Version classiqueVersion mobile

Património Industrial Ibero-americano: recentes abordagens

 | 
Ana Cardoso de Matos
, 
Julián Sobrino Simal

Prefácio

Ana Cardoso de Matos et Julián Sobrino Simal

Texte intégral

1As I Jornadas Ibero-Americanas de Património Industrial, celebradas no mês de novembro de 2018, na Universidade de Évora, e organizadas por jovens investigadores, foram um importante exemplo de boas práticas, tal como explicaremos de seguida.

2Hoje, quando falamos de boas práticas em relação ao trabalho realizado no âmbito da universidade, na sua dupla dimensão de ensino e investigação, referimo-nos, quase sempre, às atividades dos professores já inseridos no sistema universitário. Mas como se chega ao estatuto de académico? Actualmente existe um modelo de carreira docente que é cada vez mais competitivo e exclusivo. Por essa razão, a inserção dos jovens que concluem a sua formação académica em actividades científicas que lhes permitam colocar em práctica os conhecimentos e competências adquiridos durante a fase de formação e divulgar os resultados da sua investigação é fundamental.

3Esse foi o papel fundamental que tiveram as I Jornadas Ibero-Americanas de Jovens Pesquisadores em Património Industrial, que tiveram como objectivo proporcionar aos jovens investigadores, que estão a realizar um trabalho promissor na área do Património Industrial, uma oportunidade para expor, defender e discutir o progresso dos seus diversos tópicos de estudo. E tudo isso com o rigor que devem ter as reuniões científicas de investigadores consagrados, ou seja, com grande exigência relativamente aos requisitos de aceitação das propostas de comunicação e à defesa dos resultados num contexto público, aberto e crítico.

4Em Novembro de 2018 reuniram-se me em Évora, sob a coordenação dos jovens Sheila Palomares Alarcón, Pietro Viscomi, Armando Quintas e Fernanda de Lima Lourencetti, mais de 80 comunicantes provenientes de Portugal, Espanha, Brasil, México e Colômbia, que apresentaram 52 comunicações. As temáticas de investigação abarcaram um amplo espectro conceptual e prático do que definimos como Património Industrial e que foi estruturado em quatro temas:

  1. As interacções como uma necessidade de análises que englobem: a arquitectura, as infraestruturas, a memória e a paisagem industrial.

  2. A diversidade de investigações sobre o património industrial: nas universidades, nas empresas e entre o público em  geral;

  3. A gestão e a participação no campo do património industrial: modelos, estratégias e experiências;

  4. A iniciativa artística em lugares industriais como intervenção patrimonial: fotografia, cinema, música, dança...

5Durante estas I Jornadas de jovens investigadores em Património Industrial realizou-se um conjunto de actividades paralelas como as visitas à cidade de Évora, à antiga fábrica de moagem Leões, hoje sede do Departamento de Arquitectura da Universidade de Évora, e às pedreiras de mármores de Vila Viçosa. No âmbito destas jornadas foi também, realizada uma exposição fotográfica pelos organizadores acima nomeados, subordinada ao título “Farinha: uma viagem pelo Alentejo”.

6Como conclusões queremos destacar: a importância de incrementar a ligação entre os testemunhos do património industrial e os recursos documentais para o seu estudo; o desenvolvimento da investigação sobre património industrial na universidade de modo a que se produza uma actualização e normalização das metodologias próprias da arqueologia industrial aplicadas, nomeadamente ao conhecimento e registo activo do património industrial; a importância do trabalho de equipas de carácter multidisciplinar; a necessidade de aplicar critérios rigorosos em relação às práticas de reabilitação do património industrial; o reforço do interesse patrimonial de paisagens, edifícios, instalações e infraestrutura pertencentes aos diferentes processos industriais; e destacar o papel fundamental que os grupos e associações de cidadãos desempenham na defesa e disseminação do património industrial.

7Mas, para além destes conteúdos, indubitavelmente referenciadores do interesse académico e científico deste congresso, consideramos igualmente positivo e interessante, embora dificilmente quantificável, a extraordinária rede de afetos pessoais e afinidades de pesquisa que foram tecidas ao longo dos três dias da Conferência. Certamente, a partir desses valores intangíveis, serão lançadas novas iniciativas, novas alianças e novas colaborações que darão origem ao desenvolvimento de novos avanços, abordagens e perspectivas sobre o patrimônio industrial que venham a contribuir para sua salvaguarda e, obviamente, para a promoção profissional e académica dos pesquisadores que participaram nesta iniciativa.

8O livro que agora se publica, e que é composto pelos 37 textos que foram aprovados, depois de sujeitos a um processo de referee, é um contributo importante para o avanço do conhecimento sobre o património industrial no mundo ibero-americano.

9Queremos agradecer aos membros, já referidos do comité organizador que se assumiram como coeditores desta publicação, aos membros da comissão científica do Congresso, aos vários referee que avaliaram os textos agora publicados, ao centro de investigação CIDEHUS da Universidade de Évora e à Universidade de Sevilha pelo seu apoio à organização do congresso e à publicação deste livro.

© Publicações do Cidehus, 2020

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search