Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

As interações como uma necessidade de análises que englobem: a arquitetura, as infraestruturas, a memória e a paisagem industrial

Edifício industrial desativado

Ocupações Programáticas Informais e temporárias

Carla Gonçalves

Résumé

Na atual conjuntura social e económica, em Portugal tem vindo a verificar-se a crescente reutilização temporária de espaços industriais desativados. No contexto da disciplina da arquitetura analisa-se as ações de uso adotadas no edificado industrial, reflete-se sobre a ocupação temporária, os programas de uso implementados e a preservação após o reuso.
A comunicação tem por objetivo observar, na zona oriental da cidade de Lisboa, abordagens de carácter temporário que, para acomodarem programas e serviços às estruturas existentes, realizam um conjunto de ações de implementação de infraestruturas e de construção civil. As atividades têm em comum o carácter provisório, a ocupação e consolidação gradual de programas.

Texte intégral

Introdução

1No contexto da disciplina de arquitetura procede-se à análise dos sítios e edifícios industriais que, após um período de abandono, foram ativados sob a condição de tempo “a termo”. As intervenções funcionam como alavancas que reativam os edifícios e devolvem-nos ao tecido operacional da cidade. Interessa identificar as atuações e refletir sobre estas enquanto potencial ferramenta para responder ao desafio de resiliência a que ficam sujeitos os edifícios e conjuntos industriais no intervalo de tempo entre a condição de abandono e o futuro a longo prazo ou permanente.

  • 1 A investigação e trabalho de Matthias Burgin centra-se na reutilização de áreas industriais É també (...)

2A revisão literária sugere o uso temporário enquanto ferramenta que permite inovar e testar novos programas, revitalizar edifícios e zonas desativadas. Burgin1 (2012, 347) conclui que o uso temporário e os programas implementados sob a condição de tempo limitado, podem vir a transitar para um carater definitivo. Entre os casos analisados no presente trabalho, a Fábrica de Braço de Prata e o antigo estaleiro NDSM, caso nacional e internacional respetivamente, é possível identificar a ação positiva que uma utilização temporária pode produzir sobre a estrutura pré-existente, conforme sugerido na revisão literária.

3O uso temporário em Portugal divide-se em dois períodos: antes e depois da crise mundial. No período inicial o programa de uso é direcionado para a cultura e eventos de moda que aconteceram no Porto, Lisboa e Guimarães. A crise mundial, o desemprego e a necessidade de gerar autoemprego leva à procura de espaços com rendas baixas. O LxFactory em Lisboa é um dos pioneiros a ativar um conjunto industrial com um programa temporário misto, espaços de trabalho partilhado, restauração, retail e lazer. Após o LxFactory, replica-se a estratégia de uso interino, do edifício industrial desativado, com recurso a um investimento financeiro baixo e um programa misto.

4Na presente comunicação, pretende-se identificar os programas de uso temporário que começam a ser implementados nas estruturas industriais desativadas na zona oriental da cidade de Lisboa: Quem são os protagonistas do uso temporário? O que procuram nestes edifícios? Será o uso temporário uma potencial ferramenta para responder ao desafio de resiliência a que ficam sujeitos os edifícios e conjuntos industriais no intervalo de tempo entre a condição de abandono e o futuro a longo prazo ou permanente?

Contentores de desenvolvimento económico e cultural

Old ideas can sometimes use new buildings. New ideas must

use old buildings. (Jacobs1992, 188)

5Na obra de The Death and life of Great American Cities, (1992, 188) defende a necessidade de coexistência de construção nova e existente nas cidades pois o novo e o existente possibilitam a diversidade comercial e social. A construção nova separa à partida os negócios e produtos consolidados no mercado daqueles em fase embrionária ou de experimentação. Enquanto os primeiros podem escolher entre novo ou existente os segundos têm como única alternativa o existente. O edifício existente nos centros urbanos não só possibilita uma renda mais baixa como a proximidade dos circuitos de consumo e transação, segundo Jane Jacobs eles acabam por ser espaços vitais para a inovação, experimentação de ideias e produtos novos.

6No atual contexto económico e imobiliário das principais cidades portuguesas, onde o valor metro quadrado nos centros urbanos e nas suas imediações disparou, é visível a crescente reativação de espaços industrias e armazéns que se encontravam desativados, com ocupações programáticas de comércios, serviços e lazer atestando o papel, de espaços de inovação, experiência que Jacobs (1992, 188) refere.

  • 2 Time Out revista quinzenal que promove e identifica tendências urbanas, na área da gastronomia e la (...)

7A zona oriental da cidade de Lisboa tem um tecido urbano industrial fragmentado que ficou, até ao presente, à margem do investimento público e privado. Na última década, num compasso de tempo gradual os sítios de industria e de comércio ganham novos programas de uso que promovem diretamente a preservação do edifício e carácter industrial do lugar e indiretamente revitalizam a sua envolvente. Os bairros de Xabregas e Braço de Prata passaram de área deprimida da cidade para zonas com «sítios cheios de pinta» segundo a Time Out2. Nos armazéns e fábricas desativados é possível agora encontrar espaços de trabalho que coabitam com micro, médias e pequenas empresas, comércio e restauração, para além do espaço, partilham a carência e fragilidade financeira e encontraram nestes sítios as condições de arrendamento e localização para se apresentar ao mercado.

  • 3 O uso temporário encontra-se associada a termos como, uso interino, uso transitório ou uso provisór (...)

8O fenómeno de reuso não é novo nem mesmo para a zona oriental da cidade de Lisboa, onde alguns dos edifícios religiosos, como é o caso da Manutenção Militar de Lisboa e a fábrica «A Nacional», foram adaptados para produção industrial e no presente caminham para o terceiro ciclo de uso. O processo de reutilização desta área da cidade foi por nós observado no período de 2015 a 2018. Para a análise recorreu-se à observação direta, consulta de fontes e entrevistas exploratórias. Foram identificados três processos de abordagem na adaptação do espaço existente. O primeiro genuinamente carente de recursos financeiros, com um tipo de intervenção construtiva que passa maioritariamente pela autoconstrução. A mão de obra especializada é aplicada apenas na introdução de estruturas e implementação de infraestruturas de eletricidades, águas e gás caso necessário. Como exemplo a Fábrica de Braço de Prata que será analisada neste artigo. O segundo com uma capacidade financeira superior ao primeiro grupo, explora o carácter de escassez e a materialidade que carateriza esta tipologia arquitectónica. Nestes casos a adaptação do espaço acontece com recurso a mão de obra especializada na área da arquitetura, design e infraestruturas. O terceiro grupo poderia construir ou arrendar um espaço novo mas escolheu a estrutura existente, pelo risco do negócio ou para tirar partido das dinâmicas económicas já geradas pelos pioneiros ou na espectativa do que poderá vir a gerar projetos como o Hub Criativo de Beato e o empreendimento de habitação de Braço de Prata. No terceiro grupo incluiu-se o Hub Criativo do Beato que se encontra integrado na estratégia de revitalização e consolidação do eixo entre o centro da cidade de Lisboa e a zona da Expo 98. A base contratual de uso temporário3 é comum aos três grupos identificados.

9A Fábrica de Braço de Prata e o Hub Criativo do Beato, o primeiro implementado em 2007, o segundo em processo de implementação do programa e que irá funcionar por um período de 50 anos, são âncoras que promoveram e promovem a chegada de mais utilizadores. O crescente interesse na reutilização, nos últimos três anos de sítios e armazéns industriais na zona oriental da cidade de Lisboa, não deve ser alienada do contexto económico e social que se vive no presente. O aumento das rendas no centro da cidade tem levado os pequenos investidores e recém licenciados a procurar espaços com rendas mais baixas, na proximidade do centro. No presente ano, 2018, é ainda no tecido urbano desativado de Marvila que encontram edifícios existentes disponíveis com rendas acessíveis.

10No presente, do Beato a Braço de Prata os armazéns e sítios industrias são lugares de produção de ideias, de revenda ou venda de produtos e serviços atestando o seu papel de catalisadores de inovação e experimentação no que se refere à economia e preservação física do edificado. Revelando-se uma relação, mutualmente vantajosa para o edifício e o utilizador.

Uso temporário enquanto parte de uma estratégia – o caso do estaleiro naval NDSN

  • 4 Visitou-se o edifício entre 19 a 23 de setembro de 2017. Foi possível a observação direta do estale (...)

11Na cidade de Amesterdão o reuso temporário do edificado industrial desativado é explorado enquanto estratégia de planeamento urbano. O município é o maior proprietário imobiliário e conjuga o seu papel de gestor e proprietário no desenvolvimento e consolidação urbana da cidade. O estaleiro naval Nederlandsche Droogkok Scheepbouw Maatschappij (NDSM), que se encontrava desativado desde 1984 a norte da cidade e do rio IJ, oito anos depois foi integrado na estratégia política de expansão urbana projetada para esta zona4.

12Enquanto estratégia, a medida imediata foi a disponibilização dos estaleiros navais NDSM para arrendamento temporário de indústrias criativas e start-up. O objetivo era promover e atrair potenciais investidores e arrendatários, gerar a conjuntura necessária para desencadear o processo de utilização das estruturas existentes com um novo programa de uso, cuja diversidade e dinâmicas inerentes aos processos de uso temporário iria promover o desenvolvimento de «um novo polo cultural descentralizado e contrariar a monotonia que caracteriza as cidades satélite», (Oswalt et al., 2013,356) As atividades de uso geradas e o fluxo de pessoas atraído por estas atividades, devolvia o lugar «as memórias da área naval e a área norte integraria o tecido vivo da cidade» (2013, 356).

13O Município lançou em 1999 o concurso público para o desenvolvimento de propostas de planeamento e utilização do conjunto industrial NDSM. O concurso foi ganho por um grupo Kinetisch Noord, composto por artistas, artesão, arquitetos e criativos que viram no estaleiro naval abandonado a oportunidade de ter um espaço de trabalho com valores de arrendamento acessíveis e assim libertar da pressão imobiliária que se vivia no centro da cidade. A proposta programática previa a coexistência de grupos de teatro, empresas de artesanato, ateliês, start-ups e espaços performativos. O programa distribuía-se no principal edifício do estaleiro naval e por zonas temáticas. O conceito para a adaptação pressupunha uma malha que subdividia o espaço em pequenas áreas. Cada arrendatário era responsável por formalizar o seu espaço, dotando-o do que entendesse necessário para a sua atividade. O modelo de utilização tinha como propósito envolver cada arrendatário no processo de adaptação do edifício.

14A associação, com escassas condições financeiras, ocupou o edifício em 1999, a adaptação aconteceu com os recursos disponíveis. A partir de registos fotográficos é possível perceber que os arrendatários ocuparam inicialmente o espaço com roulottes e reutilização de materiais, três anos mais tarde em 2002 reuniram a verba para avançar com as obras de beneficiação e adaptação - uma parte das verbas derivou da câmara, outra parte de fundos angariados. A intervenção realizada respeitou a estrutura física do edifício enquanto volumetria. No seu interior foi mantida a matriz estrutural assim como os equipamentos de apoio à atividade do estaleiro que se encontravam no edifício. O novo layer programático não apagou a história do espaço, mas sim integrou numa estratégia de adição em continuidade com o existente. Hoje é possível observar e identificar a estrutura de máquinas existente e a nova camada de estrutura e infraestruturas necessárias ao novo programa. No pavimento e agarrado à estrutura do edifício permanece as máquinas e elementos fixos que testemunham o programa primitivo e nos permite ler o processo de produção do estaleiro.

15O concurso para a utilização do edifício estipulava um prazo de utilização de dez anos, até 2012, prazo que foi prorrogado, após reivindicação dos arrendatários, por mais 25 anos. O programa de usos original tem vindo gradualmente a ajustar-se aos utilizadores que procuram o espaço, a reutilização propagou-se aos restantes edifícios desativados. No presente, o conjunto industrial NDSM está indicado como conjunto industrial patrimonial. O programa flexível, vai-se adaptando e reinventando com a saída e entrada de arrendatários e com eventos culturais e de lazer, tendo alcançado os objetivos da câmara enquanto polo cultural e revitalizador da zona.

16No presente, o conjunto industrial tem como vizinhos, escritórios, comércio, serviços, restauração, habitação e hotéis. No skyline da margem norte do rio IJ lê-se dois tempos da sua história em diálogo, um pertencente ao passado da indústria de produção naval e um outro no presente onde permanece indústria ativa, e misturam-se serviços e habitação. O projeto permitiu a preservação do caráter do lugar e património industrial do antigo estaleiro. Para os arrendatários, o sucesso do projeto de uso temporário começa a produzir o efeito de pressão da especulação imobiliária, no valor das rendas dentro do antigo estaleiro naval.

Figura 1 – NDSM vista interior do edifício

Figura 1 – NDSM vista interior do edifício

Fotografia: Nuno Almendra

Figura 2 - NDSM vista exterior do edifício

Figura 2 - NDSM vista exterior do edifício

Fotografia: Nuno Almendra

Abordagens em curso na zona de Lisboa Oriente

  • 5 O liberalismo foi o responsável pela extinção das ordens religiosas e o consequente abandono de pal (...)
  • 6 Na década de 90 a fábrica de material de guerra de Braço de Prata foi parcialmente demolida, foi ma (...)

17A relação com o rio e posterior presença da linha de caminho de ferro foram as âncoras para a fixação da produção industrial e armazenamento na zona oriente da cidade de Lisboa. O tecido rural de palácios e conventos abandonados5, foi progressivamente densificado com a introdução de fábricas, armazéns de comércio e vilas operárias (Matos 1999,3). Na artéria Xabregas /Braço de Prata, no início do século XX, encontravam-se em funcionamento doze fábricas. Algumas partiram das edificações abandonadas e foram crescendo à medida das suas necessidades, como são os casos da Manutenção Militar de Lisboa e da fábrica «A Nacional», outras construídas de raiz, a Fosforeira e a Fábrica de Material de Guerra6. Atualmente, das doze fábricas existentes, encontra-se em funcionamento a fábrica de moagem «A Nacional».

  • 7 Segundo Folgado e Custódio (1999), os doze edifícios identificados no eixo Xabregas/Braço de Prata, (...)

18Em 1997, iniciou-se um novo ciclo de vida para estes edifícios que se encontravam desativados7. A Companhia Portuguesa de Fósforos foi o primeiro conjunto industrial, nesta artéria da cidade, a entrar num novo ciclo de vida. O equipamento encontrava-se inativo desde 1985, foi comprado por uma empresa de importação de brinquedos e adaptado a um programa de armazéns e escritórios. Mais tarde, em 2007, seguiu-se a reutilização do que restou da demolição da Fábrica de Armamento de Braço de Prata.

  • 8 Segundo o seu promotor privado, professor Nuno Nabais, em entrevista ao Jornal Público, foi propost (...)

19Ao contrário da Companhia Portuguesa de Fósforos, reativada com um programa permanente, o edifício administrativo da Fábrica de Armamento de Braço de Prata foi reutilizado na condição de tempo «a termo», com um programa de uso direcionado para o lazer e cultura. O arranque aconteceu com um espaço de café, uma livraria e uma galeria de arte. Atualmente promove concertos, palestras, formação na área da música e dança, sendo espaço de tertúlias e de cinema e a sua contribuição no contexto cultural, resgatou-o da sua condição de uso temporária8.

20Em 2013, seguiu-se a reutilização do conjunto de armazéns junto à linha de caminho de ferro, na rua Pereira Henrique, com um programa de espaço de trabalho partilhado, TODOS. Com a mesma tipologia programática, a empresa Lisbon Workhub, ativou, dois anos mais tarde, o edifício administrativo da Companhia Abel Pereira da Fonseca. No mesmo conjunto, nos armazéns funcionam atividades de comércio, restauração e desporto. No setor secundário, no mesmo ano, assinala-se a implementação da primeira fábrica de produção artesanal de cerveja. Após esta, outras duas empresas surgiram no ramo da produção de cerveja artesanal e no Hub do Beato será implementada a quarta fábrica de produção artesanal. No presente decorrem as obras de adaptação da antiga central elétrica do conjunto industrial da Manutenção Militar de Lisboa.

21No que se refere a tipologia programática, pode afirmar-se que os exemplos apresentados configuram os programas que têm vindo, até à data, a ser implementados no tecido industrial desativado a oriente da cidade de Lisboa. O que procuram os promotores destas ações em Marvila? Procuraram rendas baixas para iniciar uma ideia de negócio ou para dar continuidade ao seu negócio. São pequenos e médios investidores, jovens em início de carreira que o mercado de trabalho não absorveu ou que procuram desenvolver a sua atividade como independentes.

22No que se refere às abordagens sobre o espaço físico destes edifícios, observou-se que as estratégias passaram pela incorporação da pré-existência, à exceção da ação sobre o armazém reservatório de vinho e espaço de trabalho partilhado, ambos no conjunto Abel Pereira da Fonseca. No armazém é visível a demolição parcial dos reservatórios de vinho para tirar partido do espaço interior. Também no antigo edifício administrativo foi retirada a camada de acabamento dos panos de parede para tirar partido visual das texturas dos vários elementos estruturais. A fábrica de Braço de Prata e o armazém da empresa TODOS preservaram a camada do tempo nos panos de parede e pavimentos. Em ambas as abordagens, a partir do olhar do arqueólogo, foi preservada a narrativa do uso do lugar. Em alguns casos, as abordagens expressam o pragmatismo de uma utilização temporária com recursos financeiros baixos, noutros a sua preservação integra-se numa ação conceptual exploratória da materialidade do lugar que tem vindo a integrar o discurso na disciplina da arquitetura.

23Na sua maioria, estes exemplos, posicionam-se na estratégia de escassez, com um tipo de intervenção construtiva que passa maioritariamente pela autoconstrução, conforme já foi referido. Na zona sul da antiga Manutenção Militar de Lisboa, agora denominada Hub Criativo do Beato, a narrativa programática, até à data divulgada, replica os programas já existentes nesta mesma área urbana. Acrescem as residências para os criativos e o programa de musealização de alguns dos edifícios onde se propõe a preservação de conteúdo do edifício. Na estratégia para a adaptação do conjunto industrial da Manutenção Militar de Lisboa destacam-se três princípios para a análise do conteúdo fixo e móvel existente no conjunto: «a preservar no local; a preservar com possibilidade de ser retirado para espaço externo com o fim da preservação e sem relevância patrimonial» (Gonçalves e Melânio, 2018, 79) Os princípios aplicados produziram o desmantelamento das máquinas existentes na fábrica das bolachas e massas, o espaço foi liberto das máquinas de modo a receber o novo programa de uso com o nome Factory Lisbon. Na central elétrica que irá receber a fábrica artesanal de cerveja, foi mantido os vestígios de equipamentos fixos e móveis existentes no espaço.

  • 9 o Hub Criativo do Beato, está implementado na área sul do antigo conjunto industrial da Manutenção (...)

24No período transitório entre o desenvolvimento dos projetos e início da empreitada, o Hub Criativo do Beato disponibilizou e promoveu ações de uso temporárias no período que decorreu entre o levantamento do património, desenvolvimento dos projetos de arquitetura e especialidades, licenciamento na Câmara Municipal de Lisboa e o início das obras (Julho de 2016 e Maio de 2018). O edifício do conjunto9 que recebeu maior número de eventos foi a antiga central elétrica, para o reativar foram promovidas ações de limpeza, tendo sido adicionado junto à cobertura, paralelo ao pavimento, um layer de infraestruturas elétricas, que veio permitir o uso do espaço para eventos, exposições e palestras. Foi possível observar entre o período de 2016 a 2018 que os usos temporários não foram lesivos para nenhuma das pré-existências da zona sul da antiga Manutenção Militar de Lisboa.

Figura 3 - Mapeamento e análise do edificado industrial do Beato a Braço Prata

Figura 3 - Mapeamento e análise do edificado industrial do Beato a Braço Prata

Fonte : Carla Gonçalves

Conclusões

25Apesar das motivações destes utilizadores não terem qualquer componente patrimonial, constata-se que o movimento de reutilização e as dinâmicas aqui geradas permite, por um lado, a preservação do caráter industrial deste tecido urbano, por outro resgata, ainda que temporariamente, os edifícios da posição passiva/inativa para a de participantes no desenvolvimento económico, social e cultural da cidade.

26Nos casos analisados verifica-se o que Burgin (2012, 347) afirma: o uso temporário gera valor sobre o edifício comparativamente a mantê-lo desativado e este acaba por promover indiretamente a economia local.

27Segundo esta análise, as apropriações temporárias acabam, por um lado, por funcionar como pontos que reanimam o tecido económico e social da área onde se encontra inserido, por outro, podem funcionar como teste programático e vir a transitar de um caráter temporário para uma utilização permanente. No caso da Fábrica de Braço de Prata, o uso programático implementado com caráter provisório foi forte o suficiente para inverter a condição contratual inicial. A introdução de novas narrativas no tecido industrial desativado na zona oriente da cidade de Lisboa não só gera valor imobiliário como abre novas perspetivas no debate sobre o papel destes edifícios no desenvolvimento cultural e económico da sociedade.

28Acresce aos exemplos nacionais o caso internacional onde a partir de uma estratégia participada, dono de obra, organismo público e arrendatários, foi possível não só disseminar uma estratégia de expansão da cidade, mas também promover apoio aos trabalhadores independente e pequenos empresas e preservar o património através de uma estratégias participada por todos os intervenientes.

Bibliographie

BAUM, Martina; CHRISTIAANSE, Kees. City as LOFT – Adaptive Reuse as a Resource for Sustainable Urban Development. Edição: Lecturis BV, Eindhoven, 2012.

BURGIN, Matthias; “Temporary Use: More Opportunities Than Risks” In. BAUM Martina, CHRISTIAANSE Kees. City as Loft.. Suiça: Editor, gta Verlag, 2012, p.347 a p.349.

FOLGADO, Deolinda; CUSTÓDIO, Jorge. Caminho do Oriente: Guia do Património Industrial. Lisboa: Edição Livros Horizonte, 1999.

GONÇALVES Carla. MELÂNEO Paula (2018) – Lisboa Oriental. Epicentros pós-industriais: um futuro a Oriente. Jornal dos Arquitetos. Lisboa nº 257 p.79.

JACOBS, Jane. The Death and Life of Great American Cities. Edição Vintage Books, 1992.

MATOS, José Sarmento. Em FOLGADO, Deolinda; CUSTÓDIO, Jorge. Caminho do Oriente: Guia do Património Industrial. Lisboa: Edição Livros Horizonte, 1999, p3.

MOREIRA, Cristina - Fábrica de Braço de Prata. “Esta bomba não rebentará”: Público. (consultado 19 Out. 2018)

OSWALT, Philipp; OVERMEYER, Klaus; MISSELWITZ, Philipp. Urban Catalyst - The Power of Temporary Use. Edição: Dom Publishers, 2013.

Notes

1 A investigação e trabalho de Matthias Burgin centra-se na reutilização de áreas industriais É também o responsável pela elaboração do guia para o uso temporário solicitado pelo Departamento Suíço do Meio Ambiente.

2 Time Out revista quinzenal que promove e identifica tendências urbanas, na área da gastronomia e lazer. Na edição de 25 julho de 2017 no subtítulo apresenta «De Xabregas ao Beato. Não há petróleo mas há sítios cheios de pinta», o artigo identifica 12 espaços de restauração e lazer a visitar entre Xabregas e o Beato.

3 O uso temporário encontra-se associada a termos como, uso interino, uso transitório ou uso provisório, é uma ação que se encontra limitada no tempo. Desenvolve-se segundo uma estrutura organizacional que contorna os princípios oficiais instituídos para a implementação de um novo programa de uso numa propriedade. São novas abordagens com fins, comerciais, culturais ou de contracultura que (re)usam espaços urbanos ou edifícios que se encontram desativados. No presente em países como o Reino Unido, Alemanha, Holanda, o uso temporário já é reconhecido como uma ação que promove a revitalização económica e social de áreas urbanas.

4 Visitou-se o edifício entre 19 a 23 de setembro de 2017. Foi possível a observação direta do estaleiro de produção principal ocupado com pequenas empresas, o segundo estaleiro ativado com um programa multiusos encontrava-se encerrado. Não foi possível falar com a gestora do espaço KIM Ragetli, mas foi possível conversas com alguns dos arrendatários do espaço do estaleiro principal. Nessas conversas, foi possível perceber que estes encontram-se cansados dos visitantes que como eu querem saber um pouco mais sobre o lugar e estão preocupados com o aumento das rendas que tem vindo gradualmente a subir.

5 O liberalismo foi o responsável pela extinção das ordens religiosas e o consequente abandono de palácios e conventos na cidade de Lisboa (Matos 1999). No lado oriental da cidade, estes edifícios desativados são adaptados de modo a acomodar um programa de uso direcionado à industria.

6 Na década de 90 a fábrica de material de guerra de Braço de Prata foi parcialmente demolida, foi mantido o edifício de recursos humanos com o propósito de funcionar temporariamente como espaço de estaleiro da empreitada de construção. O início da obra foi suspenso em 1998 até 2017, durante o tempo de espera pelo início da construção, a edificação poupada da demolição foi utilizada enquanto espaço de lazer e cultura.

7 Segundo Folgado e Custódio (1999), os doze edifícios identificados no eixo Xabregas/Braço de Prata, entre a linha de caminho de ferro e o rio, são: Fábrica de Tabaco de Xabregas, Fábrica de Fiação de Tecidos Oriente, Manutenção Militar de Lisboa, “A Nacional” – Companhia Industrial de Transformação de Cereais S.A., Sociedade Nacional de Sabões, Fábrica de Borracha, Companhia Portuguesa de Fósforos, José Domingos Barreiro, Fábrica de Cortiça da Quinta do Mitra, Abel Pereira da Fonseca, Fábrica de Material de Guerra de Braço de Prata, Tabaqueira.

8 Segundo o seu promotor privado, professor Nuno Nabais, em entrevista ao Jornal Público, foi proposto na reunião da assembleia municipal o reconhecimento deste espaço enquanto equipamento cultural. No presente decorrem os procedimentos junto da CML e EGEAC para a formalização da sua atividade com respetivo contrato.

9 o Hub Criativo do Beato, está implementado na área sul do antigo conjunto industrial da Manutenção Militar de Lisboa. A área sul do conjunto é composta por 19 edifícios industriais de transformação e produção alimentar que alimentaram os militares portugueses em campanha. A fábrica foi fundada em 1897 e permaneceu ativa até 2011.

Table des illustrations

Titre Figura 1 – NDSM vista interior do edifício
Crédits Fotografia: Nuno Almendra
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13738/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 2,6M
Titre Figura 2 - NDSM vista exterior do edifício
Crédits Fotografia: Nuno Almendra
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13738/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 2,6M
Titre Figura 3 - Mapeamento e análise do edificado industrial do Beato a Braço Prata
Crédits Fonte : Carla Gonçalves
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13738/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 1,9M

Auteur

Universidade de Lisboa Faculdade de Arquitetura

© Publicações do Cidehus, 2020

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search