Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

As interações como uma necessidade de análises que englobem: a arquitetura, as infraestruturas, a memória e a paisagem industrial

Arquitetura industrial no Brasil

Estratégias de projeto para reabilitação

Fabiane van Ass Malheiros et Pedro Jorge Dias Pimenta Rodrigues

Résumé

Este estudo faz parte da pesquisa de doutoramento e se enquadra no âmbito da Arquitetura Industrial e seu patrimônio edificado. Tem como objetivo estudar casos de reuso de indústrias que possam fazer referência ao patrimônio industrial da cidade de Panambi-RS-Brasil, trazendo estratégias de projeto arquitetônico aplicadas a áreas industriais inseridas no contexto urbano e que se encontram em desuso, tanto na cidade de Panambi como em outras cidades brasileiras. Para tal, propõe-se o estudo de três casos de projetos de reabilitação de áreas industriais, respectivamente nas cidades de São Paulo (Capital), Piracicaba (São Paulo) e Ilópolis (Rio Grande do Sul). O estudo se dá a partir de pesquisa bibliográfica, visita aos locais de estudo e levantamento fotográfico. Pretende-se, com este estudo, estabelecer as metodologias de projeto arquitetônico aplicadas a essas edificações industriais e, sobretudo, compreender as estratégias de projeto para a recuperação dessas áreas. Promover a recuperação dessas edificações e do seu entorno urbano melhora a qualidade de vida, bem como preserva o patrimônio industrial e a paisagem urbana dessas cidades. Em consequência, a cidade de Panambi-RS-Brasil torna-se referência em casos de reuso do patrimônio industrial.

Texte intégral

Introdução

1As indústrias deixaram profundas marcas na cidade e introduziram importantes transformações na sociedade – seja na organização política, social e urbana, como na arquitetura, no modo de viver, trabalhar e habitar. A Revolução Industrial veio alterar profundamente a paisagem da Europa a partir do século XIX, introduzindo transformações que quebraram os modelos de organização, vivência e desenvolvimento das cidades (TICCIH, 2003). No Brasil, mais tardiamente, as transformações no meio urbano e social também se tornaram visíveis, principalmente a partir do século XX, nos principais centos urbanos em desenvolvimento, como nas regiões Sul e Sudeste.

2Torna-se importante, assim, definir primeiramente os termos preservação e patrimônio. Para isso, são utilizadas duas definições da Língua Portuguesa para termos que se apresentam como sinônimos – os verbos preservar e conservar, ambos bastante utilizados no urbanismo contemporâneo. Segundo Clarissa da Costa Moreira (2004, 18),

Preservar: livrar de algum mal; manter livre de corrupção, perigo ou dano, conservar; livrar, defender, resguardar. Conservar: resguardar de dano, decadência, deterioração, prejuízo, etc. preservar. Continuar a ter; reter. Ter ou manter em seu poder, resguardar. Não se desfazer, de permanecer em; amparar, defender, salvaguardar.

3Ainda de acordo com o mesmo autor, a preservação se refere ao ato de livrar de perigos e de danos. Refere-se a resguardar, a manter, a não se desfazer, a continuar a ter. Já a questão urbana refere-se ao desejo de perpetuar elementos e objetos, à materialidade da cidade ou princípios, modos de fazer, tradições e costumes, ou seja, à cultura urbana. Moreira complementa afirmando que «a preservação no âmbito urbano implica a construção de visões da história, entendida como o estudo e a interpretação dos acontecimentos, pensamentos e objetos de uma cultura ao longo do tempo» (MOREIRA, 2004, 19).

4Na concepção de Lopes, o conceito de preservação abrange «todas as operações que visam à compreensão do bem monumental, edificações e sítios históricos, o conhecimento da sua história e significado, bem como as ações para assegurar o seu restauro e valorização do patrimônio» (LOPES, 2013, 81).

5Com relação à definição de patrimônio, Françoise Choay (2014, 11) explica:

O patrimônio é constituído pelo quadro estrutural das sociedades humanas. Quanto ao patrimônio edificado no espaço pelos homens, é, segundo as suas diversas categorias, qualificado como patrimônio construído, arquitetural, monumental, urbano, paisagista... e, segundo o seu modo de inserção na temporalidade, é referido como histórico ou contemporâneo.

6A autora afirma que a palavra patrimônio é muito antiga, e que está ligada às estruturas familiares, econômicas e jurídicas de uma sociedade estável, enraizada no espaço urbano, com valores caracterizados pelo tempo (CHOAY, 2014).

7Assim, em 2003, durante o Congresso Internacional realizado pelo The International Commitee for the Conservation of the Industrial Heritage (TICCIH), na Rússia (O XII), foi redigida e aprovada a Carta de Nizhny Tagil sobre o Patrimônio Industrial, que contribui para evidenciar a importância da herança da industrialização, bem como mencionar temas vinculados à sua preservação. Para este último fim, a Carta remete aos princípios da Carta de Veneza (1964), da Carta de Burra (1999) e da Carta da Cracóvia (2000). Além disso, a Carta de Nizhny Tagil reflete esse desejo ao afirmar que os edifícios industriais, os processos e os utensílios utilizados, as localidades e as paisagens nas quais se inserem, assim como todas as manifestações, tangíveis ou intangíveis ligadas aos processos industriais, são de suma importância, principalmente para as comunidades em que estão inseridas (CARVALHO, 2013).

  • 1 ICOMOS. Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios, é uma organização não governamental mundial (...)

8A Carta de Nizhny Tagil foi apresentada à XV Assembleia Geral do Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios (ICOMOS)1, realizada na China, em outubro de 2005. Nas resoluções do Encontro, reconhecendo a colaboração existente entre o TICCIH e o ICOMOS, bem como a importância do patrimônio industrial, propôs-se uma reflexão específica sobre o tema durante a XVI Assembleia Geral do ICOMOS, realizada no Canadá, em 2008, para analisar os princípios e as diretrizes da Carta de Nizhny Tagil (KÜHL, 2008, 50).

9As diretrizes da Carta de Nizhny Tagil também atuam no Brasil, dando amparo legal à preservação patrimonial industrial no país, contribuindo com variados tipos de ações, tais como inventários, registros, providências legais para a tutela, educação patrimonial e políticas públicas. Abrangem, ainda, as intervenções nos bens a fim de que sejam transmitidos da melhor maneira possível ao futuro, assumindo a forma de manutenção, conservação, restauração. O restauro, portanto, antes de tudo, deve ser entendido como ato de cultura (KÜHL, 2008, 49).

10Quando se fala em «edifícios industriais em desuso» e sua integração, muitas vezes os termos reuso, revitalização, renovação, reabilitação e requalificação ou refuncionalização são usados indistintamente. De acordo com Stela Maris Ruppenthal (2014, 54), o termo correto para ser empregado no caso de reuso de um edifício industrial, ou quando lhe é dado um novo uso, é requalificação.

11Choay (2014, 234) comenta que a requalificação ou reutilização do patrimônio industrial é importante, visto que

Esta reconversão dos edifícios, pertencendo alguns à história da técnica, depende quer de uma conservação histórica, quer de uma saudável economia logística. Em contrapartida, estas marcas anacrônicas que são os baldios industriais, os poços e os carris das minas desertas, os montes de escória, as docas e os estaleiros navais abandonados, possuem, antes de mais, um valor afetivo de memória para aqueles para quem, desde há gerações, eles eram o território e o horizonte e que procuram não ser delas desapossados. Para os outros, eles têm um valor documental sobre uma fase da civilização industrial

12Na concepção de Kühl (2008), a reconversão de edifícios industriais exige analisar pormenorizadamente as características e especificidades do complexo de edifícios e dos equipamentos ali existentes. Para isso, deve ser feito um estudo da distribuição no espaço das edificações, um levantamento métrico-arquitetônico de cada uma delas, além de exame e documentação de vestígios materiais ligados à produção e um extenso registro fotográfico.

13Este estudo traz o exemplo de três casos de estudos com vistas à realização de uma análise dos projetos de reuso. Para que os edifícios pudessem adequar-se a outro uso e programa, todavia, necessitaram passar por diversas transformações.

Estudos de casos: seleção dos casos

14Os casos analisados que envolveram o tema do reuso à requalificação foram selecionados como objetos de pesquisa de tese. Os critérios de seleção estão diretamente vinculados aos objetivos da pesquisa, sendo um deles o estudo do reuso de edifícios industriais voltados ao patrimônio histórico da cidade de Panambi-RS-Brasil. Os casos foram selecionados a fim de permitir o conhecimento das circunstâncias desse tipo de projeto no Brasil. Procurou-se fazer uma seleção com usos diferenciados, porém, no Brasil, esse tipo de intervenção ainda é muito recente e pouco usual, o que reduz as possibilidades de seleção de usos variados. Nessa perspectiva, os casos selecionados responderam aos seguintes requisitos:

  1. Enquadramento temporal: indústrias do final do século XIX e início do século XX;

  2. Casos de estudos no âmbito do Brasil, especificamente das regiões Sul e Sudeste, consideradas as primeiras regiões a serem industrializadas no Brasil;

  3. Projetos de intervenção arquitetônica que visem o reaproveitamento, para novos usos, de estruturas industriais desativadas (obsoletas), originalmente dedicadas a funções industriais, de processamento de matérias primas e alimentícias, etc.

  4. Casos de intervenção de edifícios isolados ou de conjuntos de edifícios;

  5. Possibilidade de visita ao caso de estudo e acesso a material/informação sobre o edifício original e o projeto de intervenção;

  6. Quanto ao centro urbano em que se localizam os edifícios, optou-se por selecionar cidades de grande, médio e pequeno porte;

    • 2 SESC. Serviço Social do Comércio. É uma entidade privada que tem como objetivo proporcionar o bem-e (...)

    Seleção de usos: predominantemente de uso social, educacional, cultural e de serviços (Serviço Social do Comércio – SESC)2.

  • 3 Criada em 1978, a Brasil Arquitetura é uma associação de arquitetos liderada pelos sócios fundadore (...)

15Robert K. Yin (2005, 38) destaca que os estudos de casos são apenas uma das muitas maneiras de se fazer pesquisa, podendo, também, ocorrer por meio de experimentos, levantamentos, pesquisas históricas e análise de informações em arquivos. Dessa forma, foram selecionados os casos considerados de maior relevância. Quanto ao uso, os mais comumente são empregados em projetos de reutilização no Brasil. Do ponto de vista metodológico, procurou-se elaborar um levantamento de edifícios industriais reutilizados no Brasil, tendo como premissa a possibilidade de visita ao local, contato com a equipe responsável pelo projeto, aquisição de material e qualidade dos projetos. Os casos selecionados foram estudados a partir de bibliografia específica e material do acervo do escritório «Brasil Arquitetura»3, tendo como fonte complementar as visitas «in locus», documentação, além de levantamentos fotográficos.

Antiga Fábrica Nacional de Tambores – Sesc Pompeia

16O Sesc Pompeia (Figura 1) localiza-se na cidade de São Paulo e começou a ser projetado em 1977, sendo concluído no ano de 1986. Foi idealizado pela arquiteta italiana, radicada no Brasil, Lina Bo Bardi (OLIVEIRA, 2014, 113), com a colaboração dos arquitetos André Vainer e Marcelo Carvalho Ferraz. Destaca-se como centro cultural, de lazer e esporte, constituído por um complexo de pavilhões fabris da antiga Fábrica de Tambores, restaurado para reuso da comunidade.

Figura 1 - Vista aérea atual do SESC Pompeia, após a intervenção

Figura 1 - Vista aérea atual do SESC Pompeia, após a intervenção

17Lina Bo Bardi decidiu preservar os prédios antigos existentes, assim como todos os materiais e elementos que ajudariam a recordar a memória e a existência da fábrica naquele lugar. Cada pavilhão industrial ganhou uma nova função, como administração, espaço multiuso, ateliês de artes, restaurante, cozinha e oficinas de manutenção.

18Além disso, incorporou ao conjunto fabril, uma nova área de esportes com a construção de três novos prédios, sendo um deles a caixa d’água, enquanto os demais compuseram um conjunto esportivo, com piscinas, quadras e salas de ginástica (Figura 2).

Figura 2 - Planta baixa indicando a divisão dos espaços do projeto pelas atividades

1. Bloco esportivo com piscina, academia e quadras; 2. Bar, vestuário, salas de ginástica, de artes marciais e salão de baile; 3. Torre do depósito de água; 4. Solário; 5. Cascata; 6. Oficinas de cerâmica, pintura, carpintaria, tapeçaria, gravura e tipografia; 7. Laboratório fotográfico; 8. Teatro para 1.200 espectadores; 9. Vestíbulo coberto do teatro/sala para espetáculos; 10. Bar-restaurante; 11. Cozinha; 12. Vestiário e refeitório dos trabalhadores; 13. Espaço multiuso; 14. Biblioteca/videoteca; 15. Sala de exposições temporárias; 16. Manutenção

19O projeto do Sesc Pompeia define uma arquitetura como espaço de convivência, de conhecimento, de criação artística, ligado à vida cotidiana de uma comunidade social, étnica e culturalmente diversificada (OLIVEIRA, 2014, 114).

20Os pavilhões construídos em tijolos cerâmicos seguem a arquitetura industrial inglesa do início do século XX que, ao longo dos anos, passou por mudanças, porém não alterou as suas características originais. A fábrica foi desativada em 1967 e, posteriormente, foi adquirida pelo SESC (não se sabe exatamente a data). No ano de 1975, Lina Bo Bardi foi convidada por Renato Requixa e Gláucia Amaral, diretores do SESC na época, para desenvolver (1977 a 1986), com sua equipe de arquitetos, o projeto do Sesc-Pompeia.

[...] desenvolvemos com Lina o projeto do SESC-Pompeia, numa atividade diária em meio ao canteiro de obras: acompanhamento dos trabalhos, experimentações in loco e grande envolvimento de técnicos, artistas e, sobretudo, operários. Esta postura foi, também, uma verdadeira revolução no “modus operandi” da prática arquitetônica vigente. Tínhamos um escritório dentro da obra; o projeto e o programa eram formulados como em um amálgama, juntos e indissociáveis; ou seja, a barreira que separava o virtual do real não existia. Era arquitetura de obra feita, experimentada em todos os detalhes (FERRAZ, 2008, 1).

  • 4 François Hennebique (1842/1921) foi engenheiro, autodidata e construtor francês pioneiro, que paten (...)

21Para surpresa de Lina Bo, os antigos pavilhões industriais da fábrica de tambores possuíam estruturas de concreto do início do século XX, moldadas pelo engenheiro francês François Hennebique4 e que, possivelmente, tratava-se do único exemplar no Brasil, o que dá ao conjunto um valor arquitetônico especial (FERRAZ, 2008). O projeto traz como proposta a preservação dos pavilhões existentes, assim como a maioria dos materiais e elementos que de alguma forma trazem à população recordações e memórias da antiga fábrica. O cotidiano dos antigos trabalhadores operários e o desejo de qualificar o ambiente com as expectativas daquela população, transformaram o ambiente fabril em um espaço de convívio solidário e livre. Este fator tornou-se de fundamental importância para a ideia central do projeto, que segue um programa extenso voltado a atividades de lazer, cultura e esporte.

22Anterior à intervenção, o espaço já estava sendo ocupado e utilizado pelo SESC de forma improvisada na prática de atividades esportivas e de lazer, comuns à entidade. Segundo Marcelo Ferraz, havia na Pompeia, várias equipes de futebol de salão, teatro amador com mínimos recursos, baile da Terceira Idade, churrasco aos sábados, Centro de Escoteiros Mirins e muita criança circulando por todo lado, como revoada de passarinhos. Lina, muito rapidamente, captou o sentido do lugar: «O que queremos é exatamente manter e amplificar aquilo que encontramos aqui, nada mais» (FERRAZ, 2008, 1).

23A fábrica tinha um aspecto de vila operária com uma rua central no meio e diversos pavilhões distribuídos ao longo da via. Percebe-se, novamente, a intenção de disseminar o conjunto à malha urbana como um território de limites imprecisos. Essa imagem de fábrica logo foi subvertida à de lazer e cultura. O conhecimento técnico e o olhar atento aos costumes populares fizeram com que Lina pautasse a concepção do SESC Pompeia fundamentalmente em dois pontos: técnica e tradição.

24Atualmente, após 30 anos de atuação, o SESC Pompeia apresenta múltiplas atividades em todos os seus setores, utilizando, inclusive, a rua central com feiras e festas populares, sempre buscando mostrar propostas culturais inovadoras e espetáculos de vanguarda a preços acessíveis. Interessante destacar que todo o material de divulgação das atividades e eventos são impressos no próprio SESC Pompeia, nos ateliês de tipografia e de gravura (VAINER; FERRAZ, 2016, 87).

Parque do Engenho de Piracicaba – Teatro Erotídes de Campos

25Situado em Piracicaba, Estado de São Paulo, o Teatro Erotídes de Campos consiste em uma obra de restauração e reuso de um dos prédios fabris do Engenho Central de Piracicaba (Figura 3).

Figura 3 - Entorno do Parque do Engenho de Piracicaba, SP

Figura 3 - Entorno do Parque do Engenho de Piracicaba, SP

26O teatro é polarizador das atividades culturais do Engenho Central, e recebe o seu público no espaço identificado como praça, possibilitando, também, espetáculos externos e contemplativos para visitantes e participantes. O complexo do Engenho Central é um dos mais belos exemplares da indústria açucareira do final do século XIX, constituindo um cenário singular da paisagem urbana de Piracicaba, SP (IPPLAP, 2011).

27O antigo galpão fabril (BRASIL ARQUITETURA, 2018) era um grande depósito de tonéis gigantes e uma destilaria de álcool (Figura 4).

Figura 4 - Antiga destilaria, atual Teatro Erotídes de Campos

Figura 4 - Antiga destilaria, atual Teatro Erotídes de Campos

28Essa memória está nas dimensões industriais de seu pé direito de 18 metros de altura, em seu grande vão central e nos materiais empregados em sua construção (tijolos, telhas de barro, ferro e concreto) (IPPLAP, 2011, 101).

29O escritório Brasil Arquitetura trabalhou desde 2004 no projeto de requalificação do patrimônio arquitetônico do Engenho Central e do parque do Mirante. O Programa de Intervenção buscou a constituição de um complexo de cultura e lazer, respeitando os diversos usos já consolidados. Ampliou, também, as formas de utilização, integrando eventos e atividades comerciais de modo a conferir sustentabilidade financeira ao complexo (IPPLAP, 2011, 33).

30Implantado numa das edificações de escala mediana do conjunto do Engenho Central, lindeira à praça que articula os vários galpões, o projeto teve o programa modificado desde a preliminar concepção arquitetônica (BRASIL ARQUITETURA, 20108). Conforme o IPPLAP (2011, 100), o programa possui uma arquitetura restauradora, pois transformou os vazios do edifício fabril em hall público, construindo tudo o que foi preciso para formar um teatro moderno.

31O projeto foi elaborado na perspectiva de que o restauro deixasse as marcas do tempo do galpão, propondo soluções que permitissem revelar o lado industrial da edificação. Assim, o teatro teria a capacidade para 500 espectadores, divididos nos pavimentos e nas galerias. As demais dependências abrigariam, de um lado, restaurante, bar, cozinha industrial, camarins, banheiros e hall e, do outro, sala de atividades multiuso, que pode tanto servir de espaço para os ensaios como para a hospedagem de escolas de música, artes cênicas, danças, salas técnicas de apoio e outras (ROTHER JÚNIOR, 2016, 113).

32A entrada do teatro está localizada na parte de trás do galpão, enquanto a face voltada para a praça funciona como parede do palco (Figura 4). A iniciativa decorreu da ideia de abrir o espaço cênico para a praça, o que incluiu a expansão física do palco com a inserção de um módulo retangular metálico na área pública, adaptando uma escada de acesso a este ambiente, conformada por volume metálico, pintado de vermelho.

33Além da restauração houve a necessidade de utilizar o sistema construtivo para dar forma de teatro à parte interna do pavilhão. Na outra extremidade foram criados o foyer e a bilheteria, ambos delimitados pela parede de concreto que veda as plateias superior e principal, e que ocupam a área qualificada pelo pé direito elevado e pela farta iluminação natural. Nas laterais assimétricas do galpão foram inseridos, de um lado, restaurante, sala de dança e de controle áudio/vídeo. Já a iluminação ficou instalada no pavimento superior, acima dos assentos.

34O projeto de reuso da antiga destilaria, portanto, introduziu um elevado nível de transformação no interior do edifício fabril, devolvendo ao espaço urbano um programa cultural que permitiu a realização de várias atividades culturais e de entretenimento, criando uma nova dinâmica e revitalizando a área. Na parte externa, a intervenção preservou as características originais do pavilhão fabril, mantendo os tijolos aparentes.

Engenho de Farinha – Museu do Pão

35O Museu do Pão de Ilópolis (Figura 5) localiza-se em uma pequena cidade da região serrana do Rio Grande do Sul. Entre 2005 e 2007, o antigo Moinho Colognese foi restaurado para reuso da comunidade, buscando valorizar a cultura arquitetônica italiana da região. Construído em 1930, o antigo moinho foi restaurado e recebeu, ainda, duas pequenas edificações novas e um espaço aberto (BRASIL ARQUITETURA, 2018).

Figura 5 - Museu do Pão, após a intervenção, com os novos prédios

Figura 5 - Museu do Pão, após a intervenção, com os novos prédios

36Após a intervenção, o Museu do Pão recebeu dois grupos de programação que se complementam: programa cultural expositivo e de oficinas, bem como recuperou o seu equipamento para confecção da farinha e produção do pão. O Moinho, exemplar da arquitetura industrial rural, é um símbolo da colonização italiana, do seu saber popular e da técnica de construir com a madeira, o que pode ser observado em todas as partes da edificação, desde a fundação até a cobertura. Os moinhos tornaram-se construções típicas dessa região e fonte de energia motriz para as mais diversas atividades, como na moagem de grãos, serrarias, marcenarias, etc. (NAHAS, 2008, 408).

37Inicialmente chamado de Tomasini & Baú, sobrenomes dos primeiros donos (irmãos José e Biaggio Tomasini e Antonio Baú), o Moinho Colognese foi construído pelo carpinteiro Garibaldi Bertuol com madeira fornecida pela Serraria Araçá de Tomasini, e adquirido pelos irmãos Ângelo, Savino, José Augusto e João Ernesto Colognese (FERRAZ, 2008, 17).

38Com relação aos programas desenvolvidos no Museu do Pão destacam-se o Programa Cultural Expositivo e as Oficinas (Figura 6). O Programa Cultural Expositivo aborda as temáticas da imigração na região do Vale do Taquari e a importância do pão na história da humanidade (NAHAS, 2008, 412). A complementaridade do programa pode ser entendida como uma estratégia para reforçar a diversidade e a sustentabilidade das atividades, uma vez que oferece, além do programa expositivo, um programa social – as oficinas –, que buscam atrair e qualificar o público visitante e a comunidade em geral (PACHALSKI, 2011, 2).

Figura 6 - Implantação da proposta de intervenção do Museu do Pão

1. Moinho; 2. Bar/bodega; 3. varanda; 4. Escola de Panificação; 5. Sanitários/Depósito; 6. Auditório; 7. Museu do Pão

39Para uma melhor integração das novas edificações com o Museu do Pão, foi desenvolvida uma passarela em madeira que liga as edificações ao moinho (Associação dos Amigos dos Moinhos do Vale do Taquari, 2006). Após passar pela sala de exposição do acervo, o visitante pode acessar o pequeno auditório, localizado na extremidade oposta em relação à entrada principal. Em seguida, acessar a passarela em madeira que conduz à segunda edificação e à escola de panificação. Após contornar a escola de panificação, a passarela se conecta ao moinho. Esta configuração permite que o visitante percorra o museu, sem que necessariamente adentre a escola, o que permite a independência dos usos de cada edificação (PACHALSKI, 2012, 144).

40Constata-se que essa intervenção permitiu integrar, com sucesso, o Moinho Colognese na vida contemporânea da cidade de Ilópolis, RS, valorizando o prédio abandonado há vários anos, e preenchendo uma necessidade local. Considera-se que as intervenções realizadas introduziram algumas modificações no conjunto histórico, as quais foram necessárias e pertinentes ao objetivo da recuperação. Além disso, a intervenção do prédio considerou não somente a preservação do local, mas, também, as características da cultura italiana do moinho – Museu do Pão.

Considerações finais

41Nos três casos abordados neste estudo, independentemente da tipologia arquitetônica da indústria, observou-se a necessidade de estabelecer uma nova relação entre o antigo ambiente industrial e o espaço onde atualmente ele se encontra. Isso permitiu que as novas atividades/programas adotados para esses espaços pudessem estabelecer um novo vínculo, uma nova relação de uso dos seus espaços e da própria edificação, segundo consta na Carta de Nizhny:

ii. o patrimônio industrial reveste um valor social como parte do registro de vida de homens e mulheres comuns e, como tal, confere-lhes um importante sentimento identitário. Na história da indústria, da engenharia, da construção, o patrimônio industrial apresenta um valor científico e tecnológico, para além de poder também apresentar um valor estético, pela qualidade de sua arquitetura, do seu design ou de sua concepção. (TICCIH, 2003, p.2).

42Desta forma, todas as intervenções buscaram reestabelecer a função social da edificação (antiga indústria) e de todo o seu entorno que, até então, estava perdido, promovendo melhoria na qualidade de vida das pessoas e preservando o patrimônio industrial.

43Isso pode ser percebido mais claramente no projeto do SESC Pompeia, onde a arquiteta Lina Bo Bardi respeitou a condição e o uso do espaço pelos moradores do bairro, os quais vinham utilizando as antigas instalações com atividades de lazer e esporte. Além disso, a arquiteta tirou partido da área não edificável do lote para criar uma via de passagem (deck), ligando a área dos antigos pavilhões aos novos prédios de arquitetura moderna e arrojada, buscando trazer para dentro do lote a circulação livre existente nas ruas.

44O projeto transformou os espaços interiores de maneira a não interferir nas suas estruturas originais, que trazem como patrimônio as estruturas de Hennebique. Usou, para tanto, elementos e materiais que compõem a proposta de revitalização da área que, ao mesmo tempo, se encontra em perfeita harmonia com as novas estruturas (prédios novos).

45Da mesma forma, o Teatro Erotídes de Campos manteve a estrutura da antiga destilaria, enquanto o seu interior foi totalmente transformado, recuperando, assim, a edificação e lhe dando outro uso e função. O projeto respeitou, sobretudo, a linguagem do antigo engenho de açúcar, hoje transformado no Centro Cultural Parque do Engenho, reintegrando-o à vida social da comunidade de Piracicaba, SP.

46Por fim, o Museu do Pão traz em sua proposta a recuperação das atividades originais do antigo Moinho Colognese, assim como de seu funcionamento e maquinário, como forma de resgatar o passado da atividade do beneficiamento da farinha. A manutenção do antigo moinho retrata a cultura local e é reforçada pela exposição do Museu do Pão e da Oficina de Panificação. Ambas as construções, anexas ao Moinho, complementam o seu novo uso e função, reintegrando-o à comunidade de Ilópolis, RS.

47Ao concluir, ressalta-se a importância do estudo preliminar de cada caso, considerando, sobretudo, o significado histórico do patrimônio a ser recuperado e a importância de sua reintegração na vida urbana e social da comunidade onde se encontra inserido.

Bibliographie

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DOS MOINHOS DO VALE DO TAQUARI - Museu do Pão e Oficina de Panificação. Memorial Descritivo, 2006.

BRASIL ARQUITETURA. Acesso em: fev. 2018.

BRASIL ARQUITETURA. Teatro Erotídes de Campos. Acesso em: 18 jun. 2018.

BRASIL ARQUITETURA. Museu do Pão. Acesso em: 21 maio 2018.

CARVALHO, Murilo Teixeira. Patrimônio industrial, o território fabril sob a lente da (i)materialidade. Joinville, SC: Univille, 2013. Acesso em: 09 ago. 2018.

CHOAY, Françoise - Alegoria do patrimônio. Arte e Comunicação. Lisboa, Portugal: Edições 70, 2014.

FERRAZ, João Grinspum (Org.) - Museu do Pão: Caminho dos Moinhos. Ilópolis, RS: Associação dos Amigos dos Moinhos do Vale do Taquari, 2008.

FERRAZ, Marcelo Carvalho - Lina Bo Bardi. São Paulo: Instituto Lina Bo e P. M. Bardi, 2008.

ICOMOS. Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios. Acesso em: 10 set. 2018.

IPPLAP. Instituto de Pesquisa e Planejamento de Piracicaba. Acesso em: fev./2018.

KÜHL, Beatriz Mugayar - Preservação do Patrimônio Arquitetônico da Industrialização: problemas teóricos de restauro. Cotia-SP: Ateliê Editorial, 2008.

LOPES, Flávio - Zonas de Proteção ao Património Arquitetônico: para que servem? Portugal: Caleidoscópio Edições e Artes Gráficas, 2013.

MOREIRA, Clarissa da Costa - A Cidade Contemporânea entre a tábula rasa e a preservação: cenários para o porto do Rio de Janeiro. São Paulo: Ed. Unesp, 2004.

NAHAS, Patrícia Viceconti. Brasil Arquitetura: memória e contemporaneidade. Um percurso do SESC Pompeia ao Museu do Pão (1977-2008). São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo, 2008, v. II. Acesso em: 19 mar. 2018.

OLIVEIRA, Olivia de - Lina Bo Bardi. Obra Construída Built Work. Fotografias Nelson Kon. São Paulo: Gustavo Gili, 2014.

PACHALSKI, Glauco Assumpção. Museu do pão: arquitetura, cultura e lugar. Pelotas-RS: Universidade Federal de Pelotas, 2012. Acesso em: 05 maio 2018.

ROTHER JÚNIOR, Dirceu. O sentido da preservação do patrimônio natural e construído. Piracicaba, SP: Universidade Metodista de Piracicaba, 2016. Acesso em: 19 jun. 2018.

RUPPENTHAL, Stela Maris. Novos cenários urbanos: reconversão e refuncionalização de brownfields em Criciúma/SC. Criciúma, SC: Universidade do Extremo Sul Catarinense, 2014. Acesso em: dez./2015.

SESC. Serviço Social do Comércio. Acesso em: 10 set. 2018.

TICCIH. The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage. Carta de Nizhny Tagil sobre o patrimônio industrial. 2003. Acesso em: dez./2015.

YIN, Robert K - Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookmam, 2005.

Notes

1 ICOMOS. Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios, é uma organização não governamental mundial associada à Unesco. É a única organização deste género que se dedica a promover a teoria, a metodologia e a tecnologia aplicada à conservação, proteção e valorização dos monumentos, conjuntos e sítios. (Disponível em: http://icomos.pt/index.php/o-que-e-o-icomos).

2 SESC. Serviço Social do Comércio. É uma entidade privada que tem como objetivo proporcionar o bem-estar e a qualidade de vida dos trabalhadores deste setor e de sua família. (Disponível em: http://www.sesc.com.br/portal/sesc/o_sesc).

3 Criada em 1978, a Brasil Arquitetura é uma associação de arquitetos liderada pelos sócios fundadores, Francisco Fanucci e Marcelo Ferraz, ambos formados pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. Realiza projetos de arquitetura, urbanismo, recuperação, restauro e desenho industrial para os mais diversos setores de atividade: residências e conjuntos residenciais, lojas, restaurantes, indústrias, edifícios para lazer e de uso público e institucional. (Disponível em: http://brasilarquitetura.com/).

4 François Hennebique (1842/1921) foi engenheiro, autodidata e construtor francês pioneiro, que patenteou, em 1892, o sistema de concreto armado na construção, integrando elementos de construção, como a coluna e a viga, em um único elemento monolítico. O sistema Hennebique foi uma das primeiras aparições do método em concreto e ferro na construção moderna. (FERRAZ, 2008).

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Vista aérea atual do SESC Pompeia, após a intervenção
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13492/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 113k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13492/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 247k
Titre Figura 3 - Entorno do Parque do Engenho de Piracicaba, SP
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13492/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Figura 4 - Antiga destilaria, atual Teatro Erotídes de Campos
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13492/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 177k
Titre Figura 5 - Museu do Pão, após a intervenção, com os novos prédios
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13492/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 197k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13492/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 39k

Auteurs

Instituto Federal Farroupilha Panambi, Brasil. e-mail: fabivam@gmail.com

Faculdade de Arquitetura de Lisboa. Faculdade de Arquitectura. Universidade Técnica de Lisboa. Portugal. Email: p.rodrigues@pr-arquitecturaglobal.com

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search