Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

A gestão e a participação no campo do património industrial: modelos, estratégias e experiências

Patrimônio industrial e museus. Perspectivas sobre a musealização do patrimônio do setor elétrico no estado de São Paulo (Brasil)

Mirian Yagui

Résumé

Esta proposta possui como tema central a musealização do patrimônio industrial, refletindo sobre o processo de preservação patrimonial do setor elétrico a partir do estudo de Pequenas Centrais Hidrelétricas, criadas entre 1890 e 1960, no estado de São Paulo, Brasil. Para tanto, discorre sobre o potencial de musealização das usinas hidrelétricas no estado, evidenciado a partir das expedições realizadas em cerca de 40 usinas pelo projeto de pesquisa Eletromemoria, apresentando possibilidades de utilização de modelos museais fundados na nova museologia. Expõe também o trabalho de identificação e caracterização de coleções do setor elétrico presentes em museus, especialmente aqueles situados próximos a cidades que possuem Pequenas Centrais Hidrelétricas. Esses dois pontos que serão apresentados inicialmente, o potencial de musealização e a identificação do patrimônio musealizado, deflagraram a fragilidade da participação do setor elétrico nas reflexões sobre o que preservar para as memórias e identidades locais, que permeiam as instâncias responsáveis pela musealização do patrimônio.

Texte intégral

Introdução

1A expansão das ferrovias e da produção cafeteira, entre meados do século XIX e início do século XX, bem como o investimento dos excedentes gerados pelo setor cafeeiro em atividades industriais (MAGALHÃES, 2000), foram determinantes para o crescimento das cidades no estado de São Paulo.

2Gerou-se, com isso, uma grande demanda voltada ao uso da energia elétrica, destinada à iluminação pública e particular, ao funcionamento dos bondes utilizados para o transporte coletivo e à produção industrial.

3Segundo Brito e Reis (2001), com a expansão das indústrias e modernização do espaço urbano, havia uma grande dificuldade das autoridades públicas em suprir a demanda de energia elétrica, o que resultou na consolidação de um sistema de concessões a empresas particulares, que impulsionou a instalação de um grande número de pequenas usinas geradoras de energia elétrica por todo o estado.

4Torna-se importante explicitar que devido ao potencial hídrico e à escassez de carvão mineral para geração de energia por meio de termelétricas, optou-se pela implantação de pequenas plantas de geração de energia hidrelétrica.

5As primeiras usinas hidrelétricas construídas foram a Usina Monjolinho (São Carlos - SP), e a Usina Piracicaba (Piracicaba-SP), implantadas a partir do ano de 1893. Dois anos mais tarde, 1895, foi inaugurada a Usina Corumbataí (Rio Claro-SP).

6Essas pequenas centrais hidrelétricas (PCH) eram construídas, em geral, aproveitando o potencial hidráulico de quedas d’água e pequenos desníveis situados em rios de pequeno e médio porte.

7A partir da década de 1960, foram criadas empresas estatais que investiram em grandes obras de engenharia para a geração de energia elétrica, deixando de investir na instalação de novas PCHs e na manutenção das já existentes, e optando por manter em funcionamento apenas as que julgavam interessantes na época.

8Devido a esse histórico, as usinas hidrelétricas contribuem sobremaneira para a compreensão do processo de urbanização e industrialização do estado de São Paulo e seus reflexos para o país, sendo assim, um patrimônio que possui extrema relevância histórico-cultural.

9Nesse mesmo período, a partir dos anos 1950, a ampliação do olhar patrimonial na Europa foi disseminada para o mundo e colocou em pauta a importância da preservação de remanescentes industriais, gerando discussões e reflexões sobre a revitalização e os novos usos dados a este patrimônio.

10Essas reflexões reverberaram no Brasil, tendo como um de seus primeiros resultados a patrimonialização do conjunto industrial da Real Fábrica de Ferro São João de Ipanema, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, na década de 1960.

11Ainda no Brasil, a partir dos anos 1980, tornam-se evidentes também ações de preservação do setor energético empreendidas por empresas do ramo. Tal fato está atrelado diretamente ao interesse em retomar as atividades das Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) devido a questões socioeconômicas e à previsão de uma crise energética. Com isso, o Governo Federal realizou diversas iniciativas de incentivo à implantação e revitalização de PCHs, o que contribuiu para a preservação de plantas que retomaram suas atividades de produção de energia, muitas delas situadas no estado de São Paulo, Brasil.

12Empresas paulistas como Eletropaulo, CESP (Companhia Energética de São Paulo), CPFL (Companhia Paulista de Força e Luz) e Comgás (Companhia de Gás de São Paulo) foram as responsáveis pela institucionalização das coleções e criação dos primeiros museus do setor energético (BLOISE, 2000):

  • Museu Histórico do Gás Canalizado, criado em 1983;

  • Museu Histórico da CPFL, criado em 1986;

  • Museu da Energia na Usina do Corumbataí, em Rio Claro, criado em 1990; e

  • Museus da Eletricidade em Jundiaí (1988) e Itu (1994).

13Em 1998, com a privatização das grandes empresas estaduais do setor energético do Estado de São Paulo, criou-se a Fundação Patrimônio Histórico da Energia de São Paulo (atual Fundação Energia e Saneamento), uma organização da sociedade civil de interesse público, constituída devido ao interesse governamental em manter preservado o patrimônio do setor energético do Estado de São Paulo. É responsável pela musealização do patrimônio de grandes companhias do setor, criando a rede Museu da Energia, e pelo Núcleo de Documentação e Pesquisa.

14Partimos, portanto, do pressuposto de que haveria outras iniciativas de empresas do ramo energético e de museus já existentes voltadas à musealização desse patrimônio.

  • 1 Esta pesquisa faz parte do projeto temático Eletromemória 2 denominado História da Energia Elétrica (...)

15Com isso, buscamos compreender por meio desta pesquisa, que compõe o projeto Eletromemória 21, como os processos museológicos dialogam com esse patrimônio sob duas perspectivas: o levantamento e análise do patrimônio do setor elétrico musealizado identificado no estado de São Paulo e a avaliação do potencial de musealização de pequenas centrais hidrelétricas construídas entre o final do século XIX e início do século XX.

16Torna-se importante expor que a busca por museus que detêm herança industrial do setor elétrico e a avaliação do potencial de musealização de pequenas centrais hidrelétricas considerou os diferentes “formatos técnico-conceituais, portanto, [que] conformam museus de distintas feições, modelos [...]” (LIMA, 2013, p. 07). No entanto, independente da abordagem tipológica para a musealização de um espaço industrial ou especificamente do setor elétrico, como Museu Tradicional ou Clássico, Museu a Céu Aberto, Museu de Território, Ecomuseu, Museu Comunitário, todos têm o intuito de propor a preservação desse patrimônio e o uso de espaços industriais degradados. Segundo Lima (2013) a musealização cria pontos mobilizadores de fluxo para visitação cultural, constitui espaços de pesquisa, revigora o lugar sob diversos aspectos, inclusive no fomento à geração de empregos (LIMA, 2013, p. 21).

Levantamento da musealização do patrimônio do setor elétrico do estado de São Paulo

  • 2 Pesquisa produzida no mestrado em museologia do Programa de Pós-graduação Interunidades em Museolog (...)

17Esta etapa, realizada por meio da pesquisa de Yagui (2014)2, buscou identificar o patrimônio do setor elétrico musealizado que podemos aqui caracterizar como patrimônio material imóvel, patrimônio material móvel e patrimônio imaterial, bem como analisar como ele está sendo comunicado ao público, por meio das exposições nos museus com patrimônio do setor elétrico. O patrimônio material imóvel envolve escritórios de empresas do setor elétrico, centros de geração, transmissão e distribuição de energia, locais onde se desenvolveram atividades sociais e culturais como moradias, igrejas, escolas voltadas aos trabalhadores do setor, dentre outros. O patrimônio material móvel abrange maquinários, ferramentas, equipamentos de proteção, de informática e de telecomunicação, objetos de escritório, mobiliário, documentos textuais, fotografias, filmes etc. E, por fim, o patrimônio imaterial, que envolve o saber-fazer e as práticas sociais e culturais dos trabalhadores. Tal sistematização não tem a intenção de esgotar as possibilidades de identificação de outros objetos ligados à geração de energia elétrica que não estejam contemplados nessa listagem.

18No caso dos territórios musealizados, como a musealização de usinas hidrelétricas, buscou-se analisar como ocorre esta relação entre patrimônio, paisagem e meio ambiente.

19Levantou-se, inicialmente, os municípios que detêm pequenas centrais hidrelétricas em seu território ou em suas proximidades, e que possuem museus, o que totalizou cinquenta e três municípios e oitenta e sete museus (YAGUI, 2014).

20Após consulta a esses oitenta e sete museus, identificou-se que em apenas dezessete há referências do setor elétrico (YAGUI, 2014), sendo que 14 possuem referências específicas sobre usinas hidrelétricas, estando dentre eles duas pequenas centrais hidrelétricas musealizadas, e somente seis museus possuem objetos tridimensionais, conforme pode ser visualizado no quadro abaixo:

Quadro 1 - Museus com referências do setor elétrico

Quadro 1 - Museus com referências do setor elétrico

21Como escolha metodológica, definimos a pesquisa in loco em seis museus que estavam abertos ao público na ocasião da pesquisa e que possuem objetos tridimensionais em maior número, com o intuito de analisarmos suas coleções, sendo eles: o Museu do Porto de Santos, no município de Santos, o Museu da Cidade Ettore Liberalesso, no município de Salto, o Museu Histórico e Pedagógico Voluntários da Pátria, no município de Araraquara, o Museu da Energia de Salesópolis, no município de Salesópolis, o Museu da Energia de Itu, no município de Itu, e o Museu da Energia de São Paulo, no município de São Paulo. Apresentaremos a seguir, de forma breve, cada um desses museus e algumas considerações obtidas após pesquisa in loco.

22O Museu do Porto de Santos, administrado pela Companhia Docas de Santos, é um museu histórico, detentor de uma coleção de objetos que retratam a história do Porto de Santos e sua relação com o desenvolvimento da região. Os objetos do setor elétrico identificados provêm da Pequena Central Hidrelétrica de Itatinga, construída em 1910 com o intuito de abastecer o Porto de Santos e fornecer energia para alguns pontos da cidade. A coleção é composta especialmente por registros fotográficos, documentos e equipamentos que retratam o trabalho na usina, no entanto, não há em sua expografia quase nenhuma abordagem sobre o trabalhador, a relação da usina com o entorno e questões ambientais. Não é apresentada a questão da produção de energia como uma problemática contemporânea, abordando em seu discurso apenas o ponto de vista histórico da usina e do porto. A relação entre o Porto de Santos e a PCH Itatinga, embora esteja presente na expografia, não se dá por outros meios como, por exemplo, a realização de visitas planejadas pelo museu à Central Hidrelétrica.

23O Museu Histórico e Pedagógico Voluntários da Pátria, no município de Araraquara, é um museu histórico inaugurado em 1970, que possui em seu acervo objetos, em grande parte, doados por seus moradores, como itens da fauna, minerais, objetos indígenas e objetos de uso pessoal dos doadores, compondo um acervo de aproximadamente três mil objetos de diversas tipologias. Há em seu acervo uma coleção de objetos do setor elétrico doados pela Companhia Paulista de Força e Luz – CPFL, como lâmpadas de iluminação pública, instrumentos de medição e ferramentas que retratam o trabalho na iluminação pública, no entanto, traz poucas informações sobre os objetos expostos, suas funções e relação com a Companhia Paulista de Força e Luz e a história da cidade. Também não apresenta aspectos do trabalhador e seu cotidiano e não problematiza a iluminação pública e o uso da energia na contemporaneidade. Portanto, o discurso apresentado pela instituição não consegue integrar a história da cidade à coleção do setor energético presente em sua exposição.

24A rede de Museus da Energia, pertencente à Fundação Energia e Saneamento, é composta pelos Museus da Energia de São Paulo, Itu e Salesópolis.

25O Museu da Energia de Itu, instalado num sobrado no município de Itu que foi sede e agência de atendimento da Companhia Ituana de Força e Luz (1908) e posteriormente da Companhia Light (1927) e Eletropaulo Eletricidade de São Paulo S.A. (1981), tornou-se o primeiro Museu da Energia da rede. Possui em sua maior parte objetos eletrificados de uso cotidiano e aborda historicamente a utilização da energia pela sociedade, especialmente em suas residências. Problematiza, também, o uso da energia na contemporaneidade, apresentando questões referentes à sustentabilidade e ao uso consciente da energia.

26O Museu da Energia de São Paulo, no município de São Paulo, instalado em residência histórica que pertenceu à Henrique Santos Dumont, “barão do café” e irmão do aviador Alberto Santos Dumont, possui exposição de longa duração que aborda o histórico do casarão e exposições temporárias com temáticas que envolvem questões referentes ao setor energético, como as mais recentes exposições “Rodas e trilhos”, sobre bondes, trens, ônibus e carros elétricos, e “São Paulo pelas lentes de Gaensly”, com fotografias que apresentam as transformações em São Paulo entre 1899 e 1925. Possuem também uma área com experimentos científicos associados à produção de energia. Assim como no Museu da Energia de Itu, faz uma abordagem histórica e contemporânea sobre o uso da energia.

Figura 1 - Museu da Energia de Salesópolis

Figura 1 - Museu da Energia de Salesópolis

27Já o Museu da Energia de Salesópolis, instalado em município de mesmo nome, constitui-se em uma Pequena Central Hidrelétrica, datada de 1911, musealizada. O conjunto de edifícios é composto pela casa de máquinas da usina, o conduto, a barragem e as habitações dos antigos funcionários. A PCH mantém suas características e ainda produz energia, sendo o valor da venda da energia produzida revertido para a manutenção do museu. Portanto, há uma grande preocupação com a preservação, pesquisa e comunicação desse patrimônio, mas também com a manutenção de sua função original: a produção de energia. Alguns espaços da usina, antes utilizados como áreas sociais e administrativas, foram adaptados para receber a estrutura do museu (exposições temporárias, sala destinada à equipe, espaço de acolhimento dos visitantes etc.). O discurso utilizado pela instituição abrange não apenas o valor científico, histórico e cultural da usina, mas também seus impactos ambientais e sociais.

28E, por fim, o Museu da Cidade Ettore Liberalesso, inaugurado em 1991 no município de Salto, foi pensado como um museu-percurso, com uma sede, núcleos externos e pontos de referência. A exposição principal, na sede do museu, está estruturada de acordo com eixos, entre eles: religião, festas e tradições, família, comércio e serviços, escola, indústria, paisagem, formação granítica e arqueologia. Para contextualizar cada eixo, são apresentados objetos buscando criar uma narrativa que vai desde a formação geológica da região, perpassando a questão arqueológica, até chegar à sua história social. Em relação ao patrimônio do setor elétrico, um de seus núcleos externos, o Parque das Lavras, envolve em seu território um conjunto de edifícios remanescentes da Pequena Central Hidrelétrica das Lavras, construída em 1906, além de uma turbina e acervo arquivístico com depoimentos e imagens de seus ex-funcionários. Na exposição presente no núcleo externo Parque das Lavras, há painéis que contam a história da construção da PCH das Lavras, de seus funcionários que moravam nas dependências da usina e trazem uma abordagem mais contemporânea da poluição do rio e do lixo trazido ao complexo da usina pelas enchentes. Por constituir um parque na atualidade, sua relação com os moradores da cidade de Salto é muito próxima, no entanto, a pesquisa não deixou claro se ao usufruir do parque, os moradores têm consciência do patrimônio histórico que ele integra.

29Diferentemente do Museu da Energia de Salesópolis, a PCH das Lavras, pertencente ao Museu da Cidade Ettore Liberalesso, não é o museu em si. Ela faz parte de um conjunto de edificações que compõe um museu de cidade e deve ser vista sob uma perspectiva mais abrangente envolvendo toda a cidade de Salto e não apenas o território onde foi construída a usina. Embora os edifícios que compõem a PCH das Lavras estejam bem preservados, não há mais estrutura de maquinários, os ambientes internos dos edifícios foram descaracterizados e a barragem está desativada. A paisagem também foi modificada sob diversas perspectivas: a poluição do rio; a construção de estruturas para compor o parque municipal, onde se situa a PCH; as vias de acesso etc. A usina, nesse contexto, se integra a um discurso que tem por principal objetivo falar sobre a cidade de Salto, seu histórico, sua cultura, aspectos ambientais e sociais.

30Dentre as referências encontradas na análise dos acervos de todos esses museus, como patrimônio material imóvel identificou-se duas usinas hidrelétricas musealizadas, a pequena Central Hidrelétrica das Lavras e a Pequena Central Hidrelétrica de Salesópolis, além de um escritório que pertenceu a empresa do ramo energético.

31Como patrimônio material móvel, foram identificados nos museus os seguintes itens:

  • Ferramentas industriais, ferramentas oficinais, instrumentos de medição;

  • Registros das atividades de produção;

  • Equipamentos e máquinas informáticas e de telecomunicação;

  • Objetos utilizados para iluminação, eletrificados ou não;

  • Máquinas, aparelhos e utensílios domésticos;

  • Modelos e representações estáticos documentadores das atividades de produção;

  • Máquinas industriais operadoras, motoras e transmissoras, bem como seus componentes;

  • Componentes elétricos e materiais de isolamento;

  • Equipamentos de proteção e segurança;

  • Produtos da indústria (também utilizados para iluminação, incluindo seus ornamentos);

  • Mobiliários, objetos de escritório e papelaria;

  • Catálogos, desenhos, projetos, marcas e patentes;

  • Registros e documentos, inclusive fotográficos, das classes empresarial e operária; - Publicações especializadas sobre a indústria;

  • Registros referentes às condições de vida das personagens envolvidas no processo de construção, manutenção e gestão da indústria;

  • Registros das atividades de produção e seu comércio, compreendendo a preservação de documentação, material de propaganda e divulgação, cartazes, folhetos, almanaques etc.;

  • Registros filmográficos, fílmicos e sonoros desses objetos e locais;

  • Objetos de memória institucional (e comemorativos).

32E, por fim, como patrimônio imaterial foram identificados vídeos e registros de depoimentos de trabalhadores do ramo elétrico que relatam a organização do trabalho e a vida dos trabalhadores.

33Ao todo foram mapeados mais de três mil objetos, cerca de 260 mil documentos iconográficos, 10 mil documentos cartográficos e mais de dois mil documentos audiovisuais, em sua maior parte pertencentes ao acervo da Fundação Energia e Saneamento, preservados e expostos na rede de Museus da Energia, o que é uma quantia bastante significativa, considerando o número reduzido de museus com coleções do setor elétrico identificados.

34Portanto, nessa primeira fase da pesquisa foi possível mapear as características do patrimônio do setor elétrico musealizado e a grande concentração desse patrimônio no acervo da Fundação Energia e Saneamento. O fato de termos evidenciado um número bastante reduzido de museus que apresentam coleções com objetos do setor elétrico, dentre os oitenta e sete pesquisados, nos faz refletir sobre o que os agentes responsáveis por musealizar compreendem como sendo parte do patrimônio de suas cidades e relevante para as memórias e identidades locais.

Análise do potencial de musealização de Pequenas Centrais Hidrelétricas

35O desenvolvimento da pesquisa sobre as Pequenas Centrais Hidrelétricas do estado de São Paulo por meio do projeto Eletromemória 2, também se deu a partir de expedições com equipe formada por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual Paulista (Unesp) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), realizadas em cerca de 40 usinas hidrelétricas escolhidas pela sua representatividade na região onde foram instaladas no período estudado; pela manutenção ao longo dos anos de suas características construtivas e de equipamentos do período inicial de operação, e por serem definidas, segundo as determinações vigentes na legislação, como pequena central hidrelétrica. Estipulou-se como base os seguintes eixos temáticos: História; Patrimônio Industrial, Cultura Material e Museologia; Paisagem e Meio Ambiente; Ciências da Informação e Arquivologia.

36Vamos falar especificamente sobre o eixo temático Patrimônio Industrial, Cultura Material e Museologia, onde além do mapeamento do patrimônio industrial identificado, analisou-se também o seu potencial de musealização.

37Para o levantamento de dados, utilizamos formulário onde foram registradas as datas de construção e início de operação das usinas; a concessionária responsável; acessos e meios de locomoção até a usina e dentro da área que abrange a usina, e características do meio ambiente. Também foram analisadas as características arquitetônicas dos edifícios que compõem as Pequenas Centrais Hidrelétricas e suas funções, como a existência de conjuntos residenciais, locais de religiosidade e laboratórios, além das culturas material e imaterial identificadas, como objetos, maquetes, fotografias, filmagens e áudio com registro do trabalho e dos trabalhadores, e a presença de sítios arqueológicos na região, com o intuito de verificarmos o potencial de formação de coleção museológica.

38Averiguou-se a possibilidade de estruturação de circuitos entre uma ou mais usinas e as possibilidades de circulação dentro de cada uma delas, evidenciando o potencial de acessibilidade. Buscou-se, ainda, exposições e museus vinculados à usina ou com a qual a usina se relaciona. Todos esses dados coletados deram subsídios para que pudéssemos realizar a descrição da musealidade, definir a tipologia de coleção e avaliar o potencial de musealização.

39Com o intuito de contextualizar o mapeamento realizado, apresentaremos a síntese de três casos de usinas pesquisadas e que possuem potencial de musealização: PCH Porto Góes, PCH Monjolinho e PCH Itupararanga.

PCH Porto Góes

Figura 2 - Casa de máquinas da Pequena Central Hidrelétrica Porto Góes

Figura 2 - Casa de máquinas da Pequena Central Hidrelétrica Porto Góes

40Usina situada no município de Salto-SP e instalada no rio Tietê, a PCH Porto Góes iniciou sua operação em 1928 para suprimento de energia elétrica da Brasital, indústria têxtil e fábrica de papel. Na atualidade, essa PCH está em operação sob controle da Empresa Metropolitana de Águas e Energia.

41A usina compõe a paisagem do centro da cidade, constituída por um conjunto de edifícios industriais, que possuem como características arquitetônicas tijolo aparente, caixilhos de ferro fundido e cobertura de telhas francesas, e situa-se próxima a uma área de proteção ambiental.

42Como bens identificados, a usina detém turbinas e geradores em bom estado de conservação, painel de controle desativado, cabine telefônica em madeira com porta sanfonada, quadro com ferramentas e álbum com imagens históricas da usina. Possui, ainda, toda a estrutura da usina, como a barragem, a casa de máquinas em ótimo estado de preservação.

43O Museu da Cidade de Salto Ettore Liberalesso, descrito anteriormente, embora traga muitas referências sobre a Pequena Central Hidrelétrica das Lavras, pouco expõe sobre a PCH Porto Góes. Este museu possui em sua sede apenas um quadro com a pintura da usina Porto Góes feita pelo artista F. Gimenes, em 1967.

44Já no Parque das Lavras, os painéis expositivos fazem uma breve menção sobre o aproveitamento hidrelétrico no estado de São Paulo e na região de Salto e trazem imagens da usina Porto Góes.

45Por ser um museu composto por vários núcleos externos e pontos de referência da memória local, seria de extrema relevância abranger dentre esses núcleos a PCH Porto Góes, considerando sua relevância histórica para a cidade e região, sua presença tão marcante na paisagem local e o potencial que possui referente à abordagem sobre produção de energia e impactos no território (ambientais, sociais, culturais etc).

46Para tanto, seria necessário a requalificação do museu de cidade e reflexão sobre como integrar a PCH Porto Góes, articulando a usina com o território e seu meio ambiente, e considerando suas especificidades de funcionamento e segurança para visitação pública, além da proposição de ações educativas dialogadas entre as duas usinas, Porto Góes e Lavras, da realização de pesquisa histórica e coleta de história oral com funcionários e ex-funcionários da usina, e produção de exposições temporárias e/ou itinerantes.

PCH Monjolinho

Figura 3 - Painel de controle desativado da Pequena Central Hidrelétrica Monjolinho

Figura 3 - Painel de controle desativado da Pequena Central Hidrelétrica Monjolinho

47Monjolinho é uma usina situada no município de São Carlos e que possui fácil acesso, por se encontrar em área urbana próxima ao shopping da cidade. Sua primeira casa de máquinas foi construída em 1893, sendo considerada uma das primeiras usinas hidrelétricas do país. A concessionária responsável na atualidade é a Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL), que mantém a usina em operação e preservada.

48Encontra-se em uma área com grande presença de mata nativa e cachoeiras, mas com grande poluição das águas, o que inviabiliza seu uso turístico.

49Foi criado em 2002, o projeto Usina Monjolinho Museu da Energia – CPFL com o objetivo de revitalizar a usina e compor o Museu da Energia – CPFL formado por uma exposição de longa duração, casa de máquinas, barragem, dutos e estruturas existentes na usina. Esta ação fez parte das comemorações dos 90 anos da CPFL, mas não estabeleceu uma proposta consistente de musealização do espaço que contasse com ações de pesquisa, comunicação e preservação, uma das possíveis razões para ter sido descontinuada.

50A exposição é composta por painéis expositivos, experimentos como a máquina eletroestática de Whinshurst e o experimento de Van Der Graff, e objetos expostos como lâmpadas, lamparinas, amperímetros, painel de controle, dentre outros objetos, além de apresentar a prospecção realizada em uma de suas paredes, mostrando as diferentes camadas de tinta até chegar no tijolo aparente. Há também documentação sobre a usina que se encontra no arquivo municipal da cidade.

51Evidencia-se, portanto, um potencial de musealização do território que já foi explorado, mas que não houve continuidade por parte da concessionária. Existe também um grande potencial de interlocução com o Museu de São Carlos, museu histórico da cidade, devido à relação intrínseca entre a usina e o desenvolvimento urbano da região.

52Ressalta-se que, neste caso, o modelo de musealização utilizado no Museu da Energia de Salesópolis seria uma referência para estruturação de um museu na PCH Monnjolinho.

PCH Itupararanga

Figura 4 - Barragem da usina de Itupararanga

Figura 4 - Barragem da usina de Itupararanga

53A Pequena Central Hidrelétrica de Itupararanga, situada no município de Votorantim, teve seu funcionamento iniciado em 1914 e continua em operação até hoje. Pertence à empresa Votorantim, uma holding que atua nos ramos de cimento, siderurgia, metais e energia.

54Possui fácil acesso, com linhas de ônibus que passam em frente à empresa e está envolta por reservas florestais. Seu conjunto de edificações compreende além da casa de máquinas, prédio administrativo que foi instalado numa antiga escola; vila de operários com casas que ainda possuem em seu interior as antigas mobílias, louças e eletrodomésticos; teatro; barragem com arquitetura em arcos; linha do trólei, além de uma igreja próxima a entrada da PCH.

55O maquinário existente na usina permanece em bom estado de conservação, além de apresentar quadro de ferramentas, móveis, medidor do nível da água no centro de controle da casa de máquinas, painel de controle, objetos de escritório como máquina de contador, maquete que representa as três usinas existentes na região (PCH Votorantim, PCH Santa Helena e PCH Itupararanga), arquivos técnicos e álbum fotográfico.

56No prédio administrativo há uma exposição com painéis onde são tratados os seguintes temas: construção da usina, trabalhadores, transportes, maquinário, casas dos trabalhadores e usina concluída e em funcionamento.

57A usina recebe escolas da região em visitas, portanto, já possui estrutura para visitação pública em suas dependências realizada mediante agendamento. No entanto, ainda é necessário o restauro das residências e do teatro utilizados anteriormente por seus trabalhadores. O planejamento de um circuito que percorra as outras duas usinas existentes na região também pode ser uma estratégia voltada ao turismo local.

58Decerto, a possibilidade de formação de coleção museológica, os edifícios que podem comunicar como era o dia a dia na usina, como as casas dos engenheiros que se mantiveram intactas, a arquitetura da barragem, a linha do trólei e a paisagem do entorno, compõem um conjunto com grande potencial de musealização e estruturação de um museu de território.

Perspectivas e considerações

59A partir do mapeamento dos museus com patrimônio do setor elétrico, conseguimos identificar as características das coleções e objetos musealizados e as tipologias de museus que detêm esse patrimônio, que são as mais variadas: museus históricos, museus de ciência e museus de cidade, conforme expõe Yagui (2014, 13-14)

Trata-se, por um lado, de cultura material da ciência e tecnologia, por estar diretamente ligada às ciências exatas, tecnologias e engenharias, mas não se concentra em museus de ciência e afins, pois por problematizar questões referentes ao meio ambiente e ao uso consciente da energia e trazer aspectos históricos relevantes, o patrimônio do setor elétrico dilui-se entre museus com diferentes lógicas discursivas e problemáticas museais.

60Esse mapeamento, juntamente à análise do potencial de musealização de pequenas centrais hidrelétricas com seus bens materiais e imateriais e aspectos específicos sobre o meio ambiente e o território onde se situa, como os três exemplos apresentados nesse texto, desvelou o rico patrimônio industrial do setor elétrico existente no estado. Com isso, constatou-se que a musealização do patrimônio do setor elétrico no estado de São Paulo ainda é incipiente, considerando o potencial existente.

61Partimos do pressuposto de que os museus municipais próximos às Pequenas Centrais Hidrelétricas deveriam ter uma visão mais abrangente de patrimônio, envolvendo o patrimônio do setor elétrico em suas ações de preservação, pesquisa e comunicação.

62É possível afirmar também que a legislação brasileira para a proteção do patrimônio histórico-cultural, não garante a proteção integral do patrimônio do setor elétrico, por ter falhas ao abordar o patrimônio em suas especificidades, como o patrimônio industrial e o patrimônio da ciência e tecnologia. A inexistência de políticas públicas voltadas a esse patrimônio reflete negativamente tanto nos museus, por não reconhecerem a industrialização como parte de sua problemática, como na sensibilização da sociedade para reconhecimento e preservação desse patrimônio.

63Evidentemente, o incentivo do governo para a retomada do funcionamento de pequenas centrais hidrelétricas para atendimento da alta demanda por energia reverberou positivamente no restauro e preservação desse patrimônio o que, para Cordeiro, é um caminho a se cogitar para reutilização desses edifícios industriais que por muito tempo se mantiveram obsoletos e fadados à degradação.

[...] No caso do patrimônio industrial elétrico, parece-me interessante alargar essa hipótese de reutilização à própria fonte de energia que era produzida no edifício. Ou seja, no caso de uma central de produção de energia elétrica, haverá todo o interesse em manter em funcionamento, pelo menos parcialmente, a fim de que seja possível ilustrar o seu processo de produção. (CORDEIRO, 1987, 70)

64Nesta pesquisa, refletindo sobre as quarenta usinas onde ocorreram expedições, ficou evidente que embora muitas delas tenham grande potencial de musealização, o fato de estarem situadas em locais de difícil acesso, em geral em áreas de preservação ambiental, também inviabiliza a musealização do território e nos faz refletir sobre outras formas de musealização, como o deslocamento de objetos da usina para museus municipais.

65É importante evidenciarmos e reconhecermos também que a criação da Fundação Energia e Saneamento teve e ainda tem um papel primordial na preservação do patrimônio energético do estado e apresenta um modelo de musealização desse patrimônio que é exemplar, com a criação da rede de Museus da Energia, além da formação do Núcleo de Documentação e Pesquisa.

66Consideramos, portanto, que há ainda um importante caminho a ser trilhado na especialização para musealização de um patrimônio com tantas particularidades, refletindo sobre critérios de restauro, conservação preventiva, segurança, problemática conceitual e adequações para visitação pública, no caso das pequenas centrais hidrelétricas.

Bibliographie

BLOISE, Ana Silvia (2000) - Museu da Energia: uma utopia torna-se realidade. Memória e energia, São Paulo, nº 27, p. 80-91.

BRITO, Marilza Elizardo; REIS, Solange Balbi Cerveira (2001) - A vida cotidiana no Brasil Moderno: a energia elétrica e a sociedade brasileira (1880-1930). Rio de Janeiro: Centro de Memória e Eletricidade no Brasil. 276 p.

CARVALHO, Raul Machado (2007) - Memória de Salto - Usina de Lavras. Salto: INEVAT. Coleção cadernos do patrimônio (xerox).

CORDEIRO, José Lopes (1987) - Algumas questões para a salvaguarda do Patrimônio Industrial. In: Anais do 1º Seminário Nacional de História e Energia, Vol. 1. São Paulo: Eletropaulo, Departamento de Patrimônio Histórico.

FERRAZ, Vera Maria de Barros (2000) - Museu da Energia de Itu. Fundação Patrimônio Histórico da Energia de São Paulo. História & energia: Patrimônio arquitetônico da Fundação Patrimônio Histórico da Energia de São Paulo, São Paulo, n. 8, 2 ed. 76 p.

KÜHL, Júlio César Assis; FERRAZ, Vera Maria de Barros (2000) - As Usinas do Corumbataí. Fundação Patrimônio Histórico da Energia de São Paulo. História & energia: Patrimônio arquitetônico da Fundação Patrimônio Histórico da Energia de São Paulo. São Paulo, n. 8, 2 ed. 76 p.

LIMA, Diana Farjalla Correia (2013) - Da face inativa da indústria ao contexto ativo do museu: aspectos da musealização do patrimônio industrial. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 14, Florianópolis. Anais.... Florianópolis: Enancib, 2013.

MAGALHÃES, Gildo (2000) - Força e luz: eletricidade e modernização na República Velha. São Paulo: Editora Unesp; Fapesp.

YAGUI, Mirian Midori Peres (2014) - Museus e patrimônio industrial: um estudo sobre a musealização do setor elétrico no estado de São Paulo. São Paulo: Universidade de São Paulo. Dissertação de Mestrado em Museologia.

Notes

1 Esta pesquisa faz parte do projeto temático Eletromemória 2 denominado História da Energia Elétrica no Estado de São Paulo (1890-1960): Patrimônio Industrial, Paisagem e Meio-Ambiente. Financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, o projeto Eletromemória 2 propõe um estudo sobre as pequenas centrais hidrelétricas do estado, construídas entre 1890 e 1960, e, a partir de expedições de campo em barragens e usinas hidrelétricas, buscou compreender o contexto histórico e social em que foram implantadas, as transformações paisagísticas e ambientais causadas por elas, evidenciando as ações de revitalização e salvaguarda desse patrimônio industrial por meio da produção documental e constituição de acervos museológicos.

2 Pesquisa produzida no mestrado em museologia do Programa de Pós-graduação Interunidades em Museologia da USP (Universidade de São Paulo), na linha de pesquisa “Teoria e método da gestão patrimonial e dos processos museológicos”, sob orientação da Profa. Dra. Marilia Xavier Cury. Disponível em: <https://teses.usp.br/teses/disponiveis/103/103131/tde-06022015-153522/pt-br.php>. Acesso em: 26 out. 2019.

Table des illustrations

Titre Quadro 1 - Museus com referências do setor elétrico
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15038/img-1.png
Fichier image/png, 1,4M
Titre Figura 1 - Museu da Energia de Salesópolis
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15038/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 933k
Titre Figura 2 - Casa de máquinas da Pequena Central Hidrelétrica Porto Góes
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15038/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 398k
Titre Figura 3 - Painel de controle desativado da Pequena Central Hidrelétrica Monjolinho
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15038/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 526k
Titre Figura 4 - Barragem da usina de Itupararanga
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/15038/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 628k

Auteur

Secretaria da Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, mirianmidori@gmail.com

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search