Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

A diversidade de investigações sobre o património industrial: nas universidades, nas empresas e entre o público em  geral

“Nós criamos uma raça”. O discurso identitário na narrativa expositiva do Museu Estadual do Carvão (Arroio dos Ratos/RS - Brasil)

Clarissa Wetzel de Oliveira

Résumé

Na Arroio dos Ratos do início do século XX, a comunidade local viu surgir e desaparecer uma importante indústria mineradora, tanto para o Rio Grande do Sul, quanto para o Brasil. Com o fim da atividade extratora, a vila operária construída pelas companhias mineradoras foi desmantelada, restando apenas ruínas, memórias e os sentimentos de perda e orgulho pelo árduo ofício. Assim, a criação do Museu do Carvão nos remanescentes da antiga usina termoelétrica e poço de carvão foi percebida como uma oportunidade de reconstrução para esta comunidade, agindo igualmente como sustentação de uma “identidade mineira” pulsante. Mas não foi oportunidade apenas para ela, também para a companhia mineradora e para o próprio Estado. Neste contexto os espaços de memória são utilizados como aparatos fundamentais para a divulgação de determinadas mensagens, entre elas representações da memória e de identidades. Partindo disso, este estudo investiga as narrativas museológicas presentes no Museu do Carvão em dois momentos distintos, quando da reabertura do museu em 1994 e 20 anos depois, em 2014, com o objetivo de identificar, avaliar e compreender as relações entre identidade, memória e as instituições museais.

Texte intégral

  • 1 Para fazer esta leitura menos repetitiva, utilizar-se-á MCAR ou apenas Museu do Carvão.

11. Disse um ex-operário sobre seu grupo e das condições de trabalho que eram expostos os mineiros no subsolo: “o rigor da nossa atividade nos criou um tipo diferenciado de operário [...] nós criamos uma raça” (LIMA, 2006). Fica a provocação, se pensarmos no discurso disseminado pelo Museu Estadual do Carvão (MCAR)1, quem é esse “NÓS” criador e, sobretudo, que “RAÇA” (identidade) foi criada a partir do museu? Para responder esta pergunta, fez-se necessário historicizar a instituição e problematizar a identidade mineira construída e legitimada por ele junto à comunidade arroio-ratense. Referenciada nos conceitos de patrimônio industrial, identidade e memória, analisou-se a exposição de longa duração do museu a fim de identificar as vozes e disputas por trás do projeto expositivo; que identidade está sendo veiculada pela mesma, e se representa o modo como esta comunidade percebe-se.

  • 2 Jover Telles, ex-mineiro e deputado comunista, em defesa da encampação das minas de São Jerônimo pe (...)

22. Em funcionamento na vila de Arroio dos Ratos desde 1908, o poço de extração de carvão mineral “Fraternidade” (Poço 1), foi cenário digno do Germinal, de Émile Zola. Em condições precárias de higiene e segurança, o elevador movimentava-se em três turnos de 8 horas de trabalho ininterruptos, transportando homens e meninos “vestindo somente uma tanga como roupa, de alpercatas e muitas vezes descalço”2, munidos de lampiões de carbureto. Tão logo outros poços de extração foram sendo abertos, o Poço 1 tornou-se obsoleto, sendo incorporado à estrutura da primeira usina termelétrica do sul do Brasil. De posse da Companhia Estrada de Ferro e Minas de São Jerônimo, a termelétrica, cujo funcionamento deu-se entre 1924 e 1956, foi sinônimo de desenvolvimento para as comunidades construídas na região.

3Como todo conglomerado operário, o sistema vila-fábrica implantado na região tinha como finalidade estabelecer uma relação harmoniosa entre o operário e os interesses do capital. A imagem paternalista construída pelos industriais visava associar a autoridade patronal a do pai; apresentar a fábrica como extensão do lar assegurava a integração dos mineiros ao aparato produtivo, negando o conflito capital/trabalho. O pesquisador Elias Estanque (2000, 94-95) aponta que o resultado deste processo foi a perda da autonomia pelo grupo comunal, onde antes tinha-se um reduto de resistência, passou a existir um veículo de dominação. Todavia, a experiência arroio-ratense, apesar do controle, também deu subsídios para a produção de formas de identificação específicas, emergindo o sentido de partilha comunitária, geralmente inscrito nas identidades coletivas, abrangendo trabalhadores e todos aqueles que dependiam da estrutura montada pela usina.

  • 3 O qual os trabalhadores viviam em povoados isolados, onde tudo – da escola até a assistência médica (...)

4Dentro deste modelo3, a indústria carbonífera gaúcha alcançou seu auge na 2ª Guerra Mundial, quando alimentou o Brasil e outros países, porém, ao fim do conflito, a aquisição do carvão estrangeiro foi regularizada e introduzido, aos poucos, um substituto mais barato para o produto nacional: o óleo combustível (SPERANZA, 2013, 418). A queda no consumo de carvão afetou a indústria gaúcha, que fechou muitos de seus postos de extração, na década de 1950, buscando opções mais lucrativas. Deste modo, a vila de Arroio dos Ratos teve sua termoelétrica desativada, o complexo industrial desmantelado, abandonando a comunidade estabelecida nela.

5Com a decadência da função primordial da usina, as representações sobre ela se transformaram, modificando a significação daquele espaço para a cidade e, por conseguinte, na constituição da comunidade carbonífera arroio-ratense. É cada vez mais comum, ante a desindustrialização, que espaços fabris sejam reutilizados e ressignificados, estando o campo do patrimônio aberto a essas inclusões, utilizando-se de estratégias de preservação como a musealização, a fim de

[...] não apenas garantir a integridade física de uma seleção de objetos, mas também promover ações de pesquisa e documentação voltadas à produção, registro e disseminação das informações a eles relacionadas, com vistas à transmissão a gerações futuras. (BISPO & SANTOS, 2012, 51)

6Assim, em março de 1986, foi criado por decreto o Museu Estadual do Carvão, com a finalidade de promover atividades que auxiliassem no conhecimento da história do carvão no Rio Grande do Sul, a partir de prédios e galerias subterrâneas; posteriormente, maquinário, ferramentas, utensílios da antiga usina e de extração mineral, mobiliário, fotografias, mapas, livros e documentação da época, referentes ao ofício e à construção das vilas operárias.

7Infelizmente, entre 1986-1991, o museu permaneceu fechado, frustrando as expectativas da comunidade. Foi apenas ao final de 1992, já no governo de Alceu Collares (PDT), que o então diretor Fábio Coutinho obteve recursos para a implementação do projeto de restauração do complexo industrial. Esses investimentos possibilitaram a construção, em 1994, da exposição “Ecos do Carvão presentes na Cultura”, no prédio restaurado da Usina, sendo boa parte do legado atual do museu associado a este momento.

83. Por tratar-se de uma investigação sobre patrimônio e identidades, pareceu-nos pertinente partir da construção identitária mineira arroio-ratense antes de sua consolidação no Museu. Para isso, baseamo-nos nos três aspectos definidos por Isabel Bilhão (2005): reconhecimento, distinção e memória coletiva.

  • 4 Foram essenciais na tentativa de compreender o universo de trabalho nas minas de carvão do Rio Gran (...)

9Acerca do “reconhecimento”, Bilhão (2005, 52-53) ressalta a ressignificação do estigma do trabalho braçal em algo a se sentir orgulho. Inúmeros são os relatos das condições de trabalho nas minas4, histórias pontuadas pelo risco à mão de obra empregada na atividade mineradora, mas narrativas marcadas pelo orgulho e pela solidariedade da categoria.

10Do mesmo modo, para a coesão de um grupo, faz-se necessária a existência do Outro – algo/alguém externo, uma ameaça que assume a condição de demarcador dos limites (muitas vezes imaginário) deste grupo – distinguindo e assegurando a lealdade e cooperação na esfera grupal (BILHÃO, 2005, 68-87). No caso da identidade operária, teremos sempre os patrões como o Outro. Mesmo assim, não há como afirmar que uma identidade, seja ela qual for, é homogênea, pois está constantemente em processo de (re)formulação. Não podemos atribuir-lhe uma essência imutável, mesmo que muitas vezes o grupo identitário busque a construção de uma uniformidade apoiada em memórias livres de contradições.

11Adentramos no terceiro aspecto: memória coletiva. No conceito cunhado por Maurice Halbwachs na obra de mesmo nome, afirma-se que a memória deve ser entendida como um fenômeno coletivo e estabelecido socialmente, sujeito a transformações constantes. Cada memória individual é um ponto de vista na memória coletiva, o qual modifica-se segundo tempo-lugar que o indivíduo ocupa. Portanto, mesmo se tratando, a priori, de uma lembrança do passado, tem seu “gatilho” disparado no presente. Assim, relacionada às nossas necessidades, entendemos também que a memória é seletiva, ou seja, escolhemos, conscientemente ou não, o que lembrar e o que esquecer.

12Sobre as formas de apreensão das experiências passadas, Pollak (1992, 201-204) acrescenta que há diferentes modos de percebê-las: as vividas pessoalmente; e as “vividas por tabela”, cujo os acontecimentos são sofridos pela coletividade a qual a pessoa se sente pertencente, não estando necessariamente no seu espaço-tempo (como muitos descendentes de mineiros). Isso significa que a memória é herdada.

13Todas essas afirmativas – memória é uma construção coletiva, seletiva e herdada – estreitam a ligação entre memória e identidade. Porém não se trata apenas de aludir à formação de uma memória comum compartilhada, é preciso considerar o esquecimento (memória sem contradições).

Não [havia rivalidades]. Cada um trabalhava, fazia o que podia para ver se ganhava mais, mas não havia olho grande no que ganhava mais. Às vezes um era mais trabalhador que o outro, produzia mais carvão. Os chefes tinham direito de folgar, ganhavam bastante, mas não tínhamos ciúmes deles. (SUTEL, 2002)

14Logo, entendemos que a identidade operária mineira não é condição definitiva, tão pouco fundou-se na homogeneidade. Todavia que baseia-se no orgulho e na honra, que sua existência dependeu do antagonismo dos patrões e que, por ser um processo contínuo de (re)construção, necessita ser (re)lembrada.

15Além disso, Speranza (2012, 78) acrescenta que o confinamento geográfico das vilas operárias repercutiu na constituição deste grupo específico, pois a relação de dependência que se estabeleceu entre fábrica e comunidade acentuou o espirito “particularista” dos mineiros, reforçando a coesão e o senso de solidariedade entre trabalhadores, e entre suas famílias. Com o cuidado de não transpor a identidade operária mineira para uma identidade comunitária, acreditamos numa intersecção entre ambos os processos em decorrência do isolamento espacial, como na comunidade chapeleira/calçadista de São João da Madeira, em Portugal.

A questão do espaço continua, portanto, a ser crucial na articulação entre a classe e a comunidade. Do mesmo modo que as relações de produção e de reprodução do capitalismo não podem ser tomadas como entidades a flutuar no vazio, os processos sociais de estruturação identitária – sejam eles baseados numa lógica comunitária, numa lógica de classe, ou na base da articulação entre ambas – decorrem sob o ritmo da estruturação espacial. (ESTANQUE, 2000, 71)

16Em decorrência dessa relação dentro da vila operária, com o fechamento da Usina são observadas mudanças, principalmente nas condições de vida das populações locais, o que demonstra a relação de dependência destas comunidades com a indústria carbonífera. Sem a manutenção de serviços básicos, muitos abandonaram a vila operária, e os que permaneceram alimentavam a expectativa de que o poder público assumisse o papel até então protagonizado pela Companhia, o que veio a acontecer, mas de modo precário. Na década seguinte, a alternativa encontrada foi a emancipação política, entretanto, a esperança de retomada dos indicadores socioeconômicos vivenciados no tempo áureo da mineração acabou frustrada e a comunidade local jamais atingiu o patamar das décadas de 1930-1950. Restava agora recorrer à memória, como feito em outras localidades:

[...] desmonte das fábricas e de seus bens imobiliários, inclusive daqueles vistos como os mais simbólicos e representativos de uma era, trazem à baila, para setores da sociedade civil local, a necessidade de obtenção dos meios de objetivar e reproduzir entre as gerações uma memória que mantenha algo de uma identidade social que foi construída ao longo do século XX. (LEITE LOPES; ALVIM, 2009, 240)

17No relato do ex-operário João Gomes (2002) é citada sua participação no gérmen de criação do Museu do Carvão, em reunião junto à administração municipal. O depoente narrou que foi um dos que apresentou a ideia, pedindo que o patrimônio não fosse dilapidado, “que não tirassem mais um tijolo” das ruínas do Poço 1 e Usina Termoelétrica, pois era o que restara da mineração em Arroio dos Ratos.

18Este sentimento do ex-mineiro sobre os “restos industriais”, está contemplado na Carta de Nizhny Tagil (2003), documento voltado ao patrimônio industrial, o qual diz que “continuar a adaptar e utilizar edifícios industriais evita a perda de energia e contribui para com o desenvolvimento sustentável”. É uma questão econômica, todavia de memória e identidade também, pois a “continuidade implicada na reutilização traz estabilidade psicológica para comunidades que estejam encarando o fim repentino de fontes de emprego há muito existentes” (Ibidem, 136).

19Instalado no antigo espaço de produção, o Museu do Carvão mostra-se fonte de reflexão sobre a história do trabalho e do ofício mineiro, bem como da construção de memórias e identidades desses operários e da comunidade carbonífera. Se a identidade operária se mantém por laços de solidariedade contra o empregador, após o fim das atividades que os unira, são colocados diante de novo “opressor”: o esquecimento. Deste modo, os remanescentes da Usina Termoelétrica e toda a estrutura extramuros da fábrica – a própria cidade de Arroio dos Ratos – são percebidos legado patrimonial material e parte da imaterialidade presente na formação da comunidade carbonífera.

204. O Museu do Carvão é um museu da indústria, tanto quanto um museu histórico. Nesta afirmação assumimos que os museus da indústria, seus remanescentes edificados e equipamentos, não podem ser dissociados de seu aspecto humano, e que neste caso, assim como os museus de história, também devem ser espaços voltados para a produção e disseminação de conhecimento histórico – inferências do passado a partir do acervo material móvel/imóvel e imaterial. No passado os museus históricos garantiam a preservação dos bens culturais dos estratos detentores de poder e, na sua maioria, apresentava uma representação simbólica de identidade (VASCONCELLOS, 2007, 19).

21Esta característica dos museus históricos encontra-se no MCAR: espaço físico e simbólico do trabalho, provocador de memórias e sentimento de pertença da comunidade carbonífera, o qual erige uma identidade mineira a partir da legitimação do passado. Não por acaso diversos grupos fizeram-se presentes na sua criação, entre eles a empresa mineradora, o Estado, e, claro, a comunidade local.

22Neste embate, a ação da Companhia foi pouco expressiva, aparecendo apenas na doação da área da Usina, na venda do entorno e da doação de peças ao acervo para a montagem da exposição. A esse respeito, o ex-diretor Fabio Coutinho (2017) enfatiza o temor de que se expusesse negativamente a empresa à população, mudando de postura assim que o Museu do Carvão foi reinaugurado, em 1994.

23A partir da documentação pesquisada, da criação à reabertura do MCAR (1986-1994), o Estado do Rio Grande do Sul foi o protagonista. Foi iniciativa dos agentes patrimoniais do Estado a criação e preservação dos remanescentes da antiga termelétrica, bem como o modo como se deu a adaptação do espaço e seus usos.

O Museu Estadual do Carvão podia fazer o que bem entendesse independente do que a câmara ou a prefeitura quisessem, aquilo lá não é território do município... é estadual, entende, eu sinto muito, mas a prefeitura ficou de lado de todo processo [...] passava a verba, a prefeitura tinha que cumprir o convênio, mas o projeto não foi como a prefeitura queria, como o arquiteto quisesse, foi como nós da secretaria de cultura queríamos, foi um projeto nosso... (Ibidem)

24Porém, mesmo que seus agentes, na figura de seus diretores, buscassem construir um espaço cultural de acordo com pensamentos museológicos em vigor na época, prevaleceram os propósitos do governo em usar o Museu como propaganda na reativação da exploração do carvão. Nesse sentido, a aproximação dos conceitos ecomuseais e comunitários não foi bem-sucedida, a participação da comunidade é quase inexistente no processo, estando sua presença em poucas figuras e de alguns dirigentes locais.

[...] fui vereadora dez anos no município [de 1983 a 1992], batalhemos por este museu do carvão, mas a gente é quase voz isolada. (LIMA, 2013)

25A historiadora Tassiane Freitas (2005, 90) salienta que com o fim da atividade, permaneceram na cidade alguns aposentados da atividade extrativa e seus descendentes, os quais com a morte desses ex-mineiros não encontravam “motivações suficientes entre [eles], a fim de preencher com novas cores os referentes que a cada dia se perdiam”. Assim, a comunidade mineira silenciou-se ao mesmo tempo que foi silenciada, mostrando-se após a reabertura do Museu do Carvão, em 1994, com a doação de acervo, provavelmente por não se ver refletida naquele espaço.

26Portanto, cientes de que o processo de construção do discurso museológico é sempre um caminho longo e contínuo – de pesquisa, coleta, documentação e conservação do acervo –, a ideia de que o patrimônio é um bloco único e a exposição é neutra, que muitas vezes permeia o imaginário do visitante, é ilusória. São numerosos os fatores que influenciam nas narrativas museológicas, não assumir escolhas é esgotar as possibilidades de problematização da exposição histórica com representação única do passado. Desse modo, acreditamos que nenhum museu é apolítico, tão pouco o foi/é o MCAR. E no seu caso específico – espaço histórico e industrial – as reflexões sociais próprias não foram efetivas na sua construção, ao contrário, a comunidade local aparece dissolvida, e a instituição tornou-se instrumento de uma política de incentivo regional do governo, que estabeleceu metas e determinou seu discurso expográfico.

275. Para a Museologia a comunicação museológica – seja ela projetos educativos ou a própria exposição – é parte de uma série de ações dentro do museu. Todavia, para a maioria dos visitantes, o discurso expositivo é aquilo que os atinge. É neste momento que sem tem a oportunidade de realizar uma leitura do mundo/realidade dada e se possibilita uma (re)leitura de si mesmo e de sua realidade no presente.

28É através do objeto museal, agente de informação, e do espaço museológico, enquanto narrador autorizado, que se constrói o discurso próprio da instituição. Assim, observada como uma das principais instâncias de mediação dos museus, a exposição museológica – à primeira vista, uma composição de elementos organizados no espaço – comunica determinada mensagem, sempre com uma finalidade e posicionamento ideológico bem definidos (VASCONCELLOS, 2007, 82-83). Seguindo o pensamento de Assmann (2008, 98-99), mensagens aqui são entendidas como “textos” dirigidos à posteridade que “normalmente são escritas e efetivamente encenadas pelos portadores do poder e pelas instituições do Estado”, e geralmente encontradas nas instituições de memória que mantêm o passado como presente apoiado no cânone, tal como os museus.

29Nesse sentido o estudo do conceito de memória cultural proposto por Jan Assmann (2011b) que trata da memória institucionalizada em cânones faz-se pertinente. O estabelecimento da memória como um fenômeno socialmente mediado, que remonta a Halbwachs, é o ponto de partida do teórico alemão que a distingue em “memória comunicativa” – limitada ao círculo de algumas gerações transmissoras da memória através da oralidade, prática corrente na comunidade mineira – e a “memória cultural” – que consiste em formas de cultura cristalizadas em textos, imagens, monumentos, etc. (ASSMANN, 1995, 126-128).

30Para ele o conceito desenvolvido por Halbwachs está ligado a uma vontade de memória, ou seja, os indivíduos buscam uma memória para pertencer; ela é elaborada para que o indivíduo viva socialmente, sendo culturalmente construída. Igualmente, é instância em que se dá a transmissão de valores e normas que caracterizam uma identidade coletiva, recorrendo ao arquivo cultural de tradições, arsenal de formas simbólicas, dentro do tesouro de estórias do grupo (ASSMANN, 1995, 130-131). Relacionado a vontade de memória, criam-se, como reforço para o desejo do lembrar, as “memórias de ajuda” ou os “lieux de mémoire”, espaços nos quais se concentram a memória nacional, regional ou de grupo, seus monumentos, rituais, costumes e etc., como necessidade de uma narrativa de identidade (ASSMANN, 2006, 8-9).

31O conceito cunhado por Pierre Nora, na obra Les lieux de mémoire (1984), diz que esses “lugares” seriam toda a

[...] unidade significativa, de ordem material ou ideal, da qual a vontade dos homens ou o trabalho do tempo fez um elemento simbólico do patrimônio da memória de uma comunidade qualquer. >> (NORA, 1993 apud ENDERS, 1993, 134)

32Ao efetuar um inventário simbólico da França, Nora percebe unidades emblemáticas construídas pelos franceses, e ao mesmo tempo constitutivas dos mesmos. O historiador ainda afirma que “são lugares, com efeito nos três sentidos da palavra, material, simbólico e funcional simultaneamente” (NORA, 1993, 21). O MCAR encaixa-se nesse perfil: espaço compreendido como lugar de memória uma vez que se constitui materialmente, é atribuído a ele inegável valor simbólico, e é funcional, ao garantir a cristalização da memória a partir da narrativa expositiva.

33Assim, compreendemos o museu como locus de representação de discursos constituidores tanto de patrimônio, quanto de memórias e identidades; e que também é, ao apresentar esses discursos, espaço por excelência da legitimação de “verdades”. Se verdades são socializadas, permeadas por critérios ideológico-políticos e pelas relações de poder, é oportuna as conclusões de Ricoeur (2007) sobre os usos/abusos da memória, e consequentemente do esquecimento, pelos detentores de poder na formação de identidades, sobretudo, através da manipulação dos modos de instrumentalização da memória – os museus.

34Por este motivo é necessário atentar-se à intencionalidade discursiva e à virtualidade do emissor da narrativa expositiva. A mensagem é uma das funções do discurso, a troca comunicativa que ocorre entre aquele que o produz e seu receptor, estando, no caso dos museus, o emissor oculto atrás do contexto criado pela instituição (BITTENCOURT, 2001, 159). Por isso a necessidade de compreender que os objetos são apenas coisas – até serem investidos de poder simbólico e comunicativo pelos indivíduos –, que a exposição é suporte (como o livro é para a escrita), e que é o pesquisador, geralmente de acordo com o posicionamento da instituição, quem fala e organiza a narrativa.

A múmia é um sinal, um dos incontáveis milhões de indícios que o passado largou, desorganizados, sobre o mundo. Quando situado na exposição de um museu, não mostra nem o passado nem o mundo, mas uma proposta que, dentre outras indicações, situa o passado e organiza o mundo. (BITTENCOURT, 2001, 155)

35Também entendemos que, consoante às problemáticas levantadas pelos pesquisadores a partir dos objetos, são inúmeras as possibilidades narrativas, vide releituras de uma fábrica desativada:

[...] é uma sobra, um elemento remanescente do passado. Nela não se produzem mais quaisquer objetos destinados ao uso. A gente apenas a exibe ao público. O público, triste ou embravecido, vê nos muros e nas máquinas um monumento do proletariado ou dos capitães da indústria, da luta de classes ou da preocupação do empresário com seus empregados, um memorial sobre a exploração do trabalhador pela alta burguesia e sobre a acumulação do capital, ou, ao contrário, uma imagem do espírito empreendedor, do progresso da técnica e da conquista de mercados. Nossa fábrica tornou-se um objeto de discussões e das atitudes, expressão de diversas posturas em face do passado que ela corporifica. De agora em diante, ela funcionará em um circuito semiótico. (POMIAN, 1990 apud ASSMANN, 2011a, 352)

36Todos esses questionamentos poderiam ser aplicados ao MCAR, quais o foram? Se o museu, como cânone cristalizador da memória, geraria e manteria o sentimento de pertença da comunidade carbonífera, que identidade estaria presente no seu discurso?

376. A metodologia empregada durante a pesquisa consistiu em revisão bibliográfica sobre o tema, levantamento da memória institucional, descrição das exposições, estudo fotográfico do espaço do museu para construção de plantas baixas e empreender exame mais apurado. Assim, coletamos dados suficientes para a análise da exposição “Ecos do Carvão presente na Cultura” em dois momentos: em 1994, quando da reabertura do Museu, e 20 anos depois, em 2014.

38Percebemos que, em 1994, contar da história do carvão não significava imortalizar a glória passada, mas “resgatá-la”. Os esforços da equipe designada para a transformação do complexo industrial em museu foram por demonstrar ao governo federal um poderio energético frente ao eixo Rio-São Paulo e, igualmente, trazer o olhar da população local para a riqueza do “ouro negro”, apaziguando possíveis ressentimentos. Em 2014, já com acervo mais rico, o museu dá continuidade ao projeto, aniquilando simbolicamente a figura do operário, propiciando a coexistência asséptica dos agentes históricos: um trabalhador resignado com sua condição de trabalho, e mesmo quando expõe imagens desse, essas estão desvinculadas dos objetos que os tornam operários do subsolo das minas de carvão.

39O conceito de aniquilação simbólica foi utilizado primeiramente para estudos de gênero na mídia, porém, pode ser aplicado sempre “em situações que grupos subordinados estão ausentes, ou marginalizados, nas representações midiáticas” (EICHSTEDT & SMALL, 2002, 107). As técnicas de aniquilação utilizadas são várias, no caso do MCAR, identificamos o uso de artifícios retóricos como referência superficial ao grupo mineiro, com pouco ou sem contextualização, diluídos entre os corredores; ausência de discussões dos conflitos e incongruências; e suavização da fala. Por mais que não haja uso de eufemismo em texto escrito, a localização no museu e o posicionamento no conjunto expositivo induzem uma amenização do universo representado, fator crucial para a construção da comunidade carbonífera como tal, restando o mundo anestesiado do trabalha(-dor) mineiro.

407. Por fim, esperamos que este estudo sirva de subsídio para a leitura das narrativas expográficas de maneira mais crítica, consciente dos seus modos de construção. E mais que isso, espera-se contribuir para reflexões sobre a situação do patrimônio cultural brasileiro, especialmente no que diz respeito aos processos de musealização e suas consequências tanto para o bem protegido quanto para as comunidades as quais o patrimônio envolve.

41Por tratar-se de um exemplar industrial mineiro, acrescenta-se a necessidade de mais estudos que enfatizem as possibilidades de usos deste patrimônio, sobretudo aqueles que se localizam em regiões deprimidas socioeconomicamente. Apontar novas possibilidades de uso sustentável deste patrimônio em consonância com as ideias e necessidades das comunidades locais torna-se um desafio de extrema relevância, o qual, como estudiosos da área, devemos estar sensíveis e atentos, e para o qual não devemos nos furtar.

Bibliographie

ASSMANN, Aleida (2011a) – Espaços da Recordação: formas e transformações da memória cultural. Campinas: Editora Unicamp.

ASSMANN, Aleida (2008) – “Canon and Archive”. In: ERLL, Astrid; NÜNNING, Ansgar (eds.). Cultural memory studies: an international and interdisciplinary handbook. Berlin; New York: De Gruyter, p. 97-107.

ASSMANN, Jan (2011b) – Cultural Memory and Early Civilization: writing, remembrance and political imagination. Cambridge: Cambridge University Press.

ASSMANN, Jan (2006) – Religion and Cultural Memory. Stanford: Stanford University Press.

ASSMANN, Jan (1995) – Collective Memory and Cultural Identity. New German Critique. Durham. nº 65, p. 125-133.

BILHÃO, Isabel. Aparecida (2005) – Identidade e Trabalho: análise da construção identitário dos operários porto alegrenses (1896-1920). Porto Alegre: UFRGS. Tese de doutoramento.

BISPO & SANTOS (2012) – Musealização como estratégia de preservação: estudo de caso sobre um previsor de marés. Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio – Unirio/MAST. Rio de Janeiro. Vol. 5, nº 1, p. 49-67.

BITTENCOURT, José (2001) – Cada coisa em seu lugar. Anais do Museu Paulista. São Paulo. Vol. 8/9, p. 151-174.

COUTINHO, Fábio (2017) – Entrevista concedida a Clarissa Wetzel. Porto Alegre. (Acervo particular)

EICHSTEDT, Jeniffer; SMALL, Stephen (2002) – Representation of Slavery: race and ideology in Southern Plantation Museum. Washington: Smithsonian.

ENDERS, Armelle (1993) – Le lieux de mémoire, dez anos depois. Estudos Históricos. Rio de Janeiro. Vol. 6, nº 11, p. 132-137.

ESTANQUE, Elísio (2000) – Entre a Fábrica e a Comunidade: subjetividades e práticas de classe no operariado do calçado. Porto: Editora Afrontamento.

FREITAS, Tassiane (2015) – De Complexo Carbonífero a Museu: o processo de patrimonialização dos remanescentes do antigo complexo carbonífero de Arroio dos Ratos, Rio Grande do Sul. Brasil (1983-1994). Pelotas: UFPel. Dissertação de Mestrado.

GOMES, João (2002) – Projeto Memória Mineira. Arroio dos Ratos: CHO/RS.

HALBWACHS, Maurice (1990) – A memória coletiva. São Paulo: Editora RT Ltda.

KLOVAN, Felipe (2014) – Sob o Fardo do Ouro Negro: as experiências de exploração e resistência dos mineiros de carvão do Rio Grande do Sul na década de 1930. Porto Alegre: UFRGS. Dissertação de Mestrado.

LEITE LOPES, J.S.; ALVIM, R. (2009) – “Uma memória social operária forte diante de possibilidades difíceis de patrimonialização industrial”. In: GRANATO, Marcus; RANGEL, Márcio (org.) – Cultura material e patrimônio da ciência e tecnologia. Rio de Janeiro: MAST, p.232-256.

LIMA, Juarez (2006) – Entrevista concedida. Ouro negro: a saga do carvão. (Documentário).

LIMA, Lourdes (2013) – Entrevista concedida a Tassiane M. Freitas. Arroio dos Ratos. (Acervo particular)

NORA, Pierre (1993) – Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. São Paulo. Nº 10, p. 7-28.

POLLAK, Michael (1992) – Memória e identidade social. Estudos Históricos. Rio de Janeiro. Vol. 5, nº 10, p. 200-212.

RICOEUR, Paul (2007) – A Memória, a História, o Esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp.

SPERANZA, Clarice (2013) – O trabalho perante a lei: os mineiros de carvão na Justiça do Trabalho em São Jerônimo, RS (1946-1954). Topoi. Rio de Janeiro. Vol. 14, nº 27, p. 417-439.

SPERANZA, Clarice (2012) – Cavando direitos: as leis trabalhistas e os conflitos entre trabalhadores patrões nas minas do Rio Grande do Sul nos anos 40 e 50. Porto Alegre: UFRGS. Tese de Doutoramento.

SUTEL, Mathias (2002) – Projeto Memória Mineira. Arroio dos Ratos: CHO/RS.

TICCIH (2003) – Carta de Nizhny Tagil. Revista Óculum Ensaios. Campinas. Tradução Cristina Meneguello, p. 132-137.

VASCONCELLOS, Camilo (2007) – Imagens da Revolução Mexicana: o Museu Nacional de História do México (1940-1982). São Paulo: Alameda.

Notes

1 Para fazer esta leitura menos repetitiva, utilizar-se-á MCAR ou apenas Museu do Carvão.

2 Jover Telles, ex-mineiro e deputado comunista, em defesa da encampação das minas de São Jerônimo pelo governo estadual, em 1947 (SPERANZA, 2012, 42).

3 O qual os trabalhadores viviam em povoados isolados, onde tudo – da escola até a assistência médica da família, do comércio ao lazer – eram controlados pela Companhia.

4 Foram essenciais na tentativa de compreender o universo de trabalho nas minas de carvão do Rio Grande do Sul o levantamento oral realizado pelo extinto Centro de História Oral (CHO/RS).

Auteur

Programa de Pós-Graduação Interunidades em Museologia/Universidade de São Paulo, clarisser27@gmail.com

© Publicações do Cidehus, 2020

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search