Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

A diversidade de investigações sobre o património industrial: nas universidades, nas empresas e entre o público em  geral

O Património Industrial e a História Local. Notas para a Educação Patrimonial da Mina de São Domingos

Vanessa Alexandra Pereira

Résumé

Na Mina de São Domingos, a herança da sua cultura industrial continua muito presente na memória da localidade. A necessidade da educação patrimonial desse legado é urgente. Actualmente, as povoações que viveram exclusivamente da actividade mineira testemunham múltiplos processos de reestruturação. Acontece que os acontecimentos históricos são a primeira premissa da memória, um dos passos para a construção de uma história local. E por esse motivo, não basta unir a comunidade sob um património comum. São já três as gerações ulteriores ao encerramento da mina, sendo que algumas destas pessoas não têm quaisquer laços com o seu passado industrial. E para existir transferência de informação, importa estimular a memória. A identidade da comunidade tem de ser tratada na fonte, convocando a utilização da história e das suas novas metodologias, procedendo à interdisciplinaridade, começando a abrir portas à educação patrimonial que deve ser feita.

Texte intégral

Introdução

1Na segunda metade do século XIX, o interior do Alentejo assumiu, de modo irrefutável, a vanguarda da exploração dos recursos geológicos em Portugal. Palco de uma forte e interessante penetração de capitais, essencialmente estrangeiros, foi motivado a acompanhar os ventos provenientes da Andaluzia espanhola. A viabilidade e prosperidade económicas das minas alentejanas, conferiu à região uma importância cimeira na modernização industrial que ocorria na Europa. Embora este processo, quase simultâneo, tenha colocado as minas do sul português em destaque, apenas São Domingos, na margem esquerda do rio Guadiana, concelho de Mértola, alcançou posição ímpar nos mercados internacionais.

2O desenvolvimento da indústria extractiva em Portugal, especialmente o do subsector das minas, já foi na generalidade, dado a conhecer pela historiografia nacional, porém, com algumas lacunas nos estudos de caso. Sabemos como a articulação de múltiplas valências, políticas e económicas, internas e externas, encetou o progresso da indústria. Do cruzamento de todas estas dinâmicas, com ressalva para a Belle Époque e a Regeneração, os maiores contributos recaíram sob o desenvolvimento mineiro, que se encontrava sob olhar atento dos grandes agentes industriais, devido à desenfreada busca por minerais que se fazia sentir, particularmente pelos minérios básicos e metálicos. Ávida deste tipo de recursos, era deles que a Europa industrializada se alimentava. A procura intensificava-se a cada nova invenção, nova indústria ou ampliamento de espaços já estabelecidos, mas também porque o norte europeu não apresentava na composição geológica do seu subsolo a riqueza mineral do sudoeste.

3Quando o efeito coercivo destes fenómenos chegou a Portugal, materializou-se na importação daquilo que escasseava, desde matérias-primas, à maquinaria, ao próprio conhecimento tecnológico. Com isto, o Estado visava a criação de novas infraestruturas e a implementação de mais indústria, numa linha que tinha como ideário a regeneração de Portugal, promovendo a estabilização do sistema liberal português, após anos de conflito desencadeados pela carta constitucional de 1826. A consumação destes objectivos não passava unicamente pela importação do saber-fazer, mas pela legitimação estatal, obtida através da promulgação de legislação industrial. Ou seja, para muitos destes projectos principiarem e não terem vida efémera, foi necessário proceder à reestruturação de leis. A título de exemplo, a lei de Minas de 1852 foi uma das mais importantes desse tempo, pela índole mais liberal, que abriu portas à penetração de capitais de risco. Como promotora de grandes investimentos, sobretudo estrangeiros, a sua aplicação impulsionou a produção nacional em larga escala, nunca antes vista.

4Portugal e Espanha partilharam o mesmo paradigma. Ambos eram berço da Faixa Piritosa Ibérica, a estrutura a sudoeste da península que compreende o Baixo Alentejo e a Andaluzia, numa extensão de 250-300 km de comprimento por 30-50 km de largura. O seu conjunto de sulfuretos maciços polimetálicos apresentado é a maior província metalogénica da Europa. Por outras palavras, a sua paragénese mineral é o maior distrito europeu de metais básicos e um dos maiores do planeta (CARVALHO, 1982, 149). Ultrapassa 400 milhões de toneladas e contabiliza cerca de 90 jazigos. Estima-se que concebeu aproximadamente 1300 milhões de toneladas de minério, metade das quais explorada ou erodida (OLIVEIRA et al, 1996, 10-21). A mineralização dominante é a pirite cuprífera, um mineral que na sua composição encerra minérios de excelência. Em São Domingos, a geologia do seu campo metalífero fez-se à imagem da Faixa Piritosa: um corpo de pirite cuprífera, com uma massa lenticular, e mais de 500 metros de comprimento por 130 de largura (DELGADO, 1876, 12).

5O seu filão foi redescoberto em 1854, por Nicolas Biava, um piemontês capataz nas minas de Tharsis, também recentemente encontradas, que estavam sob direcção de Ernest Deligny, um engenheiro de minas francês. Encorajado pela publicação de um artigo que sugeria a existência de uma extensa área a minerar para lá da fronteira, e já previamente explorada por povos antigos, os seus desígnios acompanhavam a febre mineira de Oitocentos, e acabaram por transcender a raia espanhola. Deste modo, foi com o auxílio de Biava e de outro homem de sua confiança, que se registaram alguns dos mais conhecidos pontos de extracção na zona portuguesa. São Domingos foi um deles.

  • 1 O universo da administração da mina de São Domingos e a prossecução da sua cultura empresarial é um (...)

6Em 1855, foi constituída a La Sabina Mining Company, por Deligny e mais dois indivíduos da mesma esfera empresarial. Os acontecimentos que se sucederam estão profundamente enredados numa teia que não justifica a explanação total neste artigo. Basta referir que, entretanto, uma nova sociedade se formou, e em 1873, os direitos de concessão foram adquiridos pela Mason and Barry – mais tarde Mason and Barry, limited – que teve como fundadores James Mason e Francis Barry1. A cessação da actividade mineira sucedeu em 1966, perfazendo no total, 122 anos de laboração efectiva. O ano seguinte ficou marcado pelo alagamento da zona de extracção. Em 1968 a empresa entrou em falência. À luz do contrato oitocentista celebrado com a Mason and Barry, que atestava que em caso de falência os bens regressariam à outra empresa, a La Sabina recuperou a titularidade dos direitos, num processo concluído em 1972.

Património material e imaterial. A indústria como geradora da comunidade

7Em contextos de exploração mineira, as vicissitudes do século XIX obrigavam frequentemente à tipificação de um padrão que hoje pouco acontece, a fixação habitacional da mão-de-obra junto à mina. Factores de ordem geográfica, económica e/ou financeira, eram os que mais estavam na raiz deste fenómeno. Devido à sua natureza, tratavam-se de indústrias in situ, com uma produção assente na presença permanente dos trabalhadores. O caso de São Domingos é representativo deste modelo. A redescoberta verificou-se em plena segunda metade de Oitocentos, na linha transfronteiriça do Alentejo interior profundo. Mértola, já nessa época sede do concelho, distava aproximadamente 17 quilómetros, e situando-se na margem oposta do Guadiana. O trajecto estava longe daquilo que conhecemos presentemente, e foi a evolução da mina que estimulou a melhoria das vias de circulação locais e dos transportes. Embora o caminho existisse, a própria estrada municipal entre São Domingos e Mértola só ficou concluída no princípio do século seguinte. Uma vez chegando-se à margem esquerda, o acesso à vila por via fluvial realizava-se pequenas embarcações (a conhecida barca de Mértola apareceria anos depois impulsionada pela Mason and Barry, como atesta a documentação).

8Por outro lado, a classe operária, principal sustentáculo de um empreendimento mineiro em larga escala, vinha das regiões mais pobres do Alentejo e do Algarve. Durante muito tempo, São Domingos foi o maior centro salarial a sul de Portugal. A mão-de-obra portuguesa, principalmente nas primeiras décadas, embora grosso modo a dinâmica se tenha mantido até ao fim, desempenhava as funções mais exigentes, requeredoras de maior destreza física. Os mineiros eram, efectivamente, estes homens, que enfrentavam a contramina. Noutro prisma, chegados por intermédio da companhia, os cargos hierarquicamente superiores, fosse trabalhos da terra ou administrativo, eram sempre ocupados pelo pessoal estrangeiro, formado nas escolas de minas, dotado do know-how específico, e/ou com experiência noutras explorações, e por isso muito mais habilitado. Como os portugueses pouco conheciam para além da agricultura ou da pesca, a sua realidade laboral era a lógica da rotatividade. Quando chegados à mina, verificava-se um volte-face, pois o trabalho mineiro obrigava-os a permanecerem na área durante muito mais tempo, acabando por se fixarem, construindo novas relações sociais e de familiaridade.

9Em síntese, o aparecimento das comunidades mineiras tem berço na natureza extractiva da indústria e no seu posicionamento geográfico. Nasciam, portanto, por via directa da industrialização, e destinavam-se a suprir as necessidades dos estabelecimentos (ALVES, 1997, 7). Desta feita, as minas geravam agregados habitacionais de surgimento rápido, com estrutura dinâmica, acompanhando os ciclos da exploração. Todavia, é pertinente ressalvar que o significado de couto mineiro, é inúmeras vezes utilizado erroneamente. A expressão tornou-se comum para explicar o verdadeiro sentido da acepção da palavra, e o seu emprego caiu na banalidade. Por razões óbvias, não pode ser encarada como um conceito lato. Em rigor, um couto mineiro trata-se de uma organização muito mais demarcada, metodicamente construída e preparada para ali subsistir. Não é tão dinâmica, no sentido que não precisa necessariamente de acompanhar os ciclos produtivos, dado que já integra na sua infraestrutura todas as valências imperativas à continuidade da comunidade mineira. Na mina de São Domingos, as primeiras habitações e edifícios de apoio surgiram quase instintivamente, de maneira muito efervescente e mais preocupada com a razão pela qual existiam do que como deveriam existir. Estes primeiros anos foram os mais convulsivos no tocante à transformação do complexo, e à luz das mutações do mercado, o que já se tinha erguido podia facilmente transformar-se consoante a execução de novos planos de lavra.

10De facto, a malha urbana de São Domingos alterou-se e deu lugar a um povoado progressivamente mais estático, voltado tanto para as necessidades da indústria como para as da sua comunidade. A sociedade mineira acabou por encontrar um equilíbrio entre o carácter estático e dinâmico. O primeiro era crucial à fixação definitiva dos trabalhadores e o segundo era determinante para a geografia dos interesses económicos. Para esse efeito, a expansão industrial era canalizada para zonas mais periféricas. As construções de primeira instância evoluíram para um couto mineiro, que ganhou não só corpo, mas simultaneamente, identidade. Da simbiose entre a mina explorada e a Mina onde se vivia, uma não funcionava sem a outra. A localidade nasceu, e como tal, a Mina de São Domingos é nada mais do que o produto da mina industrial (PEREIRA, 2018, 96), fruto de uma experiência capitalista e do exercício intensivo e extensivo dessa actividade. Foi um processo de causa efeito, o qual está muito associado ao estabelecimento de grandes indústrias. O passar do tempo comprovou que o padrão não fugiria à regra. Depois dos aglomerados habitacionais do século XIX, da passagem ao povoado organizado, da grande reconversão em couto mineiro – morfologia mineira típica em Novecentos – a aldeia foi a última das mutações urbanas.

11Contemporaneamente, as aldeias da Mina de São Domingos e do Pomarão (aldeia na margem do Guadiana onde se encontrava o porto fluvial da mina), bem como a sua comunidade, são os testemunhos directos do passado urbano. Nas imediações encontram-se as localmente designadas “ruínas” do complexo mineiro, e que independente do seu estado de conservação, encerram em toda a sua imponência a prosperidade do passado industrial. Este circuito industrial, juntamente com a documentação histórica, a aldeia e a sua comunidade, fazem da mina de São Domingos um dos casos mais paradigmáticos de património industrial, material e imaterial, do país.

12É da convergência das variantes apresentadas que sobrevém a sua história local e como o seu modelo conserva uma identidade muito própria, que merece ser tratada com acuidade.

Da comunidade à identidade. A história que continua

13Comunidade e identidade são conceitos absolutamente intrínsecos, e têm de ser entendidos como tal. Investigadores sugerem que as sociedades protoindustriais devem ser trabalhadas unindo-as sob o signo do património comum, incluindo neste princípio a mina de São Domingos. Tal não é assim tão simples. A mesma ideia levanta ainda alguns problemas, de teorização e de execução. Em primeiro lugar, o conceito de protoindustrialização apresentado no século passado por Franklin Mendels, não encontra aqui aplicação. E no respeitante à execução, as comunidades com herança mineira possuem uma identidade muito específica, próprias do seu legado industrial. É um passo incontornável, sim, mas não basta unir estas pessoas sob um património comum. A justificação para isto é que os acontecimentos históricos são a primeira premissa da memória. Quando a actividade laboral cessou, não foi somente o fim da mina. A aldeia, que subsistia da mineração, ressentiu-se amplamente. Verificou-se um surto de êxodo rural, com grande parte da população a emigrar para destinos com maior oferta de emprego. Agregados familiares inteiros partiram, alguns para a cintura industrial de Lisboa, outros para território estrangeiro, preferencialmente para os países de comunidades portuguesas. Deste modo, o mesmo elemento que originou a comunidade, a indústria, foi também responsável pelo despovoamento da aldeia que fez nascer. É o fenómeno da mobilidade mineira, um dos vectores a ter em consideração. Até à viragem da última centúria, os restantes habitantes da Mina de São Domingos tornaram-se testemunhas da sua fragmentação e da transição do seu modelo.

14No mínimo, são três as gerações ulteriores ao encerramento da exploração. Alguns destes indivíduos não têm quaisquer laços com esse passado industrial. No que toca aos que se instalaram nos países estrangeiros, predominantemente em França, muitos da segunda geração já ali nasceram. Os da terceira, pouco ou até mesmo nada falam português, e poucas vezes estiveram na Mina de São Domingos. É imperativo realizar um estudo de caso, o qual não pode passar exclusivamente pela absorção do que já existe. A intervenção tem de ser in loco, passar pelo conhecimento da comunidade e da sua envolvente. Trata-se de um trabalho moroso, que não se conclui em alguns dias ou semanas.

15O preceito que mais deve ser levado a cabo, é que se deve conservar a partir da comunidade. A identidade desta comunidade tem base num imenso património material e imaterial. É em seu redor que a educação patrimonial deve funcionar. Para além do obstáculo da mobilidade mineira, é fundamental considerar que a educação em contexto mineiro, trata uma identidade extensiva e intergeracional. A comunidade que se formou e instalou em Mina de São Domingos é e foi dinâmica, no espaço e no tempo. No tocante ao espaço, a acção industrial não teve unicamente os seus impactos nas redondezas da mina. A análise contempla todo o território por ela afectado. Os efeitos, económicos e sociais, estenderam-se por dezenas de quilómetros, desde o ponto de extracção até Vila Real de Santo António. No fundo, acompanhavam todo o decurso do Guadiana. Relativamente ao tempo, embora a prospecção tenha começado em 1854 e tido vida útil até 1966, a aldeia continua a existir, de forma que a cronologia da sua educação patrimonial só termina na actualidade.

16É verdade que esta comunidade assiste, e sobretudo desde o começo do século XIX, a múltiplos processos de reestruturação, amplamente relacionados com o desenvolvimento do território concelhio, ancorado no turismo cultural. Estas acções têm despoletado bastantes iniciativas, a partir de diferentes entidades. Contudo, existe pouca educação patrimonial, e o conhecimento e o não conhecimento acabam por actuarem nas mesmas plataformas. É imperativo estabelecer uma transferência de informação que contemple a dita unificação populacional sob o seu património comum, mas sem esquecer, na sua essência, a identidade própria.

17Ora, para existir transferência de informação, há que estimular a memória. Ou seja, a identidade da comunidade tem de ser tratada na fonte. Para cumprir esse objectivo, há que convocar a utilização da história e das suas ferramentas, e das suas novas metodologias, como a história local e a história oral. Só fazendo uso correcto da mãe das ciências sociais, única que nos permite compreender todas as dinâmicas conjunturais estruturantes, é possível intervir rigorosamente no quadro da multidisciplinaridade. Esta associação é fulcral para o tratamento de todos os parâmetros, sendo possível, daqui avançar-se para o passo seguinte: a educação patrimonial.

Para a educação patrimonial. A história local e a sua abrangência científica

18A história local é o estudo, histórico e não só, que concentra a sua investigação e produção científica num contexto geográfico micro, com especial incidência na comunidade. Em oposição ao que o nome indica, não é uma narrativa histórica de um determinado lugar. Socorre-se dessa componente, que está na raiz da comunidade, mas através da abrangência científica elenca uma variedade de possibilidades. A Mina de São Domingos é um exemplo notável de história local, pois reconhece como a conjuntura macro é tão importante como a micro, ou como o recurso a ferramentas de outras ciências é imprescindível.

19Esta área de actuação é elaborada a partir de vários elementos aglutinadores. São eles a comunidade, identidade, memória, herança e património. Analisámos como todos eles convergem e fazem parte de um todo. A história oral congrega ainda várias ciências sociais e humanas, suas metodologias e ferramentas. Para além da história, também a antropologia, sociologia, arqueologia e geografia são essenciais para a sua acção. Quanto às metodologias e ferramentas destas ciências, podem pertencer à sua corrente mais tradicional ou inscreverem-se nas novas abordagens. Na margem tradicional, temos o método historiográfico, com a pesquisa de bibliografia, a investigação de fontes e a análise, ou o método etnográfico, similar na bibliografia e na análise, mas que substitui a investigação de fontes pelo trabalho de campo. Naquelas que são mais recentes, inauguradas pelo século presente, destaque para os estudos da imagem e da representação, os sistemas de informação geográfica, e a história oral, esta última singularmente relevante para a Mina de São Domingos.

20Com efeito, a história local é capaz de agrupar múltiplas dimensões num único microcosmo. Para a comunidade mineira, as mais importantes são a política, a economia, as relações internacionais, a questão social, e o património industrial, que como já observamos, é material e imaterial. Conseguir discorrer sobre todos os conceitos, lógicas e dinâmicas, atendendo simultaneamente às circunstâncias macro e micro subjacentes, sem os ignorar ou confundir, é um dos grandes desafios dos investigadores de história local. Esta confluência é causadora de imensas problemáticas regionais e nacionais, e é daí que resulta a motivação para o seu estudo.

História oral e educação patrimonial. A ponte entre o investigador e a comunidade

21A história oral é uma das mais recentes metodologias da história. Entrou em Portugal através da sociologia, e foi apropriada pela antropologia quase no imediato. No que concerne ao caso da Mina de São Domingos, revelou-se como o método mais adequado para iniciar a educação patrimonial. A história oral é o método de produção de fontes com suporte verbal ou de imagem, passível ou não de ser transcrito. Ela assume algumas especificidades como o facto do seu carácter ser provocado pelo próprio investigador, o de ser completamente contemporânea à investigação, e de debater-se com o problema de ser realizada a priori. Por outras palavras, o testemunho do entrevistado é uma projecção dos acontecimentos efectivos, tendo já passado algum tempo, que pode ser de dias ou meses, a anos. As recordações dos acontecimentos podem ser dispersas ou até ter sofrido alguma modificação, roçando o fenómeno das reminiscências trabalhado pela antropologia. Os seres humanos têm uma visão compactada do tempo, ou seja, significa isto que a visão que está a ser transmitida pode não respeitar àquele momento em si. Para um apuramento dos resultados, compete ao investigador operar nestas condições, examinando posteriormente outras fontes, caso necessário e caso existam. Por último, a história oral é um método muito particular, e para o historiador ela é mais uma ferramenta entre outras, sendo, no entanto, muito adequada ao tratamento da história local.

22Nesta linha de orientação, a história oral e a educação patrimonial caminham de mãos dadas. Com a execução da história oral produz-se história local, erguendo-se uma ponte entre o investigador e o entrevistado, ou até entre o investigador e a própria comunidade. A história oral acaba assim, por fomentar a educação patrimonial, que pode, aliás, ser recíproca, na medida em que esta ponte permite a transmissão de conhecimento mútuo.

23Isto é mais comum quando a história oral se realiza em comunidade, pois estas pessoas possuem laços de sociabilidade muito fortes, e numa primeira instância, aderem em maior número se for em contexto de grupo. Este enquadramento actua como um estímulo interno, auxiliando a memória, sendo mais simples dialogar e recordar. Muitas vezes, determinada sessão culmina em verdadeiras tertúlias, o que concede ao investigador não só material, mas igualmente muito por onde prosseguir. Por outro lado, a conversa dispersa mais facilmente do tema original, e retornar à raiz da questão poderá ser custoso. Nas entrevistas singulares, a transmissão de conhecimento também é mútua, embora numa dimensão mais reduzida. Têm um carácter mais pessoal, e obrigam a diferentes técnicas, como criar empatia inicial ou facultar condições para que o entrevistado se sinta tranquilo. Um bom passo neste sentido é, conforme o objecto de estudo, selecionar o local da entrevista. Ora, se ela decorrer no local de residência ou noutro lugar agradável, isso ajuda a pessoa a permanecer calma e familiarizada com a envolvente. Em qualquer uma das circunstâncias, o investigador deve sempre privilegiar a fluidez da conversa, porém, seguindo certas normas, e sem que o entrevistado perceba que estas estão a ser aplicadas. Para uma devida produção das ciências sociais e humanas, o importante a reter é que a função da memória é a construção da identidade, e todos têm o direito a falar da sua memória como pretenderem.

24O aproveitamento dos espaços sociais também detém um papel preponderante na educação patrimonial da comunidade. Eles são, afinal, o elo material que liga estas pessoas ao passado comum e fazem dela comunidade. Como constatado, o seu aproveitamento tem um papel indispensável para a historial oral. Podem ser activos e não activos, actuando ou não em associação com o investigador. Habitualmente, são espaços com carga simbólica, e podem ser contemporâneos à época histórica ou ter sido concebidos a posteriori. O centro republicano 5 de Outubro, o clube recreativo e musical, o mercado ou o jardim do bairro dos ingleses, são alguns exemplos para a primeira tipologia. São sítios de educação patrimonial ocasional, ou seja, receber iniciativas de âmbito educacional esporadicamente. Já os erigidos posteriormente, têm como missão transmitir conhecimento, sendo, portanto, espaços de educação patrimonial permanente. Entre eles contam-se a casa do mineiro, um polo do ecomuseu de Mértola que reflecte o quotidiano das famílias mineiras, o cine-teatro, que ainda conserva alguns elementos das duas exposições já ali exibidas, e o museu do contrabando de Santana de Cambas, uma estrutura museologia que perpetua a memória do contrabando ali ocorrido muito por conta da mina.

A educação patrimonial preventiva. Educar para conhecer e prevenir

25O património industrial votado ao abandono, é por vezes, palco de acidentes, cuja grande parte seria evitável se a educação patrimonial fosse preventiva. As características que decorrem da condição de abandono intrigam e seduzem, naturalmente, qualquer curioso. O caso da mina de São Domingos, apresenta uma orografia instável, à qual se juntam as lagoas de água ácida geradas pelo antigo sistema de canais, valas e represas, e ainda os imponentes esqueletos das infraestruturas subsistentes. Um cenário que é popularmente apelidado de apocalíptico, e que já foi protagonista de produções cinematográficas, anúncios televisivos e outras campanhas publicitárias. A projecção que a localidade tem vivido, principalmente no último decénio, com a exposição nos noticiários pela qualidade da praia fluvial (situada na antiga represa n.º 4), associada à difusão nas redes sociais, conduziu a aldeia um pouco aos quatro cantos do país.

  • 2 DIAS, Carlos (2002) - Águas ácidas da mina de S. Domingos usadas para tomar banho e "curar" doenças (...)
  • 3 Herdeira da sociedade mineira de 1855, detentora de centenas de habitações mineiras na Mina de São (...)

26Todavia, o que resta do seu passado industrial tem sido precariamente estudado e transmitido ao público em geral, salvo alguns contributos académicos. Este desconhecimento, científico e cultural, já culminou em algumas situações de inconsciência e desaire, tratando-se de um problema que atravessa décadas. Por exemplo, no início do milénio, em 2002, um conhecido periódico noticiava como alguns adolescentes e pré-adolescentes da aldeia tomavam banho nas águas ácidas: «dois rapazes e uma rapariga, com idades entre os nove e os 16 anos, banham-se nas lagoas de águas ácidas […] cobriram o corpo com lama impregnada de enxofre, “para curar doenças da pele e por causa do calor”»2. Nessa altura, as responsabilidades já recaiam sob a La Sabina, agora La Sabina Sociedade Mineira e Turística S.A3, detentora de toda a área correspondente ao circuito urbano e industrial da Mina de São Domingos:

O autarca [presidente da Junta de Freguesia de Santana de Cambas] não consegue perceber como é que as autoridades não chamam à responsabilidade a concessionária da mina, a empresa La Sabina "que pura e simplesmente nunca se preocupou com o problema ambiental que deixou" no couto mineiro desde que este foi encerrado à exploração

27O problema arrasta-se até hoje. O acontecimento mais recente remonta ao mês de Outubro do presente ano, 2018, quando dois motards britânicos ficaram em estado grave após uma queda no antigo complexo industrial, ao atravessarem uma das pontes da ferrovia, perto de Santana de Cambas. Um estudo prévio acerca do terreno que iriam cruzar poderia ter evitado o acidente, dado que esse trabalho de campo revelaria que essa ponte já não possui o seu tabuleiro. Com isto, a La Sabina volta a estar em foco:

  • 4 CORREIA, Teixeira (2018) - Mértola: Motards feridos graves em quedas no antigo poço ferroviário (...)

A infraestrutura está integrada numa propriedade com cerca de 2.000 hectares, propriedade da empresa La Sabina-Sociedade Mineira e Turística, SA […]. Em 2011 a Câmara de Mértola elaborou dois projectos, um para a construção de uma Ecopista (333 mil euros) na faixa de terreno onde se encontra o antigo caminho-de-ferro […] ambas com financiamento do Interreg na ordem dos 85%. Legítima proprietária do prédio rústico das áreas em causa, a La Sabina, que só tinha que ceder os espaços em direito de superfície por 30 anos, na hora de assinar os contratos recusou e os projectos ficaram sem efeito.4

28Ainda que não frequentemente, estes e demais acidentes acontecem, resultado da ausência de uma cultura de conhecimento. A educação patrimonial, tal como o nome indica, visa educar a sociedade em torno do seu património, neste caso, do património industrial legado por uma mina desactivada. Esta educação deve ser norteada segundo o que a natureza desse património tem para oferecer, em suma, como esse testemunho do passado industrial poderá servir a comunidade.

Considerações finais

29No cômputo final, é amplamente conhecido como o complexo da mina de São Domingos foi alvo da mais fria e pragmática destruição de património industrial em todo o Alentejo. Depois do desmantelamento das infraestruturas ainda por parte da Mason and Barry, o que acabou por restar foi gradualmente saqueado por particulares. Com o decorrer dos anos, a paisagem mineira foi adquirindo um semblante evocativo de um território em destruição. Referentemente à aldeia, durante os primeiros 30 anos após o culminar da mina, os locais foram sentindo o peso de uma aldeia fantasma.

30A dimensão destas consequências é de tal ordem que o património industrial que sobreviveu é localmente nomeado de “ruínas”. Independentemente destas asserções, permanece intrínseco à identidade da comunidade, especialmente, das gerações mais velhas, filhos desse passado. Estas são as pessoas que conservam o património de São Domingos. Na sua identidade, encerram e conservam todo o património material, industrial e urbano, mas simultaneamente o imaterial. Quanto às gerações mais jovens, elas identificam-se mais com o património material urbano, a aldeia, por ser mais contante no dia-a-dia. Um terceiro fenómeno coloca-se, “os de fora”, aqueles que visitam a localidade em busca de lazer e sem vínculo familiares, ignorando o vasto património industrial escondido nas proximidades.

31Verificámos como subsiste um movimento descoordenado entre o património industrial, inerente à identidade da comunidade e à sua memória colectiva. Das mutualidades aqui implícitas, podem surgir uma série de boas práticas para uma intervenção directa nas suas potencialidades, através do recurso às raízes do seu património. Afinal, a Mina de São Domingos é a localidade nascida em redor da exploração mineira que a baptizou, e só o seu estudo rigoroso possibilita compreender tanto a origem como as permanências do seu território.

32Em síntese, a educação patrimonial não passa, apenas, por unir a comunidade sob o património comum. Ela deve operar a partir da conservação da identidade, presidindo aos parâmetros apresentados neste texto. O património é a base, mas observámos como ele pode ser indiferente para alguns, ou pior, apresentar-se cientificamente mal estudado, desencadeando entendimentos erróneos para tantos outros. É urgente que ela passe pelo conhecimento da linha evolutiva da sua história. Paralelamente, prima pelo carácter inter e multidisciplinar, espinha dorsal para que a comunidade compreenda o seu património, e para que este património consiga actuar em prol da comunidade.

33Por último, a educação patrimonial pode catalisar o potencial do território da Mina de São Domingos por via de um turismo interventivo, e não estático como o turismo de lazer. O desenvolvimento local pode aproveitar o crescimento da actividade económica do turismo, expressando-se através de novas formas de turismo. Atendendo à existência do seu património industrial e da educação que deve ser feita, podem ser incrementados o turismo industrial, cultural, científico e académico, permeando não o património em si, mas englobando a identidade da sua comunidade. Sob o signo da educação patrimonial para todos.

Bibliographie

ALVES, Helena (1997) - Mina de S. Domingos. Génese, formação social e identidade mineira. Mértola: Campo Arqueológico.

CARVALHO, D. (1982) - New paths of massive supplied exploration in the Iberian Pyrite. Comunicações dos Serviços Geológicos de Portugal. Lisboa. Tomo 68, fascículo 2, p. 149-162.

CORREIA, Teixeira (2018) - Mértola: Motards feridos graves em quedas no antigo poço ferroviário de M. S. Domingos. Lidador Notícias [Consult. 30 de Outubro 2018].

DELGADO, J. F. N. (1876) - Terrenos Paleozoicos de Portugal. Sobre a Existencia do Terreno Siluriano no Baixo Alentejo. Lisboa: Typographia da Academia Real das Sciencias.

DIAS, Carlos (2002) - Águas ácidas da mina de S. Domingos usadas para tomar banho e "curar" doenças. Público [Consult. 30 de Outubro 2018].

GUIMARÃES, Paulo (2001) - Indústria e Conflito no Meio Rural. Os mineiros alentejanos (1858-1938). Lisboa: Edições Colibri e CIDEHUS-UE.

OLIVEIRA J.; OLIVEIRA, V. (1996). “Síntese da Geologia da faixa piritosa, em Portugal, e das principais mineralizações associadas”. In Rego, Miguel (coord.) - Mineração no Baixo Alentejo. Castro Verde: Câmara Municipal.

PEREIRA, Vanessa Alexandra (2018) - A Alteração da Paisagem na Mina de São Domingos como Problema Metodológico: a Valorização do seu Património para um Turismo Industrial Sustentável. In Iberografias. Guarda: Centro de Estudos Ibéricos e Âncora Editora. ISBN: 978-972-780-643-0. Pt1, p. 93-106.

QUINTAS, A.; Pereira, V. (2016). “As Minas Portuguesas da Faixa Piritosa Ibérica: A Pirite Alentejana na Economia Nacional Oitocentista”. In Relvas, Susana Rocha (ed.) - Iberian Interconnections - Conference Proceedings. Porto, Universidade Católica.

QUINTAS, A.; PEREIRA, V. (2017). - O Património Geológico das Pirites e do Mármore do Alentejo. Industrialização, Paisagem e Valorização Cultural e Turística. In Minería y metalurgia históricas en el sudoeste europeo. Nuestras raíces mineras. Madrid: Sociedad Española para la Defensa del Patrimonio Geológico y Minero. ISBN: 978-84-697-5918-9. Pt5, p. 507-516.

Notes

1 O universo da administração da mina de São Domingos e a prossecução da sua cultura empresarial é um tema trabalhado desde finais do século passado, todavia, com alguma ausência do rigor histórico. É, por isso, comum encontrar na historiografia várias incongruências, visíveis no cruzamento de informação. O tema tem de ser trabalhado na fonte que é a documentação histórica, e encontra-se em work in progress pela presente autora.

2 DIAS, Carlos (2002) - Águas ácidas da mina de S. Domingos usadas para tomar banho e "curar" doenças. Público [Em linha]. [Consult. 30 de Outubro 2018]. Disponível em www.publico.pt/2002/09/10/jornal/aguas-acidas-da-mina-de-s-domingos-usadas-para-tomar-banho-e-curar-doencas-174340

3 Herdeira da sociedade mineira de 1855, detentora de centenas de habitações mineiras na Mina de São Domingos e no Pomarão, das instalações industriais, da linha férrea e do palácio da administração. Em 1996, celebrou um contrato com o Estado Português e a Câmara Municipal de Mértola, no qual se prevê o planeamento da restruturação das duas localidades.

4 CORREIA, Teixeira (2018) - Mértola: Motards feridos graves em quedas no antigo poço ferroviário de M. S. Domingos. Lidador Notícias [Em linha]. [Consult. 30 de Outubro 2018]. Disponível em http://www.lidadornoticias.pt/exclusivo-mertola-motards-feridos-graves-em-quedas-no-antigo-troco-ferroviario-de-m-s-domingos/

Auteur

Instituto de História Contemporânea, Investigadora Associada, vanessa.alexandra.atpereira@gmail.com

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search