Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

As interações como uma necessidade de análises que englobem: a arquitetura, as infraestruturas, a memória e a paisagem industrial

Fábrica dos Sentidos

Efemeridade como hipótese

Francisco Brito, Pedro Brito et Rui Silvestre

Résumé

A Fábrica de Açúcar de San Isidro é um complexo industrial com um enorme potencial de intervenção, localizado em Granada e construído no final do século XIX. Foi este o palco escolhido para o 28º Concurso de Soluções Construtivas Pladur, sob o tema “Escape à Ficção – Projeta um espaço lúdico e cultural para Granada”.
O programa proposto pelo concurso visava a construção de seis labirintos, que funcionassem como jogos com diferentes níveis de dificuldade, utilizando essencialmente os sistemas Pladur. Desta forma, definimos à partida que a proposta deveria ter um carácter reversível e não invasivo, respeitando o espaço existente, com as marcas do seu uso e da sua história.
A proposta visa por isso, reconhecer o valor existente realçando-o através da adição de materiais leves que podem ser colocados sem destruir ou adulterar o edifício existente.
A estratégia de resposta ao programa proposto estabeleceu-se com base nos cinco sentidos tomando como inspiração a obra de Philippe Mercier: a visão, a audição, o olfato, o paladar e o tato, criando para cada um, um labirinto próprio, personalizado e que transmitisse diferentes sensações. O sexto labirinto proposto permitia ao visitante experienciar a realidade virtual, estimulando novas percepções do real, a partir da introdução da tecnologia como meio de contacto entre o indivíduo e o meio, numa alteração de escalas e proporções: um convite à imaginação.
A comunicação propõe lançar o debate sobre a reversibilidade, a destruição e adição e sobre a efemeridade nas intervenções arquitectónicas em contexto de património industrial.

Texte intégral

Introdução

1Esta investigação sob a forma de hipótese de projeto de arquitetura surge da participação no 28º Concurso Ibérico de soluções construtivas Pladur «ESCAPE À FICÇÃO - ESPAÇO LÚDICO E CULTURAL EM GRANADA» e, tem como objetivo mostrar uma proposta desenvolvida de forma rápida e de caráter experimental. Este concurso de ideias procura dinamizar anualmente os estudantes das escolas de arquitectura de Portugal e Espanha a reflectir e desenvolver projectos que na sua maioria se desenvolvem em torno de edifícios de carácter industrial.

2O Concurso da Pladur procura introduzir uma reflexão arquitectónica sobre uma parte abandonada desse conjunto industrial, em que o gesso cartonado surge como possibilidade para a introdução de um programa contemporâneo nos seus espaços.

3Neste contexto de concurso em que o gesso cartonado surge como materialidade predefinida procuramos delinear uma estratégia que procura realçar as suas propriedades, assumindo-o como um material efémero quando comparado com outro tipos de materiais, nomeadamente, a pedra, o ferro, o tijolo e cimento. A utilização de pladur apresenta inúmeras vantagens, nomeadamente facilidade de manuseamento, baixo peso, rapidez na instalação, economia na sua utilização, acabamentos finais perfeitos e a possibilidade de ser reversível.

4A proposta tem por objetivo a valorização através da recuperação de um ambiente industrial abandonado, histórico, dando-lhe uma utilidade lúdica, cultural e experimental. Esta valorização assume-se segundo um princípio de respeito pela estrutura existente, inspirado nos atos normativos que visam a defesa do património, como a Carta de Atenas de 1931, e que se traduz num dever moral de preservação de edifícios conferindo-lhes uma leitura e facilidade de interpretação, prepará-los para uma memória futura e a difusão da história neles contida. Dadas as diversas intervenções de alteração e desmantelamento da fábrica, com o consequente abandono prolongado do edifício, deu-se uma acentuada descaracterização do complexo fabril e das suas principais estruturas operativas. A sua história, marcada pelo abandono e espoliação, torna-se difícil de interpretar, restando apenas um contentor vazio de máquinas e pessoas - no fundo, a atmosfera produtiva e dinâmica de outrora. Perpetua-se o lugar ocupado por memórias de outros tempos, devoluto, onde o ferro utilizado é reciclado e convertido em novas máquinas e engenhos em prol do progresso.

5Do programa proposto no enunciado do concurso enfatizou-se:

Uma zona de recepção e zona de espera.

Um espaço cénico de entretenimento onde o visitante pode escolher entre seis zonas temáticas diferentes, duas por piso. Composto por labirintos abertos visualmente, o visitante poderá escolher o nível de dificuldade e irá resolvendo os puzzles e superando as provas. A proposta pretende com os diferentes níveis criar ligações físicas utilizando escalas, rampas e elevadores.

Uma cafetaria bar

Um restaurante com capacidade para 50 pessoas, de onde se interaja com a zona lúdica.

6O programa materializa-se numa intervenção que procura flexibilidade e identidade própria no contexto de estrutura em que se insere. Os espaços e a identidade do lugar é preservada pois a nova intervenção assume-se de forma isolada por não alterar a construção existente. A intervenção propõe um espaço permeável que crie interação entre os jogadores dos diferentes labirintos de forma a tornar este lugar um espaço dinâmico e de constante procura sensorial.

O lugar

7A Fábrica de Açúcar de San Isidro é um elemento industrial com um enorme potencial interventivo, localizada em Granada, cidade espanhola na Andaluzia.

8Foi criada em 1901 por um grupo de agricultores e edificou-se junto ao Ingenio de San Juan, este fundado em 1882. Em 1960 a Azucarera de San Isidro comprou a destilaria. A sua produção encerrou no dia 4 de janeiro de 1983. Atualmente o complexo industrial encontra-se degradado e maioritariamente abandonado. Em setembro de 2015 foi inscrito como Bem de Interesse Cultural no Património Histórico Andaluz.

9A proposta visa, por isso, reconhecer o valor existente realçando-o através da adição de estruturas concebidas com o sistema PLADUR, numa resposta arquitectónica enquadrada no concurso referido, onde foi predefinida uma nave, abandonada, do complexo para a elaboração do projeto.

10A atmosfera própria deste tipo de edifícios, onde a forma se adapta às necessidades e características dos processos e máquinas neles contidos, constrói geralmente escalas díspares dos meios onde se inserem, sendo a sua implantação, pela necessidade espacial inerente, nos subúrbios das cidades e com proximidade de uma linha de caminho de ferro para o transporte do produto final. A Azucarera de San Isidro vira a sua fachada principal para a cidade de Granada implantando-se na charneira entre a zona periurbana e o campo, a Noroeste da cidade.

11O espaço delimitado para a apresentação de propostas destaca-se pela centralidade no conjunto e por constituir a fachada frontal do edifício fabril. O seu interior composto por três pisos tem uma forte imposição da estrutura como acontece na generalidade dos edifícios industriais dada a sua natureza funcional. As marcas do seu uso são evidentes nos vazios criados nas lajes para as máquinas que outrora ocupavam o vazio que hoje se impõe. O desenho irregular dos pisos que se contextualizava com o conjunto de equipamentos que definiam o lugar transformou-se num conjunto de momentos indefinidos, com uma escala que foge à própria medida industrial.

12Os pisos são divididos por cinco zonas com diferentes escalas. A primeira zona, assim considerada por marcar a entrada principal no edifício, tem divisões que fragmentam o espaço em áreas mais pequenas que definiriam acessos e instalações de apoio aos operários. Esta dá acesso à nave principal que assume a área maior e organiza o acesso para as demais. A nave principal possui um triplo pé direito em frente à entrada que nos relaciona com a altura total do edifício, intercalada pelas variações provenientes da irregularidade das lajes. Aqui podemos admirar toda a estrutura portante dos pisos e a estrutura da cobertura em asnas. Lateralmente localizam-se outras duas naves de menor dimensão e o acesso ao espaço que se multiplica verticalmente em cinco pisos.

A alegoria dos sentidos

Figura 3 - As cinco pinturas de Philippe Mercier3 e uma fotografia de Hugo Gernsback “sexto sentido” Óculos TV de 19634

Figura 3 - As cinco pinturas de Philippe Mercier3 e uma fotografia de Hugo Gernsback “sexto sentido” Óculos TV de 19634

13A estratégia estabelece-se com base na alegoria dos sentidos de Philippe Mercier que se apresenta por um conjunto de cinco quadros do final da década de 40 do século XVIII, que retratam a visão, a audição, o olfacto, o paladar e o tacto. Este conjunto serviu como ponto de partida para a definição de uma estratégia de projecto para a ocupação do interior da Fábrica Azucarera de San Isidro criando para cada sentido um labirinto próprio.

Figura 4 - Localização dos labirintos

Figura 4 - Localização dos labirintos

14O jardim dos aromas que surge também como zona de recepção é o primeiro labirinto que os visitantes podem encontrar, este procura despertar o olfacto dos jogadores através de um passeio pelos odores da vegetação. Localiza-se num pátio proposto que relaciona a cota zero do edifício com o céu, possibilitando a entrada de luz e o desenvolvimento das plantas em altura a acompanhar a rampa que dá acesso aos diferentes pisos. Propõe-se colocar solo permeável no interior do pátio intensificando a diversidade de odores e de possibilidades para a plantação de diferentes espécies.

Figura 5 - Fotomontagem ilustrativa do jardim dos aromas

Figura 5 - Fotomontagem ilustrativa do jardim dos aromas

15O segundo labirinto localizado numa nave lateral, como demonstra a figura 4, explora o tacto através de elementos colocados em diversas salas que convidam o visitante a ultrapassar limites deixando-se fundir com as texturas dos diferentes materiais. Ao nível do desenho estas salas são definidas por meio de um sistema em cruz, formado por um duplo plano de Pladur que assume a estrutura que o suporta. Esta estrutura proposta abraça a estrutura portante da fábrica permitindo a sua perceção visual e a reversibilidade da intervenção sem destruir a integridade do existente.

16A sala dos espelhos localizada na continuidade do segundo labirinto, também no primeiro piso, proporciona um jogo de ilusão em que a atenção é colocada à prova através dos planos com espelho colado ao pladur, disposto segundo o mesmo sistema que o labirinto anterior. A ideia é que o espaço proposto tenha uma implantação minimalista e que coloque no jogador a capacidade e a possibilidade de alterar a própria dificuldade do jogo.

Figura 6 - Fotomontagem ilustrativa da sala dos espelhos

Figura 6 - Fotomontagem ilustrativa da sala dos espelhos

17Considerámos que o restaurante, uma indicação inicial do concurso, poderia ser ele próprio um labirinto, não por imposições visuais que cortassem diretamente a percepção do espaço, mas uma fusão onde o paladar, assim como a propagação dos aromas, temperaturas e sons podem contribuir para a definição de uma atmosfera espacial, desvendando as próprias características arquitectónicas do existente em diálogo com o proposto. Cada mesa é iluminada por um lanternim localizado sobre si em que a luz é transportada até ao momento de degustação. Atraindo a atenção dos visitantes sobre si e marcando este momento com uma métrica regular e centrada nas plantas das duas naves, destacando a intervenção das paredes da fábrica. Esta foi por si uma lógica de projeto, isolar as paredes de tijolo e mantê-las com a expressividade que atualmente têm, com momentos em que a argamassa lhes confere um aumento da espessura e assume uma textura plana interrompida por momentos em que o seu corpo de tijolo ganha evidência.

18O último piso em que a nave principal permite um contacto visual com toda a altura interna do edifício, em oposição ao ponto de vista do piso de entrada, propusemos uma intervenção mínima que configura as medidas base para a segurança dos visitantes. Este espaço dá acesso ao labirinto reservado para a audição e ao labirinto reservado para a realidade virtual.

19Na audição podemos encontrar um jogo de sons moldado pelas formas do tecto e do elemento central na sala que dá uso a diferentes soluções de pladur, mostrando a sua versatilidade. Assim, os sons transportam o visitante para um labirinto que ultrapassa o visual e desenvolve diferentes sensações auditivas.

20O centro de experimentação de realidade virtual é a base para projeções e novas noções de escala e proporção onde a tecnologia surge como elemento primordial. Os lanternins do labirinto do piso inferior criam divisões espaciais nesta nave configurando momentos com uma escala mais próxima do visitante e uma possibilidade de ligar diferentes momentos de projeção. A entrada de luz é controlada pela dimensão dos vãos existentes que têm a menor dimensão dos vãos da fachada frontal do edifício e que têm a possibilidade de se encerrarem para criar diferentes níveis lumínicos no espaço. Os volumes afastam-se das paredes, seguindo a mesma lógica do labirinto do paladar, e projetam-se até à cobertura onde desenham as entradas de luz já referidas.

Figura 7 - Axonometria explodida da proposta

Figura 7 - Axonometria explodida da proposta

Efemeridade como hipótese

21No desenvolvimento da proposta, dada a predefinição do programa e a materialidade/sistema construtivo que deveria assumir pelo enunciado do concurso, optou-se por explorar na resposta projetual alguns conceitos arquitectónicos inerentes, como a noção de património industrial, a conservação e restauro, a recuperação e adaptação, os usos compatíveis, a reversibilidade e a efemeridade. Esta abordagem permitiu reflectir sobre diversas hipóteses, na intenção da valorização da pré-existência dada a sua importância no contexto específico do lugar, o que fomentou a investigação como meio de desenvolvimento da resposta ao concurso.

22O carácter industrial da “Fábrica Azucarera” e o seu valor para a memória colectiva da população de Granada serviram de mote para a reflexão sobre qual a abordagem que deveria ser estrategicamente aplicada numa intervenção de utilidade pública, que deveria garantir a manutenção dos aspectos identitários do património edificado, assim como a sua influência no desenvolvimento urbano de uma antiga área rural nos campos Granadinos. Outrora um marco na dinâmica económica da cidade, esta fábrica representa agora um enorme vazio, carregado de memórias e significados, mas acima de tudo, de potencial numa definição contemporânea de usos e relações com a envolvente urbana de proximidade e até de longa distância através da ferrovia em processo de modernização.

23Numa primeira fase refletiu-se sobre a passagem do tempo pelo complexo industrial, as diversas alterações arquitectónicas desde a construção às remodelações, ampliações, desmantelamentos e por fim o abandono dos diversos pavilhões, assim como das restantes estruturas de tratamento da matéria prima que viria a ser transformada em açúcar. À semelhança do processo de produção, com a sua acelerada dinâmica de transformação, que acabava invariavelmente por dar lugar, dia após dia, a novas admissões de matéria prima e exportação do produto final, assiste-se a um processo que nos confronta com a efemeridade dos materiais que estão na base das indústrias, assim como das estruturas, processos e rotinas. Numa outra escala temporal de aproximação à estrutura industrial, refletiu-se sobre a durabilidade das técnicas e materiais originalmente empregues na construção do complexo e na materialidade das diversas alterações levadas a cabo ao longo da vida do edifício. Verificam-se constantemente opções de intervenção de carácter definitivo e pouco adaptáveis, que visavam a construção resistente de uma estrutura funcional e produtiva formalizada para funções específicas e para durar, ao longo das várias fases desde a construção às sucessivas ampliações. A rigidez e robustez das construções obrigou, no ato de desmantelamento dos engenhos industriais aquando do encerramento da fábrica, à destruição descontrolada de alguns elementos estruturais, paredes e coberturas que alteraram de forma significativa o conjunto e dificultam a sua legibilidade enquanto linha contínua de produção, pondo em causa a integridade estrutural dos edifícios. Apesar de todas as transformações, encontra-se actualmente uma ruína de elevado interesse arquitetónico, que permite adivinhar tempos de grande agitação e dinâmica. Onde a efemeridade das fugazes ocupações do homem, assim como as de caráter natural espontâneo - a vegetação e os animais que a habitam - revelam uma vocação para novos usos e ocupações do que resta expectante, numa constante regeneração natural, até que os materiais se mantenham íntegros. A reversibilidade acaba por se revelar a premissa que reflete uma consciencialização sobre a passagem do tempo e integra um diálogo com a evolução histórica da fábrica, introduzindo-lhe uma nova camada de ocupação e intuindo um discurso arquitetónico, reflexo da materialidade e técnicas construtivas aplicadas. Projeta-se assim uma nova tipologia de ocupação dos espaços disponíveis, outrora ocupados por máquinas, operários, matérias e produtos - introduzindo agora novos dispositivos arquitectónicos que respondem ao programa proposto e convidam a uma constante redefinição de formas, ambientes e usos. Um conjunto de intervenções que visam dotar os espaços de algum conforto e atualidade, ainda que esteja prevista no pensamento arquitectónico uma noção de curta duração, mas que por isso permitem explorar livremente a utilização do sistema e produtos Pladur como elementos perecíveis a médio e longo prazo. Responde-se assim a um tempo, integra-se uma noção de um passado rico e complexo e adaptam-se as estruturas sobreviventes aos desafios do tempo contemporâneo, não deixando o futuro comprometido com uma intervenção impositiva deste tempo que fará também ele parte da história, não como matéria, mas como gerador de experiências e memórias de um tempo em transição.

  • 5 CARNIDE, Sara Joana Ferreira. (2012) Arquiteturas expositivas efémeras, pavilhão temporário em Roma (...)

Porém, há obras mais efémeras do que outras e o que as distingue é, sobretudo, a consciência de um tempo de vida pré-determinado; (…) a sua temporária presença é intensa e resistente. (…) uma forma de expressão que permite explorar relações entre espaço, ambiente e pessoas, (…) com propósitos de coexistência, que procuram gerar encontros sociais, detonadores de diálogos e reflexões5

24Pensa-se agora um espaço de carácter industrial para ser habitado por pessoas, que estão necessariamente expostas à evolução dos tempos, da tecnologia e do conhecimento, e que por isso necessitam de espaços multifuncionais, adaptáveis e que garantam um conforto apropriado às suas actividades, sejam elas culturais, recreativas, produtivas, de lazer… Esta é, intencionalmente, uma proposta de projecto que amplifica o valor dos sentidos e da experiência, como reacção à premonição de uma efemeridade previsível, que é assim trazida para o campo da arquitectura, abrindo portas à imaginação numa livre criação de ambientes e espacialidades, num contexto de imprevisibilidade quanto ao futuro do complexo industrial da Fábrica Azucarera de San Isidro.

Bibliographie

CARNIDE, Sara Joana Ferreira. (2012) - Arquiteturas expositivas efémeras, pavilhão temporário em Roma. Instituto Superior Técnico. Lisboa. p. 9 (Excerto com citação de ESCOBAR, Victor Molina, (1999) ¿Pensar lo efímero?. Arquitectura, Art i Espai Efímer. Barcelona: Universitat Politècnica de Catalunya. Cap.1, p.16).

ANDALUCÍA - Decreto 431/2015, de 15 de septiembre, por el que se inscribe en el Catálogo General del Patrimonio Histórico Andaluz como bien de interés cultural, con la tipología de lugar de interés industrial, la Azucarera de San Isidro e Ingenio de San Juan, en Granada. Boletín Oficial de la Junta de Andalucía, 21 de septiembre de 2015 (184) [Consult. 27 outubro 2018].

BAEZA. C. (2013) - Principia Architectonica. Caleidoscópio. Casal de Cambra.

CHOAY, F. (2010) - Alegoria do Património. Edições 70. Lisboa.

MARTIN RODRIGUEZ, M. (2009) - Azúcar e intervención económica en España. La Fábrica Azucarera San Isidro, 1904-1984. Granada: Universidad de Granada.

Notes

1 The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage. Patrimonio Industrial. 100 Elementos del Patrimonio Industrial. Asturias: TICCIH. [Consult. 29 de outubro de 2018]

2 The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage Patrimonio Industrial. 100 Elementos del Patrimonio Industrial. Asturias: TICCIH. [Consult. 29 de outubro de 2018]

3 MERCIER, Philippe - Allegories of the five senses: hearing, smell, sight, taste and touch. Estugarda: LotSearch [Consult. 29 de outubro de 2018]

4 GERNSBACK, Hugo - Óculos de tv. [Consult. 29 de outubro de 2018]

5 CARNIDE, Sara Joana Ferreira. (2012) Arquiteturas expositivas efémeras, pavilhão temporário em Roma. Instituto Superior Técnico. Lisboa. p. 9 (Excerto com citação de ESCOBAR, Victor Molina, (1999) ¿Pensar lo efímero?. Arquitectura, Art i Espai Efímer. Barcelona: Universitat Politècnica de Catalunya. Cap.1, p.16).

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Fotografia aérea da Azucarera de San Isidro1
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13422/img-1.png
Fichier image/png, 710k
Titre Figura 2 - Azucarera de San Isidro2
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13422/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 179k
Titre Figura 3 - As cinco pinturas de Philippe Mercier3 e uma fotografia de Hugo Gernsback “sexto sentido” Óculos TV de 19634
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13422/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 272k
Titre Figura 4 - Localização dos labirintos
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13422/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 63k
Titre Figura 5 - Fotomontagem ilustrativa do jardim dos aromas
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13422/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 693k
Titre Figura 6 - Fotomontagem ilustrativa da sala dos espelhos
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13422/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 577k
Titre Figura 7 - Axonometria explodida da proposta
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13422/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 331k

Auteurs

Universidade de Évora, bripedro93@gmail.com

Universidade de Évora, r28.silvestre@gmail.com

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search