Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

As interações como uma necessidade de análises que englobem: a arquitetura, as infraestruturas, a memória e a paisagem industrial

Eucaliptal nas Minas de S. Domingos: uma árvore exótica como parte da identidade de um lugar

Daniel Cardeira

Résumé

Localizado no Baixo Alentejo, no município de Mértola, o antigo complexo mineiro das Minas de S. Domingos possui uma mata de eucaliptos que ocupa parte da área do couto mineiro. A arborização dos terrenos com eucalipto, que envolvem a zona de atividade mineira, terá começado progressivamente nos primeiros anos de laboração da mina, explorada interruptamente de 1857 a 1967. Apesar de a presença do eucalipto nas Minas de S. Domingos existir desde o século XIX, a maior parte da florestação que podemos encontrar atualmente, foi cultivada a partir de 1947.
O eucalipto é uma espécie controversa uma vez que o seu valor comercial contrasta com o seu parco valor ecológico. No entanto, a esta espécie acresce um outro valor, o histórico, pois faz parte da paisagem industrial do lugar desde os primórdios da exploração mineira.
Pretende-se refletir na possibilidade de uma árvore exótica se tornar testemunho de uma identidade cultural e de como o eucalipto se pode considerar património e é valorizada pela própria população. Por, em parte, o arvoredo estudado ser uma monocultura sem valor ecológico, parece não ter sido considerado, até ao momento, o seu possível valor histórico e patrimonial.

Texte intégral

Introdução

1Este estudo surge da necessidade de uma reflexão sobre a possibilidade do eucalipto ser parte identitária do complexo mineiro das Minas de S. Domingos. Por se tratar de uma árvore exótica, com potencial invasor, que nos últimos anos tem ganho má reputação na opinião pública pela grande área que ocupa no país e pela sua associação a grandes incêndios, poderá não receber o devido reconhecimento enquanto elemento patrimonial integrante da paisagem da Mina de S. Domingos.

2Optamos por nos referir ao eucalipto enquanto género e não especificamos nenhuma espécie em particular, uma vez que há evidências de que na arborização tratada existe mais do que uma espécie pertencente ao género Eucalyptus.

3Uma vez que o eucaliptal se situa em quase toda a área do couto mineiro que integra o local da antiga mina e onde está igualmente inserido o núcleo habitacional não iremos fazer a distinção entre a povoação e o complexo industrial em si. Usamos assim o termo Minas de S. Domingos para nomearmos estes dois espaços que achamos indissociáveis no que diz respeito ao tema tratado neste estudo sendo que todas as exceções serão devidamente indicadas.

4São abordados aspetos históricos relacionados com o eucalipto nas Minas de S. Domingos, a forma como esta árvore entra em Portugal e, sobretudo, questões relacionadas com a sua utilização e disseminação.

5Atualmente na área das Minas de S. Domingos o eucalipto é utilizado pela empresa detentora do couto mineiro para a venda de madeira. Dado o impacto ecológico, possivelmente negativo, e a utilização “comercial” do mesmo não parece haver motivos para que exista algum tipo de proteção para este eucaliptal. Contudo, quando nos últimos anos árvores foram abatidas, dentro ou tangente ao povoamento, alguns dos seus habitantes reagiram manifestando-se em petições públicas ou nas redes sociais. Estas reações à escala local, e apesar de não serem evidencias precisas, levam-nos a considerar que o eucalipto terá tido um peso significativo na construção da memória coletiva do local e, consequentemente da própria identidade do mesmo.

6Em seguimento das reflexões acima indicadas fazem-se ainda algumas considerações sobre os estatutos de conservação do arvoredo ou a ausência dos mesmos. Pois, e apesar de parte do couto mineiro das Mina de São Domingos se encontrar protegida como Zona Especial de Proteção (ZEP) e pelo Parque Natural do Vale do Guadiana (rede Natura 2000), estes não consideram nenhum tipo de proteção em relação à mata de eucaliptos. Por ser um arvoredo de um género considerado exótico, Eucalyptus, potencialmente invasor, este não tem valor ecológico do que resulta não ter sido considerado o seu possível valor histórico e/ou patrimonial.

A paisagem Industrial: breves considerações

7A paisagem industrial é uma temática que tem vindo a ser abordada cada vez com mais frequência nas várias áreas do saber (CORDEIRO, 2011, 6). O reconhecimento do seu valor enquanto documento histórico e as transformações rápidas e agressivas que a paisagem sofre torna pertinente o seu estudo, valorização e preservação (CORDEIRO, 2011, 6).

8Apesar de uma mata de eucaliptos ser um elemento orgânico, no contexto abordado esta é planeada e criada intencionalmente pelo Homem o que a enquadra na definição estabelecida pela UNESCO de paisagem cultural (UNESCO, 2008, 85-86). Se contextualizarmos esta paisagem cultural como resultado de um longo processo de transformações paisagísticas desencadeadas pelo complexo mineiro temos como resultado um vestígio industrial que abrange uma parte significativa da área das Minas de S. Domingos. O indubitável valor histórico desta paisagem enquanto vestígio industrial insere-a na definição de património industrial determinado pela carta de Nizhny Tagil (TICCIH, 2003) e no documento «Os Princípios de Dublin» (ICOMOS-TICCIH, 2011) e, naturalmente, como parte integrante da paisagem industrial do complexo mineiro em questão.

9As enormes transformações proporcionadas pelos processos de industrialização tiveram como consequência a transfiguração da paisagem pois «O património industrial revela uma conexão profunda entre o meio cultural e natural envolvente» (ICOMOS-TICCIH, 2011) uma vez que os processos industriais dependem da utilização e potencialização de recursos naturais para a sua ação. A exploração das Minas de S. Domingos é exemplo dessas alterações que não só trouxeram novas linguagens à indústria e à arquitetura (CORDEIRO, 2011, 2) como também deixaram marcas no arvoredo adjacente.

As Minas de S. Domingos e o eucalipto

10O complexo mineiro das Minas de S. Domingos localiza-se no concelho de Mértola. É uma das várias minas de pirite exploradas na faixa piritosa, zona de elevado interesse geológico localizada a «sudoeste da Península Ibérica que se estende desde a região de Alcácer do Sal até Sevilha» (FERREIRA et. al., 2016, p. 3).

11O jazigo foi encontrado em 1854 por Nicolau Biava (ALVES, 1997, 38) e foi explorado interruptamente de 1857 a 1967 (ALVES, 1997, 46). A povoação foi criada de raiz em 1858 (ALVES, 1997, 56) na serra de S. Domingos servindo de apoio à exploração mineira, é também o ano de início da exploração moderna da mina pela empresa La Sabina que posteriormente concessionou à empresa Mason & Barry. Depois de esgotados os recursos mineiros e encerrados os trabalhos, em 1966 a mina foi desativada, deixando uma série de marcas relacionadas com a atividade mineira. Sendo uma região economicamente desfavorecida, deu-se o êxodo em massa da população nas décadas subsequentes o que ocasionou a degradação da maioria das infraestruturas, abandonadas e não reabilitadas.

12A arborização dos terrenos que envolvem a exploração mineira terá começado nos primeiros anos de laboração da mina uma vez que de acordo com a legislação decretada pela Direção Geral de Obras Publicas – Secção de Minas deveriam ser plantados arvoredos, e «prover à sua conservação nos terrenos adjacentes à Mina» (DIÁRIO DO GOVERNO,1859) para suprimir as necessidades de madeira necessárias à exploração (ALVES, 1997, 56).

13A primeira tentativa de arborização foi com pinheiro, Pinus sp., contudo, tal como a própria Direção Geral de Minas previa, não resultou (ALVES, 1997, 56). Em 1867, o local reservado para a implementação do bairro administrativo e pessoal superior já teria um abrangente e frondoso eucaliptal plantado pela empresa (ALVES, 1997, 73). A plantação sucessiva de eucaliptos foi igualmente motivada por questões de salubridade. A «frequência e intensidade na ocorrência de crises sezonáticas» (GUIMARÃES, 2016, p. 213), que afetava diretamente a exploração levou a que fosse criada uma comissão formada por médicos e engenheiros que impôs, como medida de mitigação, a plantação de vastas matas de eucaliptos (GUIMARÃES, 2016, 213), essas medidas foram intensificadas no ano de 1878 (CASEMIRO, 1993, 103) o mesmo ano em que começam as primeiras experiências de cultivo intensivo de eucalipto nas Minas de Rio Tinto (GULLÓN et. al., 2010, 45). A relação de industriais ingleses com as minas do sul de Espanha levam-nos a supor que opção de plantar Eucalyptus sp. será uma das várias manifestações da influência inglesa nestas explorações mineiras (GULLÓN et. al., 2010, 45).

14Apesar de no século XIX existirem eucaliptos no complexo das Minas de S. Domingos a maior parte da florestação, que podemos encontrar atualmente, foi cultivada mais tarde. Num documento de 1962, no arquivo da Fundação Serrão Martins – Centro de Documentação, Fundo Masson & Barry, é relatado o progresso de um programa de arborização que pretende a plantação de 1.386 hectares de eucaliptos a partir de 1958 e, surge, também, a referência a 75 hectares de eucaliptal plantados entre 1947 e 1952 (S.a., 1961). Sendo que o objetivo destas plantações teria em mente a futura «tentativa de reconversão da empresa que permitisse a instalação de novas indústrias de base florestal» (CASEMIRO, 1993, 103).

  • 1 O corte não provoca a morte da árvore pois esta volta a criar uma nova copa a partir do mesmo indiv (...)

15Atualmente a área do couto mineiro tem uma mata expressiva de eucalipto, e uma menor de pinheiro. A partir do momento em que a Mina começa a laborar, a transformação da paisagem é constante e o eucalipto é presença assídua nessa mesma paisagem transformando-se com ela. Inclusivamente a maioria dos eucaliptos são cortados com regularidade para a venda de madeira o que resulta numa progressiva destruição arborícola1, mas a sua quantidade e constante existência desde o século XIX, contribuiu para se tornar num elemento visual intrinsecamente ligado à aldeia mineira.

Eucalipto, árvore rentável e potencialmente invasora

16Com origem no continente australiano, o género botânico Eucalyptus sp. abrange uma série de espécies adaptadas a variadas condições como floresta tropical húmida, habitats subalpinos e floresta caducifólia. Esta arvore terá entrado no sul da Europa no século XIX, sobretudo nas regiões mediterrânicas, pois seria uma fonte proveitosa para obtenção de madeira em territórios onde este recurso escasseava (ALVES et. al., 2007, 14).

17Em Portugal, apesar da sua presença em propriedades privadas desde a primeira metade do século XIX, a sua área só aumenta a partir da década de 1940 tornando-se uma «importante fonte de matéria‑prima para a produção de pasta para papel» (ALVES et. al., 2007, p. 15). Nas décadas posteriores algumas medidas do estado são decisivas, como a criação do Fundo de Fomento Florestal (1965) para a concretização da Lei n.º 2069, de 1954, que cria condições para arborizar a propriedade privada, e planos de arborização para bacias hidrográficas do Sul do país e incentiva a plantação de eucaliptal (ALVES et. al., 2007, 17-19). Também a pressão da indústria da celulose estimulou a expansão progressiva da área de eucaliptal até à década de 1990 registando-se um ligeiro decréscimo no Inventário Florestal Nacional de 2005‑06 (ALVES et. al., 2007, 17-19).

18Será ainda pertinente assinalar que os períodos de crescimento da área de cultivo de eucalipto na Mina de S. Domingos no século XX coincidem com o período de crescimento da área de mata de eucalipto em Portugal.

19A elevada qualidade do material lenhoso destinado à produção de pasta para papel, a potencialidade de adequação a uma elevada produtividade que se adequam ao clima e solo de parte do país, assim como as possibilidades de intensificação do cultivo explicam o uso generalizado desta árvore exótica em Portugal confirmada a sua rentabilidade económica (ALVES et. al., 2007, 14).

20Contudo, e apesar das vantagens do seu cultivo, é necessário ter em conta o impacto no ambiente que ela provoca. Devido há falta de estudos em Portugal que se desenvolvam sobre as várias espécies do género Eucalyptus, identificamos parte do impacto que a sua disseminação tem vindo a produzir, tendo por base a espécie Eucalyptus globulos. Esta espécie tem maiores consumos de água por evapotranspiração do que outros biomas (DAVID et. al., 2007, 113-131) competindo com outras espécies, autóctones, pelos recursos hídricos. As plantações de eucaliptos também reduzem a qualidade do solo e degradam irremediavelmente determinados tipos de solos (DAVID et. al., 2007, 137-166). Contudo, os efeitos no ambiente mais visível serão talvez as consequências para a biodiversidade, comum a qualquer exploração intensiva, pois as áreas ocupadas por monoculturas de eucaliptos, excluem a fauna e flora autóctones seja pelas razões acima apontadas (DAVID et. al., 2007, 209-253) seja pelas suas características alopáticas que impede o crescimento de outras espécies (FREITAS et. al., 2008, 183). É importante ressalvar que todas estas consequências seriam minimizadas se a gestão florestal fosse apropriada (ONOFRE, 2007, 209-253), o que não tem acontecido.

21A estas considerações sobre as suas desvantagens ecológicas acresce a agravante de que o Eucalyptus globulos apresentar, em diversos casos, um comportamento invasor, ameaça para os ecossistemas (FREITAS et. al. 2008, 183).

O Eucaliptal como parte da identidade da Mina de S. Domingos

22Como aludimos inicialmente apesar de nos referirmos à aldeia de Mina de são Domingos e falarmos dos aspetos da mata que interferem com a paisagem da mina devemos ter em conta que todo o couto mineiro está incluído nestas considerações. Uma vez que a aldeia é indissociável do espaço da mina quer quanto à proximidade geográfica de ambos os sítios, quer quanto à dependência social uma da outra. Há inclusive um bairro habitacional – o Bairro do Hospital - onde o acesso é feito inevitavelmente através dos antigos locais de exploração mineira.

23O Eucalyptus sp. é relativamente comum no território português, contudo a mata de eucaliptos das Minas de São Domingos tem um contexto diferenciado a nível histórico assim como a sua localização no espaço que contrasta com a paisagem característica da zona. A exploração mineira e as transformações progressivas que esta produziu na paisagem tem como uma das suas inúmeras consequências o eucaliptal e por isso nele está contido uma parte da memória da mina que atualmente caracteriza e é um marco identitário desta povoação. Podemos desta forma aferir que esta paisagem industrial «resulta das suas funções, das suas formas, e da sua evolução ao longo do tempo» (ICOMOS-TICCIH, 2011) da mesma forma que acontece noutros sítios industriais.

  • 2 A maioria das árvores de grande porte foi progressivamente abatida, inclusive nos últimos anos.

24A presença deste arvoredo é primeiramente um testemunho histórico do lugar sobretudo as árvores mais antigas e de grande porte que ainda resistem2. Atualmente, não existe a possibilidade de pensar a povoação sem a mata de eucaliptos, pois esta surgiu quase em simultâneo com o complexo mineiro e continua presente. A mata de eucaliptos faz parte da experiência que é ver e visitar a Mina de S. Domingos, constitui um elemento notável da paisagem, e faz parte da memória local atual. Por isso, enquanto vestígio natural e cultural, a mata de eucaliptos é importante para a compreensão da memória do lugar uma vez que «o conhecimento de todas as atividades humanas passadas só é possível através do conhecimento dos seus vestígios» (CONNERTON, 1999, p. 15).

25Julgamos ter já evidenciado como a mata de eucaliptos faz parte da memória social dos habitantes da aldeia mineira (CONNERTON, 1999, 5). Se tivermos em conta que a presença do eucalipto na paisagem é experienciada por diversas gerações podemos considerar esta árvore como um testemunho que alimenta a ideia e a memória coletivas dos moradores da aldeia. Este caracter testemunhal da memória coletiva, segundo Connerton, é «uma ferramenta de comunicação entre diversas gerações» (CONNERTON, 1999, p. 3), isto é, acaba por servir como um aspeto identitário inter-geracional.

26A memória local sobre as Minas de São Domingos é assim criada pelas pessoas que habitam e vivenciam a aldeia e o restante couto mineiro. Também as pessoas de fora, como visitantes ou ex-residentes que chegam à aldeia, esperam reencontrar determinadas referências que os auxiliam a recordar o lugar. Referências essas como a presença do arvoredo e até as sensações que este provoca como o barulho do vento nas folhas, o cheiro que acompanha a brisa e a luz filtrada pela copa das árvores. Estes fenómenos são essenciais para a forma como identificamos um lugar e o identificamos a nós pois «o mundo inteligível, definido em termos de experiência temporal, é um corpo organizado de expectativas baseadas nas recordações» (CONNERTON, 1999, 7) e as recordações dependem em parte do conhecimento que desenvolvemos do passado através da nossa memória (CONNERTON, 1999, 2).

27É também importante destacar alguns aspetos paisagísticos do arvoredo de eucaliptos que envolve a Mina de São Domingos e que faz parte do espaço explorado pelo olhar (BOLLNOW, 2008, 82). Se considerarmos o que a nossa visão alcança, e nos posicionarmos algures na aldeia mineira, podemos considerar que o eucaliptal é um obstáculo entre nós e o horizonte. Sendo o horizonte uma característica comum em parte do território que rodeia o couto mineiro, e característico de parte da paisagem alentejana que ainda hoje possui extensões de terreno cultivado, matagal autóctone ou pousio e zona de pastagem, podemos então considerar que a mancha de eucalipto diferencia o lugar do resto da paisagem. Por um lado cria uma fronteira entre dois tipos de ocupação vegetal e, por outro, funciona como barreira visual em relação ao horizonte: «O horizonte não é nada dentro do espaço, mas pertence de modo inseparável à espacialidade da existência humana. A pessoa expande o seu espaço a partir do centro, em que se encontra, sempre dentro de um horizonte limitador e unificador» (BOLLNOW, 2008, p. 82). Neste sentido põem-se a possibilidade de que esta mata, que «enclausura» e delimita a aldeia, influencie a forma como vimos e sentimos o lugar. Esta ocultação do horizonte pelo eucaliptal fará assim parte do lugar e, talvez, dos próprios habitantes e da forma como se identificam com o lugar, pois «a posição da pessoa no meio do seu espaço e desse horizonte circundante estão relacionadas entre si» (BOLLNOW, 2008, 8, p. 2).

28É também importante destacar a relação afetiva que uma parte da população tem com os eucaliptos o que vem a por em evidencia o seu valor patrimonial e identitário do lugar. Tomaremos como exemplo duas ocorrências em que os habitantes da aldeia se manifestaram contra o abate das árvores por parte da Câmara Municipal de Mértola.

29Em outubro de 2013 foram abatidos alguns eucaliptos pela autarquia junto à praia Fluvial da Albufeira da Tapada Grande com a justificação de que as árvores em questão não tinham valor histórico nem ambiental e estavam doentes o que poderia provocar a sua queda colocando em risco os frequentadores do local. Acresce ainda a queda constante de folhas e ramos na água que ocasionava o apodrecimento e a má qualidade da água (S.A., 2013b). Este abate gerou uma reação por parte de alguns locais que na mesma altura criaram uma petição pública para acabar com os abates (Imagem 2). Note-se também que a GNR elaborou duas contraordenações por considerar não ter sido respeitado o Plano de Ordenamento da Albufeira da Tapada Grande (S.A., 2013a), apesar de no decorrer deste estudo não termos conseguido confirmar o desfecho das mesmas.

  • 3 A título de exemplo, podemos encontrar reações ao abate mencionado em publicações no facebook no Gr (...)

30Em março de 2016 o abate de vários eucaliptos de grande porte, tangente à aldeia, por parte da autarquia também gerou alguma controvérsia mas neste caso as reações foram visíveis sobretudo nas redes sociais como se pode facilmente verificar no facebook em grupos dedicados à Mina de S. Domingos3.

31Apesar de parte do couto mineiro das Minas de S. Domingos se encontrar protegida como Zona Especial de Proteção (ZEP) a portaria é omissa em relação ao estatuto de proteção da mata e dos eucaliptos. Da mesma o Parque Natural do Vale do Guadiana (Rede Natura 2000) não considera nenhum tipo de proteção em relação a espécie não indígenas (DIÁRIO DA REPÚBLICA ELETRÓNICO, 2008). Ou seja, a mata de eucaliptos estudada não possui atualmente nenhum tipo de proteção direcionado.

32O valor ecológico de uma monocultura de eucaliptos é indefensível contudo o seu valor patrimonial parece-nos evidente enquanto vestígio e paisagem industrial. Dada a natureza deste estudo não será aprofundado soluções no que diz respeito à preservação e conservação do eucaliptal. Contudo, ao observar a classificação usada nos Arboretos Históricos dos eucaliptais andaluzes de Huelva (GULLÓN et. al., 2009, 115-133), achamos pertinente por a hipótese de classificar toda a mata como de Interesse Público ou como Paisagem Cultural uma vez que tem em conta o seu valor cultural, histórico e patrimonial. Também acrescentamos que nos parece importante um planeamento do espaço arborizado de forma a minimizar os impactos ambientais causados pelo Eucalipto.

Conclusão

33Tendo em conta o que foi exposto até então, compreendemos que o eucalipto é um elemento inerente à identidade da Mina de S. Domingos.

34Ser tivermos em conta os fatores históricos, o eucalipto acompanhou as sucessivas transformações na paisagem das Minas de S. Domingos causadas pela exploração do couto mineiro. Décadas depois da atividade mineira ter sessado a memória da exploração mineira permanece também remanescente na forma desta árvore como testemunho de uma atividade e de uma intervenção humana que transformou o local.

35As características do eucalipto fizeram desta árvore a ideal para servir os interesses das indústrias mineiras da faixa piritosa, tanto em Portugal como em Espanha, sendo importante frisar que na província de Huelva algumas das matas de Eucalyptus spp. encontram-se protegidas e classificadas como Arboretos Históricos.

36Para além dos valores históricos integrados na paisagem industrial mineira refletimos também sobre a sua importância como parte da identidade local pois a sua presença na paisagem ao longo de décadas fez desta árvore uma parte integrante do lugar onde se assume como elemento delimitador do meio.

37Consideramos importante referir as reações ao abate recente de eucaliptos na Mina de S. Domingos, assumimos que estas manifestações possam não representar uma vontade representativa de todos os locais contudo parece-nos uma evidência de que os abates de eucaliptos poderão ser tidos como uma agressão ao património por parte de alguns habitantes.

38Apesar de não elaborarmos planos aprofundados de preservação e conservação da mata de eucaliptos parece-nos ainda essencial chamar a atenção para a necessidade de pensar essa possibilidade uma vez que estamos a falar de seres que são correntemente negligenciados e que facilmente podem ser substituídos, descaracterizando a paisagem e retirando valor patrimonial ao lugar.

Figura 1 – Mina de S. Domingos, vista a partir da Rua Catarina Eufémia, Março de 2013

Figura 1 – Mina de S. Domingos, vista a partir da Rua Catarina Eufémia, Março de 2013

Autoria de António Pacheco

Figura 2 – Print screen da petição pública criada em 2013

Figura 2 – Print screen da petição pública criada em 2013

Disponível em <http://peticaopublica.com/​pview.aspx?pi=P2011N16168> [Consult. 05 de Junho 2018]

Bibliographie

Fonte

[S.a.] (1961) - [relatório sobre o estado das plantações de eucaliptos], secção: I/Impacto ambiental: SR 02: Arborização. Acessível no Arquivo da Fundação Serrão Martins, fundo Masson & Barry, Mina de S. Domingos, Portugal.

Referências bibliográficas

ANDRADE, Edmundo Navarro de (1909) - Cultura dos Eucalyptus. Typographia Brazil de Rothschild: S. Paulo.

ALVES, António Monteiro, PEREIRA, João Santos, SILVA João M. Neves (2007) - «A Introdução e a Expansão do Eucalipto em Portugal», In Alves, António Monteiro, Pereira, João Santos, Silva, João M. Neves (ed.) - O Eucaliptal em Portugal, Impactes ambientais e Investigação Cientifica. Lisboa: ISAPress, pp. 13-24.

ALVES, Helena (1997) - Minas de S. Domingos, Génese, Formação Social e Identidade Mineira. Mértola: Campo Arqueológico de Mértola.

BOLLNOW, Otto Friedrich (2008) - O homem e o espaço. Paraná: UFPR.

CASEMIRO, Pedro João (1993) - Concelho de Mértola Geo-biografia das mudanças de uso do solo [Em linha]. Lisboa: UNL-FCSH-DGPR. Prova de aptidão pedagógica e capacidade científica. [Consult. 23 de Abril 2018].

CONNERTON, Paul (1999) - Como as Sociedades Recordam. Oeiras: Celta editora.

CORDEIRO, José Manuel Lopes (2011) - Algumas questões sobre o estudo e salvaguarda de paisagens industriais [Em linha]. In Revista Labor & Engenho, Brasil, Nº 1. [Consult. 22 de Novembro 2019].

DAVID, Jorge S. DAVID, Teresa, S. VALENTE, Fernanda (2007) - «O eucaliptal e os recursos hídricos». In Alves, António Monteiro, Pereira, João Santos, Silva João M. Neves (ed.) - O Eucaliptal em Portugal, Impactes ambientais e Investigação Cientifica. Lisboa: ISAPress, pp. 113-135.

DIÁRIO DO GOVERNO (1859) - 31 de Janeiro, n.º 26, pp.12-14 [Em linha]. [Consult. 26 de Março 2018].

DIÁRIO DA REPÚBLICA ELECTRÓNICO (2008) - Decreto-lei 142/2008, de 24 de Julho, artigo 43.º [Em linha]. [Consult. 20 de Abril de 2018].

DIÁRIO DA REPÚBLICA (2012) - Anúncio n.º 13815-A/2012 de 27 de Dezembro [Em linha]. [Consult. 20 de Abril 2018].

FERREIRA, Jorge, NUNES, Maria de Fátima (2016) - Da ocupação do território degradação ambiental: o caso da Mina de São Domingos [Em linha]. In Polónia, Amélia (dir.) – CEM/Cultura, Espaço & Memória. Porto: CITCEM/Edições Afrontamento, vol. 7, pp. 131-140. [Consult. 23 de Abril de 2018].

FREITAS, Helena, MARCHANTE, Elizabete, MARCHANTE, Hélia (2008) - Guia prático para a identificação de plantas invasoras de Portugal Continental. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

GUIMARÃES, Paulo E. (2016) - «Conflitos ambientais e progresso técnico na indústria mineira e metalúrgica em Portugal (1858‑1938)» [Em linha]. In Cebada, Juan Diego Pérez, Guimarães, Paulo Eduardo (ed.) – Conflitos Ambientais na Indústria Mineira e Metalúrgica: o passado e o presente. Évora/Rio de Janeiro: Centro de Investigação em Ciência Política (CICP), Universidade de Évora; Centro de Tecnologia Mineral, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (CETEM/ MCTI), Brasil. [Consult. 29 de Maio 2018]

GULLÓN, E. Sánchez, MARTÌNEZ, J. M. Caraballo, RUIZ, Federico (2009) - Los arboretos de eucaliptos históricos de Huelva [Em linha]. In Bouteloua 6: (XI-2009), pp. 115-133. [Consult. 23 de Abril de 2018].

GULLÓN, E. Sánchez, MARTÌNEZ, J. M. Caraballo, RUIZ, Federico (2010) - Una visión histórica de los arboretos de eucaliptos de Huelva [Em linha]. In Boletín del CIDEU, pp. 43-56. [Consult. 23 de Abril de 2018].

ICOMOS-TICCIH (2011) - Princípios conjuntos do ICOMOS---TICCIH para a Conservação de Sítios, Estruturas, Áreas e Paisagens de Património Industrial «Os Princípios de Dublin» [Em linha]. Dublin: ICOMOS. [Consult. 22 de Novembro 2019].

MADEIRA, Manuel. [et. al.] (2007) - «As plantações de eucalipto e o solo». In Alves, António Monteiro, Pereira, João Santos, Silva, João M. Neves (ed.) - O Eucaliptal em Portugal, Impactes ambientais e Investigação Cientifica. Lisboa: ISAPress, pp. 137-174.

ONOFRE, Nuno. (2007) - «Os impactes do eucaliptal na fauna selvagem». In Alves, António Monteiro, Pereira, João Santos, Silva, João M. Neves (ed.) – O Eucaliptal em Portugal, Impactes ambientais e Investigação Cientifica. Lisboa: ISAPress, pp. 209-253.

PROCELS (2006) – «Plano de Ordenamento da Albufeira da tapada Pequena» [Em linha]. Relatório Síntese: Ministério do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional. [Consult. 23 de Abril 2018].

[S.a.] (2013a) - «GNR confirma abate ilegal de eucaliptos na Mina de S. Domingos» [Em linha]. In Correio do Alentejo (05 de Novembro de 2013). [Consult. 31 de Maio 2018].

[S.a.] (2013b) - «Abate de eucaliptos acende polémica em Mértola» [Em linha]. In Jornal Publico. [Consult. 31 de Maio 2018].

SCHUMACHER, Mauro Valdir, VIEIRA, Márcio (2006) - Silvicultura do Eucalipto no Brasil. Fundação de Apoio a Tecnologia e Ciência - Editora UFSM.

TICCIH (2003) – Carta de Nizhny Tagil sobre o Património Industrial [Em linha]. [Consult. 22 de Novembro 2019].

UNESCO (2008) - «Operational Guidelines for the Implemetation of the word Heritage Convention» [Em linha]. Paris: UNESCO. [Consult. 22 de Novembro 2019].

Notes

1 O corte não provoca a morte da árvore pois esta volta a criar uma nova copa a partir do mesmo indivíduo.

2 A maioria das árvores de grande porte foi progressivamente abatida, inclusive nos últimos anos.

3 A título de exemplo, podemos encontrar reações ao abate mencionado em publicações no facebook no Grupo dos Amigos da Mina de S. Domingos.

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Mina de S. Domingos, vista a partir da Rua Catarina Eufémia, Março de 2013
Crédits Autoria de António Pacheco
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13812/img-1.png
Fichier image/png, 1,7M
Titre Figura 2 – Print screen da petição pública criada em 2013
Crédits Disponível em <http://peticaopublica.com/​pview.aspx?pi=P2011N16168> [Consult. 05 de Junho 2018]
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13812/img-2.png
Fichier image/png, 382k

Auteur

Faculdade de Letras da Universidade do Porto, danielcardeira@gmail.com

© Publicações do Cidehus, 2020

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search