Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

As interações como uma necessidade de análises que englobem: a arquitetura, as infraestruturas, a memória e a paisagem industrial

Engenhos de Ilhabela

Uma história doce e amarga

Bárbara Marie Van Sebroeck Lutiis Silveira Martins

Résumé

No litoral Norte de São Paulo, Ilhabela conta com um rico acervo arqueológico e patrimônio edificado dos séculos XVIII ao XX. Dentro desse rol de ruínas e prédios, encontra-se um interessante e ainda pouco analisado momento produtor da ilha: os engenhos de açúcar e cachaça. Foram trinta e um centros produtores ao longo de quase duzentos anos, período em que a cana-de-açúcar alterou consideravelmente as características físicas da ilha. A renovação da Mata Atlântica é de extremo interesse no estudo do contexto da mudança agrícola da ilha e da construção de sua paisagem cultural. O engenho da Toca, última destilaria ainda em funcionamento, foi estudado no trabalho final de graduação na FAUUSP em um âmbito completo da questão de sua memória. A pesquisa em andamento propõe a continuidade do tema, ao compor um inventário desses engenhos, analisar as técnicas de produção (máquina a vapor, tração animal e rodas d’água) e a situação atual dos sitios, sendo apenas um exemplar protegido pelos órgãos de preservação, o Engenho d’Água. Busca-se abrir uma nova frente de estudo para compreender o patrimônio agro-industrial ilhabelense e propor estratégias para assegurar sua proteção.

Texte intégral

Introdução

1O litoral Norte apresentou sempre um caráter de isolamento frente a outras regiões do Estado de São Paulo (SILVA, 1975). O desenvolvimento do cultivo da cana-de-açúcar em toda a extensão da região marcou momentos de pujança econômica, expressas pelo número de engenhos construídos e volumes de produção, bastante superiores aos de outras regiões.

Figura 1 - Mapa de localização de Ilhabela

Figura 1 - Mapa de localização de Ilhabela

Desenho elaborado pela autora

2Um primeiro ciclo produtor aconteceu no século XVII, momento em que os engenhos partem da região de Santos rumo a São Sebastião, no entanto, poucos são os remanescentes (REIS, 1999). De um segundo momento, já no século XVIII, Ilhabela contabilizava já dezesseis engenhos, dos quais encontram-se entre quatro e cinco remanescentes, como é o caso do Engenho São Mathias e do Engenho d’Água. Em 1805, o povoado da ilha foi elevado à condição de vila, recebendo o nome de Vila Bela da Princeza.

3A partir da leitura dos Almanaks Mercantis da Província de São Paulo, é possível verificar a substituição gradual dos engenhos na fabricação da aguardente em detrimento do açúcar. Uma das possíveis justificativas para o abandono da fabricação do açúcar está no fato de que sua produção passou a ocorrer sobretudo no planalto, com a implantação da política dos Engenhos Centrais, nas últimas décadas do século XIX. Pretendia-se desvincular a fase industrial da agrícola na produção de açúcar, de modo a reduzir os custos e aumentar a qualidade do produto. A aguardente, no entanto, se mantém como solução para muitos agricultores, dado que seu valor de revenda era bastante atrativo e a produção do destilado era encontrada em quase todas as cidades da província por ser «gênero de muito consumo, e também de exportação » (MÜLLER, 1978, p. 239).

Figura 2 -Mapa com localização dos caminhos e engenhos de Ilhabela em 1912

Figura 2 -Mapa com localização dos caminhos e engenhos de Ilhabela em 1912

Acervo: Biblioteca da Marinha, redesenho pela autora (2015)

4O mapa da imagem 2 foi encontrado na Biblioteca da Marinha e permite localizar os engenhos existentes em 1912, em um levantamento feito pela Comissão Geográfica e Geológica do Estado de São Paulo, com vista ao estudos das possibilidades da exploração de todo o litoral Norte. Trata-se da primeira cartografia que aponta exatamente onde estavam os engenhos e os caminhos existentes na ilha. Notar que o engenho da Toca, bem no centro da ilha, apesar de não estar catalogado como engenho naquele ano, já apresentava um caminho consolidado e uma construção. Naquele ano eram vinte e sete engenhos, que produziam apenas aguardente.

5A crise de 1929 agravou a situação econômica de Vila Bela e, com a arrecadação insuficiente para sua administração própria passa a retornar como anexo de São Sebastião em maio de 1934. Em dezembro do mesmo ano, após revolta da população local, Vila Bela retoma a condição de município. Ainda na década de 1930 é aberta a Rodovia dos Tamoios, a qual permitiu melhores ligações do litoral com o planalto e em meados do século XX é iniciado o serviço de balsas no canal de São Sebastião: tais melhorias de acesso impulsionaram fortemente a atividade turística, sobretudo com a criação da estância balneária.

6Ao longo do século XX fica evidente o novo período de decadência da produção, com esvaziamento da ilha (FRANÇA, 1954, p. 125,126):

A capacidade de produção dessas fábricas, tôdas mal aparelhadas, é de 450 a 500.000 litros, anualmente. Em 1950 não fabricaram mais do que 246.000 litros de aguardente, que foram exportados para Santos e cidades do interior paulista.

(…) de longa data vem se verificando, cada ano, a paralisação de um ou outro engenho, muitas vezes definitivamente. Explica-se assim o fato de, dos 31 engenhos observados por Ihering nos ultimo’s anos do século passado, não restar siquer a metade.

7Atualmente existe apenas uma destilaria em que o fabrico da cachaça foi retomado há alguns anos: o Engenho da Toca, objeto de estudo do Trabalho Final de Graduação em Arquitetura e Urbanismo da autora.

Metodologia e objetivos

8O principal objetivo desta pesquisa é a análise de alguns engenhos de Ilhabela e buscar compreender o patrimônio agro-industrial ilhabelense. A importância do estudo do tema, portanto, se resume não somente na catalogação de uma tipologia arquitetônica que se desenvolveu no litoral Norte de São Paulo, mas na construção de uma narrativa feita a partir desta. Por se tratar de uma pesquisa em andamento, estão sendo coletados dados referentes aos engenhos: os registros dos imóveis permitem obter informações sobre os proprietários, tipo de construção e maquinário presente nos locais, o tamanho das propriedades, dentre outros. O trabalho de campo pretende, por meio das visitas, fazer um novo inventário com registro georreferenciado dos sítios hoje, e complementar, por meio de desenhos e fotografias, os dados do Projeto Arqueológico de Ilhabela (PAI) desenvolvido pelo arqueólogo Plácido Cali entre 1999 e 2006 e do Projeto de Gestão e Diagnóstico Arqueológico de Ilhabela (GEDAI) desenvolvido pela arqueóloga Cintia Bendazzoli de 2008 a 2013.

Paisagem de Ilhabela

PEIb

9Os momentos de decadência e evidente esvaziamento de população levaram a uma drástica mudança na paisagem da ilha. Apesar de seu relevo acidentado ter impossibilitado o avanço das lavouras para partes mais elevadas, as áreas localizadas nas partes baixas dos morros acabaram arrasadas com décadas de cultivo extensivo. No mapa abaixo é possível concluir que o relevo acidentado, sobretudo na porção central da ilha colaborou para coibir veementemente o avanço da devastação da mata.

10Os decretos federal de 1958 do Código Florestal e estadual de 1977 da criação do PEIb partiram do pressuposto da manutenção da cobertura vegetal nativa nos topos dos morros de Ilhabela e, em conjunto, garantiram a preservação deste inquestionável patrimônio ambiental. A floresta latifoliada tropical úmida de encosta predomina em Ilhabela, situada dentro do Bioma Mata Atlântica. O arquipélago tem se destacando nos últimos anos como o município com maiores índices de preservação da Mata Atlântica no Brasil. A paisagem que se tem hoje, com matas preservadas, é bastante diversa do panorama da década de 1950. As transformações positivas na recomposição da vegetação foram possíveis no último período de decadência da cidade pelo esvaziamento da região.

11Vale elencar que dentro da área do Parque Estadual de Ilhabela (PEIb) encontram-se seis engenhos do período colonial. É importante ressaltar que o tombamento da extensa área que o Parque ocupa fornece mais um dos diversos conflitos existentes na ocupação humana do arquipélago.

Leitura da ocupação humana em Ilhabela

12A ocupação de Ilhabela foi conseqüência das mudanças que ocorreram enquanto lógicas temporais. No início cada família caiçara vivia em uma praia abrigada e conectava-se com as demais primordialmente pela via marítima. Já existia uma ligação do lado do canal de São Sebastião (Perequê) e o lado oposto (Castelhanos), com um acesso bastante precário. Outros poucos caminhos são observados no mapa de 1912 e permanecem praticamente idênticos até hoje. O advento da balsa que ligava Ilhabela a São Sebastião permitiu a chegada de veículos automotores à ilha e, com isso, observa-se o início do melhoramento das vias de comunicação terrestre.

13Elevada à categoria de Estância Balneária em 1948 (YÁZIGI, 1996), a ocupação começa a ganhar força com a prática do veraneio na região. Em linhas gerais, fica claro que a ocupação urbana de Ilhabela seguiu dois vetores principais: um longitudinal ao longo da rodovia SP-131, que liga o Norte ao Sul à beira-mar e um transversal, em direção às áreas tombadas pelo Parque Estadual. Mesmo que o Parque seja um fator imposto de repulsa à ocupação humana, o que se observa em Ilhabela é a fragilidade de suas fronteiras, com o avanço para os terrenos mais altos e íngremes. A ocupação do território acontece na face voltada para o canal de São Sebastião e a carência de planejamento levou a uma situação complexa de gerenciamento por parte do poder público. Quanto aos engenhos, não se observa nenhuma política voltada à preservação dos sítios onde os núcleos produtores estavam instalados.

Figura 3 - Mapa ocupação urbana atual por tipologia de domicílios em Ilhabela

Figura 3 - Mapa ocupação urbana atual por tipologia de domicílios em Ilhabela

Fonte: Litoral Sustentável

14Especificamente sobre esses núcleos, nota-se uma predominância da ocupação por assentamentos precários ou loteamentos de alto padrão para casas de veraneio na vizinhança desses sítios. Assim, no Engenho da Toca, localizado na Fazenda da Toca, nota-se que ao longo das últimas duas décadas, a invasão das áreas contíguas à ela criaram uma bolha de ocupação desordenada de terrenos, até mesmo dentro da Área de Preservação Permanente (APP) do Córrego da Toca.

15O Engenho da Pacuíba, que na ocasião do PAI foi escavado e bastante estudado por Plácido Cali, abriga em sua vizinhança muito próxima um condomínio fechado. O Engenho d’Água, teve inicialmente um polêmico projeto de um campo de aviação na década de 1960 e de loteamento de boa parte da área da fazenda pelo proprietário nos anos de 1980. O Engenho São Mathias, estudado e quase tombado pelos órgãos federal e estadual, também teve uma boa parcela de sua fazenda loteada para um condomínio de alto padrão.

16Um interessante exemplar que se manteve escondido na paisagem é o Engenho do Julião, na praia de mesmo nome e que foi reconvertido como casa particular de veraneio, mantendo sua estrutura do maquinário integrada à nova proposta de arquitetura residencial.

17No entanto, engenhos que estavam com ruínas potencialmente importantes para a narrativa do período da cana-de-açúcar em Ilhabela foram destruídos ainda durante o PAI, como o Engenho da Barra Velha, que passou a abrigar o campo de aviação da ilha. De fato, a leitura da transformação da ocupação urbana e de suas lógicas em Ilhabela interfere categoricamente na possibilidade de reconhecimento mais ou menos evidente dos engenhos.

Vila Bela dos Engenhos

O Engenho da Toca

18O estudo do Engenho da Toca situou o edifício em meio à questão ambiental, uma vez que cerca de 95% da área da fazenda foi tombada como Parque Estadual e a questão arquitetônica, pela existência de um engenho de aguardente.

19O engenho é um dos remanescentes da história da cana-de-açúcar em Ilhabela do início do século XX, sendo do tipo de gravidade (GAMA, 1983), em que cada etapa ocorre em um patamar e o produto segue diretamente para o processo seguinte por gravidade. Por estar localizado no interior da ilha, apresenta uma linguagem arquitetônica bastante diversa do engenho mais famoso de Ilhabela: o Engenho d’Água, tombado nas esferas patrimoniais estadual e federal. De modo que enquanto o Engenho da Toca seja do chamado partido aberto, o qual conjuga todas as instalações em um só edifício, aquele é do chamado partido fechado e se assemelha ao modelo de engenho que foi adotado no Nordeste (AZEVEDO, 1994).

20Ao propor o estudo do edifício, partiu-se também da análise da cultura de açúcar, a qual causou sérios danos à Ilha, com a devastação da Mata Atlântica e o surgimento de morros pelados e áridos. A ilha que se tem hoje, com matas preservadas é bastante diversa do panorama da década de 1950. As transformações positivas na reconstituição de toda a vegetação foram possíveis no último período de decadência da cidade pelo esvaziamento da região.

Figura 4 - Duas das três moendas do Engenho da Toca, roda d’água (esquerda) e elétrica (direita)

Figura 4 - Duas das três moendas do Engenho da Toca, roda d’água (esquerda) e elétrica (direita)

Foto: Vitória Van Sebroeck

21No caso da Fazenda da Toca, o panorama da paisagem se apresenta dúbio. Enquanto se tem uma regulamentação rígida sobre quase a totalidade da propriedade o que ocasionou a perda de áreas cultivadas, são os seus atributos naturais e constitutivos da paisagem que tornam a sua trajetória tão intrigante. Ao esconder em si mistérios e mitos, apresenta-se também como a prova viva de possibilidades de auto-renovação após décadas de exploração do solo com cultivos agrícolas.

22A situação particular do engenho com seu caráter de suporte a um ponto turístico, em primeira instância, parece ter sido o meio pelo qual o edifício pode dar continuidade, com a notória relação de cooperação recíproca estabelecida entre o Engenho e a Cachoeira da Toca. Ao abrir três quedas d’água para visitação nos anos 1967, o Engenho serviu de suporte para as atividades do ponto turístico, em que o atendimento passou a ocorrer em balcões instalados no salão principal no interior do edifício.

23A despeito da dificuldade em conseguir autorização para plantar os canaviais, a retomada da produção de cachaça com padrões de alta qualidade mantém o caráter de suporte ao ponto turístico e também permite a fabricação do produto. Quanto ao turismo, proporciona à família Van Sebroeck o sustento há muitos anos e hoje o engenho passa a ser incorporado em seu sentido completo nesta questão turística, ao oferecer visitas às instalações onde acontece a produção de cachaça aliada à degustação do produto ao final do passeio.

Outros engenhos

24O inventário dos engenhos permite identificar exemplares por características específicas e que permitem uma abordagem mais ampla da produção, de acordo com suas técnicas de moagem. Nota-se um predomínio de engenhos movidos a roda d’água, por uma facilidade de acesso a cursos d’água em relevo, mas sabe-se de um engenho que empregava máquina a vapor e apenas um, a tração animal (PETRONE, 1968).

25A questão da localização geográfica parece evidente no estudo de engenhos dispostos sobretudo à beira-mar e procura identificar a implantação dos edifícios e relação com seu entorno, como eram escoadas a produção e cabe ressaltar o caráter de isolamento dos dois engenhos de Castelhanos, região que se manteve independente da rotina no canal de São Sebastião, sobretudo pelo precário acesso por terra, como encontrado nas descrições do relatório da Comissão Geographica.

26A priori, sabe-se que foram cadastradas como sítios em ruínas pelo PAI treze engenhos, quatro foram completamente destruídos e cinco podem ser classificadas como construções íntegras ou pouco modificadas. Desses vinte e dois locais, deve-se revisitar as ruínas além de buscar os outros sítios para descobrir maiores detalhes e avaliar seu estado atual.

27O contexto da produção canavieira na ilha ainda apresenta outras questões interessantes como as fazendas que forneciam os insumos, o maquinário empregado e fragilmente presente em alguns dos sítios em ruínas, além da presença de mão-de-obra dos serviços complementares, como os tanoeiros, ofício ligado à produção de tonéis. A produção era, finalmente, escoada em uma viagem de oito horas em canoas de voga para o porto de Santos e evidencia a relação comercial estabelecida com o município que se manteve presente durante os quase duzentos anos de produção. Nos Relatórios do Ministerio da Marinha para o ano de 1928 foram quase 6 mil toneladas de produtos exportados por Ilhabela, então Villabella, por barcos a vela.

28A leitura de acervo documental encontrado na Superintendência Regional do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) levantou questões pertinentes quanto à gestão dos inventários e a chamada de fase heroica do órgão. Os primeiros estudos sobre Ilhabela são dos anos 1945 e, de todos os engenhos foram estudados apenas o Engenho d’Água e o Engenho São Mathias, tendo sido escolhido este último pelos atributos arquitetônicos do conjunto localizado à beira mar na porção Sul da ilha. No entanto, quando o dossiê prossegue, é feita uma substituição do eleito pelo exemplar do Engenho d’Água, uma vez que ambos se encontravam mal conservados e o responsável pela propriedade propôs ajudar com os custos das intervenções necessárias. Nota se aqui uma manobra política que não visou a eleição do exemplar mais significativo e sim, um conjunto com linguagem estritamente colonial brasileiro e que pode contar com aporte financeiro advindo do proprietário.

Figura 5 - Engarrafador, rotuladores e tonéis no Engenho d’Água (2017)

Figura 5 - Engarrafador, rotuladores e tonéis no Engenho d’Água (2017)

Foto: Bárbara Martins

29Nas décadas seguintes, o proprietário do Engenho d’Água causou grandes transtornos com alterações na propriedade e tanto este exemplar quanto o Engenho São Mathias tiveram parte das respectivas fazendas loteadas para abrigarem condomínios de alto padrão com residências de veraneio. Hoje, enquanto o primeiro foi, recentemente, desapropriado pela Prefeitura Municipal para abrigar um Museu e permanece fechado; o segundo foi vendido para um grupo hoteleiro. Em meio a todos os outros exemplares que se perderam completa ou parcialmente com o tempo, os dois engenhos que já foram reconhecidos, cada um a seu tempo, pelo governo permanecem fechados à visitação pública. Assim, nenhum deles consegue cumprir seu papel social de bem cultural, cabe ao Engenho da Toca a possibilidade de visitação e fruição dessa história.

Conclusões

30Ao analisar o contexto dos engenhos que também se instalaram em Ilhabela, a situação é bastante delicada: quase não há remanescentes. Dentre os fatores que colaboraram para a situação destacam-se a complicada questão fundiária do arquipélago, tão evidente durante as pesquisas cartoriais, as administrações públicas ineficazes e a falta de interesse por parte dos proprietários onde estavam situados estes edifícios.

31Não menos importante, a paisagem que se tem hoje, com matas preservadas é bastante diversa do panorama da década de 1950. As transformações positivas na reconstituição de toda a vegetação foram possíveis no período de decadência da cidade e de seu esvaziamento, pelo abandono da região quando do impulso promovido pelo café no planalto. Desse modo, a agricultura de subsistência e o aproveitamento de engenhos de aguardente fizeram com que o seu comércio, aliado ao de excedentes agrícolas fosse a solução encontrada pela população local. Apesar de ser evidente a desordenada ocupação humana na ilha nas últimas duas décadas, a paisagem que é vendida pelo turismo é semelhante à do mito da mata intocada.

32Em linhas gerais, pretende-se dar seguimento ao trabalho dos engenhos em Ilhabela, ao considerar as marcas materializadas no desenho da paisagem analisadas à luz de toda a passagem do tempo no arquipélago e como elas chegaram até o presente. O trabalho de campo já realizado demonstra que os engenhos apresentam um constante desmantelamento em seu aspecto estrutural e de seu maquinário. Trata-se de um importante estudo com enfoque da paisagem cultural ilhabelense. Desse modo deve-se considerar como exposto por Nora (1993), que afirma “A necessidade de memória é uma necessidade de história”, pretende-se narrar uma história destes lugares aliando-se às memórias aos seus atributos arquitetônicos.

Bibliographie

Documentos

Almanaks da província de São Paulo para os anos de 1873, 1890, 1887, 1891, 1895, 1896 e 1897.

Mapa Ilha de São Sebastião, 1912, escala 1:50000, elaborado por Nelson de Faria (código 912816B823i1912) – Biblioteca da Marinha

Bibliografia

AZEVEDO, Esterzilda (1994) – Açúcar amargo: a construção de engenhos na Bahia oitocentista. São Paulo: FAU/Universidade de São Paulo. Tese de Doutorado.

CALI, Plácido (2003) – Sítio Arqueológico Engenho Pacuíba I: Ilhabela-SP. Ilhabela: Asseart.

Comissão Geographica e Geológica do Estado de São Paulo. Exploração do Littoral -1ª secção: Cidade de Santos á fronteira do Estado do Rio de Janeiro. São Paulo: Typographia Brazil de Rotchschild & Co., 1915.

FRANÇA, Ary (1954) – A Ilha de São Sebastião: estudo de geografia humana. São Paulo. São Paulo: FFLCH/Universidade de São Paulo. Boletim n. 178; Geografia n.10.

IHERING, Hermann von. (1897) – A ilha de São Sebastião. Revista do Museu Paulista. São Paulo, vol. II p 129-164.

GAMA, Ruy (1983) – Engenho e tecnologia. São Paulo: Duas Cidades.

GFAU (jan.1964) – Engenhos de Ilha Bela. Acrópole. São Paulo, n. 302, p. 35-37.

MARTINS, Barbara Marie Van Sebroeck Lutiis Silveira (2015) – O Engenho da Toca: um caso de investigação e memória. São Paulo: FAU/Universidade de São Paulo. Trabalho final de graduação.

MÜLLER, Daniel. P. (1978) – Ensaio d’um quadro estatístico da Província de São Paulo. São Paulo: Coleção Paulística vol. XI.

NORA, Pierre (dez.1993) – Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. São Paulo, n. 10, p. 7-28.

PETRONE, Maria Thereza S. (1968) – A lavoura canavieira em São Paulo: expansão e declínio (1765-1851). São Paulo: Difusão Européia do Livro.

REIS, Nestor G. (1999) – Os engenhos da baixada santista e os do litoral norte de São Paulo. Revista USP. São Paulo, n. 41, p 62-73.

SILVA, Armando C. da (1975) – O litoral Norte do Estado de São Paulo (formação de uma região periférica). São Paulo: FFLCH/Universidade de São Paulo. Tese de Doutorado.

ZAPATEL, Juan A. (dez.1993) – Os engenhos de açúcar de Ilhabela. Revista Sinopses - FAUUSP. São Paulo, no 20, p. 24-29.

YÁZIGI, E. et al. (1996) – Turismo: espaço, paisagem e cultura. São Paulo: Hucitec.

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Mapa de localização de Ilhabela
Crédits Desenho elaborado pela autora
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13287/img-1.png
Fichier image/png, 63k
Titre Figura 2 -Mapa com localização dos caminhos e engenhos de Ilhabela em 1912
Crédits Acervo: Biblioteca da Marinha, redesenho pela autora (2015)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13287/img-2.png
Fichier image/png, 90k
Titre Figura 3 - Mapa ocupação urbana atual por tipologia de domicílios em Ilhabela
Crédits Fonte: Litoral Sustentável
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13287/img-3.png
Fichier image/png, 105k
Titre Figura 4 - Duas das três moendas do Engenho da Toca, roda d’água (esquerda) e elétrica (direita)
Crédits Foto: Vitória Van Sebroeck
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13287/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 288k
Titre Figura 5 - Engarrafador, rotuladores e tonéis no Engenho d’Água (2017)
Crédits Foto: Bárbara Martins
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/13287/img-5.png
Fichier image/png, 1,8M

Auteur

Arquiteta e Urbanista pela FAU/USP, mestranda em História pelo IFCH/Unicamp, barbara@vansebroeck.com

© Publicações do Cidehus, 2020

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search