Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

A iniciativa artística em lugares industriais como intervenção patrimonial: fotografia, cinema, música, dança...

Através do mundo dos lápis. Viarco, a única fábrica de lápis em Portugal

Ana Cláudia Silva

Résumé

Este trabalho tem como objetivo evidenciar a conexão estabelecida entre a única fábrica de lápis existente em Portugal – a centenária Viarco, situada na cidade de S. João da Madeira – e as iniciativas artísticas associadas a esta empresa. Com efeito, o lápis, como instrumento que favorece o processo de desenvolvimento intelectual e artístico do ser humano, continua a ser prático e eficiente, revelando uma importância ímpar no âmbito da produção industrial. Detentora de um património singular, fortemente ligado ao turismo industrial e ao património cultural português, a Viarco consegue aliar a preservação do seu espólio com as artes, impulsionando a promoção de eventos culturais e estimulando a criatividade dos participantes, o que permite viajar através do mundo dos lápis, envolto em fantasia, em memórias e em afetos.

Entrées d'index

Palavras-chave :

lápis, Viarco, património industrial, artes

Texte intégral

Introdução

1Instrumento concebido para escrever, desenhar ou riscar, o lápis é, por excelência, a ferramenta que favorece o processo de desenvolvimento intelectual e artístico do ser humano ao longo da vida.

2Universal, versátil, durável e útil, o lápis continua a ser prático e eficiente, pois é usado com diferentes finalidades, apresentando uma diversidade que o torna indispensável.

3Não obstante a existência e a evolução de novas tecnologias que permitem inovar em termos de escrita ou de desenho, como é o caso dos programas digitais utilizados em computadores, o lápis tem mantido a sua peculiaridade, demonstrando uma evolução constante, como sucede na única fábrica de lápis da Península Ibérica – a Viarco.

4Feita de história e de gerações de uma família, esta fábrica é conhecida, não só pelos lápis da «carochinha» e da «tabuada», mas também pelas novidades que se adequam às exigências do mundo atual e dos seus utilizadores.

Viarco: a única fábrica de lápis em Portugal

5O lápis é um dos utensílios mais utilizados pelo ser humano, desde as civilizações mais antigas até aos nossos dias, sendo importante no âmbito da produção industrial, ao gerar negócio que se converte em enriquecimento económico para as sociedades contemporâneas, ao mesmo tempo que se integra como um elemento determinante do património cultural, como é o caso da Viarco, situada em S. João da Madeira:

6Ao longo do tempo, a cidade sanjoanense ganhou nova dimensão, contendo muitos centros manufatureiros do país e contando, atualmente, com diversas unidades fabris, especializadas em diferentes áreas, a saber:

  • calçado (Evereste, fábrica de sapatos masculinos desde 1942, e Helsar, de fabrico exclusivamente feminino desde 1980);

  • chapelaria (Cortadoria Nacional de Pêlo, fábrica para preparação do pelo de coelho destinado à indústria da chapelaria, desde 1943, e Fepsa, unidade de produção de feltros para chapéus, desde 1969);

  • colchoaria (Molaflex, unidade de fabrico de colchões de molas, desde 1951, e Flexitex, para produção de revestimentos de colchões, desde 1964).

7Todas estas fábricas integram a rede de Circuitos pelo Património Industrial de S. João da Madeira. Esta iniciativa, com elevado valor económico e cultural e que converteu a cidade em destino turístico, procura conjugar a preservação do espólio industrial da região com a divulgação das fábricas aí instaladas e que são referências mundiais nos respetivos setores de atividade: «[…] A recuperação da história industrial e cultural apresenta a possibilidade de conhecimento de uma época vivida e de seu entorno […]» (SILVA & CORDEIRO, 2017, 418).

8Através destes roteiros, o turista pode visita restas empresas, já históricas, mas em atividade, como a Viarco, fundada em Vila do Conde, no ano de 1907, pelo conselheiro Figueiredo de Faria (figura proeminente daquela localidade) e pelo seu sócio francês, o engenheiro Jules Cacheux (que possuía uma fábrica de lápis em França), conhecida na época como «Portugália – Fábrica Portuguesa de Lápis» ou «Faria, Cacheux & Cª. Lda.»

9Em 1931, Manoel Vieira Araújo, empresário de chapelaria, decide diversificar a atividade industrial da «Vieira Araújo & Cª, Lda.», adquirindo a «Portugália» e criando, cinco anos depois, a marca Viarco, designação derivada do acrónimo: VI (Vieira); AR (Araújo); CO (Companhia). Em 1941, a empresa é transferida para S. João da Madeira, onde ainda hoje labora, desenvolvendo equipamentos e métodos de produção, o que permitiu, não só melhorar a qualidade dos produtos, mas também diversificar a oferta.

10Na década de 70, a fábrica de lápis autonomiza-se e passa a denominar-se «Viarco – Indústria de Lápis, Lda.», acompanhando os desenvolvimentos tecnológicos que se verificavam noutros países da Europa e criando novos produtos, como, por exemplo, os lápis de cera.

11Pertença da mesma família – presentemente, o proprietário José Miguel Vieira Araújo é bisneto do fundador –, a Viarco é uma empresa repleta de histórias e em permanente desenvolvimento, ao apostar na produção de produtos diferenciados, em que a oferta tradicional é complementada com inovações adequadas a profissionais das artes e do design, reinventando-se e conquistando o seu próprio espaço face à concorrência.

12Local de participação direta e ativa e de reflexão constante, que acompanha as dinâmicas do mundo contemporâneo, a fábrica portuguesa tem desenvolvido produtos inovadores e de alta qualidade, como lápis de grafite e de cor de uso escolar, lápis personalizados e de desenho técnico, sendo que, de entre as suas coleções próprias, se destacam os Lápis Aromatizados e os Magneto’s.

13No que diz respeito à primeira, fundamentada na temática dos «Quintais e Jardins de Portugal», associa-se o aroma da madeira de cedro, utilizada na produção do lápis, com as essências de flor de laranjeira, lírio do campo, jasmim, peónia, figueira e alfazema. A segunda apresenta lápis de grafite com design arrojado e muito práticos, uma vez que, devido à sua aplicação magnética, podem ser fixados em diferentes pontos.

14Outros exemplos originais passam:

  • pelo «ColorAdd», a primeira caixa de lápis de cor para daltónicos, em que, a partir de um sistema de identificação de cores, baseado nas três cores primárias (azul, vermelho e amarelo), representadas através de símbolos gráficos, se estabelece a conjugação entre a paleta de cores e o respetivo código e que resulta da parceria com o designer Miguel Neiva, promovendo a inclusão de todas as crianças;

  • pela ferramenta «Morphe», criada por alunos de mestrado em design da Escola Superior de Artes e Design de Caldas da Rainha, em que o movimento, decorrente da articulação de dois lápis, possibilita desenhar em simultâneo e em paralelo, através de um sistema de mola;

  • e ainda pela mesa «Risko», uma secretária equipada com diferentes compartimentos para armazenar papel e todos os acessórios de desenho, pintura e escrita, tendo sido desenvolvida por designers da DIGITALAB (um laboratório criativo de arquitetura e design) e da JOHEMA (espaço de fabrico de objetos criativos).

15Tal conjugação de projetos e respetiva concretização denota a transversalidade subjacente à política da Viarco, a qual visa inovar, não esquecendo a inclusão das tradições do passado, valorizando o seu património industrial e contextualizando também os seus produtos com a identidade e a memória sanjoanenses, ao apostar, por exemplo, no comércio local da cidade.

16Segundo José Miguel Vieira Araújo (Cit. por SANTOS, 2011, 32), o ponto forte da empresa reside na «[…] nossa disponibilidade para ouvir, para interpretar, para arriscar e não ter medo de falhar. E quando se ousa fazer o que nunca foi feito, a probabilidade de acertar é grande […]».

Indústria: inovação e arte

17Mais do que produzir lápis, a Viarco constitui, hoje em dia, uma empresa com notoriedade, cujas ideias inovadoras têm contribuído para o seu progresso. O objetivo principal consiste em transformar as matérias-primas em bens úteis e cuja herança constitui um vasto património, não só local, mas também nacional.

18Com efeito, a história desta empresa, com mais de cem anos, está intimamente relacionada com a identidade portuguesa, quer pela familiaridade inerente aos lápis, transversais a todos aqueles que, ao longo de várias gerações, aprenderam a escrever e a contar com a Viarco, quer pelo valor histórico de cada máquina e de cada espaço.

  • 1 Os edifícios industriais são os testemunhos mais próximos das comunidades, distinguindo-se na paisa (...)

19Instalada num edifício com diferentes secções1, que remonta à primeira metade do século XX, esta empresa destaca-se na salvaguarda da marca identitária sanjoanense pelo seu caráter arquitetónico, o qual evidencia o progresso e as realizações marcantes na sua evolução e no desenvolvimento do espaço urbano.

20Trata-se, por conseguinte, de um património que é nosso, que faz parte da história de Portugal, com os seus avanços e vicissitudes, os nossos valores e as nossas tradições, sendo reconhecida como marco distintivo da cultura nacional, favorecendo o desenvolvimento social e económico do nosso país: «[…] O património de uma determinada sociedade é único e remete à sua cultura, identidade e memória […]» (BAHL & SOUZA, 2013, 263).

21Se, por um lado, sobressai a vertente do crescimento, por outro, a fábrica de lápis tem aproveitado o seu tesouro único de experiência na valorização do património industrial através das artes: «[…] A industrialização e o grande desenvolvimento tecnológico não podem estar arredados das criações artísticas, não fosse o Homem simultaneamente produtor e produto desse fenómeno […]» (LOUREIRO, 1996, 49).

Iniciativas artísticas na Viarco

22A Viarco é uma das unidades fabris que integra o projeto de turismo industrial, desenvolvido em S. João da Madeira, sendo das empresas mais visitadas. Como tal, recebe com regularidade visitantes que ali vão conhecer a sua história, o que lhe permite contactar com os seus consumidores de uma forma mais próxima, gerando reciprocidade, patente na conceção de novos produtos e nas experiências peculiares, vivenciadas pela comunidade.

23Congregando a singularidade do seu espólio com o valor educativo e cultural, esta empresa tem reforçado as suas iniciativas, associando-se frequentemente em parcerias com instituições ligadas à educação, à cultura e à solidariedade.

  • 2 Um lápis de 18 centímetros consegue escrever mais de 45 mil palavras ou riscar uma linha de 56 quil (...)

24Na verdade, esta fábrica tem demonstrado a importância do lápis como instrumento milenar, impulsionando, simultaneamente, eventos culturais e artísticos, que estimulam a liberdade criadora dos intervenientes. É o caso do projeto «Viarco Express», iniciado em 2006 e cujo fundamento se baseou, primeiramente, na entrega de dez lápis a diferentes artistas, especialmente produzidos para o efeito, com vinte e dois centímetros – mais quatro do que o habitual2 – e uma mina mais larga para durar mais tempo:

25Depois, foi-lhes pedido que criassem um desenho e, uma vez concluído, entregassem o lápis a outra pessoa com o objetivo de chegar a um conjunto de cem desenhos.

26Entre os convidados, provenientes de diversas áreas, como a arquitetura, as artes plásticas, a moda ou a literatura, encontram-se nomes como Siza Vieira, Joana Vasconcelos, Miguel Vieira e Margarida Rebelo Pinto, entre muitos outros, que deram forma aos desenhos.

27Desta ação, que serviu o objetivo primeiro de comemorar o centenário da Viarco, decorreu a organização de uma exposição – Um Século, Dez Lápis, Cem Desenhos –, de que sobreveio a elaboração de um catálogo. Esta obra de arte coletiva, feita de contributos individuais, esteve patente no Museu da Presidência da República (Lisboa); na Torre da Oliva (S. João da Madeira) e na Biblioteca Municipal Almeida Garrett (Porto).

28De referir que a coleção integral foi adquirida pelo Hotel da Oliveira, situado em Guimarães, tendo sido exposta no Museu Alberto Sampaio, na mesma cidade. Um terço do valor concedido à fábrica de lápis foi aplicado em material escolar para distribuir por alunos carenciados.

29Outra das iniciativas associadas à fábrica de lápis consiste na declamação de poemas nas suas instalações, através do projeto «Poesia à Mesa», um dos eventos culturais mais marcantes da cidade sanjoanense. Cada edição é dedicada a um conjunto de poetas e, todos os anos, comparecem, em S. João da Madeira, várias personalidades para declamar poesia, como Ruy de Carvalho (2009) e Maria Barroso (2010).

30Em 2015, o projeto teve lugar na fábrica de lápis, onde interveio o ator Pedro Lamares, sendo que, em 2016, foi a vez do performer Paulo Condessa. A edição de 2018 proporcionou, mais uma vez, momentos singulares de recriação artística, em que o ambiente industrial da Viarco se silenciou para dar lugar à poesia, tendo também os colaboradores da fábrica participado neste projeto:

31Para além de várias atividades, como oficinas poéticas nas escolas e declamações à hora de almoço e jantar em restaurantes da cidade, complementadas pela conceção de vários objetos, como lápis da Viarco com a inscrição dos autores homenageados, esta edição ficou marcada pelo destaque concedido a Fernando Pessoa por se comemorar o 130º aniversário do nascimento do poeta.

32E porque as histórias e os lápis andam de mãos dadas, a Viarco produziu o livro Histórias do Lápis Mágico, um projeto de banda desenhada, lançado em 2008, no Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora, e que narra as aventuras de Quico, um menino que, numa visita de estudo à fábrica de lápis, encontra um lápis com poderes especiais.

  • 3 A produção do lápis envolve cinco etapas: a mina (homogeneização dos componentes pelos rolos compre (...)

33Didático, este livro, com argumento do atual proprietário e desenhado / pintado com lápis de cor «Viarco» pelo ilustrador Rui Sousa, procura captar o interesse dos mais novos para a perpetuação da marca, assim como transmitir a importância que o lápis assume ao longo da vida, reforçando a ideia de que, sendo utilizado com treino e concentração, o mesmo pode materializar aquilo que se deseja através do desenho. Nele, se explica o processo de fabrico do lápis3: «[…] As minas são a alma do lápis. Mistura-se caulino, tylose [cola], pigmentos e água para as minas de cor. Grafite, argila e água para as minas de escrita […]» (VIEIRA & SOUSA, 2008, 2).

34Aliás, a Viarco orienta visitas gerais sobre o processo produtivo, adequadas aos visitantes, as quais são exploradas no sentido de proporcionar momentos de observação para posterior interpretação. Para os alunos mais pequenos, são organizadas oficinas, em que são fornecidos desenhos e materiais para colorir e recortar, os quais são, ulteriormente, expostos.

35Em 2013, aquando da comemoração do primeiro aniversário dos Circuitos pelo Património Industrial, a Viarco foi palco de um concerto pela Banda de Música de S. João da Madeira, fundada em 1863, a qual levou música às unidades fabris, com um repertório diversificado, que incluiu música ligeira, clássicos da pop e bandas sonoras do cinema.

36Do mesmo modo, em 2014, por ocasião do encerramento do projeto «Viarco Express», a Orquestra Criativa de Santa Maria da Feira, sob a direção do maestro sérvio, Aleksandar Caric, realizou um concerto na fábrica de lápis, que contou com a participação do músico e ator Simão Dj Mão. Esta criação musical, improvisada em ambiente fabril, resultou da conjugação da melodia dos xilofones, das flautas, do fagote, do trompete e da voz com o ruído das máquinas que dão vida aos lápis.

37No mesmo dia, os Urban Sketchers, uma comunidade global de artistas que desenha e que transporta essa paixão para o quotidiano, registando, desta forma, as suas memórias acerca das cidades onde vivem e dos sítios por onde viajam, tiveram à disposição uma parede da Viarco para desenharem livremente com grafite cedida pela unidade fabril.

38A Viarco acolheu ainda a exposição de moda do fotógrafo Rui Ferreira que arranjou o espaço, fez as produções de moda ao lado das máquinas e recuperou algumas grades de transporte dos lápis para emoldurar as fotos:

Figura 4 - Exposição fotográfica de moda

Figura 4 - Exposição fotográfica de moda

http://viarco.pt/​sala-da-caldeira-recuperada/​

39Em 2016, as instalações da Viarco serviram de cenário a um espetáculo, produzido pela Companhia de Teatro Persona, que tem fomentado o desenvolvimento das artes performativas, cruzando diversas expressões criativas e artísticas. Foi feita uma vídeo-instalação com imagens captadas na fábrica, com a participação musical ao vivo de harpa, bandolim, piano, maquinarias e projeções.

  • 4 Graças ao seu contributo como autor de literatura infantojuvenil, o mais importante prémio internac (...)

40Em 2017, a Viarco acolheu a exposição «Rainha das Cores», em parceria com a editora O Bichinho de Conto, juntando a literatura à grafite e promovendo um conjunto de atividades para ler, ilustrar e ouvir contar. Trata-se da história de uma rainha que vive num mundo de cores, repleto de emoções, expetativas e relações, escrito e ilustrado pela escritora alemã Jutta Bauer, que recebeu o Prémio Hans Christian Andersen4, em 2010.

41A enumeração de todas estas iniciativas, de âmbito cultural, demonstra a amplitude, a expansão e o reconhecimento que a empresa Viarco tem vindo a granjear, promovendo-se a si própria, ao difundir a relevância do objeto central da sua produção – o lápis –, fomentando igualmente o crescimento da cidade de S. João da Madeira, ao assumir-se como um elemento de responsabilidade social, visível, por exemplo, na atribuição de material escolar a alunos carenciados, conforme referido anteriormente, ou possibilitando a vivência de experiências que contemplam áreas culturais diversificadas e que, de outro modo, seriam inacessíveis a uma fração da sociedade.

Outros eventos com a chancela da Viarco

42Desde 2008, com a abertura do atelier Viarco, esta unidade fabril disponibiliza 500m2 das suas instalações para acolher artistas e criativos, que procuram desenvolver projetos, no âmbito do programa de residências artísticas: «[…] Uma residência artística caracteriza-se pela junção de duas realidades: o da habitação, vulgo espaços de vida quotidiana e privada, e a prática artística […]» (SANTOS, 2013, 29).

43Este projeto tem como pressuposto fundamental promover, por um lado, a arte e a criatividade, vitais para as sociedades atuais, e, por outro, fomentar a troca de experiências, assim como a partilha de conhecimentos entre a realidade empresarial e a realidade artística, essencial para o desenvolvimento de uma economia competitiva e socialmente responsável, numa lógica de riqueza partilhada que valoriza e divulga as potencialidades locais:

[…] We need the creativity of being able to synthesize, to connect, to gauge impacts across different spheres of life, to see holistically, to understand how material changes affect our perceptions […]. Creativity is not solely about the new – it also involves opening ourselves out to ideas, influences and resources that are all around us, that we cannot control totally, yet that can be harnessed to making our lives richer and more sustainable […] (LANDRY & BIANCHINI, 1995, 18; 21).

44Desta ligação, já nasceram produtos originais como- a linha Artgraf, vocacionada para os técnicos das artes plásticas e do design, registada em 2007, e que constituem estreias mundiais, como:

  • o «XL», um bastão de grafite aguarelável de grande dimensão para desenhos em grande escala, sugerido pelo artista Isaque Pinheiro;

  • a aguarela de grafite, com a qual o utilizador pode obter a escala integral dos cinzas apenas com recurso a um pincel e água, resultado da parceria com o pintor José Emídio;

  • ou o «Notebook», um estojo de pintura a grafite, composto por um bloco de apontamentos, uma lata de Artgraf, um lápis de grafite, um pincel de bolso e um apara-lápis, para utilizar em qualquer lugar:

[…] É esta a vantagem de trabalhar com artistas. Ao olharem à sua volta, eles conseguem ver coisas que o comum dos mortais não vê. Quando trabalham connosco durante muito tempo, contagiam-nos a todos. Passamos a ver as coisas sob outro ponto de vista. Vemo-las não só como elas são, mas também como podiam ser. E não há limites […] (Cit. por CORDEIRO, 2017, 93).

45São, por conseguinte, produtos que simbolizam um desafio ao consumidor e ao produtor, o qual intervém, devolvendo à comunidade uma nova forma de promover cultura, saber e criatividade, expressos no uso flexível dos espaços de acordo com as necessidades dos utilizadores.

46Salienta-se que a Viarco tem sido parceira do Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora, cuja primeira edição data de 1989. Considerado um dos mais importantes eventos a nível europeu, o também designado Amadora BD, possibilita o convívio entre autores e público, dinamizando diversas atividades, como exposições, debates e projeção de filmes. Esta iniciativa visa evidenciar a relevância do desenho como forma de expressão, uma vez que, ao tratar-se de uma forma de arte que conjuga texto e imagens, a banda desenhada pode recorrer ao uso do lápis para conceber sequências narrativas figuradas.

47De referir a Maratona do Desenho, promovida pela Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, em 2018, com a parceria da Viarco, em que meia centena de artistas, divididos em turnos, desenharam ininterruptamente durante quarenta e oito horas. O objetivo consistiu em sensibilizar os artistas e o público a preservar a prática do desenho à mão, contribuindo para o reforço da utilização do lápis como ferramenta essencial.

48Outros exemplos assentam na projeção de filmes nas paredes da fábrica; na decoração do quarto temático do Hotel Ever, em S. João da Madeira, com a imagem da Viarco; na exposição e reedição exclusiva de vários produtos e embalagens antigas, em parceria com a marca «A Vida Portuguesa», que nasceu da vontade de inventariar as marcas sobreviventes ao tempo, valorizando a produção nacional; e ainda na participação em diferentes eventos nacionais e internacionais, como:

  • a «Stockholm Furniture & Light Fair», líder mundial em design escandinavo e ponto de encontro para compradores, arquitetos e designers, com vista a ampliarem a sua rede na indústria do mobiliário;

  • a «Creativeworld» (Frankfurt), a maior e mais importante feira dedicada à apresentação de novos produtos para o mercado da bricolage, com apresentação das inovações no campo das artes e dos ofícios, dos trabalhos manuais e do design:

  • o «London Design Festival» e a «Milan Design Week», ligados ao design, onde são validados os produtos e se impulsiona a aposta em parcerias criativas para a criação de produtos originais;

  • a «Maison et Objet» (Paris), especializada em decoração e design de interiores, passando pelos acessórios e pelos têxteis, pela arquitetura e pelas novas tendências de estilo;

  • a bienal internacional «Experimenta Design» (Lisboa), que estimulou a produção de conhecimento, defendendo o papel da cultura enquanto vetor de desenvolvimento nas áreas do design, da arquitetura e da criatividade;

  • a exposição no Museu de Design e da Moda – MUDE – (Lisboa), considerado um dos espaços mais importantes relacionados com coleções de design e de moda a nível internacional;

  • a Bienal Internacional de Arte de Vila Nova de Cerveira, a mais antiga do país, que apoia o empreendedorismo criativo e promove a arte contemporânea a nível nacional e internacional.

  • 5 De referir que a marca Viarco está presente no catálogo de museus, como o MoMa (Museu de Arte Moder (...)

49A lista é extensa, o que denota a versatilidade, a inovação, o empreendedorismo e a audácia da empresa portuguesa, um exemplo de trabalho e de perseverança, que respeita o passado e investe no futuro. O seu reconhecimento passa, não só pelo mercado nacional e pela internacionalização5 dos seus produtos em países como os Estados Unidos da América, China, Singapura, Índia, Japão, Inglaterra, Alemanha, França, Bélgica, Itália, Espanha, Noruega, Dinamarca, Austrália e Coreia do Sul, mas também pela publicação de artigos em revistas conceituadas que revelam o seu sucesso, como a Monocle, a Wallpaper, a Icon e a Slanted.

50Para além de todas estas iniciativas, que servem para validar os seus produtos e procurar novos mercados, a Viarco detém vários locais de venda espalhados pelo país, tendo ainda lançado uma loja online para tornar os produtos acessíveis no estrangeiro.

51A criação deste conjunto de sinergias constitui, assim, uma mais-valia, não só como valorização e crescimento da marca portuguesa, mas também como contributo no registo do património desta unidade fabril, que tem como objetivo criar, num futuro próximo, o Museu do Lápis, nas instalações anexas à unidade de produção e que alberga um grande espólio de arqueologia industrial.

52Este projeto, aliado ao facto de a empresa abrir portas ao público, às escolas e aos artistas, reflete a estratégia da fábrica, baseada na comunicação e na proteção futura do património – tal traduz a sua forte componente social, ao apostar na cultura, colocando-a ao serviço da educação, da formação e do conhecimento, considerando ainda as necessidades da cidade que poderá, assim, dispor de um núcleo ligado à história deste património.

53Efetivamente, a Viarco detém um património único, com elevado valor histórico-cultural: máquinas pesadas e antigas (século XIX); um anúncio luminoso da década de 30 (século XX); desenhos originais para as embalagens dos lápis Viarco ou a lista antiga de clientes, como a Coca-Cola, a Nestlé e o Licor Beirão. São recordações preciosas que compõem um acervo vasto, proporcionando uma viagem pela História – a história de um país e, naturalmente, a sua própria história:

[…] Uma gestão que realiza o uso eficaz e eficiente dos meios que tem ao seu alcance, favorecendo a investigação, a conservação, a criação, a produção, a difusão e o impacto social do património, de forma a que este possa ser legado a gerações futuras, consagrando-se assim o direito que cada comunidade tem à sua própria identidade […] (SILVA, 2000, 222).

54Feita de história e de histórias, a Viarco pretende tornar acessível um património que faz parte da memória coletiva, sensibilizando o público para o papel interventivo que pode desempenhar na revalorização dos espaços industriais e na conservação desta riqueza cultural.

Conclusão

55Objeto fundamental na aprendizagem da linguagem escrita, matemática e musical e na expressão plástica, o lápis é o cerne da centenária fábrica Viarco. Exemplo no seio do tecido empresarial português, a Viarco tem apostado na parceria com a arte, propondo diferentes iniciativas em que o lápis é o elemento principal e em que subjaz a estratégia de cooperação em rede.

56Segundo Leonard Read (2015, p. 8-9), fundador da Foundation for Economic Education,

[…] I, Pencil, am a complex combination of miracles: a tree, zinc, copper, graphite, and so on. But to these miracles which manifest themselves in Nature an even more extraordinary miracle has been added: the configuration of creative human energies – millions of tiny know-hows configurating naturally and spontaneously in response to human necessity and desire […]

57O que parecia improvável torna-se real: cenário que conjuga sons, movimentos, cores, palavras, imagens e espaços, a fábrica de lápis visa objetivar significados únicos, demonstrando que arte e indústria podem andar lado a lado, gerando bem‑estar e integração social e estimulando novas perspetivas, novos públicos e novas aproximações à arte, tida como fator indispensável para a preservação patrimonial e para a regeneração económica, social e cultural das localidades.

58Espaço educativo, de iniciativa, de influência para artistas e de museologia industrial, a Viarco é um local repleto de história, de pesquisa, de experimentação, de modernidade e de inovação, promotor de experiências únicas com sensações completas.

59Conjugando a produção industrial com a vertente cultural e pedagógica, esta empresa assume um acentuado papel social, quer pelo seu incentivo à criação artística, quer pela preservação que faz de um património industrial singular que resistiu à passagem do tempo.

60Deste modo, os argumentos são validados pelos factos, pelas referências que perpetuam a mutação constante, a qual fundamenta os princípios desta unidade industrial multifacetada, com destacado valor patrimonial e fomento cultural.

61Simultaneamente vintage e vanguardista, aliando o passado e o presente e assinalando o ritmo do futuro, a Viarco constitui-se, atualmente, como um projeto coletivo, inscrito na memória pessoal de cada português, conservando este produto nacional e percorrendo um caminho pioneiro de sucesso – o que nos permite viajar através do mundo dos lápis, envolto em fantasia, memórias e afetos.

Bibliographie

BAHL, Miguel; SOUZA, Silvana (2013) – «A moderna noção do que é património». In Santos, M.; Serra, F.; Santos, J.; Águas, P. In Desenvolvimento e planeamento em turismo. Faro: Universidade do Algarve, pp. 261-268.

CORDEIRO, Cristina (Primavera 2017) – Viarco: 110 anos a riscar o futuro. EPICUR, IX, p. 90-94.

LANDRY, Charles; BIANCHINI, Franco (1995) – The creative city. Demos [Em linha], p. 1-60, [Consult. 6 de agosto de 2018].

LOUREIRO, La Salette (1996) – A cidade em autores do primeiro modernismo. Lisboa: Editorial Estampa.

READ, Leonard (2015) – I, Pencil. Atlanta: Foundation for Economic Education.

SANTOS, Lina (19 de dezembro de 2011) – Viarco aposta na criação de lápis com valor acrescentado. Diário de Notícias, p. 32.

SANTOS, Tiago (2013) – Residências artísticas. O caso de estudo da Binaural/Nodar. Porto: Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

SILVA, Elsa (2000) – Património e identidade. Os desafios do turismo cultural. ANTROPOlógicas, nº 4, p. 217-224.

SILVA, Ronaldo; CORDEIRO, José (2017) – «Património industrial: propostas de musealização no Brasil». In Vieira, E.; Cordeiro, J. In II Congresso Internacional sobre Património Industrial. Patrimónios, Museus e Turismo Industrial. Porto: Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes / Universidade Católica Portuguesa / Associação Portuguesa para o Património Industrial, pp. 413-421.

VIEIRA, José; SOUSA, Rui (2008) – Histórias do lápis mágico. S. João da Madeira: Viarco – Indústria de Lápis, Lda.

Notes

1 Os edifícios industriais são os testemunhos mais próximos das comunidades, distinguindo-se na paisagem urbana – caso da Viarco, cujo edifício amplo, com porta principal e janelas grandes, é constituído pelas secções da arredondagem e do acabamento (etapas no fabrico dos lápis) e ainda pela loja e pela sala de acolhimento para receção dos visitantes.

2 Um lápis de 18 centímetros consegue escrever mais de 45 mil palavras ou riscar uma linha de 56 quilómetros de comprimento.

3 A produção do lápis envolve cinco etapas: a mina (homogeneização dos componentes pelos rolos compressores); o forno (secagem); a arredondagem (as minas são coladas no interior de tábuas de madeira com ranhuras, sendo compactadas em prensas e ganhando as suas formas na máquina de arredondar); o verniz (os lápis são mergulhados em tinta e, posteriormente, secos) e o acabamento (os lápis são impressos com os desenhos e com os logotipos de cada modelo, levando os respetivos acabamentos: borracha, íman, tinta). No final, são afiados, embalados e enviados para os clientes.

4 Graças ao seu contributo como autor de literatura infantojuvenil, o mais importante prémio internacional do género tem o nome de Hans Christian Andersen, sendo concedido, a cada dois anos, pela International Board on Books for Young People, filiada à UNESCO. A 2 de abril, comemora-se o nascimento do autor dinamarquês, sendo que, a partir de 1967, este dia passou a ser designado como Dia Internacional do Livro Infantil.

5 De referir que a marca Viarco está presente no catálogo de museus, como o MoMa (Museu de Arte Moderna), em Nova Iorque, ou o Guggenheim (Museu de Arte), em Bilbao.

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Marca “Viarco”
Crédits https://www.viarco.pt/​cronologia/​
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15123/img-1.png
Fichier image/png, 286k
Titre Figura 2 - Projeto “Viarco Express”
Crédits https://www.viarco.pt/​viarcoexpress/​projecto_cartaconvite.php
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15123/img-2.png
Fichier image/png, 164k
Titre Figura 3 - Projeto “Poesia à Mesa”
Crédits https://www.viarco.pt/​poesia-a-mesa-2018/​
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15123/img-3.png
Fichier image/png, 291k
Titre Figura 4 - Exposição fotográfica de moda
Crédits http://viarco.pt/​sala-da-caldeira-recuperada/​
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15123/img-4.png
Fichier image/png, 239k
Titre Figura 5 - Atelier Viarco
Crédits https://www.pinterest.pt/​pin/​94857135888894005/​
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15123/img-5.png
Fichier image/png, 240k
Titre Figura 6 - Linha ArtGraf
Crédits https://the-centre.com.au/​?page_id=1550
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15123/img-6.png
Fichier image/png, 106k
Titre Figura 7 - “Creativeworld” (Frankfurt)
Crédits https://www.viarco.pt/​en/​creativeworld-2018/​
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15123/img-7.png
Fichier image/png, 232k

Auteur

APLC-ICLA / CEL-UÉ, anabssilva@gmail.com

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search