Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

As interações como uma necessidade de análises que englobem: a arquitetura, as infraestruturas, a memória e a paisagem industrial

Complexo FEPASA (Jundiaí/SP, Brasil)

A contribuição da geotecnologia de Sistema de Informação Geográfica (SIG) para a identificação e análise do patrimônio industrial

Milena Meira da Silva et Eduardo Romero de Oliveira

Résumé

O presente estudo visa discutir a relevância de utilização de geotecnologia de Sistema de Informação Geográfica (SIG) frente a outras metodologias de análise espacial, comumente utilizadas para o tratamento do patrimônio industrial no Brasil. De maneira específica, se propôs o levantamento bibliográfico sobre investigações relacionadas à aplicação de técnicas de geoprocessamento para atuações sobre o patrimônio, a fim de apresentar o caso brasileiro em específico. Como objeto de estudo utilizou-se o Conjunto de Edificações da Companhia Paulista de Estradas de Ferro (CPEF), atualmente conhecido como Complexo FEPASA, localizado no Estado de São Paulo/Brasil, e protegido em âmbito nacional pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Identificou-se que no processo de proteção vinculado ao conjunto não foram consideradas todas as edificações que compõe o complexo industrial, tais como a vila ferroviária, horto florestal, armazéns, assim como a distinção entre as oficinas centrais. Essa constatação foi verificada com o auxílio da técnica SIG, por meio da sobreposição de informações contidas na planta histórica do conjunto ferroviário, elaborada por sua antiga administradora, a Ferrovia Paulista S. A. (FEPASA), à planta de perímetro de proteção elaborada pelo IPHAN.

Texte intégral

Os autores agradecem à FAPESP, pelo financiamento das pesquisas (processos nº 2016/15921-2; 2017/06220-3; 2018/00569-7; 2018/23340-5). As opiniões, hipóteses e conclusões ou recomendações expressas neste material são de responsabilidade dos autores e não necessariamente refletem a visão da FAPESP.

Introdução

1O objetivo deste estudo é discutir a relevância de utilização de geotecnologia de Sistema de Informação Geográfica (SIG) frente a outras metodologias de análise espacial, comumente utilizadas para o tratamento do patrimônio industrial no Brasil. A fim de reconhecer tal relevância foi realizado levantamento bibliográfico sobre investigações que discutem a aplicação de técnicas de geoprocessamento em atuações sobre o patrimônio, primeiramente em âmbito internacional, a exemplo de HE (et. al., 2015) na China; CARREDANO (et. al., 1997); CÁMARA (et. al., 2012); PUERTO (et. al., 2015); e LÓPEZ (2016) na Espanha; GONÇALVES (2012) e NOÉ (2016) em Portugal. Tratando-se do Brasil foram levantados diversos outros trabalhos, como os de NEVES (2003); MOURA (2008); SANTOS (et. al., 2011); MOURA (et. al., 2013); LIMA (et. al., 2015); e FERLA (et. al., 2016). Cada qual com seu objetivo, discutiremos os mencionados trabalhos no item subsequente.

2A base referencial utilizada fundamenta os aspectos envoltos na contribuição da ferramenta SIG no tratamento do patrimônio. Como objeto de estudo adotamos o Conjunto de Edificações da Companhia Paulista de Estradas de Ferro (CPEF), atualmente conhecido como Complexo FEPASA. Trata-se de um conjunto de edificações pertencentes a antiga CPEF, relevante empresa ferroviária atuante nos séculos XIX e XX no Brasil, situado na cidade de Jundiaí, interior do Estado de São Paulo no Brasil (Figura 1). Tais edificações atualmente são administradas pela Prefeitura de Jundiaí, e protegidas desde 2002 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Figura 1 - Localização do Conjunto de Edificações da CPEF (Complexo FEPASA)

Figura 1 - Localização do Conjunto de Edificações da CPEF (Complexo FEPASA)

Elaborado pela autora, 2018

3O Complexo FEPASA é conformado por uma série de edificações que podem ser enquadradas no que se entende por patrimônio industrial, seguindo definição de TICCIH (2003):

O patrimônio industrial compreende os vestígios da cultura industrial que possuem valor histórico, tecnológico, social, arquitetônico ou científico. Estes vestígios englobam edifícios e maquinário, oficinas, fábricas, minas e locais de processamento e de refinação, entrepostos e armazéns, centros de produção, transmissão e utilização de energia, meios de transporte e todas as suas estruturas e infraestruturas, assim como os locais onde se desenvolveram atividades sociais relacionadas com a indústria, tais como habitações, locais de culto ou de educação. (CARTA DE NIZHNY TAGIL, 2003, p.1, tradução nossa)

4Em meio a essa definição, compreende-se no Complexo FEPASA, para além das edificações de cunho especificamente industrial, também as voltadas às atividades sociais associadas a CPEF, tais como a estação ferroviária, a vila dos trabalhadores, escola de aprendizes ferroviários, dentre outras. Entretanto, mesmo com a presença das citadas edificações na composição do Complexo FEPASA, verificou-se por meio de consulta ao processo de proteção vinculado ao conjunto, uma série de edifícios que não foram devidamente identificados, mesmo tratando-se de relevantes espaços para a realização da atividade ferroviária no período ativo do conjunto industrial. Essa constatação foi possibilitada com o auxílio da técnica SIG, por meio da sobreposição de informações contidas na planta histórica do conjunto ferroviário, elaborada pela antiga administradora do conjunto ferroviário, a Ferrovia Paulista S. A. (FEPASA), à planta de perímetro de proteção elaborada pelo IPHAN.

5Considera-se que a tecnologia de geoprocessamento permite a inclusão de informações de cunho antrópico e biofísico em sua base de dados, através da sobreposição de mapas, o que possibilita o cruzamento de dados e compilação de informações por meio de sua localização. Constata-se, portanto, que a abordagem dos remanescentes da industrialização através de técnica SIG colabora em análises voltadas ao patrimônio industrial, uma vez que essa tipologia patrimonial é composta por um conjunto de edifícios verificáveis na paisagem, do qual as atuações para eles previstas têm de estar embasadas em seu contexto inserção, formação e funcionamento.

Discussão

6Sistema de Informação Geográfica (SIG) é compreendido por Environmental Systems Research Institute Inc (ESRI), como uma estrutura para coletar, gerenciar e analisar dados. Enraizado na ciência da geografia, o SIG integra muitos tipos de dados. Por meio da localização espacial, a ferramenta organiza camadas de informação em visualizações usando mapas e cenas 3D. Através da tecnologia SIG o usuário é capaz de criar mapas que se comunicam, permitindo a realização de análises, o compartilhamento de informações e resolução de problemas complexos (ESRI, 2018, tradução nossa).

7Iniciando a discussão que se estabelece em nível internacional acerca da relevância de utilização de ferramenta SIG para o tratamento do patrimônio industrial, explanaremos adiante o estudo de He (et. al., 2015), publicado em Taiwan. Nesta investigação os autores propuseram introduzir o SIG para o registro e análise do patrimônio cultural em contínuas escalas espaciais, tendo como objeto de estudo um patrimônio industrial militar do século XIX situado na China. As escalas propostas na investigação, nas quais se utiliza de técnica SIG para análise, são as escalas regional, urbana, do entorno, e local, sendo a escala do edifício e a escala do maquinário trabalhadas a partir de outra ferramenta de análise que não o SIG, pois esta não alcança o devido grau de detalhamento necessário nestes dois últimos casos. Como resultados, He (et. al., 2015) apresentam uma base de dados manuseáveis por meio de técnica SIG, considerando-se as distintas largas escalas de atuação do patrimônio. Este trabalho colabora, portanto, na concepção do patrimônio sob diferentes níveis de abordagens, ação que se faz necessária haja vista o tamanho impacto de bens industriais no território. A ferramenta SIG se mostra eficiente nesse caso, uma vez que ela é capaz de alcançar abrangentes níveis de compreensão, podendo ser trabalhados através de distintas escalas de percepção do objeto, desde sua conjuntura, até seu impacto perceptível na paisagem.

8Centrando-se nas investigações realizadas na Espanha, cabe destacar a tamanha relevância dos estudos efetuados na província de Andaluzia, no que concerne a utilização da ferramenta SIG para abordagens voltadas ao patrimônio. A primeira delas elaborada por Carredano (et. al., 1997), surge como uma necessidade de disposição de uma cartografia própria, neste caso, direcionada ao patrimônio arqueológico de Andaluzia, reconhecendo a necessidade de ferramentas para gestão através de informação georreferenciada sobre esses bens. Como primeira etapa de alcance deste objetivo se propôs a informatização de toda a documentação relacionada ao patrimônio arqueológico, que posteriormente seria incorporada ao SIG, «[...] facilitando así consultas múltiples y cruzadas entre distintas fuentes de datos con el fin de realizar análisis de carácter territorial» (CARREDANO et. al., 1997, p. 126). Cabe enfatizar que o artigo de Carredano (et. al., 1997) é escrito por agentes da comunidade acadêmica em conjunto com o Instituto Andaluz del Patrimonio Histórico (IAPH), ambos prevendo uma gestão futura do patrimônio baseada em SIG.

  • 1 Observação proporcionada a partir de Bolsa de Estágio e Pesquisa no Exterior (BEPE), financiada pel (...)

9Complementando o estudo de Carredano (et. al., 1997), em Cámara (et. al., 2012) é possível notar os avanços na discussão de utilização da técnica SIG para gestão do patrimônio no IAPH. Nesta abordagem o Instituto se centra na temática paisagística. Intitulado Registro de paisajes de interés cultural de Andalucía. Criterios y metodologia, por meio da apresentação das paisagens de interesse cultural na província, se pretende proporcionar novos métodos e temas de debate sobre como entender e gerir esses territórios. Nesse sentido, os critérios para seleção, identificação e localização das paisagens de interesse cultural da Andaluzia se encontram bem definidos, utilizando-se dentre seus instrumentos a ferramenta SIG, compreendida como uma maneira de contextualizar o espaço dentro do território. A técnica SIG atualmente é estabelecida como instrumento de gestão no IAPH, uma vez que todos os projetos passam, inicialmente, pelo setor de georreferenciamento para então haver prosseguimento às ações previstas1.

10Em termos de definição, Puerto (et. al., 2015) acrescentam que o SIG não é meramente um programa de cartografia no computador, ou apenas uma ferramenta de georreferenciamento, e também não se enquadra em um Desenho Assistido pelo Computador (em inglês, Computer Aided Design, CAD). «Distintamente de un CAD, un SIG es capaz de relacionar datos con elementos gráficos y generar nuevas informaciones mediante manipulación, reelaboración e interpretación» (PUERTO et. al., 2015, p. 2). E acrescenta:

Lo singular del SIG reside en su capacidad para almacenar y organizar grandes masas de información georreferenciada, trabajar con distintas fuentes documentales (tablas, textos, imágenes, cartografías históricas, estadísticas) y realizar análisis espaciales a distintas escalas y distintos niveles de información. (PUERTO et. al., 2015, p. 2)

  • 2 Vide «www.ideandalucia.es/portal/web/ideandalucia/».

11Cabe destacar que para haver a ampla utilização do SIG para o gerreferenciamento de elementos diversos no território, se faz necessária a formatação e disponibilização de mapas bases. A província de Andaluzia também se destaca neste aspecto uma vez que dados como esses são disponibilizados ao público geral em plataforma online2. López (2016) inclusive enfatiza essa questão em seu artigo, compreendendo que a acessibilidade de bases para georreferenciamento disponibilizadas pela província de Andaluzia reflete em mudanças substanciais na forma de trabalho de profissionais de distintas áreas.

12López (2016) possui como foco de investigação a criação de ferramenta integradora e eficaz para gestão do patrimônio natural e cultural inerente as salinas de Andaluzia, utilizando-se de ferramenta SIG nesse processo. De acordo com a autora, a técnica SIG se mostra como uma metodologia de análise e gestão adequada para se trabalhar com áreas de grande extensão, como é o caso das salinas. Isso se deve a «[...] un volumen considerable de variables e información que, en la mayoría de casos, es diversa y heterogénea» (LÓPEZ, 2016, p. 96). Para a construção de base de dados, López (2016) considerou as informações básicas relativas às salinas (como tipologia, localização, dentre outros); componentes territoriais (descrição básica das principais características dos elementos antrópicos e biofísicos que conformam o território onde se localiza a salina); descrição da exploração (que inclui elementos próprios de sua instalação e edifícios); e a inclusão de levantamento fotográfico (LÓPEZ, 2016). Esse levantamento contribuiu para a formulação do conteúdo que compõe a base proposta pela autora, assim como colabora para o estabelecimento de futura base que se pretende construir em trabalhos posteriores ao artigo aqui proposto.

13Em Portugal identificou-se o trabalho de Gonçalves (2012) que visou a criação de metodologia de inventariação do patrimônio urbano utilizando SIG livre, a exemplo do QGis, adotado no estudo aqui proposto. Ademais do software mencionado, o estudo de Gonçalves (2012) também se assemelha ao nosso na medida em que contextualiza as recomendações internacionais de preservação do patrimônio, tendo em vista que todas elas recomendam a produção, conservação e acesso a informação atual de tais patrimônios. No que concerne à sua gestão, a autora compreende que através da integração de dados em ambiente SIG é possível registrar as características gerais e particulares do bem estudado, «[...] criando diagnósticos informados e sustentados do conjunto urbano ou de um edifício em particular, contribuindo desta forma para a sua reabilitação» (GONÇALVES, 2012, p. 8). De maneira semelhante a Puerto (et. al., 2015), Gonçalves (2012) também discute a relação CAD-SIG, focando na problemática de conversão de informações do CAD para o SIG. Segundo a autora, existem algumas situações para se preparar nessa conversão, como o georreferencimento de um sistema de coordenadas final; os problemas de compatibilidade; e o tipo de entidades utilizadas (GONÇALVES, 2012, p. 56). Gonçalves (2012, p. 68) acrescenta ainda que a disponibilização da informação através da internet, por meio das câmaras municipais, aproxima o munícipe ao poder local. A discussão levantada por Gonçalves (2012) é de sumo interesse neste artigo, uma vez que sua abordagem vai em encontro com as análises acima expostas, relacionadas à adequação de técnicas de identificação do patrimônio; à necessidade de identificação desses bens, de acordo com o exposto nas Cartas Patrimoniais; bem como a disponibilização dessas ferramentas por parte das municipalidades, favorecendo a investigação, gestão, e reconhecimento do patrimônio.

14Também em Portugal, Noé (2016) apresenta o Sistema de Informação para o Patrimônio Arquitetônico (SIPA), inicialmente desenvolvido em âmbito estadual e que em 2015 passou a ser integrado à Direção-Geral do Patrimônio Cultural (DGPC), como um sistema de informação e documentação unificado em Portugal. Constituindo-se, de acordo com a autora como o «[...] mais extenso, profundo e representativo inventário de patrimônio arquitetônico, urbanístico e paisagístico de relevância nacional, regional e local, em Portugal» (NOÉ, 2016, p. 70). Associada ao SIPA encontra-se uma

[...] base de dados, em permanente atualização, permite pesquisas por palavra ou associação de palavras, em cada um dos campos, ou conciliando vários campos, em apenas um registro, ou no universo total de registros. A mesma base tem associado um programa de georreferenciação, a qual está integrada num sistema de informação geográfica (SIG) que permite a sua disponibilização ao ponto [...]. A inventariação da paisagem, [...] possui igualmente uma base de dados específica e em SIG (com informação alfanumérica que permite o cruzamento de dados) dos edifícios e estruturas, conjuntos urbanos e unidades de paisagem. (NOÉ, 2016, p. 83)

  • 3 Vide «www.monumentos.pt».

15Desse modo, verifica-se a funcionalidade da ferramenta SIG dentro de uma de suas principais vantagens no campo do estudo espacial que é o intercruzamento das informações, além do acompanhamento real e dinâmico do objeto estudado no espaço. Permitindo, conforme comenta Noé (2016), a produção de estudos comparativos e tipológicos inovadores sobre o patrimônio arquitetônico, bem como criar subprodutos de caráter cultural e turístico através de sua ampla divulgação em site institucional3.

16Centrando-se nas investigações realizadas em âmbito brasileiro, cabe destacar inicialmente o trabalho de Neves (2003), ao demonstrar a utilização de SIG para a preservação do patrimônio cultural, particularmente no apoio ao IPHAN. Neves (2003) justifica a aplicação da ferramenta SIG ao patrimônio cultural pelo órgão de preservação, primeiramente pela necessidade de digitalização dos dados relativos aos bens protegidos associados a sua posição espacial, haja vista a ausência de uma sistematização desses dados de diferentes origens (NEVES, 2003, p. 1). A problemática apresentava por Neves (2002) diz respeito a reunião de informações atreladas aos bens protegidos, tais como seu descritivo, cartografias, fotografias, entre outras, que necessitam ser periodicamente atualizadas através do instrumento de inventário. A reunião dessas informações através da ferramenta SIG permite ao poder público o acompanhamento regular para a gestão do patrimônio, atualizando as informações e registrando as alterações ocorridas em uma única ferramenta (NEVES, 2003). Dentre as demais potencialidades de utilização da ferramenta SIG voltada a gestão do patrimônio, Neves (2003) acrescenta:

Com relação especificamente ao Patrimônio Cultural, pode-se optar pelo emprego de um SIG tanto como forma de evitar a duplicidade e o conflito na gestão urbana, como pela capacidade de geração de mapas de caráter mais dinâmico, isto é, mapas que podem refletir automaticamente as mudanças registradas nos dados tabulares, diferentemente dos mapas gerados pela sobreposição exigida no método analógico, proporcionando aos planejadores uma visão atualizada da realidade de sítios históricos passíveis de sofrer intervenção. (NEVES, 2003, p. 44)

17Neves (2003) também critica o emprego de programas do tipo CAD no apoio ao planejamento urbano, comumente utilizados no Brasil. De acordo com a autora, devido a complexidade dos aspectos que envolvem as ações preservacionistas, programas como CAD, que gera resultados pouco dinâmicos, inviabilizam respostas rápidas e satisfatórias conforme demandado no planejamento urbano.

18Moura (2008) concorda que para realizar previsões, construir cenários, correlacionar variáveis ou mesmo aplicar modelos de análise espacial, a ferramenta SIG seja a mais recomendada em comparação ao CAD, que de acordo com a autora, é mais indicado para responder questões voltadas a área de um fenômeno em específico. Em seu trabalho, Moura (2008) apresenta uma série de instrumentos tecnológicos que vêm sendo criados, a fim de permitir facilidades no planejamento, gestão, e na formulação de projetos voltados a espaços de distintos interesses, neste caso, ao patrimônio histórico. As questões apresentadas pela autora se relacionaram ao objetivo de estudar aplicações de recursos de geoprocessamento em planejamento urbano de áreas históricas e na gestão do patrimônio arquitetônico e urbanístico.

19Em sequência as investigações levantadas no Brasil relacionadas a temática proposta neste artigo, Santos (et. al., 2011) em sua analise propõe a aplicação de técnicas SIG na execução do cadastro técnico arquitetônico de um centro histórico na região nordeste do Brasil. Teve como objetivos específicos a instrumentalização de distintas ferramentas para obtenção de informações fotográficas; a percepção da comunidade; e levantamento fotogramétrico de seu objeto de estudo, a fim de integrar todos esses dados em um ambiente SIG para a geração de mapas temáticos com as características obtidas no cadastro. Como maneira de atuar frente a constante descaracterização de seu objeto de estudo, os autores compreendem a relevância de se integrar as informações relativas ao bem em um único ambiente, havendo a capacidade de fornecer os dados de forma rápida, com baixo custo e precisão.

20Nas investigações de Moura (et. al., 2013) e Ferla (et. al., 2016) se discutem a utilização de ferramentas SIG no processo de pesquisa e inventário de bens patrimoniais, partindo-se do pressuposto que o instrumento de inventário de bens protegidos é uma tarefa complexa e detalhada, pois exige o levantamento aprofundado dos diversos componentes do patrimônio. Compreende-se, portanto, que o SIG contribui, assim, para que a integração dos dados cartográficos e alfanuméricos associados a um objeto resulte em um registro de informações robusto, ágil e acessível e que considere sua variação no tempo (MOURA et. al., 2013). As funcionalidades do material dinâmico gerado são diversas, como ferramenta que auxilia na gestão governamental do patrimônio, em sua divulgação e consequente conhecimento desses bens (MOURA et. al., 2013); bem como suas facilidades para a pesquisa, em especial ao ofício do historiador no qual se enquadra o contexto do estudo de Ferla (et. al., 2016).

21Por fim, cabe destacar o trabalho de Lima (et. al., 2015) que tratou de uma aplicabilidade específica do material dinâmico gerado através de SIG. A pesquisa objetivou, através de um estudo interdisciplinar, identificar o patrimônio cultural de um distrito situado na região sul do Brasil, e assim relacionar o potencial turístico da região com a preservação dos bens locais. Um resultado foi a produção de acervo cartográfico analisável através de SIG, podendo ser utilizado como subsídio à criação de novas ferramentas de gestão, as quais tenham como objetivo a preservação do patrimônio, seu livre acesso a população, bem como a visualização de seu potencial turístico e importância histórica (LIMA et. al., 2015).

22Os trabalhos expostos nesse item são apresentados com a finalidade de demonstrar a tamanha relevância de utilização de técnica SIG para o tratamento do patrimônio. De maneira geral, justifica a funcionalidade da ferramenta, assim como critica os métodos tradicionais de levantamento, investigação e gestão do patrimônio, considerados pouco dinâmicos para as necessidades do planejamento urbano. Essas investigações fundamentam o trabalho explanado no item subsequente que se relaciona ao Conjunto de Edificações da CPEF, antigo complexo industrial ferroviário, situado na região sudeste do Brasil, e atualmente conhecido como Complexo FEPASA.

Resultados

23A Companhia Paulista de Estradas de Ferro (CPEF) surge em 1868, na então província de São Paulo, inserindo suas primeiras instalações na cidade de Jundiaí em 1881, cuja área construída inicialmente abrangeria 8.567m² (IPHAN, 2004). Após a ampliação dos serviços concluída no ano de 1896, sua área passou a compreender 145.091m², composta por edifícios administrativos com escritórios e inspetoria geral, armazéns, depósitos, oficinas (fundição, ferraria, caldeiraria) e maquinário em geral, destinados a facilitar as reparações de locomotivas (IPHAN, 2004). Após a obsolescência do transporte ferroviário observada no Brasil nas décadas de 1960 e 70, no ano de 1971 o governo do estado de São Paulo criou, dentro do plano de extinção das vias férreas, a Ferrovia Paulista Sociedade Anônima (FEPASA), incorporando, dentre outras companhias ferroviárias, a CPEF em sua administração e propondo a unificação da rede de transporte do estado, a fim de modernizar sua estrutura.

24Tendo em vista o valor histórico, tecnológico, social, arquitetônico e científico presente em tal tipologia de edifícios, The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage (TICCIH, 2003) reconhece a necessidade de atuações sobre sua preservação, visto que se trata de um patrimônio industrial. Dado esse contexto, e consideradas as valorações especificamente levantadas pelo corpo técnico do órgão de preservação IPHAN, foi decretada a proteção em nível federal no ano de 2002 do Conjunto de Edificações da CPEF em Jundiaí pelo mencionado Instituto, através do processo 1.485-T-2001 (Figura 2). Os remanescentes que compõem o conjunto passaram por distintas administrações, como a já mencionada FEPASA, a Rede Ferroviária Federal S. A. (RFFSA) e, desde 2001, a Prefeitura Municipal de Jundiaí. No período em que o conjunto ferroviário foi gerido pela FEPASA, passou a ser reconhecido como Complexo FEPASA, nome que se mantém até os dias de hoje.

Figura 2 - Perímetro de proteção do Conjunto de Edificações da CPEF (Complexo FEPASA)

Figura 2 - Perímetro de proteção do Conjunto de Edificações da CPEF (Complexo FEPASA)

Elaborado pela autora, 2018

25No decreto de proteção emitido no ano de 2002, foram consideradas 34 edificações enquanto partes componentes do conjunto ferroviário. Referente a essa identificação considerada pelo IPHAN (vide Figura 2), cabe frisar sua insuficiência para a compreensão do funcionamento, conjuntura e articulação do complexo. Assim, tendo como base a Planta das Oficinas de Jundiaí, elaborada pela FEPASA em 1972, identificou-se que na realidade tratam-se de 71 edificações existentes no Complexo FEPASA (Figura 3). Posteriormente verificou-se que, ademais das 71 edificações industriais inseridas em meio ao perímetro interno do conjunto ferroviário inventariadas pela FEPASA, foram identificados outros quatro elementos que comportavam atividades relacionadas à CPEF, sendo o pátio ferroviário, a estação ferroviária, a vila ferroviária, o grêmio recreativo e o horto florestal. Totalizando, portanto, 76 remanescentes associados ao conjunto ferroviário (Figura 5). Na Figura 4 é possível verificar as potencialidades do instrumento SIG ao possibilitar ao usuário agregar campos de informações, denominado “Tabela de atributos”, aos elementos identificados no espaço.

Figura 3 - Conjunto de edificações relacionadas pela FEPASA em 1972

Figura 3 - Conjunto de edificações relacionadas pela FEPASA em 1972

Elaborado pela autora, 2018

Figura 4 - Tabela de atributos do projeto Conjunto de edificações relacionadas pela FEPASA em 1972

Figura 4 - Tabela de atributos do projeto Conjunto de edificações relacionadas pela FEPASA em 1972

Elaborado pela autora, 2018

Figura 5 - Elementos associados à CPEF

Figura 5 - Elementos associados à CPEF

Elaborado pela autora, 2018

26Nota-se que a aplicação de técnica SIG pelos diferentes órgãos públicos associados ao Complexo FEPASA auxiliaria em análises mais precisas sobre esses bens, identificando seus remanescentes presentes na cidade, a partir de escala espacial urbana, na qual a atualização dos dados dispostos na tabela de atributos permitiria sua manutenção constante. No que concerne a atribuição de proteção ao patrimônio industrial, no processo de proteção direcionado ao Complexo FEPASA pelo IPHAN, verificou-se a elaboração de inventário pouco dinâmico e preciso, impossibilitando análises claras sobre as edificações que compõe o Complexo FEPASA. Realidade que poderia ser alterada por meio do uso de técnica SIG, de maneira inclusive a possibilitar à administração pública, através do compartilhamento das bases cartográficas, a interligação entre a proteção ao patrimônio às políticas de planejamento urbano, conforme proposto na Declaração de Amsterdã (1975).

27Observa-se, portanto, que os inventários construídos até então não têm considerado essa possibilidade, e consequentemente deixado de abarcar uma série de edifícios de relevância para o funcionamento original do conjunto ferroviário, tais como a vila ferroviária, o horto florestal, entre outros dispostos na Figura 5. A estação ferroviária, mesmo que considerada pelo órgão de preservação como integrante do entorno do conjunto protegido, sofreu as consequências diretas da falta de acompanhamento, manutenção, e projetos de reutilização, cujo descaso resultou em um incêndio nela ocorrido em julho de 2018 (Figura 6).

Figura 6 - Estação Ferroviária da CPEF após incêndio ocorrido em julho de 2018

Figura 6 - Estação Ferroviária da CPEF após incêndio ocorrido em julho de 2018

Fonte: Milena Meira da Silva, 2018

28Este fato reforça a necessidade de elaboração de políticas de proteção e gestão mais efetivas, possibilitada a partir da atualização de instrumentos de identificação e acompanhamento de bens protegidos, como o inventário, adotando-se técnicas mais efetivas para sua visualização no território, conforme possibilita a ferramenta SIG.

Considerações finais

29A revisão bibliográfica permitiu reconhecer a relevância de utilização de técnica SIG como uma compilação de informações e atributos relativos ao patrimônio, permitindo análises através de sua espacialização no território. Na província de Andaluzia, na Espanha, conforme destacado em todos os trabalhos espanhóis consultados, verificou-se a ampla utilização dessa ferramenta, as vantagens de seu uso, assim como os avanços alcançados na preservação do patrimônio utilizando-se de seus atributos e funcionalidades. Muitos dos autores consultados também enfatizam o quanto uma técnica dinâmica como o SIG pode ser mais indicada ao tratamento do patrimônio, em contrapartida a ferramenta CAD. Em âmbito brasileiro, observa-se que as vantagens e funcionalidades da técnica SIG são amplamente abordadas nas investigações científicas realizadas no Brasil, entretanto, sua integração às políticas de preservação ao patrimônio e planejamento urbano não tem seguido a mesma dinâmica.

  • 4 BEPE - FAPESP (processo nº 2018/00569-7).

30O levantamento apresentado integrou investigação efetuada na Universidad de Málaga4, bem como a dissertação de mestrado da autora. Para esta exposição foram consultadas diferentes fontes, como o processo de proteção vinculado ao Complexo FEPASA, além de consulta a mapas históricos da antiga administradora do conjunto ferroviário. Em meio a esse estudo foi possível alcançar perceptível nível de precisão quanto à localização e conjuntura do complexo ferroviário adotado como objeto de pesquisa. Por fim, conforme explanado em item anterior, percebe-se a potencialidade da ferramenta, ao ser associada aos diversos dados relativos ao objeto de estudo, bem como aos dados gerais e mais amplos relacionados ao patrimônio industrial. Em meio a essa escala mais ampla destaca-se a infraestrutura de sua conjuntura urbana, identificada em instrumentos de gestão como o zoneamento urbano, infraestrutura de serviços, transportes, e turismo, além da percepção da comunidade do entorno, e dados biofísicos, como o relevo, características do solo e áreas naturais, levantamento também alcançado pela ferramenta SIG.

Bibliographie

CÁMARA, José Maria Rodrigo [et. al.] - Registro de paisajes de interés cultural de Andalucía. Criterios y metodología. Revista PH. Vol. , n.º81 (2012), p. 64-75. [Consult. 20 Set. 2018].

CARREDANO, Fernando Amores [et. al.] - Planteamientos y primeros resultados de la transferencia a soporte SIG del Inventario de Yacimientos Arqueológicos de Andalucía. Revista PH. Vol. 18. (1997), p. 124-133. [Consult. 20 Set. 2018.] ISSN 2340-7565.

CONSELHO DA EUROPA - Declaração de Amsterdã (1975). [Consult. 20 Maio 2018].

ENVIRONMENTAL SYSTEMS RESEARCH INSTITUTE INC. (ESRI) - What is GIS? [Consult. 12 Out. 2018],

FEPASA. Planta das Oficinas de Jundiaí nº J-12.555. FEPASA, 1972.

FERLA, Luis [et. al.] - Mapeamento SIG na pesquisa e inventário do patrimônio arqueológico de Guarulhos (PIPAG). Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia. Vol. 26 (2016), p. 84-94. [Consult. 20 Set. 2018].

GONÇALVES, C. I. B. (2012) – SIG em código aberto e património urbano. Lisboa: Faculdade de Arquitectura Universidade Técnica de Lisboa. Dissertação de Mestrado.

HE, J. [et. al.] - A GIS-based cultural heritage study framework on continuous scales: a case study on 19th century military industrial heritage. Em: 25th International CIPA Symposium. [Em linha]. Vol. XL n.º5/W7 (2015), p. 215-222. Taipei, Taiwan. [Consult. 20 Set. 2018].

IPHAN - Conjunto de Edificações da Companhia Paulista de Estradas de Ferro (Processo n°1.485-T-01. Livro Histórico: vol. 2, folha 080, inscrição 570. Data: 14/07/2004). Rio de Janeiro: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 2004. 4 v.

LIMA, André Souza de [et. al.] - Incentivo ao turismo por meio da identificação e mapeamento do patrimônio cultural do distrito de Saí, São Francisco do Sul (SC). Resgate: Rev. Interdiscip. Cult. [Em linha]. Vol. 23, n.º 2, (2015), p. 93-104. [Consult. 20 Set. 2018].

LÓPEZ, Emilia Román - Los sistemas de información geográfica en el análisis y gestión del patrimonio territorial. El caso de las salinas de Andalucía. Nuevas estrategias en la gestión del Patrimonio Industrial I Congreso Internacional de Patrimonio Industrial y de la Obra Pública. ISBN: 978-84-617-5659-9. (2016), p. 92-106.

MOURA, Ana Clara Mourão - Geoprocessamento na gestão do patrimônio histórico. Em: Fórum Patrimônio: Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável (2008), p.127-157. Belo Horizonte, Brasil.

MOURA, Ana Clara Mourão [et. al.] - O uso das ferramentas do sistema de informações geográficas (SIG) no processo de inventário de bens patrimoniais. Encontro Internacional Arquimemória sobre preservação do patrimônio edificado. Bahia, Brasil. Vol. 4, (2013), sem página. [Consult. 20 Set. 2018].

NEVES, Janice Maciel (2003) – Tecnologias da geoinformação para análises espaciais em sítios históricos. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Tecnologia de Geociências, Programa de Pós-Graduação em Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação. Dissertação de Mestrado.

NOÉ, Paula - Sistema de informação para o patrimônio arquitetônico, Lisboa, Portugal. Em: Rev. CPC, São Paulo, n. 21 especial, p. 67-98, 1. sem. 2016. [Consult. 06 Nov. 2019].

PUERTO, Francisco Pinto; FERREIRA Patricia Ferreira - Introducción a los sistemas de información geográfica (SIG). In: Departamento de Expresión Gráfica Arquitectónica ETSA Sevilla. Dibujo y Máquina. Curso 2014-2015.

SANTOS, Luciany Roberta Damascena dos [et. al] - Cadastro técnico do patrimônio histórico da cidade de João Pessoa-PB utilizando técnicas de geoprocessamento. Em: Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto – SBSR (2011), p. 4428-2235. Curitiba, Brasil. [Consult. 20 Set. 2018].

Notes

1 Observação proporcionada a partir de Bolsa de Estágio e Pesquisa no Exterior (BEPE), financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP - processo nº 2015/22544-8), realizada na Universidad de Sevilla na província de Andaluzia – Espanha, em 2016.

2 Vide «www.ideandalucia.es/portal/web/ideandalucia/».

3 Vide «www.monumentos.pt».

4 BEPE - FAPESP (processo nº 2018/00569-7).

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Localização do Conjunto de Edificações da CPEF (Complexo FEPASA)
Crédits Elaborado pela autora, 2018
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14152/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 2,9M
Titre Figura 2 - Perímetro de proteção do Conjunto de Edificações da CPEF (Complexo FEPASA)
Crédits Elaborado pela autora, 2018
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14152/img-2.png
Fichier image/png, 4,7M
Titre Figura 3 - Conjunto de edificações relacionadas pela FEPASA em 1972
Crédits Elaborado pela autora, 2018
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14152/img-3.png
Fichier image/png, 4,2M
Titre Figura 4 - Tabela de atributos do projeto Conjunto de edificações relacionadas pela FEPASA em 1972
Crédits Elaborado pela autora, 2018
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14152/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 360k
Titre Figura 5 - Elementos associados à CPEF
Crédits Elaborado pela autora, 2018
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14152/img-5.png
Fichier image/png, 3,5M
Titre Figura 6 - Estação Ferroviária da CPEF após incêndio ocorrido em julho de 2018
Crédits Fonte: Milena Meira da Silva, 2018
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/14152/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 5,7M

Auteurs

Mestre em Arquitetura e Urbanismo na Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da Universidade Estadual Paulista (UNESP). E-mail: milenameiras@gmail.com.

Professor Doutor na Universidade Estadual Paulista (UNESP). E-mail: eduardo.romero.de.oliveira@gmail.com.

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search