Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

A diversidade de investigações sobre o património industrial: nas universidades, nas empresas e entre o público em  geral

No Ceará tem disso sim. Experiências de Educação patrimonial

Patrícia Xavier et Telma Bessa

Résumé

Este trabalho diz respeito ao estudo e divulgação de experiências de educação patrimonial realizadas por dois equipamentos de cultura localizados nas cidades de Fortaleza e Sobral. Tem como objetivo contribuir no registro de vivências que trazem em destaque a valorização e preservação do patrimônio industrial cearense. São vários olhares sobre o patrimônio cultural e industrial que representam uma oportunidade de reflexão sobre o tema, envolvendo a sociedade, sobretudo, escolas do ensino fundamental e a juventude. Trata-se do Museu da Indústria, em Fortaleza. O Museu da Indústria possui uma configuração contemporânea de espaço cultural, instalado em um prédio do século XIX e que foi sede de um dos primeiros clubes sociais da cidade, empresa de correios e a companhia de eletricidade. E trata-se do Instituto ECOA - Escola de Cultura, Comunicação, Ofícios e Artes, em Sobral. Ambos os espaços desenvolvem ações educativas voltadas para a cultura patrimonial com ações museológicas e culturais em geral.

Entrées d'index

Keywords :

memories, patrimony, industry

Palavras-chave :

memórias, patrimônio, indústria

Texte intégral

Algumas reflexões sobre educação patrimonial

1Educação e Patrimônio são dois conceitos amplos e cheios de significados. Buscamos neste artigo colocar em pauta a necessidade de se pensar a relação dos princípios de educação patrimonial, especialmente no que confere às discussões específicas do patrimônio industrial cearense. O surgimento da questão patrimonial, pós Revolução Francesa, assim como, a formação dos Estados-nação na Europa, desencadearam os processos modernos de preservação dos bens patrimoniais disseminados atualmente. Conforme aponta o historiador francês Pierre Nora, (NORA & AUN, KHOURY, 2012) a aceleração do tempo vivenciada pela sociedade atual gerou a sociedade da memória. É preciso preservar, contudo o que deve ser preservado e quem define o que será guardado e o que não? A máxima: “preservamos aquilo que conhecemos e reconhecemos” aproxima a educação das relações patrimoniais.

2Conforme nos alerta o museólogo Mário Chagas (2013), no Brasil, o surgimento das instituições museais é anterior a abertura das universidades, bem como, das instituições de preservação ao patrimônio cultural. É importante destacar que, pesquisadores e cientistas, sobretudo durante o século XIX, recorriam às instituições museológicas e seus acervos, para elaborarem seus estudos. “Estas referências, sabidamente ligeiras, são importantes para indicar que as noções e as práticas de preservação e o uso educacional do que viria a ser chamado de patrimônio cultural amanheceram cedo no campo dos museus.” (CHAGAS, 2013)

  • 1 Hoje Instituto Nacional do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - Iphan.
  • 2 Importante esclarecer que estamos abordando aqui a 1ª fase do Iphan, chamada pela pesquisadora Cecí (...)

3Com a criação do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Sphan1, em 1935, seu primeiro presidente, Rodrigo de Melo Franco de Andrade, reconhecia a importância de ações como cursos e publicações relacionadas ao tema. O objetivo principal dessas ações, segundo o gestor, era repassar informações aos moradores dos entornos dos bens tombados, para que, compreendendo a importância dos bens, eles pudessem preservá-los.2

4Na década de 70 do século XX, com a mudança na direção do Iphan, foi criada por Aloísio de Magalhães a Fundação Nacional Pró-Memória (FNpM). É nesse momento que a educação do patrimônio passa a ser entendida não apenas como uma informação a ser repassada ao público, mas sim, como algo a ser produzido em diálogo com a população diretamente interessada na preservação do seu patrimônio cultural. É importante salientarmos também que, nessa ocasião, o corpo técnico do Iphan e seus colaboradores passaram a incluir, nas suas reflexões o campo do patrimônio não tangível. Os modos de fazer, as festas, os ritos, as celebrações, e outras manifestações imateriais, passaram a ser consideradas nas ações de preservação do patrimônio.

5Ulpiano Bezerra de Meneses aponta que a educação patrimonial deve ser voltada não para o repasse de informações, mas sim para criar condições de aprendizagem e continuidade de compreensão destes conteúdos.

Em outras palavras, educar é promover a autonomia do ser consciente que podemos ser – capazes de proceder a escolhas, hierarquias alternativas, formular e nos guiar por valores e critérios éticos, definir conveniências múltiplas e seus efeitos, reconhecer erros e insuficiências, propor e repropor direções. É indispensável lembrar que, sem autonomia, não pode haver auto-estima. (MENESES, 2007, p. 50).

6Após essa breve consideração sobre educação patrimonial, iniciamos a apresentação das instituições pesquisadas neste trabalho. Tanto o Instituto ECOA, localizado na cidade de Sobral, como o Museu da Indústria, em Fortaleza, desenvolvem ações de educação patrimonial. Ambas dão ênfase a preservação e conservação do patrimônio industrial e as suas relações com a cidade, o trabalho, a ciência, dentre outros aspectos.

7Vale destacar ainda que a opção metodológica da investigação está diretamente ligada a uma prática cotidiana por meio de atividades culturais e formativa dentro dos espaços reportados assim como a utilização da história oral.

8A metodologia da história oral pode ser compreendida além de um método técnico de produção das narrativas. Vai se constituindo por suas peculiaridades, a sua abrangência, a sua contribuição na pesquisa e na construção do conhecimento histórico, que envolve os sujeitos históricos de forma direta. Para Lozano:

A história oral poderia distinguir-se como procedimento destinado à constituição de novas fontes para a pesquisa histórica, com base nos depoimentos orais colhidos sistematicamente em pesquisas específicas, sob métodos, problemas e pressupostos teóricos explícitos. Fazer História Oral significa, portanto produzir conhecimentos históricos, científicos, e não simplesmente fazer um relato ordenado da vida e da experiência dos ‘outros’. (AMADO; FERREIRA, 2016, p.17)

9Considerando esta perspectiva, vale destacar o que assinala (CALVO, 2010, p. 28):

As narrativas orais são produzidas não de modo voluntário/espontâneo, mas mediadas pelas perguntas, roteiros, problemáticas sempre carregadas pelos supostos teóricos, políticos que orientam a prática e o trabalho de pesquisa e da produção delas em fontes históricas. Dito de outra maneira, o entrevistador e o entrevistado constroem a partir de suas bagagens culturais, de seus posicionamentos teóricos e políticos, a narrativa oral enquanto fonte de investigação histórica.

10A história oral veio, sobretudo, evidenciar a visibilidade de vozes que não havia ressonâncias na história. Apesar de haver pesquisas com história oral utilizando depoimentos de figuras que sempre tiveram destaque nas fontes escritas, como por exemplo políticos e grandes empresários, a maior parte das pesquisas concentra-se nas pessoas das classes subalternas, o ribeirinho, o trabalhador do chão de fábrica, a dona de casa, o pedreiro, o agricultor, enfim, como bem resume Etienne François:

A história oral seria inovadora primeiramente por seus objetivos, pois dá atenção especial aos dominados”, aos silenciosos e aos excluídos da história (mulheres, proletários, marginais etc.), à história do cotidiano e da vida privada (numa ótica que é o oposto da tradição francesa da história da vida cotidiana), à história local e enraizada. Em segundo lugar, seria inovadora por suas abordagens, que dão preferência a uma “história vista de baixo” (Geschichte von unten, Geschichte von innen), atenta às maneiras de ver e de sentir, e que às estruturas “objetivas” e às determinações coletivas prefere as visões subjetivas e os percursos individuais, numa perspectiva decididamente ‘micro-histórica’ (FRANÇOIS, 2006, p. 4).

11Portanto, as histórias são frutos das vivências e expressão da oralidade e a história oral ocupa um amplo espaço de pesquisa que dá visibilidades às vozes que não são ouvidas exatamente por não serem escritas. Se o homem se constrói em sociedade, a sociedade se constrói através da comunicação, e a comunicação primeira, não se pode negar, é a fala, é o instrumento tecnológico que todos possuem e está sempre atual.

O Museu da Indústria e sua ação educativa

12O Museu da Indústria está localizado na rua Dr. João Moreira, nº 143, em um dos mais importantes corredores históricos e culturais da cidade de Fortaleza. É uma instituição ligada ao Serviço Social da Indústria (SESI/CE) e a Federação das Indústrias do Ceará (FIEC). Foi inaugurado no dia 11 de setembro de 2014. É um espaço cultural dedicado a preservação da história da indústria cearense através da promoção de diversas atividades culturais como exposições, encontros e eventos.

13Construído em 1871, tendo o intuito de sediar o Clube Cearense, o prédio foi inaugurado em fevereiro de 1872 com um grande e luxuoso baile de carnaval. Era o imóvel mais caro de Fortaleza no ano de sua construção, e suas instalações recebiam os habitantes mais ricos da cidade, que compareciam aos bailes, jogos de salão e outros eventos requintados.

  • 3 José do Patrocínio foi escritor, jornalista, farmacêutico e ativista político brasileiro. Atuou com (...)
  • 4 A província do Ceará foi a primeira no Brasil a abolir os escravos em 1884, quatro anos antes que o (...)

14Além do Clube Cearense, o edifício abrigou diversas instituições, dentre elas, o Grande Hotel do Norte. O proprietário do hotel, Silvestre Randall, abriu as portas do estabelecimento em 1882, e chegou a receber visitantes ilustres como José do Patrocínio3, que esteve em Fortaleza com o objetivo de participar das comemorações da abolição em Acarape, atual Redenção, primeiro município cearense4 a abolir a escravidão.

15Entre 1895 e 1934, o edifício abrigou a sede dos Correios e Telégrafos. No ano seguinte, em 1935 o imóvel foi comprado pela Ceará Tramway Light & Power Co. Ltda, companhia inglesa que atuava no transporte de passageiros por meio de bondes elétricos, bem como, no sistema de iluminação pública da cidade. É nesse momento que o prédio passa pelas maiores transformações na sua estrutura. A principal delas é a ampliação do imóvel com a construção da parte de trás do edifício, seguindo os mesmos padrões arquitetônicos do século XIX.

16Inicialmente, o prédio contava com 13 janelas laterais e, depois da ampliação, passou a ter 23 janelas (contando os pavimentos térreo e superior). Com a ampliação do imóvel, o poço que ficava na parte do quintal do edifício, foi tampado com restos de trilhos dos bondes e com uma laje de cerca de 60cm, permanecendo, assim, até os trabalhos de restauro. Atualmente pode ser visto por um piso de vidro no salão de exposição do museu. Outra modificação foi a instalação da escada de ferro no hall principal do edifício. A escada veio de navio do porto de Liverpool para Fortaleza, em 1935, sendo montada no local.

  • 5 A instrução normativa de tombamento é um documento técnico emitido pelo órgão responsável pela pres (...)

17O edifício que abriga o museu foi tombado como patrimônio do estado por legislação estadual em 1995, por meio do Decreto-Lei nº 23.829 de 29/08/1995, publicado no Diário Oficial de 31/08/1995. O tombamento foi realizado sem a elaboração de uma instrução normativa5. Em 2001 foram iniciados os trabalhos de restauro, que levaram em consideração o uso e ocupação como museus.

18A instituição, atualmente, possui uma configuração contemporânea de espaço cultural, promovendo atividades de produção, divulgação e recepção de conteúdos ligados à história da indústria e seu enfoque futuro. Dialoga com seus visitantes ressaltando a importância dos processos industriais no dia a dia das pessoas e suas relações com o trabalho, a inovação tecnológica, a sustentabilidade, o design, a moda, a arquitetura e a história.

19A ação educativa ocorre através da mediação na exposição de longa duração “História da Industrialização do Ceará”, e nas exposições temporárias. A exposição de longa duração é um convite para reflexão e conhecimento da história da industrialização cearense. O maquinário exposto é o mote para abordarmos os grandes ciclos econômicos do estado (couro e algodão), passando pelas transformações trazidas pelas inovações, dentre elas a invenção da imprensa, até as principais vocações industriais da atualidade.

20Além da visita à exposição, o público é convidado a conhecer o edifício. Os grandes salões do museu são explorados como um objeto museológico. Através das paredes do prédio é possível compreender o crescimento urbano de Fortaleza, bem como, o comportamento das elites no final do século XIX, além disso, é possível compreendermos as técnicas e materiais de construção utilizados nesse período.

21A ação educativa do Museu da Indústria contempla atividades relacionadas à pesquisa, educação e comunicação dos objetos, documentos e imagens presentes no espaço expositivo do museu, atendendo escolas públicas e privadas, alunos do SESI e SENAI e trabalhadores da indústria. O objetivo é potencializar os investimentos já realizados na edificação e na exposição de longa duração.

22O núcleo educativo do Museu da Indústria atua desde da inauguração do museu em setembro de 2014. É formado por coordenação pedagógica, supervisão e por 8 estagiários, que exercem a função de educadores. Os estagiários são das seguintes áreas do conhecimento: história, geografia, arquitetura, ciências sociais, artes visuais, economia e administração.

23O grupo mantém uma sessão de estudos que se reúne com frequência mensal. Os temas são diversos e contemplam aspectos da história e memória da industrialização do Ceará, bem como metodologia e teoria sobre educação em museus e assuntos correlatos. Esses encontros são momentos oportunos para reflexão da prática educativa, onde é possível avaliar a ação do núcleo, revendo as atividades e propondo melhorias. Além disso, o núcleo presta apoio no treinamento dos novos educadores.

24O trabalho educativo é norteado pelo conceito de mediação. Apoiados nos escritos do educador e psicólogo Lev Vygotsky, compreende-se que os processos de aprendizagem são mediados pelo conjunto de instrumentos e signos observados e experimentados ao longo da vida. Nesse sentido, o papel dos educadores do museu é mediar o conhecimento, tendo como pano de fundo o prédio e o acervo do Museu da Indústria.

25Recorremos a Florêncio et al. (2014, p. 22), para compreendermos o conceito de mediação, segundo o qual é “um processo de desenvolvimento e de aprendizagem humana, como incorporação da cultura, como domínio de modos culturais de agir e pensar, de se relacionar com outros e consigo mesmo.”

  • 6 O conceito de objeto gerador foi desenvolvido pelo historiador Régis Lopes apoiado na pedagogia de (...)

26Os visitantes ao entrarem no espaço cultural trazem consigo uma visão de museu, patrimônio cultural, história e indústria. É interessante, portanto que o educador parta dessas experiências e noções trazidas pelos visitantes. A ideia é que durante toda a visita seja estabelecido um diálogo entre educador e visitante, e que o conhecimento produzido a partir desse encontro seja uma via de mão dupla, ou seja, ele não existe sem a participação do usuário do museu. Por isso, é comum que a mediação comece com uma pergunta. A pergunta geradora, ou o objeto gerador, segundo o historiador Régis Lopes6, deve produzir no visitante uma curiosidade instigante, que deverá acompanhá-lo ao longo da visitação e até mesmo depois de sair do museu.

27O diálogo estabelecido com os grupos leva em conta também a idade e nível escolar dos participantes. Atualmente, o museu recebe alunos do ensino fundamental I e II, ensino médio regular e profissionalizante, cursos técnicos, universitários de várias graduações e trabalhadores da indústria.

28Cada grupo demanda atividades voltadas para o perfil intelectual dos visitantes. Por esse motivo desenvolvem-se atividades que estimulem a participação do visitante durante a mediação. A ideia é que esse momento não se torne um monólogo, em que só o educador fala, mas que o grupo tenha espaços onde possa contribuir e explicitar suas reflexões acerca da indústria, do trabalho, das invenções humanas, das mudanças ocorridas na cidade, dentre outros diversos aspectos.

29Uma dessas atividades é um jogo de cartas voltado para as crianças do fundamental I e II. Antes da visita os educadores apresentam aos alunos um grupo de cinco matérias-primas (caju, gado, carnaúba, algodão e cana-açúcar). O grupo é dividido em 5 grupos, com uma das matérias primas mencionadas acima, diversos cartões com os subprodutos fabricados através delas são embaralhados no chão. O objetivo é que cada grupo encontre os subprodutos que são fabricados a partir da matéria prima que seu grupo ficou responsável. Essa atividade geralmente é feita antes de iniciar a visitação e provoca um diálogo interessante que irá subsidiar toda a visita.

30Além dos jogos são realizadas as ações poéticas. O objetivo das ações é despertar a curiosidade e a sensibilidade dos visitantes para o que será visto no museu. A palavra “ação” remete algo prático. Portanto, as ações poéticas são atividades feitas pelos grupos que visitam o museu. Elas podem ser de naturezas diversas: desenho, poemas ou uma pequena encenação. Por exemplo, antes de visitarem o museu os alunos são levados ao jardim da instituição com o objetivo de experimentarem uma câmara escura, a partir de uma caixa preta simples. Com ajuda desse objeto os estudantes são capazes de compreenderem o mecanismo da fotografia, do cinema e outros inventos que tem como princípio a captura de imagens.

31Por fim, o museu também oferece aos grupos interessados uma peça de teatro que conta a história do desenvolvimento econômico no Ceará. A ideia de montar o espetáculo partiu da experiência de mediação na exposição de longa duração “História da Industrialização do Ceará”.

32As mediações evidenciaram que os visitantes tinham uma certa dificuldade em compreender quem eram as pessoas que estavam por trás das máquinas expostas. Nesse sentido, o teatro humaniza esse processo, trazendo ao público os personagens que fizeram parte dessa história. Contudo, os personagens não são nominados, não são personalidades conhecidas, mas sim, um marido e uma mulher que chegam ao Ceará no período colonial, um filho e uma mãe que estão decidindo o que fazer depois da morte do pai da família durante o império, uma filha e um pai que discutem sobre a vontade da filha de ser cantora nos anos 60 do século XX e por fim, um casal de jovens que se conhecem durante um voo entre a Alemanha e o Ceará, e que falam sobre suas novíssimas profissões e a relação delas com as inovações mais recentes.

33Desta maneira ambos os equipamentos desenvolvem atividades referentes à valorização do patrimônio industrial cearense. Podemos indagar o que seria patrimônio industrial. O termo patrimônio industrial é sugestivo, e inevitavelmente, aborda questões como memórias, histórias e seus desdobramentos temáticos. Logo percebemos que esse assunto tem a ver com o mundo do trabalho, com fábricas, empresas, trabalhadores e patrões. Inclui o próprio espaço industrial com as suas máquinas de produção em funcionamento ou o espaço fabril e sua estrutura em ruínas. Inclui também o saber-fazer dos trabalhadores e suas funções no chão da fábrica. Vale considerar ainda os modos de vida dos que habitam os arredores da fábrica e são marcados pelos ritmos e organização do trabalho fabril.

34Há uma pluralidade de estudiosos que tratam deste tema e autores como Meneguello (2011) e Kuhl (2010) afirmam esta temática como campo de pesquisa ou ainda que é necessário aprofundar o debate a respeito de métodos e estudos sobre o processo de industrialização. Além disso, vale considerar a definição da Carta de Nizhny Tagil, onde se afirma:

O património industrial compreende os vestígios da cultura industrial que possuem valor histórico, tecnológico, social, arquitectónico ou científico. Estes vestígios englobam edifícios e maquinaria, oficinas, fábricas, minas e locais de processamento e de refinação, entrepostos e armazéns, centros de produção, transmissão e utilização de energia, meios de transporte e todas as suas estruturas e infra-estruturas, assim como os locais onde se desenvolveram actividades sociais relacionadas com a indústria, tais como habitações, locais de culto ou de educação.>> (Carta de Nizhny Tagil sobre o patrimônio industrial the international committee for the conservation of the industrial heritage (ticcih) julho 2003. fonte: https://ticcihbrasil.com.br/​cartas/​carta-de-nizhny-tagil-sobre-o-patrimonio-industrial/​

35O debate é intenso e no Brasil há muito a caminhar. Como assinala Kuhl (2010), há o aumento de seminários, congressos sobre patrimônio industrial, mas há ausência de análises aprofundadas sobre conceitos e metodologias, ainda temos muito a caminhar no sentido de um amadurecimento ou uma consciência do nosso patrimônio industrial. Importa debater sobre uma visão crítica do processo de industrialização brasileira. Ela afirma, ainda, como poderia ser esta discussão no Brasil:

É necessário que questões de método sejam retomadas, para permitir essa articulação e para estabelecer linhas temáticas que permitam indagações que aprofundem tanto aspectos específicos da questão (arquitetura ferroviária, por exemplo), quanto análises mais abrangentes, que aprofundem a compreensão do processo de industrialização. (KUHL 2010 p. 23).

A cidade de Sobral e o Instituto ECOA

36O espaço urbano de Sobral foi totalmente modificado ao longo do tempo. Em 1999 o seu centro histórico foi tombado pelo Iphan. Desta forma a cidade foi alvo de uma série de intervenções dentre as quais é destaque o projeto de urbanização no espaço onde está localizado o ECOA, outrora usina de beneficiamento dos Araújo. Este espaço foi se configurando como um pólo cultural com um museu, uma biblioteca e uma escola de artes. A intervenção no prédio que hoje funciona o ECOA participou do projeto de requalificação junto com a Biblioteca, o Museu Madí e a urbanização, a margem do rio Acaraú.

37Toda esta iniciativa conduzida pela prefeitura de Sobral, com arquitetos, historiadores e técnicos, nos remete às discussões acerca do reaproveitamento do patrimônio industrial. Este edifício antes fábrica, se tornou desativado e obsoleto, e simboliza um marco no desenvolvimento econômico da cidade sendo testemunho importante do processo de industrialização. Nesta linha de reflexão vale lembrar que no Brasil, o projeto de Lina Bo Bardi para o SESC Pompéia em São Paulo, é o grande expoente destas iniciativas.

38Para se preservar é necessário recuperar. Essa recuperação, o processo, como já citado, de adaptação do espaço já existente consistiu na transformação daquele espaço fabril em um espaço social voltado para atender a demanda de cultura da população sobralense. Pode-se entender as estruturas físicas da antiga usina como sendo pertencentes a um patrimônio histórico, e a sua reinserção na vida social da cidade, tudo aquilo que se pretenda preservar deve assumir um valor social que decorre da sua reutilização e do seu valor de memória.

39Segundo Pinto (2009), que desenvolveu uma dissertação sobre as Intervenções arquitetônicas contemporâneas no sítio histórico de Sobral, o prédio que antes era a Usina dos Araújo, hoje funciona o Instituto ECOA. Houve uma adaptação do ponto de vista da implantação, pois a edificação de partida não foi objeto de alterações e foi mantida a disposição original. A grande alteração ocorreu mesmo no interior dos antigos galpões. Assinala o autor:

O projeto é do escritório Nelson, Campelo e Aída Arquitetos Associados, com coautoria do arquiteto Domingos Linheiro e trata-se de uma modificação do tipo adaptação uma vez que, ao contrário do que ocorreu no caso da biblioteca, a edificação pré-existente não foi demolida, tendo sido alvo apenas de algumas intervenções para adequar-se ao novo programa. Este incluía um teatro-escola com 280 lugares; salas de aula teórica; salas de ensaio para dança e teatro; sala/oficina de escultura; sala/oficina de pintura; sala/oficina de figurino; sala/oficina de adereços e cenários; sala de vídeo e fotografia; restaurante-escola e espaços de convivência. (PINTO, 2009, p. 91).

40O arquiteto continua com sua análise sobre este espaço:

O prédio caracteriza-se, grosso modo, por três grupos de galpões unidos por uma área livre em “T”, a qual se acessava pela entrada lateral... Os amplos espaços dos galpões com generoso pé-direito foram aproveitados para abrigar as novas funções. Quando necessário, como no caso do teatro e do restaurante, o pé-direito foi mantido, mas na maioria dos galpões o espaço interno foi dividido, criando-se um pavimento intermediário, articulado verticalmente a partir do térreo por escadas e por uma rampa para acesso de portadores de deficiência e no plano horizontal por passarelas de concreto, criando circulações que unem as salas do primeiro pavimento. Outra modificação relevante foi a criação de aberturas nas paredes, antes cegas, e a derrubada dos altos muros que envolviam todo o complexo, fechando-o para o rio. Característica da edificação de partida era a presença de generosos beirais suportados por mãos-francesas. Uma parte deles foi eliminada; em outro setor eles foram substituídos por circulações de concreto e, numa outra parte, eles foram ampliados e as mãos-francesas receberam um novo desenho. No pátio central da antiga fábrica, foram criados um espelho d’água e uma fonte. (PINTO, 2009, p. 92).

41Enfim, para concluir sua investigação, afirma que a abordagem modificadora adotada (foi contextual uma vez que, no lugar de propor a demolição do existente para a inserção de uma nova edificação com uma nova linguagem, optou-se por se apropriar do mesmo realizando as adequações necessárias para os novos usos e novas funções (PINTO, 2009, p. 97).

42O espaço do Instituto ECOA outrora foi a Usina dos Irmãos Araújos. Uma das narrativas sobre este momento de funcionamento da Usina que vale destaque é a do Senhor Walter Araújo. Ao contar como corria o trabalho dentro da fábrica, o senhor José Walter Araújo fala de suas lembranças sobre o processo do beneficiamento de algodão e como a Usina funcionava. Ele faz a seguinte narração:

  • 7 Araújo Filho, José Walter de. Entrevista concedida a Matheus Pedrosa Lima, 20 maio 2019. (LIMA, 201 (...)

Aquilo era o seguinte, eram três ou quatro salas grandes, eram duas máquinas muito grandes, onde se colocava o algodão bruto dentro e a máquina ia fazendo a separação, e passava nuns tubos, numa canalização de uma sala para outra e aquilo fazia um barulho, na segunda pra terceira sala. Na última sala já saia o fardo ensacado de lã, fardo pesando quinhentos quilos, ele já saia de uma prensa todo ensacado numa estopa e com uns arames já pronto para ser colocado nos caminhões para ser despachados, geralmente para Fortaleza7.

43É necessário entender as narrativas dos antigos trabalhadores em suas experiências, não apenas no aspecto de quem construiu o espaço, mas principalmente de quem dotou o lugar de percepções e de significados. Saber como essas histórias se conectam com outras para dar significados não apenas endógenos, mas também a um sentimento identitário que nos conecta com o outro é o desafio. É preciso considerar que a arquitetura adquire atributos sociais e culturais ao longo do tempo, e os processos constituídos em sua usabilidade devem ser considerados nos momentos anteriores a intervenção como restauros.

44Essas dimensões históricas, sociais e culturais constituem as memorias coletivas do lugar de produção. O que era então produzido pelas máquinas da Usina tinha destino certo: a capital Fortaleza. Lá, também já havia compradores certos que mantinham relações comerciais não só com os Irmãos Araújos, mas também com as demais usinas de beneficiamentos existentes em Sobral. Sobre esse assunto, o senhor José Walter Araújo traz presente suas memórias para nos contar o processo:

  • 8 Entrevista realizada na pesquisa “O Patrimônio Industrial é de todos: Sobral cidade fabril de PIBIC (...)

Os nomes das fábricas que compravam em Fortaleza até hoje eu me lembro, que eu me lembro muito o papai dizer ‘essa carrada vai pra o Cotonifício Leite Barbosa. Essa carrada vai para Chico Filomeno’, era uma empresa grande que tinha em fortaleza. Então, eles compravam o algodão e lá eles faziam os tecidos ou então enviavam para Recife onde tinha aquela fábrica de tecido Torres, que comprava muito, mas comprava do pessoal de Fortaleza, quer dizer, Sobral mandava para Fortaleza e Fortaleza mandava para Recife, sempre nesse esquema. E na época era conhecido, os caminhões carregavam o dia todo e saía para levar para Fortaleza no finalzinho da tarde e passava a noite toda viajando. Naquele tempo a estrada não era asfaltada era carroçal e viajavam de noite para não esquentar os pneus e amanheciam de manhazinha cedo na porta das fábricas em Fortaleza para fazer as entregas. Era tudo muito bem, assim, organizado como se diz8.

45Pelos nomes citados por José Walter, podemos identificar duas das maiores empresas de tecidos que existiram em Fortaleza: o Cotonifício Leite Barbosa e a Fábrica de Tecidos São José, esta última pertencente a Pedro Philomeno Ferreira Gomes, que na época das relações com a Usina dos Irmãos Araújos estava sob a direção de seu filho Francisco Philomeno Gomes, a quem o pai de José Walter se refere quando fala em “Chico Filomeno”.

46O Cotonifício Leite Barbosa S. A., surge em 26/07/1945 com um capital social avaliado em cinco milhões de cruzeiros. Pertenciam a esse Cotonifício as fábricas Santa Cecília, Santa Tereza e Santa Lúcia, todas elas trabalhando com a produção de brins, mesclas, riscados e algodõezinhos.

  • 9 Cf. Narrativa do economista Carlos Negreiro VIANA no documentário de Telma Bessa Sales “A Vida entr (...)

47Esse Cotonifício, bem como as demais empresas que trabalhavam com o algodão, fosse em Fortaleza ou em Sobral, viveram seus “anos dourados” na década de 1940, com a maior alta de produção e algodão e maior procura no mercado nacional e internacional, época em que o Ceará passou a exportar para países da América Latina e África.9

48Importa conhecer essas histórias dentro do que é hoje a instituição ECOA que tem como finalidade:

A execução de políticas, programas e projetos que promovam, incentivem e desenvolvam a formação, a criação, a produção, a pesquisa, a difusão e a memória das Artes Visuais, do Audiovisual, da Radiodifusão, do Circo, da Dança, da Literatura, da Música, do Teatro e de outras manifestações culturais, como também a salvaguarda da memória e do patrimônio material e imaterial.10

49Esta instituição é mais um exemplo de preservação e ressignificação de espaços fabris para o desenvolvimento de novas funcionalidades, e seu antigo prédio, funciona mantendo algumas características arquitetônicas e na valorização da própria história. Tem por objeto apoio à pesquisa, inovação, criação, produção, difusão, formação, capacitação, consumo e registro dos bens culturais, vinculado à Secretaria de Cultura de Sobral.

  • 11 Entrevista realizada por Telma Bessa no Instituto ECOA. 2014. As atividades aqui citadas são da ges (...)

50O Instituto ECOA a partir dos anos dois mil vem alterando suas características. Segundo o arquiteto Campelo Costa, quando a Prefeitura assumiu este espaço, já não havia nenhum vestígio ou resquícios da época em que fôra uma fábrica de beneficiamento de algodão: “Quando nós entramos, já não havia nenhum resquício, nenhuma lembrança da época de beneficiamento, pois o espaço de galpões foi utilizado como depósitos”.11 Na verdade, a família proprietária que vendeu o espaço mantinha escritórios e não informava, ou preservava nada dos vestígios anteriores. O desafio então permanece de perscrutar, escarafunchar e investigar os rastros e restos do que hoje é o ECOA.

51Este Instituto teve adesão da população que participa das iniciativas neste espaço. Criado em junho de 2010 o Instituto ECOA promoveu ao longo de seis anos de história: Mais de 134 Práticas Educativas (Cursos e Oficinas), 35 Exposições artísticas com visitas guiadas e ações educativas, 37 Espetáculos de Teatro e Dança, 03 Festivais de Cinema, 32 Shows Musicais, Publicou através do selo “Edições ECOA” 14 livros sobre a história de Sobral e colocou a partir de 2016, no ar, 24h por dia a “Rádio ECOA”. Atingiu diretamente, com seus avanços em seis anos, mais de 90.000 usuários diretos.

52Há vários projetos como: Programa Vidas em Ascensão: Mais de 30 cursos de formação profissional nas áreas da cultura de pequena, média e longa duração (60h/a a 800h/a), em parceria com o Governo Municipal, parceiros locais e Patrocínio da Petrobrás. Ano: 2014 – 2016; Programa ECOAR: Programa de formação de plateias para a Indústria Criativa. Compreende mostras culturais e cursos livres na perspectiva de qualificar a oferta de bens e serviços e fomentar novas plateias para as manifestações artístico culturais. Integraram o Ecoar: Ecoa Instrumental, Porto do Som Brasil, Sobral ECOA Rock, Solistas, ECOS Visuais – Mostra de artes plásticas, Mostra de Cinema, O Teatro Rumo a Escola a Escola Rumo ao Teatro, Terças no Teatro, Quinta com dança, Escola de Dança de Sobral, Encontros Criativos “A Poética da Cidade, Edição Histórias de Sobral e Ensinarte. Parceria: Casa Civil e Prefeitura Municipal de Sobral. Ano: 2014/2015; Sobral Cidade das Artes – Uma iniciativa conjunta da ECOA Sobral, Prefeitura Municipal/Secult Sobral, Instituto Dragão do Mar e Governo do Estado do Ceará/SecultCE, em prol da descentralização das políticas públicas de cultura. Compreendeu mostras culturais e cursos livres na perspectiva de qualificar a oferta de bens e serviços e fomentar novas plateias para as manifestações artístico culturais; Cursos sobre Educação Patrimonial - seminários e aulas.

Considerações Finais

53Como se pôde observar a ideia de patrimônio cultural assume uma visão inclusiva que dá amplitude a análise do patrimônio edificado. Quer ampliar ou dialogar com a ideia de patrimônio vista somente no aspecto do ‘cal e gesso’. Busca compreender esses bens culturais de natureza industrial, ruínas, vestígios de espaços fabris dentro de novas formas de conhecimento e de pesquisa que nos aproxima da necessidade de também pensar esses espaços como pontos de referência em “memória do trabalho” ou “memória dos espaços de produção”.

54Além de colocar o tema em pauta é evidente a preocupação de como podemos deixar um legado para as gerações futuras, um aparato científico em que elas possam basear seus estudos sobre a área do patrimônio industrial em especial, em Fortaleza e Sobral. Entendemos ser necessário ter cada ver mais estudos referentes a temática para que a história dos nossos patrimônios seja sempre atual e presente em nossas vidas cotidianas, considerando inclusive a discussão atualizada sobre como, de quais formas, o patrimônio cultural pode ser apropriado e ser ressignificado a partir de novos usos atribuídos no processo de conservação e restauração.

Bibliographie

AMADO, Janaina; FERREIRA, Marieta de Moraes (2006) - Usos & abusos da história oral. 8. ed., Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

CALVO, C. R. (2010) - Narrativas Orais, fontes para investigação histórica: culturas, memória e territórios da cidade. Revista História & Perspectivas, v. 23, n. 42, 14 jul.

CARTA DE NIZHNY TAGIL SOBRE O PATRIMÔNIO INDUSTRIAL
The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage (TICCIH), Julho 2003.

CHAGAS, Mário (2013) - Educação, museu e patrimônio: tensão, devoração e adjetivação. In: TOLENTINO, Átila B. (Org.). Educação Patrimonial: educação, memórias e identidades. (Caderno Temático), n. 3, João Pessoa: Superintendência do Iphan na Paraíba, pp. 27-31.

FLORENCIO, Sonia Rampim; CLEROT, Pedro; BEZERRA, Juliana; RAMASSOTE, Rodrigo (2014) - Educação Patrimonial: histórico, conceitos. Brasília, DF: Iphan/DAF/Cogedip/Ceduc, 63p.

FONSECA, Maria Cecília Londres (2009) - O patrimônio em processo – trajetória da política federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009.

­KÜHL, Beatriz Mugayar (2014) - Algumas questões relativas ao Patrimônio Industrial e à sua preservação. Revista Eletrônica Patrimônio. Portal do IPHAN. Acesso em: 14 maio 2014.

­KÜHL, Beatriz Mugayar (2010) - Revista eletrônica de Arquitetura e Urbanismo, 2010, n.3, Disponível em: www.usjt.br/arq.urb.

LIMA, Matheus Pedrosa (2019) - Patrimônio industrial de Sobral: a usina dos irmãos araújo (1952-2002). Monografia (Curso de História). Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA.

LOPES, Francisco Regis (2001) - Museu, ensino de história e sociedade de consumo. In: Revista de História UFC. Fortaleza, v. 1, n. 1.

MENEGUELLO, Cristina (2011) - Patrimônio industrial como tema de pesquisa. Anais do I Seminário Internacional História do Tempo Presente. Florianópolis: ANPUH, v.1.

MENESES. Ulpiano Bezerra de (2007) - Premissas para a formulação de políticas públicas em Arqueologia. In: Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. nº 33. Patrimônio Arqueológico: o desafio da preservação.

Nora, P., & Aun Khoury, T. (2012). Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, 10.

PINTO, José Jober de Souza (2009) - Os novos palácios da velha Princesa. Intervenções arquitetônicas contemporâneas no sítio histórico de Sobral. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - UFRN.

Notes

1 Hoje Instituto Nacional do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - Iphan.

2 Importante esclarecer que estamos abordando aqui a 1ª fase do Iphan, chamada pela pesquisadora Cecília Fonseca Londres de fase heroica da instituição. Nesse período foi privilegiada a preservação dos monumentos de “pedra e cal”, ou seja, o patrimônio monumental edificado. (FONSECA, 2009).

3 José do Patrocínio foi escritor, jornalista, farmacêutico e ativista político brasileiro. Atuou como líder do movimento abolicionista sendo uma das mais importantes personalidades do período.

4 A província do Ceará foi a primeira no Brasil a abolir os escravos em 1884, quatro anos antes que o restante do país.

5 A instrução normativa de tombamento é um documento técnico emitido pelo órgão responsável pela preservação do patrimônio cultural, seja em âmbito federal, estadual ou municipal. No documento são detalhados, histórico do bem, estado de conservação, estrutura do edifício, dentre outros pormenores.

6 O conceito de objeto gerador foi desenvolvido pelo historiador Régis Lopes apoiado na pedagogia de Paulo Freire. A partir das ideias do pedagogo, Lopes (2001) ressignificou a ideia de educação do espaço museal.

7 Araújo Filho, José Walter de. Entrevista concedida a Matheus Pedrosa Lima, 20 maio 2019. (LIMA, 2019) 

8 Entrevista realizada na pesquisa “O Patrimônio Industrial é de todos: Sobral cidade fabril de PIBIC Uva Sobral”, desenvolvida por Telma Bessa e Matheus Pedrosa (2018).

9 Cf. Narrativa do economista Carlos Negreiro VIANA no documentário de Telma Bessa Sales “A Vida entre tecidos fios e nós”. Disponível em: https://vimeo.com/81130179.

10 Endereço de acesso ao site da ECOA: http://ecoasobral.org/. Acesso em: 19 set. 2018.

11 Entrevista realizada por Telma Bessa no Instituto ECOA. 2014. As atividades aqui citadas são da gestão de 2013 a 2017.

Auteurs

Coordenadora do núcleo educativo do Museu da Indústria, patriciapexavier@gmail.com

UVA e do Mestrado Acadêmico de Geografia (MAG), telmabessa@hotmail.com

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search