Version classiqueVersion mobile

Entangled peripheries. New contributions to the history of Portugal and Morocco

Homage to Eva-Maria von Kemnitz (1950-2017)

Ensaio de bibliografia ordenada

Adel Sidarus

Texte intégral

Os inicios

1A Professora Eva-Maria von Kemnitz iniciou a sua produção académica com uma tese de mestrado em Filologia Oriental sobre a “cultura luso-árabe”, apresentada em 1976 na Faculdade de Letras da Universidade de Varsóvia, na sua terra natal:

  • Tradycje kultury arabsko-muzulmanskiej w Portugalii” [Tradições da cultura árabo-muçulmana em Portugal] (Tese de mestrado, Universidade de Varsovia, 1976).

2Lembremos que, antes de cursar Filologia Oriental, ela tinha frequentado, entre 1967 e 1971, o Curso Superior de Ciências Económicas (Especialização em Comércio Externo), na Escola Superior de Planificação e Estatística de Varsóvia.

3Na senda da tese de mestrado, conseguiu obter uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, para os dois anos académicos seguintes, 1976-1978, com vista a prosseguir em Portugal a sua pesquisa na mesma área, mas focando em particular a era dos Descobrimentos, com o tema “Consequências dos Descobrimentos na sociedade portuguesa do século XVI”. Circunstâncias várias não lhe permitiram publicar algo antes do transcurso de alguns anos, tal como:

  • “Contributo da marinharia islâmica para os Descobrimentos Portugueses,” Al-Furqan, número especial (1986), 18-24.
    [Este contributo tinha sido apresentado no colóquio organizado pela Comunidade Islâmica de Lisboa (CIL), nesse mesmo ano, sobre o tema dos Descobrimentos precisamente, e de que a referida revista publicou algumas outras intervenções.]

As relações luso-marroquinas

4Mas interrompamos aqui o levantamento cronológico das outras publicações da saudosa colega luso-polaca, para passar ao tema das “relações luso-marroquinas”, objecto do presente volume e que foi de facto o mais substancial da produção científica da douta investigadora.

5Na senda das suas investigações anteriores sobre a cultura árabe e o surto de interesse para os Estudos Árabes em Portugal em finais do século XVIII, a professora von Kemnitz iniciou, em 2001, uma tese de doutoramento precisamente sobre essas relações nos tempos modernos. Foi na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, em ligação com Centro de Estudos Africanos e Asiáticos, Instituto de Investigação Científica Tropical, Lisboa, onde dirigíamos, nessa altura, um dos projetos sobre o tema geral dos “Contextos coloniais e pós-coloniais no mundo lusófono (séculos XVI-XXI): discursos e estratégias”, a saber: “Orientalismo e Relações entre Portugal e o Norte de África (séculos XVIII-XX)”.

6Conseguiu-se uma bolsa da FCT–Fundação pela Ciência e Tecnologia, e o trabalho desenvolveu-se sob a direção conjunta do Professor Doutor José Esteves Pereira (FCSH/UNL) e o signatário. A tese foi concluída em 2006 e publicada uns anos mais tarde pelo próprio Instituto Diplomático Português:

  • Portugal e o Magrebe (séculos XVIII/XIX): Pragmatismo, inovação e conhecimento nas relações diplomáticas, Série D – Biblioteca Diplomática, nº 19 (Lisboa: Ministério dos Negócios Estrangeiros-Instituto Diplomático, 2010). [597 pp.]

7De um certo modo, essa volumosa obra foi precedida ou complementada por um conjunto de artigos publicados entre 2002 e 2009, quer no âmbito dos Colóquios de História Militar que se organizavam alternativamente entre Portugal e Marrocos – e consequentemente publicadas nas respetivas Actas, quer como conferências na Academia de Marinha aleatoriamente divulgadas:

  • “As Instituições militares portuguesas nas relações com Marrocos nos séculos XVIII e XIX,” in Actas do XII Colóquio de História Militar: Laços Histórico-Militares Luso-Magrebinos (Lisboa: Comissão Portuguesa de História Militar, 2002), 147-161.

  • “Moroccan envoys in Portugal (17th-19th centuries)”, in Mağāz, Culture e Contacti nell’area del Mediterraneo: Il ruolo dell’Islam. Atti 21. Congresso Union Européenne des Arabisants et Islamisants, Palermo, 2002, ed. Antonino Pellitteri (Palermo: Facoltà di lettere e filosofia dell'Università di Palermo, 2003), 179-190.

  • A participação da Armada portuguesa nas relações com o Norte de África nos séculos XVIII e XIX (Lisboa: Academia de Marinha, 2004). [45 pp.]

  • “L’Alliance luso-marocaine dans le contexte du conflit opposant l’Europe et Maghreb (XVIIIe-XIXe siècles),” in Aspects économiques de la défense à travers les grands conflits mondiaux (Actes du XXXe Congrès International d’Histoire Militaire – Rabat, 2004) (Rabat: Commission Marocaine d’Histoire Militaire, 2005), 473-484.

  • “Duas missões portuguesas em Marrocos durante a Guerra Peninsular: Os relatórios do intérprete Fr. Manuel Rebelo da Silva (1770-1849)”; versão francesa: “Deux missions portuguaises au Maroc pendant la Guerre Péninsulaire : Les rapports de l’interprète Frère Manuel Rebelo da Silva (1770-1849),” in XIV Colóquio de História Militar: Comemorando 230 anos do Tratado luso-marroquino de 1774. Actas (Lisboa, nov. 2004) / XIVème Colloque d’Histoire Militaire : Commémoration des 230 ans du Traité luso-marocain de 1774. Actes (Lisbonne, nov. 2004) (Lisboa: Comissão Portuguesa de História Militar, 2005), vol. 1, 177-192 e 193-209.

  • “Envoys, princesses, seamen and captives: The Muslim presence in Portugal in the 18th and 19th centuries,” in Lusotopie, 14/1 número especial, dossier Islam en Lusophonies, édité par N.C. Tiesler (2007), 105-113.

  • “Marrocos e a diplomacia portuguesa no reinado de D. Carlos I: Entre a tradição e novos ventos,” in Actas do XVIII Colóquio de História Militar: Política diplomática, militar e social do Reinado de D. Carlos no Centenário da sua Morte (Lisboa: Comissão Portuguesa de História Militar, 2009), 803-811.

  • “Le rôle des interprètes portugais dans la médiation diplomatique et culturelle entre le Portugal et le Maroc aux XVIIIe et XIXe siècles,” in Le Maroc et les mutations internationales (Actes nº 22 – Actes du colloque organisé à Casablanca en hommage au professeur Othman Mansouri, 2008) (Casablanca: Université Hassan II Ain Chock, Faculté des Lettres et des Sciences Humaines, 2010), 85-95.

8Esta série deveria fechar-se com mais o seguinte estudo de que recebemos amavelmente uma cópia, sem o ver figurar nos apontamentos curriculares da própria autora, nem no volume para o qual estava destinado (assim como nos quatro outros volumes ou issues do ano e revista em causa):

  • “José Daniel Colaço (1831-1907): A synthesis of the Portuguese perception of Morocco”, The Journal of North African Studies, special issue Facets of exchange between North Africa and the Iberian Peninsula, 19/1 (2014).
    [Em comum acordo com a família da saudosa colega, iremos tentar propô-lo como artigo avulso para a mesma revista.]

Os estudos árabes em Portugal

9As personalidades chaves que ajudaram a desenvolver essas relações luso-árabes, e não apenas a título de intérpretes, foram os Frades arabistas da Ordem Terceira de São Francisco, então sob a alçada de Frei Manuel do Cenáculo, o qual lançou deverás o movimento orientalista português, com especial impacte para o arabismo, na época das Luzes Pombalinas. Foi assim que esses arabistas eram funcionários do Ministério da Marinha, que cuidava, nesses tempos, de grande parte das relações diplomáticas do país.

10Do interesse da Eva Maria von Kemnitz por este tema surgiram uma série de artigos como aqueles que encontrámos anteriormente e os que referimos de seguida. Alguns deles apareceram na senda direita da primeira investigação levada a efeito entre os anos de 1976 e de 1978:

  • “XI Kongres Europejskiej Unii Arabistow i Islamologow – Évora, Faro i Silves 1982”, Przeglad Orientalistyczny, 99 (1986), 79-95.
    [Longa resenha de Islão e Arabismo na Península Ibérica: Actas do XI Congresso da Union Européenne des Arabisants et Islamisants, ed. Adel Sidarus (Évora: Universidade de Évora, 1986). Na senda aliás da presença da autora no Congresso.]

  • “Estudos Árabes em Portugal: Um ensaio histórico-crítico,” Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa, Série 150 (Julho-Dez.) (1987), 19-37.
    [Conferência apresentada na dita Sociedade no ano anterior, reformulada e aumentada, depois da sua publicação desfasada em francês no artigo seguinte. Desenvolvimentos sobre o séc. XX, no estudo de 2012 infra.]

  • “Les études arabes au Portugal”, Rocznik Orientalisyczny [Journal of Oriental Studies] 46 (1988), 79-95.

  • “International contacts of the Portuguese Arabists (18th-19th cent.),” in Authority, privacy and public order in Islam (Proceedings of the 22nd Congress of the Union Européenne des Arabisants et Islamisants, October 2006), ed. B. Michalak-Pikulska & A. Pikulski (Leuven: Peeters, 2006), 369-386.

  • “Tavira, ponto de partida para o Mundo do Outro. Percurso de um tradutor arabista: Fr. José de Santo António Moura (1768-1840),” in Actas das V Jornadas de História de Tavira (Tavira, Câmara Municipal, 2006), 12-22.

  • “The Centenary of the Republic and the Republic of Letters: Arabic Studies in Portugal 1910–2010,” Rocznik Orientalisyczny [Journal of Oriental Studies] 64/1 (2011), 121-132 (dossier com o título de Sīrat al-Ğāḥiẓ. Volume in Honour of Krystyna Sharżyńska-Bocheńska and Danuta Madeyska).

  • “Arabic scholarship in Portugal in the second half of the 19th Century,” in Centre and Periphery within the borders of Islam (Proceedings of the 23rd Congress of the Union Européenne des Arabisants et Islamisants – Sassari, 2006), ed. G. Contu (Lovaina: Peeters, 2012), 165-176.

  • editora, Volume Comemorativo do Primeiro Decénio do Instituto de Estudos Orientais 2001-2012 (Lisboa: Universidade Católica Editora, 2012).

  • “Em Portugal: O orientalismo em fragmentos”, Revista de Estudios Internacionales Mediterráneos, 21, (2016), 13-25. (dossier com as Actas do Congresso Internacional “Orientalismos Periféricos”, organizado no mesmo ano por Maria Cardeira da Silva, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa).

  • editora, Estudos Orientais e Orientalismos em Portugal (Lisboa: Universidade Católica Portuguesa, 2018) (volume das Actas do Colóquio do mesmo titulo organizado em 2014 por Eva Maria von Kemnitz no Instituto de Estudos Orientais e Centro de Estudos de Comunicação e Cultura, Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Católica Portuguesa, Lisboa, 2014).

11Na mesma linha de publicações, a nossa saudosa colega juntou-se a nós para divulgarmos em conjunto toda a documentação conservada em solo português à volta de um tema específico dos estudos árabes, de que deu conta ela própria num congresso internacional, antes da sua publicação:

  • (com Adel Sidarus) “Christian Arabic manuscripts in Portugal and the contribution of Arab Christians to the beginning of Oriental Studies (turn of 18th to 19th centuries),” in Eastern Christianities: Scribes and Manuscripts (2nd International Congress of Eastern Christianity – Madrid, 2008), ed. J.P. Monferrer (Lovaina: Peeters, 2011), 29-42.

12Mais tarde, alargou o tema para abranger o Brasil:

  • “Quelques réflexions sur l’orientalisme au Portugal et au Brésil. Une vision comparative,” Al-Irfane, 1 (2015), 117-128.

  • “Portugal and Brazil: Contrasting patterns in Arabic Scholarship,” in Arabic and Islamic Studies in Europe and beyond / Études arabes et islamiques en Europe et au-delà (Proceedings of the 26th Congress of the Union Européenne des Arabisants et Islamisants – Basel 2012), ed. M. Reinkowski & M. Winet (Lovaina: Peeters, 2016), 37-59.

O projecto DOLP

13Na senda da sua investigação sobre os estudos árabes em Portugal e no Brasil, Eva-Maria lançou o projecto ousado de um Dicionário de orientalistas de língua portuguesa, no quadro do Centro de Estudos de Comunicação e Cultura (CECC), da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Católica Portuguesa de Lisboa. Alguns artigos já estão acessíveis na internet: https://orientalistasdelinguaportuguesa.wordpress.com/​

14Nas palavras de apresentação, explica-se que o projeto se destina a resgatar a memória de todos os que contribuíram para o fomento dos Estudos Orientais em Portugal e para a divulgação de conhecimentos sobre os vários Orientes no espaço lusófono.

15O referido CECC já montou uma equipa de investigadores que irá prosseguir com o Dicionário. Os professores Artur Teodoro de Matos, Marília dos Santos Lopes e João Teles e Cunha apresentaram publicamente o projeto e a equipa na sessão de homenagem à orientalista e ex-directora do Instituto de Estudos Orientais que decorreu na Universidade Católica Portuguesa no 12 de novembro de 2018.

Outras dimensões da cultura luso-árabe

  • “Influência do árabe na língua portuguesa,” Revista Internacional de Língua Portuguesa, 5-6 (1991), 34-44.

  • “A presença árabe em Tavira: um caso de continuidade”, in Tavira do Neolítico ao século XX (II Jornadas de Tavira-Actas) (Tavira: Clube de Tavira, 1993), 109-118.

  • “A construção de uma nova sociedade: O caso específico da minoria moura,” in 2º Congresso Histórico de Guimarães: Sociedade, Administração, Cultura e Igreja em Portugal do século XII. Guimarães, 1997. Actas (Guimarães: Câmara Municipal e Universidade do Minho, 1997), 80-91.
    [Publicado também na Revista de Guimarães, 106 (1996), 161-174.]

Arte islâmica

16Perante as dificuldades encontradas para ingressar na carreira universitária em Portugal, para a área da sua especialidade, incluindo o reconhecimento para tal das suas habilitações académicas de origem, a nossa investigadora frequentou um curso de pós-graduação para “Conservadores de Museus”, 1989-1991, mais um Curso de Gestão das Artes, no INA–Instituto Nacional da Administração, 1991-1992.

17No âmbito do primeiro curso, elaborou os dois estudos seguintes:

  • “Estudo monográfico referente ao Museu de Marinha” (Essaio sem publicar, 1990).

  • “Os núcleos de património árabe-islâmico em Portugal considerados no contexto do desenvolvimento local, regional e nacional, no da reutilização do património museológico e no do turismo cultural” (Essaio sem publicar, 1990).

18E para efeitos de trabalho final do curso:

  • “Estudo-Proposta de exposição e divulgação da Colecção de Arte Islâmica da Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves” (Essaio sem publicar, 1991).

19No quadro do segundo curso, desenvolveu o projeto seguinte:

  • “Towards the enhancement of the knowledge of the Islamic heritage of Portugal” (Valorização do património islâmico de Portugal) (Essaio sem publicar, 1992).

20Seguiram-se, além de inúmeras conferências ou intervenções em fóruns variados, sobre museologia e património ou espólios museológicos árabo-islâmicos em Portugal, os trabalhos seguintes:

  • “Portugal and the fashion of turqueries,” in Proceedings of the 14th International Congress of Turkish Art (Paris, Collège de France, 2011), ed. Fréderic Hitzel (Paris: Collège de France, 2013), 809-818.

  • “The khamsa: A recurrent symbol in artistic tradition in the global Islamic context,” in Islam and Globalization: Historical and contemporary perspectives (Proceedings of the 25th Congress of l’Union Européenne des Arabisants et Islamisants), ed. A. Cilardo (Leuven: Peeters, 2013), 581-607.

  • “Dans le sillage des traditions ottomanes en Tunisie. La dernière Odalisque de Fayçal Bey”, in Mélanges en l’honneur du Professeur Alia Baccar Bournaz: Carthage au cœur de la Méditerranée. Littérature, civilisation, interculturalité, dirigée par M. Chagraoui (Tunis, Université de Tunis El Manar, 2015), 305-310.

  • “Some remarks on the symbol of the hand in the Shi‛i context,” in Contacts and Interaction. Proceedings of the 27th Congress of the Union Européenne des Arabisants et Islamisants. Helsinki, 2014, ed. J. Hämeen-Anttila et al. (Lovaina, Peeters, 2017), 209-220.

  • “Orientalismo estético de inspiração islâmica: O caso de «figuras de convite»”, in Estudos Orientais e Orientalismos em Portugal (Lisboa: Universidade Católica Portuguesa, 2018), X-Y.

21Na senda de dois dos estudos anteriores, a saudosa investigadora preparava com afinco uma obra abrangente sobre o signo da khamsa ou “mão de Fátima”, de que a família está a trabalhar, com a ajuda de antigos amigos e colegas da autora, na edição dos materiais já recolhidos.

Varia islamologica

  • “Escrita árabe: A escrita da Mensagem divina,” in A escrita das escritas. Catálogo, ed. L. M. Araújo (Lisboa: Fundação Portuguesa das Telecomunicações & Estar Edições, 2000), 103-110 (volume referente à exposição “A Escrita: Traços e Espaços”, Museu das Comunicações, Lisboa, outubro 2000 a março 2001).

  • “Muslims as seen by the Portuguese press 1974-1999: Changes in the perception of Islam”, in Religious freedom and the neutrality of the State: The position of Islam in the European Union, ed. W. A. R. Shadid & P. S. Van Koningsveld (Lovaina: Peeters, 2002), 7-26.

  • “Assia Djebar (1936-2015): Uma voz insubmissa da Argélia,” Faces de Eva, 34 (2015), 19-33.

  • “Muslims (un)like the others: The Ismaili in Portugal,” in Rocznik Orientalisyczny [Journal of Oriental Studies] 69/2 (2016), 105-120 (dossier com o título de Shahrazād fī al-masraḥ. Volume in Honour of Ewa Machut-Mendecka).

Polacos em Portugal

22Já no quadro das vivências polacas em terra lusa, temos os seguintes títulos:

  • “General José Carlos Conrado de Chelmicki 1814-1890,” Revista Militar, 2ª Época, Nº 2381/82 (Junho/Julho 2000), 525-543.

  • “General Chelmicki: Engenheiro e estratega,” in Actas do XVIII Colóquio “Portugal militar: Da Regeneração à Paz de Versalhes” (Lisboa: Comissão Portuguesa de História Militar, 2003), 87-97.

  • “O Fado da minha vida: Maria Danielewicz Zielinska (1907-2003),” Faces de Eva, 12 (2004), 171-178.

  • “A Vision from the Other Bank: Maria Danielewicz Zielinska’s contribution to the history of the Polish-Portuguese cultural relations,” in Iberian and Slavonic Cultures: Contact and Comparison, ed. B. E. Cieszynska (Lisboa: CompaRes, 2007), 73-78.

23Temos finalmente uma dúzia de resenhas de livros da especialidade, mais duas dezenas de artigos de divulgação em jornais portugueses ou estrangeiros.

Nota final

24Uma nota final sobre este levantamento bibliográfico. Pudemos notar, com certeza, a projecção internacional alcançada pela prolixa e variegada investigação da nossa investigadora luso-polaca, fiel herdeira da escola orientalista do seu país de origem. Escola florescente desde a sua “nacionalização” na senda da independência do país depois da I Guerra mundial e o fim do Império austro-húngaro, como estudou, entre outros, Witold Tyloch, na sua obra Oriental Studies in the sixty years of Independent Poland (Varsovia: Polish Academy of Sciences, Comittee for Oriental Studies, 1983). E neste vasto domínio, evidenciou-se o que toca aos dois países onde partilhou a sua vida, com a ponte cultural e científica erguida entre eles.

25Bem terá merecido Eva-Maria von Kemnitz a alta condecoração que o Presidente da República da Polónia lhe atribuira em 2012, por ocasião da sua visita a Portugal (ver imagem 1).

Imagem 1 - Condecoração da Prof. Eva-Maria von Kemnitz pelo presidente de Polonia, Bronislaw Komorowski. Lisboa, abril 2012

Imagem 1 - Condecoração da Prof. Eva-Maria von Kemnitz pelo presidente de Polonia, Bronislaw Komorowski. Lisboa, abril 2012

Imagem 2 - A Prof. Eva-Maria von Kemnitz, no dia da defesa da sua tese de doutoramento na Universidade Nova de Lisboa em 2006, acompanhada pelo seu diretor, Prof. Adel Sidarus (segundo pela esquerda), e pelo seu marido, Rui Manuel Ramalho Ortigão Neves (no centro)

Imagem 2 - A Prof. Eva-Maria von Kemnitz, no dia da defesa da sua tese de doutoramento na Universidade Nova de Lisboa em 2006, acompanhada pelo seu diretor, Prof. Adel Sidarus (segundo pela esquerda), e pelo seu marido, Rui Manuel Ramalho Ortigão Neves (no centro)

Table des illustrations

Titre Imagem 1 - Condecoração da Prof. Eva-Maria von Kemnitz pelo presidente de Polonia, Bronislaw Komorowski. Lisboa, abril 2012
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/12713/img-1.png
Fichier image/png, 1,8M
Titre Imagem 2 - A Prof. Eva-Maria von Kemnitz, no dia da defesa da sua tese de doutoramento na Universidade Nova de Lisboa em 2006, acompanhada pelo seu diretor, Prof. Adel Sidarus (segundo pela esquerda), e pelo seu marido, Rui Manuel Ramalho Ortigão Neves (no centro)
URL http://books.openedition.org/cidehus/docannexe/image/12713/img-2.png
Fichier image/png, 1,6M

Auteur

CIDEHUS, Universidade de Évora

© Publicações do Cidehus, 2020

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search