Version classiqueVersion mobile

Entangled peripheries. New contributions to the history of Portugal and Morocco

Homage to Eva-Maria von Kemnitz (1950-2017)

Na companhia da Professora Doutora Eva-Maria von Kemnitz. A propósito de Marrocos

Rui Manuel Ramalho Ortigão Neves

Texte intégral

1Conheci, graças a uma amiga comum, a Professora Doutora Eva-Maria von Kemnitz no dia em que chegou a Lisboa, na casa de meus Pais, contacto alternativo, dado eu poder estar fora, como frequentemente acontecia.

2Tendo os meus Pais, como eu, visitado a Polónia, satisfeitas as naturais curiosidades mútuas, fomos a Santa Apolónia levantar as suas bagagens e instalá-la no alojamento que a Gulbenkian, a par duma Bolsa de Investigação, lhe havia providenciado.

3Porém, dado o insólito, na altura, da sua distante origem e a soma dos seus interesses culturais e o seu, ainda pausado, mas já correctíssimo Português, os meus Pais mantiveram o contacto. Pessoalmente, só ocasionalmente contactámos, longíssimo, claro, de imaginarmos o nosso casamento, três anos mais tarde.

4Recordo, no entanto, que dos seus novos contactos, em Lisboa, lhe surgiu um convite, talvez da parte do Dr. Garcia Domingues, para falar na Casa do Algarve sobre um tema relacionado com a Cultura Árabe-Islâmica e Portugal.

5Curiosamente, num almoço em casa dos meus Pais, pareceu-nos que a sua maior preocupação seria a de ter de falar em Português. Nisso, tentámos acalmá-la e, motivados, propusemo-nos acompanhá-la nessa estreia.

6Com a sala cheia, a Eva-Maria desembaraçou-se muito bem e foi aplaudida com ênfase. Seguiu-se um período de perguntas a que foi dando respostas claras, até que surgiu uma, não recordo qual, que nos pareceu ser um intencional teste final aos seus conhecimentos e que envolveria o pensamento dos Marabus em Marrocos. A Eva-Maria foi expondo a problemática com uma tal segurança que a nós, leigos, nos deixou sossegados. No fim, intervieram, felicitando-a, várias pessoas, entre elas o Professor Doutor Adel Sidarus, uma amizade aí nascida e que a convidaria para sua Assistente em Évora.

7Este um primeiro passo… público.

8Depois de casados, foram diversas as visitas, normalmente por ocasião de congressos, que a minha Mulher fez àquele Reino, como a outros países do Magrebe, ou só de cultura Islâmica, como a Turquia.

9Teve também oportunidade de apresentar trabalhos seus na Europa, regularmente, e no Brasil onde contactou diversos arabistas.

10Não pude acompanhá-la em todas essas visitas, mas, sempre que disponível, acompanhei-a, nomeadamente a alguns congressos ou em estadas de férias que para a Eva-Maria nunca foram de mero turismo.

11Em Marrocos, havia sempre assuntos temáticos a explorar e fazíamo-lo numa base de interesses comuns; os dela, no âmbito da cultura Árabe-Islâmica e os meus, mais relacionados com a presença portuguesa.

12Importa adiantar, que a Eva-Maria, dotada de uma memória notável, possuía um vasto domínio da História da Europa, nomeadamente da Península Ibérica, e, necessariamente, dos países onde a expansão do Islão ocorrera e ocorre, por si só, um muito vasto mundo.

13A facilidade com que nessas visitas, onde quer que fôssemos, relacionava factos da História, era impressionante.

14Cingindo-me a Marrocos, numa primeira visita às Cidades Imperiais, em 1985, circunstanciados a guias locais, que nos iam dando vagas pinceladas informativas, a Eva-Maria completava o quadro histórico com um colorido, fundadamente entrelaçado, de enriquecedores comentários.

15Se bem me recordo, discorreu sobre um Português que teria em Meknés, além do controverso arquitecto prisioneiro Cara, trabalhado para o Sultão, penso que no âmbito dos jardins do palácio e dos seus estábulos e que muitos anos mais tarde, noutra circunstância, voltou a mencionar a propósito, creio, da nossa saída de Mazagão.

16Ela era de facto a Guia, dominando a História Local e relacionando-a com o contexto político envolvente, local ou internacional.

17Recordo, mais tarde, que num Colóquio de História Militar, em Rabat, cuja intervenção iniciou em Árabe, se referiu, com alguma ironia, a uma exposição de cartografia trazida pela delegação francesa que afinal revelava não ter sido senão um estudo prévio da geografia do território que já estaria na mente dos políticos gauleses invadir.

18Em Agadir, à margem de qualquer actividade académica, a propósito das cobiças europeias dos meados do século XIX que se estenderam ao seguinte, falou-me das pretensões do Kaiser e do envio e da estadia da canhoneira alemã “Pantera”, episódio que eu desconhecia, bem como se desenvolveram as negociações entre as nações europeias nelas envolvidas e o seu conhecido final.

19A Eva-Maria não circunscrevia os seus conhecimentos históricos ao passado pois abarcava a História até à actualidade.

20Nessa ocasião visitámos Essauíra (Mogador) mais a norte e o argumento era, no caso, de interesse comum, a curta ocupação portuguesa que seria ainda aí recordada.

21Por essa altura o seu interesse pela Hamsa, a Mão de Fátima, já ocupava um importante espaço nas suas investigações e recordo que numa loja encontrou um objecto utilitário que a interessou e que pacientemente convenceu o logista a desaparafusá-lo e a vender-lho. Assim foi constituindo uma diversificada colecção de Mãos.

22Mais recentemente, numa visita a Marraquexe, levava já assinalados dois antiquários locais, um dos quais autor de um livro sobre a Hamsa com quem havia trocado correspondência.

23Procurados, num deles, ausente por um largo tempo, pudemos deliciar-nos na visita ao vasto espaço que compreendia uma cave pejada de uma ampla panóplia de antigos e deslumbrantes objectos de arte árabe, infelizmente, para nós, inacessíveis. Aí, em conversa com um colaborador do proprietário, desenvolveu-se uma conversa acerca de tapetes orientais que se o surpreendeu a ele, a mim apenas confirmou o conhecimento que a Eva-Maria tinha da matéria. Aliás, em Lisboa já tinha assistido a uma conversa semelhante, dessa vez, com um perito no tema.

24De facto, muitos anos antes, no termo do seu Curso de Conservadora de Museus, ocupara-se da colecção orientalista da “Casa Museu Anastácio Gonçalves”, em Lisboa, onde, a pretexto do interessante número de variados tapetes do seu acervo, se decidiu a aprofundar o tema que, enquanto estudante, já a apaixonara.

25Aprofundar, para a Eva-Maria, era ir ao âmago dos assuntos…

26No segundo antiquário, uma pequena loja, não assisti à conversa, demasiado especializada para mim, e continuei o meu passeio, mas a cada vez que regressava a conversa continuava animada diante duma outra Mão…

27Em Marraquexe o que mais a deslumbrou foi a colecção de trajes regionais do incontornável Museu do Jardim Majorelle, repletos de adornos de ourivesaria, em que pontificavam as Mãos de Fátima.

28Outra descoberta foi, desde a primeira hora, o artesanato marroquino, sobretudo em Fez, onde nos demoráramos mais. Seguramente, matéria recorrente onde quer que fôssemos.

29Uma temática da cerâmica que a interessou em particular, foi uma representação de estilizados veleiros, quase normalizada, que em Agadir nos permitiu, depois de uma demorada conversa com o lojista, diferenciar, pelas marcas da sua cozedura, um prato antigo de um recente.

30Em duas circunstâncias, pelo menos, a Eva-Maria foi convidada pelos Embaixadores de Portugal em Marrocos.

31Em Rabat para fazer uma conferência para estudantes e intelectuais que mereceu cobertura televisiva e que na sequência nos permitiu visitar, pela costa, o norte de Marrocos até Tânger passando nas proximidades de Alcácer-Quibir onde decorrera a trágica batalha, para os Portugueses, mas considerada estruturante para o então conturbado Reino marroquino.

32Claro que não falhámos Ceuta, regressando, pelo interior, a Casablanca.

33A última visita, a convite da então Embaixadora, foi a Mazagão, a cidade fortaleza, que o Marquês de Pombal mandara abandonar e cuja dolorosa História se prolongou até Nova Mazagão, em pleno Amazonas.

34Na extinta Catedral, a igreja da Assunção, com dois outros oradores, um arquitecto espanhol e um académico marroquino que nos trouxe informação do maior interesse (teria inspirado o arquitecto Vauban…), a Eva dissertou sobre as suas muralhas que percorremos na totalidade com vista a visitar o local onde deveria ser instalado um Centro Interpretativo, o bastião de S. António, cujo guião a Eva-Maria fora informalmente convidada a estudar, mais um projecto que o seu trágico e inesperado falecimento inviabilizou.

35Em qualquer visita, a Eva-Maria, levava sempre consigo um caderninho que lhe servia de Diário e onde apontava as informações que ia recolhendo. Eu era o seu fotógrafo “oficial” nessas andanças, ambos interessados em museus, mesmo antes de a Eva-Maria fazer o seu Curso de Conservadora.

36O seu espólio documental será objecto de estudo e espera-se conseguir-se a edição do seu incompleto livro sobre a Mão de Fátima, assunto que o nosso Filho e uma Amiga nossa estão a estudar.

37A sua Biblioteca, cerca de 4.000 livros, maioritariamente dedicada à Cultura Árabe Islâmica, foi já doada à Biblioteca Nacional de Portugal, podendo ser acedida na Internet.

38Estes breves apontamentos respigados de memória tiveram o seu paralelo noutros países do Magrebe, mas porque o seu interesse em aproximar as pessoas e os povos também abrangeu o seu país de origem, foi a Eva-Maria condecorada pelo Presidente da Polónia com a Ordem de Mérito, criada para galardoar quem se tenha distinguido naquele aspecto e na cooperação internacional.

Caxias, 22 de janeiro de 2019

Imagem 1 - A Prof. Eva-Maria von Kemnitz, de visita no Museu de Arqueologia de Rabat (2004)

Imagem 1 - A Prof. Eva-Maria von Kemnitz, de visita no Museu de Arqueologia de Rabat (2004)

Imagem 2 – Eva-Maria von Kemnitz e Rui Rui Manuel Ramalho Ortigão Neves (direita) no Congrès International d’Histoire Militaire celebrado em Rabat em 2004

Imagem 2 – Eva-Maria von Kemnitz e Rui Rui Manuel Ramalho Ortigão Neves (direita) no Congrès International d’Histoire Militaire celebrado em Rabat em 2004

Imagem 3 - A Prof. Eva-Maria von Kemnitz, de visita no Museu de Arqueologia de Rabat (2004)

Imagem 3 - A Prof. Eva-Maria von Kemnitz, de visita no Museu de Arqueologia de Rabat (2004)

Table des illustrations

Titre Imagem 1 - A Prof. Eva-Maria von Kemnitz, de visita no Museu de Arqueologia de Rabat (2004)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/12783/img-1.png
Fichier image/png, 667k
Titre Imagem 2 – Eva-Maria von Kemnitz e Rui Rui Manuel Ramalho Ortigão Neves (direita) no Congrès International d’Histoire Militaire celebrado em Rabat em 2004
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/12783/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 313k
Titre Imagem 3 - A Prof. Eva-Maria von Kemnitz, de visita no Museu de Arqueologia de Rabat (2004)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/12783/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 100k

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search