Version classiqueVersion mobile

Entangled peripheries. New contributions to the history of Portugal and Morocco

Homage to Eva-Maria von Kemnitz (1950-2017)

A crise de Agadir de 1911

(Texto inédito lido na Casa do Alentejo, Lisboa, no 11 de maio de 2017)

Prof. Dra. Eva-Maria von Kemnitz †

Texte intégral

[Introdução]1

  • 1 Nota do editor. Para melhorar a leitura e assimilar a um trabalho científico, o texto foi organizad (...)

1A circunstância de eu me encontrar aqui para falar sobre a crise de Agadir de 1911 deve – se a um convite, ou mais exactamente a um desafio lançado pelos Colegas da Universidade de Évora, Professores Francisco Javier Martinez e Filomena Barros, a quem muito agradeço.

2Foi para mim uma grata oportunidade aprofundar os meandros da história marroquina dos primórdios do século XX, inseridos numa trama mais vasta da história política e diplomática, de contornos internacionais, que tenho muito gosto em partilhar com a audiência.

3A realização desta sessão deve-se ao trabalho coordenado pelo Professor Youssef Akmir da Universidade Ibn Zohr de Agadir, presente entre nos, organizador do Colóquio Internacional sobre o tema em apreço, realizado por ocasião do Centenário desse acontecimento em 2011. Professor Youssef Akmir coordenou a publicação dos dois volumes que resultaram do referido Colóquio: Agadir en torno a 1911. Aproximaciones historiográficas hispano-marroquies al Agadir de finales del siglo XIX y princípios del XX, editado pela Faculdade de Letras y Ciencias Humanas de Agadir conjuntamente com o Instituto de Estudios Hispano-Lusos de Rabat, em 2014, e o segundo volume Approche historiographique de la crise d’Agadir de 1911. 1911-2011, Un siècle après l’arrivée du navire allemand “Panther” à la baie d’Agadir, publicado em 2016.

  • 2 Nota do editor. A apresentação dos livros foi programada como continuação do seminário “Entre Portu (...)

4Felicito aos organizadores por decidirem fazer a apresentação desses dois livros também em Portugal2, na medida em que Portugal é um país europeu com uma longa história comum partilhada com Marrocos e foi precisamente, o trágico desfecho, para Portugal, da Batalha de Alcácer Quibir de 1578 (Wadi al-Makhazin ou a Batalha dos Três Reis) que projectou na Europa a imagem de Marrocos como uma grande potência militar. Este entendimento alterou-se bruscamente em 1844, quando a França envolvida na conquista da Argélia, decidiu punir Marrocos pelo apoio concedido ao ‘amir ‘Abd al-Qadir que lutava contra a França. A victória francesa na Batalha de Isly e o Tratado de Mogador imposto na sua sequência, constituiu uma espécie de premonição quanto às verdadeiras intenções da França em relação a todo o espaço magrebino.

5Como é sabido, em 1774, Portugal e Marrocos assinaram o Tratado de Paz, de Navegação e de Comércio, que desde então passou a pautar as suas relações bilaterais, caracterizadas pela fidelidade ao espirito deste entendimento. Portugal não participou na colonização do Magrebe e é este traço que o distingue das restantes potências coloniais.

6Acresce que desde a época napoleónica, em função da rivalidade anglo-francesa, o valor estratégico de Marrocos cresceu vertiginosamente, procurando as potências europeias intervir nos assuntos internos de Marrocos de modo a criar condições favoráveis para a prossecução dos seus interesses. Após a intervenção francesa em Marrocos por ocasião da luta contra o ‘amir ‘Abd al-Qadir, foi travada a chamada Guerra de Tetuan ou a Guerra de Espanha contra Marrocos nos anos 1859-1860, cujo desfecho consagrado pelo Tratado de Wadi-Ras (1860) obrigou Marrocos a reconhecer a soberania espanhola sobre Ceuta e Melilla, ceder o território de Sidi Ifni à Espanha e pagar ainda uma indemnização de guerra no valor de 100 milhões de pesetas, o que arruinou as finanças do país.

7Finalmente, importa esclarecer que a “crise de Agadir” se relaciona com um incidente de cariz militar e diplomático entre a Alemanha e a França que teve lugar em 1 de julho de 1911, tendo sido provocado pelo surgimento na baía de Agadir do crusador Panther da marinha de guerra alemã sob pretexto de proteger os interesses alemães no Sul de Marrocos.

[Antecedentes da crise]

8Afim de melhor compreender a “crise de Agadir” e as suas consequências analisadas nos dois volumes referidos, proponho recuar ao início do século XX. Assim, em 1904, a Inglaterra e a França alcançaram a Entente Cordiale que confirmava a liberdade de acção da Inglaterra no Egipto mediante uma carte blanche para a França no que respeita a Marrocos. Por sua vez, no mesmo ano, a França e a Espanha estabeleceram um acordo secreto sobre a demarcação de zonas a controlar em Marrocos em caso de conflicto. A divulgação desse acordo, levou o Imperador da Alemanha, país interessado em consolidar os seus interesses em África, incluindo Marrocos, a fazer uma visita relâmpago a Tânger em 30 de março de 1905, reiterando as garantias alemãs da soberania de Marrocos e exigindo o princípio de comércio livre para todos. Em consequência disso e, no meio de uma crescente tensão internacional, a França e a Espanha assinaram um segundo acordo secreto em 1 de setembro de 1905 em San Sebastian, propondo a convocação de uma conferência internacional para solucionar o problema marroquino.

9Esta conferência teve lugar em Algeciras, de janeiro a abril de 1906. Baseando-se no acordo anterior sobre a protecção de estrangeiros em Marrocos (Madrid, 1880), o Acto Final da Conferência de Algeciras, concedeu à França e à Espanha o direito de policiar e treinar militarmente guarnições de oito fortalezas, com o intuito de preservar a soberania marroquina. Houve ainda concessões no sector da banca. A prossecução das reformas impostas esbarrou com um descontentamento generalizado. Em 1907 deu-se uma intervenção militar francesa em Casablanca e, [no ano seguinte], as tropas francesas ocuparam Oujda.

10A situação interna de Marrocos continuou a agudizar-se e, em março de 1911, o Sultão Mawlay ‘Abd al-Hafid, ameaçado pela revolta das tribos, solicitou uma ajuda francesa que se concretizou pelo envio de tropas. Em maio, as tropas francesas ocuparam, sucessivamente, Rabat, Fez e Meknes. Por sua vez, a Espanha ocupou Larache e Alcácer Qibir. A Alemanha considerou estas intervenções como uma violação dos acordos de Algéciras e decidiu intervir.

11Darei, agora, a voz aos Autores desses dois volumes para apresentarem diversos aspectos estudados em torno da “crise de Agadir”.

[Conteúdos do livro Agadir en torno a 1911]

12O primeiro volume, editado em 2014, traz sete contribuições, além da introdução do Professor Youssef Akmir, que na qualidade de organizador do Colóquio Internacional sobre a “crise de Agadir” sublinhou a relevância da produção científica em apreço, baseada maioritariamente em fontes espanholas e escrita em castelhano, traduzindo a existência de um profícuo intercâmbio académico. O volume é complementado por um interessante anexo fotográfico.

13O primeiro ensaio da autoria de Rosario de la Torre del Río (Universidade Complutense) ”La política marroquí de España en el año de la crisis de 1911 a través de la correspondencia particular del Marqués de Alhucemas” – na altura o Ministro de Estado de Assuntos Exteriores (pp. 15-48) analisa as complexas e sinuosas negociações entre a Espanha e a França conducentes à repartição de zonas de influência e territoriais em 1912 aquando do estabelecimento do Protectorado franco-espanhol sobre Marrocos. Ficou bem claro que o surto do cruzador alemão Panther em Agadir, introduziu uma ainda maior tensão entre as potências europeias originando uma corrida aos armamentos, sendo considerado por alguns historiadores (entre outros Jean-Claude Allain, autor do estudo clássico Agadir 1911: Une crise impérialiste en Europe pour la conquête du Maroc), como efetivo sinal do início da Primeira Grande Guerra.

14Por outro lado, a Autora sublinha a importância da “crise de Agadir” como catalisador para a definição ou antes para a redefinição da política externa do Governo espanhol, tendo em conta que em 1898, a Espanha ao ter perdido a maior parte das suas possessões ultramarinas (Cuba e Filipinas) não dispunha de meios para se opor aos apetites coloniais de outras potências em Marrocos. Porém, ainda no início de 1911, o rei de Espanha, Alfonso XIII, efetuou uma viagem a Melilla com o objetivo de marcar a posição de Espanha face à agressividade colonial da França.

15Como êxito da diplomacia espanhola poderá ser considerado o facto de a exigência de compensações territoriais a favor da Alemanha, inicialmente para ser satisfeito pela entrega do território de Sidi Ifni ou outro na posse de Espanha, acabou por ser concertado entre a França e a Alemanha.

16O terceiro ensaio, intitulado “La crisis de Agadir de 1911 a través de los informes de los embajadores de España en Berlin, Paris y Londres” (pp. 77-X), apresentado por Maria Rosa de Madariaga, explora também fontes diplomáticas espanholas, no caso as do Arquivo General de la Administración de Alcala de Henares.

17Conforme explana a Autora, o “golpe de Agadir” ao agudizar as relações entre a Alemanha, a França, a Espanha e a Inglaterra, desencadeou simultaneamente novas negociações. O descontentamento da Alemanha tinha origem não apenas na ocupação, pela França, de várias cidades em Marrocos, mas também na ocupação, pela Espanha, das cidades costeiras de Larache e Alcácer Qibir. Estava a ser discutido o assunto das compensações territoriais a favor da Alemanha. As tensões tornaram clara e inevitável a partição de Marrocos, muito embora a Inglaterra através do seu Ministro dos Negócios Estrangeiros ter reiterado, por diversas vezes, a sua intenção da manutenção de status quo.

18Ao concluir, a Autora considera o “golpe de Agadir” como uma tentativa da Alemanha para forçar a obtenção de uma compensação, o que efectivamente ocorreu através do Tratado franco-alemão, assinado em Novembro de 1911, que deixava à França liberdade de agir em Marrocos mediante uma recompensa territorial de 200.000 km2 do Congo francês e uma faixa de terra no nordeste dos Camarões, entre os rios Logone e Chari – os Novos Camarões (Neukamerun) para aumentar o território dos Camarões, pertencente, desde 1884, à Alemanha.

19O destino de Marrocos foi selado pelo Tratado de Fez, em fevereiro de 1912, que estabeleceu o Protectorado Franco-espanhol sobre o país, exceptuando a cidade de Tanger, com um estatuto internacional, definido, apenas, em 1929.

20A contribuição seguinte, de Francisco Javier Martínez, presente entre nós e estudioso da história de medicina, aborda o tema de “La peste paradójica: salud pública e imperialismo francês en Marruecos en torno a la crisis de Agadir(pp. 95-117).

21Como é do conhecimento geral, ao longo dos séculos Marrocos foi assolado por diversas vezes pela peste. Disso temos relatos também de autores portugueses. O ano do “golpe de Agadir” foi marcado por um alastramento dessa epidemia, particularmente na província de Dukkala e, por isso, o ano de 1911 é, às vezes, referido como “a ano da peste”, entendido também em sentido figurado, comparando-se a expansão francesa à peste que alastra.

22O Autor estuda o ano de 1911 na perspectiva da medicina e das medidas sanitárias. As fontes francesas da época, ao debruçarem-se sobre a propagação da epidemia, procuraram descobrir a origem desse surto, apontando uns para o impacto do nomadismo na propagação de doenças contagiosas, outros considerando o perigo que constituía a deslocação de pessoas para efectuarem a peregrinação a Mecca, passando por territórios afectados ou em contacto com portadores dessa doença. Porém, o facto de movimentação das tropas francesas e do material militar em todo o país, já há vários anos, como possível causa, nem sequer era mencionado.

23Os Franceses procuraram aproveitar-se dessa situação para imporem uma série de medidas visando instaurar estruturas sanitárias, incluindo a proposta da criação de um Instituto Pasteur em Tanger, onde funcionava, desde 1792, o Conselho Internacional Sanitário.

24Esse projecto esbarrou com uma certa relutância dos países europeus que não viram com bons olhos mais esta tentativa francesa para instituir a sua hegemonia em mais um sector. Com efeito, o Instituto Pasteur que verdadeiramente tive uma ação efetiva no Marrocos francês só foi criado muitos anos mais tarde, mas em Casablanca (1932).

25Na sua análise o Autor estabelece um paralelismo paradoxal entre os avanços do controle francês sobre Marrocos e as reacções de outras potências com interesses nesse espaço, que acabaram por condicionar e limitar o alcance da accção francesa. Na conjuntura internacional global, o estatuto jurídico de Marrocos tomou a forma de Protectorado partilhado entre a França e a Espanha.

26A quinta contribuição, intitulada “España y Francia en el sur de Marruecos: intereses, delimitación de fronteras y contencioso territorial, 1900-1912” (pp. 119-135) da autoria de Jesús Martínez Milán (Universidade de las Palmas de Gran Canarias), foca um contencioso entre a Espanha e a França no que respeita a zona sul de Marrocos desde a segunda metade do século XIX, um assunto pouco estudado, que valoriza o presente volume de estudos, preenchendo essa lacuna. O Autor analisa um agravamento de tensão entre os dois países a partir de 1904, que se intensifica depois da Conferência de Algeciras em 1906. Chama a atenção para a ligação existente entre o domínio espanhol sobre as Canárias e o receio da lesão de interesses espanhóis no caso de autonomização ou amputação da província do Sus, situada em frente das Canárias ao ser transformada num protectorado francês. A correspondência dos cônsules espanhóis de Mogador e Mazagão faculta informação pormenorizada sobre essas questões. Em 1900, a França e a Espanha alcançaram um entendimento sobre Río de Oro e a Guinea (Río Muni), mas que não satisfez nenhuma das partes. Em 1903, a França acusava a Espanha de não ter ocupado efectivamente, leia-se militarmente, a zona de Río de Oro, o que não facilitava aos Franceses a luta contra as continuadas sublevações locais e dificultava a penetração francesa na Mauritânia. Esta situação de efervescência interna em Marrocos tinha a sua origem na crescente dependência financeira do Makhzen face às potências europeias e ficou agravada pela imposição de um novo acordo entre o Governo francês e os representantes do Sultão, em janeiro de 1910, o que aumentou ainda mais a dependência económica e financeira de Marrocos.

27A leitura proposta encara a “crise de Agadir” como resultado de uma incorrecta / precipitada interpretação por parte da Alemanha no contencioso que opunha a França à Espanha. Seguiram-se novas negociações com propostas que iam evoluindo no que respeita à delimitação de fronteiras. Como resultado, o acordo final firmado consagrou o rompimento da continuidade territorial entre o Ifni e a zona sul sob o controle espanhol.

28A complementar, de certo modo, as contribuições acima referidas, situa-se o sexto ensaio “La Sociedad Geográfica de Madrid y el colonialismo en Marruecos entre 1876 y 1912(pp. 137-160), apresentada por José Luis Villanova (Universidade de Gerona). O Autor analisa a actuação da Sociedad de Geografía de Madrid através das Actas das reuniões do seu Conselho de Administração.

  • 3 Nota do editor. A Prof. Von Kemnitz se referia à rua das Portas de Santo Antão, onde fica também a (...)

29A Sociedad de Geografía de Madrid foi fundada em 1876 (um ano depois da de Lisboa, situada, aliás na mesma rua onde nos encontramos3), mas a sua actividade em prol da defesa e promoção dos interesses coloniais de Espanha é mais tardia, prendendo-se claramente com o incremento da expansão europeia em África, consagrada pela Conferência de Berlin de 1884-1885. O seu papel revelou-se crucial no que respeita à influência exercida sobre os governos na prossecução da política externa, à mobilização da opinião pública e da dos diferentes sectores da sociedade espanhola.

30Por sua proposta foi fundada uma outra instituição, a Sociedad Española de Africanistas y Colonistas (1883), renomeada Sociedad Española de Geografía Comercial que acabou por ser incorporada na própria Sociedad de Geografía de Madrid (1896), que em 1901 passou a ser denominada Real Sociedad Geográfica.

31Face, por um lado, às indefinições da política externa relativamente a Marrocos, à reticência de grupos económicos em investir naquele país e, por outro lado, face à crescente ingerência francesa e à instabilidade em Marrocos, foi a Real Sociedad Geográfica levada a assumir um papel mais consistente, estudando a fundo os assuntos marroquinos, publicando relatórios, aconselhando os governos e influenciando a opinião pública na perspectiva da defesa dos interesses espanhóis. A Real Sociedad Geográfica teceu severas críticas sobre a actuação de França em Marrocos, caracterizando-a de forma sucinta como uma vontade de “explorar e perverter”.

32A atenção prestada ao impacto da “crise de Agadir” na imprensa constitui o cerne do caso de estudo “El impacto de “le coup d’Agadir” de 1911 en la prensa catalana(pp. 49-76) da autoria de Eloy Martin Corrales da Universidade Pompeu Fabra de Barcelona.

33A contrastar com o vivo interesse pelas questões marroquinas em finais do século XIX e na altura da Conferência de Algeciras patente na imprensa espanhola, a contrastar, igualmente, com o apoio explícito da Real Sociedad Geográfica para influenciar a opinião pública em favor da defesa dos interesses espanhóis em Marrocos, este estudo revela que em 1911 a ressonância do “golpe de Agadir” mereceu uma atenção diminuta, em particular na Catalunha, devido a uma situação sócio-política conturbada, originada por uma série de greves e à sua brutal repressão. Nesse contexto, republicanos, socialistas, anarquistas e nacionalistas catalães juntaram-se para protestar contra o envolvimento do governo e, em especial, contra a intervenção militar na zona septentrional de Marrocos. As notícias que circulavam transmitiam cepticismo e desinteresse pelo assunto.

34Last but not least, a contribuição do Professor Youssef Akmir da Universidade Ibn Zuhr de Agadir recupera um texto excepcional, escrito por um Marroquino no século XIX: “La descripción del Sus de Táleb Sidi Ibrahim de Massa, una fuente local al servicio de la etnología colonial europea de finales del siglo XIX y princípios del XX(pp. 161-181).

35O que não deixa de ser curioso é que o texto elaborado pelo letrado Sidi Ibrahim al-Massi resultou de uma expressa encomenda de William Brown Hodgson (1801-1871) – [autor do livro Notes on Northern Africa, the Sahara and Soudan, in relation to the ethnography, languages, history, political and social condition, of the nations of those countries, 1844], um estudioso americano autodidacta, conhecedor de várias línguas africanas e desejoso de se inteirar da região de Sus nos aspectos sócio-culturais e linguísticos.

36O texto redigido por Sidi Ibrahim al-Massi no ano 1251 da Hégira, aproximadamente 1834 no calendário Cristiano, tinha duas versões, uma em Árabe e outra em Amazigh, que foram traduzidas para o Inglês e publicadas no Journal of the Royal Asiatic Society. Posteriormente, o orientalista francês René Basset procedeu à sua tradução para o Francês e mais tarde para o Castelhano, tendo sido esta última versão publicada pelo Boletín de la Sociedad Geográfica de Madrid, em 1886. Em 2004, o historiador marroquino Omar Afa, baseando-se nesses trabalhos, preparou uma versão árabe, anotada, do texto.

37A descripção da região do Sus faculta preciosas informações sobre a estrutura social, as tribos e as suas genealogias, produções agrícolas, artesanais, pesca e comércio, festas religiosas e outros costumes. A narrativa contém alguns elementos autobiográficos que nos parecem merecedores de menção. Trata-se de notícias sobre o sistema de ensino. O letrado marroquino Sidi Ibrahim al-Massi recorda ter estudado durante sete meses na zawiyya de Tazerualt com um mestre famoso Sidi Mahommed Adyeli, que tinha 74 discípulos. A alimentação dos discípulos era paga pelo governador da província. Um outro período de estudos, de nove anos, Sidi Ibrahim al-Massi passou-os na zawiyya de Aglu sob a orientação do mestre Sidi Mohammed ben Hussein Adyarrar. Este tinha 52 discípulos. As matérias ensinadas incluíam ciências, leis e a exegese corânica. Relativamente à zawiyya de Aglu, o autor menciona a existência de 83 livros, dos quais apenas um em Amazigh. É importante termos a noção que o Amazigh era ensinado naquela época e que o próprio Sidi Ibrahim al-Massi redigiu a sua narrativa em Árabe e Amazigh, língua que só recentemente foi reconhecida como língua oficial de Marrocos.

[Conteúdos do livro Approche historiographique de la crise d’Agadir de 1911]

38O segundo volume da publicação em apreço, intitulado Approche Historiographique de la Crise d’Agadir de 1911 é bilíngue, árabe e francês. Traz seis contribuições em Árabe e quatro em língua francesa, além do Prefácio/Prólogo do Coordenador.

39Assim, temos entre as primeiras “Agadir em 1911, estudo segundo a historiografia localde Chafiq Arfal; “[Entre a história, a memória e os arquivos: o caïd Al-Kayluli e as consequências de Agadir 1911]” de Al-Djaylali al-Adnani; “[Perspectivas/ objectivos da política alemã em Marrocos e o apoio das resistências do Sus ao Rif]” de Mohammad Bu Kabut; de Youssef Akmir, o ensaio “[Documentos espanhóis em torno do eco produzido pela “crise de Agadir” de 1911 nas Ilhas Canárias”; “Posição dos EUA sobre a questão marroquina 1904-1911]” de Muhammad Mizyan e “[Abordagem historiográfica da obra de Jean-Claude Allain]” da autoria de ‘Abd al-Aziz Al-Suud.

40Dos quatro ensaios em Francês, dois: “L’année de la peste. Paradoxes sanitaires de l’hegémonie française au Maroc autour de la crise d’Agadir de 1911 de Francisco Javier Martínez (pp. 11-37) e “L’Espagne et la France au sud du Maroc : intérêts, délimitations des frontières et contentieux territorial, 1900-1912 (pp. 61-79) de Jesús Mª. Martínez Milán, constituem tradução francesa dos mesmos trabalhos publicados no volume anterior.

41A novidade constitui “Touristes en Chaouïa (1910) (pp. 39-60) de Daniel Nordman, investigador do CNRS, em que o Autor interpreta um acontecimento aparentemente banal, o de uma viagem de alguns membros da Société de Géographie de Marseille para a região Chaouïa, nas proximidades de Casablanca, em 1910.

42O lugar, uma região ocupada pelas forças francesas e a data, inseridos no contexto de afrontamentos e ameaças de cariz político e militar suscitam um questionamento que leva a concluir de que se trata de uma iniciativa utilitária e interesseira na medida em que corresponde a um projecto político, mesmo que este não seja explícito. O Autor argumenta a favor de um acto de propaganda, fundamentando-o como uma “tomada de posse” simbólica, valorizando uma ligação entre a segurança, a estabilidade e a ordem que no relato da viagem está descrita como da “tranquilidade mais absoluta”; o que os turistas vêem são resultados da ocupação (casernas, escolas francesas, hospitais, linhas de caminho de ferro) e alguns elementos pitorescos da paisagem e das gentes.

43O outro trabalho “Intérêts italiens et allemands en Libye jusqu’à la deuxième crise marocaine (pp. 81-108) de Federico Cresti / Universidade de Catania, debruça-se sobre o efeito de dominó do “golpe de Agadir” materializado pela ocupação italiana da Cyrenaica e da Tripolitania ainda em outubro de 1911, iniciando a conquista dos referidos territórios, os últimos da costa do Mediterrâneo ainda não controlados pelas potências europeias.

44Este estudo demonstra claramente como o caso de Marrocos interessava não apenas as potências que disputavam aí interesses directos, mas também interessava aos países em função do equilíbrio ou da falta dele que a situação em Marrocos projectava sobre o espaço mediterrânico e sobre as relações entre as potências europeias no seu conjunto.

45O território da Líbia actual passou a ser estudado pelos europeus tardiamente, percorrendo-o vários Alemães já em finais do século XVIII, Ingleses no século XIX e no mesmo século também Italianos. Um deles, Paolo Della Cella, que percorreu toda a zona costeira em 1817, além das descrições dos aspectos arqueológicos e naturais, concebeu, primeiro uma ideia sobre as vantagens económicas que poderiam caber a uma nação europeia que quisesse apoderar-se militarmente desses territórios de grande potencial agrícola, mas que os seus habitantes não eram capazes de o explorar. Observava ainda que as populações locais não dispunham de meios de se opor a um exercito europeu moderno.

46É de notar que os principais pontos dessa exposição foram retomados num posterior projecto colonial italiano.

47Entretanto a abertura do Canal de Suez (1869) levou os Ingleses a assegurar os seus interesses de comunicação com a Índia, passando a controlar a ilha de Chipre (1878), cedida pelo Império Otomano por 99 anos e, a ocupação do Egipto em 1882. Por sua vez, a França estabeleceu o Protectorado sobre a Regência de Tunis (1881), o que provocou uma violenta reacção italiana que considerou aquele território, em função da proximidade, da existência de uma grande comunidade italiana e dos interesses económicos envolvidos, como um território da sua influência. A Itália rompeu relações diplomáticas com a França e aproximou-se da Alemanha e do Império Austro-Húngaro ao assinar um Tratado de Triplice-Aliança em 1882, renovado em 1902.

48A Itália lesada nos seus interesses mediterrânicos pelo estabelecimento de Protectorado francês na Tunísia, decidiu ripostar ocupando uma parte da Eritreia em 1884 e acompanhar de perto a evolução da situação géo-política no Mediterrâneo, particularmente em Marrocos e na zona não ocupada pelas potências europeias entre a Tunísia e o Egipto.

49Não obstante a existência da Triplíce-Aliança que vinculava a Alemanha, o governo italiano seguia com crescente preocupação um estreitamento de relações políticas e económicas entre a Alemanha e o Império Otomano. Depois da chegada ao poder dos Jovens Turcos (1908), a penetração italiana, de cariz económico, na Líbia, através do Banco de Roma, foi travada.

50Nesse contexto e na perspectiva italiana, perante a ocupação das cidades marroquinas de Fez, Meknes e Rabat pelas tropas francesas a partir de maio de 1911 e a resposta alemã através do envio do cruzador Panther para a baía de Agadir em julho desse mesmo ano, levou o governo italiano a tomar medidas definitivas relativamente ao território líbio.

51Em 29 de Setembro de 1911 a Itália declarou a guerra ao Império Otomano e, em 4 de outubro seguiu-se o desembarque de tropas italianas em Tobruk, dando início da conquista da Líbia.

52Nesse mesmo dia, uma Convenção franco-alemã terminava a “crise de Agadir”.

[Conclusão]

53Concluindo, direi que os dois volumes que tive o prazer de apresentar oferecem um valioso contributo para a história de Marrocos no período que precede o estabelecimento do Protectorado. Marrocos afigura-se como um campo de batalha entre os apetites imperialistas europeus dos séculos XIX e XX. Os interesses europeus pela zona do Mediterrânio e pela sua confluência do Atlântico, geraram uma série de alianças que fluctuavam em função da conjuntura e da vontade de afirmar a sua hegemonia por parte das potências mais poderosas, através de ocupação de posições estratégicas em diferentes lugares. Ao oferecer olhares cruzados, representando diferentes perspectivas nacionais sobre “a crise de Agadir” os Autores revelam os mecanismos da política europeia em busca de um “equilíbrio internacional”, um conceito da ciência política. A existência desses interesses variados e frequentemente contradictórios permitiu a Marrocos preservar a sua independência por mais tempo, assemelhando-se um tanto aos destinos do Império Otomano, denominado de “l’homme malade de l’Europe”, sendo os meios de pressão os mesmos que foram aplicados em Marrocos – imposição de reformas, políticas económicas no sentido de controlar os recursos, empréstimos, introdução de peritos militares europeus no treino das forças armadas, etc.

54Somos de opinião, que as reflexões apresentadas poderiam ser enriquecidas se nesse conjunto de estudos fosse contemplado também Portugal. Muito embora Portugal não tenha participado na colonização de Marrocos, os representantes de Portugal António Maria Tovar de Lemos Pereira (conde de Tovar) e Francisco Roberto da Silva Ferrão Martens (conde de Martens Ferrão), Ministro Plenipotenciário de Portugal em Tanger, participaram na Conferência de Algeciras e, por isso, um olhar da diplomacia portuguesa poderia oferecer achegas complementares. Acresce que em virtude da posição portuguesa neutra relativamente às duas crises marroquinas, a de Tanger e a de Agadir, transformou Lisboa num ponto privilegiado de observação da situação marroquina pela diplomacia alemã, no primeiro caso através de Christian Conde von Tattenbach e no segundo através de Max von Ratibor und Corvey.

Caxias, 9 de maio de 2017

Imagem 1 - Eva-Maria von Kemniz e Francisco Javier Martínez, Casa do Alentejo (2017)

Imagem 1 - Eva-Maria von Kemniz e Francisco Javier Martínez, Casa do Alentejo (2017)

Imagem 2 - Youssef Akmir, Casa do Alentejo (2017)

Imagem 2 - Youssef Akmir, Casa do Alentejo (2017)

Imagem 3 - Cartaz do evento académico celebrado na Casa do Alentejo, Lisboa, no 11 de maio de 2017

Notes

1 Nota do editor. Para melhorar a leitura e assimilar a um trabalho científico, o texto foi organizado em secções cujos títulos foram decididos de acordo com o nosso critério. O texto original não tinha nenhuma divisão.

2 Nota do editor. A apresentação dos livros foi programada como continuação do seminário “Entre Portugal e Marrocos”, organizado pelo Dr. Francisco Javier Martínez e pela Prof. Filomena Barros na Universidade de Évora no 10 de maio de 2017, no qual participaram também a Prof. Eva-Maria von Kemnitz, o Prof. Youssef Akmir e o Prof. Fernando Branco Correia.

3 Nota do editor. A Prof. Von Kemnitz se referia à rua das Portas de Santo Antão, onde fica também a Casa do Alentejo.

Table des illustrations

Titre Imagem 1 - Eva-Maria von Kemniz e Francisco Javier Martínez, Casa do Alentejo (2017)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/12773/img-1.png
Fichier image/png, 341k
Titre Imagem 2 - Youssef Akmir, Casa do Alentejo (2017)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/12773/img-2.png
Fichier image/png, 152k
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/12773/img-4.png
Fichier image/png, 237k

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search