Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

As interações como uma necessidade de análises que englobem: a arquitetura, as infraestruturas, a memória e a paisagem industrial

Trofa um passado de progresso

José Pedro Reis

Résumé

O iniciar do século XX, ocorreu a mudança progressiva da paisagem urbana das freguesias de S. Martinho de Bougado e Santiago que constituiriam o território da futura cidade da Trofa.
Duas freguesias de cariz claramente rural que com a inauguração da Linha do Minho em 1875 e a melhoria da estrada nacional Porto – Braga, ficando servidas de excelentes vias de comunicação, assistiram ao aumento continuo de população e respetivamente de indústrias que rapidamente ultrapassaram as várias dezenas como também o seu leque de produção era variado. Não deve ser descurada a principal relevância para a industrial têxtil e de metalomecânica.

Uma cidade profundamente marcada pelo progresso com marcas que ultrapassam várias décadas sobrevivendo ainda registos no seu casco urbano de um passado industrial que em breve irá sofrer obras de reabilitação.
A presente comunicação pretende traçar uma panorâmica dessa industrialização ao longo das várias décadas do séc. XX, destacar a edificação industrial existente que resistiu até ao presente.
Trofa e indústria sempre foram palavras sinónimas, sendo o recém concelho um importante território para o estudo da história da industrialização do país.

Entrées d'index

Palavras-chave :

Trofa, património, fábricas, paisagem, urbanismo

Texte intégral

Introdução

1A Trofa, uma localidade posicionada entre Porto e Braga, acabaria ao longo das décadas do final do século XIX e no começo do século XX por sofrer várias transformações que permitiram a sua elevação a cidade e mais recentemente a concelho.

2Nos meados do século XIX, a sua paisagem era claramente marcada pelo verde da ruralidade que iria sofrer as primeiras alterações poucos anos depois com a chegada do comboio em 1875.

3O verde iria dar lugar à cor de tijolo e ao cinzento no céu, típico de uma cidade claramente industrial que iria iniciar uma caminhada sem término até ao presente motivada pelo desenvolvimento industrial.

  • 1 As freguesias de S. Martinho de Bougado e Santiago de Bougado, atual União de Freguesias de Bougado (...)

4Na sua fase primitiva, anterior ao dinamismo económico a agricultura era o motor da sua economia havendo os primeiros vestígios de industrialização em outra freguesia nomeadamente em Guidões e não nas freguesias de Santiago de Bougado e S. Martinho.1

5Será explanada neste artigo a evolução da malha industrial, o seu berço e as unidades industriais que foram construídas que marcaram a paisagem e moldaram o ordenamento territorial.

6Um crescimento abrupto, sem grande organização e planeamento que iria causar problemas graves de urbanismo.

O iniciar do crescimento

7A chegada do comboio à Trofa em maio de 1875 iria marcar o ponto de rutura, uma sociedade claramente rural abria-se ao progresso, ficando com ligações aos grandes centros urbanos referidos anteriormente (Porto e Braga). Importante referir que alguns anos depois em 1888 ficaria a localidade ligada à Alfândega do Porto o que iria facilitar as trocas comerciais e contribuir de forma decisiva para atrair mais investimentos.

8O Porto ficava mais próximo com a antiga viagem de mala posta que demorava várias horas de viagem ou até mesmo dias a ser substituída por aquele meio de transporte, passando os itinerários a serem feitos em horas e as trocas comerciais começavam a ocorrer com maior regularidade e facilidade.

9Procurando expandir as suas ligações com outras localidades, tem fundamental relevo a ligação do comboio entre a Trofa e Vizela, acompanhando o desabrochar das indústrias ao longo do Vale do Ave.

10No ano de 1883 a máquina de ferro rasgava o Vale do Ave até Vizela e no ano seguinte, poucos meses depois em Guimarães suava o apito da locomotiva.

11Na década de oitenta do século XIX a Trofa estava ligada ao Porto, Braga, Guimarães, Fafe, Barcelos e não menos importante à vizinha Espanha.

12O transporte rodoviário massificado era uma miragem e permitia que o caminho de ferro tivesse a elevada importância descrita para o crescimento económico da região.

Evolução da malha empresarial – as primeiras oficinas

  • 2 A cidade da Trofa viu ser inaugurada uma nova estação ferroviária em 15 de agosto de 2010, substitu (...)

13A indústria na Trofa comparativamente com outros municípios do Vale do Ave não acompanhou na primeira fase o desenvolvimento que ia ocorrendo naquelas localidades vizinhas. Contudo, as primeiras fábricas e oficinas principiaram a ocupar os espaços próximos aos quarteirões da antiga estação de caminhos de ferro.2

14Nas redondezas daquela infraestrutura, no final do século XIX e princípios do século XX, concretamente no atual Largo D. Afonso Henriques por iniciativa de Dâmaso Rodrigues Costa na sua própria casa, adaptando aquelas instalações para acomodar uma oficina de metalomecânica, iria surgir o primeiro protótipo de indústria que levaria o nome da Trofa por vários continentes.

15A produção de tararas, ia ser o principal produto concebido naquelas instalações entre outros tipo de maquinaria. Tinha superior relevância a produção daquele produto, devido à grande ruralização da economia que necessitava de equipamentos para uma maior produção, eficiência e obviamente maior retorno económico (MARQUES, 1997, 85). Sendo prova desse facto a economia em que estava inserida, uma economia rural motivada pela elevada fertilidade dos solos.

16O primeiro anúncio sobre empresas e oficinas localizadas nas duas freguesias, surgiu na imprensa de Santo Tirso a 4 de maio de 1911, referindo-se a uma serralharia mecânica: «Rodrigo de Oliveira Duarte». Nos anúncios seguintes nas páginas do Jornal de Santo Tirso, referência à localização das suas instalações próximas à estação de caminho de ferro, comprovando o argumento anteriormente referido.

17A informação mais importante sobre esses anúncios é a circunstância de fazer alusão a ser uma antiga oficina, «Serralharia Magalheiro.» Contudo sobre essa antiga oficina não foi possível encontrar mais informações, impossibilitando a descoberta da sua data de fundação. Comprovando a existência em tempos bastante remotos daquela oficina.

A evolução da malha industrial – as primeiras indústrias

18O primeiro empreendimento industrial, segundo Napoleão de Sousa Marques que consistiu na primeira indústria sem ser uma oficina constituiu-se alegadamente no ano de 1912, com a «Industrial do Ave», que se dedicava à transformação dos toros de pinheiro, em especial, e de outro tipo de árvores, em madeira para a construção civil e em caixotes para o transporte de fruta.

19Aquela fábrica era localizada também próximo à estação a poucas dezenas de metros da oficina referida no capítulo anterior.

20Tinha a particularidade, na tentativa de facilitar o transporte da mercadoria e também da matéria prima, os vagões ferroviários entravam nas instalações para fazer a descarga de material e carregar o material acabado com destino sobretudo para as antigas colónias (MARQUES, 1997, 85).

21A sua atividade manteve-se por vários anos, tendo sido o anúncio a essa mesma empresa ter sido retirado do jornal «O Trofense», na década de 30 nos seus meados.

22António Moreira Fonseca Sampaio ia ser o principal empreendedor daquele equipamento industrial, ia executar uma evolução naquela fábrica ao possibilitar igualmente a produção de máquinas para serrações naquelas instalações.

23Marcante figura ligada ao meio capitalista, com desmedida atividade empresarial com vínculos posteriores a diversas unidades indústrias que posteriormente assomaram na localidade.

24Sofreria um duro revés na sua caminhada industrial com aquelas primitivas instalações industriais a serem pasto para um violento incêndio com agravante da mesma estar carregada de material e não haver uma corporação de bombeiros nas proximidades.

25Pouco ou mesmo nada remanesceu daquelas primitivas instalações, forçando a reedificação da estrutura e a compra de nova maquinaria, moldando novamente a paisagem urbana da cidade.

26Seria daquela unidade industrial que sairia a primeira luz elétrica para iluminar a cidade.

  • 3 Napoleão de Sousa Marques de forma autodidata realizou várias investigações sobre a história da Tro (...)

27Napoleão de Sousa Marques3, realizou várias pesquisas sobre a história contemporânea da Trofa e na sua obra «Seleta História da Cidade da Trofa – Duas comunidades… um só povo» referiu que bastou somente um ano para ser inaugurada a segunda unidade industrial, em 1913 também nas proximidades da estação, dedicando-se à produção de chapéus, com a maior parte da sua produção a ser destinada também à exportação (MARQUES, 1997, 86). O seu proprietário era Alfredo Costa, uma figura da história do movimento empreendedor.

28A firma fez igualmente alguma publicidade na imprensa local, na segunda década do século XX, com cartazes publicitários colocados nas páginas do «O Trofense» e possivelmente também em outros meios de comunicação, com a informação que a data de fundação foi em 1912 e não em 1913 conforme descrito anteriormente.

  • 4 (1929) - Social Fábrica de Chapéus a Vapor – Alfredo Costa”. O Trofense. Trofa

29Uma manufatura de chapéus de feltros, com grande parte da sua produção a ser direcionada para exportação, concretamente o continente africano, o seu produto era caraterizado por ser duradouro e era vendido por grosso, não havendo venda a retalho nas suas instalações.4

30Uma unidade industrial com elevado prestígio, rivalizando segundo a tradição local com as unidades fabris de chapelaria que eram referência no país, localizadas em S. João da Madeira.

31Os barracões industriais iam ganhando o seu espaço na paisagem e moldando o ordenamento do território, nos atuais arruamentos: Avenida de Paradela, Rua Alfredo Costa, Rua Gil Vicente, Rua Dr. António Cruz, entre outras ruas, os pavilhões iam se multiplicando.

  • 5 (1923) - Constituição da sociedade por quotas sob a firma Matias e Leal Lda. com sede na Trofa em S (...)

32Novas sociedades industriais ia surgindo próximo ao fim do primeiro quarto do século XX, exemplo a sociedade constituída a 9 de abril de 1923, com vários sócios que eram moradores em S. Martinho de Bougado que criavam a «Firma Matias e Leal» com sede na Trofa, dedicada à industria de chapéus, bonés e tamancos, abrindo a possibilidade de a sua produção se estender a outros produtos.5

33Percebendo o sucesso de alguns, outros tentaram copiar as suas práticas e também os seus investimentos, justificando a constituição da anterior sociedade que era replicar o investimento realizado uma década antes por Alfredo Costa.

  • 6 (1923) - Constituição da Empreza Fabril da Trofa – limitada por sociedade por cotas com sede em S. (...)

34Ao longo desse ano vários foram os anúncios idênticos respeitantes a novas empresas publicados na imprensa exemplo a constituição de uma outra empresa de serração de madeiras e uma outra dedicada à fiação e tecidos.6

  • 7 Importante referir que foi até há pouco tempo, a empresa mais antiga em laboração na área geográfic (...)

35Antes de findar o ano de 1923, importante aludir o surgimento de uma empresa que iria marcar a história da indústria nas duas freguesias em estudo, a 21 de dezembro era inaugurada a denominada «A Industrial da Trofa»7, que iria marcar provavelmente o iniciar da industrialização das moagens de cereais e farinhas.

  • 8 (1923) - A Industrial da Trofa Lda. – a sua inauguração. Jornal de Santo Tirso. Santo Tirso

36Aquelas instalações industriais eram consideradas na imprensa como inéditas e com os mecanismos mais avançados: «Tratava-se de uma moagem que ia engrandecer um meio já progressivo que era a Trofa e que honrara a indústria nacional».8

37Três anos depois no ano de 1926 foi o nascimento da empresa que acabaria por ser importante para o desenvolvimento da indústria têxtil na localidade a «Fábrica de Tecidos da Trofa», sendo necessário para apoio à laboração da primeira empresa, outras indústrias para produzir os materiais necessário para a produção da primeira ou inclusivamente complemento de produção.

38O impulso para estas fábricas ocorreu somente numa segunda fase, segundo Napoleão de Sousa Marques, apenas na década de 1930 isso iria acontecer, contudo devido à fragilidade das indústrias muitas acabariam por fechar durante o conflito mundial da 2º Grande Guerra (NAPOLEÃO, 1997, 88).

  • 9 O edifício ainda existe no presente, estando para breve uma série de obras para conservação e adapt (...)

39A referida empresa, «Fábrica de Tecidos da Trofa»9 nasceu junto à Igreja Matriz da Trofa, tendo como figura central a figura de Abílio Couto e a firma entrou em dificuldades com a sua morte em 1950 e foi definhando até falir. Um empreendimento industrial que apesar de ter vários associados sempre teve grande dependência de Abílio Sá Couto.

  • 10 (1924) - Constituição por quotas denominada Fábrica de Tecidos da Trofa, Lda. Jornal de Santo Tirso (...)

40A constituição da firma «Fábrica de Tecidos da Trofa», aconteceu a 21 de março de 1924, referindo-se na notícia da sua constituição que eram sete indivíduos que iam criar aquela empresa, referindo-se também que tinham o objetivo de a tornar uma indústria e comércio de fiação e serração, podendo se estender a outros negócios.10

Condicionantes ao desenvolvimento industrial

41As unidades industriais iam-se multiplicando, qualquer garagem, armazém, fundos de uma casa eram alugadas, compradas ou adaptadas para instalar atividades económicas do setor secundário.

42O progresso era evidente, o verde da paisagem estava a desaparecer quase por completo em S. Martinho de Bougado, enquanto Santiago de Bougado ia mantendo o seu cunho claramente rural e tradicional.

  • 11 (1928) - O triste estado dos nossos caminhos. O Trofense. Trofa

43Importante referir que na época a rede viária da cidade era bastante frágil, com caminhos e acessos em muito mau estado que complicava bastante a circulação de viaturas, uma queixa sucessiva em vários jornais locais que era um entrave claro ao desenvolvimento económico e industrial.11

  • 12 (1931) - Pela Trofa, Trofenses. O Trofense. Trofa

44A Trofa apesar de algumas condicionantes ao seu desenvolvimento, ia crescendo de forma frenética, escrevendo-se na imprensa local em 1931 que a localidade tinha uma grande e laboriosa população, era um grande centro industrial, comercial e agrícola, destacando também as várias condicionantes: a falta de um mercado, de água canalizada, bombeiros e por último a conclusão das obras das várias avenidas iniciadas pelo poder local.12

45Na década de 1930, atendendo ao elevado número de anúncios nas páginas do jornal local, comprava a existência de um elevado número de pequenas fábricas e armazenistas, como também estabelecimentos de venda a retalho.

Evolução das unidades industriais

46Uma aposta que podia ser diversificada no setor industrial, contudo, aos poucos e poucos foram sendo aglutinados os investimentos em duas vertentes, a têxtil e a metalomecânica.

  • 13 (1982) - António Moreira Fonseca Sampaio. Jornal da Trofa. Trofa

47A indústria da metalomecânica teve principal impacto na evolução, atendendo ao esforço e ao espírito empreendedor de António Moreira Fonseca Sampaio que na expectativa de melhorar a sua produção e apresentar um novo produto, com o apoio de um engenheiro alemão irá construir uma nova máquina de serração de madeira com a particularidade da mesma ser assente num suporte em ferro, algo que muitos pensavam ser impossível de acontecer, o que trouxe uma enorme dinâmica social, económica com a Trofa a ser reconhecida por todo o mundo.13

48Um produto revolucionário com berço na Trofa que permitia maior rapidez no trabalho, maior eficiência e sobretudo melhor aproveitamento de material.

49Importante referir que em 1939 ocorreu a fundação de uma nova empresa da indústria da metalomecânica, o surgimento das «Máquinas Pinheiro», empreendimento que esteve na vanguarda da construção de equipamentos para a transformação/corte de madeiras, impulsionado o nome da Trofa para todo o país e mundo.

50Ocupando a garagem de uma habitação na sua fase embrionária, iria rapidamente ter de mudar de instalações para uma enorme estrutura, ocupando vários milhares de metros quadros próximo ao centro da cidade, moldado a paisagem e a área urbana, no presente encontra-se abandonada. Um embaraço no ordenado e desenvolvimento do território.

51Uma fábrica com gigantesca dinâmica social e económica acabaria por estar durante vários anos na frente do mercado nacional e internacional, sendo uma referência para o país e para a cidade da Trofa, conseguindo empregar centenas de trabalhadores.

52As empresas dedicadas à produção de máquinas para a transformação de madeiras, acabariam por se fixar na Trofa, surgindo mais empresas desse ramo. Evidência para a empresa, «MIDA», tendo a localidade duas grandes empresas, sendo indispensável fornecer peças e restantes equipamentos para apoio da laboração das duas companhias. Acabariam por surgir várias outras empresas que no presente se tornaram referências mundiais na sua área.

53Relativamente à estrutura física das instalações da «MIDA», existe uma grande diferença comparativa com as instalações da empresa concorrente «Máquinas Pinheiro», vários pavilhões no mesmo espaço e a não existência de praticamente um espaço único onde permanecia aglomerado todos os serviços e produção.

A massificação da indústria

  • 14 A publicação referenciada, tem especial importância de que poucos exemplares chegaram até ao presen (...)

54A aproximar para o final do segundo conflito bélico mundial, apoiando na leitura do Guia de Turismo editado em 1947 pela Câmara Municipal de Santo Tirso14, analisando os dados sobre a freguesia de S. Martinho de Bougado, entre oficinas e empresas, seriam aproximadamente de cem, sendo as indústrias superiores às seis dezenas.

55Os velhos barracões de madeira e pedra tosca, iam sendo substituídos por gigantescas edificações de betão, com enormes e múltiplas janelas, com a instalação de uma rede energética com capacidade para alimentar as várias empresas, deixou de ser necessária a edificação das típicas chaminés que servem de cartão de visita das cidades industriais.

56Um número elevado de empresas de vários sectores, todavia a indústria têxtil e derivados eram as mais representativas, seguindo-se a indústria metalúrgica. Havia unidades produtivas dedicadas ao fabrico de: sacos de papel, refrigerantes e licores, farinhas alimentares, escovas e vassouras, chapéus, entre outros

  • 15 Segundo informações retiradas do guia, importante referir que a produção da fábrica de cutelaria er (...)

57Relativamente a Santiago de Bougado a rede de fábricas era mais frágil por ter menos fábricas, mas com bastantes mais oficinas. As fábricas tinham um plano marginal na economia da freguesia, com as oficinas num patamar intermédio. As únicas fábricas existentes em Santiago de Bougado eram dedicadas à produção de cutelarias15 e tecidos de algodão naquela década do século XX.

58Progredindo no tempo, avançado alguns anos, concretamente na década de sessenta, na publicação do novo periódico sobre a Trofa após décadas de ausência de imprensa local, examinando as suas páginas foi possível apurar uma quantidade desmedida de anúncios a empresas localizadas nas duas freguesias, comprovando o enorme dinamismo que a futura cidade tinha no seu limite geográfico.

59A existência de diferentes empresas de metalomecânica, montagem de máquinas industriais, indústrias têxteis, oficinas de carpintaria, um número elevado de unidades industriais que colocavam a Trofa no patamar do progresso ao alcance de poucas localidades neste país.

60Uma relação de dependência com dois grandes tipos de produção industrial, a indústria têxtil que desafiava o surgimento de fábricas nas proximidades para oferecer serviços de auxílio às suas atividades e também na área da metalomecânica para apoiar as atividades da indústria têxtil e produzir maquinaria para outro tipo de indústrias. Não havendo somente as grandes indústrias como também, as pequenas e médias empresas em enorme número.

Investimento de capital estrangeiro

61A localização geográfica, os favoráveis acessos rodoviário e ferroviário, elevada quantidade de mão de obra disponível, proximidade a várias infraestruturas de transportes (portos marítimos), era exclusivo de portugueses, como também de capitalistas estrangeiros que escolhiam a Trofa como local para se fixarem com as suas grandes empresas e também as suas representações.

62Obrigando a apertar o crivo pelas entidades governativas para controlar as movimentações estrangeiras que poderiam ser prejudiciais ao sistema político instituto, com a portaria nº 20530 originária do Ministério das Finanças era firmada a constituição do posto fiscal da Trofa que era dependente da Póvoa de Varzim da 2ª companhia do batalhão nº 3 da Póvoa de Varzim.

63Não se tratando da Guarda Nacional Republicana ou da Polícia de Segurança Pública, mas sim uma força policial de combate à investigação de crimes económicos o que atestou todos os argumentos descritos. Necessário controlar as exportações e importações para evitar a não desejada fuga aos impostos pelo poder central, como também em outros patamares perceber possíveis de situações que colocassem em causa o regime instalado.

Os problemas de crescimento

64Um crescimento desenfreado, um pouco alheado do poder local em Santo Tirso fez com que assomassem vários atropelos urbanísticos com a construção de unidades indústrias em zonas residenciais, condicionando a qualidade de vida da população e também do seu desenvolvimento económico.

65No presente ainda é possível examinar na sua mancha central, várias estruturas de edificações industriais abandonadas, exemplo anteriormente referido das antigas instalações das «Máquinas Pinheiro».

66Importante ressalvar que na década de sessenta, surgia em um ponto da cidade um novo aglomerado urbano, designado popularmente por «Cidade Nova», um grande conjunto de prédios para albergar a enorme mobilização de pessoas que escolhia a Trofa para viver.

67Havia uma enorme necessidade de habitação para todos aqueles que procuravam a localidade para refazer a sua vida. Tentava-se morar perto do local de trabalho devido à fraca rede de transportes que fazia com que uma simples viagem pendular demorasse bastante tempo.

68Grande movimento demográfico com milhares de pessoas a mobilizarem-se de outras regiões da nação: Trás-os-Montes, Braga, Viana do Castelo, etc.

69Nos anos seguintes a construção de habitações estendia-se por toda a freguesia, as empresas ocupavam os espaços centrais e na necessidade de procurarem terrenos mais baratos para a edificação de estruturas industriais fazia com que houvessem um afastamento do centro.

Transformação urbana

70No limiar dos anos sessenta e setenta, surgiram os primeiros prédios a rasgar o céu da localidade, exemplo de progresso e evolução. Sendo óbvio nesta temática a construção do empreendimento referido anteriormente como «Cidade Nova».

71Vários prédios foram surgindo, as habitações ao estilo de moradias eram substituídas por torres de apartamentos que cresciam de forma desordenada e em ritmo frenético, havia uma carência enorme de habitações e por vezes para construção daquelas novas residências várias foram as fábricas que foram desaparecendo por motivos de falência, mudanças de instalações etc. e no terreno das suas antigas instalações os novos prédios iam surgindo.

72As indústrias iam de forma progressiva abandonando o centro da cidade, procurando uma melhor localização em espaços nos arredores da urbe. Procurava-se uma maior facilidade de transporte de mercadorias e pessoas que não era possível realizar com as fracas acessibilidades que rodeavam o centro.

73Comum o caos no trânsito que piorava nas ruas juntos das unidades industriais quando havia a necessidade de carregar e descarregar material com veículos pesados.

74Exposto anteriormente que os antigos espaços das unidades industriais foram transformados em prédios urbanos, com vários andares, surgindo uma nova paisagem e ordenamento urbano.

75Existem alguns casos pontuais na reconversão daquelas infraestruturas abandonadas com novas funções, sendo relativamente recente a ideia da Câmara Municipal da Trofa, transformar uma antiga unidade industrial nos paços municipais.

76Recentemente uma antiga unidade industrial do ramo têxtil foi completamente arrasada perdendo-se todo o seu legado, inclusivamente a sua chaminé que era uma das três que restava na Trofa, ficando no presente apenas duas.

77Aquele espaço tornar-se-á mais um complexo de habitações, um novo impulso de construção após vários anos de estagnação na construção de edifícios habitacionais.

Conclusão

78Durante a investigação, explanada nesta apresentação foi possível perceber a evolução de um lugar que através de várias etapas acabaria por se tornar uma referência a nível nacional na área da indústria e do empreendedorismo.

79A paisagem urbana, a reorganização do território foi variando ao longo do tempo, conforme foi descrito anteriormente, o verde, deu lugar aos pavilhões indústrias e em vários momentos mais recentes aquelas instalações foram demolidas para permitir a construção de prédios de habitação.

80Um trabalho complexo e algo moroso, devido alavancar a história de uma localidade que ainda carece de estudos para apoiar a conceção de fontes secundárias para trabalhos sobre a sua história no futuro.

81Cruzando várias fontes, foi possível encontrar informações dispares, inclusivamente a ausência total de esclarecimentos relativamente a alguns assuntos, apresentando alguns pontos deste documento na esperança que no futuro seja possível conseguir estudos mais aprofundados relativamente à dinâmica económica da cidade da Trofa, planeamento e paisagem urbana.

82Uma malha empresarial que se iniciou apoiada na influência do caminho de ferros e na rede viária que rasga o seu território em toda a extensão, surgindo numa fase primordial as oficinas para apoiar a laboração do sector primário que era a atividade económica mais intensa na sua área geográfica e que rapidamente com as novas acessibilidades acabaria por perder terreno para grandes unidades indústrias, sobretudo em S. Martinho de Bougado, enquanto em Santiago de Bougado, o sector primário apenas iria perder influência para as atividades secundárias posteriormente contudo, no presente ainda tem uma clara marca do setor rural nos territórios daquela antiga freguesia.

83Por fim, importante referir que através do desenvolvimento da indústria no seu território e apesar de várias condicionantes económicas e políticas a Trofa acabou por ser uma referência na indústria e no dinamismo empresarial.

Fontes

(1923) - A Industrial da Trofa Lda. – a sua inauguração. Jornal de Santo Tirso. Santo Tirso

(1923) - Constituição da Empreza Fabril da Trofa – limitada por sociedade por cotas com sede em S. Martinho de Bougado. Jornal de Santo Tirso. Santo Tirso

(1923) - Constituição da sociedade por quotas sob a firma Matias e Leal Lda. com sede na Trofa em S. Martinho de Bougado. Jornal de Santo Tirso. Santo Tirso

(1924) - Constituição por quotas denominada Fábrica de Tecidos da Trofa, Lda. Jornal de Santo Tirso. Santo Tirso

(1928) - O triste estado dos nossos caminhos. O Trofense. Trofa

(1929) - Social Fábrica de Chapéus a Vapor – Alfredo Costa”. O Trofense. Trofa

(1931) - Pela Trofa, Trofenses. O Trofense. Trofa

(1982) - António Moreira Fonseca Sampaio. Jornal da Trofa. Trofa

Bibliographie

MARQUES, Napoleão de Sousa (1997) - Seleta História da cidade da Trofa – Duas comunidades… um só povo. Trofa: Edição Paulo Serra.

Notes

1 As freguesias de S. Martinho de Bougado e Santiago de Bougado, atual União de Freguesias de Bougado eram as freguesias que formavam a vila e posterior cidade da Trofa.

2 A cidade da Trofa viu ser inaugurada uma nova estação ferroviária em 15 de agosto de 2010, substituindo a primitiva estação inaugurada em 1875

3 Napoleão de Sousa Marques de forma autodidata realizou várias investigações sobre a história da Trofa, antigo professor primário com um papel de enorme destaque na imprensa local e no movimento associativo, um nome que ficará ligado à Trofa.

4 (1929) - Social Fábrica de Chapéus a Vapor – Alfredo Costa”. O Trofense. Trofa

5 (1923) - Constituição da sociedade por quotas sob a firma Matias e Leal Lda. com sede na Trofa em S. Martinho de Bougado. Jornal de Santo Tirso. Santo Tirso

6 (1923) - Constituição da Empreza Fabril da Trofa – limitada por sociedade por cotas com sede em S. Martinho de Bougado. Jornal de Santo Tirso. Santo Tirso

7 Importante referir que foi até há pouco tempo, a empresa mais antiga em laboração na área geográfica das duas freguesias, tendo suspendido a sua laboração há poucos anos após problemas financeiros, contudo, ainda possível ver as suas instalações na Avenida de Paradela.

8 (1923) - A Industrial da Trofa Lda. – a sua inauguração. Jornal de Santo Tirso. Santo Tirso

9 O edifício ainda existe no presente, estando para breve uma série de obras para conservação e adaptação do mesmo, para receber os escritórios de um dos grupos empresariais em número de empregados e volume de negócios. Importante destacar que a sua chaminé se tornou um dos ex-libris da Trofa, das poucas das muitas que existiram no passado e que sobreviveram até 2017.

10 (1924) - Constituição por quotas denominada Fábrica de Tecidos da Trofa, Lda. Jornal de Santo Tirso. Santo Tirso

11 (1928) - O triste estado dos nossos caminhos. O Trofense. Trofa

12 (1931) - Pela Trofa, Trofenses. O Trofense. Trofa

13 (1982) - António Moreira Fonseca Sampaio. Jornal da Trofa. Trofa

14 A publicação referenciada, tem especial importância de que poucos exemplares chegaram até ao presente, tendo sido consultada a fotocópia de um exemplar na Casa da Cultura, a Biblioteca Municipal da Trofa. Os dados biográficos sobre a obra são raros e imprecisos pela falta de ficha técnica.

15 Segundo informações retiradas do guia, importante referir que a produção da fábrica de cutelaria era exclusiva para o mercado ultramarino as antigas colónias em África até 25 de Abril de 1974

Auteur

Faculdade de Letras da Universidade do Porto, josepedroreis88@gmail.com

© Publicações do Cidehus, 2020

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search