Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

A diversidade de investigações sobre o património industrial: nas universidades, nas empresas e entre o público em  geral

Património Industrial de Almada

O caso do Cais do Ginjal e o Impacto na Paisagem Urbana

João Gaspar et José Luís Crespo

Résumé

O presente artigo tem por objetivo realçar a importância, os valores e as marcas que os espaços industriais deixaram nas cidades, pela forma como transformaram a sua imagem, pelas diversas vivências que aqui estabeleceram e pelos novos métodos de fazer cidade. Reflete-se sobre o património industrial a partir dos seus valores de memória como testemunho da cultura, técnica e consequências históricas que implicaram a sua valorização no presente, compreendendo assim como a presença destes elementos caraterizam a paisagem industrial nas zonas de frente ribeirinha, como é o caso do Cais do Ginjal. Complementada por uma abordagem caraterizada pela reutilização de estruturas abandonadas, como forma a recuperar estes espaços urbanos para a cidade, onde o seu valor patrimonial assim como as infraestruturas que os compõem podem ser reenquadrados num panorama funcional do território. Contribuindo para uma estruturação socioeconómica, podemos olhar para estes espaços obsoletos, resultantes de várias transformações e usos, que podem surgir como uma nova centralidade no território e como uma reinterpretação à forma de estar, viver e pensar a cidade.

Texte intégral

Introdução

1Este artigo, enquadrado no tema «A diversidade de investigação sobre o património industrial», resulta do Projeto Final de Mestrado, concluído em dezembro de 2017, na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa, com o tema «A Cidade e o Rio, Regeneração Urbana de Almada e do Cais do Ginjal».

2Como principais premissas tem-se por objetivo compreender a importância que o Património Industrial tem para a cidade e que influências a sua herança cultural tem para a sociedade. Assim como se pretende entender a protagonização que os espaços industriais têm no território e como a paisagem industrial se integra na imagem da cidade. Enquadrando aqui a cidade de Almada como caso de estudo e, como elemento de intervenção, o Cais do Ginjal. Num enquadramento teórico, explora-se a natureza dos temas que complementam este artigo, desde as relações de Cidade-Rio até aos processos de industrialização, assim como a caraterização dos métodos de operação territorial.

3Apoiando-se numa observação atenta ao território e de análise aos momentos históricos que marcaram a indústria desta parte da cidade, compreendemos a existência de um tecido urbano em rutura, repartida por vários momentos de ocupações portuárias e consequentes desafetações. Encontramos, assim, uma vasta área no território em estado obsoleto e a necessitar de uma intervenção urgente de regeneração urbana, onde surge a oportunidade de reintegrar a relação de Cidade-Rio – entre Almada e o rio Tejo – protagonizando-se aqui o Cais do Ginjal. Estas intervenções têm por principal objetivo reutilizar as estruturas industriais existentes, adaptando-as a novas funções e modos de viver, tal como a integração da paisagem industrial na atual imagem da cidade. Contempla-se, assim, uma abordagem de ligação com a história e, sobretudo, origina-se uma oportunidade de repensar o território.

Relação cidade-rio e o advento industrial nas cidades

4A fixação do ser humano no território revelou sempre uma preferência por locais próximos da água, onde se fixou e aqui construiu as suas primeiras cidades. Esta escolha é uma constante presente no território desde os primórdios da civilização até aos tempos modernos, onde a relação de cidade-rio constituía uma necessidade de sobrevivência, tendo evoluído para uma relação mais funcional. Enquanto lugar urbano, a Frente-Ribeirinha representa-se como uma zona fundamental da cidade onde um variado conjunto de atividades, económicas e sociais, ocorrem às portas da cidade com o plano de água. Aqui a relação de cidade-rio compõe não só uma caraterística de atividades portuárias e de funcionalidades técnicas, mas conjuntura em si atividades sociais, originando uma situação onde se fixam atividades de ambos os contextos.

Processo de industrialização

5Com o início da revolução industrial, no séc. XVIII, pode-se observar uma das maiores transformações que a sociedade moderna sofreu, com o emergente desenvolvimento tecnológico e das técnicas de produção; grandes transformações e diferenciações sociais e com novas formas de conceção das cidades deparamo-nos com o nascimento da cidade moderna. Estratificando-se em três fases distintas, este processo começa por uma transformação caraterizada pelo exponencial crescimento das tecnologias energéticas e das infraestruturas que as compõem. O desenvolvimento da indústria do aço e do ferro permitiu uma aplicação mais extensiva de estruturas ao longo das frentes ribeirinhas, onde o transporte fluvial e marítimo, juntamente com os transportes ferroviários, criou um sistema de mobilidade complexo, influenciando a necessidade de novas áreas de aterro (COSTA, 2013).

6Numa segunda fase temos uma industrialização caracterizada pela modernização e expansão dos meios de mobilidade coletiva e das infraestruturas portuárias. O constante crescimento tecnológico permitiu o desenvolvimento dos meios de transporte e o alcance a maiores distâncias no território, impulsionando novas relações espaciais e formas de pensar o território (COSTA, 2013). Paralelamente, com o aumento da dimensão das embarcações, a necessidade de receber mais transportes e a adaptação às novas indústrias, origina-se uma compatibilidade infraestrutural complexa inconciliável com as zonas industriais existentes, que leva à relocalização da área portuária para a periferia das cidades.

7Caraterizada como pós-industrialização, a terceira fase é marcada pela modernização e expansão da indústria para a periferia, definindo uma zona portuária abandonada que deixa de responder às necessidades que surgiram no início da industrialização. Estando em constante transformação, esta fase dá seguimento à realidade que se tem enfrentado nas frentes ribeirinhas das cidades modernas, que por vezes acaba por seguir mutações urbanas que descaraterizam estes espaços. Estas constantes mutações influenciam a forma de agir e de pensar da sociedade, levando, por vezes, à descaraterização da cidade e à deficiente gestão do território.

Paisagem e património industrial

8Património, associando-se a um contexto de aquisição de valores económicos, históricos e culturais, permite conservar a identidade de um elemento, ou conjunto deste, de uma dada época, que se revele como detentor de excecionais valores para uma região, um país ou até mesmo no contexto mundial (CHOAY, 2017).

9Evidenciando o tema da revolução industrial e de que modo esta fase se enquadra no contexto patrimonial, é de salientar as transformações que a cidade sofreu nesta época, onde a ideia de progresso dá um novo sentido e valor à cidade, e os novos paradigmas de fazer cidade modificam intensamente a imagem e paisagem do território. Encontramos assim estruturas de grande valor cultural e técnico à espera de ser aproveitados para novamente se enquadrarem na cidade, compreendendo-se assim:

(…) os vestígios da cultura industrial que possuem valor histórico, tecnológico, social, arquitectónico ou científico. Estes vestígios englobam edifícios e maquinaria, oficinas, fábricas, minas e locais de processamento e de refinação, entrepostos e armazéns, centros de produção, transmissão e utilização de energia, meios de transporte e todas as suas estruturas e infra-estruturas, assim como os locais onde se desenvolveram actividades sociais relacionadas com as indústrias, tais como habitações, locais de culto ou de educação. (TICCIH, 2003, p. 3, tradução da responsabilidade da APPI)

10Considerando as premissas referenciadas, cabe entender assim em que contexto se pode intervir nestas heranças industriais abandonadas, como se pode aproveitar os seus valores e em que sentido podem renovar a paisagem da cidade. Deste modo, encontramos:

(…) edifícios individuais, frequentemente de construção sólida, sóbria e de fácil manutenção, facilmente adaptáveis às normas de utilização actuais e prestam-se a utilizações, públicas e privadas, múltiplas. (…) são inúmeras as fábricas, ateliers e entrepostos transformados em imóveis de habitação, em escolas, em teatros ou mesmo em museus. (…) possuem, antes de mais, um valor afectivo de memória para aqueles para quem desde há gerações, eles eram o território e o horizonte (…). (CHOAY, 2017, p. 234).

11Deparamo-nos com enormes espaços compostos por elementos estruturais facilmente adaptáveis a outros usos, podendo receber um conjunto de novas atividades para a cidade, contendo, no entanto, uma expressão com base na herança cultural que valoriza os espaços industriais que nos remete para a memória de uma outra época.

Operações de intervenção em espaços industriais devolutos

12Reabilitação e Regeneração Urbana são conceitos que tendem a realçar quando se abordam operações de reavivar e recuperar a cidade e os seus elementos, principalmente quando estes são compostos por espaços Industriais devolutos. Depreende-se, assim, a reabilitação urbana como uma

(..) forma de intervenção integrada sobre o tecido urbano existente, em que o património urbanístico e imobiliário é mantido, no todo ou em parte substancial, e modernizado através da realização de obras de remodelação ou beneficiação dos sistemas de infraestruturas urbanas, dos equipamentos e dos espaços urbanos ou verdes de utilização colectiva e de obras de construção, reconstrução, ampliação, alteração conservação ou demolição dos edifícios. (DGOTDU, 2008, p. 11)

13Por sua vez, este tipo de intervenção surge como uma complementaridade entre a readaptação do tecido a novas funcionalidades, focando-se na sua habilitação e não na destruição total ou parcial do tecido urbano. Destacando-se assim em duas formas de intervenção: pelo edificado, implicando tanto reabilitação de habitações como de edifícios de outras funções, permitindo a demolição parcial de alguns elementos e a construção de novos; no espaço urbano, a reabilitação surge num enquadramento de espaço público, evidenciando aqui as fachadas e a transição entre os diferentes espaços da cidade como os elementos fundamentais à revitalização das cidades (MOURA et al., 2006).

14No seguimento do anteriormente referido, temos uma operação de intervenção urbana que se complementa a partir da Regeneração Urbana, que comporta um conjunto de intervenções tendo por base a reabilitação do edificado, reestruturação do meio urbano e a integração de medidas de inclusão social e económica nestas intervenções. Reintroduz-se, assim, estes espaços obsoletos e marginalizados da restante cidade, permanecendo na sua estrutura urbana com um novo valor de interesse público. Complementarmente, podemos depreender que a Regeneração Urbana pode ser aplicada em quase todas as componentes urbanas que possam adotar estratégias de projeção a longo prazo. Assim, deve ser entendida como «(…) uma visão compreensiva e integrada nos modos de ação que levam a uma resolução dos problemas urbanos e que visão trazer melhoramentos duradouros nas condições económicas, físicas, sociais e ambientais de uma área que está em mudança» (Tradução livre, ROBERTS, 2005, p. 17).

15É nestes parâmetros que encontramos estratégias que solucionem os problemas encontrados nestas frentes ribeirinhas pós-industrializadas, onde as operações de Regeneração Urbana representam um papel fundamental na constante transformação da paisagem ribeirinha da cidade. Onde as temáticas de relação de Cidade-Rio, Património Industrial, Regeneração e Reutilização se fundem num propósito comum de transformar a imagem da cidade ribeirinha.

16Podemos, assim, observar como exemplo a intervenção de Aldo Rossi e de César Portela, com o Museu do Mar, construído em 2002 em Vigo - Galiza. Construídos em 1887, este conjunto de armazéns, originalmente uma fábrica de conservas, sendo mais tarde reutilizado como matadouro municipal, em 1992, surge a intenção de transformar estes espaços em museu, apoiando a sua envolvente urbana e a relação com o plano de água numa estratégia de regeneração deste pólo industrial. O resultado final acaba por gerar um espaço âncora no território, com um conjunto de elementos dinamizadores de atividade económica e de valorização patrimonial do lugar. Aqui o sentido desta operação acaba por regenerar e reusar estes armazéns e valoriza a forte identidade que este lugar transmite.

Reutilização de equipamentos industriais devolutos

17A reabilitação em fábricas e armazéns permite uma oportunidade de reinterpretação das vivências destes edifícios e dos espaços que os envolvem. As suas estruturas permitem um aproveitamento do espaço a novas funções, diferentes programas e adaptação a métodos mais atuais de intervenção arquitetónica. A simbiose entre a qualidade destes edifícios com novos usos permite alcançar soluções de projeto únicas, onde conseguimos habitar o espaço, respeitando o sentido original da preexistência.

18Estas operações devem ser vistas como uma intervenção singular, onde se aproveita as potencialidades de cada situação, assim como o seu valor histórico, evidenciando a multiplicidade do modo como um espaço pode receber um uso diferente e como poderia funcionar com essa diferença. Assim como Xavier Monteys bem refere,

La clave para rehabitar edificios vacíos u obsoletos se encuentra en la manera de usarlos de nuevo. No se trata simplesmente de utilizar su estructura (…) Rehabitar estos edifícios significa descubrir y potenciar sus cualidades intrínsecas – aquéllas que dependen de las características materiales, espaciales y perspectivas del edifício – y poder assignar esas cualidades a nuevos usos que sean reflejo de la complejidad de la propria sociedad (…). (MONTEYS, 2012, p. 319)

19Podemos, assim, observar como referência o Centro Interpretativo do Património da Afurada do Atelier 15 (figura 1), completo em 2014, numa localidade piscatória do concelho de Vila Nova de Gaia e próximo da Reserva Natural do Estuário do Douro, num local de antigos armazéns. Encontrando-se em abandono, este armazém serviu em tempos como apoio às práticas piscatórias, ao que se preserva o traço original do edifício e no seu interior é recriado um espaço expositivo alusivo ao património da Afurada e Estuário do Douro. Esta intervenção de reconversão de um armazém em espaço expositivo enquadra um objeto importante na prática fabril local, onde o seu valor simbólico e identidade são valorizados pelas novas técnicas e materialidades aplicadas ao edifício.

20Assim, no ato de reusar o espaço, arquitetónico e urbano, existe a tendência de o homem manter um equilíbrio com o lugar e envolver-se com o seu antepassado. A ideia de reviver, reorganizar, reutilizar e retornar a estes espaços, permite um deslocar entre o passado e o presente, o novo e o antigo, a ruína e o reabitado.

Vocação industrial de Almada

21Desde a sua génese, que o território onde se encontra a cidade de Almada tem servido como porto de subsistência de diferentes culturas. Devido ao seu promontório natural, Almada torna-se num elemento relevante na vigilância de Lisboa e da entrada no Estuário do Tejo, assim como Cacilhas revela ser um porto de ligação comercial entre Lisboa e a margem adjacente, tornando-se assim no principal porto de Almada.

Primeiros avanços industriais

22A partir do séc. XVIII a frente ribeirinha de Almada começa a sofrer algumas transformações, com pequenas indústrias ligadas à atividade piscatória que se vivia, então, em Cacilhas. Com a década de 60, do séc. XIX, começa-se a presenciar uma transformação no território de Almada, com várias empresas inglesas e portuguesas de cortiça a iniciarem um ciclo de industrialização do concelho de Almada.

Figura 2 - Traçado de Almada no início do séc. XIX

Figura 2 - Traçado de Almada no início do séc. XIX

Fonte: Do autor

23Localizando-se fundamentalmente nas frentes ribeirinhas próximas do estuário do Tejo, como é o caso da Cova da Piedade, do Ginjal e Cacilhas, beneficiando da proximidade com o porto de Lisboa e do potencial económico para situar as primeiras indústrias e oficinas, influenciando, assim, um dos mais importantes núcleos nacionais desta indústria à época.

Figura 3 - Vista aérea da Frente Ribeirinha de Almada na década de 1950

Figura 3 - Vista aérea da Frente Ribeirinha de Almada na década de 1950

Fonte: https://almada-virtual-museum.blogspot.pt/​

24Paralelamente, averigua-se um subsequente impulso das indústrias alimentares, de armazenagem e de tanoarias, mas é com a instalação dos estaleiros da Hugo Perry&Sons, no Ginjal em 1863, que se cria uma das maiores zonas industriais de Almada nos finais do séc. XIX. Mais à frente, o Olho-De-Boi ganha forma com a Companhia de Tiação e Tecidos Lisbonense e respetivos armazéns, e surge a Quinta do Arealva com a Sociedade Vinícola do Sul, influenciando a troca comercial de vinho com Lisboa (GONÇALVES, 2000).

O Apogeu da indústria bacalhoeira e da construção naval

25Durante a primeira metade do séc. XX proliferam por toda a frente ribeirinha de Almada vários conjuntos industriais, integrados com especial enfoque no cais do Ginjal e Olho-de-Boi.

Figura 4 - Traçado de Almada na década de 1940

Figura 4 - Traçado de Almada na década de 1940

Fonte: Do autor

Figura 5 - Vista tomada do miradouro da Boca do Vento na década de 1940

Figura 5 - Vista tomada do miradouro da Boca do Vento na década de 1940

Fonte: https://almada-virtual-museum.blogspot.pt/​

26Em 1939 surge no Ginjal a Cooperativa de Armadores da Pesca do Bacalhau, que veio incrementar às empresas navais associadas uma maior facilidade de abastecimento às embarcações e concebe uma melhor assistência aos pescadores. Funcionando em dependência do Grémio Nacional do Armadores da Pesca do Bacalhau, onde o mercado era central às trocas e compras a todos os armadores, abrem outras empresas no Ginjal relacionadas com este ofício. Fundamentalmente oficinas de fabricação de redes e isco, a empresa industrial do frio e de arcas frigoríficas, armazéns de preservação de bacalhau e a fábrica do óleo de fígado de bacalhau. Esta última situando-se na parte superior das instalações, perto da Quinta do Almaraz, seria o elemento mais importante para esta indústria (GONÇALVES, 2000).

27Aos poucos e poucos a indústria do bacalhau vai-se impondo no cais do Ginjal, transformando a sua imagem e ocupando mais armazéns conforme estes iam sendo abandonados pelas indústrias antecedentes. Onde anteriormente se ocupavam as grandes empresas corticeiras e estaleiros navais, como a Hugo Perry&Sons, subsistem com novos e maiores armazéns que aproveitam e ampliam estas instalações. Presenceia-se uma grande transformação na paisagem do cais do Ginjal, com a construção do paredão adjacente ao rio com os seus pontões de embarque e abastecimento dos navios, e a perfuração da encosta entre a fábrica de óleo de fígado de bacalhau e o grémio de armadores de bacalhau. Paralelamente, Cacilhas acaba por absorver algumas transformações no seu porto, com a anterior linha de costa a prolongar-se para dentro do rio com a formação do aterro, acolhendo assim as instalações da Hugo Perry&Sons e torna-se num porto essencial de embarque de cacilheiros que fazem a ligação entre Lisboa e Almada.

Figura 6 - Traçado de Almada na década de 1960

Figura 6 - Traçado de Almada na década de 1960

Fonte: Do autor

28O último desenvolvimento industrial desta frente de Almada acontece nos finais da década de 1960, com a instalação dos estaleiros navais da Lisnave na Margueira, recebendo aqui duas enormes docas secas, construídas entre 1964 e 1966. Mais tarde é acrescentada, em 1971, uma nova doca, a qual viria a tornar a Lisnave num dos maiores estaleiros de doca seca do mundo.

Figura 7- Fase de construção da doca 13 na Lisnave

Figura 7- Fase de construção da doca 13 na Lisnave

Fonte: https://almada-virtual-museum.blogspot.pt/​

Figura 8 - Traçado de Almada no início do séc. XXI

Figura 8 - Traçado de Almada no início do séc. XXI

Fonte: Do autor

29Com o desenvolvimento das atividades industriais, implicando a sua deslocalização para outros territórios, juntamente com a, então, mais fácil forma de deslocação com a construção da ponte. Os espaços industriais de Almada sofrem um declínio funcional, levando a uma progressiva desafetação das indústrias que aqui existiam. O estado de degradação destes espaços acaba por esconder uma imagem do quotidiano e vida que esta frente ribeirinha teve em tempos, desvendando apenas uma memória daquilo que existiu.

Contexto funcional e social num momento pós-industrial

30Apesar do estado de ruína dos edifícios que complementam esta frente ribeirinha, ainda há quem utilize e viva destes espaços, nomeadamente pescadores que tentam a sua sorte nos pontões dos antigos cais de desembarque. Tal como Carriço exemplifica numa entrevista sobre o cais do Ginjal, pode-se averiguar que

Onde Helder Gonçalves está hoje a tentar a sorte para o almoço, antes atracavam arrastões (barcos de pesca com redes de arrasto) bacalhoeiros e outras canoas cacilheiras, fragatas e faluas, lembra-se bem. Mas já naquela altura havia autorização para as pessoas pescarem. (CARRIÇO, 2015, p. 1)

31Toda a extensão do Cais do Ginjal, que se compreende entre o terminal fluvial de Cacilhas até ao Parque urbano da Boca do Vento, é o espaço que se encontra em maior estado de ruína e abandono. Contudo, há espaços que se conseguiram aproveitar para ser reutilizados e dar algum protagonismo às vivências deste lugar.

Figura 9 - Funções existentes no Cais do Ginjal

Figura 9 - Funções existentes no Cais do Ginjal

Fonte: https://almada-virtual-museum.blogspot.pt/​

32Caso será dos armazéns localizados no início do Ginjal, perto da estação fluvial, onde podemos encontrar oficinas e dois restaurantes, o Farol e o Ginjal Terrace; e mais adiante, no final neste percurso marginal, com dois restaurantes, o Atira-te ao Rio e o Ponto Final.

33No cais de Olho de Boi existe uma fixação de pessoas num contexto mais permanente. Onde antes teria existido a Companhia de Pescas Portuguesa, atualmente um número reduzido de armazéns prevalece com o ofício original, obedecendo, no entanto, às constantes mais atuais. Paralelamente, o espaço do então Bairro Social da Companhia de Pescas Portuguesas encontra-se parcialmente ocupado por antigos trabalhadores, ou descendentes destes, que aqui acabam por residir. Confirmando-se assim que «(…) no Olho de Boi, o antigo Bairro Social da Companhia de Pescas Portuguesa, continua a reunir um conjunto considerável de residentes, contribuindo para a manutenção do bom estado de conservação do edificado» (ALMEIDA, 2009, p. 66). Percebemos que parte deste espaço não só é marcado pela ruína abandonada, mas também por uma ruína habitada.

Paisagem industrial de almada e do cais do ginjal

34A paisagem que vemos hoje presente na frente ribeirinha de Almada está fortemente marcada pela presença de grandes espaços industriais abandonados, onde se distinguem estruturas singulares que marcam a imagem que temos no território. Entre estas salientam-se as instalações da Lisnave, com a Doca 13 e a imponente presença da grua de 300 toneladas, que se apresenta como um pórtico de entrada na cidade, e o Cais do Ginjal, com um corredor ribeirinho marcado por armazéns abandonados e uma estrutura de retenção, quase como um auditório, que acompanha de forma artificial a linguagem da arriba fóssil. Este percurso ribeirinho, que se desdobra entre Cacilhas e o Jardim do Rio, é definido por um corredor ribeirinho, onde o Cais do Ginjal é o agente protagonista, e a arriba fóssil monumentaliza a presença destes espaços abandonados.

Figura 10 - Vista geral do Cais do Ginjal tomada do cacilheiro na travessia do rio Tejo

Figura 10 - Vista geral do Cais do Ginjal tomada do cacilheiro na travessia do rio Tejo

Fonte: Do autor

35Conforme se prossegue caminho pelo Cais do Ginjal, deparamo-nos com uma paisagem marcada pela ruína, resultado do abandono dos armazéns que compreendem toda a extensão deste paredão. Contudo, a relação quase imediata que estes armazéns mantêm com o rio, marcada por um percurso marginal linear, assim como a permanência de elementos representativos da presença industrial deste cais, caraterizam uma identidade muito própria e próxima à realidade fabril que existiu no Ginjal. Entre estes elementos singulares de ligação ao plano de água, podemos encontrar um conjunto de seis pontões, que tiverem uma forte relação com os armazéns ligados à indústria do bacalhau, principalmente a Fábrica de Gelo e o Grémio dos Armadores da Pesca do Bacalhau. Outros elementos são duas escadas, recortadas no paredão, que apoiavam as descargas de embarcações mais pequenas que levavam vinho e azeite até aos armazéns.

36Na ligação a espaços interiores, é de destacar a passagem existente na antiga Pensão “O Bom Gosto”, à qual se chamaria corredor e pátio do Ginjal, e que daria ligação mais à frente, a partir de uma escadaria, a uma pequena vila operária.

Regeneração do património industrial de Almada

37Como estrutura base, Regeneração Urbana surge como principal modelo de intervenção no território, onde os antigos núcleos industriais estabelecem-se como elementos de suporte a esta operação. A importância destes espaços define-se pelo peso que representam para o tecido urbano da cidade e na sua relação com o rio. Aqui o seu valor patrimonial assim como as infraestruturas que os compõem são recuperados de forma a serem reenquadrados num panorama funcional do território. Contribuindo para uma estruturação económica e social, podendo, assim, usufruir de uma centralidade de novas funções, usos e articulações para o tecido da cidade.

Objetivos – recuperar o tecido urbano na relação cidade-rio

38Numa primeira instância, esta proposta visa dinamizar uma parte abandonada da cidade de Almada, descaraterizada e envelhecida do território, partindo maioritariamente da reabilitação e reuso destes polos industriais. Intenta-se assim a implementação de estratégias de usos ligados às economias locais, ao contexto de inserção social e à dinamização de componentes culturais de atração local.

Figura 11 - Principais espaços de intervenção na estratégia de Regeneração Urbana

Figura 11 - Principais espaços de intervenção na estratégia de Regeneração Urbana

Fonte: Do autor

39Pretende-se dinamizar o interesse público destes espaços, atraindo uma população mais jovem e estimulante, impulsionando o investimento e fixação nestes espaços. Ao regenerar estes lugares estamos a recuperar grandes espaços industriais e a contextualizá-los na paisagem urbana, onde a sua imagem é adaptada e integrada no cenário urbano.

40De forma a preservar a imagem do património industrial aqui presente, a natureza destas intervenções pretende trazer para esta parte do território funções e usos não característicos da restante cidade, de forma a dinamizar e promover a vivência numa parte da cidade readaptada a novas formas de utilização e do proveito que se pode ter da relação com o rio.

Ginjal – reabitar um novo Cais

41Como principal momento de aproximação ao território temos o Cais do Ginjal como elemento de estudo a uma intervenção de projeto urbano. Pensando-se numa estratégia focada numa intervenção entre percurso e arquitetura, resultando numa solução onde os vazios e os elementos construídos se complementam numa vivência simbiótica.

Figura 12 - Relação de percursos entre o plano marginal e a cidade

Figura 12 - Relação de percursos entre o plano marginal e a cidade

Fonte: Do autor

42Esta intervenção visa reabilitar e reutilizar as várias estruturas aqui presentes assim como introduzir neste tecido novos elementos de estruturação urbana, de contato com o rio e de ligação à cidade. Reestrutura-se, assim, no Ginjal um cais definido pela reinterpretação e reutilização destes espaços em pequenos núcleos, contextualizados maioritariamente na vertente cultural, cívica e com destaque na provisão de espaços públicos.

43Posto isto, temos uma componente prática onde se divide esta intervenção em três zonas base funcionais. Onde, numa primeira linha de armazéns temos a reutilização de antigas estruturas industriais, onde a reutilização destes espaços visa a criação de instalações relacionadas com a ideia de novas oficinas, espaços de coworking e startups. Com esta intervenção pretende-se uma fixação de grupos etários mais jovens e a adaptação destes armazéns a um núcleo empreendedor. Num segundo momento, e mais central à intervenção, é proposto um núcleo cívico e social, onde podemos encontrar o Cubal - que se define na sua base pelo antigo Grémio e no seu topo a Fábrica de Óleo de Fígado de Bacalhau – que passa a ser uma praça em forma de concha onde o antigo Grémio é readaptado a espaço multiusos e os espaços adjacentes em zonas comerciais e pequenas oficinas. Por fim, temos um terceiro núcleo composto por espaços culturais onde podemos encontrar um armazém adaptado a centro interpretativo e pequenos estúdios de aluguer para fins artísticos.

44Em termos morfológicos, temos um corredor ribeirinho marcado por pequenas torções que ajudam a criar elementos de exceção, como rampas de acesso ao rio e momentos de pausa em forma de largos. Paralelamente a este paredão temos um conjunto de pontões, que funcionando como elementos de contato com o plano de água, servem como elos de articulação entre os diferentes planos desta intervenção. Constituindo assim uma reinterpretação do pontão, mantendo a sua identidade simbólica, em relação ao rio, com o qual define um momento de pausa e um lugar apreciação.

Figura 13 - Maquete final

Figura 13 - Maquete final

Fonte: Do autor

Reutilizar o património industrial – O caso do armazém da Sociedade Theotónio Pereira

45Como proposta de arquitetura optou-se pela reabilitação e reutilização de um objeto arquitetónico representativo da vocação industrial deste cais. Escolheu-se, assim, os armazéns da antiga Sociedade Comercial Theotónio Pereira, da qual fazem parte quatro grandes naves que teriam servido como armazéns e tonéis de vinho e azeite.

Figura 14 - Fotografia dos armazéns da Sociedade Theotónio Pereira na década de 1950

Figura 14 - Fotografia dos armazéns da Sociedade Theotónio Pereira na década de 1950

Fonte: https://almada-virtual-museum.blogspot.pt/​

46Estes armazéns, tendo-se aqui assentado em meados do séc. XIX, representam uma das presenças mais fortes deste percurso marginal, constituindo um dos patrimónios industriais mais representativos do Ginjal. Como elementos de grande foco deste edifício podemos encontrar o muro que limita um pequeno pátio e o enquadra na torção que o paredão faz neste troço, assim como duas escadas escavadas no percurso, que serviriam como cais privativo e formas de acesso ao rio.

47Parte-se assim de uma premissa base de reabilitação e reutilização a uma nova função, deixando de ter a qualidade de armazém, e passando a caraterizar-se pelo Centro Interpretativo da Indústria do Bacalhau. Na qualidade de reabitar o espaço adotou-se uma estratégia onde tanto o espaço interior como o circundante são reinterpretados de modo a criar uma simbiose entre os diversos espaços e na forma como o experimentamos. Nesta proposta exploraram-se vários elementos como a luz, o espaço, a forma e a matéria, assim como, o conteúdo expositivo, a partir de uma experimentação e exploração da arquitetura, tendo como ferramenta de projeto o percurso como agente criador de ambientes e de lugares. Complementado por uma componente de relação exterior e interior, onde o espaço de entrada e receção proposto para o presente projeto, definido por um célebre muro, permitindo uma enorme permeabilidade visual entre o edifício e a composição paisagística do rio Tejo.

48A estratégia e intervenção propostas para este edifício procuram reinventar a forma como podemos viver estes espaços e como a memória pode permanecer no lugar. Onde através do processo de Reutilização deixa-se presente a imagem original do conjunto edificado e readapta-se o seu interior a uma nova realidade. A simbiose entre o novo e o antigo; a memória e o presente; a ruína e o habitado resultam numa intervenção fulcral que agrega este elemento do património industrial de Almada num processo de reutilização e reintegração do território.

Figura 15 - Axonometria explodida do Centro Interpretativo

Figura 15 - Axonometria explodida do Centro Interpretativo

Fonte: Do autor

Considerações finais

49A cidade de Almada é um território cuja relação Cidade-Rio se perdeu no tempo. Após um processo faseado de ocupações portuária industrial, que glorificaram as Frentes Ribeirinhas deste território, e uma pós-industrialização que despoletou o uso destes espaços e os tornou obsoletos, enfrentamos agora uma realidade que se desarticula com um tecido urbano consolidado.

50As propostas de estratégia de intervenção territorial, assim como o projeto de intervenção aproximada à arquitetura, surgem como formas de resposta às problemáticas que se enfrentam atualmente no território ribeirinho de Almada. A transformação destas frentes industriais abandonadas e a transposição das barreiras existentes entre os planos terrestres e fluviais, constituem abordagens de reutilização do espaço a novos programas e usos, permitindo uma transformação da paisagem industrial, onde esta não perde a sua identidade. Da mesma forma as práticas de Regeneração Urbana do Cais do Ginjal reutilizam os armazéns e espaços existentes para novos programas e usos, articulando pequenos espaços públicos ao longo do percurso marginal, os quais incentivam a ligação entre estes espaços propostos e a cidade pré-existente. Estas operações permitem uma nova conexão entre o território, assim como alicerçam uma nova ligação entre territórios, entre margens e entre pessoas.

51Assim, entende-se que se adotaram estratégias de intervenção que solucionam o problema de relação de Cidade-Rio existente no tecido urbano de Almada, tal como se abordaram diferentes formas de intervenção no território que solucionam o novo papel destes lugares às novas funções e programas e às dinâmicos de articulação de espaços, que não deixam de respeitar o património e paisagem industrial destas Frentes Ribeirinhas nem a imagem da cidade de Almada.

52É imperativo olhar para estes espaços, antigas indústrias que revolucionaram o território e a sociedade, com uma perspetiva de futuro, onde a intervenção em vastos espaços ainda obsoletos e desfragmentados, gera a oportunidade de repensar o território, de transformar a paisagem urbana e salvaguardar a memória industrial que é património das cidades modernas.

Bibliographie

ALMEIDA, Diana Neves (2009) – Planeamento e Gestão de Frentes de Água: A Frente Ribeirinha Norte de Almada, Novos Espaços, Novos Tempos. Tese de Mestrado. Lisboa, Faculdade de Letras: Universidade de Lisboa.

CARRIÇO, Marlene (2015) – Cais do Ginjal. Da Fortuna à decadência. OBSERVADOR, Lisboa. [Consult. 5 maio 2016]

CHOAY, Françoise (2017) – Alegoria do Património. 2ª ed. Lisboa, Edições 70.

COSTA, João Pedro (2013) – Urbanismo e Adaptação às Alterações Climáticas: As Frentes de Água. 1ª ed. Lisboa, Livros Horizonte.

IGESPAR (2010) – KITS – PATRIMÓNIO|KIT03: Património Industrial. Documento Definitivo, versão 1.1. Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, Lisboa.

FERNANDES, André (2014) - Dinâmicas de Revitalização de Frentes Ribeirinhas no Período Pós-Industrial: o Arco Ribeirinho Sul do Estuário do Tejo. Tese de Doutoramento. Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - Universidade Nova de Lisboa.

GONÇALVES, Elisabete (2000) – Memórias do Ginjal. 1ª ed. Almada, Centro de Arqueologia de Almada.

HOYLE, Bryan (1996) – Cityports, Coastal Zones and Regional Change, International Perspectives on Planning and Management.ed. Inglaterra, John Wiley & Sons.

MARSHALL, Richard (2004) – Waterfronts in Post-Industrial Cities: Taylor & Francis.

MEYER, Han (1999) – City and Port: The Transformation of Port Cities: London, Barcelona, New York and Rotterdam.ed. Utrecht, International Books.

MONTEYS, Xavier et al. (2012) – Rehabitar en nueve episódios. Madrid, Lampreave.

MOREIRA, Maria da Graça (2007) – Requalificação urbana: Alguns conceitos básicos. Lisboa, Artitextos. n.º 5, pp. 117-129.

MOURA, Dulce et al. (2006) - A Revitalização Urbana: Contributos para a definição de um conceito operativo. Cidades – Comunidades e Territórios, nº 12/13, pp. 15-34.

ROBERTS, Peter (2005) – The Evolution, Definition and Propose of Urban Regeneration. Londres, Sage Publications.

TICCIH (2003) - CARTA DE NIZHNY TAGIL SOBRE O PATRIMÓNIO INDUSTRIAL, Nizhny Tagil.

PORTAS, Nuno (1998) – Cidades e Frentes e Água / Cities and Waterfronts. Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto.

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Fotografia da fachada
Crédits Fonte: https://www.domusweb.it/en/architecture/2014/04/16/centro_interpretativo_do_patrim_nio_da_afurada_.html
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14568/img-1.png
Fichier image/png, 1005k
Titre Figura 2 - Traçado de Almada no início do séc. XIX
Crédits Fonte: Do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14568/img-2.png
Fichier image/png, 82k
Titre Figura 3 - Vista aérea da Frente Ribeirinha de Almada na década de 1950
Crédits Fonte: https://almada-virtual-museum.blogspot.pt/​
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14568/img-3.png
Fichier image/png, 1,4M
Titre Figura 4 - Traçado de Almada na década de 1940
Crédits Fonte: Do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14568/img-4.png
Fichier image/png, 118k
Titre Figura 5 - Vista tomada do miradouro da Boca do Vento na década de 1940
Crédits Fonte: https://almada-virtual-museum.blogspot.pt/​
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14568/img-5.png
Fichier image/png, 677k
Titre Figura 6 - Traçado de Almada na década de 1960
Crédits Fonte: Do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14568/img-6.png
Fichier image/png, 191k
Titre Figura 7- Fase de construção da doca 13 na Lisnave
Crédits Fonte: https://almada-virtual-museum.blogspot.pt/​
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14568/img-7.png
Fichier image/png, 1,4M
Titre Figura 8 - Traçado de Almada no início do séc. XXI
Crédits Fonte: Do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14568/img-8.png
Fichier image/png, 228k
Titre Figura 9 - Funções existentes no Cais do Ginjal
Crédits Fonte: https://almada-virtual-museum.blogspot.pt/​
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14568/img-9.png
Fichier image/png, 347k
Titre Figura 10 - Vista geral do Cais do Ginjal tomada do cacilheiro na travessia do rio Tejo
Crédits Fonte: Do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14568/img-10.png
Fichier image/png, 348k
Titre Figura 11 - Principais espaços de intervenção na estratégia de Regeneração Urbana
Crédits Fonte: Do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14568/img-11.png
Fichier image/png, 332k
Titre Figura 12 - Relação de percursos entre o plano marginal e a cidade
Crédits Fonte: Do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14568/img-12.png
Fichier image/png, 546k
Titre Figura 13 - Maquete final
Crédits Fonte: Do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14568/img-13.png
Fichier image/png, 144k
Titre Figura 14 - Fotografia dos armazéns da Sociedade Theotónio Pereira na década de 1950
Crédits Fonte: https://almada-virtual-museum.blogspot.pt/​
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14568/img-14.png
Fichier image/png, 199k
Titre Figura 15 - Axonometria explodida do Centro Interpretativo
Crédits Fonte: Do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14568/img-15.png
Fichier image/png, 44k

Auteurs

Mestre em Arquitetura, especialização em Urbanismo, Faculdade de Arquitetura, Universidade de Lisboa; joaogbag92@gmail.com

Professor Auxiliar, CIAUD, Faculdade de Arquitetura, Universidade de Lisboa; jcrespo@fa.ulisboa.pt

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search