Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

As interações como uma necessidade de análises que englobem: a arquitetura, as infraestruturas, a memória e a paisagem industrial

As arquiteturas do cereal em Évora

Francisco Maurílio

Résumé

Évora demonstrou pela história e legado arquitetónico ser um importante ponto de convergência interculturas e sede de poder ao longo dos séculos.
Amplamente conhecida pelo vasto património arquitetónico, artístico e religioso, símbolo da sua relevância no território, verificou-se que seria importante dar a conhecer um outro património presente na cidade, com menor projeção mas de igual importância. Fala-se de uma vasta herança de infraestruturas ligadas com o setor cerealífero e industrial, repercutidas pela cidade.
O vínculo e aptidão de Évora com este setor tornou-se evidente há muito tempo atrás, testemunhado no século I d.C. por Pompónio Mela e Plínio quando denominaram a cidade de Ebora Cerealis (ESPANCA, 1966, 3). Reflexo dessa tendência, são as inúmeras estruturas de armazenagem que subsistiram até aos dias de hoje.
O trabalho de investigação procurou perceber que estruturas foram desenvolvidas para o apoio à armazenagem do cereal na cidade, bem como as suas alterações. Com esta pesquisa pretendeu contribuir-se para um melhor entendimento deste património através de um estudo aprofundado da evolução dos costumes e processos de armazenagem do cereal, das arquiteturas que suportaram esta prática, assim como a identificação dos fatores que se repercutiram nas contantes alterações das suas arquiteturas e fixação no território.

Entrées d'index

Texte intégral

Cidade de Évora. Comboio e linha férrea como fatores de expansão

1A cidade desenvolveu-se a partir do antigo núcleo romano e de uma cinta muralhada, a primeira de origem romana, denominada cerca velha, e a mais atual chamada de cerca nova, iniciada em meados do século XIV (SIMPLÍCIO, 1997, 97).

2Foi dentro destes limites bem consolidados que a cidade cresceu e se manteve até finais do século XIX, na qual, à data a malha urbana já se encontrava aparentemente lotada. Deste modo foi necessário perceber quais os fatores que motivaram a expansão extramuros.

3De acordo com Almeida et. al. (2001, 21) e Carvalho (1991, 15) as razões desta abertura da cidade para o exterior da sua cinta muralhada, partiram dos avanços tecnológicos e urbanísticos resultantes da revolução industrial, como a chegada do comboio e a construção das Avenidas Barahona e Combatentes da Grande Guerra, importantes eixos de ligação entre a estação e o centro muralhado. A presença da via-férrea e o traçado destas avenidas definiram-se como novos limites da cidade, potenciadores do seu desenvolvimento urbano e fixação da indústria

Em Évora, como em outas cidades, a instalação do caminho-de-ferro (em 1863) e a definição da estação ferroviária como novo elemento estruturante da organização urbana favoreceram o desenvolvimento de novas expansões. Assim, inicia-se o crescimento extramuros em direcção ao sul com a construção das avenidas Dr. Barahona e Combatentes da Grande Guerra... (SIMPLÍCIO, 1997, p. 113)

Figura 1 - Avenida Dr. Barahona

Figura 1 - Avenida Dr. Barahona

Imagem cedida pelo AFCME, J.F. Gajo

Figura 2 - Estação de Caminho de Ferro

Figura 2 - Estação de Caminho de Ferro

Imagem cedida pelo AFCME, José Barbosa

4A implantação da ferrovia esteve associada ao nascimento do urbanismo no século XIX e influenciou no desenvolvimento e desenho das cidades. Benevolo (2001, 74) fez referência aos métodos da urbanística moderna partirem da «...natureza vinculativa das novas realizações técnicas – especialmente as ferrovias ...». Frampton (2008, p. 20) é da mesma opinião, ao referir que «O fator mais importante para a prosperidade de Chicago foi a ferrovia... »

5As fábricas começaram a expandir-se para o exterior, para os subúrbios das cidades, aproximando-se do novo meio de transporte, o comboio, tirando partido da implantação deste a seu favor.

En ese devenir, la fábrica ha ocupado el antiguo espacio representativo destinado a los templos y los palacios, pero situándose en una posición periférica que originaría un nuevo núcleo de expansión clave en la ciudad poli céntrica. (SOBRINO SIMAL, 2000, p. 71)

6Em Évora, a indústria instalou-se nas periferias da linha férrea e apesar de não ter tido grande presença, deixou o seu testemunho pela cidade.

Cerealicultura em Évora. Indústria e armazenagem

7Com o crescimento das práticas de comércio no século XIX, associado aos progressos técnicos da Revolução Industrial, verificou-se uma abertura das relações comerciais inter-regiões. Évora ao competir com um grande centro como Lisboa, não conseguiu fazer frente à introdução de produtos mais baratos e de maior variedade.

8Esta desvantagem associada à ausência de uma cultura técnica que agravada pela falta de capitais, moldou os sectores de atividade da região alentejana.

Assim, o distrito de Évora foi, na segunda metade do século XIX,marcado por um processo de desindustrialização ao nível das indústrias com tradição na região, como era o caso dos lanifícios e dos curtumes. As indústrias da cortiça e da moagem a vapor seguiram uma evolução diversa. (MATOS, 1991, p. 581)

9O testemunho dessa tendência, que favoreceu o aparecimento de indústrias ligadas à moagem, foi a Fábrica dos Leões em 1916 junto à linha férrea. Esta unidade fabril foi um estímulo ao desenvolvimento da cidade e conseguiu demonstrar a relevância e competência que a região tinha em produzir, transformar e armazenar um dos seus maiores bens, o trigo.

10No entanto, apesar da construção da Fábrica dos Leões ter afirmado nos inícios de séc. XX estas competências, observou-se que Évora sempre demonstrou ao longo dos séculos grande vocação no cultivo de cereal, expresso em infraestruturas que tinham o propósito de o armazenar.

O lavrador guardava as sobras encovadas (as covas de ter pão ainda se usaram em Évora até ao séc. XVI: havia muitas na cidade; algumas enormes, em obras recentes, dos últimos anos, nas ruas do Paço, Avis, Alconchel, e no largo da Porta Nova, abrindo escavações para alicerces, encontraram grupos de silos, ou covas para guardar o trigo), esperando carestia ... (PEREIRA, 1950, p. 310)

11Além do testemunho recuado das Covas de ter Pão, de acordo com Espanca (1966, p. 187) e Pestana (1982, p. 16) em 1576 foi instituído em Évora o Depósito de Pão do Concelho, a primeira instituição em Portugal a servir este propósito, denominada Celeiro Comum.

  • 1 Apesar da armazenagem do cereal não ser considerada uma indústria, as suas infraestruturas mais rec (...)

12Das infraestruturas vernaculares de armazenagem do cereal às mais recentes, verificou-se que seria importante dar a conhecer os seus costumes e evolução, identificando as diferentes tipologias presentes na cidade1.

Costumes e evolução nas estruturas de armazenagem

Covas

13Recuando ao século I a.C., Marcus Terentius Varro, estudioso romano e contemporâneo à data, de acordo com Amzalak (1953, 66) descreve-a como uma estrutura subterrânea, muitas vezes denominada de poço, que permitia uma boa armazenagem e conservação do cereal.

Figura 4 - Cova, Salão Central Eborense

Figura 4 - Cova, Salão Central Eborense

Fotografia do autor

14Marques (1978, 118), menciona que quanto mais seca e quente fosse uma zona, mais garantias estes primitivos sistemas de armazenagem ofereciam, pelo que considerou em Portugal, o Alentejo, a grande região das covas da Idade Média.

15Estas construções vernaculares tiveram uma presença assídua e amplamente pontuada por toda a cidade de Évora, e segundo Moniz (1999, p. 253), o seu uso já remontava aos tempos da ocupação Árabe.

16O seu usufruto não ficou circunscrito após a conquista de cidade aos Mouros, prolongando-se este costume até meados do século XVI. Que de acordo com Correia (2002) começou a decair após a fundação do Celeiro Comum na cidade de Évora.

Celeiro Comum

17Os celeiros constituíram-se como novos elementos da vida agrícola, mas inicialmente somente a nobreza, clero e grandes produtores podiam usufruir destas infraestruturas. No ano de 1576 foi criado em Évora o primeiro Celeiro Comum do país, para benefício do povo e lavrador comum. Só na década de 70 do século XVIII foi construido e alojado no edifício que se irá descrever.

18A distribuição e depósito do cereal através de uma só infraestrutura, centralizada, dissuadiu o costume ancestral da utilização de pequenos celeiros familiares (as covas de ter pão).

Figura 5 - Celeiro Comum

Figura 5 - Celeiro Comum

Imagem cedida pelo AFCME, David Freitas

19O transporte do trigo até este celeiro era responsabilidade do agricultor, e o seu depósito era realizado braçalmente, permanecendo acumulado a granel. As paredes e o pavimento de contacto deveriam ter grande impermeabilidade, a fim da humidade não penetrar.

20É um edifício construido em alvenaria, de planta rectangular com grande pé direito. O tecto abobadado é suportado por doze colunas centrais, e dezoito embutidas nas paredes. A iluminação é conseguida através de grandes janelas, abertas nos alçados laterais, e comunicantes ao grande depósito, que Espanca (1966, p.188) descreveu como «... amplíssimo salão de planta rectangular, onde se recolhiam cerca de cinco milhões de quilos do precioso cereal».

21Até meados da década de 60 do século XX este edifício serviu o propósito de armazenar cereal.

Celeiros particulares e Celeiros Barahona

22Os grandes proprietários de terras e os lavradores com maior índice de produção dispunham de celeiros próprios para arrecadar o seu cereal. Em Évora, algumas destas casas agrícolas particulares estabeleceram-se no quarteirão definido entre a rua do Cicioso e rua da República, o que demonstrou uma tendência na implantação destas estruturas naquele local devido à proximidade com a estação de caminho de ferro e de uma das principais artérias de ligação à cidade muralhada (rua da República).

23Ficou registada a presença de alguns destes edifícios pelas descrições que se passa a citar e que atualmente já não subsistem:

Celeiro da rua do Cicioso. Fica situado na rua do Cicioso nº6 e muito próximo da rua da República, e a cerca de 500m da Estação de Caminho de Ferro ... Celeiro da rua da República. Fica situado na Rua da República nº133 e a cerca de 500m da Estação de Caminho de Ferro. É uma das ruas principais da cidade que liga directamente à Estação de Caminho de Ferro, bem como ao centro da cidade. (CME, 1942)

Figura 6 - Celeiros Barahona

Figura 6 - Celeiros Barahona

Fotografia do autor

24O edifício que ainda hoje se mantém, conhecido como celeiros da EPAC, remonta aos finais do século XIX e era uma dependência do Palácio Barahona, que pertenceu a esta família até à metade do século seguinte (MATOSO, 2014, 33). 

  • 2 Em conversa com o Dr. Rui Arimateia (CME).

25Habitualmente o cereal era distribuído pelos dois pisos, e armazenado a granel, pois esta metodologia de armazenagem oferecia boas condições para a sua conservação. Assim disperso e ventilado nas amplas salas deste celeiro, evitavam-se condições favoráveis ao aparecimento de fungos, e outras pragas. A deslocação do cereal para o piso térreo, era feita por gravidade, através de um alçapão2 .

26Trata-se de um edifício construído em alvenaria e tanto o rés-do-chão como o primeiro andar apresentam tetos construídos por abóbodas, suportadas por pilares centrais ou pilares adjacentes às paredes. A luz penetra por grandes janelões que compõem todos os alçados (LNEC, 1998).

Celeiros CAOC

27A Campanha do Trigo vincou um período político e económico que deixou marcas na sociedade e uma vasta presença de infraestruturas de armazenagem no território. Foi determinada uma política de autossuficiência cerealífera: tabelaram-se os preços anuais a pagar ao produtor, criaram-se cotas para a importação, e restringiu-se a autonomia da Indústria Moageira (GARCIA, 1933, 5- 11).

Figura 7 - Celeiros CAOC de Évora

Figura 7 - Celeiros CAOC de Évora

Fotografia do autor

  • 3 O corporativismo tinha como objetivo atenuar as diferenças e interesses dos diferentes organismos/e (...)

28Deste modo, o governo tornou o corporativismo3 obrigatório. Este repercutiu-se na criação dos seguintes organismos (fundados entre 1932 e 1934):

  • Celeiros Produtores de Trigo - cooperativas agrícolas, que abrangiam os produtores de trigo de um determinado concelho.

  • Federação Nacional de Produtores de Trigo - organismo que tinha a seu cargo promover a armazenagem do trigo através de políticas e da construção de infraestruturas denominadas de Celeiros.

  • Federação Nacional dos Industriais da Moagem - esta instituição distribuía as cotas de moagem a cada fábrica, no entanto era a FNPT que vendia o trigo a este organismo por um preço tabelado (MATEUS, 1998, 59).

29Foi neste contexto, de promover e garantir a armazenagem do trigo de produção continental, a cargo da FNPT, que o estado constituiu a Comissão Administrativa das Obras dos Celeiros. Comissão esta que ficou encarregue de construir uma rede de 300 armazéns por todo o território nacional até 1936.

30Condicionada por impedimentos de natureza financeira, a comissão responsável teve que criar um projeto assente em restrições económicas mas que possuísse as condições mínimas indispensáveis. Assim, os edifícios eram de alvenaria ordinária com cobertura de chapa ondulada de fibrocimento, apoiada em asnas metálicas. O revestimento dos pavimentos e paredes interiores mereceu especial cuidado, para a boa conservação do trigo, tendo sido inicialmente aplicada uma massa betuminosa hidrófuga, mais tarde substituída pela aplicação de asfalto e betonilhas de cimento (MOPC, 1937, 4).

31O processo de armazenagem nestes celeiros fazia-se da seguinte forma; o produtor transportava o seu trigo normalmente ensacado e que depois de pesado nas instalações se desensacava e ficava empilhado a granel, sem ser limpo de quaisquer impurezas. Estas estruturas tinham somente a função de armazenagem, só mais tarde surgiram outras capazes de desempenhar diferentes funções.

32Os celeiros CAOC, como ficaram conhecidos, privilegiavam a sua implantação junto a importantes vias de comunicação, com prevalência nas proximidades das linhas férreas e em núcleos de grande produção e procura. Évora não foi exceção, foram fundadas cinco destas unidades junto à Estação, onde ainda hoje permanecem.

Núcleo de seleção e armazenagem de sementes

33Com a Segunda Grande Guerra tornou-se difícil importar semente, e para os agricultores não ficarem privados deste bem, a FNPT ficou encarregue dessa responsabilidade, com a criação de novas infraestruturas com tecnologia capaz de responder a este desafio. Surgiram os Núcleos de Seleção e Armazenagem (REGO, 1963, 92-93).

34Estes espaços eram restritos aos agricultores Produtores de Semente. Era através de um processo mecânico, que se realizavam as operações de limpeza, calibragem e desinfeção, responsáveis pela separação de sementes por diferentes lotes com diferentes especificidades. (FNPT, 1958, 65-66).

35Foi nesta sequência de eventos, que em 1960 foi instalado em Évora o Núcleo de Seleção e Armazenagem. Construído numa zona a Sul da cidade, foi inserido num terreno próximo da estação de caminho de ferro (MATOSO, 2014, 36).

Figura 8 - Núcleo de seleção e armazenagem

Figura 8 - Núcleo de seleção e armazenagem

Fotografia do autor

36Composto por três corpos, distribuidos em U, a sua organização evidenciou a função de cada um deles; o corpo central era onde estavam instalados os instrumentos de seleção e calibragem, os outros dois serviam de armazém (DGTF, 2002).

37Antes de passar por este ciclo de seleção as sementes eram transportadas, normalmente por trator e pesadas em básculas, nas imediações deste edifício. Só posteriormente o cereal era despejado e elevado até aos selecionadores. Após calibrado era ensacado, separado por variedades (lotes), e armazenado.

38Do processo atrás descrito, havia uma considerável quantidade de semente que não era selecionada. Rejeitada como semente certificada era aproveitada para consumo, o “lote geral”.

Silos

Prevendo que a produção de trigo no País, aumentasse em nível superior ao consumo e que a sua armazenagem e conservação exigisse cuidados especiais para que os celeiros CAOC não estivessem preparados, a FNPT encarregou o Eng.º Agrónomo Ruy Ferro Mayer, Professor do Instituto Superior de Agronomia de estudar a instalação de Silos. (REGO,1963, p. 85)

39Em 1938, Ruy Mayer apresentou um relatório à FNPT, no qual referiu as mais valias que os silos teriam em comparação aos celeiros. Defendeu serem estruturas que para além do depósito do cereal seriam capazes de garantir a secagem, limpeza e separação do trigo, antes de este ser enviado para as indústrias de moagem (MAYER, 1938, 7-12).

40Este estudo preliminar não teve efeitos imediatos na construção de uma rede de silos em território nacional, só mais tarde a FNPT e a FNIM, consideraram estas tipologias uma solução a implementar e difundir.

41A partir da década de 50, houve notável evolução das infraestruturas que armazenavam o cereal, no que diz respeito à sua materialidade, estrutura e desenho. A primitiva rede de armazéns (celeiros) seria suplementada com a construção de grandes silos, a maioria ao serviço da FNPT, entre outros que na proximidade das indústrias de moagem serviram a FNIM (LUCENA, 1991, 161).

Silos da fábrica dos Leões

42Da parte da FNIM, foi possível verificar uma grande adesão à construção destes novos edifícios, com a singularidade de se terem afirmado como claras adições às estruturas fabris pré-existentes, vincando de forma clara um corte com os antigos arquétipos.

Velhos e impróprios armazéns, que pouco préstimo teriam, mas onde a conjuntura económica de então obrigava a arrecadar o cereal, foram substituídos, ao cabo de 25 anos, por modernos e elegantes silos. (FNIM, 1959,p. 57)

43Foi à Fábrica dos Leões, que esteve associada a construção do primeiro Silo de betão armado em Évora. Fundada a 11 de Novembro de 1916, com planta em duplo L e servida pela via férrea

Figura 9 - Fábrica dos Leões

Figura 9 - Fábrica dos Leões

Imagem cedida pelo AFCME, David Freitas

44A fábrica sofreu uma série de adições evidentes com o decorrer dos anos. Em parte, são as diferentes tipologias de silos que vincam esta particularidade. Dividida em três secções, a primeira destinava-se à limpeza prévia do cereal e sua ensilagem, as restantes à limpeza e moagem (GUIMARÃES, 2004, 176).

45Em 1923 já dispunha de um silo com 24 células para armazenagem de trigo, que ao ter sido projetado de raiz é impercetível, pois a sua espacialidade encontra-se no interior do edificado inicial (SAM, 1938).

46Somente entre 1955 e 1956 foi construído o silo aparente em betão armado. Com capacidade para 3000 toneladas de trigo, divididas por 23 células (15 principais e as restantes intersticiais), este corpo é composto por duas galerias, superior e inferior, destinadas à distribuição do cereal entre células, e uma torre de máquinas (CONSTRUÇÕES TÉCNICAS LDA., 1954). Toda a estrutura rígida, desde as fundações até à cobertura foi concebida em betão armado, o que evidencia o caráter diferenciado e de contraste com o pré-existente.

47O último silo a ser erguido no complexo dos Leões não tinha a função de armazenar trigo mas sim farinha. No entanto e apesar de ter um papel diferenciado em relação aos dois outros casos, acabou por ser a última adição no que se relaciona com estruturas de armazenagem. Distribuído por 10 células de construção em betão, o edifício inseriu-se e cresceu no interior de um armazém existente em meados da década de 70 (CONSTRUÇÕES TÉCNICAS SARL, 1971).

48Com o cessar de funções no início dos anos 90, a fábrica foi adquirida em 1998 pela Universidade de Évora e reconvertida em Escola de Artes em 2008, embora os silos elencados permaneçam devolutos.

Silo COPISUL

49Em finais da década de 60 foi construida a fábrica de óleos vegetais (conhecida como fábrica da bolota) na zona industrial número 1, longe da linha férrea e contrariando a tendência de fixação.

Figura 10 - Silo da COPISUL

Figura 10 - Silo da COPISUL

Fotografia do autor

50Embora este complexo não estivesse associado à transformação ou armagenagem do cereal, nos finais da década de 80 adquiriru a função de produzir rações animais, à qual surgiu a necessidade de construiur um novo complexo de silos, para armazenar cereais.

Silo EPAC

51Inaugurado a 6 de Setembro de 1971, o silo de Évora da FNPT (posterior EPAC) constituiu-se como a mais expressiva estrutura de armazenagem de cereal a ser construída em Évora.

52Erguido em terrenos que eram propriedade da FNPT e que se situavam em proximidade à estação de caminho de ferro, ainda hoje convive em vizinhança com as outras tipologias que o antecederam (SOCIEDADE DE CONSTRUÇÕES VALURA LDA, 1970).

Figura 11 - Silo da ex EPAC

Figura 11 - Silo da ex EPAC

Fotografia do autor

53O edifício, que ainda se encontra em funcionamento já pertenceu a inúmeros organismos (FNPT, IC, EPAC), é atualmente uma sombra da máquina de armazenar que já foi, em grande parte devido à liberalização do mercado com a entrada de Portugal na CEE, atual união europeia, que revelou as debilidades do país em conseguir competir numa economia de mercado aberto. É uma tipologia de silo cilíndrico em betão armado, tipologia amplamente difundida em Portugal.

54Apesar deste gigante de betão armado ter afirmado a sua volumetria e verticalidade numa cidade em que o casario baixo prevalece, não houve um juízo negativo à sua construção, como se verifica no seguinte parecer,

Em princípio não se vê inconveniente na construção pretendida, uma vez que a sua sobreposição sobre a silhueta da cidade não vai prejudicar os principais pontos de observação da sua periferia. (CME, 1969)

55Com uma capacidade de armazenagem para 20.000 toneladas, distribuída por 24 células principais e 16 intercalares, é um edifício que se dedica em exclusividade à receção, limpeza e depósito de cereal.

56Atualmente encontra-se ocupado pela COPRAPEC, cooperativa a quem o estado cedeu o direito de utilização após o cessar da EPAC, e continua a armazenar cereal, no entanto sem o fulgor que este grande depósito já alcançou.

Conclusão

57As diferentes tipologias de armazenagem do cereal presentes em Évora demonstraram uma contínua evolução no decorrer do tempo: quer a nível dos materiais utilizados (no que respeita à sua volumetria e capacidade), quanto à sua função (evoluindo de estruturas de armazenagens para estruturas de limpeza e armazenagem do cereal) e também, quanto à sua distribuição no território, demonstrando uma preferência de fixação com especial incidência nas proximidades da estação ferroviária.

58Após a mecanização dos processos de limpeza e armazenagem do cereal houve uma evidente evolução destas infraestruturas, que aliadas ao “novo” material, o betão, e à crescente procura por depósitos de maior capacidade, evoluíram rapidamente para silos em betão armado.

59Contudo, constatou-se que de todas as tipologias estudadas em Évora são as mais recentes as que evidenciam uma situação de maior precaridade, ou porque cessaram funções e se encontram devolutas, ou simplesmente porque a sua obsolescência é uma questão de tempo.

60E é esta a questão que se eleva, o que fazer a este património de cariz industrial após o seu cessar de funções? Conseguirá ser reconvertido à semelhança dos antigos celeiros que lhe antecederam e assumir um novo papel na cidade?

61Apesar de já existir uma consciencialização acerca do impasse que os silos atravessam, é necessário perceber que novas funções poderão adotar no futuro. A reconversão desta tipologia de património já existe, no entanto se não for tida em consideração a manutenção das suas caraterísticas fundamentais, facilmente esta se poderá desvirtuar.

62Apesar do silo da EPAC de Évora ainda permanecer em função, poderá ficar inativo. Foi com a intenção de dar a conhecer este património da cidade, e alertar para as debilidades e desafios que poderá atravessar que se afirma que estes elementos aparentemente austeros são de uma enorme delicadeza, e que sob algumas posturas de intervenção poderão ser adulterados de forma irreversível.

Figura 12- As arquiteturas do cereal em Évora. Caracterização

Figura 12- As arquiteturas do cereal em Évora. Caracterização

Fonte: tabela elaborada pelo autor

Figura 13 - As arquiteturas do cereal em Évora

Figura 13 - As arquiteturas do cereal em Évora

Fonte: desenho do autor adaptado de: Évora na Idade Média, Beirante, M. A., 1995. Evolução e Morfologia do Espaço Urbano de Évora, Simplício, M. D., 1997

Bibliographie

ALMEIDA, C. et. al. (2001) - Riscos de um Século : Memórias da Evolução Urbana de Évora. Évora: CME.

AMZALAK, M. B. (1953) - Varrão e o Livro <<Rerum Rusticarum>>. História das Doutrinas Económicas da Antiga Roma. Lisboa: Academia das Ciências de Lisboa.

BENEVOLO, L. (2001) - História da Arquitectura Moderna. São Paulo: Editora Prespectiva S.A.

CARVALHO, J. (1991) - Évora : administração urbanística. Évora: CME.

CME (1942) - Celeiros. Acessível no Núcleo de Documentação da Câmara Minucipal de Évora, Évora, Portugal.

CME (1969) – Parecer de construção de um silo para 20000 toneladas na Horta das Figueiras em Évora. Acessível no Divisão de Gestão Urbanística da Câmara Municipal de Évora, Évora, Portugal.

CONSTRUÇÕES TÉCNICAS LDA. (1954) – Memória descritiva de silo para trigo com capacidade para 3000 toneladas. Acessível no Divisão de Gestão Urbanística da Câmara Municipal de Évora, Évora, Portugal.

CONSTRUÇÕES TÉCNICAS SARL. (1971) – Memória descritiva e justificativa de silos para farinhas. Acessível no Divisão de Gestão Urbanística da Câmara Municipal de Évora, Évora, Portugal.

CORREIA, M. (2002) - Rua Cândido dos Reis Évora. Acompanhamento Arqueológico. Textos, Desenhos, Fotos, Ficheiro de Materiais, Relatório.Acessível no Núcleo de Documentação da Câmara Minucipal de Évora, Évora, Portugal.

DGTF (2002) – Instalações da ex-EPAC sitas na Avenida dos Combatentes da Grande Guerra, 52-Évora. Acessível na Direção Geral de Tesouro e Finanças, Lisboa, Portugal.

ESPANCA, T. (1966) - Inventário Artístico de Portugal Concelho de Évora. Lisboa: Academia Nacional de Belas-Artes.

FNIM (1959) - Boletim da FNMI número comemorativo do XXV aniversário. Lisboa: FNIM.

FNPT (1958) - Federação Nacional de Produtores de Trigo: XXV aniversário.Lisboa: FNPT.

FRAMPTON, K. (2008) - História Crítica da Arquitectura Moderna. São Paulo: Martins Fontes.

GARCIA, S. (1933) - Celeiros Produtores de Trigo. Évora: Minerva Comercial.

GUIMARÃES, P. E. (2004) - Elites e Indústria no Alentejo (1890-1960). Évora. Universidade de Évora. Tese de doutoramento.

LNEC (1998) – O edifício. Características e anomalias. Acessível no Divisão de Gestão Urbanística da Câmara Municipal de Évora, Évora, Portugal.

LUCENA, M. (1991) - Salazar, a «fórmula» da agricultura portuguesa e a intervenção estatal no sector primário. Análise Social. Lisboa. Vol.26, nº 110, p. 97-206.

MARQUES, A. H. (1978) - A Marcha da Humanidade. Introdução à História da Agricultura em Portugal. Lisboa: Edições Cosmos.

MATEUS, A. (1998) - Economia Portuguesa desde 1910. Lisboa: Verbo.

MATOS, A. C. (1991) - A Indústria no distrito de Évora, 1836-90. Análise Social. Lisboa. Vol. 26, nº 112-113, p. 561-581.

MATOSO, R. (2014) - Visita a antigos espaços industriais - Antigos Celeiros da Epac e Antiga Fábrica de escolha de sementes de trigo. Ciclo de Conferências «Cultura, Espaço Público e Desenvolvimento - que opções para uma política cultural transformadora». Évora. p. 33-36.

MAURÍLIO, F. M. (2019) - Silo da EPAC de Évora – Património Industrial como veículo de som. Évora: Universidade de Évora. Tese de mestrado.

MAYER, R. (1938) - Estabelecimento de Silos para Trigo em Portugal, relatório apresentado à Federação Nacional de Produtores de Trigo. Lisboa: Soc. Tipográfica, Lda.

MONIZ, M. C. (1999) - Domoinicais Eborenses. Notícias d'Évora. 1966-1980. Évora: CME.

MOPC (1937) - Comissão Administrativa das Obras dos Celeiros. Relatório da Construção de 300 Celeiros em todo o País para o enceleiramento de 150.000.000 de quilos de trigo. Lisboa: Tip. Freitas Brito, Ltd.

PEREIRA, G. (1950) - Estudos Eborenses História e Arqueologia Vol. III. Évora: Edições Nazareth.

PESTANA, M. I. (1982) - Celeiros Comuns da Antiga Casa de Bragança. Portalegre: Edição da Assembleia Distrital.

REGO, R. d. (1963) - Federação Nacional de Produtores de Trigo 1933-1963: Subsídios para o seu historial. Lisboa: FNPT.

SAM (1938) - Memória descritiva da instalação da fábrica de moagem da Sociedade Alentejana de Moagem, Lda. Acessível no Núcleo de Documentação da Câmara Minucipal de Évora, Évora, Portugal.

SOBRINO SIMAL, J. (2000) - “Sesenta y cinco años que suman dos siglos (1900-1965): la arquitectura industrial en la construcción de la ciudad”. In A. M. Santos, M. Mendes, J. S. Simal, C. G. Vázquez. In Arquitectura e Indústria Modernas 1900-1965 actas do II seminário DOCOMOMO ibérico. Barcelona: Fundação DOCOMOMO ibérico, pp. 71-75.

SIMPLÍCIO, M. D. (1997) - Evolução e Morfologia do Espaço Urbano de Évora. Évora: Universidade de Évora. Tese de doutoramento.

SOCIEDADE DE CONSTRUÇÕES VALURA LDA. (1970) - Memória descritiva de silos para 20000 toneladas em Évora. Acessível no Divisão de Gestão Urbanística da Câmara Municipal de Évora, Évora, Portugal.

Annexes

Glossário de Siglas

AFCME. Arquivo Fotográfico da Câmara Minicipal de Évora

CAOC.Comissão Administrativa das Obras dos Celeiros

CEE. Comunidade Económica Europeia

CME.Câmara Municipal de Évora

COPISUL.Companhia de Óleos e Rações do Sul

COPRAPEC.Cooperativa Agrícola de Compra e Venda de Montemor-o-Novo

DGTF.Direção Geral de Tesouro e Finanças

EPAC.Empresa Pública de Abastecimento de Cereais

FNIM.Federação Nacional dos Indústriais da Moagem

FNPT.Federação Nacional de Produtores de Trigo

IC.Instituto dos Cereais

LNEC.Laboratório Nacional de Engenharia Civil

MOPC.Ministérios das Obras Públicas e Comunicações

SAM.Sociedade Alentejana de Moagem

Notes

1 Apesar da armazenagem do cereal não ser considerada uma indústria, as suas infraestruturas mais recentes seguiram uma lógica de fixação semelhante às do sector industrial, algumas por fazerem parte indissociável de complexos fabris dedicados à moagem, mas outras pelas mais valias logísticas que dispunham ao se concentrar nas proximidades de importantes eixos de transporte e circulação de bens.

2 Em conversa com o Dr. Rui Arimateia (CME).

3 O corporativismo tinha como objetivo atenuar as diferenças e interesses dos diferentes organismos/entidades, através de uma cooperação, que era imposta pelo regime.

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Avenida Dr. Barahona
Crédits Imagem cedida pelo AFCME, J.F. Gajo
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13907/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 354k
Titre Figura 2 - Estação de Caminho de Ferro
Crédits Imagem cedida pelo AFCME, José Barbosa
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13907/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 300k
Titre Figura 3 - Évora em Cartaz
Crédits Fonte: CME Armando Alves - disponível em http://www.cm-evora.pt/​pt/​site-viver/​culturaepatrimonio/​cultura/​EquipamentosCulturaisMunicipio1/​arquivo-municipal/​historia-do-municipio/​cartazes%20evora/​cartaz_09a.jpg
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13907/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 773k
Titre Figura 4 - Cova, Salão Central Eborense
Crédits Fotografia do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13907/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 879k
Titre Figura 5 - Celeiro Comum
Crédits Imagem cedida pelo AFCME, David Freitas
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13907/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 170k
Titre Figura 6 - Celeiros Barahona
Crédits Fotografia do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13907/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 385k
Titre Figura 7 - Celeiros CAOC de Évora
Crédits Fotografia do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13907/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 346k
Titre Figura 8 - Núcleo de seleção e armazenagem
Crédits Fotografia do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13907/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 709k
Titre Figura 9 - Fábrica dos Leões
Crédits Imagem cedida pelo AFCME, David Freitas
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13907/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 628k
Titre Figura 10 - Silo da COPISUL
Crédits Fotografia do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13907/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 404k
Titre Figura 11 - Silo da ex EPAC
Crédits Fotografia do autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13907/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 384k
Titre Figura 12- As arquiteturas do cereal em Évora. Caracterização
Crédits Fonte: tabela elaborada pelo autor
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13907/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 433k
Titre Figura 13 - As arquiteturas do cereal em Évora
Crédits Fonte: desenho do autor adaptado de: Évora na Idade Média, Beirante, M. A., 1995. Evolução e Morfologia do Espaço Urbano de Évora, Simplício, M. D., 1997
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13907/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 194k

Auteur

Universidade de Évora. Departamento de Arquitetura

© Publicações do Cidehus, 2020

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search