Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Indústria e conflito no meio rural

 | 
Paulo Eduardo Guimarães

Apêndices

Documentos

Texte intégral

1. A Mason & Barry
As crises de trabalho agrícola, os trabalhos nas minas e nas obras do Estado

1«No meio da espantosa crise que a classe operaría deste distrito tem atravessado à falta de obras públicas onde possa ocupar-se, é uma verdadeira providencia que a empresa desta mina tenha podido dar trabalhado a alguns dos muitos infelizes que em Março e em Abril também por aqui vagueavam à pergunta dele (...) A empresa da mina de São Domingos acode sempre a muitos infelizes quando em crítica situação; mas não o pode fazer a todos porque os pobres sao muitos, sendo por isso necessário que os poderes competentes contribuam para conjurar o mal que novamente se acentuará para o inverno, se aínda não houver mais trabalhos públicos. Que a estrada de Mértola comece, pois».

2in O Bejense, 646, 18. Maio. 1905.

2. Grândola. As minas do Lousal e da Serra da Caveira
A imagem dos mineiros

3«Existem neste concelho duas importantes minas que já dão que fazer a mais de mil operarios. Por tal motivo aumentou consideravelmente o movimento desta vila, sendo ela também agora visitada por avultado número de individuos suspeitos que, buscando trabalho nas minas e não o encontrando, por aqui se demoram, promovendo rixas e originando distúrbios que, muito justificadamente, trazem sobressaltados os habitantes desta vila.

4Tenho um trabalho improbo para aqui manter a ordem, tanto mais que aos sábados e domingos vêm à vila grande quantidade de mineiros, quasi com o exclusivo propósito de se entregar à embrieguez, pois que nas minas o vinho lhes é fornecido por conta e nesta vila há 19 vendas de vinho».

5in Arq. da Câmara Municipal de Grândola, Administrador do Concelho, Reg.° da Corresp. Exped. p.a o Gov. Civil de Lx, fl. 24 v.°, of. 177 de 13/07/1908.

3. Aljustrel
O regime de trabalho e a sinistralidade nas minas

6«Sendo frequentes os desastres havidos nas minas de que V.Ex.a é mui digno Director, cabe-me a honra de solicitar de V.Ex.a o ¡mediato apuro de responsabilidades, pelo mau incitamento ou falta de cuidado, por parte de capatazes ou engenheiros, em trabalhos árduos que têm por epílogo a morte do operario e bastas vezes fracturas que o inibem, de futuro, a angariar o pão de cada dia para si e família.

7Ora, não garantindo a Sociedade Anónima das Minas de Aljustrel o bem estar dos operários, em caso de desastre, subsidiando-os em caso de falecimento, estabelecendo pensões à familia que reduzida fica à miseria por tal omissáo, necessária se torna a vigilância nos trabalhos, a fim de a coberto de responsabilidades ficar a direcção.

8Outrossim rogo a V.Ex.a. que informem a autoridade administrativa dos desastres que ocorrerem.

9Aljustrel, 25 de Outubro de 1906, O administrador do concelho, A.M.Pinto Leal».

10in Arq.Hist. Aljustrel, Adm. do Concelho, of.° 644 dirigido ao Director
das Minas, Copiador da Correspondencia expedida.

4. Aljustrel
A direcção da Sociedade Belga e as autoridades republicanas (1917)

11«Acusando a recepção do oficio de V.Ex.a n.° 282 de 23 do corrente e bem assim dos documentos que o mesmo oficio acompanhavam, vou tentar apossar-me da maior serenidade para prestar a V.Ex.a com Verdade e Justiça, as informações que solicita.

  • 1 [Vitorino Volpelière, de nacionalidade belga, director das Minas e cônsul em Portugal].

12Começaria por declarar a V.Ex.a que me é bastante penoso ser obrigado a defender-me de um homem que me acusa sem razão, só pelo facto de eu, prezando muito a minha dignidade como Administrador do Concelho e como cidadão, não me ter deixado subornar por ele, como tantos outros que subsidia para lhe obedecerem como lacaios1.

13Se eu, consentindo em receber quaisquer beneficios materials da sua mão, me tornasse um empregado submisso do Director das Minas em vez de, como é a minha obrigaçao e o meu dever, administrar este concelho fazendo a diligência de proceder imparcialmente para com todos, essa reaccionária creatura que, abusando da sua privilegiada situação de representante duma rica e poderosa companhia estrangeira, pretende aniquilar-me, dirigir-me-ia elogiosos oficios e encher-me-ia de benésses.

14Mas não; eu desprezo esses elogios, todas essas benesses, assim como nutro o maior desprezo pelo... déspota que as dispensa e pelos lacaios que as aceitam.

15Dito isto não é a milésima parte do que eu tinha razáo para dizer, vou entrar no assunto das informações propriamente ditas:

16Não tive nem tenho conhecimento de complots em que se tratasse de atentar contra a vida do Director das Minas de Aljustrel, nem de quaisquer outros empregados, nem mesmo de outras pessoas.

17Sobre bombas atiradas para a cerca onde está a habitação do Snr. Volpelière, consta-me ser apenas uma e ter rebentado a uns trinta ou quarenta metros desviado da mesma habitação e que apenas destruiu... urnas caseiras de pepinos!

18Devo acrescentar esta informação que só d'ela tive conhecimento no día seguinte e por pessoas estranhas, pois que o Snr. Volpelière não me apresentou qualquer queixa contra o facto, nem a sua policía que é numerosa, nem a Guarda Nacional Republicana que, segundo o próprio Director das Minas confessa, lhe prestou auxilio e procedeu às necessárias averiguações, mandaram as respectivas participações como têm por obrigaçao enviarem à Administração do Concelho.

19Já vê V.Ex.a a razão com que sou acusado de não ter prestado auxilio ao Snr. Volpelière; o que está provado é que tanto o Snr. Director das Minas como a sua policía e a Guarda Nacional Republicana procederam de má fé não me participando a ocorrência para depois me acusarem de não ter procedido às necessárias averiguações. Tática de reaccionarios e de hipócritas... No dia seguinte ao de ter rebentado a bomba na cerca do Director, ouvi dizer a muitas pessoas que não valia a pena proceder a averiguações, visto que aínda no tempo da Monarquía lá tinham rebentado outras bombas e que depois de varias diligencias a que se procediam, toda a gente ficou suspeitando que elas tinham sido colocadas por... os próprios familiares. Sobre as correspondencias dos jornais em que se sente alvejado o Director das Minas, nada tenho com isso e cousa alguma posso informar a esse respeito.

20Se o Snr. Volpelière se julga ofendido, infamado e caluniado naquelas correspondências, recorra aos tribunals em harmonía com a Lei de Imprensa.

21O Snr. Director das Minas embirra com a correspondência dos jornais, mas no tempo da Monarquía mandou vir para aqui um degenerado, que dá pelo nome Francisco José Soares, de propósito para informar e caluniar todos os republicanos; o qual aínda conserva ao seu serviço para, de vez em quando, vomitar insidias contra aqueles que não se submetem às imposições do Snr. Volpelière.

22Aínda há poucos días esse vendido pretendeu ferir-me chamando-me “cretino” em uma correspondencia inclusa no penúltimo número de “O Bejense”, ao mesmo tempo que caluniava os dirigentes do Partido Republicano Português nesta vila, às ordens do patrão.

23Além deste escriba tem conservado outros da mesma força, pagando-lhes bem para defenderem a Mina, infamando os Republicanos.

24Citaremos dentre eles o célebre João Veneno que há poucos días deixava de ser secretário da redacção do Jornal Católico “A Ordem”, e muito conhecido nessa cidade onde foi Director do “Distrito de Beja”, jornal do Bispo Sebastiáo.

25Mas apesar de tantos defensores, os seus actos são táo irregulares que não é possível encobrir os seus maus efeitos, mesmo espalhando dinheiro às mãos cheias.

26Pede uma sindicância aos seus actos e aos actos do seu Estado Maior, chegando o seu arrojo a oferecer-se para pagar as despesas com a sindicância!... Por pouco não disse logo que gratificaría generosamente o sindicante.

27Isto é inaudito.

  • 2 Aresta Branco foi o 1.° governador civil de Beja após a implantação da República (1910-1912). Os a (...)

28Pois que venha a sindicância e o sindicante que adquira as colecções do jornal “A Lucta” e o “Mundo” de 1905 a 1912, que ali encontrará traçado, com inteira justiça e verdade, a bela biografía ao Snr. Volpelière. Deve também ser ouvido o Snr. Brito Camacho para explicar as razóes porque disse, num comido público a que assistiam mais de 4.000 pessoas “ O Director das Minas de Aljustrel é um hospede indigno, amanhã quando se implantar a República em Portugal temos o direito de lhe pegar num braço e pôlo na fronteira”. Também era conveniente inquirir-se quais os motivos que levaram o Snr. Dr. Aresta Branco, quando Governador Civil do Distrito de Beja, a vir a Aljustrel e a chamar esta Administração o Snr. Volpelière e dizer-lhe na presença de centenas de trabalhadores: “V. Ex.a é que é o principalgrevista; portante é a V Ex.a que torno responsávelpela alteração da ordem pública em Aljustrel”2.

29É possível que os Snrs. Drs. Brito Camacho e Aresta Branco e outros políticos republicanos, que criticavam severamente o Snr.Director das Minas, hoje pretendam defendê-lo; mas o que eles não podem é negar o que publicamente diziam a seu respeito.

30Diz o Snr.Volpelière que na sua qualidade de estrangeiro não pode fazer e não faz política?! Que ousadia. Será ele capaz de negar que no tempo da Monarquía obrigava os operários a irem debaixo de forma, comandados pelos seus respectivos capatazes, até junto da uma onde recebiam as listas para votarem contra os republicanos?

31Também negará que despedía e perseguía, por todas as formas ao seu alcance, os empregados e operários da mina que desconfiava terem votado com a lista republicana? Será aínda capaz de negar que no ano passado, quando estava para se realizarem eleições dos Corpos Administrativos, indicou a alguns dos seus operários que votassem na lista da “Uniáo Republicana”?

32Sim, é capaz de negar porque ele afirma e nega tudo segundo as conveniencias.

  • 3 Jacinto Nunes, sogro de Brito Camacho, era unionista.

33Aínda na última eleição de Senador pelo Distrito de Beja, a maioria dos votantes na Assembleia de Aljustrel a favor do Snr.Dr. Jacinto Nunes, foi de dependentes da Mina3. Sobre a prejudicial acção política do Snr. Volpelière poder-se-ia encher resmas de papel; mas apenas acrescentarei nesse sentido o seguinte, que foi dito por aquele Snr. “ Todas as Repúblicas são más, especialmente a Portuguesa”Não posso dar mais saldrio porque o Snr. Dr. Afonso Costa foi ao estrangeiro estudar a forma de extorquir muito mais dinheiro às companhias e por isso a Sociètè tem que pagar muito mais etc. etc. etc.” Diz o Snr. Volpelière que está tranquilo, porque tem cumprido escrupulosamente o seu dever, fazendo todo o bem possível aos seus operários e todo o povo de Aljustrel?! Que atrevimento; quais serão os melhoramentos que ele tem feito a esta vila? Com quanto tem contribuido para as casas de beneficiência deste concelho? O Hospital da Misericordia desta vila explorou-o enquanto pode, enviando para ali os feridos da mina, abonando apenas um subsidio de $36 por dia, para cada doente, quantia que nem chegava para a lavagem da roupa; até que entrou um Provedor que lhe cortou a coleta, vendo-se entáo obrigado a construir um hospital para receber os lastimados da mina. A respeito de reformas e aumentos da vila de Aljustrel, feitas à custa da Sociètè, isso é uma irrisoria lenda que corre o mundo, fundada em bases falsas. No tempo da monarquía e depois de implantada a República, com intervalo de pouco mais de um ano, as vereações quando tinham alguns trabalhos a fazer entendiam-se com o Director das Minas e este mandava pessoal das mesmas proceder a esses trabalhos; pagava-lhes e depois vinha a haver da câmara a importância das despesas feitas ou lançá-las na conta corrente que tem sempre aberta com a tesouraria do Municipio. Esta é que é a verdade.

34O povo que via isto e não tinha conhecimento das combinações que haviam entre a Direcção da Mina e a Câmara Municipal, atribuía a existencia (e ainda muita gente atribuí) os melhoramentos feitos em Aljustrel, à generosidade do Snr. Volpelière.

35Diz-se, e talvez seja verdade, que a Mina já, por vezes, tem contribuido com uma quota parte para alguns melhoramentos desta vila, cujo são muito insignificantes. Dando de barato que seja verdade, o Snr. Director ter entrado com algumas quantias para o pagamento de serviços feitos nas ruas e largos desta vila, aínda não havia motivos para agradecimentos; visto que a Sociètè em vez de pagar anualmente 5.000$ ou 6.000$ paga apenas 1.500$, tendo poupado, portanto, mais de 40.000$ depois que começou a vigorar o “ruinoso contrato” feito por uma vereação monárquica e mantido, actualmente, pelas vereações “republicanas unionistas”.

36Já V. Ex.a vê, mesmo que a Société prestasse os beneficios que se arroga não era favor nenhum.

37Ε aínda para maior prova da boa vontade que o Snr. Director tem de contribuir para o engrandecimento de Aljustrel, basta dizer que tendo-lhe a Junta de Freguesia desta vila lançado, em harmonía com as leis respectivas, contribuições no valor de, aproximadamente, 1.000$, nega-se a pagà-las, procedimento que tem levado outros contribuintes a não pagarem também.

38O Snr. Volpelière, continuando a empregar os seus já muito conhecidos processos jesuíticos e hipócritas, louvaminha os altos dirigentes do Partido Democrático, declarando ser o único capaz de exercer o poder em Portugal, afim de tirar partido de tais matreirices e conseguir esmagar os democráticos de Aljustrel e até... o Ex.mo Governador Civil substituto do Distrito de Beja, trabalhando para isso auxiliado pelos unionistas e por um... bêbado incorrigível que, para se por ao abrigo do que lhe pudesse suceder, se filiou no partido... Democrático?!

39Pretende o reaccionário “enragé” mostrar regosijo pelo facto das tropas portuguesas estarem combatendo em França, ao lado dos franceses e ingleses, pela causa do direito, da justiça e da liberdade!

40Grande hipócrita; se ele sentisse aquilo que diz, em vez de estar de mãos dadas com todos aqueles que fazem a mais intensa propaganda contra a nossa participação na guerra, repeli-los-ia e deixaria de empregar os mais vis meios que usa, para ver se consegue aniquilar os partidários do actual governo que desassombradamente aquí propagam o dever e a obrigação que incumbe a todos os portugueses de irem combater em França.

41[...] O Snr. Volpelière quer fazer-se passar por um grande benemérito, mas afinal não passa de um perseguidor de todas as classes que residem em Aljustrel. Ele explora os operários pagando-lhes salários exiguos; persegue os comerciantes e os industriais, produtores, negociantes e moageiros, instigando os operários contra eles, dizendo-lhes que náo lhes concede aumentos no salário porque isso nada lhes aproveitaria, visto que os comerciantes, industriais, produtores, negociantes e moageiros estáo todos de guelras abertas para lhe absorver tudo quanto lhes désse. Quer o snr. Volpelière fazer acreditar que fez um grande sacrificio fornecendo farinha aos socios da Cooperativa “A Benfeitora” durante onze meses a $94 e $98 cada dez quilos?

42Não pode ser; toda a gente sabe que ele tinha comprado o trigo ao preço da tabela e que, portanto, em vez de prejuízo aínda teve lucro.

43Faz grande alarde do propósito em que está de adquirir trigos para fornecer farinha, durante um ano, a 11$ cada quilo ao pessoal que trabalha nas Minas!

44Mesmo que isso seja um facto, só com ele lucra a Société, visto que tal concessáo só dará um aumento de $10 ou $15 por dia ao chefe de familia, ao passo que se fossem aumentados os salários beneficiava todos os operários.

45Muitíssimo podia aínda dizer a brespeito das relações entre o Snr.Volpelière e os seus operários que ele ousa afirmar que trata com amor e carinho; mas deixo essa tarefa aos próprios operários que têm sentido o peso da sua crueldade.

46[...] Espero que V.Ex.a desculpará a maneira rude, mas sincera, com que lhe presto as infbrmações que solicitou.

47Saúde e Fraternidade».

48in Arq.Distrital de Beja, Governo Civil, Correspondencia recebida, of.° do adm. do conc. de Aljustrel, Mariano Antonio Pires de Freitas,
dirigido ao Governador Civil de Beja em 27. Jul. 1917.

5. Aljustrel
O motim de 1920 e a intervenção do embaixador belga em Portugal

  • 1 O nome do mineiro que «despachou» o policía da mina, atirando-lhe o gasómetro à cabeça, e feriu co (...)

49«No assunto dos oficios de 22 de Março último e que se refere o oficio de V. Ex. de 27 do mesmo mês, e o meu oficio de 12 de Abril último, encarrega-me o Ex.mo Ministro do Interior, por seu despacho de hoje, de lhe dizer que o Ministro da Bélgica enviou no Ministerio dos Estrangeiros uma nova nota sobre os acontecimientos nas minas de Aljustrel, onde continuam em liberdade os criminosos, e até em 7 do corrente ameaçaram matar o director técnico das minas1. O Ministro Belga receia que perante a impunidade dos assassinos, o pessoal dirigente tenha de abandonar os seus lugares.

50Este diplomata atribuí a situação à impunidade de que têm gozado os indigitados autores dos anteriores atentados, e por isso pede providencias rápidas para evitar algum atentado contra o pessoal [superior] das minas. O Ex.mo Ministro do Interior põe neste assunto o seu melhor interesse e pede enérgicas providências para que imediatamente cessem os factos apontados.

51Saúde e fraternidade,

52Direcção Geral de Segurança Pública, 15 de Maio de 1920,

53Carneiro de Moura»

54Arq.Hist.Alj., Corresp. recebida do Governo Civil de Beja,
of. de 17.Maio.1920, copia autêntica do Livra 2A, n.° 12 (copiador)
do Min. do Interior, Dir. Ger. da Segurança Pública.

6. Aljustrel A greve de Outubro de 1922
Salários e categorías de trabalho nas minas de Aljustrel (Apontamentos do administrador do concelho para o edital)

55«Cópia de preços em 14 de Dezembro de 1922

56Não tendo chegado a acordo a empresa das minas de Aljustrel com os seus operarios, faço saber que é garantida a liberdade de trabalho e que se encontra aberta a inscrição para todos os operários que desejam inscrever-se e retornar o trabalho nas condições e preços que seguem:

57Para todo o mais pessoal válido será aplicado o aumento de 1$00 sobre os salários do mês de Agosto.

58Apesar dos metalúrgicos não terem cumprido a condição estabelecida para terem direito ao aumento suplementar de $20 por dia aos homens válidos, mantemos este aumento para os metalúrgicos

59Todas as vezes que não seja possível aplicar os contratos de trabalho aos mineiros da contramina, os salários de companhia que eram no mês de Agosto de 4$00 serão agora 5$40

60Está garantida a liberdade do trabalho»

61Fonte: A.H.A.(Adm.do concelho), Papéis avulsos (1922).

7. Associação de Classe dos Operários Mineiros de Aljustrel
As dificuldades perante a crise de 1930-1932.

62[...] Ε quanto à cota federal devemos dizer-lhes que a encontramos um pouco elevada devido à pouca cotização que actualmente estamos a efectuar, apenas se encontram em dia 90 camaradas, sendo natural que, devido à grande crise que estamos a atravessar aínda tenhamos que ilibar do pagamento mais alguns socios, isto é, dos 200 camaradas que se encontram inscritos no sindicato, estão aproximadamente 100 sem trabalho, e os restantes encontram-se a 3 dias por semana (30$00!!!), alguns deles com 4, 5 e mais pessoas a seu cargo, só os de grande convicçio se estão a cotizar. Como deixamos de pagar a Voz do Mineiro, talvez nos seja possível contribuir com uma cota de 50$00, o que esperamos ser aprovado na próxima assembleia. Os camaradas do Sindicato Metalúrgico é que não lhes é possível pagar cota idêntica visto o reduzido número de socios em dia - uns 35 - julgo que eles deveráo resolver amanhã em assembleia.

63in AHS (Metalúrgicos) CX-105 MS-1075, Correspondêndia expedida
para a Federação dos Trabalhadores Mineiros e Metalúrgicos da Região Portuguesa,
Lisboa, of. n.° 21, 21/11/1931, de Manuel Patricio.

8. A crise de 1931-1932
A situação social nas minas do Lousal

64Acaba de chegar a Aljustrel o camarada Salvador Antonio Cortes que assistiu ao funeral do mineiro Manuel Bica, e que nos descreve o seguinte:

65Nota-se um grande descontentamento nos operarios da mina do Lousal, visto as condições em que a mina se encontra, nem só pela falta de segurança, como de tudo quanto diz respeito às exigencias (?) o devido respeito e atenção aos trabalhadores. No desastre falado, faleceu o Bica; 4 horas depois do desastre não tinha recebido tratamento algum; pois a mina não tern Hospital nem farmacia, apenas tendo duas visitas de médico por semana; ficou muito lastimado o capataz Manuel Godinho; havendo a impressão de que foi este que indigitou o Bica ao precipicio. Multa-se ali os operários a pretexto de qualquer falta insignificante, sem que os operarios tenham conhecimento do destino dado ao dinheiro das multas. Em suma, diz-nos que os mineiros vivem a vida dos mineiros primitivos tal como Emilio Zola a descreve no Germinal, não lhe sendo permitido que demonstrem o descontentamento, pelo indiferentismo e desprezo a que são votados pelo senhor Gomes — Director Técnico — que não se impõe em nada contra as injustiças de que os operários são vítimas.

  • 4 Fortes era almocreve pois vendía lanificios de terra em terra com urna mula.

66Diz-nos o camarada Fortes que lhe foi dada ordem de prisão - que não foi mantida - por ter distribuido o jornal Solidariedade pelos operários. Sendo expulso da área da mina, não lhe sendo permitido que fizesse venda dos seus artigos - Lanificios - na mesma área4. Impõe-se a urgente necessidade de ver se nos é possível organizar aqueles camaradas, devemos meter mão, devem os camaradas abordar a CGT e a mina de Sao Domingos que nós aquí vamos enviar um delegado ao Lousal para colher informes e preparar alguns camaradas para a comissáo organizadora, é conveniente fazerem algumas referencias no próximo número do jornal Solidariedade.

67Sem mais de momento,

68Pela Associação de Classe dos Operários Mineiros de Aljustrel

69[selo]

70O secretário,

71Manuel Patricio

72in AHS (Metalúrgicos) CX-105 MS-1075, Correspondêndia expedida...
of. n.° 82 à Federação Mineira e Metalúrgica, Lisboa.

9. A visita da policía ao sindicato de Aljustrel na sequência do movimento de solidariedade para com os mineiros de Valongo, em Setembro de 1932

  • 5 A policía levou também a correspondência. Foi então preso o Manuel Patricio e encerrado o sindicat
  • 6 O Argonauta era um grupo anarquista de Lisboa.

73No dia 14/09/1932 fomos visitados [o sindicato] por dois agentes da Policía Internacional que nos passaram uma rigorosa busca a todas as dependências do edificio social, inutilizando, com raiva, todos os números do Solidariedade [...] e como deparassem com meia dúzia de camaradas a contemplar e argumentar o monte de jornais inutilizados pediram-lhe satisfações com toda a sua arrogância; dando em resultado que muito povo acorreu ao sindicato a pedir-lhe contas dos seus actos, exigindo-lhe a minha liberdade, ao que cederam; pois... não foi sem dificuldade que os ânimos se acalmaram5. No dia seguinte, 15, voltaram acompanhados duma grande força de policía sob as ordens do Comandante Geral da Policía de Beja; não faltando um oficial da GNR acompanhado d'algumas praças, comparecendo também o respectivo chefe da Internacional; fui novamente detido para efeitos de averiguações, sendo passada nova e mais rigorosa busca a todas as dependencias, sendo levado o resto das correspondencias e todos os livros que se encontravam na pequena biblioteca - não escapando o Germinal de Emilio Zola; a Verdade e outros de igual valor, levando também os livros, Os Sindicatos Operários e a Revolução Social, Do Reformismo e do Estado e outros que nos haviam sido enviados do Argonauta para que procedessemos à sua venda6. Segui para Beja onde estive dois días incomunicável sendo posto em liberdade passados 5 dias, por nada se apurar que nos envolvesse em compromissos do que estávamos seguros, a não ser que o queixar-nos da onde nos doi constitua um crime. Como tenhamos andados envolvidos com este sarilho; e nos proibirem de nos reunirmos - uns dias dizem - Não temos enviado credencial aos delegados do concelho. Precisávamos saber da direcção do camarada Cardoso para lhe escrevermos directamente. Nota-se um resfriamento grande nestes camaradas de Aljustrel, tornando-se necessário uma ou duas Sessões de Propaganda, mas... como consegui-las?

74Manuel Patricio

75in B.N.L., A.H.S. (Metalúrgicos), CX-105 MS-1075, Correspondêndia expedida para a Federação dos Trabalhadores Mineiros e Metalúrgicos da Regiáo Portuguesa,
Lisboa (19 cartas e um postal), oficio de Manuel Patricio,
secretario administrativo do Sindicato mineiro em Alj., 28/09/1932.

10. Sao Domingos: a greve de 1932
As elites operárias e a classe durante o conflito

  • 7 Para tal teria contribuido o estado de indisposição geral da classe. Segundo Valentim Adolfo João (...)

76[A 12 de Outubro de 1932] a classe de cujos componentes grande número não era sindicado, abandonava o trabalho e foi insuficiente o nosso esforço praticado de inicio pelo regresso ao trabalho no dia imediato7.

  • 8 A reuniáo foi proibida e o sindicato encerrado pelas autoridades.
  • 9 O sindicato endividou-se com o comércio local, mas as dividas seriam pagas.
  • 10 Eram cerca de cento e cinquenta trabalhadores.

77O conflito que podía ter uma solução (embora transitória...) na primeira semana agravou-se pela intervenção da força armada em forma bélica, intervindo na noite de 14 na reunião ordeira que na sede social se realizava [...]8. Se o sindicato foi forçado pela vontade firme da classe a solidarizar-se também [com a greve], é certo que de inicio fomos nós os únicos que impregamos dignos propósitos de evitar o seu agravamento, até aconselhando o regresso de ¡mediato ao trabalho. As montorias feitas aos operarios, perseguições, ameaças, boatos, confusionismo e impedimento de reunião, etc., etc. e escassez de meios monetarios para socorrer os mais necessitados, ocasionaram o regresso de muita gente ao trabalho que se intensificou depois do dia 6 de Novembro9. quase todos os que não iniciamos qualquer trabalho tendente à greve de 12 de Outubro estamos agora sofrendo as consequências por estarmos afastados do trabalho10.

78Ρ.S. - O relato (...) feito pelo nosso camarada Valentim é a expressão dos factos ocorridos durante o movimento grevístico e a verdade sincera do nosso sentir.

79Pela Comissão Organizadora,

80Antonio Patricio

81in B.N.L., A.H.S., CX-104 MS-1097, Carta de V.A.J. aos delegados
do Sindicato dos Operarios da Industria Mineira de São Domingos
no Conselho Federal Plenário, ms. autógrafo de Valentim Adolfo João.

11. Sao Domingos: as mulheres na greve de 1932

82As companheiras ocupam o mais importante papel nos protestos públicos, demonstrações e encorajamento. Há heroicas companheiras feridas já pela violencia da cavalaria da GNR que com a cumplicidade da Empresa, procura aniquilar a cozinha comum, constrangem os mineiros a ir trabalhar e os mineiros abandonara os povos onde vivem. A propria empresa julgou ser-lhe fácil, com o desemprego que existe, arranjar amarelos, e só a(o) fim de muito esforço arranjou alguns que também já têm tido o prémio pago pelos rebeldes trabalhadores. A solidariedade de todo o país é animadora, mas se atendermos ao muito que carecem, posto que estáo quase há um mes em luta, os esforços têm de redobrar.

83Se vos recordais os períodos épicos da vossa greve tereis uma imagem do panorama do campo de luta que há em S. Domingos, [que] é onde se encontra hoje o espirito do proletariado revolucionário português.

84in A.H.S., (Metalúrgicos), CX-105, Ms-1068, Correspondencia expedida
para os sindicatos, of. para o sindicato mineiro de São Pedro da Cova.

12. A Federação Mineira e Metalúrgica: as dificuldades após as greves de 1932

85Não deveis estranhar que sejam anormais as nossas relações com a CGT porque a nossa vida interna, motivada pelo alheamento dos sindicatos, as próprias circunstancias em que ficou o comité após a conferencia [da Federação Mineira e Metalúrgica], pelo reduzido número de membros [...] tudo isso o que não vos é estranho contribuí para tal.

86O conselho reunirá com qualquer número de delegados creditados no próximo dia 17 do corrente e na nossa sede.

87in A.H.S., Metalúrgicos, CX-105 Ms-1054,
Oficio de 2.Mar.l933 à secção de Federações da CGT. (Extracto).

Notes

1 [Vitorino Volpelière, de nacionalidade belga, director das Minas e cônsul em Portugal].

2 Aresta Branco foi o 1.° governador civil de Beja após a implantação da República (1910-1912). Os acontecimentos descritos referem-se à greve de 1912, à qual a S.A.B.M.A. respondeu com um lock-out (a que a lei da greve de Brito Camacho dava cobertura).

3 Jacinto Nunes, sogro de Brito Camacho, era unionista.

4 Fortes era almocreve pois vendía lanificios de terra em terra com urna mula.

5 A policía levou também a correspondência. Foi então preso o Manuel Patricio e encerrado o sindicato

6 O Argonauta era um grupo anarquista de Lisboa.

7 Para tal teria contribuido o estado de indisposição geral da classe. Segundo Valentim Adolfo João refere noutro oficio, o conflito foi imposto pelas condições económicas da classe e pelo desprezo afrontoso do sub-dirigente naquele momento.

8 A reuniáo foi proibida e o sindicato encerrado pelas autoridades.

9 O sindicato endividou-se com o comércio local, mas as dividas seriam pagas.

10 Eram cerca de cento e cinquenta trabalhadores.

Notes de fin

1 O nome do mineiro que «despachou» o policía da mina, atirando-lhe o gasómetro à cabeça, e feriu com gravidade o director das minas era conhecido de toda a comunidade mas nunca foi incomodado pela policía (informação de Francisca Curtinha (†), filha do policía assassinado, em 1984).

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/141/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 95k

© Publicações do Cidehus, 2001

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr