Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

As interações como uma necessidade de análises que englobem: a arquitetura, as infraestruturas, a memória e a paisagem industrial

A fábrica e a cidade: uma relação simbiótica entre a Robinson e Portalegre

Susana Pacheco

Résumé

A Fábrica Robinson sempre teve uma importância enorme para a comunidade portalegrense, tendo sido a maior empregadora da cidade. Não se encontra praticamente ninguém nesta cidade que não tenha algum tipo de ligação a esta antiga unidade fabril. Numa cidade como Portalegre, a história de uma unidade fabril com estas características e com esta importância acaba por se confundir com a própria história da cidade, pelo que elas não podem ser analisadas separadamente.
Assim, esta pode e deve ser considerada como um património de todos, que todos nós devemos estimar e preservar, começando desde logo por não o vandalizar. Urge dinamizar e dar uma nova vida a este espaço, para que todos possamos usufruir dele de forma responsável, tendo esse trabalho já vindo a ser desenvolvido pela Fundação Robinson desde há alguns anos. Neste sentido, porque não tentar dar uma nova vida a este espaço que vá de encontro à necessidade urgente de combater o envelhecimento da população portalegrense?

Texte intégral

1A Fábrica Robinson em Portalegre, fundada em 1848, teve desde o início uma importância enorme para esta cidade alentejana, pouco desenvolvida, do ponto de vista da indústria, até aqui e que, graças a esta fábrica e a esta família se tornou, inclusivé, na Capital Industrial do Alentejo.

2Ainda no século XIX, em 1881, como atesta o Inquérito Industrial desse ano, a fábrica já empregava 560 operários, distribuidos da seguinte forma: 100 homens, 40 rapazes, 340 mulheres e 80 raparigas  (MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, COMMERCIO E INDUSTRIA, 1881, 107).

Figura - Operários da Fábrica Robinson juntamente com os patrões

Figura - Operários da Fábrica Robinson juntamente com os patrões

Aparecem na fotografia George Wheelhouse Robinson (em baixo, ao centro) e o seu filho George Milner Robinson (em baixo, na ponta esquerda)

Fotografia dos inícios do século XX. Autor desconhecido

3Mas o impacto desta família em Portalegre não fica por aqui, pois além da criação desta fábrica que tanto contribuiu para o desenvolvimento da economia portalegrense (Figura 1), desenvolveram ainda uma série de outras instituições na cidade, desde uma Igreja Evangélica, aos Bombeiros Voluntários de Portalegre, a Sociedade União Operária Portalegrense, uma Creche para os filhos dos seus operários, entre tantas outras instituições por eles criadas ou apoiadas.

4Estamos perante uma fábrica e consequentemente uma família sem as quais a cidade de Portalegre nunca teria tido o desenvolvimento que teve durante a segunda metade do século XIX e praticamente todo o século XX, ainda que actualmente se encontre algo estagnada e envelhecida. Possivelmente este cenário deve-se também ao encerramento da fábrica, que originou uma crise económica significativa na cidade.

5Quando a fábrica encerra, completamente impossibilitada de voltar a laborar, ficam o património, as memórias e histórias de quem ali passou vidas inteiras, que devem ser respeitados e protegidos por todos nós.

6A maioria dos projectos de regeneração/reabilitação do património industrial estão relacionados com os próprios elementos sociais e funcionais do espaço, o que por vezes se torna numa situação delicada (como é o caso da antiga Fábrica Robinson) devido ao impacto que o encerramento de uma unidade fabril tem para a região, levando a que muitas pessoas percam os seus empregos, fábricas sejam abandonadas (transformando-se em espaços “decadentes” aos olhos da população), contribuindo significativamente para o declínio das cidades em que estavam instaladas, deixando-se para trás as agora “desertas” áreas industriais. Tudo isto se verifica no caso em análise. Assim, a reabilitação do património industrial requere uma consciência comunitária forte.

7É aqui que entram os investigadores, que têm essa função de educar a população no sentido de proteger este património único, neste caso para a cidade de Portalegre, pois não podemos esperar que as pessoas, por si só, sem qualquer educação neste sentido (educação patrimonial), entendam o significado e importância (arriscaria mesmo dizer a nível internacional) daquele espaço de sete hectares.

8Neste contexto, urge dinamizar o espaço, dar-lhe uma nova vida, incentivando-se, simultaneamente, a população a usufruir dele de uma forma consciente e responsável. Trata-se de um espaço com um potencial enorme, com inúmeras valências e que temos, enquanto cidadãos portugueses e acima de tudo portalegrenses, de respeitar.

9Essa dinamização do espaço tem acontecido, ainda que não com a periodicidade desejável, levada a cabo pela Fundação Robinson, que ao longo dos seus treze anos de existência aqui tem realizado uma série de actividades completamente díspares, desde ciclos artísticos, congressos internacionais, acções de formação, visitas guiadas para os mais diversos públicos (Figura 2), actividades com escolas de vários níveis de ensino, tertúlias, entre inúmeras outras.

Figura 2 - Visita guiada pela Fábrica Robinson

Figura 2 - Visita guiada pela Fábrica Robinson

Na fotografia são também visíveis alguns sinais do vandalismo que se faz sentir no património industrial (neste caso num dos geradores Babcock & Wilcox). Fotografia de Março de 2018

10Contudo, nem sempre, nestas actividades, se tem o apoio que seria esperado por parte da população portalegrense que, se por um lado parece entender a importância deste espaço e querer a sua salvaguarda e preservação, por outro nada faz para contribuir para o resultado final que se pretende. Aliás, por vezes ainda acabam por dificultar ainda mais todo o processo, ao vandalizarem a fábrica, seja qual for a finalidade com que o fazem (roubar algo que possa eventualmente ter valor comercial, pura diversão, entre outras).

11Salvo a petição organizada pelo Partido Ambientalista os Verdes e um grupo de cidadãos, que originou a aprovação unânime de uma moção na Assembleia da República, raramente (ou mesmo nunca) se tem passado das palavras aos actos. E mesmo para este exemplo, também ainda nada de concreto foi apresentado, além de palavras de apoio, faltando agora a passagem ao terreno, que é realmente aquilo que o património industrial da Fábrica Robinson e toda a cidade de Portalegre realmente necessitam.

12No entanto, voltamos a referir que em parte isto também é culpa nossa, dos investigadores, que frequentemente se «perdem» na Academia, nos Congressos, nos artigos (não se querendo, de forma alguma desvalorizar estes aspectos, sem os quais a ciência jamais poderia avançar) e passando muito pouco tempo no terreno a desenvolver campanhas de sensibilização e a estimular a população para a importância de preservar espaços como este, que fazem parte da sua identidade.

13É certo que a população por si só não consegue reabilitar todo o complexo (que como mencionado anteriormente tem uma dimensão de sete hectares, sendo composto por uma variedade de edifícios com características e em estados de degradação muito díspares), mas pode sempre ajudar, voluntariando-se para, aos poucos e de forma supervisionada pelas entidades responsáveis e investigadores conscientes, «limpar» o espaço e fazer algumas reparações urgentes e de certa forma simples de realizar.

14Além do já apresentado, não nos podemos também esquecer que num regime democrático como o português, a palavra final é sempre da população que elege, através de eleições, os elementos constituintes da Assembleia da República e das Autarquias. Assim, se calhar está na hora de começarmos a relembrar a população que os podem questionar, quando algo não está a ser feito como deveria (neste caso em particular, falamos da moção aprovada há mais de nove meses e que ainda não saiu do papel).

15Se a população se interessar por determinado assunto, é meio caminho andado para que os órgãos governativos façam algo a seu respeito, pelo que nos cabe a nós, investigadores, sensibilizar a população portuguesa (esqueçamos agora que estamos a tratar da Fábrica Robinson em Portalegre) a interessar-se pelo património industrial e a deixar de o encarar como algo velho e sujo, sem qualquer interesse económico ou cultural, coisa que infelizmente ainda acontece com mais frequência do que seria desejável e expectável. Quantas vezes nos acontece ouvir pessoas a chamar «sucata» a máquinas com valor patrimonial incalculável, ou a defender a demolição de antigos edifícios fabris ou relacionados com a indústria, porque não são apelativos do ponto de vista estético e «perturbam» o ambiente das cidades, ou se encontram em locais com um enorme valor imobiliário?

16Porque será que, ao contrário de tantos outros países da Europa (em que os edifícios industriais são encarados de acordo com o seu valor patrimonial) aqui continuam a ser vistos com «empecilhos» ao desenvolvimento urbano? Será que é apenas um problema identitário português? Será que se deve ao facto de os portugueses não terem assistido à destruição que assolou grande parte dos países europeus durante o século XX e que os fez ter a consciência do que é verem a sua história (sob a forma dos seus edifícios históricos e patrimoniais) ser completamente eliminada? Será que se deve à «falta de tempo» dos investigadores em transmitir todo este conhecimento à população, continuando maioritariamente focados no mundo académico? Se calhar está na hora de reflectirmos um pouco sobre estas questões.

17O património industrial providencia um valor social em múltiplas formas. Através do seu estudo, adquirimos conhecimento extremamente valioso acerca das culturas industrial e pós industrial, que jamais seria possível recorrendo apenas a documentos (pois estes muito raramente reflectem os aspectos do quotidiano, que são aqueles que nos permitem ter a ideia real da sociedade comum). Com a sua reabilização estamos a impedir que acabem demolidos e os seus materiais (de construção, máquinas e outro património móvel) vão parar a lixeiras, encorajando-se práticas sustentáveis e um desenvolvimento económico. Através da sua conservação estamos a deixar uma marca indelével para as actuais e futuras gerações, de modo a que estas possam compreender as gerações que lhes antecederam (MORIN, 2012, 118).

18Como refere a Carta de Nizhny Tagil sobre o Património Industrial, «o património industrial pode desempenhar um papel importante na regeneração económica de regiões deprimidas ou em declínio» (TICCIH, 2003, p. 10-12), por isso, porque não pôr isto em prática no território português? E em particular o Espaço Robinson, pois ele próprio encontra-se numa «região deprimida» e «em declínio», extremamente envelhecida, devido à falta de oportunidades para os jovens, que cada vez mais se vêem obrigados a procurar trabalho noutros locais (quer seja em Portugal, quer seja no estrangeiro). E se conseguirmos utilizar este argumento como forma de espoletar o interesse da população portalegrense?

19Isto tem sido levado a cabo um pouco por toda a Europa desde as décadas de 1960/1970/1980, com oficinas, fábricas, armazéns, etc., a ser transformados em apartamentos, estúdios, bares, discotecas, centros de arte, restaurantes, entre tantas outras possíveis utilizações. Veja-se o caso da Bankside Power Station, em Londres, que graças ao interesse do público e a investimento privado, se transformou num dos museus de arte mais conhecidos do mundo, o Tate Modern (FRAGNER, 2012, 112 - 114).

20Mas nem precisamos de sair de Portugal para ver exemplos de sucesso neste domínio. Olhemos para os casos do Lx Factory, da Fábrica de Braço de Prata ou do Village Underground Lisboa, onde se conseguiu reabilitar antigos espaços industriais, dando-lhes uma nova vida, onde existem inúmeras oportunidades para os jovens. É certo que são dois casos de sucesso, ambos em Lisboa, que não pode de forma alguma ser comparada com Portalegre.

21Mas vejamos agora o exemplo do Fundão (outra pequena cidade do interior), que criou condições para o desenvolvimento de empresas como Startups (em antigos espaços que já náo tinham uma utilização constante), sendo já um pólo de referência a nível internacional, levando várias companhias estrangeiras a fixarem-se em Portugal, gerando uma grande quantidade de novos postos de trabalho para as novas gerações. Assim, porque não apostar no Espaço Robinson e criar uma estrutura semelhante neste espaço?

22Sabemos que o investimento é grande, mas se pensarmos a longo prazo e nas vantagens que um investimento desta ordem traria para Portalegre, facilmente percebemos que estamos perante «uma mina de ouro» extremamente subaproveitada (Figura 3). No entanto, sem o apoio e interesse da população, nada disto será possível, por isso, mais uma vez, cabe-nos a nós, investigadores, em parceria com as entidades responsáveis (Fundação Robinson, Autarquia, Ministério da Cultura, Direcção Geral do Património Cultural,...) sensibilizar a população e lutar para que esta ideia que por agora parece uma utopia, uma dia se possa transformar numa realidade.

Figura 3 - Edifício do Aglomerado Branco da Fábrica Robinson

Figura 3 - Edifício do Aglomerado Branco da Fábrica Robinson

Exemplo de um espaço subaproveitado

Fotografia da autora, 2018

23Desta forma estaríamos a contribuir para o aumento da simbiose entre esta antiga fábrica e a cidade, podendo esta voltar a ser vista como um pólo de desenvolvimento económico e de criação de postos de trabalho. E claro que tudo isto pode ser feito de uma forma responsável, não sendo de maneira nenhuma um entrave à preservação do vastíssimo e valiosíssimo património industrial (imóvel, móvel e arquivístico) que felizmente ainda por lá se encontra, muito pelo contrário, até porque, de uma vez por todas, temos de deixar de encarar o património como algo imutável.

Bibliographie

CERDÀ, Manuel (2008) – Arqueología Industrial. Teoría y Práctica. Valência: Universitat de València.

FRAGNER, Benjamin (2012) – “Adaptive re-use”. In Douet, James (Coord.) (2012) – Industrial Heritage Re-tooled. The Ticcih guide to Industrial Heritage Conservation. Lancaster: TICCIH, pp. 110-117.

GOUVEIA, António Camões (Coord.) (2007) – Para a História da Fundação, Vol. 0. Portalegre: Publicações da Fundação Robinson.

Ministério das Obras Públicas, Commercio e Industria (1881) – Inquérito Industrial de 1881. Lisboa: Imprensa Nacional.

MORIN, Bode (2012) – “Financial and fiscal incentives”. In Douet, James (Coord.) (2012) – Industrial Heritage Re-tooled. The Ticcih guide to Industrial Heritage Conservation. Lancaster: TICCIH, pp. 118-124.

TICCIH (2003) – Carta de Nizhny Tagil Sobre o Património Industrial. Nizhny Tagil: TICCIH.

Table des illustrations

Titre Figura - Operários da Fábrica Robinson juntamente com os patrões
Légende Aparecem na fotografia George Wheelhouse Robinson (em baixo, ao centro) e o seu filho George Milner Robinson (em baixo, na ponta esquerda)
Crédits Fotografia dos inícios do século XX. Autor desconhecido
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14183/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 207k
Titre Figura 2 - Visita guiada pela Fábrica Robinson
Légende Na fotografia são também visíveis alguns sinais do vandalismo que se faz sentir no património industrial (neste caso num dos geradores Babcock & Wilcox). Fotografia de Março de 2018
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14183/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 382k
Titre Figura 3 - Edifício do Aglomerado Branco da Fábrica Robinson
Légende Exemplo de um espaço subaproveitado
Crédits Fotografia da autora, 2018
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14183/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 231k

Auteur

© Publicações do Cidehus, 2020

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search