Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

A gestão e a participação no campo do património industrial: modelos, estratégias e experiências

Gestão do patrimônio industrial. Discussões sobre o sítio industrial da antiga Companhia Alagoana de Fiação e Tecidos, em Rio Largo/Brasil

Rosemary Lopes Rodrigues

Résumé

O patrimônio industrial é constituído por todos os elementos que possibilitaram a instalação e funcionamento de uma indústria. É um patrimônio que não pode ser compreendido e interpretado isoladamente, por isto sua conservação apresenta desafios que ultrapassam as especificidades físicas desse testemunho. Este trabalho apresenta a um estudo de gestão da conservação de um antigo sítio industrial que não possui reconhecimento cultural perante os órgãos responsáveis pela tutela patrimonial. Trata-se do sítio industrial da antiga Companhia Alagoana de Fiação e Tecidos (CAFT), implantado no final do século XIX no município de Rio Largo, em Alagoas. Pretendeu-se contribuir com o campo de estudo do patrimônio industrial e das possibilidades de reconhecimento de sua significância cultural, ao considerar seus valores e atributos patrimoniais.

Texte intégral

Introdução

1O patrimônio industrial possui caráter sistêmico. Uma vez implantada, a indústria produz novas dinâmicas com o ambiente natural, construído e com a sociedade; cria uma paisagem específica. Com o processo da desindustrialização muitos dos legados industriais ficaram em desuso e inúmeros são os estudos e tentativas de reintegração desses remanescentes à urbanidade.

2A conservação do patrimônio industrial apresenta desafios que ultrapassam as especificidades físicas desse testemunho. A dificuldade da gestão patrimonial de uma herança industrial geralmente é justificada por sua dimensão urbana. Esta condição urbana quando considerada tende a gerar conflitos de interesses entre os envolvidos em sua tutela, estes são todos aqueles que direta ou indiretamente se relacionam com o legado e exercem influência sobre ele, são representados pelo Poder Público, pela inciativa privada e pela comunidade geral.

3Neste contexto, questiona-se «como é possível intervir sobre o patrimônio industrial reconhecendo sua natureza específica e complexa?». O objeto empírico adotado foi o sítio industrial da antiga Companhia Alagoana de Fiação e Tecidos (CAFT), localizado na cidade de Rio Largo, Alagoas/Brasil. Implantado no final do século XIX, o sítio industrial da CAFT foi responsável por atribuir um caráter urbano à cidade de Rio Largo. Constituiu um modelo industrial cujas consequências históricas ainda são sentidas no espaço urbano rio-larguense e, apesar disto, não é reconhecido por nenhuma instância brasileira (municipal, estadual e federal) responsável pela tutela do patrimônio cultural. Este artigo objetiva discutir os desafios a serem superados para uma política de conservação do sítio industrial da antiga CAFT.

4Metodologicamente o trabalho se divide nos seguintes procedimentos: 1) apresentação do objeto empírico e de sua significância cultural; 2) demonstração da atuação da iniciativa privada e do Poder Público sobre o sítio industrial da antiga CAFT; 3) indicação de diretrizes que possam auxiliar um futuro Plano de Conservação Patrimonial para os remanescentes da CAFT.

5Como resultados, este trabalho apresenta a significância cultural do sítio industrial da antiga CAFT, com a interpretação de valores patrimoniais que vão além dos valores históricos e estéticos, assim como expõe caminhos que possam orientar uma gestão de conservação patrimonial.

Patrimônio Industrial em Alagoas e a Companhia Alagoana de Fiação e Tecidos (CAFT)

6Se no ambiente rural o sino da igreja marca o tempo do lugar, nos novos aglomerados urbanos de Alagoas, do final do século XIX, será o apito fabril quem ditará o tempo (LINDOSO, 2015). Essa analogia poderia ser realizada entre as torres das igrejas, enquanto marcos referenciais, substituídas pelas chaminés das fábricas nesses novos núcleos urbanos. Assim como outro tempo, a paisagem desses novos aglomerados urbanos terá especificidades.

7A CAFT foi implantada em Alagoas no início da industrialização do estado. Formada pela junção de duas fábricas têxteis, Fábrica Cachoeira (1888) e Fábrica Progresso (1892), assumiu uma condição urbana e logo se constitui como vila operária, conforme a definição de Correia (2001). Antes da sua implantação a, então, vila de Rio Largo apresentava dois fatores favoráveis à implantação de indústrias do ramo têxtil, no final do século XIX: a água, para a geração de energia, e a linha férrea, que auxiliaria no abastecimento de matéria-prima e escoamento da produção. A instalação das indústrias possibilitou à vila de Rio Largo uma vida urbana que condicionou sua elevação à categoria de cidade, em 1915 (CASTRO, 2015) (Figura 1).

Figura 1 - Espacialização das fábricas têxteis que compunham a antiga CAFT

Figura 1 - Espacialização das fábricas têxteis que compunham a antiga CAFT

Fonte: Rodrigues (2017)

8O sítio onde a CAFT se instalou possuía dois condicionantes ambientais e um estruturante, respectivamente: Rio Mundaú (em sua área acachoeirada), relevo e linha férrea. Conta-se ainda com uma via entre o rio e a ferrovia voltada à circulação de veículos e pedestres, conhecida no período têxtil por «estrada de chão» (atual AL 210) (CASTRO, 2015). A Fábrica Cachoeira situou-se próxima a atual estação ferroviária Gustavo Paiva, enquanto a Fábrica Progresso, à estação ferroviária Rio Largo. Ao descrever a articulação entre a produção das indústrias têxteis da CAFT, Castro (2015) ressalta o sistema cidade e fábrica que foi adotado pela empresa.

9Aliado ao valor econômico da CAFT tem-se o valor tecnológico, uma vez que estruturas foram concebidas para facilitar as atividades industriais. Paiva Filho (2013) demonstra que as primeiras construções estavam relacionadas ao armazenamento de matéria-prima, de combustíveis (carvão e lenha) e à moradia dos operários. Entre as estruturas que foram construídas no final do século XIX e início do século XX, destaca-se o cais que protege as instalações da Fábrica Cachoeira de enchentes do Rio Mundaú. É ainda deste período a construção de um novo sistema de coleta de água para o abastecimento da Fábrica Progresso. A interpretação do valor tecnológico, recorrente no patrimônio industrial, está relacionado às técnicas utilizadas para adaptar o ambiente de forma a possibilitar ou aprimorar a realização das atividades fabris.

10As moradias que foram construídas para os operários da CAFT somaram-se aos elementos ambientais, estruturantes e de produção industrial (os edifícios fabris). A partir delas, a indústria têxtil adquire sua dimensão urbana não apenas como influência, mas como proprietária do espaço. Em uma década (1892-1902) a CAFT contava com mais de quatrocentas moradias em sua maioria para operários, no entanto existiam células para técnicos, mestres e contramestres (PAIVA FILHO, 2013; CASTRO, 2015).

11Em meados da década de 1920 a CAFT possuía quase dois mil operários (MARROQUIM, 1922). O espaço urbano de Rio Largo passou a ser desenhado pela indústria, que foi colonizadora e indutora da urbanização do lugar. Assim, a CAFT começa a constituir uma paisagem urbano-industrial, marcada principalmente pelo relevo de encostas abruptas, sendo ocupadas pelas moradias de seus operários.

12A partir da consolidação da vila operária, a CAFT passa a se constituir um sítio industrial, segundo a definição de Rufinoni (2013). Tanto os edifícios industriais quanto os envoltórios estavam relacionados à atividade fabril, assim como o ambiente natural e cultural (representados pelos elementos estruturantes) eram relevantes para o processo de produção.

13A CAFT se consolidou como vila operária a partir da inserção de equipamentos urbanos que representavam a política assistencialista adotada principalmente na gestão de Gustavo Paiva, a partir de 1920. Em 2013 foi publicada a obra de Paiva filho (2013), neto de Gustavo Paiva, que descreve as atividades assistencialistas ofertadas aos operários promovidos em sua administração. Foi a partir destas atividades que CAFT intensificou seu caráter urbano.

14O trabalho de Castro (2015) demonstra que a disposição dos equipamentos construídos pela CAFT possuía uma lógica que expressa as relações de poder que existiam no espaço fabril, o poder disciplinador e de vigilância. A paisagem urbano-industrial da CAFT, assim como das demais fábricas têxteis alagoanas, representa uma ideologia com referências nos socialistas utópicos, como Charles Fourier, e do corporativismo cristão (LESSA; TENÓRIO, 2013).

15Dentre os equipamentos voltados à política assistencialista estão: Grupo Escolar Gustavo Paiva, inaugurado em 1919; Igreja Sagrado Coração de Jesus, de 1924; Departamento de Saúde, de 1927; Cassino, Cine-Teatro Guarany e Restaurante Operário, de 1938, 1942 e 1943, respectivamente. Somados a estes tinham as praças e campos de futebol. Nessas edificações, dotadas de valor arquitetônico, podem ser interpretados valores socioculturais e ideológicos. A proposta era o controle e disciplina dos operários a partir da vigilância pelo patrão da vida no trabalho e da vida social.

16A formação socioeconômica de Rio Largo demonstra uma dependência em todos os aspectos da vida do operário pela instituição fabril. Desde suas necessidades de saúde, trabalho, moradia e educação, até o próprio lazer. Aos poucos cada um desses equipamentos condicionava a expansão urbana da cidade, atraindo outros serviços, desenhando um espaço urbano que tinha como núcleo fundador uma ideologia industrial do final do século XIX (Figura 2).

Figura 2 - Espacialização do sítio industrial da antiga CAFT

Figura 2 - Espacialização do sítio industrial da antiga CAFT

Fonte: Rodrigues (2017)

17Com o processo de desindustrialização, a dinâmica da cidade mudou. O desmonte da Fábrica Progresso anunciou o fim da produção industrial têxtil em Rio Largo, na década de 1980. O ritmo da cidade passou a ser outro, as ruas que antes eram ocupadas por operários após o som do apito foi progressivamente se esvaziando. Com o encerramento das atividades industriais parte da população foi buscar meio de sustento em Maceió, e Rio Largo passou a se caracterizar como uma cidade dormitório (MATOS et al, 2009).

18A CAFT demonstra a dinamicidade dos significados que um objeto pode representar, pois os valores de um objeto são alterados de acordo com as pessoas afetadas por ele e pelas circunstâncias que o objeto e as pessoas afetadas vivenciam (VIÑAS, 2011; MASON, 2004). Os significados e valores da CAFT foram alterados pelo novo momento histórico marcado pelo desmonte fabril. Se, por um lado representou o progresso industrial da cidade de Rio Largo, por outro, os remanescentes da paisagem urbano-industrial da CAFT passaram a simbolizar a estagnação do lugar.

19Após trinta anos da falência e processo de desmonte da CAFT outro evento histórico atinge a cidade de Rio Largo e vitimiza a população e parte significativa dos exemplares da industrialização deixados pelo setor têxtil: a Enchente de 2010, decorrente das inundações das bacias Mundaú e Paraíba.

20Esse evento repercutiu em todos os meios de comunicação. Ao observar vídeos amadores realizados e disponibilizados em sites da internet, verifica-se que quase toda a área da CAFT foi atingida, principalmente a parte baixa onde se situa os remanescentes da Fábrica Cachoeira. Muitas moradias da antiga vila operária tiveram suas estruturas afetadas. Há registros que demonstram que os trilhos saíram do eixo da linha férrea (Figuras 3 e 4).

Figuras 3 e 4 - Moradia da antiga vila operária afetada pela enchente; trilhos sendo destruídos pelas águas do Rio Mundaú

Figuras 3 e 4 - Moradia da antiga vila operária afetada pela enchente; trilhos sendo destruídos pelas águas do Rio Mundaú

Fonte: Castro e Almeida (2010)

A Gestão Privada do Patrimônio Industrial da Antiga CAFT e a postura pública

21O sítio industrial constitui uma pátina deixada na cidade de Rio Largo. O conceito e relação de pátina na cidade é apresentado e discutido por Zancheti et al (2008) que demonstra suas duas formas de manifestação: pátina material e pátina imaterial. Constitui uma pátina material a manutenção da forma de apropriação do espaço e o traçado urbano que a indústria têxtil produziu em Rio Largo e foi reproduzido e continuado pela cidade contemporânea. Essa pátina é verificada não apenas na escala urbana, mas na herança arquitetônica que foi instaurada pela CAFT e na sua relação com a paisagem local.

22A permanência dos valores ideológicos e das relações de poder no território do antigo sítio industrial, conforme foi identificado na pesquisa de Castro (2015), é um exemplo de pátina imaterial deixada pela indústria têxtil. Pois a população ainda demonstra respeito e admiração pelos herdeiros, proprietários das instalações da antiga CAFT.

23A área da CAFT ocupa dois bairros de Rio Largo: o bairro Gustavo Paiva (ou Cachoeira), parte baixa, e o bairro de Rio Largo (ou Centro), a parte alta. Têm-se a partir dessas duas parcelas de remanescentes industriais características e nível distintos da pátina urbana, como consequência principalmente das ocorrências dos últimos anos.

24O bairro Gustavo Paiva, chamado pela população de Cachoeira, é a principal entrada da cidade e, de acordo com Castro (2015), quase 90% de seu território é de propriedade dos herdeiros da antiga CAFT. Esse é um dos fatores que faz com que este bairro não tenha uma ocupação urbana concentrada. Outro aspecto é a sua topografia favorável a inundações, especula-se que isso também tenha restringido a ocupação, pois se localiza na área mais afetada pela Enchente de 2010.

25De uso predominantemente residencial, o bairro Gustavo Paiva tem como marcos referenciais a estação ferroviária, de mesmo nome do bairro, a Igreja Sagrado Coração de Jesus e os remanescentes da antiga Fábrica Cachoeira e adjacências. Com poucos elementos para a atração de pessoas, por meio da reduzida variedade de usos e restrições de ocupação, é caracterizado pela baixa vitalidade e, por consequência é referenciado como uma área violenta da cidade (Figura 5).

Figura 5 - Bairro Gustavo Paiva, destaque para a Igreja Sagrado Coração de Jesus

Figura 5 - Bairro Gustavo Paiva, destaque para a Igreja Sagrado Coração de Jesus

Fonte: Rodrigues (2017)

26Este bairro demonstra as mudanças e permanências do passado industrial têxtil. Ao percorrer o território ocupado pelas antigas moradias da CAFT percebem-se fragmentos descaracterizados ou em processo de descaracterização. Essa descaracterização pode ter sido decorrente do arruinamento provocado pelo desuso e pela Enchente, ou, ainda, de intervenções contemporâneas sobre os exemplares. Apesar das interferências que parte dessas intervenções (naturais ou antrópicas) puderam causar, a vila operária ainda mantém seu traçado original, com algumas perdas devido à Enchente de 2010 que foi responsável pela criação de vazios urbanos e novas ruínas.

27Dentre as mudanças e permanências no bairro Gustavo Paiva, tem-se a Igreja Sagrado Coração de Jesus. Segundo relatos, esta igreja é aberta para eventos promovidos pelos herdeiros da antiga CAFT que ainda detém a tutela do edifício, ou para atividades religiosas com autorização prévia dos proprietários. Com a manutenção de seu uso original, a aparência física da edificação demonstra que há uma operação regular de restauro sobre ela. Este edifício possui um valor arquitetônico fundado na sua expressividade compositiva e um valor histórico, por ser um legado que faz parte da história urbana do lugar.

28A conservação desta igreja possibilita a manutenção de outros valores, como o valor de uso, ideológico, sociocultural, arquitetônico etc. Mas, além desses significados sociais, esta edificação possui significados individuais, representado pelo valor afetivo para a população que usufruiu de eventos coletivos durante o período têxtil e para a que teve sua moradia atingida pela Enchente de 2010 e se abrigou nas estruturas da igreja.

29O barro Gustavo Paiva abriga a maior área em processo de arruinamento da antiga CAFT. Não são apenas as novas ruínas, mas as ruínas dos edifícios há mais de quarenta anos em desuso: a antiga Fábrica Cachoeira, o almoxarifado e oficina mecânica e o antigo edifício administrativo. Esse conjunto de ruínas que está no limite entre o bairro Gustavo Paiva e o bairro do Centro atribui àquele um valor paisagístico e documental diferenciado das outras partes da cidade, e representa o valor de antiguidade da CAFT, conforme Riegl (2014). A pátina impressa nos edifícios da antiga Fábrica Cachoeira e adjacência simboliza o transcurso do tempo na cidade. Estas ruínas constituem o cenário do transitar em Rio Largo pois margeiam a principal via de acesso à cidade.

30O edifício da antiga Fábrica Cachoeira, há anos em desuso e em estado acentuado de arruinamento, apresenta-se num processo de reapropriação de suas instalações. Parte das ruínas da antiga fábrica passou por adaptações para atender às necessidades de um novo uso: garagem de transporte coletivo. Isso fez com que algumas áreas fossem reconstruídas, houvesse a limpeza da vegetação rasteira, cimentação do piso, entaipamento de vãos, além da inserção de uma cobertura para abrigar os veículos. Houve uma intervenção direta na ruína para que esse remanescente industrial voltasse a exercer uma função utilitária (Figura 6).

Figura 6 - Remanescente industrial em reuso: edifício da antiga Fábrica Cachoeira

Figura 6 - Remanescente industrial em reuso: edifício da antiga Fábrica Cachoeira

Fonte: Rodrigues (2017)

31Antes de adentrar ao Centro da cidade tem-se uma área intermediária constituída por parte da vila operária, pela antiga casa da gerência, antigo Departamento de Saúde e pelo palacete dos patrões. O espaço de passeio que margeia essa área é chamado popularmente por «varanda», e possibilita ao pedestre uma vista panorâmica do Rio Mundaú, é um local de rememoração (Figura 7).

Figura 7 - Vista aérea da área intermediária Vista panorâmica do Rio Mundaú a partir da «varanda»

Figura 7 - Vista aérea da área intermediária Vista panorâmica do Rio Mundaú a partir da «varanda»

Fonte: Rodrigues (2017)

32Após essa área considerada intermediária, mas que já está dentro do bairro Rio Largo ou Centro, tem-se o Centro da cidade propriamente dito. Este bairro é constituído pela última parcela de moradia da vila operária, da antiga Fábrica Progresso, do antigo Restaurante Operário, antigo Grupo Escolar Gustavo Paiva e do antigo Cine Teatro Guarany. Esses remanescentes da paisagem urbano-industrial da CAFT fazem parte da vida urbana rio-larguense.

33O edifício da antiga Fábrica Progresso é o que mais apresenta alterações, atualmente encontra-se fragmentado com uma parcela de sua área em desuso. Os usos que estão presentes neste remanescente industrial são: comercial e institucional. Suas partes são administradas pelos herdeiros da antiga CAFT. A localização desse antigo edifício fabril favorece a sua vocação para estas novas funções (Figura 8).

Figura 8 - Remanescente industrial em reuso: edifício da antiga Fábrica Progresso

Figura 8 - Remanescente industrial em reuso: edifício da antiga Fábrica Progresso

Fonte: Rodrigues (2017)

Gestão De Conservação para o sítio da antiga CAFT

  • 1 Previstos no Plano Diretor do município, mas não praticados.

34A forma de gestão da iniciativa privada, aqui representada pelos herdeiros da antiga CAFT, limita-se em tratar os edifícios isoladamente, com ações pontuais e generalistas sobre cada exemplar. Aparentemente os edifícios são vistos como patrimônio familiar e não patrimônio cultural, isso porque não há reconhecimento legal desse testemunho industrial como patrimônio de interesse coletivo. Neste ponto inicia uma tensão entre a propriedade privada e o bem cultural. Este conflito poderia a ser amenizado com a atuação da gestão pública em criar incentivos1 aos proprietários, garantindo a função social da propriedade e a manutenção de seus valores para o bem coletivo.

35Ainda que existisse uma tutela adequada para a conservação dos aspectos materiais de cada edificação que faz parte do sítio da antiga CAFT, ela não seria suficiente para atingir os valores voltados à compreensão do sítio como um todo. O patrimônio industrial da CAFT possui um caráter urbano que requer uma conservação que considere tal aspecto. É um objeto que parte da escala do edifício e ganha complexidade em sua dimensão urbana.

  • 2 A negociação entre os envolvidos consiste em uma das fases do planejamento da conservação do patrim (...)

36Para o planejamento de uma gestão efetiva de qualquer sítio é preciso que haja um processo de negociação2 entre os envolvidos, principalmente entre a iniciativa privada e a gestão pública, esta última como representante dos interesses da comunidade local. Esse diálogo entre a entidade pública e os herdeiros é necessário diante da dimensão urbana do patrimônio industrial da antiga CAFT, pois parte de seus atributos e valores tem a escala da cidade como expressão. Neste conjunto está incluso o próprio significado ideológico impresso na morfologia urbana de Rio Largo.

37A determinação do sítio enquanto zona é um primeiro passo para que o mesmo possua uma normativa urbanística específica de uma área de valor patrimonial. Deve ser visto com olhar especializado de um sítio que merece uma atenção particular, e adequação das intervenções aos seus valores e atributos, para que não perca sua identidade e significância cultural.

38Os elementos que compõem o sítio da antiga CAFT não estão inseridos na paisagem urbana de Rio Largo, eles constituem a própria paisagem da cidade. Por esta razão é relevante pensar diretrizes que considerem sua escala, assim como as relações dos elementos físicos e naturais como continuidade da memória industrial rio-larguense. Será por meio do cuidado com a paisagem urbano-industrial que parte dos valores desse patrimônio industrial poderão ser mantidos pela e para a cidade.

39Sendo responsável pelo ordenamento e planejamento do espaço urbano, cabe à instância municipal traçar diretrizes e utilizar instrumentos de política urbana voltados à conservação dos valores atribuídos ao sítio industrial da antiga CAFT. A gestão pública deve agir como intermediadora para a supremacia dos interesses coletivos sobre o patrimônio industrial. Somente com a interferência do Poder Público será possível pensar o patrimônio que se representa da edificação à paisagem, nesse caso, à paisagem urbano-industrial.

40A redação do Plano Diretor de Rio Largo trata o patrimônio cultural da cidade de modo genérico, por esta razão, utilizou-se o Plano Diretor de Maceió (MACEIÓ, 2005) para auxiliar na instrumentalização da conservação do sítio industrial de Rio Largo. O Plano Diretor da capital setoriza o que chama de Zona Especial de Preservação em: setores de preservação rigorosa (1 e 2) e setor de preservação de entorno cultural.

  • 3 Consiste nas condições de entorno. Segundo Giovannoni (2013, p.146), há casos no estudo do patrimôn (...)

41Como a zona determinada no Plano Diretor de Rio Largo engloba o caráter paisagístico optou-se por subdividi-la em: setor de preservação rigorosa (1 e 2), conforme a referência ao Plano Diretor de Maceió (MACEIÓ, 2005), e setor de preservação de ambiência3. O Setor de Preservação Rigorosa são os sítios, conjuntos urbanos, edifícios, espaços etc., que possuem significância cultural para determinado grupo ou para a sociedade como todo. Por Setor de Preservação de Ambiência, dividido em setor de ambiente cultural e setor de ambiente natural, entendem-se os ambientes de entorno que contribuem para a leitura e interpretação dos valores dos Setores de Preservação Rigorosa, assim como auxiliam na composição plástica dos mesmos. Não foi adotado o termo entorno paisagístico, uma vez que o valor paisagístico também pode ser atribuído aos Setores de Preservação Rigorosa. A Zona de Preservação Cultural, Histórica e Paisagística ficaria com a seguinte estrutura (Diagrama 1):

Diagrama 1 - Proposta de constituição da Zona de Preservação Cultural, Histórica e Paisagística

Diagrama 1 - Proposta de constituição da Zona de Preservação Cultural, Histórica e Paisagística

Fonte: Rodrigues (2017)

42A determinação do sítio enquanto zona é um primeiro passo para que o mesmo possua uma normativa urbanística específica de uma área de valor patrimonial. Deve ser visto com olhar especializado de um sítio que merece uma atenção particular, e adequação das intervenções aos seus valores e atributos, para que não perca sua identidade e significância cultural. A Zona de Preservação Cultural, Histórica e Paisagística do sítio da antiga CAFT estaria subdivida em:

    • 4 Adotou-se o termo «arquitetura ambiental» para aquelas unidades que possuem valor estético quando c (...)

    O Setor de Preservação Rigorosa 01: constituído por bens de impacto visual horizontal e vertical; conjuntos edificados de modelos arquitetônicos heterogêneos, homogêneos e de arquitetura ambiental4; praças; linha férrea; morfologia urbana do antigo sítio industrial. Neste setor ainda são encontradas áreas de remanescentes de Mata Atlântica e de vazios urbanos;

  1. Setor de Preservação de Ambiência: A adoção de um setor de preservação voltado à ambiência para o sítio da antiga CAFT é relevante, pois este pode ser caracterizado como um sítio de natureza mista, que envolve a sobreposição e relação estreita entre o ambiente natural e cultural. Esta é uma característica comum à praticamente todos os exemplares do patrimônio industrial datados do fim do século XIX e início do século XX, e a CAFT mantém este aspecto com expressividade;

  2. Bens e espaços de interesse cultural ou Setores de Preservação Rigorosa 02 constituem edifícios e fragmentos urbanos presentes no Ambiente Cultural do sítio industrial da antiga CAFT, que podem ter atribuição de valores patrimoniais. Estão relacionados, sobretudo a dimensão simbólica, por meio de edifícios religiosos e espaços funerários, bem como em seu valor afetivo, econômico e tecnológico, como a representatividade da Feira Livre e a Estação ferroviária Rio Largo.

Considerações Finais

43A pesquisa demonstrou o problema da ausência da instrumentalização do patrimônio industrial nas políticas urbanas, principalmente em municípios de pequeno porte que abrigam remanescentes da industrialização em forma de sítios e núcleos urbanos. Pois, pensar a salvaguarda de um patrimônio desta natureza requer a ampliação de sua escala que vai do edifício à cidade, de modo que as relações do passado e do presente existente entre o patrimônio e sua ambiência sejam consideradas. Portanto, este trabalho pretendeu contribuir com o campo de estudo do patrimônio industrial e nas possibilidades de ações sobre ele ao considerar seus valores, atributos e os afetados pelo testemunho.

44Sendo assim, pensar a conservação do sítio industrial da antiga CAFT requer reconhecer a associação dos seus atributos - como as relações que os bens de impacto visual horizontal exercem sobre os conjuntos de edifícios mais modestos, assim como os bens de impacto visual vertical se relacionam com o relevo do lugar que ora os aproximam do observador, ora os afastam do mesmo etc. – e de seus valores – o valor urbanístico associado ao de paisagem, ideológico, histórico, econômico etc. Essas associações devem ser construídas com os envolvidos para uma conservação efetiva.

45Os atributos do sítio da antiga CAFT, ainda que tenham mudado de uso ou não, tenham sido abandonados estando em processo de arruinamento ou com integridade física, estão conectados e, unidos, constroem valores que expressam a identidade e significância cultural de Rio Largo. Esses valores merecem ser conservados de modo a considerar o sítio enquanto uma paisagem urbano-industrial de longa data que ainda se mantém como tal.

Bibliographie

CASTRO, C. G. de (2015) - Relações de poder no complexo fabril têxtil de Rio Largo: identificação inter-relações socioespaciais. Maceió: UFAL. Dissertação de mestrado.

CASTRO, C. G. de; ALMEIDA, L. S (2010). de. Uma viagem sentimental a Cachoeira. O Jornal. Maceió, Espaço, Caderno b4 e b5.

CORREIA, T. B (2001) - De vila operária a cidade-companhia: as aglomerações criadas por empresas no vocabulário especializado e vernacular. R. B. Estudos Urbanos e Regionais. Recife, nº. 4, p.83-98.

GIOVANNONI, G (2013). Gustavo Giovannoni: textos escolhidos. Cotia, SP: Ateliê Editorial.

LESSA, G. L.; TENÓRIO, D. A (2013). O ciclo do algodão e as vilas operárias. Maceió: SEBRAE.

LINDOSO, D (2015). Interpretação da província: estudo da cultura alagoana. Maceió: EDUFAL.

MACEIÓ (2005). Plano Diretor de Maceió: Lei municipal nº 5486, de 30 de dezembro de 2005. Maceió: Prefeitura de Maceió; SEMPLA.

MARROQUIM, A (1922). Terra das Alagôas. Roma: Ed. Maglioni Strini.

MASON, R (2004). Fixing Historic Preservation: A Constructive Critique of Significance [Research and Debate]. Places. V. 16, n. 1, p. 64-71.

MATOS, R. A.; JESUS, V. O. de; MATOS, N. A. (2009). Instruções de tombamento: pedido de tombamento da vila industrial modernista de Rio Largo/AL. Maceió: Oficina de Projetos; IPHAN.

PAIVA FILHO, A. P. G de (2013). Rio Largo: cidade operária. Maceió: SENAI/AL.

PONTUAL, V (2012). “Plano de gestão da conservação integrada”. In ZANCHETI, S. M.; LACERDA, N. (orgs). In Plano de Gestão da Conservação Urbana: Conceitos e Métodos. Olinda: Centro de Estudos Avançados da Conservação Integrada, pp. 90-100.

RODRIGUES, R. L (2017) - Conservação do patrimônio cultural: perspectivas sobre o sítio industrial da antiga CAFT, Rio Largo/AL. Maceió: UFAL. Dissertação de mestrado.

RIEGL, A (2014). O culto moderno dos monumentos: a sua essência e a sua gênese. Trad. W. R. D. e A. F. São Paulo: Perspectiva.

RUFINONI, M. R (2013). Preservação e restauro urbano: intervenções em sítios históricos industriais. São Paulo: Fap-Unifesp; Edusp.

VIÑAS, S. M (2011). Contemporary theory of conservation. Nova York: Routledge.

ZANCHETI, S. M [et. al] (2008). A pátina na cidade. Textos para Discussão n. 31 – Série: Gestão da Conservação Urbana. Olinda, v. 31. [Consult. 10 de Julho 2016].

Notes

1 Previstos no Plano Diretor do município, mas não praticados.

2 A negociação entre os envolvidos consiste em uma das fases do planejamento da conservação do patrimônio cultural. A fase anterior a esta consiste na Análise e Valorização com levantamento de dados e informações sobre o bem cultural, em seguida tem-se as Proposições que dá indicações de possíveis intervenções físicas e também do investimento financeiro necessário para a efetivação do processo de conservação. Após a Negociação vem o Monitoramento e Controle das condições físicas do patrimônio propondo ações específicas sobre ele. A última etapa consiste na Implantação das proposições propriamente dita (PONTUAL, 2012).

3 Consiste nas condições de entorno. Segundo Giovannoni (2013, p.146), há casos no estudo do patrimônio em que sua ambiência é elemento «extrínseco de importância predominante para a obra de arte», considerando esta última como o bem patrimonial, conforme já discutido, este é o caso do sítio industrial da antiga CAFT, seu contexto é relevantes para sua leitura e interpretação pelas pessoas afetadas.

4 Adotou-se o termo «arquitetura ambiental» para aquelas unidades que possuem valor estético quando consideradas em conjunto, constituindo uma paisagem. O entendimento dessa denominação está de acordo com a interpretação de Cabral (2013, p.35) do uso da palavra «ambiente» nos escritos de Gustavo Giovannoni. Segundo a autora, «quando Giovannoni adjetiva uma arquitetura (‘arquitetura ambiental’), ele cria um tipo de arquitetura ‘menor’ que tem valor enquanto parte de um agrupamento».

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Espacialização das fábricas têxteis que compunham a antiga CAFT
Crédits Fonte: Rodrigues (2017)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15297/img-1.png
Fichier image/png, 128k
Titre Figura 2 - Espacialização do sítio industrial da antiga CAFT
Crédits Fonte: Rodrigues (2017)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15297/img-2.png
Fichier image/png, 194k
Titre Figuras 3 e 4 - Moradia da antiga vila operária afetada pela enchente; trilhos sendo destruídos pelas águas do Rio Mundaú
Crédits Fonte: Castro e Almeida (2010)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15297/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 1,2M
Titre Figura 5 - Bairro Gustavo Paiva, destaque para a Igreja Sagrado Coração de Jesus
Crédits Fonte: Rodrigues (2017)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15297/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 951k
Titre Figura 6 - Remanescente industrial em reuso: edifício da antiga Fábrica Cachoeira
Crédits Fonte: Rodrigues (2017)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15297/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 221k
Titre Figura 7 - Vista aérea da área intermediária Vista panorâmica do Rio Mundaú a partir da «varanda»
Crédits Fonte: Rodrigues (2017)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15297/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 1,4M
Titre Figura 8 - Remanescente industrial em reuso: edifício da antiga Fábrica Progresso
Crédits Fonte: Rodrigues (2017)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15297/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 5,0M
Titre Diagrama 1 - Proposta de constituição da Zona de Preservação Cultural, Histórica e Paisagística
Crédits Fonte: Rodrigues (2017)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15297/img-8.png
Fichier image/png, 39k

Auteur

Universidade de São Paulo - USP, rosemarylr@usp.br

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search