Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

A diversidade de investigações sobre o património industrial: nas universidades, nas empresas e entre o público em  geral

Museu do Leite: uma proposta para o seu Programa Museológico

José Filipe Pereira Neves da Silva

Résumé

A presente investigação teve como objetivo central a elaboração de um Programa Museológico para o Museu do Leite, uma valência de tipologia industrial, tutelada pela Agros, U.C.R.L., que se tivesse tido prosseguimento, poderia ter-se constituído como um referencial identitário para todos aqueles qua aí laboraram e para a região de Entre Douro e Minho e Trás-os-Montes, bem como facultar ao âmbito em análise novos e enriquecedores contributos.
Neste texto, escalpelizaremos as considerações subjacentes ao seu enquadramento e proposta de conceção, suportada na Lei n.º 47/2004, tomando como referentes os conceitos subjacentes às boas práticas de reconversão museológica no que se refere ao Património Industrial, mas adaptando-os às características desse futuro equipamento cultural, especificamente direcionado para a atividade agrícola/leiteira.

Texte intégral

Introdução

  • 1 Ao longo dos anos, esta Organização tem procurado prover uma efetiva proteção e realce deste segmen (...)

1Em Portugal, o desenvolvimento da Arqueologia Industrial remonta ao final da década de 1970. Todavia, somente nas duas décadas subsequentes é que ela se consolidou, consubstanciando-se esse dinamismo com a constituição da Associação Portuguesa de Arqueologia Industrial1, da Associação Portuguesa de Empresas com Museus, e da Associação Portuguesa para o Património Industrial. A concretização de exposições e colóquios subordinados a esta temática, deram identicamente o seu contributo para essa afirmação.

  • 2 «Estes novos museus estão associados às mais valias da “marca Indústria” enquanto score estratégico (...)
  • 3 Excetuando o de Beja.
  • 4 Existem estudos sobre estes museus industriais, através dos quais é possível saber-se o ano da sua (...)

2O processo de desindustrialização ocorrido, sobretudo a partir da década de 1980, potenciou a necessidade de se pensar em reconverter essas estruturas disfuncionais para outros fins, dando origem a novos espaços de índole cultural e museológica2. Estava dado o mote para o surgimento, em todos os distritos de Portugal continental3, principalmente nos de Aveiro, Lisboa e Porto, e de uma forma muito residual nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira, de novos museus consignados a esta categoria patrimonial, tutelados por empresas, associações ou autarquias. A primeira dessas iniciativas ocorreu na década de 1980, mas o seu efetivo incremento só ocorreu na década seguinte e nos primeiros anos do século XXI4.

  • 5 Cf. Custódio, 2017.

3Conquanto, durante muito tempo, esta proatividade deveu-se mais à atuação da sociedade civil – dos técnicos que nela se especializaram nesta área e de associações sem fins lucrativos –, do que do poder público central, que não dispôs de políticas culturais conducentes a beneficiar este novo património5.

  • 6 The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage.
  • 7 As quatro edições do Congresso Internacional sobre Património Industrial e as I Jornadas de Jovens (...)

4A participação de investigadores portugueses nas reuniões do TICCHI6, possibilitou-lhes o contacto com outras realidades, aferir o que de mais importante se estava a fazer noutros países neste domínio, e exportar essas “boas práticas” para território luso. A realização de congressos correlacionados ao tema em análise, sempre com o respaldo de universidades nacionais, o que demonstra o seu interesse por esta esfera investigacional, também contribuiu para esse reconhecimento7.

Museu do Leite: uma proposta para o seu programa museológico8

  • 8 Síntese da dissertação de mestrado onde esta proposta é desenvolvida (cf. Silva, 2011).
  • 9 Incluído na categoria indústria extrativa e transformadora/unidades de transformação industrial (cf(...)
  • 10 Entre outras particularidades, estes lugares possuem «uma vocação, muito própria, para a preservaçã (...)
  • 11 Este Homem, figura ímpar do movimento cooperativo agrícola nacional, foi o presidente da direção da (...)
  • 12 Está localizado na freguesia de Argivai, concelho da Póvoa de Varzim e caracteriza-se por uma ambiê (...)

5A ideia para a criação do Museu do Leite, inserido na tipologia industrial9 e de iniciativa empresarial10, partiu do Senhor Comendador Fernando da Silva Mendonça11, que considerava de transcendental importância a constituição de uma infraestrutura capaz de perpetuar a memória das mais de seis décadas de existência desta Empresa a da marca a ela associada. Todavia, com a sua morte esta aspiração esvaneceu-se, apesar de à época, conjuntamente com este programa museológico, se terem concebido as plantas das diferentes divisões deste equipamento cultural, a implementar no Espaço Agros12. Porém, futuramente, o idealizado pode ser “exportado” e replicado noutras realidades afins, atendendo, obviamente, às suas idiossincrasias.

  • 13 Museu Agrícola de Entre Douro e Minho (quando o visitámos já estava encerrado e em acentuado estado (...)
  • 14 Cf. Vitarium: https://www.vitarium.lu/

6A astenia de outros referentes foi um entrave à nossa investigação, pelo que a comparação foi feita, sobretudo, com museus agrícolas e industriais, em alguns casos, tutelado por empresas13. O Vitarium LuxLait, sedeado no Luxemburgo, aberto em 2010, foi o protótipo deste desígnio, em razão da excelência desse projeto e pela aproximação ao por nós delineado para o Museu do Leite14.

7O Programa Museológico elaborado, foi o documento orientador do que se preconizava fazer e que validaria as futuras decisões a tomar. A sua conceção baseou-se nos artigos expostos na Lei n.º 47/2004, no que se refere à proposta de conceito de museu aí enunciado, às principais funções museológicas, e às outras disposições plasmadas neste diploma legal.

  • 15 A investigação é essencial para o estudo e conservação do acervo, para a elaboração de guiões e tex (...)
  • 16 Em razão do seu estado de conservação e do seu valor intrínseco, alguns deles seriam apresentados e (...)

8O Museu do Leite estaria apetrechado com uma Biblioteca/Centro de Documentação15 com bibliografia especializada sobre temática agrícola/leiteira, as suas coleções, e outros documentos (fontes primárias e secundárias)16, que relatam a História da Agros, U.C.R.L. desde o ato da sua fundação, em 1949, até à atualidade.

9Cooptada a essa sala existiria uma área munida com equipamento para reprodução de filmes institucionais, produzidos nas décadas de 1980 e de 1990, de testemunhos orais proferidos por alguns dos seus antigos colaboradores, e para projeção de imagens relativas à vida desta Organização.

10Era nossa intenção, e com uma cadência anual regular, promover no auditório do Museu do Leite, com capacidade para oitenta lugares, ações formativas, cursos, workshops, seminários e congressos, especialmente subordinados à temática cultural e museológica. Mas se outras entidades solicitassem a sua utilização, desde que esse evento se enquadrasse com a “política de uso” deste local, essa autorização seria concedida.

  • 17 Que podem ser originais ou derivados (cf. Branco, 2005). No caso do nosso objeto de estudo, os prim (...)
  • 18 Qualquer que seja o estabelecimento museológico, deverá sempre existir uma política de aquisição co (...)
  • 19 Muito deste equipamento industrial e laboratorial estava disperso pelas antigas unidades fabris da (...)
  • 20 Foi produzido um documento para esse efeito, denominado “Formulário para Doação” (cf. Silva, 2011, (...)

11No transcurso da nossa investigação conseguimos reunir um considerável número de artefactos17, seguindo sempre a metodologia preceituada para este tipo de situações18. A sua grande maioria era pertença desta Empresa, tendo participado nos seus processos de laboração, transformação19, comercialização e de marketing/comunicação; outra parte foi doada20 por produtores de leite (bilhas de ferro) e por antigos e atuais colaboradores (fardas de trabalho e material de escritório); e outra adquirida através de leilões “online”, por via dos quais foram comprados alguns calendários concebidos há mais de vinte anos (material promocional).

Figura 1- Ficha de Colaborador

Figura 1- Ficha de Colaborador

© Agros, U.C. R.L.

Figura 2 - Bilha de ferro para transporte de leite (20 litros)

Figura 2 - Bilha de ferro para transporte de leite (20 litros)

© Agros, U.C. R.L.

Figura 3 - Batedeira de nata para fabrico de manteiga (década de 1960)

Figura 3 - Batedeira de nata para fabrico de manteiga (década de 1960)

© Agros, U.C. R.L.

Figura 4. Embalagem de leite UHT (década de 1980)

Figura 4. Embalagem de leite UHT (década de 1980)

© Agros, U.C. R.L.

  • 21 «cessar a aquisição presume que o museu aceita a responsabilidade de ver desaparecer definitivament (...)
  • 22 Tutelado pelo Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, mas inativo desde h (...)
  • 23 Foi produzido um documento para esse efeito, denominado “Formulário para Depósito” (cf. Silva, 2011 (...)

12Outrossim, havia a consciência de que esta ação deveria ser um processo contínuo21, mas era necessário saber destrinçar, através de uma criteriosa investigação, quais os objetos que possuíam um reconhecido valor intrínseco para fazerem parte desta coleção, e aqueles que, apesar da sua comprovada significação, ficariam de fora dessa escolha. Dentro desta perspetiva de atuação preconizava-se a celebração de parcerias com outros museus, sobretudo, com o Museu Agrícola de Entre Douro e Minho22, podendo alguns dos seus “pertences” ficar “em depósito” no Museu do Leite, que obviamente concederia contrapartidas à instituição doadora23.

  • 24 Número de Inventário; Nome da Instituição; Denominação ou Título; Autoria; Datação; Material, Meio (...)
  • 25 O trabalho de pré-inventariação desenvolvido foi levado a cabo conjuntamente com o Senhor Óscar Bra (...)
  • 26 Super Categoria, Categoria e Subcategoria (uma primeira divisão tipológica passível de permitir uma (...)

13No que respeita à Inventariação, o Museu do Leite seguiria o preceituado na Lei n.º 47/200424. Com este procedimento executar-se-ia, através de um processamento informatizado, um relato pormenorizado de cada uma das peças, a fim possibilitar uma melhor gestão desse repositório25. Todavia, outros parâmetros constariam nesse documento para melhor proficiência dessa descrição26.

  • 27 Na museologia, esta etapa «é entendida como o sistema de recuperação de informação capaz de transfo (...)

14A tarefa de identificar um objeto não se esgota aquando da sua entrada no museu e posterior descrição. A Documentação27 é a tarefa que está a jusante da Inventariação e que dá prossecução a essa primeira “descrição identitária”. Só agindo desta forma, e tendo sempre em mente que o estudo do acervo é um processo contínuo e inacabado, o museu poderá adquirir novas competências potenciadoras de o catalogar como um local de pesquisa, educação e investigação.

15Em razão de durante muitos anos ter estado votado ao ostracismo, a maioria do espólio seria submetido a um exigente processo de restauro. Já em contexto expositivo, dever-se-ia ter em atenção alguns fatores que poderiam comprometer o seu bom estado – luz artificial, luz natural, humidade relativa, poluição, agentes parasitários, manuseamento, armazenamento e transporte –materializando-se essa atitude na elaboração das “Normas e Procedimentos de Conservação Preventiva”.

  • 28 Do qual faria parte um Plano de Evacuação, indicando os percursos a utilizar em caso de necessidade (...)

16Aquando da edificação do Museu do Leite, dar-se-ia atenção a aspectos inerentes à disposição dos espaços, zonas de circulação e acesso, tal como outros compartimentos menos utilizados, disponibilizando os recursos necessários a fim de garantir a total proteção e integridade de todos os bens à sua guarda, dos colaboradores, visitantes e do edifício. A aplicação destas medidas contribuiria certamente para a eficácia do seu Plano de Segurança. A elaboração de um Plano Geral de Emergência28 seria outra prioridade no que respeita a este item, mas só se efetivaria depois de se saber quais as áreas e recursos materiais/humanos a ele alocados. Identicamente, o circuito de vídeo asseguraria monitorização de todas as dependências desta infraestrutura cultural.

17A coleção constituir-se-ia por equipamentos industriais, laboratoriais, utensílios de laboração, material promocional, lápides evocativas/comemorativas, objetos utilizados na atividade agrícola /leiteira, e por um testemunho imóvel – a Casa Agrícola – cujo conteúdo adviria de outras proveniências.

  • 29 A sua duração dependeria de um conjunto de fatores correlativos ao seu planeamento, essencialmente, (...)
  • 30 Cf. Caulton, 1998; Silva, 2007.

18Neste sentido, a equipa de profissionais do Museu do Leite, em razão do longo tempo de exibição da sua exposição permanente29, teria de fazer uma correta escolha do acervo a expor, e que fosse o mais apelativo possível para que os seus públicos pudessem estimular a aplicação dos conceitos aprender/fazendo (hands-on), fazer/pensando (minds-on) e pensar envolvendo-se (hearts-on)30.

19As salas de exposição permanente propostas, dispostas de um modo sequencial e ordenado, seriam as seguintes:

  • História do leite e benefícios do seu consumo: utilizar-se-iam frisos cronológicos e mapas para demonstrar algumas etapas importantes de todo esse processo; pequenos textos facultariam informações acerca das inúmeras vantagens associadas à ingestão deste produto e derivados.

  • História da Agros, U.C.R.L.: análise de dados estatísticos com recurso a ferramentas interativas; mapa multimédia para localização das Cooperativas Agrícolas agrupadas da Agros, U.C.R.L.; exibição fotográfica em formato digital de pessoas e momentos marcantes da “vida” desta Empresa.

    • 31 Contraposição entre as tecnologias tradicional e moderna.

    Sala de ordenha: o visionamento de um pequeno filme permitiria aferir quais os processos de ordenha utilizados antigamente e na atualidade31; para os visitantes tornarem tangível esse momento, estaria à disposição o protótipo de uma vaca para ser mungida.

    • 32 Intentando-se com esta estratégia não tornar o circuito de visita monotemático.
    • 33 Em razão de no Espaço Agros existir uma pedra que, segundo reza a lenda, era o lugar onde D. Sancho (...)

    História Local: interpretação de imagens e pequenos textos sobre a História do concelho da Póvoa de Varzim32, auxiliados por mapas interativos; e recontextualização in situ de factos históricos33.

    • 34 A sua ativação poderá ser feita por um dos antigos colaboradores da empresa ou pelo próprio visitan (...)
    • 35 Acerca do modo de funcionamento desse material. Em ambos os casos, de preferência com o depoimento (...)

    Objetos com história: colocar em processo de laboração de alguns equipamentos industriais e laboratoriais34, acompanhados de narrativas escritas ou áudio35, e fotografias das suas fases de laboração; objetos de pequena/média dimensão utilizados nas instalações fabris, material de escritório e de marketing/comunicação.

    • 36 Nomeadamente, aves, bovídeos, equídeos e porcos, intentando-se aproximar esta proposta ao conceito (...)

    Casa Agrícola: nas suas divisões estariam distribuídos utensílios de uso quotidiano relativos à sua vida familiar (quarto, cozinha, loja, cobertão, madureiro, sequeiro, eira) e outros utilizados na faina agrícola (arados, charruas, foices); disporia ainda de um sítio para a criação de animais36.

  • 37 Com o propósito de dar a conhecer obras de artistas, sobretudo locais e regionais, dos mais variado (...)
  • 38 Um sucinto e clarividente texto elucidar-nos acerca das principais particularidades destas quatro t (...)

20Através das exposições temporárias, o Museu do Leite procuraria atrair outros segmentos de visitantes que não somente os habituais. Para isso, elaborar-se-ia uma programação diversificada e passível de lhe conferir notoriedade37. As exposições portáteis e itinerantes, constituiriam outro tipo de iniciativas a realizar com frequência, principalmente, em algumas escolas e instituições (lares, centros de dia ou hospitais)38. As exposições “online”, através da “website” do Museu do Leite, tornar-se-iam um privilegiado veículo de comunicação e divulgação.

21As questões técnicas – iluminação e suportes expositivos – e de conteúdo – texto e legendagem – assim como as relacionadas com estratégias de comunicação institucional e de marketing cultural, mereceriam por parte dos profissionais do Museu do Leite uma atenção especial, isto porque, se estes elementos não estivessem dispostos conforme o preceituado, poderiam fazer esbater a relevância que se pretendia conferir a esta unidade museológica.

  • 39 Segundo Camacho (2007, p. 28), a terminologia “Serviço Educativo” «corresponde a uma estrutura orga (...)
  • 40 Crianças, grupos escolares, adultos, turistas, pessoas com necessidades especiais – permanentes ou (...)
  • 41 Cf. Hooper Greenhill, 1998.
  • 42 Foi produzido um documento para esse efeito, denominado “Museu do Leite – Ficha Pedagógica” (cf. Si (...)

22A criação de um Serviço Educativo39 no Museu do Leite teria sido de extrema importância para acolher os diversos públicos40, tendo em atenção que estes possuem necessidades físicas, intelectuais e sociais que lhe são comuns, mas que também têm as suas necessidades específicas41. Conhecê-los, através dos resultados deduzidos nos inquéritos realizados, teria sido um precioso auxílio para que se conseguisse gizar as políticas educativas adequadas e tomar conhecimento das suas expectativas e anseios. Previa-se uma profícua colaboração com o sistema de ensino, através do estabelecimento de parcerias e protocolos com os ministérios da Educação, da Ciência e do Ensino Superior, e da Cultura, e a cooperação com escolas para o estabelecimento de atividades específicas42.

23Para além do seu responsável, trabalhariam permanentemente no Museu do Leite um(a) técnico(a) e um(a) auxiliar de museologia, podendo contar, em determinados dias de visita, com os préstimos de antigos colaboradores da Agros, U.C.R.L. e de outras pessoas, mormente, estagiários oriundos de universidades, institutos politécnicos e escolas profissionais.

  • 43 À época, através do PRODER (Plano de Desenvolvimento Rural – Eixo 3 – subprograma 3 – medida 3.1. – (...)

24Os recursos financeiros consignados ao Museu do Leite adviriam, maioritariamente, da sua instituição tutelar. Porém, poder-se-ia obter outras fontes de subvenção – mecenato e patrocínios, ou por via de fundos estatais e comunitários43 – que lhe permitam um maior desafogo orçamental. Por outro lado, era expectável angariar-se receitas próprias: loja do museu, concessões, cedência de espaços, direitos autorais de filmagens e fotografias.

  • 44 A título de exemplo, da sala de exposições para a de conservação e restauro ou da sala de reservas (...)

25Este conjunto edificado ocuparia uma superfície de 2430 m2, dividida por espaços públicos (636 m2), espaços públicos controlados (1300 m2) e espaços privados (499m2), repartidos por dois pisos: um ao nível do solo e outro numa cota inferior. No primeiro ficariam os espaços públicos, alguns espaços públicos controlados, nomeadamente a Casa Agrícola, Oficinas Pedagógicas, Biblioteca e Centro de Documentação, e espaços privados (Área Administrativa), no segundo, interligadas, as secções expositivas (espaços públicos controlados) e técnicas (espaços privados), para mais facilmente se poder fazer a trasladação das peças44.

Figura 5 - Planta de reconstituição da Casa Agrícola

Figura 5 - Planta de reconstituição da Casa Agrícola

© Rocha Leite – Arquitectos Associados

Figura 6 - Ruína da Casa Agrícola (2010)

Figura 6 - Ruína da Casa Agrícola (2010)

© Agros, U.C. R.L.

Figura 7 - Espaços de exposição permanente, temporárias e espaços controlados

Figura 7 - Espaços de exposição permanente, temporárias e espaços controlados

© Rocha Leite – Arquitectos Associados

26O seu horário de funcionamento, que estaria afixado na parte exterior do edifício, à entrada, seria de terça a sexta-feira, entre as 10 e as 17 horas, e aos sábados e domingos, entre as 14 e as 18 horas, existindo a possibilidade de abertura pontual noutros dias, mediante marcação prévia.

  • 45 Se a cafetaria e a loja estivessem a funcionar em pleno, com produtos e artigos de qualidade, facil (...)

27O acesso ao Museu do Leite seria gratuito, esperando-se com este princípio incentivar-se uma maior afluência de pessoas, e por se considerar que o ganho daí resultante seria residual para o equilíbrio da sua balança orçamental45.

28O Museu do Leite disporia de um registo informatizado para se ter a noção exata do número de ingressos, para posteriormente se levar a cabo análises comparativas de afluência por dias, semanas, meses, anos, e um livro de sugestões/reclamações, para “medir” a opinião dos visitantes acerca do seu modo de funcionamento, e se implementarem medidas com vista a suprir as lacunas detetadas.

29Os colaboradores do Museu do Leite prestariam as informações necessárias a quem aí se deslocasse, contribuindo desta forma para a qualidade da visita e cumprimento da função educativa. Todos aqueles que pretendessem deambular livremente pelas salas expositivas, essa mesma informação ser-lhe-ia facultada através de textos de apoio museológico. A elaboração de roteiros de visita ou catálogos de coleção eram hipóteses igualmente a considerar.

  • 46 Com acesso condicionado dos visitantes às reservas museológicas.

30O acesso aos bens culturais guardados nas reservas46 e à documentação que lhe esta associada seria facultada a todos aqueles que o desejassem, mas somente mediante um pedido prévio para o fazer, em especial, nos casos em que essa consulta estivesse relacionada com trabalhos de investigação.

31Cumprindo todos os requisitos constantes na Lei n.º 47/2004, era nossa intenção proceder à sua credenciação para posterior adesão à Rede Portuguesa de Museus, advindo dessa “filiação” o reconhecimento oficial da sua qualidade técnica e inequívocas vantagens para a prossecução da sua missão, com relevo para o estabelecimento de “articulações” com os seus congéneres de tipologia industrial e tutelados por empresas.

Considerações finais

32Para epílogo, expomos algumas questões pertinentes que nos ajudam percecionar os intentos que nos nortearam na continuação deste desígnio, e que expressam tudo o que foi escalpelizado ao longo deste artigo:

O que se pretendia com a criação do Museu do Leite?

Qual a sua relevância e contributo para a perpetuação da memória e da identidade desta Empresa, fundada ainda na primeira metade do século XX?

Quais os objetivos estratégicos e específicos inerentes à sua constituição?

O que poderia ele oferecer ao panorama museológico nacional e mais especificamente aos museus de tipologia industrial tutelados por empresas?

Não existindo em Portugal nenhum museu relacionado com a atividade leiteira, o que fazer para que a mesma atingisse a notoriedade almejada?

Apesar da originalidade temática, quais as políticas orientadoras de gestão museológica que devem ser preconizadas para lhe garantir uma diferenciação positiva em relação a outras valências desta natureza?

Surgida a ideia da sua constituição, que considerações devem ser tomadas em conta antes da sua concepção?

Como constituir um espaço cultural com estas características e garantir a sua relevância à luz dos conceitos emanados pela Nova Museologia?

Bibliographie

Como adequar o explicitado na Lei n.º 47/2004 a um Plano Museológico direcionado especificamente para o Museu do Leite?

ALONSO FERNÁNDEZ, Luis (2006) - Museología y museografía. 3.ª ed. Barcelona: Ediciones del Serbal.

ALVES, Jorge Fernandes (2004) - “Património Industrial, Educação e Investigação a propósito da Rota Industrial do Vale do Ave. In. OLIVEIRA, Aurélio de (dir.). Revista da Faculdade de Letras. História, III Série, Vol. 5. Porto: Faculdade de Letras do Porto, pp. 251-256.

BRANCO, Jorge Freitas (2005) - Máquinas nos Campos. Uma Visão Museológica. Oeiras: Celta Editora.

BRITO, Joaquim Pais de [et. al.] (2000) - Normas de Inventário (Alfaia Agrícola/Etnografia). Lisboa: Instituto Português dos Museus.

BRUNO, Cristina (1997) - “Museus de Empresa: Princípios, Problemas e Perspectivas”. In. Moutinho, Mário Canova (dir.) Cadernos de Sociomuseologia. Museologia e Museus: princípios, problemas e métodos, n.º 10. Lisboa: Universidade Lusófona de Humanidades e de Tecnologias, pp. 47-51.

CAMACHO, Clara Frayão (2007) - “Serviços Educativos na Rede Portuguesa de Museus: Panorâmica e Perspectivas”. In. BARRIGA, Sara; SILVA, Susana Gomes da (coords.). Serviços Educativos na Cultura. Colecção Públicos, n.º 2. Porto: SETEPÉS, pp. 26-41.

CAULTON, Tim (1998) - Hands-On Exhibitions. Managing Interactive Museums and Science Centres. London: Routledge.

CORDEIRO, José Manuel Lopes (2002) - “A propósito de Colecções Industriais”. In. Boletim Trimestral da Rede Portuguesa de Museus, n.º 3. Lisboa: Ministério da Cultura/Instituto Português de Museus, pp. 10-13.

CORDEIRO, José Manuel Lopes (2015) - “Changing public policies towards the industrial heritage”. In. DUFRESNE, Geneviève; DOUET, James (ed.). Industrial Heritage in the twenty-first century, new challenges. TICCIH: Lille, pp. 141-148. Página consultada a 20 de agosto de 2018.

CUSTÓDIO, Jorge (2005) - “A Emergência e a Génese dos Museus Industriais e de Empresa em Portugal”. In. Boletim Trimestral da Rede Portuguesa de Museus, n.º 18. Lisboa: Ministério da Cultura/Instituto Português de Museus, pp. 11-16.

CUSTÓDIO, Jorge (2017) - “Políticas Públicas para a salvaguarda e conservação do Património Industrial”. In. CÓIAS, Vítor. Pedra & Cal. Conservação e Reabilitação. Lisboa: Grémio do Património, pp. 22-28.

HOOPER-GREENHILL, Eilean (1998) - Los museos y sus visitantes. Gijón: Ediciones Trea.

MATOS, Ana Cardoso de; RIBEIRO, Isabel Maria; SANTOS, Maria Luísa (2003) - “Intervir no Património Industrial: das Experiências Realizadas às Novas Perspectivas de Valorização”. In. SAMPAIO, Maria da Luz (coord.). Actas do Colóquio de Museologia Industrial. Reconversão e Musealização de Espaços Industriais. Porto: Associação para o Museu da Ciência e Indústria, pp. 23-32.

MATOS, Ana Cardoso de; SAMPAIO, Maria da Luz (2014) - “Património Industrial e Museologia em Portugal”. In. LOPES, Cláudia Neves; ARAÚJO, Martha Silva; PIERRE, Mayara Felix. (coord.). Museologia & Interdisciplinaridade, vol. III, n.º 5. Brasília: Universidade de Brasília, pp. 95-111.

MENDES; José Amado (2012) - “O património industrial na museologia contemporânea: o caso português”. In. PEREIRA, António dos Santos [et. al.]. Ubimuseum – Revista online do Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior. Covilhã: Universidade da Beira Interior, pp. 1-16. Página consultada a 19 de agosto de 2018.

PINHO, Elsa Garrett; FREITAS, Inês da Cunha (2000) - Normas de Inventário (Artes Plásticas e Artes Decorativas). Lisboa: Instituto Português dos Museus.

PRIMO, Judite Santos; SILVA, Daniella Rebouças (1999) - “Documentação Museológica num Museu Local: Algumas Considerações”. In. MOUTINHO, Mário Canova (dir.). Cadernos de Sociomuseologia. Base de Dados Museológica. Manual do Utilizador, n.º 14. Lisboa: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, pp. 11-29.

SILVA, José Filipe Pereira Neves da (2011) - Museu do Leite: uma proposta para o seu programa museológico. Tese de Mestrado. Porto: Universidade Católica Portuguesa/Centro Regional do Porto (Escola das Artes).

SILVA, Susana Gomes da (2007) - “Enquadramento Teórico para uma Prática Educativa nos Museus”. In. BARRIGA, Sara; SILVA, Susana Gomes da (coords.). Serviços Educativos na Cultura. Colecção Públicos, n.º 2. Porto: SETEPÉS, pp. 57-66.

Legislação

Lei n.º 47/2004, de 19 de agosto, Diário da República, Série I-A, n.º 195.

Sítios Web

Vitarium

Notes

1 Ao longo dos anos, esta Organização tem procurado prover uma efetiva proteção e realce deste segmento patrimonial (cf. Matos; Ribeiro; Santos, 2003).

2 «Estes novos museus estão associados às mais valias da “marca Indústria” enquanto score estratégico no desenvolvimento económico e turístico de uma cidade ou região, suportados por políticas culturais (entenda-se política cultural enquanto estratégia de desenvolvimento urbano, educativo e cultural), que apostam na valorização do património industrial e da indústria local para valorizar o seu tecido social e económico.» (Matos; Sampaio, 2014, p. 100).

3 Excetuando o de Beja.

4 Existem estudos sobre estes museus industriais, através dos quais é possível saber-se o ano da sua fundação, a quem está adstrita a sua tutela, as principais áreas de atividade e a sua localização geográfica (cf. Matos; Sampaio, 2014; Mendes, 2012; Cordeiro, 2015).

5 Cf. Custódio, 2017.

6 The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage.

7 As quatro edições do Congresso Internacional sobre Património Industrial e as I Jornadas de Jovens Investigadores em Património Industrial são evidências do empenho demonstrado na valorização desse legado.

8 Síntese da dissertação de mestrado onde esta proposta é desenvolvida (cf. Silva, 2011).

9 Incluído na categoria indústria extrativa e transformadora/unidades de transformação industrial (cf. Mendes, 2012; Custódio, 2017).

10 Entre outras particularidades, estes lugares possuem «uma vocação, muito própria, para a preservação da memória sobre o trabalho […] privilegiando e cultuando o trabalho individual de uma pessoa específica, ou valorizando, por vezes, até de forma corporativa, certos segmentos profissionais ou alguns domínios da tecnologia.» (Bruno, 1997, pp. 49-50).

11 Este Homem, figura ímpar do movimento cooperativo agrícola nacional, foi o presidente da direção da Agros, U.C.R.L., entre 1982 e 2010.

12 Está localizado na freguesia de Argivai, concelho da Póvoa de Varzim e caracteriza-se por uma ambiência marcadamente rural. Ocupa uma área de aproximadamente 25 hectares, e é o “habitat” de uma grande diversidade de espécimes vegetais e animais.

13 Museu Agrícola de Entre Douro e Minho (quando o visitámos já estava encerrado e em acentuado estado de degradação), Museu do Café, Museu da Eletricidade, Museu Manuel da Maia, Museu dos Transportes e Comunicações, Museu do Carro Elétrico, Museu da Chapelaria, Museu do Cimento Maceira do Liz, Museu da Indústria Têxtil e Museu Nacional Ferroviário.

14 Cf. Vitarium: https://www.vitarium.lu/

15 A investigação é essencial para o estudo e conservação do acervo, para a elaboração de guiões e textos para exposições, roteiros para catálogos e outro tipo de materiais.

16 Em razão do seu estado de conservação e do seu valor intrínseco, alguns deles seriam apresentados em suporte digital e só excecionalmente poderiam ser manuseados.

17 Que podem ser originais ou derivados (cf. Branco, 2005). No caso do nosso objeto de estudo, os primeiros estão diretamente relacionados com a atividade agrícola/leiteira, industrial e comercial da Empresa, os segundos reportam-se à documentação constituída em função daqueles (por exemplo, manuais técnicos).

18 Qualquer que seja o estabelecimento museológico, deverá sempre existir uma política de aquisição coerente, conducente com os propósitos preconizados, sendo expectável que se concentre unicamente na aquisição de objetos referentes à categoria que lhe está adstrita (cf. Primo; Silva, 1999). Podemos adaptar três interrogações pertinentes acerca do Património Industrial em sentido lato e aplicá-las a este caso concreto: «Que património industrial temos? O que nos diz esse património? O que podemos fazer com ele?» (Alves, 2004, p. 251).

19 Muito deste equipamento industrial e laboratorial estava disperso pelas antigas unidades fabris da Agros, U.C.R.L. de Vila do Conde, Lousada e Leça do Balio, amontoado e abandonado em locais recônditos e de difícil acesso. Se não tivesse sido resgatado atempadamente, o seu destino teria sido a sucata.

20 Foi produzido um documento para esse efeito, denominado “Formulário para Doação” (cf. Silva, 2011, p. 133)

21 «cessar a aquisição presume que o museu aceita a responsabilidade de ver desaparecer definitivamente uma parcela do património colectivo.» (Charpentier, cit. por Cordeiro, 2002, p. 12).

22 Tutelado pelo Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, mas inativo desde há muitos anos.

23 Foi produzido um documento para esse efeito, denominado “Formulário para Depósito” (cf. Silva, 2011, p. 133).

24 Número de Inventário; Nome da Instituição; Denominação ou Título; Autoria; Datação; Material, Meio e Suporte; Dimensões; Descrição; Localização; Historial; Modalidade de Incorporação; Data de Incorporação (cf. Lei n.º 47/2004, Capítulo II; Secção IV; Artigo 19.º).

25 O trabalho de pré-inventariação desenvolvido foi levado a cabo conjuntamente com o Senhor Óscar Brandão que, durante mais de quatro décadas, foi o Diretor Fabril da Agros, U.C.R.L..

26 Super Categoria, Categoria e Subcategoria (uma primeira divisão tipológica passível de permitir uma melhor identificação dos objectos); Elementos de um Conjunto; Estado de Conservação; Imagem/Som; País; Local de Laboração; Fabricante (quando aplicável); Bibliografia; Inventariante; Data de Inventariação; Observações. Seguimos as orientações dispostas em alguma bibliografia consignada ao tema (cf. Pinho; Freitas, 2000; Brito et al., 2000). Mas obviamente adaptámos o disposto às especificidades do Museu do Leite (cf. Silva, 2011).

27 Na museologia, esta etapa «é entendida como o sistema de recuperação de informação capaz de transformar o bem cultural em fonte de pesquisa científica e em instrumento de produção do conhecimento.» (Primo; Silva, 1999, p. 12).

28 Do qual faria parte um Plano de Evacuação, indicando os percursos a utilizar em caso de necessidade. Tornar-se-ia imperioso testá-lo e adaptá-lo a pessoas com mobilidade reduzida, problemas sensoriais e intelectuais.

29 A sua duração dependeria de um conjunto de fatores correlativos ao seu planeamento, essencialmente, a sua notoriedade e a oportunidade desse momento.

30 Cf. Caulton, 1998; Silva, 2007.

31 Contraposição entre as tecnologias tradicional e moderna.

32 Intentando-se com esta estratégia não tornar o circuito de visita monotemático.

33 Em razão de no Espaço Agros existir uma pedra que, segundo reza a lenda, era o lugar onde D. Sancho I se encontrava com sua amante, D. Maria Pais Ribeiro, considerava-se oportuno, particularmente, junto dos mais novos, relatar este acontecimento.

34 A sua ativação poderá ser feita por um dos antigos colaboradores da empresa ou pelo próprio visitante. Desta forma, contribuir-se-ia para a «a descoisificação do objecto industrial» (Custódio, 2005, p. 12), evitando-se a suscitação da questão: para que servia esta “coisa”?

35 Acerca do modo de funcionamento desse material. Em ambos os casos, de preferência com o depoimento de alguma pessoa que tenha trabalhado com esse material.

36 Nomeadamente, aves, bovídeos, equídeos e porcos, intentando-se aproximar esta proposta ao conceito de Quinta Pedagógica.

37 Com o propósito de dar a conhecer obras de artistas, sobretudo locais e regionais, dos mais variados quadrantes – pintura, escultura, artesanato, fotografia, entre outras manifestações de labor manual e artesanal (com preferência para os temas relacionados com o mundo rural e a etnografia), mas diversificando-se a temática expositiva em determinadas épocas do ano (Páscoa, época balnear e Natal).

38 Um sucinto e clarividente texto elucidar-nos acerca das principais particularidades destas quatro tipologias de exposição (cf. Alonso Fernández, 2006).

39 Segundo Camacho (2007, p. 28), a terminologia “Serviço Educativo” «corresponde a uma estrutura organizada, dotada de recursos mínimos, designadamente pessoal, inscrita organicamente no museu em que se insere, mesmo que de maneira informal, que desenvolve acções dirigidas ao público, com objectivos educativos.». Hoje em dia, é usual denominá-lo “Serviço de Extensão Cultural”.

40 Crianças, grupos escolares, adultos, turistas, pessoas com necessidades especiais – permanentes ou temporárias – e públicos potenciais. A ação educativa desenvolvida para cada um desses segmentos foi devidamente escalpelizada na nossa investigação (cf. Silva, 2011).

41 Cf. Hooper Greenhill, 1998.

42 Foi produzido um documento para esse efeito, denominado “Museu do Leite – Ficha Pedagógica” (cf. Silva, 2011, pp. 135-136)

43 À época, através do PRODER (Plano de Desenvolvimento Rural – Eixo 3 – subprograma 3 – medida 3.1. – Diversificação da Economia e Criação de Emprego – Acção 3.1.3. – Desenvolvimento de Actividades Turísticas e de Lazer), do FEDER (Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional), do POC (Plano Operacional da Cultura) e do QREN (Quadro de Referência Estratégico Nacional).

44 A título de exemplo, da sala de exposições para a de conservação e restauro ou da sala de reservas para a de exposições. Existiria um elevador monta-carga destinado ao transporte do acervo para o piso superior.

45 Se a cafetaria e a loja estivessem a funcionar em pleno, com produtos e artigos de qualidade, facilmente se poderia “recuperar” esse dinheiro.

46 Com acesso condicionado dos visitantes às reservas museológicas.

Table des illustrations

Titre Figura 1- Ficha de Colaborador
Crédits © Agros, U.C. R.L.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14662/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 27k
Titre Figura 2 - Bilha de ferro para transporte de leite (20 litros)
Crédits © Agros, U.C. R.L.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14662/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 30k
Titre Figura 3 - Batedeira de nata para fabrico de manteiga (década de 1960)
Crédits © Agros, U.C. R.L.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14662/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 66k
Titre Figura 4. Embalagem de leite UHT (década de 1980)
Crédits © Agros, U.C. R.L.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14662/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 38k
Titre Figura 5 - Planta de reconstituição da Casa Agrícola
Crédits © Rocha Leite – Arquitectos Associados
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14662/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Figura 6 - Ruína da Casa Agrícola (2010)
Crédits © Agros, U.C. R.L.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14662/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 131k
Titre Figura 7 - Espaços de exposição permanente, temporárias e espaços controlados
Crédits © Rocha Leite – Arquitectos Associados
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14662/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 79k

Auteur

Doutorando CIDEHUS – Universidade de Évora, nevesdasilva@hotmail.com,

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search