africanos. Nas oficinas, verifica-se igualmente a divisão de trabalho por género, a operação de estripar e escalar é executada por homens enquanto que a salga e a seca são efetuadas por mulheres africanas.

12No que concerne ao estudo sobre o património material e paisagístico, o acesso visual ao passado proporcionado pelo cinema permite, por exemplo, comparar os edifícios e os equipamentos utilizados em Moçâmedes com os que eram utilizados na atividade baleeira nos arquipélagos da Madeira e dos Açores; ou verificar as alterações, a nível urbano e socioeconómico, que ocorreram em Moçâmedes no espaço de 30 anos - distância temporal que separa a produção dos dois documentários analisados para este estudo.

13De facto, o documentário Moçâmedes (1970), episódio da série documental Angola 70, realizado por José Elyseu e produzido pela Rádio Televisão Portuguesa (RTP) - que consiste numa retrospetiva sobre o “progresso” e o “desenvolvimento” transversal a vários setores da sociedade angolana na década de 1970 (infraestruturas, transportes, equipamentos sociais e culturais, economia, ensino, entre outros) – aborda de forma detalhada essas mesmas alterações.

  • 3 Sobre a conjuntura e os fatores de desenvolvimento económico no EEP entre 1962 e 1975 ver (Castelo, (...)

14Nas décadas de 1950/60/70, o intervencionismo estatal decorrente dos Planos de Fomento do Ultramar e do Espaço Económico Português (EEC), aliado a uma conjetura económica favorável – o crescimento económico registado a nível internacional; o início da Guerra Colonial; o aumento da migração da metrópole para as colónias; a abertura das colónias ao investimento estrangeiro; e a rentabilidade de produtos como o café, o petróleo e os diamantes – foram responsáveis pelo boom económico verificado entre 1960 e 1974 no ultramar português, em particular nas províncias de Angola e Moçambique.3 Com efeito, Moçâmedes, capital da província do Namibe, era um dos exemplos paradigmáticos do progresso socioeconómico ultramarino que o Estado e as instituições coloniais procuravam promover além-fonteiras. Desta forma, o documentário tem início com a voz off a salientar o esforço empreendedor da edificação de Moçâmedes – “à beira do deserto junto ao mar nasceu Moçâmedes, desafio à aridez da região onde se encosta” – para depois, num plano aéreo sobre a cidade, realçar as características urbanísticas. Posteriormente, já no solo são filmados os bustos de Bernardino Freire de Figueiredo Abreu e Castro e de José Joaquim da Costa, líderes do 1º e dos 2º grupos de colonos pernambucanos a chegarem a Moçâmedes, a 4 de agosto de 1884 e a 26 de novembro de 1850, respetivamente. A cena faz a transição entre o passado e o presente da província, pois de seguida o espectador é apresentado à Moçâmedes de 1970.

Figura 4 - Vista aérea sobre Moçâmedes

Figura 4 - Vista aérea sobre Moçâmedes

Fonte: Moçâmedes (1970), Cinemateca Digital

  • 4 Sobre o PEC ver o documentário O Karacul em Angola (Ricardo Malheiro, Angola, 1950) disponível na C (...)

15No que respeita à paisagem urbana, os planos aéreos e os planos gerais das principais artérias da cidade permitem observar as transformações ocorridas comparativamente ao documentário anterior. As avenidas largas, as estradas alcatroadas, os edifícios verticais em betão e as praças ajardinadas, são algumas das principais diferenças. As alterações são cada vez mais evidentes à medida que são focados os principais edifícios da cidade, entre os quais o estabelecimento de ensino sito na Rua da Fábrica (como demonstra o zoom out sobre placa de toponímia) e a unidade hospitalar. A primeira parte visa, sobretudo, enquadrar o desenvolvimento dos equipamentos administrativos, sociais e habitacionais na problemática do desenvolvimento económico de Moçâmedes, tema central da segunda parte do documentário. O interlúdio entre as duas partes é preenchido com aspetos sobre o lazer e a vida cultural da cidade. Em seguida, fora da cidade, a objetiva capta, a partir do interior do automóvel, cenas da paisagem natural, predominantemente seca e plana. Esta viagem leva o espectador a um dos principais complexos produtivos da região: o Posto Experimental do Caraculo (PEC)4. Aqui, as potencialidades e a rentabilidade da criação do gado caraculo são descritas e ilustradas com imagens das infraestruturas e dos animais. Do Caraculo, topónimo da localidade onde se localiza o PEC, regressamos novamente a Moçâmedes para conhecer a fábrica de cantaria de mármores, descrita como estando na fileira entre as principais indústrias de Moçâmedes: No interior da fábrica, diferentes planos registam as várias tarefas dos canteiros (e.g., corte e polimento) sempre auxiliados pela maquinaria adequada. Nesta sequência, o narrador aclara uma vez mais as potencialidades económicas da região:

As fábricas índices de civilização sobem de número e ampliam-se, as matérias-primas do distrito encontram colocação imediata porque o mercado nem sequer se abeira da saturação. Por seu turno, os produtos manufaturados vêm obtendo a predileção dos consumidores, com relevo para os países vizinhos. Além dos mármores, as conservas de peixe, a moagem, o óleo, a cerâmica, os refrigerantes, a torrefação do café, são exemplos de lucrativas indústrias que fazem de Moçâmedes uma cidade em curva ascensional e expansão admirável.

Figura 5 - Cantaria de mármore em Moçâmedes, trabalho de polimento

Figura 5 - Cantaria de mármore em Moçâmedes, trabalho de polimento

Fonte: Moçâmedes (1970), Cinemateca Digital

16A referência à exportação introduz-nos à sequência seguinte, o porto – “a alavanca mais forte do progresso da cidade”. Observa-se nas imagens a azáfama das cargas e descargas, inclusive dos blocos de mármore que chegam por via ferroviária. O narrador destaca os constantes melhoramentos e ampliações da zona portuária, fruto do crescimento da atividade económica da cidade e da crescente importância dos portos da região para o escoamento dos produtos vindos dos países do hinterland (e.g., Rodésia e Zâmbia). Anexa à zona de cargas e descargas localiza-se o cais de atrancamento das embarcações pesqueiras e é descrito “que a pesca que há uns anos atravessou um período de grave crise retomou posição cimeira na economia da cidade”. De seguida, ainda na zona portuária, é filmado o cais do minério através do qual “é exportado o ferro do interior de Angola”. O minério chega ao cais, após transporte ferroviário, por meio de um sistema de tapetes de rolantes. Posteriormente máquinas industriais de grandes dimensões procedem ao carregamento e à distribuição da matéria-prima. O último plano desta cena é panorâmico e filma o cais e a outra margem da baía: o deserto. Mediante um zoom in o realizador transporta-nos para o interior do Namibe. A viagem pelo deserto constitui novo interlúdio, neste são descritas as potencialidades e as atrações do deserto para as atividades da caça e turismo. São filmados vários animais (e.g., zebras e avestruzes) e é destacada a Welwitschia mirabilis planta símbolo da região que apenas se encontra em estado selvagem no Namibe, o deserto que “é por fim o traço de união de Moçâmedes com outra florescente cidade angolana: Porto Alexandre”.

17A terceira e última parte começa com um plano panorâmico da vila de Porto Alexandre (atual Tômbwa), seguido de um primeiro plano de um individuo, (com sotaque algarvio) que em discurso direto descreve fundação e a história da localidade:

Porto Alexandre, de certo modo, tem um aspeto de terra algarvia. Aliás, foi fundada por seis famílias de Olhão que de Moçâmedes vieram para aqui em 1864…fazendo de Porto Alexandre um centro piscatório que hoje é o maior da província e até talvez o maior do país…estão em curso a instalação de importantes fábricas de conservas e congelação de peixe que vão dar um grande incremento económico a esta terra.

18Feita a introdução à história e ao quotidiano de Porto Alexandre, a sequência seguinte é captada no centro da vila. É referido que somente quinze anos antes a urbanização começou a ganhar expressão, isto porque uma cortina de casuarinas (espécie arvícola) de sete quilómetros fixou as areias, e assim a construção de habitações permanentes pôde ser efetuada. São filmadas novas moradias, avenidas largas, um parque com animais (e.g., pelicanos e pinguins) e alguns equipamentos desportivos que demonstram, como é salientado pelos comentários, a fixação e o investimento dos pescadores na localidade. De seguida, e com a voz off a assumir de novo a narrativa, ganha preponderância a atividade económica, começando pela principal indústria: “Porto Alexandre tem a sua razão na pesca, todavia foram instaladas na vila indústrias que lhe trouxeram um surto de progresso e ao mesmo tempo mais braços”. Para ilustrar estas afirmações são filmadas as embarcações que descarregam o pescado que segue, de forma mecânica, para as zonas de transformação e armazenamento. Imediatamente a esta cena, a banda sonora altera-se e um ritmo mais dinâmico acompanha o bulício das máquinas, agora no interior da fábrica de moagem Porto Alexandre. O documentário termina com plano do horizonte captado a partir da praia, numa alusão às potencialidades futuras da região.

Figura 6 - Interior da fábrica de moagem de Porto Alexandre

Figura 6 - Interior da fábrica de moagem de Porto Alexandre

Fonte: Moçâmedes (1970), Cinemateca Digital

19Para além dos vários pormenores sobre as paisagens já mencionados, este documentário, à semelhança do anterior, constitui igualmente uma fonte de informação para o estudo de outras problemáticas ligadas ao escopo do Património Industrial. Entre os quais, a transferência do saber técnico e tecnológico entre Portugal e Angola (e.g., a indústria do mármore e da moagem, atividades de tradição secular em Portugal Continental) ou os aspetos sobre a divisão do trabalho que apresentam diferenças significativas comparativamente ao documentário anterior: o trabalho de perícia já não é desempenhado exclusivamente por europeus - como demonstram as imagens da oficina de cantaria ou da pesca onde a tripulação é quase totalmente formada por africanos, sendo que o único europeu na cena surge descalço a remendar uma rede de pesca.

Considerações finais

20Em síntese, os dois documentários dão-nos uma perspetiva evolutiva das transformações da paisagem e da atividade económica de Moçâmedes. Sobretudo, revelam um contexto socioeconómico diferente daquele que atualmente encontramos em Moçâmedes e Porto Alexandre (atual Tômbwa). Com efeito, mediante a análise dos dois filmes, identificamos vários aspetos que podem ser tomados em consideração em futuras intervenções na área do estudo e da valorização Património na região e que demonstram a importância do cinema como fonte de informação válida para a investigação científica. Contudo, contrariamente às fontes escritas e iconográficas, o cinema é recorrentemente desconsiderado na produção historiográfica. Por um lado, devido ao desconhecimento generalizado sobre o cinema colonial e industrial português, e por outro, pelo facto de ser considerado um produto com fins meramente lúdicos ou de propaganda. No entanto, para além dos condicionamentos ligado à encomenda dos documentários - que se verificam igualmente noutras tipologias de fontes - existe, como demonstrámos, um conjunto de informações importantes que são reveladas de uma forma distinta (imagens em movimento e som) e que permitem outro tipo de análises. Os documentários têm, portanto, um duplo valor informativo: o visível (imagem) e o não visível (o contexto da produção) – que são ambos de sobremaneira importantes. Por esta razão, baseamos a nossa análise na noção desenvolvida por Thomas Elsaesser (HEDIGER E VONDERAU, 2009), segundo a qual os filmes devem ser contextualizados de acordo com três parâmetros: Auftrag (conjuntura), Anlass (motivo) e Adressat (a quê e a quem se destinam). E, também, segundo o conceito de Hediger e Vonderau (HEDIGER E VONDERAU, 2009) de que o cinema sobre o trabalho deve ser enquadrado nos três prepósitos que servem a sua encomenda: record (memória institucional), rhetoric (governo/administração) ou rationalization (otimização dos processos).

21Finalmente, os dois documentários produzidos durante o regime do Estado Novo (1933-1974) tiveram dois contextos diferentes de produção. O primeiro, foi filmado e produzido no período entre guerras (1914-18/1939-45) em que o colonialismo europeu em África estava longe do escrutínio e criticismo do período da Guerra Fria (1947-91). Por esta altura, as colónias em África eram comumente aceitáveis no mundo ocidental e, por isso, eram motivo de cobiça entre as potências coloniais europeias. Fundamentalmente por estas razões, o cinema colonial produzido por instituições estatais europeias nas décadas de 1920 e 1930 teve como principal objetivo demonstrar a colonização efetiva das colónias, o que garantia às metrópoles, segundo os ditames da Conferência de Berlim (1883-85), manter a legitimidade administrativa dos seus territórios ultramarinos. Conquanto, na década de 1960 o paradigma alterou-se. O colonialismo europeu em África passou a ser abertamente criticado na Organização das Nações Unidas (ONU), sobretudo, pelos novos países constituídos após as vagas de independências do pós-Segunda Guerra Mundial. Assim, entre as décadas de 1950 e 1970, a narrativa do cinema colonial europeu passou a revelar novas preocupações: retratar o desenvolvimento socioeconómico, a melhoria das condições de vida da população (e não apenas da europeia) e o bem-estar social vivido nas colónias, como é evidente no documentário Moçâmedes.

Bibliographie

Filmografia

Indústria de Pesca no Sul de Angola, s/d, Angola, 1938.

O Karacul em Angola, Ricardo Malheiro, Angola, 1950.

Moçâmedes, José Elyseu, Angola, 1970.

Referências Bibliográficas

BASTOS, Cristiana Maria Índia (2009) - A fronteira da colonização: trabalho, migração e política no planalto sul de Angola. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre. Vol.15, n.º 31. pp. 51-74. doi: 10.1590/S0104-71832009000100003.

CASTELO, Cláudia (2009) - Migração ultramarina: contradições e constrangimentos. Ler História. N.º 56. pp. 69 - 82. doi: 10.4000/lerhistoria.

COSTA, Leonor Freire; LAINS, Pedro; MIRANDA, Susana Münch (2012) - História económica de Portugal: 1143-2010. Lisboa: A esfera dos livros. ISBN 978-989-626-346-1.

PIÇARRA, Maria do Carmo (2016) - O império contra-ataca: a produção secreta de propaganda feita por estrangeiros para projecção internacional de Portugal do ultramar. Media&Jornalismo. Coimbra. VOL.o16, n.o29, pp. 43-59.

GARCIA, José Luís Lima (2016) - A Agência Geral das Colónias/Ultramar e a propaganda no Estado Novo (19321974). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra. ISBN 978-989-26-1063-4.

GRILO, João Mário (2006) - O cinema da não-ilusão: histórias para o cinema portuguêsColecção Horizonte de cinema. Lisboa: Livros Horizonte. ISBN 978-972-24-1416-6.

HEDIGER, Vinzenz; VONDERAU, Patrick (ed.) (2009) - Films that work: industrial film and the productivity of media Film culture in transition. Amsterdão: Amsterdam University Press. ISBN 978-90-8964-012-3.

HENRIQUES, Francisco Maia (2016) - A baleação e o Estado Novo: industrialização e organização corporativa (1937-1958). [S.l.]: Secretaria Regional da Educação e Cultura, Direção Regional da Cultura.

LAINS, Pedro (1998) - An Account of the Portuguese African Empire, 1885–1975. Revista de Historia Económica / Journal of Iberian and Latin American Economic History. 235– 263. doi: 10.1017/S0212610900007114.

LAINS, Pedro; SIVA, Álvaro Ferreira (2005) - História económica de Portugal, 1700-2000: volume III: o século XX. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais. ISBN 978-972-671-140-7.

MATOS-CRUZ, José De (1998) - Cinema Português - O Dia do Século. Lisboa: Grifo - Editores e Livreiros, lda.

MENDES, António Martins (2005) - Pescas em Portugal: Ultramar - um apontamento histórico. Revista Portuguesa de Ciências Veterinárias. Lisboa. Vol.100, n.º 553-554. pp.17-32.

PINA, Luis De (1977) - A Aventura do Cinema Português. Lisboa: Editorial Veja.

PINA, Luís De (1987) - História do Cinema Português. Mem Martins: Publicações Europa-América.

SERRAO, Joel (1984) - Dicionario de história de Portugal. Porto: Livraria Figueirinhas

TORGAL, Luís Reis; PENA RODRÍGUEZ, Alberto (2000) - O cinema sob o olhar de Salazar. Lisboa: Círculo de Leitores.

Notes

1 Desde os seus primórdios que o cinema internacionalmente encontrou na “fábrica” (indústria) um lugar de inspiração, de representação e projeção da imaginação, dos quais destacamos as evidentes obras Metropolis (Fritz Lang, 1927) e Modern Times (Charlie Chaplin, 1936).

2 As sinopses, fichas técnicas de ambos documentários estão disponíveis, respetivamente, em Indústria da Pesca no Sul de Angola e Moçâmedes http://www.cinemateca.pt/Cinemateca-Digital/Ficha.aspx?obraid=2360&type=Video e https://arquivos.rtp.pt/conteudos/mocamedes/ .

3 Sobre a conjuntura e os fatores de desenvolvimento económico no EEP entre 1962 e 1975 ver (Castelo, 2009; Costa, Lains e Miranda, 2012; Lains, 1998) Sobre a conjuntura e os fatores de desenvolvimento económico no EEP entre 1962 e 1975 ver (Lains e Siva, 2005)

4 Sobre o PEC ver o documentário O Karacul em Angola (Ricardo Malheiro, Angola, 1950) disponível na Cinemateca Digital:

http://www.cinemateca.pt/Cinemateca-Digital/Ficha.aspx?obraid=2090&type=Video

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Interior das oficinas de escala, trabalho de estripe e escala do pescado
Crédits Fonte: A Indústria da Pesca no Sul de Angola (1938), Cinemateca Digital
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15448/img-1.png
Fichier image/png, 600k
Titre Figura 2 - Transporte da baleia para desmanche
Crédits Fonte: A Indústria da Pesca no Sul de Angola (1938), Cinemateca Digital
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15448/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 97k
Titre Figura 3 - Processo de desmanche e armazenamento dos cortes
Crédits Fonte: A Indústria da Pesca no Sul de Angola (1938), Cinemateca Digital
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15448/img-3.png
Fichier image/png, 893k
Titre Figura 4 - Vista aérea sobre Moçâmedes
Crédits Fonte: Moçâmedes (1970), Cinemateca Digital
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15448/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 134k
Titre Figura 5 - Cantaria de mármore em Moçâmedes, trabalho de polimento
Crédits Fonte: Moçâmedes (1970), Cinemateca Digital
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15448/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 118k
Titre Figura 6 - Interior da fábrica de moagem de Porto Alexandre
Crédits Fonte: Moçâmedes (1970), Cinemateca Digital
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15448/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 119k

Auteur

CIDEHUS – Universidade de Évora, alexandre_d_ramos@hotmail.com

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search