Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Indústria e conflito no meio rural

 | 
Paulo Eduardo Guimarães

Parte II - A transformação do meio rural

Os recursos do meio rural

Texte intégral

  • 180 Minas da Telhadela, Relatórios Técnicos e de Gerência, (1866-1873), impressos s.l.n.d.
  • 181 Idem, idem, 1866.

1Nos princípios do verão de 1866, «as povoações vizinhas [das minas] do Braçal, Palhal e Telhadela, ajudadas de outras mais distantes preparavam-se para destruir estas minas, dispersando operários e empregados, realizando enfim em maior escala a tentativa que anos antes haviam feito contra a mina do Braçal»180. O movimento camponês que se preparava, deveria desencadear-se em Julho, «por ocasião de certas feiras muito concorridas»181. A revolta latente entre os camponeses devia-se ao facto de atribuírem muito justamente o «mal das vinhas» e «a moléstia que tem sofrido as searas do milho» à poluição atmosférica provocada pela actividade mineira. No entanto, para os gerentes da companhia, o movimento devia-se à superstição e ignorância ancestrais dos camponeses e, por isso, louvaram a «atitude enérgica» do governo que se antecipara ao movimento, enviando para a região de Aveiro um forte aparato policial.

  • 182 V. Oficio do Governador civil de Beja ao administrador do concelho de Aljustrel de 17 de Abril de 1 (...)
  • 183 V. D.G., 187, 10. Agosto. 1855 manda o concessionário fazer obras para que não se percam as águas m (...)
  • 184 V. ofício do adm. do conc. de Aljustrel, José Romão dos Santos, n.º 302 de 15 de Julho de 1901 ao G (...)

2Este tipo de reacção à presença das minas não foi único. Em 1855, um grupo de populares de Aljustrel, armados, invadiu a casa do director das minas de São João do Deserto, o inglês John Taylor Júnior, ofendendo-o e ameaçando-o de morte, perante a passividade das autoridades182. O motim teria sido motivado, provavelmente, pelo facto da actividade mineira ter destruído o veio subterrâneo que alimentava a nascente das águas medicinais de São João do Deserto183. No entanto, essa mina não tinha grande desenvolvimento já que, nessa altura, trabalhavam somente 25 mineiros e 7 animais. Muito tempo depois, em 1901, dois anos após o reinício da exploração pelos belgas, era destruído material ferroviário à superfície com o propósito de impedir a circulação de minério184.

3Este género de acontecimentos levam-nos a indagar em que medida as minas foram encaradas como uma ameaça real ou potencial à própria ordem comunitária que lhes era anterior. Muitas explorações mineiras contribuíram fortemente para a poluição atmosférica e dos cursos de água, consumiam bastante água (um bem escasso nos meses de verão) e lenha (um bem comunitário que os governos entregavam às companhias se fosse necessário). As minas atraíam determinado tipo de pessoas que não faziam boa vizinhança e davam que fazer às autoridades. Não menos importante era a absorção potencial de braços da lavoura, a fácil aquisição de dinheiro por parte dos jovens e a subversão de valores fundamentais e relações de poder no interior da comunidade.

4A análise das relações entre o universo mineiro e o meio rural é assim introduzida neste capítulo. Veremos que, a par das tensões e conflitos que por vezes surgem, as minas recorreram aos ofícios e às competências disponíveis no meio envolvente, como um recurso adicional. Tenta-se, pois, descrever o impacto regional das grandes explorações, tal como foi percebido na época e pode hoje ser percebido através de diferentes testemunhos.

5A análise será centrada nas freguesias de Santana de Cambas, Corte Pinto, na área da mina de São Domingos, e na freguesia Aljustrel. Veremos como, nesta vila, a actividade mineira transformou o tecido social anterior. Por esta via, introduzimos dois temas que serão desenvolvidos posteriormente em diferentes momentos: a formação do operariado mineiro e a comunidade mineira. Finalmente veremos de que forma os proprietários agrícolas participaram (ou não) na actividade extractiva.

1. A mobilidade: o trabalho que as minas proporcionam

  • 185 «A falta de mineiros já formados não deixa de ser um obstáculo para a lavra de minas no nosso país, (...)
  • 186 «Relatório acerca da mina de cobre, sita na serra de São Domingos, freguesia de Santana de Cambas, (...)

6O trabalho mineiro foi considerado, até aos fins do século passado, um ofício e não um trabalho indiscriminado. Durante a Regeneração, a falta de mineiros seria mesmo considerada como um factor que contribuiu para o fraco desenvolvimento desta indústria no país185 No relatório de 1861 sobre São Domingos são explicitadas como causas das nossas dificuldades mineiras «a pouca tendência dos capitais nacionais para este género de exploração, a falta de pessoal técnico e de operário adestrados, em geral as más comunicações interiores e a escassez de combustível»186.

7Se bem que grande parte da mão-de-obra braçal fosse encontrada na região onde as minas laboravam, o conjunto da população mineira distinguia-se da população rural.

  • 187 V. por ex. José da Silva Picão, Através dos Campos: usos e costumes agrícola-alentejanos, Lisboa, D (...)
  • 188 V. por ex. o caso de José dos Reis Sequeira, Relembrando e Comentando (memorias de um operário cort (...)

8Até às primeiras décadas deste século o distrito de Beja foi objecto de fortes correntes imigratórias, a maior parte de carácter sazonal. São conhecidas as correntes migratórias, vindas da Beira Baixa e da Serra Algarvia, que durante o estio demandavam os bons salários que se pagavam pelas ceifas187. Menos conhecida talvez, foi a movimentação em torno da indústria corticeira, vindo muitos algarvios estabelecer-se na região de Grândola nos princípios do século188. Da mesma forma a indústria mineira suscitou fluxos migratórios cujos contornos procuraremos identificar.

  • 189 «Relatório acerca da mina de cobre...», in B.M.O.P.C.I., 11, p. 400. O sublinhado é nosso.

9A zona da faixa piritosa alentejana integrava-se numa região que tinha das menores densidades demográficas do país. Apesar disso, a falta de mão-de-obra não impediu a actividade das grandes explorações. Em 1861 notava-se que «os mineiros de Társis e das outras minas da província do Huelva a 4 e 8 léguas de São Domingos vêm ali pedir trabalhos, além de que já concorrem bastantes mineiros portugueses educados pela empresa»189. A presença de trabalhadores espanhois da região mineira do Huelva nas minas do Sul será uma constante até à I Guerra Mundial (v. infra).

10Em 1874, a falta de mão-de-obra levaria até as companhias a lançar anúncios na imprensa regional pedindo trabalhadores. Tratou-se de um facto excepcional, pois o negócio do recrutamento era facilitado pelo sistema de contratação utilizado pelas empresas. Por volta dessa data, encontravam-se gente das beiras nas minas de São Domingos.

11O relativo rareamento de mão-de-obra contribuiu para que toda a espécie de trabalhos mineiros fosse bem remunerada durante este período, como dava conta O Bejense. Mas como as companhias criaram uma mão-de-obra na sua dependência directa, cedo os salários sofreram pressões no sentido descendente. Notemos também como a primitiva população mineira, designada como trabalhadores internos, se demarcava das povoações agrícolas.

12No entanto, as empresas mineiras ofereciam uma multidão de trabalhos para além da extracção do minério. Nos trabalhos à superfície ou no transporte exterior, muitos ofícios da região adaptaram-se às novas necessidades, como foi o caso dos almocreves e dos seareiros. Gente que não tinha mais de seu que um par de bestas e um carro foi utilizado no carrego do minério até aos portos fluviais do Pomarão, no Guadiana, ou de Alcácer, no rio Sado. Por isso, podia afirmar-se nas vésperas da introdução da primeira locomotiva a vapor em São Domingos que

  • 190 «Relatório sobre a mina de São Domingos», 1863 in DGM-11 Impostos.

«os concelhos vizinhos, se não fosse esta mina, tinham sofrido os males resultantes do preço elevado do pão e mesmo da fome; sendo agrícolas e exportadores de cereais, mas não tendo géneros a exportar, os braços que andavam ocupados neste tráfico, teriam de mendigar; a mina ofereceu um meio de empregar as suas cavalgaduras e livrou-os da miséria»190.

13Os almocreves seriam responsáveis, durante alguns períodos, pela exportação dos minérios da Caveira, Juliana, Aljustrel, São Domingos e de muitas outras minas da região. Em algumas explorações, a sua actividade persistiu mesmo após a chegada da linha férrea do Estado, cobrindo eles a distância das minas até à estação de embarque.

14Em muitos casos, os almocreves e os seareiros não alugavam a sua força de trabalho, antes prestavam um serviço de transporte que era estipulado entre as partes, sendo eles os proprietários dos animais que deviam alimentar e tratar. Em Mértola, a sua dependência da empresa inglesa era bastante forte, registando-se agitação popular e atentados à linha férrea por ocasião da chegada da locomotiva a vapor.

15Muitos assalariados agrícolas da região procuravam nos trabalhos mineiros de superfície uma ocupação temporária, mais intensa nos meses de inverno. Juntamente com os primeiros, constituíam uma parte significativa da mão-de-obra que tinha um tratamento diferenciado dos exploradores internos. Pescadores e barqueiros fluviais encontraram também, directa ou indirectamente, uma ocupação no transporte de minério.

  • 191 V. João Carlos Garcia, «Portuguese copper and the sea trade in the Western Mediterranean from 1895 (...)

16Até ao desenvolvimento da mina de São Domingos, Vila Real de Santo Antonio não passava duma povoação piscatória. Mas, rapidamente, a povoação algarvia transformou-se no quarto porto do país, em tonelagem exportada191.

17A grande concentração humana que a mina oferecia constituía, por seu turno, um importante mercado regional para a produção agrícola. Um funcionário da Repartição de Minas, notava em 1863:

  • 192 Relatório cit. in DGM-11 (impostos).

«Nestes três anos aqueles mares não têm dado pescaria e a miséria era inevitável para a população se não fosse a mina de São Domingos que aumentou a navegação do Guadiana e empregou estes homens no embarque do minério. Dos concelhos agrícolas vão para a mina, que é um mercado certo, muitos produtos que há pouco não tinham procura. A palha, por exemplo, que era um género que não se vendia, vendeu a arroba no ano passado [1862] de 240 a 400 réis! (...) actualmente a margem esquerda do Guadiana, os mui férteis concelhos de Serpa e Moura, e o concelho de Mértola não serão obrigados a remeter para Lisboa os seus cereais; lá na mina, nessa população de dois mil operários com as suas famílias, se venderão e por um preço superior ao que obteriam na capital»192.

18Para as minas de Aljustrel não temos tantos elementos para o seu período de maior actividade (1871-1881). Gérard Pery, que elaborou a Monografia Agrícola do concelho nos finais do século, refere ao movimento populacional nestes termos:

  • 193 Gerardo Augusto Pery, «Estatística Agrícola do Concelho de Aljustrel» (1892) in Boletim da Direcção (...)

«É provável que durante o período em que a exploração das minas de Aljustrel teve alguma actividade, a população aumentasse na vila; mas a população adventícia que os trabalhos mineiros fizeram convergir para ali, abandonou o campo da exploração apenas foram suspensos os trabalhos»193.

19É possível, porém, ficarmos com a ideia deste fluxo migratório a partir da análise dos elementos estatísticos fornecidos pela administração do concelho. A partir de 1872 tornou-se clara a alteração no ritmo de crescimento que coincide com a intensificação dos trabalhos mineiros. Em 1871 os habitantes da freguesia rondavam os 2400 indivíduos; dois anos depois eram 3 mil e, em 1878, 3500. Ou seja, um acréscimo de 1500 almas numa população de 2400 indivíduos, em 7 anos.

20Curiosamente, o encerramento oficial da Transtagana não fez cessar este crescimento, atingindo a população as 4000 almas em 1883. Mas em 1887, subitamente, a população da freguesia voltou a cair para os níveis adequados ao seu crescimento natural. Como explicar este fenómeno? O êxodo dos trabalhadores seis anos após o encerramento das minas de São João do Deserto e Algares pode explicar-se parcialmente pelo facto dessa população ter encontrado trabalho nas pequenas minas de manganês em torno de Aljustrel, bastante activas até essa altura. Mas, certamente, foi na mina de cobre da Juliana que ela encontrou ocupação. De facto, se admitirmos que essa população se integrou em actividades correntes na esfera agrícola, fica sem explicação o brusco desaparecimento de 1369 indivíduos num só ano, em 1887.

A população mineira (flutuante) na freguesia de Aljustrel, 1854-1892
[Tabela 3.1.]

A população mineira (flutuante) na freguesia de Aljustrel, 1854-1892[Tabela 3.1.]

Legenda: População flutuante presente na freguesia de Aljustrel; H-M: diferença entre indivíduos do sexo masculino e feminino residentes na freguesia. População em 1854, 1907 habitantes.
Fonte: Arq. Hist. Alj., Administração do concelho, população - mapas estatísticos (1854-1892).

21Uma análise mais cuidada revela-nos as características dessas gentes que, nos catorze anos decorridos entre 1872 e 1886, estacionou em Aljustrel. Se calcularmos a diferença entre a população residente e o saldo fisiológico, de modo cumulativo a partir de 1854, então verifica-se que em 1872 havia já mais de 500 indivíduos de fora do concelho; cinco anos depois, em 1877, havia já mais de 1000 imigrantes e, em 1886, esse número ultrapassava os 1300. Este crescimento correspondeu a um forte desequilíbrio na relação entre os sexos da população residente, o que é um sintoma duma «ocupação de acampamento». Assim, em 1872 havia mais 320 homens do que mulheres e, em 1886, mais de 630 homens, o que nos dá a imagem dum universo masculino.

22Em suma, a actividade extractiva relacionou-se, como seria de esperar, com um fluxo migratório constituído maioritariamente por indivíduos do sexo masculino. O forte desequilíbrio na relação entre os sexos foi característico dos jovens empreendimentos, onde os trabalhadores ocupavam provisoriamente o campo mineiro. A maior parte habitava em «cabanas», «barracões», «casas da malta» e o trabalho representava uma ocupação provisória destinada à acumulação de meios pecuniários que lhes permitiam voltar para a comunidade de origem («a terra»).

  • 194 V. Catálogo-inventário do Arquivo Histórico de Aljustrel, Aljustrel, C.M.A., 1984 (policopiado). No (...)

23Dispomos de poucas fontes que nos permitam ter uma visão mais pormenorizada da vida destes imigrantes. Os autos de investigação criminal mandados instaurar pela administração do concelho de Aljustrel dão-nos, de forma indirecta e acidental, algumas informações importantes194. A ideia genérica a reter é que a grande maioria da população imigrante ligada às minas e à metalurgia das Pedras Brancas vinha das regiões pobres Campo de Ourique (Castro Verde, Almodôvar, Ourique) e da serra algarvia.

  • 195 V. C.M.A., Catálogo do Arquivo Histórico de Aljustrel, C.M.A., 1984, policopiado.

24Outra fonte que dispomos para a análise destes movimentos migratórios é o recenseamento de estrangeiros feito pela administração do concelho195. Como já referimos anteriormente, actividade mineira traduziu-se pela permanência regular de estrangeiros empregados em actividades de direcção e de elevada competência técnica, atraindo ao mesmo tempo trabalhadores especializados no trabalho mineiro das regiões vizinhas. Assim, ligados à actividade da Transtagana aparecem, em 1878, 4 franceses (1 engenheiro, 2 mestres de obras e 1 capataz), 1 químico austríaco e um mineiro italiano do Piemonte. Mas a grande maioria dos estrangeiros que trabalhavam nas minas eram espanhóis do Huelva. O seu número parece subavaliado pois apenas foram registados 15, dos quais 8 trabalhadores indiscriminados, 1 capataz de Almaria, 1 barreneiro, 1 ajustador de máquinas, 1 carpinteiro, 1 empregado de escritório e 2 ferreiros. Dos 49 estrangeiros registados nessa data, somente 19 eram mulheres e 39 moravam na vila de Aljustrel. Destes, apenas 2 indivíduos não podiam ser associados directamente à mina: 1 moleiro e 1 taverneiro, ambos de nacionalidade espanhola.

  • 196 Eram pai e filho, Antonio e Manuel Aleixo, um de 64 anos, casado com uma espanhola e o outro de 27 (...)

25Em 1887, 6 anos depois do completo encerramento das minas, havia no concelho 23 espanhóis (14 homens), a grande maioria analfabetos. Apenas dois eram mineiros, nascidos em Breja e Almária. Em 1868 tinham vindo para as minas e, nota importante, tinham nomes algarvios196.

26Com a retoma da exploração pelos belgas surgem, logo em 1901, quase meia centena de estrangeiros directamente ligados à exploração mineira. Seis são franceses - o director das minas, 2 engenheiros, 1 condutor de minas, 1 empregado de escritório e 1 capataz. Havia depois 1 serralheiro alemão, 1 suíço, chefe de conservação, 1 químico inglês, 2 belgas, o pagador das minas e o seu ajudante. Mas, tal como sucedera no passado, a maior parte são espanhóis, ao todo 39: 11 mineiros, 8 barreneiros, 6 capatazes, 2 entivadores, 1 carpinteiro, 1 ferreiro, 2 pedreiros, 2 maquinistas, 2 empregados de escritório, 2 negociantes e um lojista.

27Não nos alongaremos mais nesta análise. Mais adiante iremos caracterizar melhor estes movimentos bem como a constituição das comunidades mineiras. Por agora salientemos a diversidade e a especialização dos trabalhos mineiros, por um lado, e a possível transferência de ofícios da esfera rural ou pré-industrial para a indústria. Como pano de fundo, estava o mundo agrícola e a possibilidade das minas servirem, para os assalariados, de complemento sazonal para os seus rendimentos.

2. Aljustrel: agricultura e mineração. Transformação do tecido social

28A região em que se desenvolveram as grandes minas de pirites é caracterizada pelo peso esmagador do latifúndio. Em muitas vilas e aldeias os latifúndios encontravam nas povoações os seus limites. No caso de Aljustrel, como acontecia noutras povoações do Baixo Alentejo, apenas sobreviveram algumas hortas e ferragiais nos seus termos.

  • 197 G.A.Pery, «Estatística Agrícola do Concelho de Aljustrel» in ob. cit., p. 1395.

29Aljustrel encontrava-se na transição entre a região dos barros de Beja, predominantemente cerealífera, com o planalto do Campo de Ourique e a região de Mértola, onde vingava o pastoreio. Como dizia Gerard Pery em 1892, «é sobretudo uma região de pastagens, e das melhores pastagens do Baixo Alentejo»197. Predominavam as terras de «tipo C» que obrigavam a uma agricultura muito extensiva e de «terra queimada» que encontrava compensação na criação de gado ovino e bovino, também em regime extensivo.

  • 198 A produtividade média em toda a sub-região era 8,5 hectolitros. Segundo Pery, os maiores obstáculos (...)

30A produtividade agrícola era muito baixa. Segundo Pery, a produção nos terrenos dos barros era de 12 sementes, chegando nos anos bons a 20 hectolitros por hectare. Mas na maior parte do concelho, nos terrenos Β e C, a produção média oscilava entre 7 e 9 hectolitros, descendo por vezes para os 5 e os 6 hectolitros198.

31A quase totalidade da área do concelho era coberta por 210 herdades que eram detidas por 118 proprietários, dos quais somente 41 residiam no concelho. Alguns viviam em Lisboa, mas a maior parte, que residia em Beja, procurava ter aqui bons invernadouros para os seus gados.

32As diferenças entre as herdades eram enormes. Só 4 tinham mais de 1000 hectares e eram de charneca enquanto 87 herdades tinham menos de 300. Na zona de pastagens predominava a herdade de dimensão mediana. Apesar disto, Aljustrel, com 10,6 proprietários por cada cem habitantes e 1,8 por cada cem hectares, não era dos concelhos que tinha, na sub-região, a propriedade mais concentrada. Alvito, Ferreira e Beja, por exemplo, estavam em superioridade deste ponto de vista.

Propriedade agrícola no concelho de Aljustrel, 1892
[Tabela 3.2.]

Propriedade agrícola no concelho de Aljustrel, 1892[Tabela 3.2.]

Fonte: Pery, "Monografia agrícola..."

33A maioria dos que detinham courelas, ferragiais, quintas e hortas, não eram auto-suficientes. A média de 1,73 hectares por proprietário numa zona de sequeiro e de agricultura extensiva indica-nos que esta gente via-se obrigada a alugar os seus braços periodicamente aos lavradores e serviam-se das courelas como complemento para os seus rendimentos. Muitos deles tinham o estatuto, não de proprietários, mas de seareiros e alguns deles encontraram ocupação nas explorações mineiras.

  • 199 Pery, art. cit..., p. 1402.

34Em Ervidel, onde havia boas terras, vingara nos finais do século XIX a cultura da vinha que permitiu a divisão da propriedade e a prosperidade da freguesia. Segundo Pery, as «novas subdivisões de herdades quer por aforamento, quer por arrendamento, [...] completaram a transformação de uma aldeia de proletários, simples pousada de ranchos de almocreves algarvios, em uma pequena povoação de pequenos agricultores das mais notáveis da província do Alentejo»199.

  • 200 V. por ex. no Arq. Mun. Alj. os cadernos de recenseamento eleitoral dos princípios do século.

35A maior parte das terras estava sob regime de arrendamento e, socialmente, tanto a categoria de «proprietário» como a de «lavrador» incluía uma vasta amplitude de fortunas200. Muitos lavradores não tinham grandes meios de financiamento nem instrução para se lançarem em aventuras inovadoras e, face ao sistema de crédito vigente no início do século, o melhor investimento continuava a ser na segurança, ou seja, no entesouramento. O proteccionismo, dominante após a célebre «lei da fome» (Elvino de Brito, 1899), suscitou o aumento da área destinada aos cereais e apoiou a mecanização. Com a promulgação da legislação sobre as mutualidades de crédito agrícola logo após a implantação da República, obra do lavrador local Brito Camacho, reforçou-se a posição dos produtores directos, em particular a da classe média rural, e estimulou-se o desenvolvimento agrícola.

36A irregularidade do clima, tanto como a pobreza geral do solo, só permitiam rendimentos medíocres à custa de um enorme investimento em trabalho. O problema era tanto o da quantidade de água que caia insuficiente na primavera como o da distribuição anual, particularmente irregular. Este facto retiraria importância à introdução dos adubos químicos e aumentava os riscos com o empate de capital em equipamentos. Nesta economia, a produção animal constituía um suporte para as vicissitudes da cultura cerealífera.

37A utilização de adubos químicos era limitada ainda pelo baixo nível de instrução dos lavradores que os tornava renitentes à inovação. A extensão da área agrícola com base nos adubos podia revelar-se contraproducente no imediato ou a breve trecho. Com algum azar por destino e uma prole numerosa, um pequeno lavrador perdia a terra ou tornava-se um semiproletário; o seareiro era alguém que mantinha os meios para explorar a terra (urna junta de animais, algum dinheiro e a família a servir de capital humano) e vivia subjugado pela incerteza dos arrendamentos. As imagens impressionistas que os textos nos transmitem revelam que o seu sonho maior era reaver a terra perdida e «garantir o futuro para os seus».

Usos do solo em alguns concelhos do distrito de Beja, 1892 (em percentagem da área útil total)
[Tabela 3.3.]

Usos do solo em alguns concelhos do distrito de Beja, 1892 (em percentagem da área útil total)[Tabela 3.3.]

Fonte: Pery, "Monografia agrícola...".

  • 201 Encontra-se também neste caso a família estudada por L. Poinsard (Ob. cit.), em que o chefe de famí (...)

38No entanto, a condição do seareiro tendia a resvalar para a de assalariado agrícola no espaço duma geração. Algumas das famílias de mineiros que reconstituímos tinham por antepassados esta categoria de indivíduos ou de minúsculos proprietários e não podemos considerar este tipo de referência como uma mistificação201. Ele foi antes um facto real: as minas recolheram todo o tipo de gente, alguma em rápida evolução social descendente. O novo trabalho não lhes permitia inverter este trajecto que era muitas vezes uma viagem sem regresso.

Aljustrel. População agrícola com mais de 12 anos
[Tabela 3.4.]

Aljustrel. População agrícola com mais de 12 anos[Tabela 3.4.]

Fonte: Pery, "Monografia...", 1892.

39No caso de Aljustrel, quase metade da população agrícola era proletária e o seu número aumentaria de forma acentuada nas duas décadas seguintes. A partir do início do século, o sobrepovoamento rural, manifestado pelas regulares «crises de trabalho», iria lançar estes proletários no meio mineiro. A notícia do arranque das minas de Aljustrel em 1897 é dada nestes termos pelo Bejense:

  • 202 O Bejense, n.º 1890, de 20. Fev. 1897.

«Começaram os trabalhos nas minas de Aljustrel. Valha isto para atenuar a crise medonha que lavra na classe trabalhadora do Alentejo»202.

40Por seu turno, a administração das empresas procurou sempre que possível atrair para as minas esta mão-de-obra fragilizada pela fome e pela miséria que vagueava pelos campos à procura de trabalho ou de pão. Em 1902, a Folha de Beja noticiava uma prática corrente das administrações mineiras:

  • 203 A Folha de Beja,n.° 478, 27.Fev. 1902.

«Tendo-se feito sentir em alguns pontos a crise de trabalho em consequência do mau tempo, consta-nos que a administração da mina de São Domingos resolveu dar que fazer aos trabalhadores que até ao número de 100 ali se apresentem»203.

41Em 1905 o mesmo jornal explícita como as minas se apresentavam como um sucedâneo das obras públicas para as crises de trabalho na lavoura:

  • 204 A folha..., n.º 646, 18.Maio.1905.

«No meio da espantosa crise que a classe operaria deste distrito tem atravessado à falta de obras públicas onde possa ocupar-se, é uma verdadeira providencia que a empresa desta mina tenha podido dar trabalhado a alguns dos muitos infelizes que em Março e em Abril também por aqui vagueavam à pergunta dele (...) A empresa da mina de São Domingos acode sempre a muitos infelizes quando em crítica situação; mas não o pode fazer a todos porque os pobres são muitos, sendo por isso necessário que os poderes competentes contribuam para conjurar o mal que novamente se acentuará para o inverno, se ainda não houver mais trabalhos públicos. Que a estrada de Mértola comece, pois»204.

  • 205 V. por ex., A Folha... n.º 610, 8.Set. 1904: «Aos seus operários permanentes no trabalho durante os (...)
  • 206 Cf. Gil Varón, Minería Y Migraciones. Rio Tinto, 1873-1973, Córdova, 1984.

42Como ia longe a época de escassez de trabalho! As administrações mineiras tanto em Aljustrel como em São Domingos tentariam utilizar esta mão-de-obra por forma a aviltar os salários dos operários internos, ao mesmo tempo que os distinguia desse pessoal flutuante, estimulando clivagens e a criação de laços de dependência estreitos com a empresa205. Este tipo de política não é original e podemos encontrá-la ainda no Huelva, por exemplo206.

43Uma das fontes disponíveis para a análise da evolução do tecido social da freguesia de Aljustrel nas primeiras décadas do século XX são os cadernos de recenseamento eleitoral. Embora os critérios de registo variassem ao sabor dos governos monárquicos e republicanos e as operações estivessem longe do rigor que deveria exigir-se, é possível ficarmos com uma ideia qualitativa da evolução dos grupos locais a partir da população eleitoral. Muitas objecções que se poderão colocar à utilização destas fontes tendem a desaparecer quando pensamos nas pobres alternativas disponíveis face aos nossos modestos objectivos.

Freguesia de Aljustrel. População eleitoral, 1895
[Tabela 3.5.1

Freguesia de Aljustrel. População eleitoral, 1895[Tabela 3.5.1

* Estes ofícios distribuem por 8 ferreiros, ferradores e funileiros, 12 abegãos e carpinteiros, 8 alfaiates, 3 barbeiros, 5 pedreiros, 14 sapateiros, 9 torneiros e 13 moleiros.
Fonte: Arq. Hist. Alj., Caderno do Recenseamento Eleitoral..., 1895.

44O recenseamento de 1895 dá-nos uma amostra, não aleatória, de 343 indivíduos antes da entrada em funcionamento das minas de Aljustrel. A imagem com que ficamos do seu ordenamento social parece adequada à descrição duma vila rural alentejana do Campo de Ourique feita com os dados fornecidos por Gerard Pery. O número de lavradores e de proprietários agrícolas parece próximo da realidade, se atendermos ao número de proprietários residentes noutras freguesias e noutros concelhos. O número de trabalhadores indiscriminados surge naturalmente atrofiado. De qualquer forma, devemos ponderar no relativamente número elevado de seareiros, de ofícios artesanais e de apoio à agricultura.

  • 207 Considerámos na agregação destes dados os indivíduos eliminados do recenseamento por «não serem che (...)

45No ano da implantação da República, e doze anos após o reinício da exploração mineira pelos belgas, temos já uma realidade social diferente. A população eleitoral, tal como a população residente, duplicou. No entanto, o sector rural mostrou-se pouco afectado pelo desenvolvimento industrial. O número de seareiros manteve-se sem alteração substancial, bem como o dos lavradores e proprietários. Surge agora um elevado número de trabalhadores ligados à indústria mineira (entivadores, químicos, mineiros, barreneiros, entivadores, capatazes), aos transportes (maquinistas, fogueiros, etc.) e «operários» não especificados207. O número de trabalhadores indiscriminados (apenas meia dezena de indivíduos aparecem referidos como jornaleiros em 1910) aumenta, seguramente devido à atracção exercida pelas minas.

Freguesia de Aljustrel. População eleitoral, 1910, 1916 e 1923
[Tabela 3.6.]

Freguesia de Aljustrel. População eleitoral, 1910, 1916 e 1923[Tabela 3.6.]

Fonte: Arq. Hist. Alj., Recenseamento Eleitoral (freguesia de Aljustrel). 1910. 1916 e 1923.

46A indústria não veio destruir os ofícios artesanais e rurais como os alfaiates, os carpinteiros, ferreiros, ferradores, funileiros, barbeiros, moleiros, abegões, etc., bem pelo contrário. Uma maior diversidade foi introduzida na paisagem social da freguesia. Os muitos ofícios, ocupações e empregos proporcionados pela mina sobrepõem-se aos que antes existiam, aparentemente coexistindo sem subordinação.

47O recenseamento realizado dois anos após o início da Grande Guerra, numa altura em que as minas praticamente paralisaram, mostra-nos que os seareiros praticamente desapareceram. Regista-se também uma diminuição substancial do número de trabalhadores de indústria e indiscriminados. O número de mineiros votantes cai de 212 para 43 e o de trabalhadores de 139 para 55. O recenseamento de 1923 é realizado após a dura greve mineira e carece de um mínimo de representação. Os trabalhadores e mineiros ficaram ausentes, embora constituíssem a maior parte da população. O número de votantes diminui enquanto na freguesia a população trabalhadora aumentara desde a guerra. De qualquer forma, ele parece traduzir de algum modo alguns efeitos do conflito mundial e da crise que ο acompanhou, pois, o número dos seareiros mantém-se baixo enquanto o dos proprietários aumenta relativamente ao dos lavradores. Mais significativa é a persistência de grupos sociais que vivem do arcaísmo produtivo da região, como era o caso dos moleiros, dos albardeiros, abegãos, etc. e dos ofícios urbanos e artesanais (sapateiros, carpinteiros, barbeiros, alfaiates, etc.). Podemos então perguntar quais os traços distintivos daquela que, a partir de agora, ficaria conhecida como «a vila mineira».

48À primeira vista a resposta parece óbvia, já que não só a população aumentou graças à actividade industrial, como se alterou a sua natureza e o aspecto físico da povoação. Importa, no entanto, explicitar como as duas minas situadas nos extremos da povoação lhe imprimiram características particulares e quais foram elas. Ou, como se dizia na época, trata-se de saber se e como Aljustrel beneficiou do «Progresso».

49Para o fazermos, confrontámos a vila com outras da região, com uma dimensão análoga, embora servindo de sede a concelhos com dimensões e características diversas. Partindo de algumas rubricas funcionais comuns às sedes de concelho, comparámos «a vila mineira» com Ferreira do Alentejo, Vidigueira, Ourique e Mértola. Ferreira ficava situada na transição dos ricos barros de Beja para a sub-região do Campo de Ourique, enquanto a Vidigueira era caracterizada pela produção e o comércio de vinhos. Odemira, por seu turno, servia um vasto concelho e Mértola foi a sede do concelho da maior mina do país até aos anos vinte.

Bens e serviços em cinco vilas do Baixo Alentejo, 1915
[Tabela 3.7.]

Bens e serviços em cinco vilas do Baixo Alentejo, 1915[Tabela 3.7.]

Fonte: Anuário Comercial...

Mértola. Povoações mineiras e rurais, 1915
[Tabela 3.8.]

Mértola. Povoações mineiras e rurais, 1915[Tabela 3.8.]

Fonte: Anuário Comercial, 1915

50Este confronto mostra que Aljustrel dispunha de mais serviços que cuidavam do corpo e da aparência social como era o caso dos alfaiates, barbeiros e sapateiros. Este facto é indiciador de um meio social onde os rendimentos médios eram relativamente mais elevados. Porém, não o suficiente para aparecerem casas de qualidade superior, ligadas ao luxo ou ao lazer. É também provável que o número de mercearias e de tabernas fosse maior aqui, embora nas outras vilas o seu número pareça estar incluído noutras rubricas como o dos «comerciantes». Atendendo aos negócios com os seguros de vida e ao dinheiro que envolvia os pagamentos dos trabalhos mineiros, não admirava que o número de agentes bancários e de seguros fosse aqui mais elevado. O mesmo acontecia em Mértola. Quanto à assistência médica e farmacêutica, porém, ela não se distinguia das restantes vilas. O mesmo se aplica às escolas, sociedades recreativas, teatros e lojas de consumo de objectos de luxo.

51Em conclusão, não se pode afirmar que havia uma diferença na «qualidade de vida» que o meio industrial pudesse proporcionar. Se compararmos com outras vilas que escolheram a especialização vinícola, como a Vidigueira, dir-se-ia que Aljustrel poucas ou nenhumas vantagens obteve com a actividade industrial. O caso é ainda mais óbvio quando observamos a sede do concelho da maior mina do país.

52O que afirmámos para Aljustrel, torna-se mais notório quando comparamos as freguesias rurais de Mértola com aquelas directamente implicadas com a actividade mineira que eram as da Corte Pinto e Santana de Cambas.

  • 208 Cf. recenseamentos eleitorais (supra).

53A vida dessas aldeias girava em torno da actividade do porto do Pomarão, transportes ferroviários, estabelecimentos metalúrgicos, oficinas e mina (figura 8). O Anuário Comercial confirma os elementos básicos distintivos destas povoações: a mina oferecia às suas populações mais agentes de seguros, mais médicos, mais professores, mais comerciantes e, embora o Anuário o não refira, mais polícias208. O valor deste indicador (o número de professores e comerciantes) é mais atenuado quando pensamos que a aldeia mineira contaria então com cerca de 4 mil almas. Destaquemos, no entanto, pela importância que irão tomar nas lutas dos mineiros a partir do início do século, a dependência destes comerciantes relativamente ao consumo dos operários.

54Finalmente vejamos em que medida as regiões beneficiaram dos rendimentos arrecadados pelo Estado com esta actividade.

  • 209 V. dec. 30. Set. 1892 que estabelece o imposto adicional para o Estado; dec. 8. Ago. l901 que permi (...)
  • 210 V. Arq. Mun. Mértola - Administração do Concelho, Registe dos Acórdãos do Tribunal Administrativo d (...)
  • 211 V. por ex. no Arq. Mun. Grândola, Livro de registe das representações expedidas pela C. M. de Grând (...)

55Ao contrário do que se poderia pensar no início da Regeneração, o desenvolvimento da maior mina do país não contribuiu para o incremento dos investimentos públicos na região, nem se promoveram obras em infra-estruturas (v.g. ferrovias) que permitissem viabilizar outros empreendimentos mineiros. A fiscalidade permaneceu bastante frouxa mas, no início do século, as câmaras que tinham nos concelhos minas em lavra, lançavam um imposto adicional em percentagem sobre o imposto mineiro (ν. cap. 1). Este montante teria pouco significado com excepção para a câmara de Mértola209. A lei, porém, impedia o lançamento de adicionais sobre a mina de São Domingos e em diversos momentos surgiram tensões entre a administração local e a gerência inglesa a propósito das isenções de vária ordem que esta beneficiava210. Logo no início da República os municípios voltariam a tentar assegurar vantagens dos lucros que as empresas obtinham com a exploração do subsolo mas as grandes minas ficariam sempre isentas de contribuições fundiárias ou da contribuição industrial211.

  • 212 João Gouveia, «As minas de Aljustrel» in Serões, 29, Lisboa, Nov. 1907, p. 318.
  • 213 A Folha de Beja, n.º 596, 2. Jun. l904.

56Por este meio a região pouco ou nada beneficiou da riqueza mineira. Um observador que visitou Aljustrel no início do século notava que, apesar do movimento que lhe imprimia a mina, a vila tinha um aspecto velho e pobre212. Ε A Folha de Beja afirmava que a povoação «deixava na mente dos touristas que quotidianamente a visita, uma ideia de inércia e abandono dos poderes públicos»213. No caso de São Domingos, as comunicações com a povoação mineira eram difíceis, havendo apenas uma estrada em macadame com a sede do concelho, em muito mau estado, no final dos anos vinte.

  • 214 Arq. Mun. Mértola, Administração do concelho, Copiador da correspondência expedida para o governado (...)
  • 215 A. M. Mértola, adm. conc., Copiador..., of. 147, de 28/12/1925.

57Por outro lado, a partir do início do século as obras nas estradas foram encaradas mais como uma forma de ocupar os braços e enfrentar a crise social do que como um meio de promover o desenvolvimento regional. Assim, por exemplo, são abertos os trabalhos nas estradas em Outubro de 1918 na sequência do despedimento de 200 trabalhadores mineiros e, no ano seguinte, também na sequência doutra «crise do trabalho» são abertos lanços de estradas até Aljeruz214. Em 1925, novamente na sequência da grande redução de pessoal na mina, foram lançados mais trabalhos públicos215.

58Em suma, as grandes minas, mais do que transformaram a paisagem social, sobrepuseram-se ao tecido social existente e, pelo menos aparentemente, pouco buliram com ele. Serviram-se dos recursos locais em homens, água e combustível, permitiram a transferência de ofícios arcaicos ou artesanais para os serviços das companhias como os almocreves, seareiros, carpinteiros, pedreiros e moleiros, perpetuaram velhos ofícios estimulando a economia local. Do ponto de vista industrial, as minas não suscitaram o desenvolvimento doutros sectores para além daqueles que dependiam directamente das empresas (oficinas, transportes) e do mercado que representava o consumo da população dependente da extracção de minérios. Seria apenas no Barreiro, com a C.U.F. e, mais tarde em Setúbal que iriam desenvolver-se os polos industriais que aproveitariam as pirites alentejanas.

3. Agricultura e mineração: as minas de manganês

59De que forma os proprietários agrícolas participaram na actividade mineira da região? Em que medida os proprietários beneficiaram ou foram afectados pela actividade mineira?

60Nos princípios do século, a questão da participação da burguesia agrária no arranque mineiro parece já não fazer sentido. Teremos de recuar até à segunda metade da década de 1860 para encontrarmos uma autêntica febre mineira e uma corrida ao registo nas administrações concelhias na qual lavradores e proprietários locais participaram ao lado de outros. Na maior parte, registaram-se descobertas de jazidas de manganês que afloravam à superfície e eram de fácil identificação. De um total de 600 registos que contámos entre Julho de 1867 e Setembro de 1886 nos livros da Câmara de Aljustrel, 551 diziam respeito a minas de manganês, 26 a minas de cobre, 10 a jazidas de cal e 13 a outros minérios. Quase metade dos registos (288) foi realizada nos 3 anos que vão de Julho de 1867 a Junho de 1870. Nesse período registaram-se 280 minas de manganês só no concelho de Aljustrel! No caso de Grândola a situação é diferente, registando-se os picos em 1872 e 1880. O movimento é aqui bastante menor, não só por causa da geologia como pelo facto de muitos dos registos se associaram aos projectos de construção do caminho de ferro do Vale do Sado.

  • 216 Severiano Monteiro, Catálogo descritivo..., p. 48.

61O manganês foi utilizado inicialmente na preparação do cloro que se destinava ao fabrico de hipocloritos descorantes que, por sua vez, eram utilizados nas fábricas de tecidos e de papel. Contudo, inventou-se um processo químico barato que provocou uma quebra acentuadíssima no consumo deste minério. Assim, a partir da década de 1870 o manganês passou a ser procurado sobretudo para o fabrico do aço, viabilizado muitas explorações que se encontravam paralisadas216.

  • 217 Muitas destas minas foram objecto de estudo nos anos ’40 pelo Serviço de Fomento Mineiro, dado o pr (...)

62A maior parte das minas de manganês pouco mais necessitaram, para ser exploradas, do que pólvora, força muscular e animal e alguma madeira. Laboravam geralmente de forma intermitente e durante pouco tempo, não havendo por isso grande controlo por parte das autoridades. Grande número delas nunca tiveram plano de lavra e nem chegaram a pagar impostos, dadas as isenções fiscais que a lei estipulava para os dois primeiros anos de actividade. Trabalhos de pesquisa e de extracção confundiam-se numa actividade de fraco desenvolvimento. A lavra não se desenvolvia por galerias regulares, próprias para a fixação de carris, mas por túneis de evolução caprichosa217.

63A lavra de rapina marcava a vida destas minas que raramente eram exploradas abaixo dos 15 metros de profundidade. O minério arrancado limitava-se a ser partido a martelo, escolhido manualmente e exportado em carros de mulas. A escolha do minério era uma actividade feminina que ocupava muitas mulheres que, por vezes, predominavam nos trabalhos à superfície.

64Necessitando de poucos recursos financeiros e de fraca capacidade técnica, o manganês proporcionava lucros imediatos e uma rápida circulação do capital investido. Ele parecia assim particularmente interessante para muitos proprietários. Aboim Inglês é precisamente um dos casos de um empresário mineiro que vem directamente da esfera agrícola.

65Apesar daquele movimento, as minas mais importantes daquele período cairiam nas mãos de estrangeiros como o espanhol Alonso Gomes. Nos finais do século passado, grande parte do interesse destas minas perdera-se já, sendo exploradas apenas em circunstâncias excepcionais.

66Vejamos agora como os proprietários sofreram com a actividade das grandes minas.

4. A poluição: mineração versus agricultura

  • 218 V. por ex. o dec. 30.Set.1892, art. 57, n.º 1, e o regulamento de 5 de Julho de 1894 que obrigava o (...)
  • 219 V. DGM-11, Expropriações. V. por ex. a expropriação de 13 hectares em Maio de 1880 e de mais duas c (...)

67A legislação mineira, ao garantir uma percentagem dos lucros líquidos aos proprietários agrícolas, procurou estabelecer uma comunhão de interesses entre as diferentes propriedades. Contudo, essa percentagem era geralmente pequena, de acordo com os lucros calculados pelo Estado para efeitos fiscais. Como este montante era geralmente baixo, era muito provável que os proprietários auferissem maiores rendimentos através do arrendamento agrícola, a não ser nos casos em que as minas se localizavam em sítios ermos ou em terras incultas, o que era frequente. As normas que regulavam a relação entre concessionários e proprietários, embora variassem desde os finais do século passado, mantinham disposições que tiravam aos proprietários os meios de impedir ou especular com os seus «direitos». De qualquer forma, na maior parte dos casos, as sociedades concessionárias preferiam optar pela aquisição de terrenos ou pela faculdade que tinham, de proceder a expropriações por utilidade pública dentro e fora das áreas concessionadas218. A regulamentação entre estes dois interesses foi naturalmente objecto de tensões entre concessionários e proprietários. Em muitos casos, porém, as necessidades de terra eram muito superiores aos limites estabelecidos para as concessões, sobretudo quando se tratava de construir caminhos de ferro mineiros e infra-estruturas industriais para a exportação ou valorização dos minérios. Nestes casos, recorreu-se inicialmente ao arrendamento, como fez a Mason & Barry, por exemplo, relativamente aos terrenos marginais do Pomarão, até poder optar pela figura jurídica da expropriação. Os proprietários locais, embora unidos para a defesa dos seus interesses, não iriam lucrar com a actividade mineira219.

  • 220 Cf. situação descrita no início do capítulo em Aveiro.
  • 221 Uma descrição do processo de ustulação em Aljustrel pode encontrar-se em Severiano Monteiro e J. Au (...)

68A este tipo de problemas associavam-se os que se prenderam com a poluição. As minas de pirite como a da Caveira, a da Juliana e as de Aljustrel, procediam normalmente à ustulação (queima) do minério, processo através do qual se libertavam para a atmosfera «vapores sulfurosos» e cinzas que destruíam as culturas numa vasta área. Ao contrário do que sucedera nas regiões onde predominava o pequeno campesinato, aqui as companhias defrontaram-se com uma burguesia agrária que sabia como se defender e dispunha de meios para tal220. Em locais ermos como a serra da Caveira, o problema das indemnizações não se colocou. Mas em Aljustrel, por exemplo, a Companhia Transtagana viu-se obrigada a pagar pesadas indemnizações aos proprietários agrícolas. Em 1874 eram transferidas as operações de ustulação do minério para a herdade das Pedras Brancas, uma vasta propriedade adquirida para o efeito, situada a uma dezena de quilómetros das minas221.

69Contudo, para os lavradores os problemas não terminariam assim. O minério, depois de calcinado, era lixiviado em tanques com água corrente durante 1,5 ou 2 dias, obtendo-se assim uma dissolução dos sulfatos ferroso e cúprico. A partir daí as águas ácidas, contendo o sulfato cúprico, entravam nos tanques da cementação, onde eram depositadas sucatas de ferro para provocar a precipitação do cobre contido na água. O resultado deste processo, para além do cemento com 60 a 65% de cobre, era uma enorme quantidade de água com um elevadíssimo grau de acidez que ia parar aos cursos de água.

  • 222 Os diferentes processos relativos a expropriações para a mina de São Domingos encontram-se agrupado (...)

70Em São Domingos, o processo de produção de cementos dispensou a ustulação por apresentar custos elevados. Em contrapartida, a montagem do processo «hidro-metalúrgico» envolvia gastos elevadíssimos com as obras de construção da represa das águas pluviais (necessária à obtenção da água para todo o processo), com a construção do conjunto de tanques da cementação e, finalmente, duma represa para a «água forte» residual. Estas infraestruturas necessitavam de vastas áreas de terreno e a Mason & Barry recorreu por sistema à figura jurídica da expropriação por utilidade pública. Para tal, a empresa contou com o apoio dos serviços mineiros para fazer face às inúmeras reclamações e petições dos proprietários agrícolas afectados222.

71Outros problemas resultavam da descarga nos rios das águas sulfatadas, principalmente durante a estiagem ou quando a corrente fluvial era fraca. As queixas de Mértola e de Vila Real de Santo Antonio por causa dos efeitos da poluição do Guadiana, ou da câmara de Alcácer do Sal por causa das águas de Aljustrel, são intensas de início e depois parecem desparecer. Mas quando os belgas retomam a actividade, renovam-se os protestos a propósito das moléstias nos arrozais e no peixe.

72No caso de São Domingos, a mina era acusada, por causa das águas, de matar os peixes, destruir redes de pesca e as embarcações. As «ribeiras de água-forte» prejudicavam as terras de sequeiro marginais e, principalmente, a actividade pastoril. Por seu turno, com a poluição dos rios perdia-se também o rendimento de muitos pescadores algarvios durante o inverno. Para fazer face a este descontentamento, o Visconde Mason distribuiu indemnizações aos Compromissos Marítimos de Vila Real e de Castro Marim que receberam, por intermédio dos seus representantes, em 1883, 600 mil réis. O inquérito realizado na altura pela Repartição de Minas defendia que a responsabilidade da poluição se devia à acção das minas espanholas e realçava que a mina contribuía para o fisco três vezes mais do que o Estado obtinha pelo pescado do Algarve.

  • 223 V. Petição dos Pescadores e Povo de Mértola dirigida ao Governador Civil de Beja, 8 de Março de 191 (...)

73Apesar da ausência dos protestos oficiais durante anos, os problemas persistiriam. Com a República renova-se a crença na possibilidade de fazer algo contra a administração inglesa, em defesa do Guadiana. Assim, «uma petição dos pescadores e do povo de Mértola» dirigida ao governo republicano em Março de 1911, vem de novo reabrir o processo223. Após um relatório da Repartição de Minas que voltou a responsabilizar as minas espanholas, a Câmara de Mértola conseguia obter, em 1912, o compromisso formal da direcção inglesa que passaria a pedir licença prévia à Câmara para a descarga das águas da mina. O processo desencadeado na altura pelas gentes de Alcácer teve um desfecho idêntico.

74Em conclusão, a burguesia agrária apenas no início da Regeneração parece ter participado no «surto» mineiro. Depois, alheou-se desse desenvolvimento e, em certos momentos, sofreu mais com o desenvolvimento industrial, como outros grupos a ela alheios, do que beneficiou com ele. Nos conflitos que opunham os «interesses regionalistas» às minas, os governos monárquicos pareciam defender as grandes companhias estrangeiras. Os republicanos puderam então atacar estes interesses e olhar com simpatia as manifestações organizadas dos trabalhadores mineiros contra os directores estrangeiros.

5. A força de trabalho: o contributo do mundo rural

75Vimos até agora que as relações entre as minas e as comunidades rurais não foram isentas de tensões, embora sejam pouco frequentes os momentos de conflitualidade aberta. Essas tensões respeitavam tanto ao problema dos efeitos da poluição dos ares e das águas que afectavam directamente a actividade dos lavradores e pescadores, como às questões em torno da propriedade e dos seus direitos. A burguesia agrária pouco participou no desenvolvimento desta actividade, a não ser na fase inicial, que podemos situar na década entre 1865 e 1875, em torno de pequenas explorações, e depois limitada ao «registo de descoberta». Nos princípios do século, ela fica alheada dessa actividade, geograficamente circunscrita. A indústria, por seu turno, pela sua dimensão limitada, não veio perturbar os fundamentos duma ordem social, materialmente arcaica, instituída em torno do latifúndio.

76Aljustrel exemplifica como os grupos dependentes da indústria se acrescentaram à comunidade pré-existente. Muitos puderam transitar do mundo rural para a indústria como os jornaleiros e os trabalhadores de ofício (carpinteiros, ferradores, serralheiros, etc.). Noutros casos a indústria sustentou ofícios em declínio, servindo-se deles na fase inicial, como foi o caso dos almocreves e seareiros. Enfim, o impacto desta indústria, na esfera regional e local, traduziu-se pela diversificação do tecido sociopolítico e pela emergência de novas fontes de autoridade social como eram as direcções das companhias.

77Vejamos agora um dos contributos mais importantes do meio envolvente para o funcionamento das minas – a força de trabalho. Vimos já que elas suscitaram no século XIX movimentos migratórios que os censos mal denunciam.

78No que se refere às fontes, a situação é algo diferente para o século XX. O censo de 1911 mostra que quase 2% da população residente na freguesia de Aljustrel era estrangeira. Na freguesia da Corte Pinto esse número subia aos 2,7% devido à proximidade de Espanha. O número de naturais de «outros distritos» era aqui também superior ao de Aljustrel devido à proximidade do Algarve, representando 21,6% do total. Em Aljustrel, o número de residentes naturais do concelho era apenas de 56,6% devido ao desenvolvimento recente das minas. Na freguesia da mina inglesa tínhamos 71,8%, um valor apesar disso muito inferior ao da média do distrito.

  • 224 Mineria Y Migraciones... (Ob. cit.)

79Procuremos agora identificar as regiões que forneceram os trabalhadores mineiros e que tipo de atracção exerciam as minas. Para o fazermos não dispomos de meios excepcionais como eram os registos das empresas mineiras, meios que Gil Varón pôde utilizar para as minas de Rio Tinto224.

80O controlo da população operária por parte das empresas mineiras como a Mason & Barry ou a S.A.B.M.A. através de um registo aturado foi, de facto, bastante tardio. Tal como sucedera anteriormente, também nos princípios do século surgem recomendações dos administradores dos concelhos para as empresas exerceram maior controlo sobre a admissão de trabalhadores. Isto acontecia não só porque, segundo a ideia corrente, «nas minas se acoitavam todo o género de malfeitores», como também era necessário tomar providência contra agitadores e, de uma forma geral, controlar o movimento da população mineira. Contudo, um registo sistemático dos trabalhadores teria lugar só na década de 1940 e seria obra dos sindicatos nacionais, que o fizeram por obrigação.

81Tanto quanto conseguimos perceber de relatos de antigos mineiros, o registo era feito em cada departamento através das indicações do capataz na «folha do pago» onde se registava apenas um número de ordem, o nome do trabalhador, a secção, o número de dias e horas de trabalho, multas, descontos para o Montepio, adiantamentos e o total a receber. O conhecimento pessoal e a opinião do capataz era decisiva no acto de admissão e parecia suficiente para gerir as relações de trabalho dentro e fora do «serviço».

82Assim utilizámos o ficheiro da Associação de Socorros Mútuos Mineira Aljustrelense (ASMMA), onde todos os trabalhadores estavam inscritos. Infelizmente os registos foram efectuados, na maior parte, a partir do reinício da laboração das minas, em 1946.

83A simples consulta da naturalidade dos sócios revela uma fortíssima «endogenia profissional». Por via de regra, o mineiro dos anos ’50 era natural de Aljustrel e/ou filho de outro mineiro. Tivemos por isso de isolar o grupo que, durante a I República, e até ao fim da Guerra Civil de Espanha se poderia incluir na população mineira activa. Desta forma ficámos com uma amostra de 246 sócios nascidos antes de 1911 que corresponde aproximadamente a 8% do total dos sócios registados e a cerca de 1/6 da população que trabalhava nas minas em 1911.

  • 225 A amostra agrupava-se assim quanto à data de nascimento dos sócios:

  • 226 A distribuição da amostra pela data de entrada dos trabalhadores na ASMMA apresenta-se assim:

    Se inc
    (...)

84A distribuição da amostra por períodos de nascimento dos sócios, revelava que a maior parte, como seria de esperar, se concentrava entre 1900 e 1910225. No entanto, a maior parte dos 246 sócios não trabalhavam nas minas nesse período226. De facto, apenas 56 declararam ter começado a trabalhar nas minas antes da segunda metade dos anos ’40. É certo que este número se encontra subestimado relativamente ao total da amostra, frustrando a exactidão dos resultados que procuramos. No entanto, ele não deixa de revelar os fortes movimentos migratórios a que o meio mineiro é periodicamente sujeito, resultante de perturbações de vária ordem. Os dados evidenciam então uma outra realidade: a população operaria do pós-guerra é uma população jovem e, na maior parte, recém-chegada ao trabalho das minas. Isto contrasta com a ideia que podemos ficar duma forte «endogenia» a partir do estudo da população que fez o 25 de Abril. O valor do método de análise regressiva que utilizámos é, por isso, bastante limitado. Procuremos então identificar apenas as áreas fornecedoras de mão-de-obra na assunção de que elas não se tinham alterado.

85O concelho de Aljustrel contribuía com a maior parte dos trabalhadores de superfície e de fundo. O segundo concelho mais representado é o de Mértola, com 16,7% do total da amostra, apresentando uma forte ligação entre as duas regiões mineiras (tabela 3.9.). O Alentejo cerealífero, representado pelos concelhos das terras ricas dos barros de Beja e Alcácer, contribuiu apenas com 4,5% enquanto os distantes concelhos algarvios forneceram 11,8%. A zona pobre, pastoril e serrana do Campo de Ourique, representada aqui pelos concelhos de Castro Verde, Messejana, Almodôvar, Ourique e Panóias, é a terceira região fornecedora de mão-de-obra. Do ponto de vista da relação geográfica com a ocupação profissional, note-se como o pessoal originário dos concelhos mais longínquos do Algarve, bem com aquele oriundo da zona de Beja é empregado na base da pirâmide laboral. Os trabalhos oficinais eram ocupados pela população local e originária de Mértola.

Origem sociogeográfica da população mineira
Naturalidade e profissões dos sócios da A.S.M.M.A. (nascidos em data anterior a 1911)
[Tabela 3.9.]

Origem sociogeográfica da população mineiraNaturalidade e profissões dos sócios da A.S.M.M.A. (nascidos em data anterior a 1911)[Tabela 3.9.]

86Outra fonte disponível é o ficheiro do Sindicato Nacional dos Operários Mineiros e Ofícios Correlativos do Distrito de Beja (secção de Aljustrel). Infelizmente, enferma dos mesmos problemas que a anterior.

87

Data de nascimento do pessoal sindicalizado em 1945
(Trabalhadores da S.A.B.M.A. nascidos antes de 1901)
[Tabela 3.10.]

Data de nascimento do pessoal sindicalizado em 1945(Trabalhadores da S.A.B.M.A. nascidos antes de 1901)[Tabela 3.10.]

Fonte: Sindicato Mineiro - Aljustrel

  • 227 Corresponde apenas a cerca de 12% do total de associados nessa altura. Tanto a sindicalização com a (...)

88A amostra do sindicato mineiro de Aljustrel refere-se apenas a 113 sócios que nasceram em data anterior a 1901 e que se encontravam ao serviço em 1945227. Como seria de esperar, a amostra confirma os dados recolhidos, já que se trata do mesmo universo de trabalhadores. Também aqui verificamos que quase metade destes trabalhadores nasceram na vila. No entanto, o registo do sindicato é mais preciso na localização dos nascimentos. Desta forma sabemos que a maior parte dos imigrantes vêm de locais isolados ou de pequenas povoações rurais. Uma parte importante vem do concelho de Loulé e da serra algarvia. Os que têm origem no estrangeiro e no «resto do país» não têm uma proveniência aleatória; vêm, na verdade, de regiões associadas à actividade mineira, como Paimogo (Huelva, Rio Tinto), Silva Escura (Sever do Vouga) ou São Pedro da Cova (Gondomar). Por outro lado, estão quase ausentes os trabalhadores da região dos barros de Beja.

89Nada nos garante, porém, que esta amostra seja válida. Também muitos destes sócios não tinham trabalhado nas minas durante o primeiro terço do século e ficamos sem conhecer importantes movimentos nesse período. O confronto com outras fontes torna-se imperioso para validar estes dados.

  • 228 V. na C.M.A., Catálogo...(ob.cit).

90Felizmente podemos contar com uma fonte de qualidade superior, o Livro de registo dos operários da S.A.B.M.A., elaborado pelo administrador do concelho numa altura em que o operariado se mostrava irrequieto228. Destinado explicitamente a controlar a movimentação de trabalhadores e elaborado após a greve de 1905, nele se registou todos os trabalhadores que entraram ao serviço das minas em 1907. Infelizmente, a tarefa não teve continuidade por razões que são fáceis de adivinhar, dado o permanente vai-e-vem de trabalhadores e a falta de meios da administração do concelho. A residência e naturalidade de origem não foi anotada rigorosamente, sugerindo tratar-se duma cópia elaborada a partir de papéis enviados pela administração belga. Deste modo os resultados não permitem mais do que uma aproximação genérica a coincidir com os elementos já evidenciados.

91Assim, nesse ano de 1907 foram registados 237 operários, dos quais 136 vieram do Algarve e, mais especificamente, de Loulé que forneceu 100 indivíduos (v. tabela 3.12 e figura 17). O distrito de Beja contribuiu apenas com 31,6%, sendo os concelhos que mais mão-de-obra forneceram o de Mértola, com 26 trabalhadores e o de Aljustrel com 20. O Alto Alentejo e a Beira Interior aparecem pela primeira vez representados com cerca de 2,1% e o resto do país com 6,8%. Os primeiros seguiam o percurso habitual dos «ratinhos» que nas épocas de maior actividade agrícola vinham aos campos do sul trabalhar. A população espanhola é sobretudo da região associada as minas de Rio Tinto.

Origem geográfica da população mineira de Aljustrel
(amostragem de 1945 - sócios nascidos antes de 1901)
[Tabela 3.11.]

Origem geográfica da população mineira de Aljustrel(amostragem de 1945 - sócios nascidos antes de 1901)[Tabela 3.11.]

Fonte: Sindicato Mineiro - Aljustrel, Ficheiros do Sindicato Nacional

Operários que entraram ao serviço da Société Anonyme Belge des Mines d'Aljustrel - proveniência geográfica, 1907 [Tabela 3.12.]

Operários que entraram ao serviço da Société Anonyme Belge des Mines d'Aljustrel - proveniência geográfica, 1907 [Tabela 3.12.]

Fonte: A.H.A. - Administração do Concelho, Livro de registo dos operários que entraram ao serviço da Société, 1907, ms.

92Outras fontes dizem-nos que os espanhóis aparecem frequentemente subavaliados. Léon Poinsard refere de passagem a existência duma importante comunidade local, o que coincide com alguns manuscritos da administração municipal. Mas, curiosamente, ele não identifica a sua origem com o Andeválo. Segundo Poinsard, metade da população de Aljustrel compunha-se de «dois elementos quase iguais em número: os portugueses e os imigrantes estrangeiros, quase todos galegos espanhóis (sic)» que mantinham relações estreitas com a sua terra natal.

  • 229 Ob. cit., p. 220.

«Frequentemente eles trabalham na mina durante muito tempo, mas em cada ano voltam à sua terra para tomar parte nos grandes trabalhos agrícolas que ocupam muitos braços»229.

93Partiam por um mês no final de Maio e depois, no Outono, por mais um mês. A sua ambição suprema, segundo ele, era realizar economias suficientes para poder retornar definitivamente à sua terra e voltar à vida de camponês. Eram «um pouco rudes, mas sossegados e laboriosos». Os seus companheiros na mina censuravam-lhes a sua ingenuidade e avareza. Não conhecemos outras referências a estes «galegos». De qualquer forma, esta população flutuante e semi-proletária, que os mineiros conheciam por «malteses», foge frequentemente a qualquer registo.

94Na lista dos fundadores da mutualidade mineira surgem apenas 28 nomes estrangeiros, dos quais 20 eram espanhóis, quase todos «sabendo ler e escrever». É certo que estes nomes se referem a homens com experiência nos trabalhos mineiros e não a essa população semi-permanente.

95Notemos ainda, antes de iniciar a análise da população de São Domingos, que os registos do administrador do concelho vêm confirmar os dados que obtivemos a partir da análise dos ficheiros do sindicato e do montepio mineiros. O universo que a autoridade administrativa descreveu representava, segundo estimamos, cerca de 1/4 do total dos operários da sociedade belga nos últimos anos da Monarquia, ou seja, ainda numa fase de expansão da sociedade mineira. Também outras fontes, inclusive orais, confirmam factos fundamentais como a fraca contribuição do «trabalhador rural» alentejano de Évora e Beja para a formação da população mineira, comparativamente com a população local e da zona pobre do campo de Ourique e da Serra Algarvia. Estas foram igualmente as fontes de alimentação da mina do Lousal na década de 1930. As ligações entre os mineiros da faixa piritosa serão outro importante elemento que contribuiu para corrigir a «lei» da proximidade geográfica nestes movimentos.

96No caso da população de São Domingos, partimos também da análise dos ficheiros do sindicato nacional e seleccionámos os sócios que foram registados logo a seguir à guerra; ou seja, 2039 trabalhadores. Em muitos casos o registo da naturalidade não foi precisa e, por isso, a maior parte da população nascida na mina foi registada na freguesia da Corte Pinto ou na de Santana de Cambas. Mais de metade dos trabalhadores, ou seja 1449, aí tinham nascido. Tratando-se duma população mineira fixada ali desde a década de 1860, seria natural esperarmos que a população ¡migrante não tivesse o peso que encontramos em Aljustrel. E de facto assim era, tal como afirmavam os dados dos censos (ν. supra).

97

Naturalidade dos trabalhadores da Mason & Barry (ao serviço em 1945, distribuídos pela data de nascimento)
[Tabela 3.12.a]

Naturalidade dos trabalhadores da Mason & Barry (ao serviço em 1945, distribuídos pela data de nascimento)[Tabela 3.12.a]

Fonte: Sindicato Nacional dos Operários Mineiros e Ofícios Correlativos do Distrito de Beja - Secção de S. Domingos, Ficheiros.

98Assim, nesta amostra somente 174 sócios nasceram no Algarve, mas numa área contigua ao concelho de Mértola e, portanto, ainda dentro da área de influência directa da mina. Pequenas aldeias e lugares como o Pereiro, Vaqueiros, Giões, Alcoutim ou Martinlongo forneceram contingentes significativos. A região dos Barros de Beja, fornecia pouco mais gente do que a região mineira espanhola. A maior parte desta população era, pois, oriunda de pequenos povoados e a importância da contribuição de cada lugar para o conjunto dos trabalhadores de São Domingos aumenta à medida que nos aproximamos da Corte Pinto.

  • 230 Outras povoações identificadas foram Alearia Puebla (3), Allagar (3), Corjes (2), Huelva, Cárceres, (...)

99A população flutuante aparece subavaliada e, em particular, a que se refere à presença de espanhóis em São Domingos nos princípios deste século. O recenseamento de súbditos estrangeiros residentes de 1898 registava 75 espanhóis só na mina de São Domingos, classificados como «jornaleiros» na maior parte. Embora quase todos trabalhassem na mina, poucos surgiam classificados como «mineiros», tal como sucedia com categorias numericamente reduzidas como os serralheiros, ferradores, ferreiros, latoeiros, sapateiros, etc. Deste núcleo de residentes, 12 estavam casados com espanholas e 10 com portuguesas. Em alguns casos verificou-se que terras como São Martinho das Amoreiras ou Santa Bárbara dos Padrões surgiam como terra de naturalidade desses espanhóis, facto revelador dos movimentos na raia. Mas a maioria dos jornaleiros vinha de povoações fronteiriças e ainda ligadas à grande actividade mineira do Huelva, como Puebla Gusmán ou Paimogo. Outros vieram de Ayamonte, subindo o Guadiana230.

  • 231 Entre 1894 e 1914 são passados somente 9 registos de residência para espanhóis pela administração d (...)

100Assim, tal como sucedeu em Aljustrel, até à I Guerra Mundial encontramos aqui famílias inteiras de mineiros do país vizinho. Mas a partir dos finais do século passado, a sua presença iria declinar muito, em grande parte devido às diferenças nos jornais pagos pelas empresas (fig. 18)231 . Com a escassez de trabalho durante a guerra, muitos terão voltado para as zonas de origem, onde podiam encontrar maior apoio num período de penúria. Iam longe os tempos em que os salários em São Domingos se contavam em reales e em que o número de mineiros e barreneiros espanhóis foi importante.

  • 232 V. Luís Gil Varón, «Migracion portuguesa a las minas de Rio Tinto» in III Colóquio Ibérico de Geogr (...)

101Não eram apenas as minas portuguesas que atraíam as gentes em busca de trabalho. Ali, perto de São Domingos, podia encontrar-se um gigantesco mercado de trabalho mineiro. Por isso, Rio Tinto atraiu um número significativo de portugueses e a sua presença encontra-se documentada nos livros da companhia britânica232. Os períodos de maior afluxo, 1888-1892, 1906-1908, 1911-1913, e 1920 coincidem com os períodos de maior procura de trabalho e com a evolução da curva da extracção. Cerca de 1/4 dos emigrantes ficava um ano ou menos nas minas, mas quase metade fixou-se entre 2 a 10 anos e cerca de 20% mais de 15 anos. A sua origem está bem determinada: numa amostra de 8 centenas de portugueses, 696 eram algarvios, e somente 64 eram alentejanos. Tal como sucedera com a listagem de 1907 de Aljustrel, quase todos os algarvios que foram parar a Rio Tinto eram do concelho Loulé.

102Outro elemento importante que nos é revelado nas minas de Rio Tinto prende-se com as relações de naturalidade dos mineiros. Em Rio Tinto, até à segunda metade da década de 1890, a percentagem de indivíduos que entravam ao serviço nas minas que eram naturais da povoação mineira não ultrapassava geralmente os 20%. A partir de então e até por volta de 1915 esse número situava-se geralmente em torno dos 40%. Mas nos anos ‘20 esse indicador de estabilização da comunidade é geralmente superior, variando anualmente entre os 34-39% e os 70%. Ora, se admitirmos que muitos trabalhadores que vinham de fora eram também filhos mineiros, então esses valores serão bastantes superiores quando pensamos na reprodução duma «condição social específica». No caso das minas de Aljustrel e do Lousal verificamos já essa mobilidade no período anterior à II Guerra Mundial, quando constatámos que a maior parte da população mineira mais idosa não tinha trabalhado nas minas nesse período e que, em larga medida, estávamos perante uma comunidade mineira jovem.

103A reconstrução da população mineira após sucessivos abalos, provocados quer pelos conflitos internos quer por factores externos, vem lançar questões importantes quando tratamos da formação histórica de determinadas comunidades mineiras. Mais tarde veremos a importância da estabilização na formação duma organização política de classe e na determinação de determinado padrão de conflitualidade social. Teremos também ocasião de notar, por outro lado, como se desenvolveram importantes relações e movimentações, mesmo ao nível da organização de classe, entre os trabalhadores das duas margens do Guadiana.

Notes

180 Minas da Telhadela, Relatórios Técnicos e de Gerência, (1866-1873), impressos s.l.n.d.

181 Idem, idem, 1866.

182 V. Oficio do Governador civil de Beja ao administrador do concelho de Aljustrel de 17 de Abril de 1855 no qual lhe faz a admoestação seguinte: « (...) devo advertir V.Ex.a que me verei na necessidade de exigir a mais restrita e severa responsabilidade, tanto a V. Exa como a qualquer autoridade ou empregado desse concelho, quando da sua parte não ponham todos os meios para evitar insultos, que a ignorancia ou maldade de alguns individuos possam levar a efeito contra o director e empregados da mina de S. João do Deserto, que pelo facto de serem estrangeiros, não são isentos d'obedecerem às leis do país; mas, sempre que as respeitarem, têm todo o direito a receberem a mais ampla protecção e hospitalidade (...)». (In Arq. Mun. Aljustrel, Correspondência recebida do Gov. Civil de Beja, 1855-1860).

183 V. D.G., 187, 10. Agosto. 1855 manda o concessionário fazer obras para que não se percam as águas medicinais, célebres na região, e utilizadas para tratamento da pele e dos rins, entre outras coisas.

184 V. ofício do adm. do conc. de Aljustrel, José Romão dos Santos, n.º 302 de 15 de Julho de 1901 ao Gov. Civ. Beja (Arq. Mun. Alj., Copiador da Correspondência expedida pela adm.ão, 1900-1904). Nele se pede 2 agentes da judiciária «afim de se porem na pista de criminosos que (...) praticaram crimes de roubo de gáto da via férrea, ferramentas e alavancas com que os trabalhadores assentam os carris (...) no propósito de produzir descarrilamento de locomotivas e destroço do material circulante».

185 «A falta de mineiros já formados não deixa de ser um obstáculo para a lavra de minas no nosso país, onde esta indústria consta apenas pouco anos de um fraco desenvolvimento, o qual (...) tem estado constantemente entorpecido por diversas causas, entre as quais avultam a pouca confiança dos capitais neste género de indústria, a falta de comunicações em bom estado que, aumentando excessivamente o preço dos transportes, dificulta e impossibilita às vezes os produtos minerais de concorrerem com os minerais estrangeiros; e por último a carência (total até há poucos anos) de um pessoal habilitado para dirigir e fiscalizar os trabalhos de mineração». («Relatório sobre a mina de Chumbo de Valuga (O. de Azeméis, freg.a de S. Pedro de Ossela)» in B.M.O.P.C.I., 4, Abr. 1860). Cf. cap. 1.

186 «Relatório acerca da mina de cobre, sita na serra de São Domingos, freguesia de Santana de Cambas, concelho de Mértola...» in Β.Μ.O.P.C.I., 11. Nov. 1861, p. 400.

187 V. por ex. José da Silva Picão, Através dos Campos: usos e costumes agrícola-alentejanos, Lisboa, D. Quixote, 1983, cap. VI «Os ratinhos», pp. 225 e ss.

188 V. por ex. o caso de José dos Reis Sequeira, Relembrando e Comentando (memorias de um operário corticeiro), 1914-1938, Lisboa, A Regra do Jogo, 1978. J. R. Sequeira, filho de quadrador, n. Silves, viveu a meninice em Faro, e depois em Garvão (perto de Ourique) e depois a juventude em Silves.

189 «Relatório acerca da mina de cobre...», in B.M.O.P.C.I., 11, p. 400. O sublinhado é nosso.

190 «Relatório sobre a mina de São Domingos», 1863 in DGM-11 Impostos.

191 V. João Carlos Garcia, «Portuguese copper and the sea trade in the Western Mediterranean from 1895 to 1909» in Revista da Faculdade de Letras - Geografía, I série, IV, Porto, 1988, pp. 291-297.

192 Relatório cit. in DGM-11 (impostos).

193 Gerardo Augusto Pery, «Estatística Agrícola do Concelho de Aljustrel» (1892) in Boletim da Direcção Geral de Agricultura, IV ano, n.º 15, 1893, p. 1400.

194 V. Catálogo-inventário do Arquivo Histórico de Aljustrel, Aljustrel, C.M.A., 1984 (policopiado). Nos autos surgem elementos sobre a naturalidade de pessoas envolvidas em incidentes e das testemunhas.

195 V. C.M.A., Catálogo do Arquivo Histórico de Aljustrel, C.M.A., 1984, policopiado.

196 Eram pai e filho, Antonio e Manuel Aleixo, um de 64 anos, casado com uma espanhola e o outro de 27 anos. Merece referência este circuito a partir do Algarve, pelas minas da faixa piritosa ibérica, por ser um frequente. (V. infra). V. Arq. Mun. Alj., Adm. do concelho, Recenseamento de Estrangeiros, 1878; Cópia do recenseamento de Espanhóis existentes neste concelho em 31. Dez. 1887 (freguesia de Aljustrel); Recenseamento dos súbditos estrangeiros existentes neste concelho, 31. Dez. 1901.

197 G.A.Pery, «Estatística Agrícola do Concelho de Aljustrel» in ob. cit., p. 1395.

198 A produtividade média em toda a sub-região era 8,5 hectolitros. Segundo Pery, os maiores obstáculos à extensão da cultura do trigo era «a falta de braços e os vícios tradicionais do regimen pastoril alentejano» (art.cit., p. 1424).

199 Pery, art. cit..., p. 1402.

200 V. por ex. no Arq. Mun. Alj. os cadernos de recenseamento eleitoral dos princípios do século.

201 Encontra-se também neste caso a família estudada por L. Poinsard (Ob. cit.), em que o chefe de família era um capataz que ainda detinha um pequeno ferragial.

202 O Bejense, n.º 1890, de 20. Fev. 1897.

203 A Folha de Beja,n.° 478, 27.Fev. 1902.

204 A folha..., n.º 646, 18.Maio.1905.

205 V. por ex., A Folha... n.º 610, 8.Set. 1904: «Aos seus operários permanentes no trabalho durante os meses de Maio, Junho, Julho e Agosto, pagou hoje bom aumento de salário a ex.a empresa desta mina (...)».

206 Cf. Gil Varón, Minería Y Migraciones. Rio Tinto, 1873-1973, Córdova, 1984.

207 Considerámos na agregação destes dados os indivíduos eliminados do recenseamento por «não serem chefes de família» ou outra causa qualquer, com excepção da morte.

208 Cf. recenseamentos eleitorais (supra).

209 V. dec. 30. Set. 1892 que estabelece o imposto adicional para o Estado; dec. 8. Ago. l901 que permite aos municípios lançarem um adicional sobre a percentagem dos rendimentos das empresas mineiras.

210 V. Arq. Mun. Mértola - Administração do Concelho, Registe dos Acórdãos do Tribunal Administrativo de Beja, 1. Desde o século XIX que o Visconde Mason recorria por sistema aos tribunais sempre que era alvo de tributação municipal directa, e ganhava as causas.

211 V. por ex. no Arq. Mun. Grândola, Livro de registe das representações expedidas pela C. M. de Grândola, 1902-1932, a petição enviada na sequência doutra representação de Sabrosa ao Ministro do Interior em 26/08/1912.

212 João Gouveia, «As minas de Aljustrel» in Serões, 29, Lisboa, Nov. 1907, p. 318.

213 A Folha de Beja, n.º 596, 2. Jun. l904.

214 Arq. Mun. Mértola, Administração do concelho, Copiador da correspondência expedida para o governador civil de Beja, of. 110, de 3/10/1918 e of. 101, de 10/10/1919.

215 A. M. Mértola, adm. conc., Copiador..., of. 147, de 28/12/1925.

216 Severiano Monteiro, Catálogo descritivo..., p. 48.

217 Muitas destas minas foram objecto de estudo nos anos ’40 pelo Serviço de Fomento Mineiro, dado o programa de «nacionalização» dos minérios, estipulado depois nos dois Planos de Fomento, e os estudos para o estabelecimento da siderurgia. Vejam-se então, por exemplo, José Maria da Costa Almeida e A. Barbosa Dias Carvalho, Jazigos de Manganês do Alentejo. Breve estudo da mina de Lagoas do Paço, Lisboa, Serv.Fom.Min., 1946, mina concedida a James Lloyd (DG, 80, 12.Abr.1869) e explorada por Aboim Inglês Ltd. em 1946; Fernando José da Silva, Jazigos de Manganês do Alentejo. Breve estudo da mina da serra dos Feitais, Lisboa, S.F.M., 1946, concedida a Alonso Gomes (DG, 149, 7. Julh. 1868) e explorada pelos seus herdeiros; J.M.Costa Almeida e Alfredo Ferreira, Jazigos de Manganês do Alentejo. Breve estudo da mina do vale do Calvo, Lisboa, S.F.M., 1946, concessionada também a Alonso Gomes em 1869. Os minerais úteis eram sobretudo a pirolusite, a pilomelana e, acidentalmente, a poliamite. As minas de Alonso Gomes foram exploradas, como era frequente, a céu aberto sob a forma de córta irregular, e depois por galerias irregulares, seguindo o jazigo utilizando-se o sistema de desmonte por pilares abandonados. A ventilação era feita de modo natural e não se usavam motores praticamente. As minas serviam-se do caminho de ferro do Sul e Sueste mas o transporte até à estação durante uma dezena de quilómetros ou mais era feita por carros. O transporte interior era feito em albarcas (gamelas de madeira) que carregavam 25 kg de minério bruto que era transportado a braços ou à cabeça, quando não era possível usar o carrinho de mão. Quanto ao pessoal que se usava veja-se também o Boletim de Minas. A estrutura típica já depois da «mecanização» destas minas, nos anos '40, era ainda como a de Vale do Calvo, entre Ervidel e Santa Vitoria: trituração, 1 maquinista, 2 rapazes; crivagem, 6 rapazes; lavagem, 7 mulheres; transporte e trabalhos no exterior, 4 rapazes; vigilância, 1 capataz. Com a excepção muito provavelmente do capataz e do maquinista, o recrutamento era local.

218 V. por ex. o dec. 30.Set.1892, art. 57, n.º 1, e o regulamento de 5 de Julho de 1894 que obrigava os proprietários dos solos a consentir nas expropriações dentro e fora das concessões para o fim do desenvolvimento das actividades mineiras.

219 V. DGM-11, Expropriações. V. por ex. a expropriação de 13 hectares em Maio de 1880 e de mais duas courelas no Pomarão a 4 de Jan. 1908, após as grandes expropriações realizadas quando se montou a «hidrometalurgia» da Achada do Gamo.

220 Cf. situação descrita no início do capítulo em Aveiro.

221 Uma descrição do processo de ustulação em Aljustrel pode encontrar-se em Severiano Monteiro e J. Augusto Barata, Catálogo Descritivo..., p. 98. O minério, depois de britado, era colocado em pilhas sobre camas de mato, chamadas telleras (telheiras) que eram incendiadas para obter a concentração do sulfureto de cobre. Como a pirite, a temperaturas elevadas, servia de combustível, a lenta queima durava 3 a 4 meses, perdendo o minério 34% do seu peso. Durante o processo libertavam-se continuamente «ácidos sulfrutosos» e cinzas que matavam a vegetação em redor. A ustulação era também feita em fornos, chegando a obter-se o cobre metálico.

222 Os diferentes processos relativos a expropriações para a mina de São Domingos encontram-se agrupados na DGM-11, Expropriações e os que se referem a indemnizações por causa da poluição das águas em DGM-11, Pol.

223 V. Petição dos Pescadores e Povo de Mértola dirigida ao Governador Civil de Beja, 8 de Março de 1911 e o Relatório do Eng.º chefe da Circunscrição Mineira do sul em 4 de Abril de 1911 na DGM-11, pol.

224 Mineria Y Migraciones... (Ob. cit.)

225 A amostra agrupava-se assim quanto à data de nascimento dos sócios:
Image 100000000000031A000000DCC5A8AE52.jpg
Image 100000000000033A00000092DB5258FE.jpg

226 A distribuição da amostra pela data de entrada dos trabalhadores na ASMMA apresenta-se assim:
Image 1000000000000226000001A287EB9F8C.jpg
Se incluirmos os 8 sócios que não registaram a data de ingresso no grupo daqueles que trabalharam nas minas antes da guerra, temos apenas 64 sócios dum total de 246 que nos dariam um resultado seguro de terem começado a trabalhar antes. Isto vem revelar, por outro lado, que se começava a trabalhar nas minas já depois da idade adulta.

227 Corresponde apenas a cerca de 12% do total de associados nessa altura. Tanto a sindicalização com a entrada para a mutualidade eram obrigatórias (infra).

228 V. na C.M.A., Catálogo...(ob.cit).

229 Ob. cit., p. 220.

230 Outras povoações identificadas foram Alearia Puebla (3), Allagar (3), Corjes (2), Huelva, Cárceres, Aranda del Duero, Fuente de Léon, Fuente Gallos, Liberena, Cabeza Rubia, Quintarial, Castellegos.

231 Entre 1894 e 1914 são passados somente 9 registos de residência para espanhóis pela administração do concelho de Mértola (V. Arq. Mun. Mértola, Adm. Conc., Cadastro...)

232 V. Luís Gil Varón, «Migracion portuguesa a las minas de Rio Tinto» in III Colóquio Ibérico de Geografía (1984), Barcelona, Universitat, 1984, pp. 322-329.

Table des illustrations

Titre A população mineira (flutuante) na freguesia de Aljustrel, 1854-1892[Tabela 3.1.]
Légende Legenda: População flutuante presente na freguesia de Aljustrel; H-M: diferença entre indivíduos do sexo masculino e feminino residentes na freguesia. População em 1854, 1907 habitantes.Fonte: Arq. Hist. Alj., Administração do concelho, população - mapas estatísticos (1854-1892).
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/132/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 120k
Titre Propriedade agrícola no concelho de Aljustrel, 1892[Tabela 3.2.]
Légende Fonte: Pery, "Monografia agrícola..."
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/132/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Usos do solo em alguns concelhos do distrito de Beja, 1892 (em percentagem da área útil total)[Tabela 3.3.]
Légende Fonte: Pery, "Monografia agrícola...".
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/132/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Aljustrel. População agrícola com mais de 12 anos[Tabela 3.4.]
Légende Fonte: Pery, "Monografia...", 1892.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/132/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Freguesia de Aljustrel. População eleitoral, 1895[Tabela 3.5.1
Légende * Estes ofícios distribuem por 8 ferreiros, ferradores e funileiros, 12 abegãos e carpinteiros, 8 alfaiates, 3 barbeiros, 5 pedreiros, 14 sapateiros, 9 torneiros e 13 moleiros.Fonte: Arq. Hist. Alj., Caderno do Recenseamento Eleitoral..., 1895.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/132/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Freguesia de Aljustrel. População eleitoral, 1910, 1916 e 1923[Tabela 3.6.]
Légende Fonte: Arq. Hist. Alj., Recenseamento Eleitoral (freguesia de Aljustrel). 1910. 1916 e 1923.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/132/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 188k
Titre Bens e serviços em cinco vilas do Baixo Alentejo, 1915[Tabela 3.7.]
Légende Fonte: Anuário Comercial...
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/132/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 232k
Titre Mértola. Povoações mineiras e rurais, 1915[Tabela 3.8.]
Légende Fonte: Anuário Comercial, 1915
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/132/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Origem sociogeográfica da população mineiraNaturalidade e profissões dos sócios da A.S.M.M.A. (nascidos em data anterior a 1911)[Tabela 3.9.]
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/132/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 156k
Titre Data de nascimento do pessoal sindicalizado em 1945(Trabalhadores da S.A.B.M.A. nascidos antes de 1901)[Tabela 3.10.]
Légende Fonte: Sindicato Mineiro - Aljustrel
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/132/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Titre Origem geográfica da população mineira de Aljustrel(amostragem de 1945 - sócios nascidos antes de 1901)[Tabela 3.11.]
Légende Fonte: Sindicato Mineiro - Aljustrel, Ficheiros do Sindicato Nacional
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/132/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 192k
Titre Operários que entraram ao serviço da Société Anonyme Belge des Mines d'Aljustrel - proveniência geográfica, 1907 [Tabela 3.12.]
Légende Fonte: A.H.A. - Administração do Concelho, Livro de registo dos operários que entraram ao serviço da Société, 1907, ms.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/132/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Naturalidade dos trabalhadores da Mason & Barry (ao serviço em 1945, distribuídos pela data de nascimento)[Tabela 3.12.a]
Légende Fonte: Sindicato Nacional dos Operários Mineiros e Ofícios Correlativos do Distrito de Beja - Secção de S. Domingos, Ficheiros.
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/132/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 124k

© Publicações do Cidehus, 2001

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr