Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

A diversidade de investigações sobre o património industrial: nas universidades, nas empresas e entre o público em  geral

As Artes Menores, o Ensino do Desenho e a Valorização do Ofício na Sociedade Amparense no início do século XX

Camila Araujo Gonçalves

Résumé

Este trabalho pretende analisar a produção de carpintaria e marcenaria pelos alunos do Liceu de Artes e Ofícios da cidade de Amparo (atual Escola Técnica Estadual João Belarmino) e sua importância social para a cidade no início do século XX. O trabalho enfoca as décadas entre 1930 e 1950 a partir da atuação da Superintendência do Ensino Profissional de São Paulo que regulava o ensino do ofício de marcenaria através do envio dos desenhos que os alunos utilizavam para a produção do mobiliário.
A discussão proposta desdobra-se a partir de duas dimensões temporais, a primeira na qual se constroem os móveis com os quais pretendo lidar e a segunda, contemporânea, ligada ao movimento de ideias e à performance dos personagens envolvidos com a questão da história e do patrimônio histórico.

Texte intégral

Introdução

1A presente pesquisa dedicou-se a análise da produção do mobiliário dos alunos de marcenaria e entalhação da então Escola de Artes e ofícios da cidade de Amparo no período entre as décadas de 1910 a 1950. Atividade na qual a arte e a técnica se misturam em um momento de valorização da técnica em detrimento ao artífice e do saber fazer devido às mudanças advindas do surgimento das indústrias no Brasil e que teve significativa importância social para a cidade do interior paulista. O período abordado justifica-se pelas mudanças que ocorreram no início do século XX, em uma recém formada república, que tentava se modernizar e foi quando surgiram as primeiras escolas profissionais.

2A ideia para a pesquisa surgiu a partir do interesse nas artes e ofícios e no objetivo de entender como se deu a passagem de um trabalho voltado para as artes para um trabalho permeado pela técnica e como isso se deu em uma sociedade que se transformava. Essas transformações no campo do trabalho puderam ser analisadas através da criação dos Liceus e Escolas Profissionais, com enfoque no estado de São Paulo, que surgiram como resposta às novas necessidades das indústrias que necessitavam de cada vez mais mão de obra capacitada.

3A relação entre a arte a técnica também foi exposta a partir da produção do mobiliário produzido pelos alunos do Liceu de Artes e Ofícios de Amparo que se matriculavam na escola para aprender um ofício que desse alternativas de vida em uma sociedade que era predominantemente rural, mas que já despontava para a realidade industrial. Nesse contexto, em que a técnica começou a se sobrepor a arte, as escolas ainda mantinham como disciplina obrigatória a todos os alunos o Desenho, mas não apenas as escolas, como o Estado também passou a valorizar esse desenho para preparar seus alunos. Na década de 30, no estado de São Paulo foi criada a Superintendência do Ensino Profissional que regulava as Escolas Profissionais, numa tentativa de padronização do currículo, e que também ficou responsável pelo envio dos desenhos que os alunos de marcenaria copiavam para produzir o mobiliário. Nesse campo dos móveis brasileiros, a cópia dos estilos europeus se deu até meados da década de 40 (BLEICH, 2016, 138), sofrendo forte resistência dos artistas à massificação da produção do mobiliário atribuindo a esse tipo de produção a falta de design e qualidade. É a partir da década de 40 também que se inicia a reivindicação de um estilo brasileiro de mobiliário e não mais uma simples cópia do que se havia feito na Europa, que conta com fotografias dos móveis produzidos no Liceu já com características de um móvel compatível com a realidade do Brasil.

Figura 1 - Desenho de penteadeira estilo Renascença enviado pela Superintendência do Ensino Profissional

Figura 1 - Desenho de penteadeira estilo Renascença enviado pela Superintendência do Ensino Profissional

Foto: Camila Araujo Gonçalves

Figura 2 - Desenho de uma cadeira com Motivos Marajoaras enviado pela Superintendência do Ensino Profissional

Figura 2 - Desenho de uma cadeira com Motivos Marajoaras enviado pela Superintendência do Ensino Profissional

Acervo ETE João Belarmino

Desenvolvimento

  • 1 LIVRO em comemoração aos 100 anos de fundação do Liceu de Artes e Ofícios de Amparo. Amparo: ETEC J (...)

4A cidade de Amparo está situada no leste do interior paulista (a 138,7 km da capital), inseriu-se no ideal republicano de civilização e progresso, pois, na segunda metade do século XIX, com o advento da produção do café, a preocupação das elites amparenses era de remodelar a cidade de acordo com um projeto urbanístico racional que incluiria a criação de bairros operários, áreas para instalação de indústrias, novos traçados para as ruas, jardim público, introdução de novos modelos arquitetônicos, etc1. Tal projeto, assim como o estilo de vida, os padrões de consumo de bens e serviços espelhavam-se nos modelos europeus, principalmente franceses e ingleses. Para as elites, progresso, civilização e modernidade também significavam eliminar tudo aquilo que pudesse contradizer essa visão. Desta forma, os mendigos, os ociosos, desocupados e meninos de rua, por eles vistos como representantes do atraso, teriam que ser resgatados daquela situação de flagelo. Uma alternativa moderna para resolver a situação e diversificar atividades como prestação de serviços e formação profissional para o setor industrial foi a criação de uma escola que capacitaria esses jovens para o mercado de trabalho, esse projeto se consolidou com a criação do Liceu de Artes e Ofícios no início da década de 1910.

Figura 3 - Alunos em atividades na Seção de Marcenaria. Década de 1940

Figura 3 - Alunos em atividades na Seção de Marcenaria. Década de 1940

Acervo da ETE João Belarmino

5Amparo no início do século XX, apresentava-se como um dos grandes pólos produtores de café do interior paulista, mas a crise da superprodução no setor cafeeiro fomentou ideais alternativos para substituir as atividades agrícolas e, assim, veio o interesse em criar na cidade uma escola como a Escola de Artes e Ofícios. Assim como em todo o Brasil e, principalmente no estado de São Paulo, o café foi o propulsor da indústria, assim como as primeiras fábricas surgem em seu beneficiamento e a partir de seu capital, a decadência do mesmo proporcionará o desenvolvimento da indústria no Brasil.

  • 2 Livro de Matrícula nº 01 (1913 – 1919), p. 01, da Escola de Artes e Ofícios de Amparo.

6A industrialização no Brasil já chega com cerca de 100 anos de diferença em relação a Europa, a mão-de-obra capacitada ainda era muito dependente dos estrangeiros e, no início, ainda as fábricas nacionais eram vistas com qualidade inferior. Por isso e pelos novos anseios da república anteriormente citados, liceus e escolas profissionais são criados no país. Na capital paulista, foram criadas as Escolas Profissionais Masculina (e Feminina) do Brás pelo Decreto nº 2118-B em de 28 de novembro de 1911. Estas voltavam-se ao público a partir de 12 anos de idade, mas incluíam o público adulto. Nesse contexto, o coronel João Belarmino Ferreira de Camargo, político da cidade com influências no governo do estado e membro ativo da elite amparense com objetivo de inserir a cidade nos moldes da capital que criou liceus para atender a demanda industrial do início do século XX, iniciou o projeto de trazer para a cidade o Liceu de Artes e Ofícios, escola que teve início às suas atividades em 1º de fevereiro de 1913 e, segundo o livro de matrícula nº12, desse mesmo ano, matricularam-se 36 alunos no curso de eletricidade, 38 no curso de marcenaria e 32 no curso de correaria2.

7A Escola de Amparo, no transcorrer de sua existência, sofreu várias transformações em relação aos cursos e aos currículos, além de ter mudado de nome diversas vezes. O primeiro nome dado à escola foi Escola de Artes e Officios de Amparo. Depois, vieram outros nomes: Escola Profissional, Escola Industrial, Ginásio Industrial, Centro Interescolar, Colégio Técnico, Escola Estadual de Segundo Grau, Escola Estadual de Primeiro e Segundo Grau e atualmente Escola Técnica Estadual sendo que, a partir de 1936 passou a utilizar o nome do “Coronel João Belarmino”, em homenagem a seu patrono, que financiou a implantação da instituição.

  • 3 Relatório da Superintendência da Educação Profissional de Doméstica, subordinada diretamente ao Sec (...)

8No momento da criação do Liceu, a indústria de mobiliário no Brasil ainda era incipiente, é, na verdade, praticamente inexistente até a década de 1930 (BLEICH, 2016, 156), contavam com poucas fábricas destinadas a essa produção, conforme Marcia Bleich aponta em seu texto sobre o mestre Tenreiro. Existiam nesse período, em São Paulo, poucas fabriquetas que desenvolviam mobiliários mais simples para a classe dos assalariados e cinco fábricas que se dedicavam à produção de móveis de luxo de alta qualidade (BLEICH, 2016, 140), e que resistia à produção em massa, valorizando muito a arte e o desenho. Contudo, apesar da indústria amparense ser iniciante, na verdade a produção de mobiliário deu-se na cidade através de oficinas, ainda havia a possibilidade de se empregar em fábricas de outras localidades, como foi descrito pelo diretor Horácio Augusto da Silveira no relatório da Superintendência da Educação Profissional de 19363. O que nos leva a acreditar que a Escola de Artes e Ofícios de Amparo não só formava mão-de-obra para a localidade, mas também para atender a demanda de operários das grandes cidades. Além disso, alguns alunos, como Sylvio Vichi, formado na primeira turma da escola Profissional de Amparo, tornou-se mestre, lecionou no curso de marcenaria por muitos anos, enquanto que outros construíram suas próprias oficinas na cidade e em outras regiões – o que atesta a contribuição do Liceu para as atividades na região.

9O projeto que incluía a criação da instituição tinha como objetivo fazer com que o excedente populacional do campo fosse qualificado na sua própria cidade para depois partir para as fábricas de São Paulo e região. Isso pode ser observado a partir do texto do cartaz informando sobre a abertura das matrículas para 1930:

  • 4 Folheto de divulgação das matrículas para o ano de 1930. Escola Profissional de Amparo.

Os officiaes diplomados pela Escola de Amparo, são avidamente procurados pelas grandes e pequenas industrias do Estado de São Paulo. Dos proprietários de officinas mechanicas e de marcenarias, de São Paulo e de outras importantes cidades do Estado, tem o Director da Escola recebido cartas, solicitando-lhe o encaminhamento para suas officinas, dos rapazes diplomados por este estabelecimento, o que prova o valor do ensino profissional aqui ministrado4.

10Entre 1911 e 1931, as escolas profissionalizantes no Estado de São Paulo estavam submetidas à Secretaria do Interior de São Paulo, já entre 1931 a 1934, passaram a ser subordinadas a Secretaria de Educação e Saúde do Estado. Apenas a partir de 1934, que se organizam de forma independente visto que, a Superintendência da Educação Profissional e Doméstica, estava diretamente subordinada a Secretaria da Educação e Saúde Pública. A Superintendência do Ensino Profissional vai ser de importância para os estudos dos mobiliários produzidos pelos alunos de Amparo. Nos primeiros anos da Superintendência (1936 a 1947) quem presidiu o órgão estadual foi Horácio Augusto da Silveira, antigo diretor da Escola Profissional de Amparo.

11Em sua gestão na Superintendência, Silveira implantou formas administrativas que já havia experimentado enquanto era diretor da escola de artes e ofícios de Amparo em que consistia realizar exposições com os trabalhos realizados pelos alunos. Podemos dizer que o Liceu de Amparo, como mantém o status até hoje, mas nunca sendo de fato um Liceu, teve uma atuação bastante precisa na cidade, com exposições periódicas de móveis, máquinas e artefatos projetados e executados pelos alunos. A escola chegou a ter uma exposição permanente para vendas dos produtos do trabalho dos alunos e professores em um prédio adquirido pela escola no centro da cidade. No período compreendido entre 1920 a 1950, a seção industrial de Marcenaria era responsável pela maior parte da renda conseguida na escola.

Figura 4 - Fotografia da exposição na rua 13 de maio, centro de Amparo, dos móveis produzidos pelos alunos de marcenaria, Década de 1940

Figura 4 - Fotografia da exposição na rua 13 de maio, centro de Amparo, dos móveis produzidos pelos alunos de marcenaria, Década de 1940

Acervo ETE João Belarmino

12Os primeiros cursos oferecidos pela instituição foram: Desenho, Matemática, Eletricidade, Carpintaria e Selaria. O curso de Desenho e a Seção de Plástica constituíram-se como instrumentos importantes na configuração dos demais cursos e suas seções, especialmente para as Seções de Marcenaria e Entalhação.

13Os cursos funcionavam segundo uma estrutura escolar dividida em curso teórico, considerado com base comum, ministrado pelos professores de Português, Matemática e Desenho e, pelo curso prático, ministrado pelos mestres nas oficinas e que se destinava a formação profissional.

14Os alunos/artífices aprendiam a construir móveis, seus estilos e ornatos. Na década de 1930, os desenhos de móveis e peças, oriundos da Superintendência do Ensino Profissional do Estado de São Paulo, serviam de modelos para serem estudados pelos alunos. Nas oficinas, esses desenhos/modelos eram utilizados para a produção dos móveis e para os entalhes, segundo um programa pré-determinado, que exigia constante avaliação dos mestres, seguindo as etapas subsequentes, consolidando um processo de produção do mobiliário artístico, atendendo uma solicitação do mercado.

15Era o desenho que dava o primeiro passo para o processo de criação e a produção do mobiliário artístico e de outras peças. Se por um lado o desenho norteava e disciplinava os alunos para a confecção de produtos nas oficinas, por outro exaltava o caráter artístico. Os móveis, produzidos na Escola de Artes e Ofícios de Amparo, baseavam-se no repertório de modelos e estilos largamente utilizados nos Liceus de Artes e Ofícios do Brasil para a produção do chamado mobiliário artístico. Na instituição de Amparo entre os estilos predominantes na época destacavam-se o Chippendale, o Regence, o Colonial Português, o Rococó e o Renascença Italiana que foram difundidos e utilizados nas Seções de Marcenaria e Entalhação.

16O desenho também serviu para aprimorar a técnica dos alunos e a organizá-los para o ambiente industrial, tendo jovens de apenas 12 anos manipulando maquinários de extrema periculosidade que apenas através da habilidade técnica conseguiria manejar sem riscos. Foi possível arte e técnica se estabelecerem juntas dentro das escolas profissionais dessa época e, até mesmo, nas fábricas de móveis. Sennett afirmou essa capacidade de convivência entre ambas quando escreveu “[...] de que maneira a cabeça e as mãos estão ligadas, assim como as técnicas que nos permitem nos aperfeiçoar, estejamos envolvidos em uma atividade manual ou mental” (2015, p. 09). Mesmo os móveis sendo produzidos através de cópias de desenhos enviados pela Superintendência do ensino Profissional de São Paulo, nenhuma cópia exata foi encontrada apenas repetições de volutas e estilos.

17Esses mobiliários, hoje, são encontrados dentro da ETEC João Belarmino, um conjunto de escritório, produzido na década de 30, que compõe o mobiliário da sala da direção. Há relatos de móveis nas casas de ex-alunos e filhos de ex-alunos (estes que se orgulham muito de falar sua ligação com a escola). E há também, um altar produzido pelos alunos de marcenaria, que compõe o mobiliário da igreja matriz da cidade. Como podemos ver na série de doze fotos, realizadas nas dependências do Liceu de Amparo, na Seção de Marcenaria, na ocasião da visita de uma comitiva formada por políticos locais e representantes eclesiásticos, selecionei uma delas que apresenta um móvel ao centro, um altar, e um grupo de pessoas ao seu redor, tendo anotações no verso com os dizeres “Grupo de Oficiais, mestres e demais pessoas que trabalharam na construção do altar do Congresso, 13 de agosto de 1944”.

Figura 5 - Mobiliário do escritório da direção da ETE João Belarmino

Figura 5 - Mobiliário do escritório da direção da ETE João Belarmino

Foto: Camila Araujo Gonçalves

Figura 6

Como podemos ver na série de doze fotos, realizadas nas dependências do Liceu de Amparo, na Seção de Marcenaria, na ocasião da visita de uma comitiva formada por políticos locais e representantes eclesiásticos, selecionei uma delas que apresenta um móvel ao centro, um altar, e um grupo de pessoas ao seu redor, tendo anotações no verso com os dizeres “Grupo de Oficiais, mestres e demais pessoas que trabalharam na construção do altar do Congresso, 13 de agosto de 1944”

Acervo ETE João Belarmino

18Esses estilos, considerados ultrapassados para época em relação ao que se tinha na Europa, eram os mais procurados pelos consumidores. Por isso, para os artesãos e as poucas indústrias que existiam nessa época, não havia necessidade de se mexer em algo que tinha saída e procura, consequentemente ocorreu uma resistência à produção em massa de artistas e também a adequação do mobiliário a um estilo que pudéssemos chamar de nacional. Vemos isso apenas com o artesão Joaquim Tenreiro que trabalhou em indústrias de móveis, mas que defendia o ofício e a arte manual, e nessas indústrias copiava os estilos clássicos, porém já reivindicava um estilo nacional, com matéria-prima do país e com formas leves e mais ergonômicas que se adequassem com o clima e estilo de vida do país, porém nunca perdendo o estilo, a arte como princípio. É dele um dos primeiros mobiliários modernistas do Brasil.

19Na Escola Profissional de Amparo, encontramos desenhos que tendem a um estilo nacional, porém os móveis encontrados correspondem apenas àqueles referentes aos estilos clássicos. É na década de 50 que a modernização do mobiliário brasileiro ganha força e características próprias, inserindo aí a produção de massa e o fortalecimento da indústria. Percebe-se ainda a tentativa de se aliar arte e técnica e os alunos de marcenaria de Amparo tentarão se adequar a essa nova demanda. Percebemos isso a partir da análise de fotografias das exposições ocorridas no prédio pertencente a escola, na rua 13 de maio, no centro de Amparo, em que os mobiliários eram vendidos. A partir da década de 40, numa tentativa de fazer um estilo mais adequado às condições do clima e da sociedade brasileira ocorreu mudança nos estilos.

20O presente estudo se justifica pela valorização dessas memórias que compõem e são muito importantes para a história da cidade de Amparo e para a história do ensino profissional do estado de São Paulo. Em um ramo em que apenas grandes arquitetos e designers se destacaram, principalmente no movimento modernista brasileiro, trazer à tona a memória desses alunos é valorizar o ensino das artes e da técnica, ainda que se discuta o quão artista eram esses alunos e suas obras considerados mobiliários artísticos. Como Ginzbrug, em “O queijo e os vermes”, explicou: “alguns estudos biográficos mostram que um indivíduo medíocre, destituído de interesse por si mesmo – e justamente por isso representativo – pode ser pesquisado como se fosse um microcosmo de um estrato social inteiro num determinado período histórico” (1987, p. 27), ou seja, estudar esses alunos é compreender um período da história sob novos olhares, é tirar do obscurantismo a memória e produção de alunos e trabalhadores que ficaram apagados das narrativas históricas marcadas por discursos hegemônicos, por exemplo os alunos do Liceu quando tratados nos documentos oficiais de abertura da Escola de Artes e Ofícios de Amparo como jovens desvalidos, pelo discurso assistencialista e de livramento da mão de obra estrangeira. Como Marcos Olender (2011), Rita de Cássia Francisco (2013) e Lindener Pareto Jr.(2017) trataram seus arquitetos não licenciados em um período de conflitos entre os arquitetos diplomados e os anônimos. A análise dos desenhos e mobiliários levam a acreditar que valorizava-se a técnica, mas ainda podia-se falar de arte e tradição de um ofício, de uma individualidade que se reproduziu no trabalho e sua produção.

21Alguns elementos acrescentados aos mobiliários revelam essa individualidade, como um motivo fitomorfo, zoomorfo etc, nas décadas de 1940 e 1950 passamos a perceber mudanças nos estilos dos móveis acompanhando as necessidades de mercado e, até mesmo, a reinvindicação de um estilo nacional ou disciplinarização dos gostos que a cidade vivia naquele momento e de mudanças em âmbito nacional.

Conclusão

22A partir da análise desses desenhos e do mobiliário construído pelos alunos de seção de marcenaria de Amparo, não conseguimos identificar uma cópia perfeita dos moldes enviados pela Superintendência, vimos estilos recorrentes e motivos artísticos que se repetem. O que leva a acreditar que valorizava-se a técnica, mas ainda falamos de artes e tradição de um ofício, de uma individualidade que se reproduz no trabalho e sua produção.

23Conforme defende Richard Sennett em O Artífice, e, em outra obra intitulada Juntos, todas as habilidades, até mesmo as mais abstratas, têm início como práticas corporais: o entendimento técnico se desenvolve através da força da imaginação. Acreditar nessa relação é enxergar para além da suposta divisão entre corpo e alma, entre trabalho manual e trabalho intelectual; é acreditar que todo trabalho necessita, ao mesmo tempo, dos braços e da inteligência.

24Para John Ruskin, em As Pedras de Veneza (1992), na moderna sociedade industrial, devido à opção pela mecanização, haveria uma perda das Artes Menores ou, artes decorativas, por essas terem sido desvalorizadas ao serem separadas das chamadas Grandes Artes. Tanto que William Morris considera As Grandes Artes inacabadas quando não acrescentada as Artes Menores, em que o mesmo as define como artes decorativas, que foram sendo desvalorizadas quando estas foram separadas das outras artes.

25Para Morris, que valoriza o trabalho manual, “os homens procuram embelezar seu cotidiano” (2003, p.113) daí o serviço da decoração “dar prazer na utilização das coisas que forçosamente tem que utilizar e fazer”. Ele complementa que as Artes Decorativas são expressão do homem pela beleza, alegram o trabalho do artesão e dos simples trabalhadores que com ela convive. Ele exemplifica dizendo que povos oprimidos e nações livres tiveram consolo e felicidade com elas. Com o advento das indústrias, essa dissolveu os valores e laços humanos qualitativos em favor de uma uniformização da vida, subjugada por máquinas. A reabilitação do artífice é assim um ponto vital para a compreensão da valorização do desenho e do ensino em pleno século XIX.

26Assim, a valorização do trabalho se torna justificativa para a preservação dos mobiliários que são símbolos importantes para a cidade, mais especificamente da memória do antigo Liceu, pois expõe não apenas a estética e técnica alcançada pelos seus alunos, mas o desenvolvimento das artes e ofícios e a inserção do artífice na sociedade através de seu trabalho em oficinas da cidade e nas indústrias do estado e a relevante preocupação com a qualidade, técnica e arte de suas produções.

27Em seu texto Entre memória história: a problemática dos lugares, Pierre Nora estabelece um novo caminho para os estudos históricos onde mostram os lugares que reivindicam a história.

A curiosidade pelos lugares onde a memória se cristaliza e se refugia está ligada a este momento particular da nossa história. Momento de articulação onde a consciência da ruptura com o passado se confunde com o sentimento de uma memória esfacelada, mas onde o esfacelamento desperta ainda memória suficiente para que possa colocar o problema de sua encarnação. O sentimento de continuidade torna-se residual aos locais. Há locais de memória porque não há mais meios de memória. (NORA, 1981, 05)

28O excerto destacado introduz a sua tese de que há locais de memória porque não há mais meios de memória (NORA, 1981, 05). Para o autor, o vínculo entre o presente e o passado se rompe, devido a aceleração da história, ou seja, o presente ficou sem passado e todo passado para o presente se tornou um estranhamento. Para Reinhart Koselleck (2006, p.09), o presente nunca é tratado como presente, pois as pessoas só pensam no que virá, por isso, há uma aceleração do tempo. E quando o futuro chega, ele também já é passado, pois já é tratado como presente e o tempo passa a acelerar ainda mais.

29Se a memória não existe mais é por causa da aceleração da história e tudo o que sobrou é resto de uma memória. A história foi para um mundo diferente que não é possível reconhecer o que ficou para traz, pois se torna irreconhecível. Já em uma sociedade em que a história não tem uma grande aceleração, as experiências são passadas efetivamente e mantém-se a memória.

30Para Nora quando a aceleração da história destrói a memória ela se estabelece em lugar, ou seja, a história reúne as memórias e as coloca em lugares de memória. Em algum momento, um grupo de pessoas pode se apropriar desse lugar de memória e transformá-lo em identificação social de memória, o que pode se estabelecer como forma de resistência de certo grupo social.

31Não existe memória fora de seu tempo histórico, segundo o autor a materialidade, o simbólico e a funcionalidade é que mantém o lugar de memória. De forma geral, esta discussão pode ser aplicada ao caso do Liceu Artes e Ofícios de Amparo que fora construído no início do século XX para a instrução e capacitação de jovens e que hoje funciona como a Escola Técnica Estadual João Belarmino mantendo uma memória para a cidade.

Bibliographie

Fontes

Centro Paula Souza/Centros de Memória/Documentação online Acesso em 6 out. 2014.

Documentação pertencente ao Liceu de Artes e Ofícios de Amparo (ETEC João Belarmino).

Referências Bibliográficas

BARBOSA, Rui - Reforma do Ensino primário e várias instituições complementares da instrução pública. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde, 1947. Obras completas, v. X, t. 1-4.

BLEICH, Marcia Campos - Joaquim Tenreiro: Mobiliário Moderno Artesanal. Jangada: Colatina/Chicago, n. 8, jul-dez, 2016 - ISSN 2317-4722.

BOURDIEU, P. e SAINT-MARTIN, M - Goftts de classe et styles de vie. (Excerto do artigo "Anatomie du goftt".) Actes de Ia Recherche en Sciences Sociales, n° 5, out. 1976, p. 18-43.

CARVALHO, Maria Lucia Mendes de (org.) - Cultura, Saberes e práticas: Memórias e História da Educação Profissional. São Paulo: Centro Paula Souza, 2011.

COSTA, Lucio - Notas sobre a evolução do mobiliário luso-brasileiro. Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. 1939, p. 149-162.

DEAN, Warren - A industrialização de S. Paulo (1.880 - l.945). Trad. Octavio Mendes Cajado, 3 ed. São Paulo-Rio de Janeiro: Editora DIFEL, 1971.

FRANCISCO, Rita de Cássia - Construtores anônimos em Campinas (1892-1933): fortuna crítica de suas obras na historiografia e nas políticas de preservação da cidade. 2013. Tese (Doutorado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. doi:10.11606/T.16.2013.tde-10102013-111937. Acesso em: fev 2019.

GABRIEL, José Fernando - Projeto de HAE 2009 no Centro Paula Souza. A imprensa e o centenário da Etec João Belarmino: a cobertura jornalística sobre o trabalho, as ciências, as artes e as tecnologias no processo histórico de transformação da sociedade (1900 a 1925). Acervo do Centro de Memória da Escola Técnica Estadual João Belarmino, 2009.

GINZBURG, Carlo - O queijo e os vermes: o cotidiano e as Ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. 2ªed. São Paulo: Companhia das Letras, 1987, pp. 27.

KOSELLECK, Reinhart - Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2006.

MENEGUELLO, Cristina - Da Ruína ao edifício: neogótico, reinterpretação e preservação do passado na Inglaterra vitoriana. São Paulo: Annablume, 2008.

MORAES, Carmem Sylvia Vidigal e ALVES, Julia Falivene (orgs) - Contribuição à pesquisa do Ensino Técnico no Estado de São Paulo: Inventário de Fontes Documentais, 2002.

MORRIS, William - As artes menores e outros ensaios. Ed: Antígona. Lisboa: 2003.

NORA, Pierre - PROJETO HISTÓRIA: Revista do Programa de Estudos Pós-graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo). São Paulo, SP - Brasil 1981.

OLENDER, Marcos - Ornamento, ponto e nó: da urdidura pantaleônica às tramas arquitetônicas de Raphael Arcuri. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2011.

PARETO Jr., Lindener - O cotidiano em construção: os “práticos licenciados” em São Paulo (1893-1933). São Bernardo do Campo: EdUFABC, 2017.

PEREIRA, Paulo Roberto Accorsi - O fazer e o aprender – uma interação singular na produção de mobiliário artístico da Escola de Artes e Ofícios de Amparo. São Paulo, 2007.

RUSKIN, John - As pedras de Veneza. [tradução Luís Eduardo de Lima brandão]. – São Paulo: Martins Fontes, 1992.

SANTOS, José de Almeida - Mobiliário Artístico brasileiro. Vol. 1 – Tomo 1. São Paulo: Coleção Museu Paulista.

SANTOS, Maria Cecília Loschiavo dos - Móvel moderno no Brasil. São Paulo: Studio Nobel: FAPESP: Editora da Universidade de São Paulo, 1995.

Notes

1 LIVRO em comemoração aos 100 anos de fundação do Liceu de Artes e Ofícios de Amparo. Amparo: ETEC João Belarmino/Centro Paula Souza/Governo do Estado de São Paulo, 2011.

2 Livro de Matrícula nº 01 (1913 – 1919), p. 01, da Escola de Artes e Ofícios de Amparo.

3 Relatório da Superintendência da Educação Profissional de Doméstica, subordinada diretamente ao Secretário da Educação do Estado de São Paulo. Arquivo do Estado de São Paulo.

4 Folheto de divulgação das matrículas para o ano de 1930. Escola Profissional de Amparo.

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Desenho de penteadeira estilo Renascença enviado pela Superintendência do Ensino Profissional
Crédits Foto: Camila Araujo Gonçalves
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14422/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 482k
Titre Figura 2 - Desenho de uma cadeira com Motivos Marajoaras enviado pela Superintendência do Ensino Profissional
Crédits Acervo ETE João Belarmino
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14422/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 422k
Titre Figura 3 - Alunos em atividades na Seção de Marcenaria. Década de 1940
Crédits Acervo da ETE João Belarmino
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14422/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 331k
Titre Figura 4 - Fotografia da exposição na rua 13 de maio, centro de Amparo, dos móveis produzidos pelos alunos de marcenaria, Década de 1940
Crédits Acervo ETE João Belarmino
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14422/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 337k
Titre Figura 5 - Mobiliário do escritório da direção da ETE João Belarmino
Crédits Foto: Camila Araujo Gonçalves
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14422/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 393k
Légende Como podemos ver na série de doze fotos, realizadas nas dependências do Liceu de Amparo, na Seção de Marcenaria, na ocasião da visita de uma comitiva formada por políticos locais e representantes eclesiásticos, selecionei uma delas que apresenta um móvel ao centro, um altar, e um grupo de pessoas ao seu redor, tendo anotações no verso com os dizeres “Grupo de Oficiais, mestres e demais pessoas que trabalharam na construção do altar do Congresso, 13 de agosto de 1944”
Crédits Acervo ETE João Belarmino
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14422/img-7.png
Fichier image/png, 603k

Auteur

Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). ca_milaag@yahoo.com.br

© Publicações do Cidehus, 2020

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search